Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Estratégia funcef

999 views

Published on

  • Login to see the comments

Estratégia funcef

  1. 1. Estratégia FUNCEFInvestimentos Estruturados 6º Seminário Sudeste da ABIPEM São Paulo 22 de agosto de 2012
  2. 2. Índice 1 Estratégia de Macro Alocação 2 A Carteira de Private Equity e Venture Capital 3 Processo de seleção de Fundos – 2011/2012
  3. 3. A FUNCEF• A FUNCEF - Fundação dos Economiários Federais é o 3º maior fundo de pensão do Brasil, com Patrimônio em torno de R$ 49,5 Brasil bilhões e aproximadamente 120 mil participantes.
  4. 4. A FUNCEFO gráfico de +189%Rentabilidade versusMeta Atuarial demonstrao resultado acumuladodos últimos anos
  5. 5. Cenário macroeconômico Desde 2004, os principais indicadores apontavam melhoria dosfundamentos macroeconômicos e a perspectiva de um novo ciclo decrescimento do país; paísA estabilidade da economia brasileira permitiu ao Tesouro Nacionalfinanciar a dívida pública em prazos mais longos e a taxas mais baixas; baixas Inicia-se um novo ciclo na gestão dos investimentos das Entidades dePrevidência, no qual os investimentos tradicionais (atrelados ao CDI/SELIC)passam a estar em patamares próximos ou inferiores às metas atuariais.Essa mudança estrutural estimulou o direcionamento de recursos parainvestimentos ancorados no crescimento, também chamados de“investimentos alternativos” às opções tradicionais.
  6. 6. Atuarial vs NTN-B
  7. 7. Evolução dos Ativos
  8. 8. Impacto da Redução dos JurosEstratégia da FUNCEF .Principais pilares da nova estratégia de gestão dos investimentos:ampliação gradativa da alocação de recursos no segmento de RV(bolsa de valores e Private Equity);redução da exposição em ativos atrelados a juros, com migração paratítulos atrelados à inflação;alongamento das carteiras, tanto de renda fixa quanto a de rendavariável, esta última via Fundos de Investimento em Participações;consolidação da carteira imobiliária (próxima ao limite legal), querepresentou alternativa de diversificação eficiente no cenário de jurosmais baixos (resultados bem superiores à meta desde 2004, inclusive em2008);Aumento da posição em crédito privado (R$ 1,6 bilhões).
  9. 9. Estratégias / OportunidadesRenda fixa Alternativas de Investimento: (RF - Crédito Privado) Foco: operações atreladas a índices de preços  Operações estruturadas “sob medida” para a Fundação (Debêntures, CCB´s, FIDC, NP´s) ;  Fundos exclusivos de crédito;  Project Finance;  Operações com lastro imobiliário; Fatores de atenção: (Covennants e garantias, setor com potencial de crescimento, empresa com boa estrutura de governança e escolha de bom gestor (quando houver).
  10. 10. Estratégias / OportunidadesRenda variável - Participações Alternativas de Investimento: (RV - Participações) Foco: diversificação setorial. Fundos de “Private Equity”: empresas de capital fechado com bom potencial de crescimento e diversificação setorial; Grandes projetos de infraestrutura, energia e logística para sustentar a taxa de crescimento de longo prazo. Carteira de retorno absoluto objetivo de investir em empresas com alto potencial de valorização no médio prazo.
  11. 11. Estratégias / OportunidadesRenda variável - Participações / Imóveis Alternativas de Investimento: (Imóveis)  Setor imobiliário: edifícios comerciais para renda, hotéis econômicos, shoppings e galpões industriais. Em discussão:  Investimentos no Exterior.  Estudo de viabilidade. Como? Onde? E por que?
  12. 12. Índice 1 Estratégia de Macro alocação 2 A Carteira de Private Equity e Venture Capital 3 Processo de seleção de Fundos – 2011/2012
  13. 13. Início de Atividade dos FundosAmadurecimento Ilustrativo 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 38 Fundos Investidos
  14. 14. Setores PriorizadosFIPs e FMIEEs  Energia  Alimentos  Logística  Energia Energia  Serviços  Logística  Energia  Têxtil  TI  Saneamento Serviços Construção Civil Siderurgia Serviços Florestas  Serviços Petróleo e Gás Energia  Florestas 15 SETORES  Portos Educação  Energia INVESTIDOS Construção Civil  Alimentos  TI Biotecnologia Varejo  Construção Civil
  15. 15. Capital Comprometido e Capital InvestidoVeículos de Investimento Valores em R$ bilhões Total: R$ 1,8 Capital Investido: R$ 1,4 Capital a Aportar: R$ 0,4 Total: R$ 0,12 Capital Investido: R$ 0,09 Capital a Aportar: R$ 0,03 Total: R$ 1,5 Capital Investido: R$ 1,1 Capital a Aportar: R$ 0,4 Valores em R$ bilhões Fonte: GEPAR % Carteira Categorias Total: R$ 3,5 FUNCEF Capital Investido: R$ 2,6 FIP Tradicional 2,84% Capital a Aportar: R$ 0,9 FMIEE 0,18% FIP Proprietário 2,38% TOTAL 5,40%* * ≈ 10,4% é a meta de alocação indicada no ALM
  16. 16. Exposição Setorial - SimulaçãoPrevisão de Aportes • Cabe um olhar mais acurado sobre os setores mais representativos da Carteira de Private Equity, que receberam investimentos significativos nos últimos anos • Petróleo, Gás e Biocombustíveis • Energia Elétrica • Madeira e Papel Fonte: GEPAR Fonte: GEPAR
  17. 17. Distribuição das Categorias de Fundos Tamanho e Quantidade de Empresas Investidas % dos recursosValor das Companhias em R$ investidosmilhões 2 ●●● 6 X ≥ 1.000 ●● 46% ●●● 5 2500 ≤ X < 1.000 ●●●●● ●● 18% ●●●●●● 17 1 200 ≤ X < 500 ●●●●●● ● 18% ●●●●● 8 ●●●●●● 18 ●●●● 50 ≤ X < 200 ●●●●●● 13% ●●●● ●●●●●● ●●●●● 17 ●●●●● 18 ●●●●● ●●●●● X < 50 ●●●●● ●●●●● 5% ●● ●●● Venture Capital Private Equity Fundos Proprietários
  18. 18. Investimentos FUNCEF Distribuição por Estratégia de InvestimentoTamanho/valor Companhias das Investidas Companhias (Ilustrativo) % de recursos investidos Estratégias de Estratégias de Estratégias Venture Capital Private Equity Proprietárias
  19. 19. Distribuição das Empresas Percentual de Participação dos Fundos Percentual de Participação dosFundos nas Empresas Investidas Listadas 19/27
  20. 20. Índice 1 Estratégia de Macro alocação 2 A Carteira de Private Equity e Venture Capital 3 Processo de seleção de Fundos – 2011/2012
  21. 21. Pilares da Tese de Investimento em Private Equity
  22. 22. Processo de Seleção dos Ativos Etapa que representa todos os projetos apresentação à FUNCEF para Originação análise. Verificação de aspectos preliminares (características mínimas de Pré-análise atratividade). Análise e Avaliação A área avalia o ativo munida de dados e informações necessárias. Definições de precificação, governança, taxas de gestão e condições Negociação relevantes. Etapa que representa todos os projetos apresentação à FUNCEF para Aprovação análise. Momento de aprovação ou espera do cumprimento de cláusulas Investimento condicionantes.
  23. 23. Quadro Síntese - pipeline Total Qtd. Setores (R$ MM) Fundos Multissetorial 3.060 7 Serviços/Infra Petróleo e Gás 1.900 3 Logística 1.500 2 Florestas 1.000 1 Energia 600 1 Construção Civil 400 1 Alimentos 300 1 Biotecnologia 230 1 TI e Tecnologia 250 1 Total 9.240 18 23/48
  24. 24. Metodologia CRITÉRIOS PESOS QUESTÕES AVALIADAS Tese de Investimento do A estratégia proposta pelo fundo éA 25% Fundo coerente? A tese do fundo alinha-se às Aderência à estratégia daB 25% diretrizes estratégicas da FUNCEF Fundação? O gestor apresenta experiência em PE/VC, equipe qualificada e amploC Potencial do Gestor 25% domínio dos setores selecionados para as aquisições societárias? As estratégias e os mecanismos deD Estratégia de Saída 15% desinvestimento defendidos são factíveis? O gestor comprometeu-se emE Comprometimento 10% investir dinheiro próprio no fundo?
  25. 25. Relação de Projetos e suas Respectivas EtapasProjetos Analisados em 2011/2012 Volume de R$ 38 24,7 bi Originação Em 2011: 18 100% Em 2010: 20 23,9 bi Pré-Análise 86,8 % 33 1 4 14,9 bi Análise & Avaliação 36,8 % 14 7 12 14,9 bi Negociação 23,7 % 9 4 1 Propostas LEGENDA Propostas em Consideradas Andamento 12,5 bi Aprovação 23,7 % 9 Propostas Descartadas 12,5 bi Investimento 4 10,5 % Total Aprovado em 5 13,2 % 2011: R$ 1,24 bilhão
  26. 26. Zona Atrativa de Investimentos Resultado das Análises Preliminares Ranking Fundos Setores 1º FIP I Multissetorial 2º FIP II Multissetorial 3º FIP III Logística 4º FIP IV Serviços/Infra Petróleo e Gás 5º FIP V Energia 6º FIP VI Biotecnologia 7º FIP VII TI e Tecnologia 8º FIP VIII Serviços/Infra Petróleo e Gás• A ZONA ATRATIVA envolve 8 fundos, 6 com foco em setores específicos e 2 com foco em setores variados e permite o avanço no amadurecimento do Programa de Private Equity da FUNCEF• A maior parte desses fundos pretende irrigar de 6 a 8 empresas, com predominância de empresas de médio porte (50 a 70 empresas) 26/48
  27. 27. Considerações finaisSob diversos aspectos, é possível verificar que os recursos disponibilizadosestão sendo alocados de forma consistente e equilibrada:  Constância dos investimentos, que foram pulverizados nos últimos anos e formarão, em breve, um ciclo de investimento capaz de retroalimentar;  Distribuição temporal dos investimentos, aproveitando janelas de oportunidades que surgem nos ciclos econômicos;  Investimentos em empresas de diversos tamanhos, empresas pequenas, médias e grandes;  Diversificação da estratégia de controle acionário, com estratégia de participação minoritária nos FIP’s Tradicionais e FMIEE’s e de controle nos FIP’s Proprietários; 27
  28. 28. Considerações finais Grande espectro setorial de investimentos, com concentração em alguns segmentos resultados das janelas de oportunidades; Adequada distribuição geográfica, com uma concentração em empresas com sede em São Paulo, porém com muitas quais investem em outros Estados. A FUNCEF conta com 23 gestores, dos 86 registrados na ABVCAP, que concentram grande volume de recursos em administração, em alguns casos, decorrente da característica inerente aos FIP’s Proprietários.
  29. 29. OBRIGADO! Umberto ContiGerente de Análise Investimentos - FUNCEF SCN, Quadra 2, Bloco “A”,Ed. Corporate Financial Center – 13º andar Brasília/DF Cep 70.712-900 umberto@funcef.com.br Tel.: (+ 55 61) 3329-1863

×