Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Associação Empresarial do Baixo Alentejo e Litoral
Associação Empresarial do Baixo Alentejo e Litoral
Apresentação do Baixo Alentejo e Alentejo LitoralFactores de Atractividade do Território na Atracção de IDE1- Enquadrament...
1 - EnquadramentoÁrea – 13.852,1 km2 (15% do territórionacional)19 ConcelhosPopulação – 217.954 pessoas (29,7% dapopulação...
1 - Enquadramento2010 Agricultura, produçãoanimal, caça, floresta e pescaIndústria ServiçosPortugal 2,2 23,3 74,4Alentejo ...
1 - EnquadramentoVAB por sector de atividade (%)01020304050607080Agricultura, produçãoanimal, caça, florestae pescaIndústr...
1 - Enquadramento2007 2008 2009 2010 2011Portugal 38.294.062 38.847.346 31.963.763 36.762.238 42.325.641Alentejo 2.303.737...
1 - EnquadramentoExportações de mercadorias (milhares de euros)0500,0001,000,0001,500,0002,000,0002,500,0003,000,0002007 2...
1 - Enquadramento2007 2008 2009 2010Portugal 15.961 16.191 15.848 16.223Alentejo 14.840 14.847 14.314 14.695Alentejo Litor...
1 - EnquadramentoCentralidade da Região:Ligações Rodoviárias: a IP8e a A2 colocam a região acerca de 1 hora e 45minutos da...
2 - Eixos Estratégicos2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar2.2 – Turismo2.3 - Recursos Naturais e Minerais2.4 - Industr...
2.1 – Agricultura e Sector AgroalimentarUm dos sectores tradicionais com potencialidades económicaslargamente diagnosticad...
2.1 – Agricultura e Sector AgroalimentarAssim, a importância na qualificação dos produtos tradicionais surgena medida em q...
2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar• Ainda assim, estão a ocorrer um conjunto de alteraçõessignificativas neste secto...
2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar• Projeto Alqueva – Maior investimento Hidroagrícola em Portugal• Investimento tot...
2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar• Projeto Alqueva – Maior investimento Hidroagrícola em PortugalPROJETO ALQUEVAÁRE...
2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar• EDIA – Apoio ao InvestidorInvestidoresCulturasModelo deNegócioSISAPPotencial daC...
2.2 TurismoOferta Turística• O Alentejo concentra um totalde quase 13.000 camasturísticas, crescimentosustentado na última...
2.2 Turismo• Procura turística• O Alentejo registou em 2011um total de 1 244 000dormidas o que representaum crescimento de...
2.2 Turismo• Procura turística• Com um crescimento médioanual de 3,3%, osestrangeiros têm vindo aaumentar a sua quota depr...
2.3 Recursos Naturais e Minerais• O Baixo Alentejo e AlentejoLitoral possuiem recursosnaturais invejáveis ao nível dasilvi...
2.3 Recursos Naturais e Minerais• A indústria mineira localizada no Baixo Alentejo assume particularrelevância no panorama...
2.3 Recursos Naturais e Minerais• Responsável por esta produção é a empresa mineira “Somincor –Sociedade Mineira de Neves ...
2.4 - Industria Aeronáutica e LogísticaAeroporto de Beja – Plataforma Logísticae Industrial• Instalações aeroespaciais Aer...
2.4 - Industria Aeronáutica e LogísticaAeroporto de Beja –PlataformaLogística eIndustrial• Armazenagem decarga aérea,monta...
2.4 - Industria Aeronáutica e LogísticaPorto de Sines – Plataforma Logística e Industrial• Porto de águas profundas, apres...
2.4 - Industria Aeronáutica e LogísticaPorto de Sines – Plataforma Logística e Industrial• Dispõe ainda das acessibilidade...
2.4 - Industria Aeronáutica e LogísticaPorto de Sines – Plataforma Logística e Industrial
2.5 – Energias RenováveisNa senda das últimas tendênciaseuropeias ao nível dos sistemas deprodução energética sustentável,...
2.5 – Energias RenováveisA produção de energia a partir dos diversos recursos endógenosexistentes no Baixo Alentejo, é con...
2.5 – Energias RenováveisNo que se refere à energia fotovoltaica, temos como exemplos(continuação):• Central Solar de Mért...
3 – Ensino e Formação• O Baixo Alentejo está dotado de estabelecimentos de ensino superior, nasua grande maioria agregados...
3 – Ensino e Formação• Existe uma aposta forte feita pela Região nas sinergias que existentespara alavancar o ensino e for...
Associação Empresarial do Baixo Alentejo e LitoralBaixo Alentejo e Alentejo Litoral, Região de oportunidades
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Apresentação bx alentejo e alentejo litoral

968 views

Published on

Published in: Travel, Business
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Apresentação bx alentejo e alentejo litoral

  1. 1. Associação Empresarial do Baixo Alentejo e Litoral
  2. 2. Associação Empresarial do Baixo Alentejo e Litoral
  3. 3. Apresentação do Baixo Alentejo e Alentejo LitoralFactores de Atractividade do Território na Atracção de IDE1- Enquadramento2- Eixos Estratégicos2.1 – Agricultura e Sector Agro-Alimentar2.2- Turismo2.3- Recursos Naturais e Minerais2.4 – Industria Aeronáutica e Logística2.5 – Energias Renováveis3- Ensino e Formação
  4. 4. 1 - EnquadramentoÁrea – 13.852,1 km2 (15% do territórionacional)19 ConcelhosPopulação – 217.954 pessoas (29,7% dapopulação do Alentejo e 2,12% dapopulação NacionalDensidade Populacional – 15,7 hab/km2
  5. 5. 1 - Enquadramento2010 Agricultura, produçãoanimal, caça, floresta e pescaIndústria ServiçosPortugal 2,2 23,3 74,4Alentejo 9,3 24,5 66,2Alentejo Litoral 12,2 31,7 56,1Baixo Alentejo 11,5 29,0 59,5VAB por sector de atividade (%)Fonte: INE
  6. 6. 1 - EnquadramentoVAB por sector de atividade (%)01020304050607080Agricultura, produçãoanimal, caça, florestae pescaIndústria ServiçosPortugalAlentejoAlentejo LitoralBaixo Alentejo
  7. 7. 1 - Enquadramento2007 2008 2009 2010 2011Portugal 38.294.062 38.847.346 31.963.763 36.762.238 42.325.641Alentejo 2.303.737 2.190.691 1.699.198 2.164.814 2.622.163AlentejoLitoral730.957 624.293 369.911 677.854 850.028BaixoAlentejo489.992 430.975 336.757 418.439 505.881Exportações de mercadorias (milhares de euros)Fonte: INE
  8. 8. 1 - EnquadramentoExportações de mercadorias (milhares de euros)0500,0001,000,0001,500,0002,000,0002,500,0003,000,0002007 2008 2009 2010 2011AlentejoAlentejo LitoralBaixo Alentejo
  9. 9. 1 - Enquadramento2007 2008 2009 2010Portugal 15.961 16.191 15.848 16.223Alentejo 14.840 14.847 14.314 14.695Alentejo Litoral 22.727 23.217 19.446 19.519Baixo Alentejo 15.008 14.077 14.925 15.666PIB per capita a preços de mercado (euros)Fonte: INE
  10. 10. 1 - EnquadramentoCentralidade da Região:Ligações Rodoviárias: a IP8e a A2 colocam a região acerca de 1 hora e 45minutos da capital; a IP8coloca a região a cerca de45 minutos de Espanha.Ligações AeroportuáriasLigações Ferroviárias
  11. 11. 2 - Eixos Estratégicos2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar2.2 – Turismo2.3 - Recursos Naturais e Minerais2.4 - Industria Aeronáutica e Logística2.5 – Energias Renováveis
  12. 12. 2.1 – Agricultura e Sector AgroalimentarUm dos sectores tradicionais com potencialidades económicaslargamente diagnosticadas no território é o agroalimentar dequalidade com bases fundadas nos produtos tradicionais daRegião, de que os mais conhecidos são o azeite, o pão, o vinho, oqueijo e os enchidos.O Baixo Alentejo possui um património inigualável de produtostradicionais, conta com o know-how daqueles que de geração emgeração com o seu conhecimento e as suas técnicas se têm vindo adedicar à sua produção, preservando as condições ambientaisnaturais, e respeitando os ecossistemas existentes e abiodiversidade.
  13. 13. 2.1 – Agricultura e Sector AgroalimentarAssim, a importância na qualificação dos produtos tradicionais surgena medida em que a sub-região usufrui de todas as condiçõesnecessárias a este processo:• Qualidade das matérias-primas e dos produtos• Elevado número de produtos alentejanos com denominação deorigem protegida• Rendibilidade do sector• Elevadas Produções em sectores como o vinho, as carnes e oqueijo• Clima e Solos• Água
  14. 14. 2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar• Ainda assim, estão a ocorrer um conjunto de alteraçõessignificativas neste sector, associadas ao regadio do Alqueva quepossibilitará a conversão de parte dos terrenos agrícolasadaptando a produção aos padrões de consumo nacionais einternacionais.• O regadio do Alqueva surge ainda associado a diversaspotencialidades agrícolas e agroindustriais relacionados com aprodução de horto frutícolas frescos e congelados outransformados.
  15. 15. 2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar• Projeto Alqueva – Maior investimento Hidroagrícola em Portugal• Investimento total 2.500 milhões €• Área irrigada 120.000 ha• Agricultores 7.000• Água disponível 600 hm3/ano• Garantia de Água > 3 anos
  16. 16. 2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar• Projeto Alqueva – Maior investimento Hidroagrícola em PortugalPROJETO ALQUEVAÁREA DE INFLUÊNCIA
  17. 17. 2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar• EDIA – Apoio ao InvestidorInvestidoresCulturasModelo deNegócioSISAPPotencial daCulturaAgronómico& EconómicoPotencial NegócioPerfil do Agricultor& Terras DisponíveisPROMOÇÃO DONEGÓCIO
  18. 18. 2.2 TurismoOferta Turística• O Alentejo concentra um totalde quase 13.000 camasturísticas, crescimentosustentado na últimadécada, TCMA de4,6%, enquanto o mesmoindicador verificado emPortugal foi de 2,4%;• Do total de oferta, os hotéisconcentram 5.744 camasrepresentando 45% da ofertada região (os hotéis 5 estrelasapenas agregam 308 camasque demonstram um grandepotencial de crescimento).
  19. 19. 2.2 Turismo• Procura turística• O Alentejo registou em 2011um total de 1 244 000dormidas o que representaum crescimento de 6,1%relativamente ao anoanterior, registando umcrescimento médio anual de3,9% tendo em consideraçãoa ultima década(crescimento médio anual de1,7% em Portugal no mesmoperíodo);
  20. 20. 2.2 Turismo• Procura turística• Com um crescimento médioanual de 3,3%, osestrangeiros têm vindo aaumentar a sua quota deprocura no Alentejo;• Fatores como a reconhecidagastronomia, o enoturismo,o turismo rural e as nossaspraias fazem da regiãoAlentejo uma região de altopotencial turístico.
  21. 21. 2.3 Recursos Naturais e Minerais• O Baixo Alentejo e AlentejoLitoral possuiem recursosnaturais invejáveis ao nível dasilvicultura, das espéciescinegéticas, ervas aromáticas emedicinais, etc.• Muitas atividades económicasse desenvolvem por via destesrecursos, como a produção decortiça, mel, ervas aromáticas,aguardente de medronho, etc.
  22. 22. 2.3 Recursos Naturais e Minerais• A indústria mineira localizada no Baixo Alentejo assume particularrelevância no panorama regional, nacional e europeu, e emtermos da U.E., Portugal constitui um dos maiores produtores deConcentrados de Cobre e de Estanho.• Por outro lado, a sua dimensão e relevância para a economiaregional do Alentejo, onde se localiza a totalidade da produção deconcentrados de cobre, faz desta indústria um Pólo dinamizadorcom impacte significativo quer em termos económicos quer emtermos sociais.
  23. 23. 2.3 Recursos Naturais e Minerais• Responsável por esta produção é a empresa mineira “Somincor –Sociedade Mineira de Neves Corvo, S.A.”, com sede em CastroVerde, cuja atividade é a produção de concentrados de cobre,estanho e zinco. Também a “Almina – Mina do Alentejo, S.A.”, comsede em Aljustrel, localizada no Couto Mineiro de Aljustrel,contribui para o mesmo Pólo com a produção de zinco e chumbo.
  24. 24. 2.4 - Industria Aeronáutica e LogísticaAeroporto de Beja – Plataforma Logísticae Industrial• Instalações aeroespaciais Aeronáuticainvestigação e desenvolvimento;• Manufatura, fabricação, montagem,reparação, revisão, testes emanutenção de aeronaves ouaeronáutica / produtos aeroespaciais;• Técnicos e profissionais aeronáuticos /industriais aeroespaciais e de serviçosde apoio administrativo;
  25. 25. 2.4 - Industria Aeronáutica e LogísticaAeroporto de Beja –PlataformaLogística eIndustrial• Armazenagem decarga aérea,montagem de valoragregado edistribuição;• Charters /aeronaves privadase instalações eoutros serviços devoo.
  26. 26. 2.4 - Industria Aeronáutica e LogísticaPorto de Sines – Plataforma Logística e Industrial• Porto de águas profundas, apresenta condiçõesnaturais ímpares na costa portuguesa paraacolher todos os tipos de navios;• Líder nacional na quantidade de mercadoriasmovimentadas;• Dotado de 5 modernos terminaisespecializados, podendo movimentar osdiferentes tipos de mercadorias;• Principal porta de abastecimento energético dopaís (petróleo e derivados, carvão e gásnatural).
  27. 27. 2.4 - Industria Aeronáutica e LogísticaPorto de Sines – Plataforma Logística e Industrial• Dispõe ainda das acessibilidades terrestres adequadas ao tráfego atual,existindo um plano de evolução rodo-ferroviário que irá permitir darresposta às projeções futuras de crescimento do porto e da sua área deinfluência;• Estas ligações deverão servir de elo de ligação, e potenciarinvestimentos estruturantes como o Porto de Sines, o empreendimentode fins múltiplos de Alqueva, o Aeroporto de Beja e os projetosturísticos previstos para o litoral e o interior.
  28. 28. 2.4 - Industria Aeronáutica e LogísticaPorto de Sines – Plataforma Logística e Industrial
  29. 29. 2.5 – Energias RenováveisNa senda das últimas tendênciaseuropeias ao nível dos sistemas deprodução energética sustentável, o BaixoAlentejo tem vindo a realizarinvestimentos significativos nesta área.Beneficiando de condições bastantefavoráveis em termos do número dehoras de exposição solar, de relevosignificativamente plano e de uma RedeElétrica com capacidade para integrar aenergia solar, o Baixo Alentejo tematualmente um importante conjunto deinvestimentos nesta área.Central fotovoltaica daamareleja
  30. 30. 2.5 – Energias RenováveisA produção de energia a partir dos diversos recursos endógenosexistentes no Baixo Alentejo, é considerada uma potencialidade desteterritório, não só pela sua contribuição para a produção de riqueza,mas também pela criação de emprego que é passível de gerar.Os concelhos que integram esta sub-região têm apostado fortementeneste sector nomeadamente no que concerne à energia fotovoltaica eà energia eólica.No que se refere à energia fotovoltaica, temos como exemplos:A Central de Serpa – PFH Parque Fotovoltaico Hércules SA criada em2007;A Central de Moura – AMPER Central Solar SA, em funcionamentodesde Março de 2008;
  31. 31. 2.5 – Energias RenováveisNo que se refere à energia fotovoltaica, temos como exemplos(continuação):• Central Solar de Mértola constituída pelas unidades Central de SolPoente, em funcionamento desde Abril de 2008;• Central de Ferreira do Alentejo que conta com quatro unidades, atendo iniciado a sua produção desde Julho de 2008.Quanto à energia eólica, A serra do Mú, em Almodôvar, ponto demaior altitude do Baixo Alentejo, possibilitou a construção do maiorparque até hoje construído a sul do Tejo. O parque eólico da serra doMú abrange uma área total de 94 hectares das Freguesias de S.Barnabé e de Almodôvar.
  32. 32. 3 – Ensino e Formação• O Baixo Alentejo está dotado de estabelecimentos de ensino superior, nasua grande maioria agregados no Instituto Politécnico de Beja, como aEscola Superior Agrária, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, a EscolaSuperior de Educação, e a Escola Superior de Saúde, contando ainda como Instituto Piaget de Vila Nova de Santo André.• Existe uma aposta forte feita pela Região nas sinergias existentes paraalavancar o ensino e formação, sendo disso exemplo:– a criação recente da Rede de Fomento do Empreendedorismo no BaixoAlentejo e Alentejo Litoral;– desenvolvimento de uma rede de incubadoras de empresas de basetecnológica nas capitais de Distrito do Alentejo;
  33. 33. 3 – Ensino e Formação• Existe uma aposta forte feita pela Região nas sinergias que existentespara alavancar o ensino e formação, sendo disso exemplo:– o reforço da oferta formativa em parcerias internacionais;– na criação do Sistema Regional de Transferência de Tecnologia que integra oParque de Ciência e Tecnologia do Alentejo– a criação de uma plataforma integrada de infraestruturas científicas elaboratoriais existentes no Alentejo e em cada sub-regiãoESTIG – Escola Superiorde Tecnologia e Gestãode Beja
  34. 34. Associação Empresarial do Baixo Alentejo e LitoralBaixo Alentejo e Alentejo Litoral, Região de oportunidades

×