Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Assitência ao parto normal

2,287 views

Published on

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Assitência ao parto normal

  1. 1. INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBAPROTOCOLO - OBS – 028 DATA: 24/09/2005 PÁG: / 6TÍTULO: ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL11. CONCEITO”Aquele de início espontâneo, baixo-risco no início do trabalho de parto, permanecendoassim, em todo o processo até o nascimento. O feto nasce espontaneamente, em posiçãocefálica de vértice, entre 37 e 42 semanas completas de gestação. Após o nascimento mãee filho em boas condições”.(OMS)2. ADMISSÃO DE PARTURIENTES2.1. DIAGNÓSTICO DE CERTEZA DO TRABALHO DE PARTO - FASE ATIVAPresença de contrações uterinas regulares, 1 a 3 a cada 10 minutos, associadas àalterações cervicais: apagamento e dilatação de mais de 2 cm na primípara e dilataçãode mais de 3 cm na multípara. No caso de duvida, ré-avaliar a paciente após 2 horaspara constatar ou não a presença de trabalho de parto verdadeiro.2.2. ESTABELECIMENTO CORRETO DA IDADE GESTACIONAL- Utilizar parâmetros como: data da última menstruação normal, ultra-sonografia do 1ºTrimestre, data do início da percepção dos movimentos fetais, 1º Teste de Gravidezpositivo.2.2.1. HISTÓRIA OBSTÉTRICA- Passada e dados da gravidez atual, procurando identificar risco obstétrico.2.2.2. EXAME FÍSICO OBSTÉTRICO- Volume uterino, situação, posição, apresentação fetal, insinuação, ausculta debatimentos cardíacos fetais (antes, durante e após a contração uterina) e examesdas extremidades (edema, varizes).- Dados Vitais2.2.3. LABORATÓRIO- Tipagem Sanguínea, VDRL, HIV - Teste Rápido3. PROCEDIMENTOS NO PRÉ-PARTO3.1. ASSISTÊNCIA AO 1º PERÍODO DO PARTO3.1.1. DADOS VITAIS MATERNOS- Na admissão e a cada 60 minutos.3.1.2. TRICOTOMIA- Só deve ser realizada se esta for a opção da paciente (orientação no Pré-Natal).- Os pelos devem ser aparados à tesoura ou com tosador apropriado, não utilizargiletes, lâminas de bisturi.3.1.3. ENEMA- Só deve ser realizada se esta for a opção da paciente (orientação no Pré-Natal).- Obedecer suas contra-indicações: fase adiantada do trabalho de parto, bolsa rota,paciente sedada.
  2. 2. INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBAPROTOCOLO - OBS – 028 DATA: 24/09/2005 PÁG: / 6TÍTULO: ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL23.1.4. NUTRIÇÃO DA PARTURIENTE- Na fase ativa do trabalho de parto, os alimentos sólidos devem ser suspensos, sendopermitido a ingestão de pequenas quantidades de líquidos claros (água, sucos sempolpa, chás...).- As pacientes com algum risco da necessidade de anestesia devem ser mantidas comdieta zero.3.1.5. PUNÇÃO VENOSA E INFUSÃO DE LÍQUIDOS- Não deve ser utilizada como rotina; 80% das pacientes admitidas em trabalho departo terão parido em 8 horas.- Reservado para aquelas que necessitem de medicações endovenosas.3.1.6. HIGIENE DA PARTURIENTE- A parturiente deve ser estimulada a se higienizar durante o trabalho de parto (banho,troca de camisola e forro de cama), favorecendo o bem estar materno.3.1.7. POSIÇÃO DA PARTURIENTE- De acordo com sua preferência, evitando, adotar o decúbito dorsal.- A posição vertical (andando ou parada) é contra-indicada nos casos de bolsa rota eapresentação não insinuada.3.1.8. SUPORTE EMOCIONAL- Gera segurança e confiança.3.1.9. VIGILÂNCIA DA VITALIDADE FETAL- Ausculta de batimentos cardíacos fetais a cada 30 minutos (durante e logo após ascontrações).- Se contra-indica a monitorização intra-parto de rotina em gestantes de baixo risco(gera maior número de intervenções e na sua maioria, desnecessárias).3.1.10. TOQUES VAGINAIS- Sua freqüência varia de acordo com a evolução do trabalho de parto.- Evitar toques repetidos (desconforto e ansiedade).- No caso de bolsa rota, mãos escovadas e luvas estéreis.3.1.11. AMNIOTOMIA- Seu uso rotineiro no primeiro período do parto deve ser evitado.- Reserva-se seu uso em condições onde sua prática seja claramente benéfica(distócias funcionais).- Condição indispensável: encaixamento do polo cefálico na pelve materna.3.1.12. PARTOGRAMA- Deve ser realizado de rotina na assistência do parto normal, instrumento deimportância fundamental no diagnóstico dos desvios da normalidade.- Ver anexo 6.1.
  3. 3. INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBAPROTOCOLO - OBS – 028 DATA: 24/09/2005 PÁG: / 6TÍTULO: ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL33.1.13. ANALGOTOCIA- Ver rotina de controle da dor no trabalho de parto.3.2. ASSISTÊNCIA AO 2º PERÍODO DO PARTO3.2.1. POSIÇÃO MATERNA- Horizontal, posição de Laborie-Duncan com decúbito dorsal em mesa de parto eflexão e abdução dos membros inferiores.- Verticalizado, quando disponível cadeira de parto.- Paciente durante o pré-natal deve ser orientada quanto as duas posições, para queesta escolha a que melhor se adapta.3.2.2. VITALIDADE FETAL- Ausculta dos batimentos cardíacos fetais a cada 5 minutos, imediatamente antes,durante e após a contração uterina.3.2.3. MANOBRAS EXTRATIVAS- Provoca maior desconforto materno e suspeita-se que possa ser perigosa para oútero, períneo e feto.- A OMS (1996) a classifica como prática à qual não existem evidencias suficientespara apoiar uma recomendação clara e que devem ser utilizadas com cautela atéque mais pesquisas esclareçam a questão.3.2.4. CUIDADOS COM O PERÍNEO- A literatura preconiza a Manobra de Ritgen, com o objetivo de evitar a deflexão súbitada cabeça fetal (impossível de ser praticada no parto vertical).3.2.5. EPISIOTOMIA - EPISIORRAFIA- Deve ser realizada seletivamente.- Ver capítulo específico.3.2.6. ASSISTÊNCIA AO DESPRENDIMENTO DOS OMBROS- Se não ocorrer espontaneamente, tracionar ligeiramente a cabeça fetal para baixoliberando assim o ombro anterior, e em seguida para cima, liberando por fim o ombroposterior.3.2.7. CLAMPEAMENTO DO CORDÃO- Pode ser realizado de imediato ou momento após o nascimento.- São indicações para o clampeamento imediato: mãe Rh negativo, HIV +, fetodeprimido.
  4. 4. INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBAPROTOCOLO - OBS – 028 DATA: 24/09/2005 PÁG: / 6TÍTULO: ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL43.3. ASSISTÊNCIA AO 3º PERÍODO DO PARTO - SECUNDAMENTO- Expressão simples do útero - Método de Harvey- Evitar: Massagens abdominais vigorosas e tração do cordão umbilical – risco deinversão uterina.- Examinar cuidadosamente placenta e anexos.3.4. ASSISTÊNCIA AO 4º PERÍODO DO PARTO3.4.1. REVISÃO DO TRAJETO- Verificar a presença de laceração em todo o trajeto (vulva, vagina, colo uterino) quepode ser fonte de sangramento significativo.3.4.2. EPISIORRAFIA- Naquelas nas quais se realizou a episiotomia.- Ver protocolo específico - PROTOCOLO-OBS-009.3.4.3. SUTURA DAS LACERAÇÕES – CASO OCORRAM- Lesões de 1º Grau – sem necessidade de sutura.- Lesões de 2º e 3º Grau – sutura por planos, após infiltração de anestésicos.- Utilizar catgut simples ou catgut cromado ou ácido poliglicólico (Dexon) oupoligalactina (Vicryl)- A técnica de sutura fica a cargo do obstetra: pontos separados ou sutura contínua.3.4.4. CUIDADOS GERAIS- Observar sinais vitais e sangramentos através do grau de contratura uterina (Globode segurança de Pinard).4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA4.1. Cuidados en el parto normal: una guía práctica • OMS • 79 • Rev. Hosp. Mat. Inf. RamónSardá 1999, 18 (2)4.2. Cuervo LG, Rodríguez MN, Delgado MB. Enemas en el trabajo de parto (CochraneReview). In: The Cochrane Library, Issue 1, 2003. Oxford: Update Software.4.3. Fraser WD, Turcot L, Krauss I, Brisson-Carrol G. Amniotomía para la reducción deltrabajo de parto espontáneo (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 1, 2003.Oxford: Update Software.
  5. 5. INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBAPROTOCOLO - OBS – 028 DATA: 24/09/2005 PÁG: / 6TÍTULO: ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL54.4. Bricker L, Luckas M. Amniotomía como único proceder para la inducción del trabajo departo (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 1, 2003. Oxford: UpdateSoftware.4.5. Howarth GR, Botha DJ. Amniotomía más oxitocina intravenosa para la inducción deltrabajo de parto (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 1, 2003. Oxford:Update Software4.6. Manual de Assistência ao Parto e Tocurgia – 2002 – Federação Brasileira dasSociedades de Ginecologia e Obstetrícia4.7. Parto, Aborto e Puerpério – Assistência Humanizada à Mulher – 2001 – FEBRASGO –Ministério da Saúde5. ANEXOS5.1. PartogramaElaborado por Editado por Aprovado por Data
  6. 6. INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBAPROTOCOLO - OBS – 028 DATA: 24/09/2005 PÁG: / 6TÍTULO: ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL6Dr. Omar Ismail Darze CRM 7417Coordenação de Ensino e PesquisaLuciana BrancoCRA-BA N. º 6593Dra. Dolores F. FernandezCoordenação MédicaANEXO 5.1. Partograma

×