Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

L Mediuns CAP06 Aparicoes e Alucinacoes

91 views

Published on

Livro dos Médiuns CAP 06 Aparições e Alucinações

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

L Mediuns CAP06 Aparicoes e Alucinacoes

  1. 1. terça-feira, 31 de julho de 2018 116:29
  2. 2. MANIFESTAÇÕES VISUAIS OBJETIVO DOS BONS: CONSOLAR; ACONSELHAR; SOLICITAR PRECES... OBJETIVO DOS MAUS: VINGAR-SE; ASSUSTAR... VISÕES DURANTE O SONO APARIÇÕES DURANTE A VIGÍLIA OCORREM NOS SONHOS. SÃO AS MAIS COMUNS. RELACIONAM-SE AO PRESENTE, AO PASSADO OU AO FUTURO, E À QUADROS SIMBÓLICOS DECORREM DAS PROPRIEDADES DO PERISPÍRITO: SUA COMBINAÇÃO FLUÍDICA E EMISSÃO ABUNDANTE. E DA AFINIDADE
  3. 3. NAS APARIÇÕES AS VARIAÇÕES DA FORMA DECORREM DAS PROPRIEDADES DO PERISPÍRITO - §102 6 VAPOROSA DIÁFANA VAGA... INDECISA... CLARÃO ESBRANQUIÇADO... FORMAS NÍTIDAS ROSTO BEM DEFINIDO SEMELHANTE AO DE QUANDO ENCARNADO
  4. 4. PARTES MENOS ACENTUADAS NA APARIÇÃO • Membros Inferiores ESPIRITOS QUE NADA CONSERVAM DAS COISAS TERRENAS AMONTOADOS DE PANOS COM LONGO PREGUEADO FLUTUANTE CABELEIRA ONDULANTE E GRACIOSA
  5. 5. GUERREIRO  Armadura ESPÍRITOS VULGARES – Trajes da última encarnação SÁBIO  Livros ASSASSINO  Punhal
  6. 6. PERCEPÇÃO DOS MÉDIUNS VIDENTES IR E VIR ENTRAR E SAIR ANDAR ENTRE OS VIVOS COMO ARES OUVIREM O QUE DIZEM OS HUMANOS INSUFLAR IDÉIAS CONSOLÁ-LA DEMONSTRAR TRISTEZA OU SATISFAÇÃO
  7. 7. Podem tomar todas as aparências, embora como espírito, nenhum defeito corpóreo tenha. Podem mostrar-se estropiado, cocho, corcunda, com cicatrizes, se isso necessário, para se identificar.
  8. 8. Kardec cita o exemplo de Esopo (escritor da Grécia antiga a quem são atribuídas várias fábulas populares, como A Raposa e As Uvas. Viveu no séc. VII a.C.). Kardec explica que, se for evocado como Esopo, ele irá apresentar-se feio e corcunda, com seus trajes tradicionais - por mais encarnações posteriores que tenha tido, e muito embora o seu Espírito não seja disforme.
  9. 9. Esopo era um escravo de rara inteligência que servia à casa de um conhecido chefe militar da Grécia. Certo dia, em que seu patrão conversava com outro companheiro, sobre os males e as virtudes do mundo, Esopo foi chamado a dar sua opinião sobre o assunto, ao que respondeu seguramente: Tenho a mais absoluta certeza de que a maior virtude da Terra está à venda no mercado. Como? Perguntou o amo surpreso. Tens certeza do que estás falando? Como podes afirmar tal coisa? ESOPO
  10. 10. ESOPO Não só afirmo, como, se meu amo permitir, irei até lá e trarei a maior virtude da Terra. Com a devida autorização do amo, saiu Esopo e, dali a alguns minutos, voltou carregando um pequeno embrulho. Ao abrir o pacote, o velho chefe encontrou vários pedaços de língua, e, enfurecido, deu ao escravo uma chance para explicar-se. Meu amo, não vos enganei, retrucou Esopo.
  11. 11. A língua é, realmente, a maior das virtudes. Com ela podemos consolar, ensinar, esclarecer, aliviar e conduzir. Pela língua os ensinos dos filósofos são divulgados, os conceitos religiosos são espalhados, as obras dos poetas se tornam conhecidas de todos. Acaso podeis negar essas verdades, meu amo? Boa, meu caro, retrucou o amigo do amo. Já que és desembaraçado, que tal trazer-me agora o pior vício do mundo? É perfeitamente possível, senhor, e com nova autorização de meu amo, irei novamente ao mercado e de lá trarei o pior vício de toda a Terra.
  12. 12. Concedida a permissão, Esopo saiu novamente e, dali a minutos, voltava com outro pacote semelhante ao primeiro. Ao abri-lo, os amigos encontraram novamente pedaços de língua. Desapontados, interrogaram o escravo e obtiveram dele surpreendente resposta: Por que vos admirais de minha escolha? Do mesmo modo que a língua, bem utilizada, se converte numa sublime virtude, quando relegada a planos inferiores se transforma no pior dos vícios. Através dela tecem-se as intrigas e as violências verbais.
  13. 13. Através dela tecem-se as intrigas e as violências verbais. Através dela, as verdades mais santas, por ela mesma ensinadas, podem ser corrompidas e apresentadas como anedotas vulgares e sem sentido. Através da língua, estabelecem-se as discussões infrutíferas, os desentendimentos prolongados e as confusões populares que levam ao desequilíbrio social. Acaso podeis refutar o que digo? Indagou Esopo. Impressionados com a inteligência invulgar do serviçal, ambos os senhores calaram-se, comovidos, e o velho chefe, no mesmo instante, reconhecendo o disparate que era ter um homem tão sábio como escravo, deu-lhe a liberdade.
  14. 14. Esopo aceitou a libertação e tornou-se, mais tarde, um contador de fábulas muito conhecido da Antiguidade e, cujas histórias, até hoje, se espalham por todo o mundo. * * * Clareia e adoça tua palavra, para que o teu verbo não acuse nem fira, ainda mesmo na hora da consagração da verdade. Fala pouco. Pensa muito. Sobretudo, faze o bem. A palavra sem ação não esclarece a ninguém. Redação do Momento Espírita, com base em texto da Apostila Subsídios para a organização de um curso de expositores da Doutrina Espírita, 1998, ed. Feb. Em 27.08.2010.
  15. 15. FORÇAS ATIVAS DA NATUREZA Microscópio Infinitamente pequenos Espíritos Médiuns Videntes Mundo dos espíritos
  16. 16. TANGIBILIDADE Sentido Tátil Aparencia de um corpo sólido ( tocar – apalpar) Se desvaneça com rapidez de um relâmpago CERTEZA DE QUE NÃO É ILUSÃO
  17. 17. Diferentes estados do perispírito, resultam da vontade do Espírito e combinação com o fluido do Medium e permissão. Espiritos Glóbulos Efeito de ótica Humor aquoso do olho (movimento dos olhos)
  18. 18. Matizes da Irisação Figura na lua NA APARIÇÃO A imagem tem movimento próprio, espontâneo e inteligente
  19. 19. Alucinação – Exprime o erro, a ilusão de uma pessoa que julga ter percepção que realmente não tem. Quer seja real ou não ela constitui um fenômeno que a fisiologia não consegue explicar. Teoria da alucinação
  20. 20. Teoria da alucinação SONHOS Recordações da véspera Efeito da Imaginação O que é imaginação? Qual espelho mágico que conserva assim a impressão das coisas? ciencia
  21. 21. Como Explicar:  Pessoa nunca viu no estado de vigília e quais jamais pensou?  Aparições com a morte de pessoas. EXEMPLO.  Momentos de sobreexitação – Se na sua exaltação a alma vê o que não está presente – ela se transporta para junto de uma pessoa ausente.  A teoria espírita explica perfeitamente as aparições verdadeiras.
  22. 22. f VAMOS REVISAR O CAPÍTULO?
  23. 23. f 1. Os Espíritos podem se tornar visíveis? — Sim, sobretudo durante o sono. Entretanto, certas pessoas os vêem também no estado de vigília, mas isso é mais raro. Nota de Kardec: Enquanto o corpo repousa o Espírito se desprende dos laços materiais, fica mais livre e pode mais facilmente ver os outros Espíritos e entrar em comunicação com eles. O sonho é uma recordação desse estado. Quando não nos lembramos de nada, dizemos que não sonhamos, mas a alma não deixou de ver e de gozar da sua liberdade. Tratamos aqui mais particularmente das aparições no estado de vigília. – Sobre o estado do Espírito durante o sono ver nº 409 de O Livro dos Espíritos.
  24. 24. f 2. Os Espíritos que se manifestam pela visão pertencem a uma determinada categoria? — Não; podem pertencer a todas as categorias, das mais elevadas às mais inferiores. 3. É permitido a todos os Espíritos manifestarem-se visivelmente? — Todos o podem, mas nem sempre tem a permissão nem o desejo de fazê-lo. 4. Com que fim os Espíritos se manifestam visivelmente? — Isso depende; segundo sua natureza, o fim pode ser bom ou mau. 5. Como pode ser permitido, quando o fim é mau? — É então para por à prova aqueles que os vêem. A intenção do Espírito pode ser má, mas o resultado pode ser bom.
  25. 25. f 6. Qual o objetivo dos Espíritos que se fazem ver com má intenção? — Assustar e muitas vezes vingar-se. 7. Qual o objetivo dos Espíritos que aparecem com boa intenção? — Consolar os que lamentam a sua partida; provar-lhes que continuam a existir e estão perto deles; dar conselhos e algumas vezes pedir assistência para si mesmos.
  26. 26. f 8. Que inconveniente haveria em ser permanente e geral a possibilidade de ver os Espíritos? Não seria essa uma forma de tirar a dúvida aos mais incrédulos? — Estando o homem constantemente cercado de Espíritos, o fato de vê-los sem cessar o perturbaria, constrangendo-o nas suas atividades, e lhe tiraria a iniciativa na maioria dos casos, enquanto, julgando-se só, pode agir com mais liberdade.
  27. 27. f 9. Se a visão dos Espíritos tem inconvenientes, porque é permitida em alguns casos? — Para dar uma prova de que nem tudo morre com o corpo e de que a alma conserva a sua individualidade após a morte. Essa visão passageira é suficiente para dar a prova e atestar a presença dos amigos ao vosso lado, não tendo os inconvenientes da visão incessante. 10. Nos mundos mais adiantados que o nosso a visão dos Espíritos é mais freqüente? — Quanto mais os homens se aproximam da natureza espiritual, mais facilmente entra em relação com os Espíritos. É a grosseria do vosso corpo que torna mais difícil e mais rara a percepção dos seres etéreos. 11. É racional assustar-se com a aparição de um Espírito - Aquele que refletir a respeito há de compreender que um Espírito, seja qual for, é menos perigoso que um vivo.
  28. 28. f 12. Aquele que vê um Espírito poderia conversar com ele? — Perfeitamente. E é justamente o que se deve fazer nesse caso, perguntando quem é o Espírito, o que deseja e o que se pode fazer por ele. Se o espírito for infeliz e sofredor, o testemunho de comiseração o aliviará. Se for um Espírito benévolo, pode acontecer que tenha a intenção de dar bons conselhos. 13. Como o Espírito poderia responder? — Às vezes falando, como uma pessoa viva; a maioria das vezes por uma transmissão de pensamentos. 14. Os Espíritos que aparecem com asas realmente as têm, ou essas asas são apenas uma aparência simbólica? — Os Espíritos não tem asas. Não precisam delas, pois podem transportar-se por toda parte como Espíritos. Aparecem dessa forma porque querem impressionar a pessoa a que se mostram. Uns aparecerão com suas roupas habituais, outros envolvidos em panos, alguns com asas, como atributo da categoria espiritual que representam.
  29. 29. f 15. As pessoas que vemos em sonho são sempre as que aparentam ser? — São quase sempre as mesmas pessoas que o teu Espírito vai encontrar ou que te vêm encontrar. 16. Os Espíritos zombadores não poderiam tomar a aparência das pessoas que nos são caras e nos iludirem? — Tomam aparências fantasiosas para se divertirem a vossa custa, mas há coisas com as quais não lhes é permitido brincar.
  30. 30. f 17. Como o pensamento é uma espécie de evocação, compreende-se que possa atrair o Espírito. Mas por que, quase sempre, as pessoas em que mais pensamos, que ardentemente desejamos rever, jamais aparecem nos sonhos, enquanto vemos outras que não nos interessam e nas quais nunca pensamos? — Os Espíritos nem sempre tem a possibilidade de manifestar-se visivelmente, mesmo em sonhos e apesar do desejo que tenhamos de vê-los. Causas independentes da sua vontade podem impedi-los. Quase sempre é também uma prova que o mais ardente desejo não pode afastar. Quanto às pessoas que não interessam, embora não penseis nelas, é possível que pensem em vós.
  31. 31. f 18. Por que certas visões são mais freqüentes nas doenças? — Elas ocorrem igualmente no estado de perfeita saúde, mas na doença os laços materiais se afrouxam e a fraqueza do corpo deixa mais livre o Espírito, que entra mais facilmente em comunicação com outros Espíritos. 19. As aparições espontâneas parecem mais freqüentes em certas regiões. Alguns povos são mais bem dotados que outros para essas manifestações? — Fizeste um relatório geral das aparições? As aparições, os ruídos e todas as manifestações expandem-se igualmente por toda a Terra, mas apresentam características próprias segundo os povos em que se verificam.
  32. 32. f 20. Por que as aparições se verificam mais à noite? — Pela mesma razão que vês as estrelas à noite e não em pleno dia. A claridade intensa pode ofuscar uma aparição delicada. Mas é errôneo supor que a noite tenha algo de especial para isso. Interpela todos os que as viram, e constatarás que a maioria ocorre de dia. 21. A visão dos Espíritos ocorre no estado normal ou somente durante o êxtase? — Pode ocorrer em condições perfeitamente normais; entretanto, as pessoas que os vêem estão quase sempre num estado especial, próximo do êxtase que lhes dá uma espécie de dupla vista. (Ver O Livro dos Espíritos, nº 447)
  33. 33. f 22. Os que vêem os Espíritos o fazem com os olhos? — Eles pensam que sim, mas na realidade é a alma que vê. A prova é que podem vê-los de olhos fechados. 23. Como o Espírito pode tornar-se visível? — O princípio é o mesmo de todas as manifestações e está nas propriedades do perispírito, que pode sofrer diversas modificações, à vontade do Espírito. 24. O Espírito propriamente dito pode fazer-se visível ou só o faz com a ajuda do perispírito? — Na vossa situação material o Espírito só pode manifestar- se com a ajuda do seu invólucro semimaterial. É este o intermediário pelo qual eles agem sobre os vossos sentidos. Graças a esse invólucro é que eles aparecem algumas vezes com a forma humana ou outra qualquer, seja nos sonhos ou no estado de vigília, assim a plena luz como na obscuridade.
  34. 34. f 25. Poderíamos dizer que é pela condensação do fluido do perispírito que o Espírito se torna visível? — Condensação não é o termo. Trata-se apenas de uma comparação que pode ajudar a compreender o fenômeno, pois não há realmente uma condensação. Pela combinação dos fluidos produz-se no perispírito uma disposição especial, sem possibilidade de analogia para vós, e que o torna perceptível. 26. Os Espíritos que aparecem são sempre inacessíveis ao fato e não podemos pegá-los? — No estado normal de Espíritos não podemos pegá-los, como pegamos os sonhos. Não obstante, podem impressionar o nosso tato e deixar sinais de sua presença. Podem mesmo, em alguns casos, tornarem-se momentaneamente tangíveis, o que prova a existência de matéria entre eles e vós. .
  35. 35. f 27. Todos são aptos a ver os Espíritos? — Durante o sono, todos. Mas não quando estão acordados. No sono, a alma vê diretamente; quando estais acordados ela sofre em maior ou menor grau a influência dos órgãos. Eis porque as condições não são as mesmas nos dois casos. 28. Como podemos ver os Espíritos em estado de vigília? — Isso depende do organismo, da facilidade maior ou menor do fluido do vidente de se combinar como o do Espírito. Assim, não basta o espírito querer mostrar-se; é também necessário que a pessoa a quem se quer mostrar tenha a aptidão para vê-lo. 29. Essa faculdade pode desenvolver-se pelo exercício? — Pode, como todas as outras faculdades. Mas é daquelas cujo desenvolvimento natural é melhor do que o provocado, quando corremos o risco de superexcitar a imaginação. A visão geral e permanente dos espíritos excepcional e não pertence às condições normais do homem.(1)
  36. 36. f 30. Pode-se provocar a aparição dos espíritos? — Pode-se algumas vezes, mas muito raramente. Ela é quase sempre espontânea. Para provocá-la é necessário que se possua uma faculdade especial. 31. Os Espíritos podem fazer-se visíveis com outra aparência, além da humana? — A forma humana é a sua forma normal. O Espírito pode variá-la na aparência, mas conservando sempre o tipo humano.
  37. 37. PreceFinal
  38. 38. PreceFinal
  39. 39. Tenham uma noite serena e uma Feliz Semana

×