Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Manuel antonio pina 18-11-2013

2,786 views

Published on

A poesia de Manuel António Pina

Published in: Education
  • Be the first to comment

Manuel antonio pina 18-11-2013

  1. 1. “Nós somos fundamentalmente memória” Manuel António Pina (História do Futuro, CEC2012) No dia 18 de novembro assinalou-se o 70º aniversário do nascimento do jornalista e escritor Manuel António Pina, Prémio Camões 2011. Falecido em 2012, Manuel António Pina deixou uma obra singular, no campo da poesia, da crónica, da literatura infanto-juvenil e do teatro. Neste contexto, a biblioteca da Escola Egas Moniz e a da Escola Secundária Francisco de Holanda responderam ao desafio lançado pelo Museu Nacional da Imprensa, expondo os poemas constantes na compilação intitulada: PINA 70: a poesia no mundo, encheu-os de gatos…e de outros poemas que deliciaram todos aqueles que visitaram esses espaços. Obrigada a Manuel António Pina, pela mensagem de humildade e simpatia que deixou em todos os que tiveram o prazer de o conhecer. A equipa da BE do Agrupamento
  2. 2. PINA 70: a poesia no mundo, 18 de novembro 2013 “Nós somos fundamentalmente memória” Manuel António Pina
  3. 3. Recordar Manuel António Pina Assinala-se, hoje, o 70º aniversário do nascimento (18.nov.1943) do jornalista e escritor Manuel António Pina, Prémio Camões 2011. Falecido em 2012, Manuel António Pina deixou uma obra singular, no campo da poesia, da crónica, da literatura infanto-juvenil e do teatro. Neste contexto, irá realizar-se a PINA 70: a poesia no mundo que envolverá escolas e universidades de Portugal e dos países de língua oficial portuguesa, bem como escolas/centros de Português de outros países. Pretende-se que, nas mais diversas entidades associadas, sejam lidos poemas de Manuel António Pina, em algum momento do dia 18 de novembro, em salas de aula ou átrios. Sendo o jormalista português mais premiado de sempre, Manuel António Pina recolheu, em 2011, a unanimidade do Júri do Prémio Camões, pela "originalidade e diversidade do conjunto da obra premiada" http://embportugalotava.blogspot.pt/2013/11/pina-70-poesia-no-mundo-18-de-novembro.html, adaptado
  4. 4. POEMAS DE MANUEL ANTÓNIO PINA Theo Às vezes o gato fitava Com estranheza O que de nós (excesso) Se interpunha entre nós e o gato, A nossa presença.
  5. 5. Esplanada Naquele tempo falavas muito de perfeição da prosa dos versos irregulares onde cantam os sentimentos irregulares. Envelhecemos todos, tu, eu e a discussão. agora lês saramagos & coisas assim e eu já não fico a ouvir-te como antigamente olhando as tuas pernas que subiam lentamente até um sítio escuro de mim. O café agora é um banco, tu professora de liceu; Bob Dylan encheu-se de dinheiro, o Che morreu. Agora as tuas pernas são coisas inúteis, andantes, e não caminhos por andar como dantes.
  6. 6. AMOR COMO EM CASA Regresso devagar ao teu sorriso como quem volta a casa. Faço de conta que não é nada comigo. Distraído percorro o caminho familiar da saudade, pequeninas coisas me prendem, uma tarde num café, um livro. Devagar te amo e às vezes depressa, meu amor, e às vezes faço coisas que não devo, regresso devagar a tua casa, compro um livro, entro no amor como em casa.
  7. 7. A Poesia Vai Acabar A poesia vai acabar, os poetas vão ser colocados em lugares mais úteis. Por exemplo, observadores de pássaros (enquanto os pássaros não acabarem). Esta certeza tive-a hoje ao entrar numa repartição pública. Um senhor míope atendia devagar ao balcão; eu perguntei: «Que fez algum poeta por este senhor?» E a pergunta afligiu-me tanto por dentro e por fora da cabeça que tive que voltar a ler toda a poesia desde o princípio do mundo. Uma pergunta numa cabeça. — Como uma coroa de espinhos: estão todos a ver onde o autor quer chegar? —
  8. 8. Calo-me Calo-me quando escrevo assim as palavras falam mais alto e mais baixo. Nada no poema é impossível e tudo é possível Mas não arranjo maneira de entrar no poema e de sair de mim e por isso a minha voz é profunda e rouca e por isso me calo (e como me calarei?) No entanto ninguém é tão falador como eu Nem há palavras que não cheguem para não dizer nada. E vós também: não me faleis de nada ou falai-me. Porque não sabeis o que dizeis.
  9. 9. Outras coisas Outras coisas no entanto o amor e o desamor e também a morte que nas coisas morre subitamente o lugar onde vais de súbito De súbito faltas-me debaixo dos pés e noutros lugares De ti é possível dizer que te ausentaste para parte incerta deixando tudo no teu lugar. Está tudo na mesma Também a mim tempo não me falta lugar sim Onde cairás morta, flor da infância? De súbito faltam-me as palavras
  10. 10. Espelho A corrupta luz da infância ilumina o rosto de um desconhecido, o meu rosto, e olha-o com olhos cegos. Eu sou apenas esta voz de alguém, esta música que não vem de nenhum sítio, ouvindo-se a si mesma. As palavras não chegam para levar-me onde, fora da infância, está alguma coisa: isto que quer falar e vê e é visto. Não estou aqui, sonho (eu, também um sonho) fora de mim comigo. Como me ouvirei? Como me reconhecerei? Poderei suportar o meu olhar quando me vir, confundir-me nele?
  11. 11. VOLTO DE NOVO AO PRINCÍPIO A ideia de isto cansa-me em qualquer sítio fora de qualquer sítio onde o meu cansaço é só um conceito. (Há qualquer coisa que quer falar e apenas foge; as palavras perseguem a sua miragem, e eu sou o lugar onde tudo isto se passa fora de mim, a Literatura, o cansaço e a ideia de isso. Já não tenho palavras para não dizer qualquer coisa.) Volto de novo ao princípio de tudo, ao lado de fora, onde fala de isto; o que aí falta está parado sobre a Literatura.
  12. 12. Pensar de pernas para o ar Pensar de pernas para o ar é uma grande maneira de pensar com toda a gente a pensar como toda a gente ninguém pensava nada diferente Que bom é pensar em outras coisas e olhar para as coisas noutra posição as coisas sérias que cómicas que são com o céu para baixo e para cima o chão.
  13. 13. A Ana quer A Ana quer nunca ter saído da barriga da mãe. Cá fora está-se bem, mas na barriga também era divertido. O coração ali à mão, os pulmões ali ao pé, ver como a mãe é do lado que não se vê. O que a Ana mais quer ser quando for grande e crescer é ser outra vez pequena: não ter nada que fazer senão ser pequena e crescer e de vez em quando nascer e voltar a desnascer.
  14. 14. O PÁSSARO DA CABEÇA Sou o pássaro que canta dentro da tua cabeça, que canta na tua garganta, que canta onde lhe apeteça. Sou o pássaro que voa dentro do teu coração e do de qualquer pessoa (mesmo as que julgas que não). Sou o pássaro da imaginação que voa até na prisão e canta por tudo e por nada mesmo com a boca fechada. E esta é a canção sem razão que não serve para mais nada senão para ser cantada quando os amigos se vão e ficas de novo sozinho na solidão que começa apenas com o passarinho dentro da tua cabeça.
  15. 15. CAFÉ DO MOLHE Perguntavas-me (acho que era Poe) que tudo o que soubesse não o saberia. (ou talvez não tenhas sido conhecia de cor, Hoje sei: escrevo tu, mas só a ti em castelhano e tudo. contra aquilo de que me lembro, naquele tempo eu ouvia) Porém se o soubesse essa tarde parada, por exemplo. porquê a poesia, sobre a mesa e não outra coisa qualquer: e o meu coração batia a filosofia, o futebol, alguma mulher? tão infundadamente no teu peito Eu não sabia sob a tua blusa acesa que a resposta estava de pouco me teria numa certa estrofe de então servido, ou de nada. um certo poema de Porque estavas inclinada Frei Luis de Léon que Poe de um modo tão perfeito
  16. 16. UMA PROSA SOBRE OS MEUS GATOS Perguntaram-me um dia destes nem sequer para um poema sobre; existem uns tantos gatos-gatos, ao telefone porque é o poema o tema, um gato, outro gato, outro gato, por que não escrevia forma apenas. que por um expediente singular poesia (ao menos um poema) Depois, os meus gatos (que, aliás, também absolutamente lhes sobre os meus gatos; escapam de mais à poesia, desinteressa) mas quem se interessaria ou de menos, o que vai dar ao mesmo, me é dado nomear e adjectivar, pelos meus gatos, são muito longe isto é, ocultar, cuja única evidência ou muito perto, tendo assim uns gatos em minha casa é serem meus (digamos assim) e o poema precisa do tempo certo e outros na minha cabeça. e serem gatos de onde possa, como o gato, dar o salto; Ora só os da cabeça alcançaria (coisa vasta, mas que acontece o poema que fizesse (se alcançasse) o duvidoso processo da poesia. a todos os da sua espécie)? faria deles gatos abstractos, Fiquei-me por isso por uma prosa, Este poderia literários, gatos-palavras, e mesmo assim excessivamente corrida e judiciosa. (talvez) ser um tema desprezível comércio de que não me orgulharia (talvez até um tema nobre), (embora a eles tanto lhes desse). mas um tema não chega para um poema Por fim, não existem «os meus gatos»

×