Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Reboco caído nº29 versão digital

1,744 views

Published on

vai vendo

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

Reboco caído nº29 versão digital

  1. 1. Pag 1 REBOCO CAÍDO #29 O que?... Por David Beat Escreveu alguns poemas Que ninguém leria amigo Estava fodido por ser pobre E sempre odiou o Capitalismo Viu tantos escravos do sistema Sentia-se esquisito no mundo Mergulhado no próprio espelho Sorriso louco por ser forçado Trancado em casa por semanas Comendo livros, vomitando palavras! Não gostava do nome por ser bíblico Um ateu convicto por matar Deus Ficou semanas se alimentando de sono Morreu num dia de sol, de repente... Contatos Reboco Caído: fsb1975@yahoo.com.br www.twitter.com/RebocoCaido www.rebococaido.tumblr.com www.facebook.com/RebocoCaido www.rebococaidozine.blogspot. com.br Caixa postal: 21819 Porto Alegre, RS cep.: 90050-970 www.fabiodasilvabarbosa.tumblr.com Editorial Mandei a mensagem para o mano Márcio Sno pedindo uma capa para este número do Reboco e rapidamente recebi esta acompanhada da seguinte resposta: “Utilizei uma técnica de textura que consiste em imprimir a foto em impressora laser e contornar com caneta nanquim modelo brush (ponta de pincel) a parte que quero destacar. Depois simplesmente amasso a folha e dá esse efeito na imagem. Essa foto que usei se chama “Festa e tensão na serra”, de Cristiano Borges, registrada em 2008 e contemplada no Prêmio Wladimir Herzog do ano seguinte.” Ficou bom o trampo. Seguindo pelas páginas, entrei em contato com uns amigos e as preenchi com seus escritos. Busquei trazer poetas de vários estados brasileiros para tentar agrupar uma mostra do que está rolando por aí. São diversas visões, estilos e formatos. Também fiz uma entrevista com o escritor Rojefferson Moraes, de Manaus, e com o coletivo Consciência Oratória. Buscando não ficar apenas na poesia encontramos também outras formas de comunicação, como o artigo do sempre presente Panda Reis. Fechei a edição com um painel de fotos sobre a temática violência policial. Agrupei os registros já conhecidos de muitos em um mosaico tenebroso sobre a instituição que teoricamente existe para a proteção do povo, mas que na prática não funciona muito bem assim. Para arriar a tampa do caixão um outro mosaico. Esse de notícias sobre o caos nosso de cada dia. Este número dedico a memória do irmão Guto, mais uma figura diferenciada que se vai. Dedico também a todos que colaboram com sua arte ou com grana para a reprodução e divulgação deste veículo. Dedico aos que recebem e após ler passam a diante, reproduzem mais cópias e que de alguma forma ajudam nessa caminhada.
  2. 2. REBOCO CAÍDO #29 Pag 2 ¿CidadeMaravilhosa? Por Cleber Araujo ¿Que cidade é essa Quem que convém Obras faraônicas Construídas pra quem? ¿Que cidade é essa Que querem forjar Removendo o pobre Para o rico morar? ¿Que cidade é essa Onde criança carente Morre alvejada Quando brincava contente? ¿Que cidade é essa Onde favela pacificada É recinto constante Da guerra armada? ¿Que cidade é essa Que querem promover Um Rio para turistas E não para o pobre viver? Por Rômulo Ferreira Sobre este dia, nada mais fere que o seu olhar, Seu longe e longo olhar que desprende meus risos De mim. Sobre este dia, nada mais estraga minha dor Nada mais estranha esta vida torpe que levo Estou ausente, displicente, vagando puto pelo mundo As quatro e meia da manhã, esperando não se sabe o que : a salvação...? Mas vamos lá, Conte-me alguma novidade, Que seja o pouco que sobrou do fim O começo de uma nova ardida vida O triste fim sóbrio da solidão Vagando pela casa a oeste interessado em nada Pois nada mais clareia este dia Sem seus cafés e amargas palavras de des- pertar o dia a dia, Arrogâncias e outras pétalas Que somente uma barbara flor Pode achar normal andar espalhando. Mais algumas gotas de dor Por Fabio da Silva Barbosa aí estão suas lágrimas novamente inundando sua face tão marcada pelas surras do passado e o presente que não facilita em nada insiste em mostrar um futuro de dor não existe fuga que dure para sempre para abortos ambulantes que respiram em plena morte condenados pela existência perambulando pelo eterno fim com o apito da benzina guiando os instintos ruínas interiores destroços exteriores pelos restos da desolação de uma sociedade devastada somos frutos arruinados nascidos destruídos totalmente imbuídos por esses caminhos bloqueados entre a poesia e o cigarro Por Mazinho Souza
  3. 3. Pag 3 REBOCO CAÍDO #29 escorre nas paredes lágrimas de uma vida quão bom trinta minutos de felicidade numa mistura de suor e gozo estampado nos lençóis do quarto, trinta minutos de um espaço que o dia prevalece e de que vale o resto das horas que nossos sonhos permanecem desacor- dados? que alegria vive vinte e três anos expulsando a agonia e uma pequena metade de hora entre a ultima poesia e o primeiro cigar- ro? este é o espaço entre a existência de braços abertos, de passos colados e o desabrochar do dia nesta correria por um destino neste caminho sem rastros Reboco caído Por Carlos Brunno S. Barbosa Olhou para o reboco caído... Tudo em vão... Outrora pobre, depois miserável, agora totalmente falido... De que adiantara todo emboço e chapisco se o retoque final estava destruído? O preço da construção não cabe no bolso do corpo sem feijão. No mundo tanta tinta e, em sua parede corroída, apenas aquele cinza imprestável... se ao menos a argamassa fosse comestível... As mãos do pedreiro perdido se despedem do reboco caído, vão voltar pro barraco recém-construído às margens das margens dos rios dos Rios. sentadoI Por Fabio da Silva Barbosa sentado no canto escuro lutando contra mil demônios a agonia e o tormento eternos a perna dobrada encostando o joelho na testa os braços estendidos dedos entrelaçados apenas sentimentos ruins vala de escuridão de restos solidão amargura criador e criatura ADança Por Fabio da Silva Barbosa O candidato da direita e o da esquerda se encontraram para um jantar a luz de velas. D: Como vai, excelentíssimo colega? E: Meio aborrecido com a situação. D: Mas as coisas sempre foram assim. Só muda um pouco a camuflagem. E: Para você é fácil. Tá bom para você. D: Não seja radical. E: Não sou. Sou pelo povo. D: Eu também.Apopulação do nosso ama- do país. Nós também fazemos parte do povo. Os empresários, os latifundiários… E: Serei específico. Sou pelo povo pobre. D: E pelos financiadores de campanha. E: O que está insinuando? D: Apenas dizendo. E: Caranguejo não tem pescoço! D: A lua está redonda como um tamanco. E: Jacaré não mergulha na água porque tem medo de mosquito! Nesse momento um olha fixamente para os olhos do outro. Toca um tango. Se le- vantam. Ficam bem próximos. E: Pode algum jornalista... nos fotografar.. D: A imprensa é nossa Se abraçam e saem bailando aos beijos pelo salão enquanto os cifrões caem dos bolsos mais que cheios.
  4. 4. Pag 4REBOCO CAÍDO #29 Manaus além dos igarapés Por Fabio da Silva Barbosa Como você se descobriu escritor e como foi a construção da sua literatura? Era uma madrugada, chovia pra caralho... (risos) Que nada... Não teve nada disso. Na ho- ra do desespero você procura um catalizador, ou faz merda, ou faz arte. Tive que fazer essa escolha. Começar a colocar no papel tudo aquilo que já tinha presenciado e vivenciado.A prática da escrita e da leitura ajudou no processo de construção de poemas e contos. Quando me dei conta, tinha muitos textos escritos, guardados em uma caixa de papelão velha. Então comecei a buscar alternativas para a publicação desses primeiros textos. Além da produção literária você possui outras atividades e projetos. Sim. Sempre gostei de festas, reencontrar amigos, curtir uma música e isso acabou se transformando num projeto maior: Organizar ações socioculturais que reunissem artistas independentes na periferia, zona norte de Manaus, área mais violenta da cidade. Aos poucos foi ganhando forma conforme foram chegando novas pessoas para a equipe. Ganhei um prêmio em São Paulo por essas ações e recentemente tivemos um projeto contemplado num edital do Banco daAmazônia. Um projeto que abarca sustentabilidade, coleta seletiva e publicação dos textos produzidos por alunos de uma escola pública da zona norte. Mas a grana é pouca, somente pra um mês de trabalho. De qualquer modo é uma prova que conseguimos superar obstáculos, ao menos alguns... Literatura, para mim, é símbolo de resistência. Luta mesmo... Sobre seu novo livro: “O dia que Carla Assassinou o meu gato e outras crises de amor” é meu terceiro livro de poemas. A primeira parte do livro foi escrita entre 2010 e 2014 e a segunda parte é um conjunto de poemas escritos de uma única vez em 2014. Eu já havia tentado lançar o livro anteriormente diversas vezes. O “Poesia Crônica” havia sido rejeitado em três concursos literários diferentes. Estava meio desanimado, mas continuei escrevendo. Ainda bem! Agora com o livro reunido e organizado e com novas e boas alternativas de publicação além das grandes editoras, estou feliz. Mas não é nada fácil. A literatura tem que ser uma prioridade para o escritor, caso contrário ele continua apenas pagando suas contas na taberna e na boca. Tem que fazer o corre, criar rede de contato... Sabemos que não é nada fácil lançar um livro quando não se tem dinheiro ou não participa das panelinhas editoriais. Como você consegue publicar os seus? Em 2012 fui apresentado a um escritor que andava vendendo seus livretos no Centro da cidade, Jeovane Pereira. Era um zine com uma estética melhorada. Me juntei a ele. Desde lá aprimoramos as técnicas de diagramação e encadernação dos livros. Consigo fazer tiragens de duzentos exemplares dos meus livros a um baixo custo, vender os livros Enquanto ficam repetindo por aí que nada acontece hoje em dia, tem uma galera produzindo e questionando, construindo nas sombras do caos cotidiano, tentando algo diferente no meio da ditadura da repeti- ção infinita. Entre essas pessoas está Rojefferson Moraes. O cara tá na luta e não desiste. Mando a seguir um pouco mais que consegui tirar do próprio.
  5. 5. Pag 5 REBOCO CAÍDO #29 e manter as tiragens. Todo processo é muito simples, qualquer um consegue fazer. Esse processo todo é apresentado a quem apresenta interesse de publicar pelo selo. A ideia é apresentar que o produto “livro” é acessível tanto para o escritor quanto para o leitor e o resultado você mesmo pôde comprovar. E a violência aí por sua região? Embora não receba muito destaque nos noticiários, como outras regiões, a coisa parece estar tosca por aí também. Cara, Manaus tá no mesmo nível de violência que os estados do Rio de Janeiro e São Paulo, mesmo sendo menor. O PCC e o Comando Vermelho já disputam o controle dentro dos presídios. O trabalho das facções é engajado e extremamente estratégico. Financiam inclusive campanhas de políticos e faculdade de futuros juízes e advogados. Mas falar disso abertamente te transforma em alvo fácil, eles estão em todos os lugares. O estado é conivente.Aúltima grande chacina tirou a vida de 22 pessoas em apenas uma noite depois da morte de um PM durante um assalto. A maioria jovens com menos de 25 anos, alguns sem passagem pela polícia. É uma guerra que a mídia tenta esconder do resto do país! VISLUMBRO NOITES ONDE O SUOR FRIO ME QUEIMAASTEMPORAS ACORDO DE SOBRESALTO O MEDO DEACERTAR O ERRADO ME DEIXA ESTAGNADO. VIVO COM FANTASMAS ME GUIAN- DO OBSESSIVAMENTE SOU O TUNELNO FIM DALUZ EAS- SIM DESEJO E FUTURO SE MISTU- RAM ______________________________ UM ÚNICO CIGARRO O PESO DOS OUTROS EM MINHAS COSTAS DOCEMENTE CARREGADO SÓ PRA ME SENTIR FORTE DOSTOYEVISK,BACANAL,CASADO PONTAL SUCUBÍSISLAMICASUFI, LOUCURA INSEGURA DE LÓTUS UMA CIDADE RECONSTRUÍDA UM CHAMADO XAMANICO DE VOLTARASER PEDRAEM VELOCI- DADE ETERNA --------------------------------------------- ACHO QUE ESTAREI SALVO ENQUANTO TIVER DIAS DE MÁXI- MAEUFORIA POR QUALQUER COISA QUE ME ABS- TRAIA! ACHOQUEGANHOTEMPO AO ME ENFRENTAR NO ESPELHO SEM NEMAO MENOS SABER QUAL FOI À PERGUNTADE UM MILHÃO! ACHO QUE DESESPEROATOA QUANDO NÃO CONSIGO TER ESPERAN- ÇAAPARENTE OU MEDO QUE OVALHA! FUJO MAS NÃO COM TEMOR, SÓ POR NÃOTER NADAPRAFAZER POR LÁ. ------------------------------------------------- "EXISTENCIALISMO ABSTRATO, FOLCLORICO MELHOR ALEGORICO. NEO/PÓSTRANSLAÇÃONÃOREPRESEN- TAROTAÇÃODEFINEDEFINHA EGOICO! ESTADODOSSENTIDOSALTERADOS!NE- NHUMASUBSTANCIACONSTANOSLAU- DOS DANÇAR COMO FORMA DE MEDITA- ÇÃO, CONFLAGRAÇÃO PARAO SEXO POSFACIO PARAOAPOCALIPSE. “REPI- TO SENTIDOS ESCOLHO METAFORAS OUÇOGENTEMORTA.” __________________________________ Por Nelson Neto
  6. 6. Pag 6REBOCO CAÍDO #29 Consciência Oratória Por Fabio da Silva Barbosa Consciência Oratória é som, atitude, rima e luta. É elevar a mente, o pensamento. Tive o prazer de assistir esses caras algumas vezes e de ter sua participação na Tarde Multicultural que organizei na Casa Viva. Como eles mesmos se definiram em sua página virtual “Um coletivo de seres que emanam energias em forma de versos, buscando externar as angústias de uma humanidade depressiva.” Por que Consciência Oratória e por que o rap ? Consciência é pela mensagem que nos propomos a trazer, a mensagem consciente, informativa, existencial, de vida mesmo, para todos. E o rap por que nós, integrantes do coletivo, viemos de locais onde a linguagem que mais falava diretamente era a do rap, a realidade que mais tocava a gente. O rap sempre narrou o dia a dia na periferia e vemos o rap como o melhor meio pra repassarmos essa mensagem e seguir somando. Pra que lutar por um mundo diferente? Porque o diferente tá no mundo. A nossa existência começou sendo viver e interagir em comunhão com quem está aqui com a gente e vai terminar sendo assim também. A luta por um mundo diferente começou quando os seres que já começaram com seus processos de despertar pararam para ver a proporção que isso tomou e a noção era de olhar pra dentro de si e tudo ali ser tão verdadeiro, tão puro, fazendo tanto sentido, ou na busca destes aspectos; já quando olhavam o mundo a sua volta só viam caos, desordem, nada tinha sentido, e a chegada do fim cada vez mais evidente, logo por pouco todos que se propõem a isso tudo que vivemos tentam subverter nos meios possíveis para mudar a condição em nosso âmbito (mundo externo). E em que podemos colaborar com essa mudança? A resposta pra isso tá dentro de cada um. Faça essa pergunta pra si diariamente e seja parte da mudança interna e externa. Devemos acreditar que é possível, que o ser humano tem jeito? Certamente o ser humano sempre teve dentro de si o bem, o certo. As coisas erradas e as coisas ruins absorvemos durante a vida, mas dentro de nós sempre teve a resposta pra tudo e o passo que temos que dar é menor do que pensamos para atingir essa plenitude dentro de nós. Muita gente já está tendo esse despertar, porém o passo é coletivo e não de cada um. Isso é o que falta pra alcançarmos esse processo de se desmontar de tudo que é errôneo e retornar a nossa essência. As armas pra lutar: Sentimento, informação e foco. O plá final: Meditem!
  7. 7. Pag 7 REBOCO CAÍDO #29 Por Panda Reis Não Phil Anselmo, eu não te perdôo. Não apenas por você ser um típico homem branco do Sul dos Estados Unidos, cheio de pré conceitos e carregado daquele espírito sulista que arrota o poder branco e o separatismo estadunidense. Apesar de que isso já seria motivo mais que justo pra justificar o desprezo que sinto pelo ocorrido. Gestos, declarações e pedidos de desculpas, nada disso me faz aceitar sua ação e muito menos virar as costas e não falar que coisas muito parecidas com esse ato do Phil Anselmo a- contecem aqui, talvez não dessa forma tão acintosa como foi o caso dele, mas com símbolos, atitudes e muitas vezes assumida- mente a postura NS. Acredito que qualquer um que freqüente o underground de nível nacional, rodando pelo país e tento o privilé- gio de conhecer a cena metal de outras cida- des e estados, sabe muito bem que o precon- ceito é frequente e presente. Estou falando da presença de racismo e xenofobia, pré- conceitos mais combatidos hoje em dia, isso graças a postura de bandas e pessoas que se posicionaram e serviram, e, na verdade, ainda servem, de quebra de paradigmas do estereó- tipo headbanger universal. Não cito aqui ou- tro pré-conceito corrente em nosso meio, o machismo. Não me peça para desculpar PhilAnselmo, o cara que arrastou multidões, que com sua banda influenciou milhares de novos garotos e bandas, pois o que eles disseram não foram apenas inocentes palavras e gestos de um bêbado, mas o seu real sentimento em relação a seu fascínio pelo grupo neo-nazi citado. Como desculpar uma ação e sentimentos de um cara que fez milhares de fãs o imitarem sem nem mesmo saberem que o pré-concei- to racial estava presente naquelas músicas que fizeram moleques negros colocarem bandeiras confederadas nas paredes de seus Não PhilAnselmo, eu não te perdoo. quartos? Aproveitando da ignorância ou de uma apatia geral sobre símbolos e de- clarações, que sejamos justos, corrobo- rada por outros músicos e bandas em tempos atuais, onde o mundo passa por problemas de migrações em massa e de claras ações xenofobicas e racistas, de- clarações e posicionamentos como o dele, que como influência pública tem peso em tudo que fala. Não se pode virar as costas para que atos racistas aconteçam no underground. Atitudes racistas sempre ocorreram, seja na Noruega ou em São Paulo, até mesmo aquelas piadas que parecem inocentes, legitimam e proliferam atitudes pré- conceituosas. Eu, um negro em uma cena majoritariamente branca, elitista e euro- centrista (e estadunidensecentrista), sem- pre sofri como racismo, seja em simples olhares e desprezo ou por atos mais agres- sivos, como ataques verbais e físicos, en- tão fingir que foi o álcool que fez Phil Anselmo agir de maneira racista, jogaria toda a minha resistência ao racismo, que dura há décadas. Os medalhões do metal podem passar as mãos na cabeça dele e perdoá-lo, mas aqui no terceiro mundo, eu, um afrodescen- dente que sofre com racistas como ele, não. Nós não iremos perdoá-lo, assim como não perdoei qualquer ato racista de qualquer idiota, colocando a culpa na bebida ou não. E não adianta cantar The Smiths, como fez no último dia 05 de Fevereiro na convenção de horror “The Days of the Dead”, a era dos apáticos acabou.
  8. 8. Pag 8REBOCO CAÍDO #29 NAS COSTAS DO CRISTO MC XAMA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO QUEM VIVER, VERÁ AS CICATRIZES DALUTA ENTRE SANGUE, SUOR E SORO CHORO NAMACADO UPA 11ANOSARTIGO 12 FERRO NAMÃO DO RECRUTA ..O RIO É LINDO, BEM-VINDO _MÃOSAOAUTO, FDP CONFUNDEM CHAMPAGNE E CICUTA AGUÁ BENTAEAGUÁ RAZ TROCAM OS FATOS EAS NOTICIAS ELES LIBERTAM BARRABÁS SUMIUALUZ PAGO PRAVÊ FEZ CREDO EM CRUZ UM FILHO TEU NÃO FOGEALUTA _MORRE NA FILA DO SUS FAÇACHUVA FAÇASOL FAÇAJUS MEU CALVÁRIO É CAMPO GRANDE DA CESÁRIO DE MELO ATE SANTACRUZ NUM PISAFORADAFAIXA EM BELFORD ROXO TEM UMA GUACHA QUER NO AMOR ? VAI NAMIMOSA E PAGAUMAPEQUENATAXA _ZONA OESTE MADAME ABAIXA, XAMÃ TÁ NAS CAIXAS CONHECI UMASANAPAULA QUEAOS 15 VIROU NATASHA EAQUADRADA? AQUI É O PREDADOR DA MADRUGA- DA DEPOIS DA MEIA NOITE É DEUS POR NÓS E UM POR CADA NA FÉ, NO QUE QUISER CARCAÇABLINDADA NO BREU POSTE SEM LUZ PAREDE PIXADA BONZIN É O CAPUZ DE CARAAMARRADA NAESQUINAAPUTADIZ QUE O PROGRAMA É GALO PRA CADA EU NAO USO COLETE USO METÁFORA PRA TE DEIXAR CONFUSO ISSO EU USO MAS PRAPUXAR OS TAPETES AS VEZESABUSO DEUS NÃO ME PÓSAQUI DE ENFEITE SEAPISTATASALGADA EUACHO UM BECO QUE ME ACEITE O SORRISO É SEM BRILHO O DIAMANTE É BRUTO A PROTEÇÃO DOS MENÓ É O OITÃO NÃO O ESTATUTO SE O TETO É O VIADUTO O JORNALTEAQUECE FAZ UM FURO NATAMPA, NAJANTA, PUXA
  9. 9. Pag 9 REBOCO CAÍDO #29 QUEOTETOESCURECE JUNTAAS MÃOS E FAZAS PRECES ANTES DO CORRE, CORRE DESCI, DESCIARROMBADO SE NÃO MORRE ALGUÉM SOCORRE O SANGUE ESCORRE PELO RALO DASUPERFÍCIE DOASSUNTOATÉ O TALO 40graus no RIO - MESMO FRIO NA ESPINHA 40graus no RIO - TRATADO DE PAZ ESPREMIDO NAS ENTRELINHAS.. 40graus no RIO - MESMO FRIO NA ESPINHA - SUAS MÃOS SUJAS DE SANGUE CUMPRIMENTAMAS MINHAS - Por Kaio Bruno Dias carregava no rosto todas as incertezas de um final de mês e na alma o equilíbrio entre o sei lá e o talvez. Lisura Por Odair Fonseca de Souza Lançava palavras ríspidas ao vento, feito adagas ferindo a elegância do ar. Sopros incômodos violentando o espaço? ou, o belo frêmito de sinceridade, de quem foi incapaz de ser hipócrita o suficiente pra ser bem-sucedida na vida. “Não faço parte de "associação" nenhuma. Minha "associação" é exclusivamente com o mundo. O mundo é minha família e a arte meu ofício. Não quero entrar na competitividade massiva que o sistema nos impõe. Sou um emancipado.” Diego El Khouri “Quem pretende vencer, pretende a derrota de outros. Não é um bom desejo pra se abri- gar. Assim se estabelece a sintonia da dis- puta, do confronto, do conflito. Esta é a forma de relação induzida e estimulada por este modelo de sociedade que se alimenta de exploração, angústia, miséria, ignorân- cia, abandono e sofrimento. Uma estrutura social que nos atira uns contra os outros, em busca de vitórias enganosas da forma sem conteúdo, sacrificando a alma em nome do falso vencer pra poucos, da derrota pra muitos e pro inferno pra todos. E que culpa as próprias vítimas.” Eduardo Marinho “AsociedadeeuropéiaviveumaisdemilanosantesdaformaçãodosEstadosenemporissoseautodestruiu.NaÁsia,ÁfricaeAméricahou-vediversosexemplosdecomunidadessemEs-tado.Comunasespecificamenteanarquistas(baseadasnopensamentodePiotrKropotkin,M.Bakunin,ErricoMalatesta...)tambémexisti-ramenãoentraramemcolapsoporfalhasemsuaestrutura.OproblemaéqueopatronatoeosgovernoscombatemoAnarquismoeopovoaindanãoreuniuforçaeorganizaçãosuficien-tesparaderrotartaisopressores.”WinterBas-tos
  10. 10. REBOCO CAÍDO #29 Pag 10
  11. 11. ASSEMBLEIAGERAL “O crime ambiental tem responsáveis: a Samarco e seus donos, a Vale do Rio Doce e a BHP. Mas eles estão investindo milhões numa narrativa na qual buscam isentar-se de culpa pelo crime e apresentar-se como acolhedores e preocupados com as pesso- as e o ambiente – tudo mentira, como já se sabe” GuaraniMbyadenunciamenvenenamento decórregoporagrotóxicosemCapivarido Sul(RS) Contaminaçãodocórregoutilizadoporindí- genasestámatandopeixesecausandopro- blemasdesaúdeemcrianças Aviõesdespejamsubstânciastóxicassobrealdeiasindígenas AtaquesforamnotificadosnoMSeMTsobreterrasindígenasenascentesde riosondeíndioscoletamágua-ÍndiosdastribosGuaranieKaiowá,em… EspaçoComunidade professores,alunoseservidoresocupamasruasdoCentrodoRiodeJaneiro Brasilpermiteconsumode14agrotóxicosproibidosmundialmente líderindígenaeativistaambientalBertaCácereséassassinada Grande ato pela resistência na zonaportuária!!! Alimente o Estado Policial e este lhe comerá o braço. Comunidade de PortoAle- gretransforma espaçoaban- donadoemes- cola de cultura gratuita O“alarmante”usodeagrotóxicosno Brasilatinge70%dosalimentos MILHARES DE PROFIS- SIONAIS DECIDEM PELA CONTINUAÇÃO DA GREVE E APROVA- RAM CALENDÁRIO DE LUTAS VazamentosdepetróleonaAmazôniape- ruanaameaçamriosdaregião 'Nãoéjustopropagarocânceremnomedo lucrodemeiadúzia' VILAAUTÓDROMO RESISTE Reorganização disfarçada' fecha 1.363 salas de aula em São Paulo Governo capacho do capital, aprova lei "antiterrorismo" para reprimir protestos populares! Apoie iniciativas independentes e alternativas Pula Catraca Aeducaçãomilitarnãoserve paraademocracia.Elareproduz osvaloresdaditadura,do Estadoautoritário. INFORMATIVO SOBRE MAIS UMAAÇÃO OPRESSORADA PREFEITURA ATENÇÃO

×