Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Ciclosaprendizagem

142 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Ciclosaprendizagem

  1. 1. CICLOS DE APRENDIZAGEM: EM BUSCA DO SUCESSO ESCOLAR Profª Francisca Maria Barros Matos No Brasil, historicamente as iniciativas com ciclos de aprendizagem tem como marco as décadas de 1960 e 1970 sendo pioneiras as experiências nos estados de Pernambuco, São Paulo, Santa Catarina e Minas Gerais, que receberam forte influência dos movimentos liderados pelos Estados Unidos e Inglaterra na implementação de políticas curriculares inovadoras, com base no sistema de avanços progressivos adotado nas escolas básicas desses países. O termo ciclo, originalmente foi usado por Wallon ao fazer referência aos períodos de desenvolvimento humano. Nos anos mais recentes, na década de 1990, a educação brasileira passa por profundas mudanças influenciadas pelas transformações sociais, econômicas, políticas e tecnológicas desencadeadas nas últimas décadas, que concorrem para a mudança de paradigma da educação notadamente na dimensão curricular. Conforme Elba Siqueira e Eleny Mitrulis, “quando as fontes de informação se multiplicam rapidamente em tempos de mudança acelerada e passa a prevalecer nas sociedades contemporâneas a ideia do conhecimento em rede, a escola deixa de ter papel tão marcado na pura transmissão do conhecimento, devendo transformar-se em uma facilitadora do manejo de informações pelos alunos”. Segundo Sacristán (2000), o currículo não se esgota num objeto estático, pois currículo é práxis, e experiência. Currículo é vida, é dinâmica, ou seja, tudo o que se pensa sobre a escola e tudo o que se concretiza em prática pedagógica. Assim sendo, o currículo congrega um conjunto de valores que expressam as condições históricoculturais em que é concebido.
  2. 2. Nessa perspectiva, a concepção de ciclo referenda-se numa proposta de reformulação da estrutura curricular da escola, fundamentada nos estudos de Piaget e nas contribuições da sociolinguística, psicolinguística e do sociointeracionismo vygotskiano com orientações comportamentalistas que teve como pioneiras Emília Ferreiro e Ana Teberoski, com enfoque na alfabetização voltada para uma nova abordagem da leitura e da escrita, no contexto de letramento, considerando os determinantes sociais e culturais da aprendizagem. A implantação de ciclos de aprendizagem ancora-se legalmente no artigo 23 da LDB, que determina: “a educação básica poderá organizar-se em séries anuais, períodos semestrais, ciclos, alternância regular de períodos de estudos, grupos não seriados, com base na idade, na competência e em outros critérios, ou por forma diversa de organização, sempre que o interesse do processo de aprendizagem assim o recomendar”, podendo ser no todo ou em parte. A lógica de organização dos tempos escolares por ciclos passa por uma política curricular do sistema de ensino que pretende ser uma nova forma de compreender e de praticar o currículo, numa perspectiva democrática e inclusiva. A implantação dessa estratégia de ensino exige o rompimento com uma concepção preconceituosa e elitista de que a educação voltada para as classes populares não precisa preocupar-se com a formação do/a aluno/a na sua plenitude. A organização da escola em séries anuais, passa pela concepção da lógica temporal e que vem articulado ao entendimento de currículo fragmentado, classificatório, excludente e homogeneizador. Essa lógica da escola data a partir do século XVI, em que os sistemas de ensino foram instituídos dessa forma sequenciada da escolaridade organizar o ensino em escadas cujos degraus são anuais. Nem sempre foi assim, mas tornou-se norma nesse século de modo que temos dificuldades de imaginar uma outra organização. Conforme assinala Perrenoud, (2004) “um ciclo de aprendizagem é apenas um meio para ensinar melhor e lutar contra o fracasso escolar e as desigualdades”. Assim, a questão não se limita apenas ao desaparecimento da reprovação, uma vez que não bastará para eliminar o fracasso escolar. Para ele uma das razões para a escolha de ciclos plurianuais diz respeito à possibilidade de atender as crianças de forma diferenciada, atentando para as múltiplas diferenças. Ao implantar a política curricular de ciclos de aprendizagem nas escolas do ensino fundamental na rede estadual do Maranhão, assim como na municipal, a exemplo
  3. 3. dos municípios de São Luis, Bacabeira e Urbanos Santos, tal política curricular adota uma estratégia viável para o enfrentamento do fracasso escolar – reprovação e abandono assegurando a aprendizagem dos/as alunos/as através da progressão das aprendizagens. Na rede municipal de São Luis, a experiência com ciclo e Ampliação do Ensino Fundamental para Nove Anos tem como marco o ano de 2004, sendo, entretanto oficialmente implementada com êxito na rede em 2006. Nos municípios de Bacabeira e Urbano Santos, os/as educadores/as – professores/as, gestores/as, coordenadores pedagógicos e supervisores/as - iniciaram em 2009, com apoio e assessoramento técnico-pedagógico da Cruz Vermelha Brasileira – Filial no Maranhão, estudos e debates acerca da política curricular referente aos ciclos de aprendizagem e ao Ensino Fundamental de nove anos, sendo implementada neste ano de 2010, tendo como instrumento norteador, a Proposta Curricular do Ensino Fundamental na perspectiva de nove anos, que consubstancia os fundamentos teórico-metodológicos balizadores desse novo paradigma curricular adotado pelos sistemas de ensino. Esses dois municípios optaram pela organização curricular em ciclos, basicamente nos anos iniciais do ensino fundamental sendo: Primeiro Ciclo – corresponde do 1º ao 3º ano com crianças dos seis aos oito anos, com foco no processo de alfabetização e Segundo Ciclo – refere-se ao 4º e 5º anos, com atendimento às crianças de nove e dez anos de idade, com a finalidade de possibilitar o prosseguimento na alfabetização e letramento, bem como no desenvolvimento de capacidades e habilidades inerentes aos propósitos da escola ao final desses ciclos. A política curricular de ciclos possibilita uma educação inclusiva e pressupõe uma (re)organização dos tempos e dos espaços escolares, em que considera uma visão mais ampliada e dinâmica de currículo, sendo o respeito à temporalidade humana, um dos grandes pilares de sustentação. Assim, é fundamental considerar os tempos de aprendizagem do/a aluno/a, e sua trajetória de vida nas dimensões social e escolar. Para Perrenoud (2004), “um ciclo de estudos é concebido aqui como uma sequência de séries (ou níveis) anuais formando um todo”. O ciclo de aprendizagem para o autor, representa um meio de o/a professor/a ensinar melhor, combater o fracasso escolar, sendo, portanto imprescindível que os objetivos a serem alcançados ao final de cada percurso sejam claramente definidos, constituindo-se em contrato para professores/ as, alunos/as e pais.
  4. 4. É importante destacar que a opção dos sistemas estaduais e municipais de ensino por ciclo não deve ser considerada pura e simplesmente devido à aprovação automática dentro do ciclo, uma vez que o simples desaparecimento da reprovação não basta para eliminar o fracasso escolar, pois sabemos de crianças e jovens que foram aprovados/as, para os anos/séries subsequentes sem, entretanto, dominarem os códigos da leitura, da escrita e dos conhecimentos matemáticos. Assim, os estudos de Arroyo (2004), apontam que, “nas trajetórias escolares de muitos/as vimos como são frustrantes as vivências da escola, são dramáticas as tentativas de articular tempos humanos e tempos escolares. A lógica da escola não coincide com a lógica da sobrevivência a qualquer custo”. Portanto, os ciclos de aprendizagem representam um passo a mais no caminho em busca da qualidade do ensino, considerando que os objetivos perseguidos hoje pela escola estão cada vez menos preocupados com prazos anuais. A estrutura curricular em ciclos compreende períodos de escolarização organizados em blocos que ultrapassam as séries anuais e variam de duração, como alternativa de se organizar o processo de ensino e aprendizagem, adequado às características do desenvolvimento humano, enquanto estratégia adotada para superar os problemas relacionados ao fracasso escolar. Nesse contexto, a avaliação assume significativo papel na medida em que possibilita ao/a professor/a realizar investigações constantes acerca de como o/a aluno/a está construindo seu pensamento, que processos de imagens formula e que estratégias são necessárias para proceder de forma adequada a mediação do processo de ensino e aprendizagem. Com a implantação dos ciclos, será dada maior ênfase ao processo de alfabetização no contexto do letramento, pois numa visão mais ampla, a alfabetização inclui as habilidades de interpretação de leitura de escrita e de conhecimentos matemáticos. O grande desafio é que todos os/as alunos/as atinjam os objetivos no final da formação escolar (ciclo) ao mesmo tempo, pois o ciclo adota o princípio de que todos são capazes de aprender em determinado tempo. Essa organização de ensino requer mudança de postura do/a educador/a, em relação ao processo ensino e aprendizagem, considerando que cada aluno/a possui um determinado tempo, resultante de sua historia de vida que interfere na construção de seu conhecimento.
  5. 5. Em suma, o ciclo de aprendizagem conduz a reflexões acerca das práticas educativas, no sentido de reorientação do fazer pedagógico, com base na utilização de dispositivos de ensino e aprendizagem diferenciados, na realização de um trabalho solidário e coletivo, no fortalecimento da articulação com pais, mães e familiares dos/as alunos/as, no acompanhamento sistemático e adequado dos/as professores/as, na sua formação continuada, enquanto busca persistente de construção de novas competências, para enfrentar com êxito os desafios dessa caminhada profissional. REFERÊNCIAS ARROYO, Miguel G. Ciclos de desenvolvimento humano e formação de educadores – educação e sociedade. São Paulo: 1999. BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996 LIMA, Elvira Souza. Indagações sobre Currículo: Currículo e Desenvolvimento Humano. Brasília: MEC/SEB, 2008. PERRENOUD, Philippe. Os ciclos de Aprendizagem: um caminho para combater o fracasso escolar. Porto Alegre: Artmed, 2004.

×