Aula ditadura Militar no Brasil

7,214 views

Published on

Aula Sobre ditadura militar no Brasil (1964-1985) com musicas e redemocratização.

Published in: Education
0 Comments
8 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
7,214
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
430
Comments
0
Likes
8
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula ditadura Militar no Brasil

  1. 1. DISCIPLINA Tema conforme Planejamento Nº de Aulas para desenvolver o Tema Data de início Professor HISTÓRIA DITADURA MILITAR NO BRASIL 02 AULAS 2013 ADRIANA GOMES MESSIAS
  2. 2. OBJETIVO Trazer ao aluno a discussão sobre o tema Ditadura Militar no Brasil, situando as práticas de tortura e repressão e os movimentos de protesto, principalmente os festivais musicais. A discussão de um tema tão importante para o entendimento e conhecimento da História do Brasil
  3. 3. REFERÊNCIAS PARA APROFUNDAMENTO, ESTUDO E PESQUISA Visite os sites: http://www.cafehistoria.ning.com/ http://www.youtube.com/watch?v=Gc4lIAAPKrE (Dilma na Ditadura) historia_brasil http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/regime_militar/abre.html Assista os filmes: O que é isso companheiro? Batismo de Sangue O ano que meus pais saíram de férias Zuzu Angel Procure na Barsa: Ditadura Militar
  4. 4. O Golpe Em 1964, o comício organizado por Leonel Brizola e João Goulart, na Central do Brasil, no Rio de Janeiro, serviu como estopim para o golpe. Neste comício eram anunciadas as reformas que mudariam o Brasil, tais como: • um plebiscito pela convocação de uma nova constituinte, •reforma agrária • a nacionalização de refinarias estrangeiras.
  5. 5. Primeiras ações As principais cidades brasileiras foram tomadas por soldados armados, tanques, jipes, etc. Os militares incendiaram a Sede, situada no Rio de Janeiro, da União Nacional dos Estudantes (UNE). As associações que apoiavam João Goulart foram tomadas pelos soldados, dentre elas podemos citar: sedes de partidos políticos e sindicatos de diversas categorias.
  6. 6. Ação Militar: tanques e soldados
  7. 7. Ditadura Militar: 1964-1985
  8. 8. Castelo Branco 1964-1967
  9. 9. Presidente Castelo Branco •considerado um militar moderado •proibiu greves e intervenções nos sindicatos trabalhistas. E a União Nacional dos Estudantes (UNE). • Vários funcionários públicos também foram aposentados e a suspensão dos direitos políticos de várias pessoas. •O AI-2 estabeleceu as eleições indiretas para presidente e a extinção de todos os partidos políticos. Essa última medida trouxe a criação do bipartidarismo com duas agremiações: ARENA eMDB. •O AI-3 que estabelecia as eleições indiretas, que seriam feitas pelos colégios eleitorais, para os cargos de governador e vice do cargo. •O AI-4 e estabeleceu que o Congresso aprovasse uma nova Constituição e promulgou uma nova Lei de Segurança Nacional (LSN) que passou a ser usada para controlar e vigiar a sociedade civil.
  10. 10. Costa e Silva (1967-1969)
  11. 11. Governo Costa e Silva •Costa e Silva assumiu a presidência da República e imediatamente foi intensificando a repressão policial-militar contra todos os movimentos, grupos e focos de oposição política. •As esquerdas armadas constituiram núcleos guerrilheiros urbanos e passaram a atuar por meio de atos terroristas: sequestros, atentados, assaltos a bancos. •Os estudantes promoveram inúmeros atos e protestos públicos contra o que chamavam de interferência dos Estados Unidos no sistema educacional brasileiro. Em 26 de junho, a UNE promove a passeata dos Cem Mil, no Rio de Janeiro, movimento que representou o auge da atuação do movimento estudantil.
  12. 12. Passeata dos cem mil MILTON NASCIMENTO NA PASSEATA DOS 100 MIL
  13. 13. Consequência da passeata dos cem mil A passeata dos 100 mil, no Rio de Janeiro. A guerra, entre estudantes do Makenzie e da Faculdade de Filosofia da USP, na Rua Maria Augusta, culminou no assassinato do estudante Edson Luis no restaurante Calabouço no Rio de Janeiro. E finalmente, em 18 de dezembro de 1968, a promulgação do Ato Institucional nº5, o AI5.
  14. 14. Reação de Costa e Silva O presidente Costa e Silva reagiu a todas essas pressões oposicionistas fechando o Congresso Nacional e editando o Ato Institucional nº 5 (AI-5), que foi o instrumento jurídico que suspendeu todas as liberdades democráticas e direitos constitucionais, permitindo que a polícia efetuasse investigações, perseguições e prisões de cidadãos sem necessidade de mandato judicial.
  15. 15. Costa Silva é afastado O mandato de Costa e Silva como presidente da República foi interrompido por uma grave doença: um derrame cerebral. Impossibilitado de governar, os militares decidiram que o vicepresidente, o civil Pedro Aleixo, não deveria assumir a presidência. O Alto Comando das Forças Armadas organizou uma Junta Militar governativa, formada pelos três ministros militares (Exército, Aeronáutica e Marinha) que assumiu provisoriamente o governo. Mas a solução definitiva para a crise institucional aberta com o afastamento do presidente Costa e Silva foi encontrada com a escolha de um general para um novo mandato governamental. O escolhido foi o general Emílio Garrastazu Médici.
  16. 16. Governo Médici 1969-1974 "Milagre econômico" e a tortura oficial Durante o seu governo, eram proibidas manifestações, reivindicações salariais e qualquer expressão popular contra o governo e a ordem estabelecida na época. No setor econômico, marcou pelo conhecido Milagre Econômico brasileiro que propiciou um ótimo crescimento econômico, mas nas questões sociais houve pouquíssima distribuição de renda
  17. 17. Ernesto G. Médice Pensamento ufanista de "Brasil potência", que se evidencia com a conquista da terceira Copa do Mundo de Futebol em 1970 no México, e a criação do mote de significado dúbio: "Brasil, ame-o ou deixe-o".
  18. 18. Auge das TORTURAS O Pau-de-Arara consistia numa barra de ferro que era atravessada entre os punhos amarrados e a dobra do joelho, sendo o conjunto colocado entre duas mesas, ficando o corpo do torturado pendurado a cerca de 20 ou 30 centímetros do solo. Este método quase nunca era utilizado isoladamente, seus complementos normais eram eletrochoques, a palmatória e o afogamento.
  19. 19. PAU DE ARARA
  20. 20. Torturas O Choque Elétrico foi um dos métodos de tortura mais cruéis e largamente utilizados durante o regime militar. Geralmente, o choque dado através telefone de campanha do exército que possuía dois fios longos que eram ligados ao cor-po nu, normalmente nas partes sexuais, além dos ouvidos, dentes, língua e dedos. O acusado recebia descargas sucessivas, a ponto de cair no chão.
  21. 21. TORTURAS Pimentinha era uma máquina que era constituída de uma caixa de madeira que, no seu interior, tinha um ímã permanente, no campo do qual girava um rotor combinado, de cujos termi-nais uma escova recolhia corrente elétrica que era conduzida através de fios. Essa máquina dava choques em torno de 100 volts no acusado.
  22. 22. No Afogamento, os torturadores fechavam as narinas do preso e colocavam uma mangueira, toalha molhada ou tubo de borracha dentro da boca do acusado para obrigá-lo a engolir água. Outro método era mergulhar a cabeça do torturado num balde, tanque ou tambor cheio de água (ou até fezes), forçando sua nuca para baixo até o limite do afogamento.
  23. 23. A Cadeira do Dragão era uma espécie de cadeira elétrica, onde os presos sentavam pelados numa cadeira revestida de zinco ligada a terminais elétricos. Quando o aparelho era ligado na eletricidade, o zinco transmitia choques a todo o corpo. Muitas vezes, os torturadores enfiavam na cabeça da vítima um balde de metal, onde também eram aplicados choques.
  24. 24. A Palmatória era como uma raquete de madeira, bem pesada. Geralmente, esta instrumento era utilizado em conjunto com outras formas de tortura, com o objetivo de aumentar o sofrimento do acusado. Com a palmatória, as vítimas eram agredidas em várias partes do corpo, principalmente em seus órgãos genitais.
  25. 25. Haviam vários Produtos Químicos que eram comprovadamente utilizados como método de tortura. Para fazer o acusado confessar, era aplicado soro de pentatotal, substância que fazia a pessoa falar, em estado de sonolência. Em alguns casos, ácido era jogado no rosto da vítima, o que podia causar inchaço ou mesmo deformação permanente.
  26. 26. Governo Geisel(1974-1979) Se em termos de popularidade o regime militar ia de mal a pior, a economia brasileira também não era das melhores. Quando Geisel assumiu a presidência, enfrentou o fim do processo do “milagre brasileiro”, com a redução do crescimento e a alta da inflação. Para evitar uma revolução, a proposta do governo do General Ernesto Geisel, cujo lema era “a democracia de forma “lenta, gradual e segura” e marcou o início do processo de abertura política no Brasil.
  27. 27. A morte do jornalista Vladimir Herzog, em 1975, e do sindicalista Manoel Fiel Filho também causaram manifestações políticas contra o governo e trouxeram à tona o conflito de interesses dentro do Estado. Para evitar que uma revolta popular, Geisel passou a adotar mais medidas de abertura, o que o distanciou de vários militares opostos à abertura. Entre elas, a mais importante foi a revogação do AI-5 que acabou com grande parte da censura.
  28. 28. Fim do Governo Geisel Ele reatou relações diplomáticas com a China, fez com o Brasil fosse o primeiro país do mundo a reconhecer a independência de Angola e, buscando novas fontes de energia para o país, firmou o acordo nuclear com a Alemanha e incentivou a utilização do álcool como combustível.
  29. 29. Governo João Batista Figueiredo 1979-1985 O general Figueiredo assumiu a presidência da República reafirmando o projeto de abertura política iniciado no governo anterior. Em agosto de 1979 foi aprovada a Lei de Anistia que, apesar das restrições, beneficiou cidadãos destituídos de seus empregos, presos políticos, Parlamentares cassados desde 1964, permitindo a volta de exilados ao país. Foram também anistiados os responsáveis pelos excessos cometidos em nome do governo e da segurança nacional.
  30. 30. Democracia corinthiana
  31. 31. Diretas Já O movimento pelas Diretas Já, em 1984, e a eleição de Tancredo Neves pelo Colégio Eleitoral, em 1985, considerado s marcos do fim da ditadura militar (19641985) e início da democracia brasileira
  32. 32. Músicas contra a Ditadura O bêbado e o equilibrista, foi composto por Aldir Blanc e João Bosco e gravado por Elis Regina, em 1979. Representava o pedido da população pela anistia ampla, geral e irrestrita, um movimento consolidado no final da década de 70. A letra fala sobre o choro de Marias e Clarisses, em alusão às esposas do operário Manuel Fiel Filho e do jornalista Vladimir Herzog, assassinados sob tortura pelo exército. Trecho: Que sonha com a volta / Do irmão do Henfil / Com tanta gente que partiu / Num rabo de foguete / Chora! A nossa Pátria Mãe gentil / Choram Marias e Clarisses / No solo do Brasil… http://www.youtube.com/watch?v=6kVBqefGcf4
  33. 33. Música contra a Ditadura Mosca na sopa é uma música de Raul Seixas, lançada em 1973. Apesar das controvérsias acerca do sentido da música, a letra faz uma referência clara à ditadura militar. Através de uma metáfora, o povo é a “mosca” e, a ditadura militar, “a sopa”. Desta forma, o povo é apresentado como aquele que incomoda, que não pode ser eliminado, pois sempre vão existir aqueles que se levantam contra regimes opressores. Trecho: E não adianta / Vir me detetizar / Pois nem o DDT / Pode assim me exterminar / Porque você mata uma / E vem outra em meu lugar… http://www.youtube.com/watch?v=fi2vh_uP3Rk
  34. 34. Música contra a Ditadura Depois de Geraldo Vandré, Chico Buarque se tornou o artista mais odiado pelo governo militar, tendo dezenas de músicas censuradas. Apesar de você foi lançada em 1970, durante o governo do general Médici. A letra faz uma clara referência a este ditador. Para driblar a censura, ele afirmou que a música contava a história de uma briga de casal, cuja esposa era muito autoritária. A desculpa funcionou e o disco foi gravado, mas os oficiais do exército logo perceberam a real intenção e a canção foi proibida de tocar nas rádios. Trecho: Quando chegar o momento / Esse meu sofrimento / Vou cobrar com juros. Juro! / Todo esse amor reprimido / Esse grito contido / Esse samba no escuro http://www.youtube.com/watch?v=1ZNNUU_AbXs
  35. 35. Música Contra a Ditadura A música Cálice, lançada por Chico Buarque em 1973, faz alusão a oração de Jesus Cristo dirigida a Deus no Jardim do Getsêmane: “Pai, afasta de mim este cálice”. Para quem lutava pela democracia, o silêncio também era uma forma de morte. Para os ditadores, a morte era uma forma de silêncio. Daí nasceu a ideia de Chico Buarque: explorar a sonoridade e o duplo sentido das palavras “cálice” e “cale-se” para criticar o regime instaurado. Trecho: De muito gorda a porca já não anda (Cálice!) / De muito usada a faca já não corta / Como é difícil, Pai, abrir a porta (Cálice!) / Essa palavra presa na garganta http://www.youtube.com/watch?v=vWxxVt_Tbd8
  36. 36. Música contra a Ditadura Caminhando (Pra não dizer que falei das flores) é uma música de Geraldo Vandré, lançada em 1968. Vandré foi um dos primeiros artistas a ser perseguido e censurado pelo governo militar. A música foi a sensação do Festival de Música Brasileira da TV Record, se transformando em um hino para os cidadãos que lutavam pela abertura política. Através dela, Vandré chamava o público à revolta contra o regime ditatorial e ainda fazia fortes provocações ao exército. Trecho: Há soldados armados / Amados ou não / Quase todos perdidos / De armas na mão / Nos quartéis lhes ensinam / Uma antiga lição: De morrer pela pátria / E viver sem razão http://www.youtube.com/watch?v=6oGlRrJLiiY

×