Maria de nazare microfinanca portugal

737 views

Published on

  • Be the first to comment

Maria de nazare microfinanca portugal

  1. 1. Microsseguros e microfinanças: o interesse europeu pelo microsseguro O caso de Portugal II Colóquio de Microsseguros ANSP Porto Alegre, Brasil, 30 de Agosto de 2011 Maria de Nazaré Barroso Presidente do Instituto dos Actuários Portugueses Docente do ISEG / UTL
  2. 2. Agenda <ul><li>Microfinanças na Europa </li></ul><ul><li>Microfinanças em Portugal </li></ul><ul><ul><li>Microcrédito em Portugal </li></ul></ul><ul><ul><li>Perfil do microempresário em Portugal, antes e depois da crise financeira </li></ul></ul><ul><ul><li>Microsseguro em Portugal – existe mercado? </li></ul></ul><ul><li>O actuário e o microsseguro </li></ul>
  3. 3. Microfinanças: reunião na Índia, numa aldeia perto de Hyderabad, 2009
  4. 4. Microfinanças – algumas datas <ul><li>2006: Prémio Nobel para Muhammad Yunus e o seu Grameen Bank &quot;for their efforts to create economic and social development from below“ </li></ul><ul><li>2005: Ano Internacional do Microcrédito “to build support for making financial services more accessible to poor and low-income people ” </li></ul><ul><li>1999: a primeira vez que o termo </li></ul><ul><li>“ Microsseguro ” surge em artigos </li></ul><ul><li>internacionais </li></ul><ul><li>1998: criação da ANDC, em Portugal </li></ul><ul><li>1976: Microcrédito surge no Bangladesh </li></ul>
  5. 5. 2010 - Ano Europeu para o combate à pobreza e exclusão social <ul><li>17% da população da UE – mais de 84 milhões de pessoas – vivem abaixo da linha de pobreza </li></ul><ul><li>A comemoração do ano baseou-se em 4 princípios: </li></ul><ul><ul><li>Todas as pessoas têm direito a viver com dignidade e a fazer parte da sociedade </li></ul></ul><ul><ul><li>Os sectores público e privado são ambos responsáveis pelo combate à pobreza e exclusão social </li></ul></ul><ul><ul><li>A erradicação da pobreza torna a sociedade mais coesa e beneficia a todos </li></ul></ul><ul><ul><li>Necessário o empenho de todos para atingir este objectivo </li></ul></ul>
  6. 6. Microcrédito na Europa <ul><li>Microcrédito na Europa – usado como meio de promover o empreendedorismo, encorajando: </li></ul><ul><ul><li>a criação do próprio emprego </li></ul></ul><ul><ul><li>a formação e desenvolvimento de microempresas </li></ul></ul><ul><ul><li>a passagem da situação de desemprego à criação do próprio emprego </li></ul></ul><ul><li>Mulheres, desempregados, emigrantes, jovens com dificuldade em encontrar emprego </li></ul><ul><li>Na Europa, 99% das start-ups são micro ou pequenas empresas </li></ul><ul><li>1/3 das start-ups foi lançada por pessoas que estavam desempregadas </li></ul>
  7. 7. Microcrédito na Europa <ul><li>O acesso normal ao crédito bancário é dificultado por: </li></ul><ul><ul><li>Falta de garantias reais </li></ul></ul><ul><ul><li>Inexistência de salário que sirva de garantia </li></ul></ul><ul><li>Na Europa, microcrédito refere-se a empréstimos de valor inferior a 25.000 euros (média = 10.000 €) </li></ul><ul><li>Procura potencial na Europa: </li></ul><ul><ul><li>“ could amount to over 700,000 new loans, worth approximately € 6.1 billion in the short term ” ( Comissão Europeia (2007) </li></ul></ul><ul><li>Ainda não há intermediários de microcrédito suficientes para o mercado potencial, especialmente entidades não bancárias </li></ul>
  8. 8. Microcrédito na Europa <ul><li>Em 2007 a UE adoptou a Comunicação ” European initiative for the development of micro-credit in support of growth and development ”: </li></ul><ul><ul><li>Estimular a economia europeia </li></ul></ul><ul><ul><li>Facilitar o acesso ao financiamento para as pequenas empresas e pessoas em situações menos favorecidas </li></ul></ul><ul><ul><li>Dois programas: </li></ul></ul><ul><ul><li>JASMINE </li></ul></ul><ul><ul><li>PROGRESS </li></ul></ul>
  9. 9. Microcrédito na Europa <ul><li>JASMINE facility – projecto-piloto trianual lançado pela UE e pelo BEI para fornecer suporte técnico e fundos a instituições de microcrédito não-bancárias (MFIs) na UE </li></ul><ul><li>Objectivo: </li></ul><ul><ul><li>ajudar as MFIs a alcançar padrões de qualidade elevados e a tornar-se parceiros credíveis na área do microcrédito </li></ul></ul><ul><ul><li>no longo prazo, desenvolver um enquadramento financeiro em que bancos e MFIs trabalhem em parceria e se complementem em condições económicas sustentáveis </li></ul></ul>
  10. 10. Microcrédito na Europa JASMINE Estados membros
  11. 11. Microcrédito na Europa
  12. 12. Alguns dados macroeconómicos União Europeia (27): 500 milhões de habitantes PORTUGAL ALEMANHA ROMÉNIA ALBÂNIA População 11 milhões 82 milhões 22 milhões 8,2 milhões Urbanização 59% 74% 53% 67% PIB per capita 14.700 € 23.300 € 7500 € 2298 € Taxa de desemprego 12% 8,6% 7,8% 13% População a viver abaixo do limiar de pobreza 18,5% 15% 23,4% 2% vive com menos de $1,25 por dia Exclusão financeira 17% 3% n.d. n.d. % PME n.d. n.d. 98% n.d.
  13. 13. Microcrédito em Portugal <ul><li>A Associação Nacional de Direito ao Crédito (ANDC) visa melhorar a inserção social e a autonomia de pessoas com dificuldades financeiras ou em situação de exclusão, através da iniciativa económica - criada em 1998, como uma associação sem fins lucrativos </li></ul><ul><li>Protocolos com três bancos (CGD, BES, Millenium) </li></ul><ul><li>( em Portugal, só os bancos e as instituições financeiras estão autorizadas a receber depósitos, a conceder créditos e a efectuar outras operações financeiras ) </li></ul><ul><li>Governo tem apoiado a ANDC => financiamento através de fundos públicos </li></ul><ul><li>Papel da ANDC: </li></ul><ul><ul><li>Ajuda os potenciais microempreendedores a preparar os planos de negócio </li></ul></ul><ul><ul><li>Depois da concessão do empréstimo, a ANDC ajuda no desenvolvimento do negócio (aspectos técnicos e outros), se for solicitada ajuda </li></ul></ul><ul><ul><li>Acompanhamento dos microempresários - apoio de grupo de voluntários </li></ul></ul>
  14. 14. Microcrédito em Portugal <ul><li>Micro negócios em Portugal </li></ul>
  15. 15. Microcrédito em Portugal
  16. 16. Microcrédito em Portugal ISCED 97 Homens Mulheres 0 No education level 0,58% 2,26% 1 Primary level of education 17,28% 15,83% 2 Lower secondary level of education 18,25% 16,87% 3 Upper secondary level of education 21,94% 24,17% 4 Post-secondary, non-tertiary education 28,16% 25,04% 5 First stage of tertiary education 13,79% 15,83% TOTAL 100,00% 100,00%
  17. 17. Microcrédito em Portugal
  18. 18. <ul><li>Houve alteração no perfil do microempresário desde a crise financeira? </li></ul><ul><li>Dois períodos: </li></ul><ul><ul><ul><li>1999 – 2007, antes da crise financeira </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>2008 – 2010, durante a crise </li></ul></ul></ul><ul><li>Dados da ANDC </li></ul>Perfil do microempresário em Portugal
  19. 19. <ul><li>Portugal aderiu à UE 1986 e ao euro em 1999 </li></ul><ul><ul><li>Período de crescimento económico </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento das exportações baseada em salários baixos </li></ul></ul><ul><ul><li>Alargamento da EU aos países de leste com menores custos salariais => dificuldade em competir com estes novos mercados </li></ul></ul><ul><li>Últimos anos: </li></ul><ul><ul><li>Crescimento negativo </li></ul></ul><ul><ul><li>Deficit excessivo </li></ul></ul><ul><ul><li>Baixa produtividade e competitividade </li></ul></ul><ul><ul><li>Spreads na dívida do país muito elevados </li></ul></ul><ul><ul><li>Baixa no rating do país </li></ul></ul><ul><li>=> Maio, 2011: acordo com a Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI (Troika), resgate de 78 biliões de euros </li></ul>Portugal –situação económica
  20. 20. Perfil do microempresário YES NO H1 (age ): the number of micro entrepreneurs under 35 years is higher in period (b) than in period (a), as unemployment affects particularly young people that will have to create their own job x H2 ( Education ): the level of education of micro entrepreneurs was lower before the financial crisis, as the unemployment rate was lower in that period and better educated people could get appropriate jobs and, thus, didn’t look for microcredit loans; x H3 ( Gender) : the percentage of women over the total number of micro entrepreneurs is lower in period (a) than in period (b), because women were the first to loose their jobs during the financial crisis; x H4 ( social exclusion level ): the level of social exclusion is higher in period (a), because in period (b) there are many people that are not socially excluded but lost their jobs and, thus, need a microcredit to re organize their lives x H5 (nationality ): the number of Portuguese micro entrepreneurs rose in period (b), because many industrial units closed and many Portuguese workers lost their “for life” jobs x H6 ( previous employment situation ): in period (b), the percentage of unemployed people over those demanding a microcredit loan is higher x
  21. 21. Microsseguro na Europa – já uma realidade? <ul><li>Estudo ( Viganó et. Al) sobre 32 MFI’s de diversos países da Europa (Portugal, Espanha, Itália, França, …) mostrou que apenas 2 das 32 MFI’s analisadas oferecia produtos de seguro </li></ul><ul><li>Estudo da Swiss Re não faz qualquer referência aos mercados desenvolvidos </li></ul><ul><li>França: a Axa, a MACIF e a ADIE disponibilizam produtos de seguros para microempresários (acidentes de trabalho, automóvel, de escritório em casa, com prémios baixos) </li></ul>
  22. 22. Microsseguro em Portugal
  23. 23. Quem são os potenciais clientes do microsseguro? Microseguro Demasiado Pobres para terem acesso a qualquer tipo de seguro Conseguem aceder a todos os níveis de produtos financeiros ‘ Linha de Pobreza’ Mercado de Seguros Tradicional Mercado de Seguros Potencial Extremamente Pobres Não-Pobres Vulneráveis Pobreza Moderada Muito Pobres Ricos Não-Pobres
  24. 24. Portugal – rendimentos do trabalho 2010 Escalão de rendimento salarial TRABALHADORES POR CONTA OUTREM % Total Trabalhadores por conta de outrem 100% Menos de 310 euros 3,1% De 310 a menos de 600 euros 33,9% De 600 a menos de 900 euros 28,9% De 900 a menos de 1 200 euros 9,7% De 1 200 a menos de 1 800 euros 8,8% De 1 800 a menos de 2 500 euros 2,7% De 2 500 a menos de 3 000 euros 0,8% 3 000 euros e mais euros 0,6%
  25. 25. Microsseguro em Portugal Existe um mercado? <ul><li>“ Nas economias desenvolvidas, o microsseguro está também a ganhar um papel de relevo, não só como meio de inclu são, mas também como apoio a microempreendedores . Consciente desta visão, a AXA decidiu juntar-se, em 2009, à Associação Nacional de Direito ao Crédito (ANDC), no âmbito do seu programa de microfinanças, para dar o contributo na área da protecção financeira aos microempresários, ajudando-os a iniciar os seus projectos de forma mais protegida” </li></ul><ul><li>Porquê o envolvimento da AXA neste mercado? </li></ul><ul><li>- Responsabilidade Social: “pretendemos continuar a contribuir para o desenvolvimento da Sociedade … “ </li></ul>
  26. 26. Microsseguro em Portugal Existe um mercado? <ul><li>Que produtos oferece a AXA? </li></ul><ul><li>No protocolo assinado pelas duas entidades, o apoio assumido traduz-se na criação de um pacote de seguros na área: </li></ul><ul><ul><li>Automóvel </li></ul></ul><ul><ul><li>Multirriscos </li></ul></ul><ul><ul><li>Vida </li></ul></ul><ul><ul><li>Saúde </li></ul></ul><ul><li>Condições: </li></ul><ul><ul><li>redução de 50% do prémio, associado ao microcrédito concedido aos candidatos a microempresários </li></ul></ul><ul><ul><li>possibilidade dos tomadores dos seguros poderem fraccionar o prémio em pagamentos trimestrais </li></ul></ul><ul><ul><li>possibilidade de introduzir fraccionamento mensal </li></ul></ul><ul><li>“ Com esta iniciativa, a AXA tornou-se o primeiro segurador em Portugal a actuar na área das microfinanças ” </li></ul>Microsseguros??
  27. 27. Supervisão (ISP) <ul><li>“ O microcrédito concedido através da rede de alguns bancos portugueses … disponibilizando até 15.000 € por candidato. Face ao exposto, poderá ponderar-se se este não é o momento ideal para o microsseguro começar a emergir, em Portugal, através da captação de clientes dos serviços de microcrédito … (por exemplo, … seguros automóvel e multirriscos … oferecidos a preços reduzidos e por períodos curtos, destinados a microempresários) ” Mateus, A.P., Boletim do ISP </li></ul><ul><li>Analisar a receptividade do mercado segurador à cobertura destes riscos </li></ul><ul><li>Verificar a necessidade / conveniência das adaptações regulatórias e da supervisão ajustadas ao microsseguro </li></ul><ul><li>Definição de microsseguro </li></ul>
  28. 28. Conclusão (1) Microsseguro: mercado potencial
  29. 29. Conclusão (2) Níveis de actuação
  30. 30. Conclusão (3) Papel do actuário
  31. 31. Conclusão (4) Papel do actuário
  32. 32. Conclusão (5) Papel do actuário Produto? (a) Consumidor? (b) Nível da sociedade? ©
  33. 33. Microcrédito => Microsseguro? Name Maria Ana Age 35 35 Activity sewing sewing Loan amount $50 $6000 Objective of the loan To buy a sewing machine and materials To buy a sewing machine and materials Work situation Self employment Self employment Insurance Credit life Credit life Country Mozambique Portugal

×