Modelos De AvaliaçãO Da Aprendizagem

35,303 views

Published on

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
35,303
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
41
Actions
Shares
0
Downloads
432
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Modelos De AvaliaçãO Da Aprendizagem

  1. 1. MODELOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PROFESSORA MS. CACIA CRISTINA FRANÇA REHEM
  2. 3. Representantes
  3. 6. Algumas considerações: Abordada como processo: a avaliação pertence a categoria dos objetos de pesquisa que apresentam processos de julgamento e, por isso, inscreve-se em um campo teórico no qual o modelo de decisão ocupa um lugar privilegiado. Avaliação um objetivo de estudos da psicologia: Apreendida como um método : a avaliação participa da elaboração de ferramentas, as quais podem emprestadas à psicofísica, pois se trata, com a ajuda de instrumentos de medição, de relacionar variações provenientes do universo físico e respostas psicológicas decorrentes.
  4. 7. O trabalho do avaliador consiste em pesquisar a causa dos efeitos constatados:a avaliação é o estudo dos efeitos, de por exemplo, o efeito de uma formação sobre os formados. <ul><li>Todas as ferramentas de avaliação produzidas por esse modelo são aparelhos de medição, de quantificação, de distribuição em uma escala graduada – avaliar é situar em uma escala de “valor” cujo protótipo é a notação. </li></ul><ul><li>Em outros termos, o método de avaliação confunde-se com os procedimentos de aplicação de testes. </li></ul><ul><li>Capítulo recente da psicologia que se refere às condições de validade dos exames de conhecimentos. </li></ul><ul><li>Por um lado estuda os fatores de erro provenientes das modalidades de provas e dos examinadores que as corrigem; </li></ul><ul><li>Por outro lado, as correlações entre as notas e o nível real a ser avaliado. </li></ul><ul><li>A parte prática da docimologia é dedicada à elaboração de provas “objetivas”, cuja validade exige inúmeras pesquisas mas que servem para eliminar o “fator pessoal” dos examinadores habituais. </li></ul><ul><li>O teste docimológico é um questionário de múltiplas respostas permitindo avaliar, rápida e objetivamente, os conhecimentos . </li></ul>Docimologia
  5. 8. Alguns modelos de testes <ul><li>Testes de Inteligência; </li></ul><ul><li>Testes e aptidão; </li></ul><ul><li>Testes de personalidade; </li></ul><ul><li>Testes de interesse. </li></ul>
  6. 9. Gerenciar: governar da melhor forma possível, com economia, dirigir, controlar o funcional, dominar o organizacional, fazer render ao máximo, “otimizar”, aumentar o rendimento, melhorar a gestão contábil, a gestão de estoques, a gestão de pessoal; a avaliação deve evitar o desperdício, a perda; avaliar é racionalizar...A avaliação deve aportar uma “mais valia” à prática.(Bonniol, 2001)
  7. 10. Algumas considerações <ul><li>A avaliação educacional, como atividade cientifica, somente surge a partir da década de 1930, com os trabalhos de Ralph Tyler, e desenvolve-se no período de 1960, graças, sobretudo às contribuições de Lee J. Cronbach, Michael Scriven e Robert E. Stake </li></ul><ul><li>A Tyler (1942) coube a definição de avaliação como um processo de comparação entre os dados do desempenho e os objetivos instrucionais preestabelecidos. </li></ul><ul><li>Aceita por uma grande parte de estudiosos , foi incorporada por exemplo em estudos de Hammond(s.d) e o de Metfessel e Michael (1967). </li></ul>
  8. 11. continuação <ul><li>Para Stufflebeam et al.(1971) constroem um modelo centralizado na idéia de que a avaliação deve permitir aos administradores a tomada de decisões e, coerentemente,, definiram a avaliação como o processo de identificar e coletar informações que permitam decidir entre várias alternativas. </li></ul><ul><li>Neste conceito está implícito o julgamento de valor. </li></ul><ul><li>Provus (1971) : define a avaliação como um processo de comparação entre desempenho e padrões . </li></ul><ul><li>Stake(1967): caracteriza a avaliação como descrição e julgamento de programas educacionais. </li></ul><ul><li>Scriven(1967) concebe a avaliação como um levantamento sistemático de informações e sua posterior análise para fins de determinar o valor de um fenômeno educacional . </li></ul>
  9. 12. continuação <ul><li>Scriven (1967) – a avaliação desempenha vários papéis, embora com um único objetivo: determinar o valor ou o mérito do que está sendo avaliado </li></ul><ul><li>Para ele, a avaliação tem papéis diferenciados, ou seja, papéis formativos e somativos , cujos conceitos influenciaram em definitivo, a prática e o futuro da avaliação </li></ul><ul><li>Essas idéias influenciaram o pensamento dos autores brasileiros até a década de 80 </li></ul><ul><li>. A avaliação somativa é a que se realiza ao final de um programa ou de uma atividade, possibilitando a reorientação necessária e tomada de novas decisões </li></ul><ul><li>A avaliação diagnóstica surge mais tarde e tem o sentido de se partir dos conhecimentos prévios dos alunos </li></ul><ul><li>Diferencia avaliação de medida </li></ul>
  10. 13. Avaliação educacional A abordagem de Tyler.
  11. 14. <ul><li>Para Tyler a avaliação objetivaria em : </li></ul><ul><li>1º lugar: verificar, periodicamente, a eficiência de uma instituição como agente promotora da educação. </li></ul><ul><li>2º analisar a importância do currículo para a comunidade em questão. </li></ul><ul><li>3º à segurança de todos os envolvidos no processo educacional quanto a eficiência do mesmo em promover em aprendizagem. </li></ul>Ralph W. Tyler (1902-1994)
  12. 15. <ul><li>Entendendo que a avaliação consiste essencialmente em determinar em </li></ul><ul><li>que medida são alcançados os objetivos do currículo, implicaria: </li></ul><ul><li>O enunciado das metas e dos objetivos do currículo; </li></ul><ul><li>A classificação taxionômica dos objetivos; </li></ul><ul><li>A definição dos objetivos comportamentais e </li></ul><ul><li>A elaboração de ferramentas de avaliação úteis e confiáveis. </li></ul>O modelo proposto por Tyler de origem ao sucesso das taxionomias proposta por Benjamim Bloom.
  13. 16. Benjamim Bloom publica o Manual de avaliação formativa e somativa do aprendizado escolar 1971 nos Estados Unidos 1983 no Brasil Influenciou os meios acadêmicos da época e influencia até os nossos dias
  14. 17. As concepções de Bloom (1972) foram importantes para a geração de um sistema de ensino e avaliação mais coerentes entre si. Ao destacar a relevância do domínio de taxonomias*, despertou os professores para o perigo da incoerência entre o que se ensina e o que se avalia * Taxonomia – ciência ou técnica de classificar.
  15. 18. Bloom define avaliação como “coleta sistemática de evidências por meio das quais determinam-se mudanças que ocorrem nos alunos e como ocorrem” Inclui uma grande variedade de evidências que vão além do tradicional exame final de caneta e papel.
  16. 19. <ul><li>Benjamin Bloom e seus colegas criaram uma divisão de objetivos educacionais em 3 partes: </li></ul><ul><li>cognitiva : objetivos que enfatizam relembrar ou reproduzir algo que foi aprendido, ou que envolvem a resolução de alguma atividade intelectual para a qual o indivíduo tem que determinar o problema essencial, então reorganizar o material ou combinar ideias, métodos ou procedimentos previamente aprendidos </li></ul><ul><li>afetiva : objetivos que enfatizam o sentimento, emoção ou grau de aceitação ou rejeição. Tais objetivos são expressos como interesses, atitudes ou valores </li></ul><ul><li>psicomotora : objetivos que enfatizam alguma habilidade muscular ou motora </li></ul>1913 -1999
  17. 21. Taxionomia – Domínio Cognitivo.

×