Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

A genese revisao capitulos 1 2 3

58 views

Published on

Revisão dos Capitulos 1,2,3 e Discussão sobre o tema Evolução da Humanidade.

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

A genese revisao capitulos 1 2 3

  1. 1. 1
  2. 2. 2
  3. 3. O LIVRO DOS ESPÍRITOS O LIVRO DOS MÉDIUNS O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO O CÉU E O INFERNO A GÊNESE QUEM SOU? O QUE SINTO? POR QUÊ SOFRO? PARA ONDE VOU? DE ONDE VIM? (LE, 2a. Parte) (LE, 3a. Parte) (LE, 4a. Parte) (LE, 1a. Parte) Obras Básicas da Codificação
  4. 4. "Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sempre, tal é a Lei“. ALLAN KARDEC 5
  5. 5. Ato ou efeito de progredir; Avanço num processo, numa caminhada, num trabalho, etc.; Desenvolvimento, evolução. Dicionário Escolar da Língua Portuguesa (ABL)
  6. 6. A REENCARNAÇÃO /JUSTIÇA DA REENCARNAÇÃO - A Reencarnação é o processo de se “viver” várias vidas através dos tempos, com o objetivo de evoluir e buscar a perfeição. É prova da bondade e justiça divinas. - 167 Qual é o objetivo da reencarnação? – Expiação, melhoramento progressivo da humanidade. Sem isso, onde estaria a justiça? - Ou seja: melhorar as qualidades, adquirir novos conhecimentos, corrigir os defeitos e reparar os erros cometidos nas existências anteriores. 7
  7. 7. Reencarnação é o processo pelo qual o espírito, estruturando um novo corpo físico, retorna, periodicamente, ao mundo material. Esse processo tem como objetivo propiciar novas experiências e conhecimentos que auxiliam o espírito reencarnante a evoluir. Reencarnação é o processo pelo qual o espírito, estruturando um novo corpo físico, retorna, periodicamente, ao mundo material. Esse processo tem como objetivo propiciar novas experiências e conhecimentos que auxiliam o espírito reencarnante a evoluir. 8
  8. 8. Intelectual Moral • Relativo à inteligência. • Se dá com o avanço da tecnologia, das ciências. • Diz respeito ao progresso material. • Pertence ao domínio do espírito, da consciência. •Parte da filosofia que estabelece as regras de conduta, fundadas na noção do bem e do mal.
  9. 9. Intelectual Moral O progresso completo constitui o objetivo. Os povos, porém, como os indivíduos, só passo a passo o atingem. Enquanto não se lhes haja desenvolvido o senso moral, pode mesmo acontecer que se sirvam da inteligência para a prática do mal. O moral e a inteligência são duas forças que só com o tempo chegam a equilibrar-se. (LE – resposta da q. 780 b)
  10. 10. 780. O progresso moral acompanha sempre o progresso intelectual? Decorre deste, mas nem sempre o segue imediatamente. a) Como pode o progresso intelectual engendrar o progresso moral? Fazendo compreensíveis o bem e o mal.
  11. 11. 779. A força para progredir, haure-a o homem em si mesmo, ou o progresso é apenas fruto de um ensinamento? O homem se desenvolve por si mesmo, naturalmente. Mas, nem todos progridem simultaneamente e do mesmo modo.
  12. 12. Dá-se, então, que os mais adiantados auxiliam o progresso dos outros.
  13. 13. -A reencarnação é a única forma racional por que se pode admitir a reparação das faltas cometidas e a evolução gradual dos seres. - Todos os espíritos tendem para a perfeição, e Deus lhes faculta os meios de alcançá-la, proporcionando-lhes as provações da vida corporal. 14 “A Reencarnação oferece a todos os homens as mesmas oportunidades, sem qualquer privilégio ou preferência, por que qualquer preferência seria uma injustiça.” “A Reencarnação oferece a todos os homens as mesmas oportunidades, sem qualquer privilégio ou preferência, por que qualquer preferência seria uma injustiça.”
  14. 14. O que muda em nossa vida a idéia da reencarnação? • A misericórdia divina é para todos. Deus não irá escolher uns, e abandonar ou outros... • Há esperança para todos, inclusive para os muito maus, que um dia se tornarão muito bons... • O que eu não puder fazer ou terminar numa vida, realizarei na outra... •Sendo assim, não há condenações eternas, nem sofrimentos que nunca acabem... 15
  15. 15. ENCARNAÇÃO EM DIFERENTES MUNDOS Como “há muitas moradas na casa de meu Pai”, existem vários mundos nos quais podemos reencarnar. Passamos por vários deles, sempre nos adaptando a cada um, de acordo com sua estrutura. 16 Os mundos se classificam de acordo com a evolução moral de seus habitantes. Sendo assim, os espíritos que estão encarnados em determinado planeta, estão dentro da mesma ordem, em geral. Ao evoluir, passam a outros mundos. Podem reencarnar em mundos mais atrasados, em missão.
  16. 16. 17 Nesses mundo melhores, quando reencarnamos, temos que passar pela fase da infância? Sim, pois a infância é uma fase de readaptação. Quando mais evoluído o mundo, menos ingênua será essa situação. Nos mundos superiores, o período da infância é mais curto, para que o ser reencarnado possa entrar mais rapidamente na vida adulta, e assim, aprender mais rápido e aproveitar melhor a sua nova existência.
  17. 17. - Conforme orientações dos espíritos, no nosso sistema solar, a Terra é um dos que tem os habitantes menos desenvolvidos, física e moralmente. Marte estaria mais abaixo enquanto Júpiter superior de muito, em todos os aspectos. O Sol seria como um ponto de encontro e trabalho de espíritos evoluídos, que de lá irradiam pensamentos à todos os planetas. 18
  18. 18. 19 Todas as existências são produtivas para um espírito? Infelizmente, não. Há espíritos que desperdiçam muitas encarnações, persistindo em manias de grandeza, numa busca desenfreada pela fama e pelo poder. Quantas encarnações jogadas fora por causa dos vícios e dos desequilíbrios do sexo... Mas como a misericórdia divina é para todos, e como errar faz parte do processo de aprender, o Pai bondoso permitirá novas encarnações, para que o aprendizado não se perca, e pelo contrário, que continue evoluindo.
  19. 19. 789. O progresso fará que todos os povos da Terra se achem um dia reunidos, formando uma só nação? Uma nação única, não; seria impossível, visto que da diversidade dos climas se originam costumes e necessidades diferentes, que constituem as nacionalidades, tornando indispensáveis sempre leis apropriadas a esses costumes e necessidades.
  20. 20. A caridade, porém, desconhece latitudes e não distingue a cor dos homens. Quando, por toda parte, a lei de Deus servir de base à lei humana, os povos praticarão entre si a caridade, como os indivíduos. Então, viverão felizes e em paz, porque nenhum cuidará de causar dano ao seu vizinho, nem de viver a expensas dele.
  21. 21. 799. De que maneira pode o Espiritismo contribuir para o progresso? Destruindo o materialismo, que é uma das chagas da sociedade, ele faz que os homens compreendam onde se encontram seus verdadeiros interesses. Deixando a vida futura de estar velada pela dúvida, o homem perceberá melhor que, por meio do presente, lhe é dado preparar o seu futuro. Abolindo os prejuízos de seitas, castas e cores, ensina aos homens a grande solidariedade que os há de unir como irmãos.”
  22. 22. A crença no Espiritismo ajuda o homem a se melhorar, firmando-lhe as idéias sobre certos pontos do futuro. Apressa o adiantamento dos indivíduos e das massas, porque faculta nos inteiremos do que seremos um dia. É um ponto de apoio, uma luz que nos guia. O Espiritismo ensina o homem a suportar as provas com paciência e resignação; afasta-o dos atos que possam retardar-lhe a felicidade, mas ninguém diz que, sem ele, não possa ela ser conseguida. O livro dos espíritos. Comentário da questão 982,.
  23. 23. Combatendo os vícios e estimulando o desenvolvimento de virtudes, o Espiritismo oferece condições para influir no progresso da Humanidade, promovendo uma era de renovação social e moral, pois a Doutrina Espírita é, [...] acima de tudo, o processo libertador das consciências, a fim de que a visão do homem alcance horizontes mais altos. XAVIER, Francisco Cândido. Roteiro. Pelo Espírito Emmanuel. 10. ed. Rio de Janeiro.
  24. 24. 625. Qual o tipo mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, para lhe servir de guia e modelo? JESUS
  25. 25. Para o homem, Jesus constitui o tipo da perfeição moral a que a Humanidade pode aspirar na Terra. Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo e a doutrina que ensinou é a expressão mais pura da lei do Senhor, porque, sendo ele o mais puro de quantos têm aparecido na Terra, o Espírito Divino o animava.
  26. 26. 151 Anos (2019) 06-jan-1868 OS MILAGRES E AS PREDIÇÕES SEGUNDO O ESPÍRITISMO
  27. 27. Considerações de Allan Kardec na Introdução de “A Gênese” ESTA NOVA OBRA É MAIS UM PASSO DADO AO TERRENO DAS CONSEQÜÊNCIAS E DAS APLICAÇÕES DO ESPIRITISMO. (...) TEM ELA POR OBJETIVO O ESTUDO DOS TRÊS PONTOS ATÉ AGORA DIVERSAMENTE INTERPRETADOS E COMENTADOS: A GÊNESE, OS MILAGRES E AS PREDIÇÕES (...)
  28. 28. O QUE KARDEC REALIZA NESTA OBRA? 1. UMA ANÁLISE CRÍTICA, BASEADO NOS CONHECIMENTOS DA CIÊNCIA E NA LEITURA DOS TRECHOS EVANGÉLICOS; 2. APRESENTA ALGUMAS TEORIAS HIPOTÉTICAS E PEDE QUE SEJAM CONSIDERADAS COMO OPINIÕES PESSOAIS, ATÉ QUE SEJAM CONFIRMADAS OU CONTRADITADAS.
  29. 29. O ESPIRITISMO PODE SER CONSIDERADO UMA REVELAÇÃO? Caráter da Revelação Espírita DANDO-NOS A CONHECER: 1 - O MUNDO INVISÍVEL QUE NOS CERCA E NO MEIO DO QUAL VIVÍAMOS SEM SUSPEITAR; 2 - AS LEIS QUE O REGEM, SUAS RELAÇÕES COM O MUNDO VISÍVEL; 3 - A NATUREZA E O ESTADO DO SERES QUE O HABITAM ; 4 - O DESTINO DO HOMEM DEPOIS DA MORTE. É UMA VERDADEIRA REVELAÇÃO, NA ACEPÇÃO CIENTÍFICA DA PALAVRA.
  30. 30. Deus O nosso maior enigma? A PROVIDÊNCIA É A SOLICITUDE DE DEUS PARA COM AS SUAS CRIATURAS ELE: ESTÁ EM TODA PARTE TUDO VÊ TUDO PRESIDE (MESMO AS COISAS MAIS MÍNIMAS)
  31. 31. II- Atuação do pensamento de DEUS 24. -... Figuremos o “pensamento de Deus” sob a forma concreta de um fluido inteligente que enche o universo infinito e penetra todas as partes da criação: a Natureza inteira mergulhada no fluido divino. (...) Tudo está submetido: À sua ação inteligente... À sua previdência... À sua solicitude... Todo ser está saturado dele... Nossos pensamentos estão em contato com o seu pensamento... Estamos nele como ele está em nós
  32. 32. O BEM E O MAL Qual a sua origem? SENDO DEUS O PRINCIPIO DE TODAS AS COISAS (...) TUDO QUE DELE PROCEDE HÁ DE PARTICIPAR DE SEUS ATRIBUTOS (...) NADA PODE PRODUZIR QUE SEJA ININTELIGENTE, MAU E INJUSTO. O MAL QUE OBSERVAMOS NÃO PODE TER NELE A SUA ORIGEM.
  33. 33. A mais simples, sucinta e profunda definição que, por enquanto, podemos formular e entender a respeito do Criador, está na resposta dos instrutores espirituais à pergunta nº 1 de “O LIVRO DOS ESPÍRITOS”: - Que é Deus? - Deus é a inteligência suprema, a causa primária de todas as coisas.
  34. 34. GÊNESE QUESTIONÁRIO DE REVISÃO DOS CAPÍTULOS 1, 2 e 3
  35. 35. GÊNESE – REVISÃO DOS CAPÍTULOS 1, 2 e 3 1 - Qual o objeto de estudo da Gênese? R 19- Allan Kardec dedicou a presente obra ao estudo de três pontos até então interpretados e compreendidos de maneiras diferentes e até contraditórias pelos vários ramos da ciência humana e pelos segmentos religiosos tradicionais: a gênese do Universo, os milagres e as predições do Evangelho. Kardec faz um estudo dessas três questões utilizando, para tanto, os novos conhecimentos das leis que regem as relações entre o mundo físico e o mundo espiritual, trazidos pelo Espiritismo e que resultaram da revelação dos Espíritos e de suas observações e experimentações.
  36. 36. 2 - Como o Espiritismo contribui para o entendimento dos vários fenômenos relatados nas chamadas "Escrituras"? R35 - O Espiritismo dá uma grande contribuição para que se entenda várias passagens bíblicas contidas tanto no Antigo como no Novo Testamento. Demonstrando a existência do mundo espiritual e as leis e forças que regem suas relações com o mundo material, o espiritismo dá a chave para o entendimento de uma série de fenômenos que permaneceram longo tempo incompreendidos e que, por esse motivo, eram considerados inadmissíveis ou miraculosos por um grande número de religiosos e pensadores em geral.
  37. 37. 3 - Que característica, segundo Kardec, concede força à doutrina espírita? R48 - Kardec demonstra a força do Espiritismo no fato de ser uma doutrina de origem impessoal. Resulta do ensinamento coletivo e concorde dos Espíritos Superiores, não se constituindo opinião pessoal de nenhum deles. Toda informação que não tenha recebido a consagração do controle universal dos Espíritos não pode ser considerada parte integrante de seu corpo doutrinário, não passando de uma simples opinião pessoal, pela qual não pode o Espiritismo se responsabilizar. Difere-se, desse modo, de todas as revelações anteriores e das doutrinas religiosas delas derivadas, pois todas trouxeram a marca pessoal de seus inspiradores. Ninguém nunca poderá se intitular criador do Espiritismo, completa Kardec.
  38. 38. 4. OS ENSINAMENTOS DOS ESPÍRITOS PODEM SER CONSIDERADOS IMODIFICÁVEIS? R01 - Como vimos, a força da doutrina reside no fato de ser fruto do ensino concordante da coletividade dos Espíritos, passado pelo critério da lógica, o que lhe assegura a perpetuidade. Para que ela sofra qualquer modificação, é indispensável que a universalidade dos Espíritos mude de opinião e venha, algum dia, dizer o contrário do que dissera anteriormente, revendo o ensinamento em determinado ponto.
  39. 39. 5. QUAIS OS REQUISITOS PARA QUE UM ENSINAMENTO POSSA SER CONSIDERADO UMA REVELAÇÃO? R11 - Conforme explica Kardec, o vocábulo revelação deriva do termo latino “revelare”, que significa sair de sob o véu e, em linguagem figurada, descobrir, dar a conhecer uma coisa secreta ou desconhecida. Em sua acepção genérica, todas as ciências que nos trazem o conhecimento de ideias até então ignoradas e que nos põe em contato com o que não sabíamos podem ser consideradas revelações. Há, sob esse aspecto, para a humanidade, uma revelação incessante. Continua >>>
  40. 40. Para que um ensinamento possa ser considerado uma revelação faz-se mister que sua característica essencial seja a verdade e que esta verdade seja até então desconhecida. Revelar um segredo é tornar conhecido um fato. Se é falso, já não há um fato e, conseqüentemente, não existe revelação. Toda revelação desmentida pelos fatos não pode emanar de Deus, pois Deus não se engana nem mente. Há que ser, assim, considerada produto de uma concepção humana. Continua >>> 5. >>> continuação
  41. 41. Foram reveladores Galileu, Copérnico, Newton, Laplace, Lavoisier, dentre outros espíritos que revelaram aos homens informações que não conhecíamos acerca do mundo astral, através da Astronomia, da formação da Terra, através da Geologia, da lei das afinidades, através da Química, dentre outras áreas da Ciência. 5. >>> continuação
  42. 42. 6. O ESPIRITISMO PODE SER CONSIDERADO UMA REVELAÇÃO? PORQUE ? R 27- Tendo trazido à humanidade o conhecimento acerca das leis que regem o mundo espiritual e suas relações com o mundo material, que eram até então desconhecidas da humanidade, o Espiritismo, sem dúvida, preenche todos os requisitos para ser considerado uma revelação. Mostra a realidade da nossa natureza espiritual, revelando ao homem o que ele é, de onde vem, o que faz na Terra e para onde vai após a morte do corpo físico. Revelou a existência de uma vida espiritual em uma outra dimensão, paralela ao mundo físico, da qual o homem tinha tão somente um vago conhecimento.
  43. 43. 7. Quem são e qual o papel dos espíritos que encarnam como "missionários"? R30 - Os espíritos missionários, que Kardec tratou como "homens de gênios", são espíritos que se caracterizam pela superioridade de conhecimentos e que encarnam, pela vontade de Deus, para fazerem com que a humanidade avance em progresso. Vêm à Terra com o papel de ensinarem verdades que os homens ignoram e que ainda ignorariam durante muito tempo, se tivessem que aprender por si mesmos, a fim de lhes dar um impulso mediante o qual possam se elevar mais rapidamente. Continua >>>
  44. 44. O que de novo ensinam aos homens, quer sejam ensinamentos de ordem física, quer de ordem filosófica, é que se constitui uma revelação. Deus, de tempos em tempos, envia à Terra esses reveladores como seus missionários, para revelarem à humanidade não apenas verdades científicas como também verdades morais, indispensáveis ao progresso do homem. 5. >>> continuação
  45. 45. 8. No sentido religioso, qual a característica de uma revelação? R50 - Como vimos no capítulo anterior, o vocábulo revelação significa sair de sob o véu e é utilizado no sentido de descobrir, de dar a conhecer uma coisa secreta ou desconhecida. As ciências terrenas, materialistas, de tempos em tempos, trazem-nos revelações acerca das leis e forças que regem a matéria, como o fazem a Astronomia, a Geologia, a Física e a Química, dentre outras. No sentido religioso, contudo, o que caracteriza uma revelação é a sua natureza espiritual. Continua >>>
  46. 46. Uma revelação de caráter religioso diz sempre respeito às coisas espirituais, que o homem não pode descobrir por meio da inteligência nem com o auxílio dos sentidos. O conhecimento destas coisas é permitido por Deus e é sempre feita à humanidade por intermédio de homens predispostos, seus mensageiros, considerados profetas ou messias, quer por meio da palavra direta, quer pela inspiração. Provindo de uma fonte infinitamente sábia e justa, a revelação, neste caso, implica em aceitação absoluta, sem verificação, exame nem discussão.
  47. 47. 9. Pode o homem receber diretamente de Deus uma revelação? R28 - Kardec explica que é possível ao homem receber diretamente da Divindade uma revelação, dando a entender que esta hipótese não contraria as Leis Naturais. Todavia, ressalta que nenhuma prova há neste sentido. O que não podemos duvidar é que há Espíritos que, pela elevação já alcançada, encontram-se mais próximos de Deus, o que lhes permite assimilar os seus pensamentos para transmiti-los aos homens. Continua >>>
  48. 48. Quando se trata de um revelador encarnado, pode ele tirar dos seus próprios conhecimentos o ensinamento a ser revelado ou recebê-lo de Espíritos mais elevados, mensageiros diretos de Deus. É, pois, segundo Kardec, correto dizer-se que quase todos os reveladores são médiuns inspirados, audientes ou videntes, o que não significa que todos médiuns sejam reveladores. Daí, entretanto, não se deve concluir que todos os médiuns sejam reveladores nem, muito menos, intermediários diretos da Divindade ou dos seus mensageiros.
  49. 49. 10. Qual a diferença entre uma revelação divina e as leis humanas? R45 - O caráter essencial de uma lei revelada pela Divindade é o da eterna verdade. Sendo Deus a sabedoria plena, uma revelação eivada de erros ou sujeita a modificações não pode dele emanar. A lei do Decálogo recebida por Moisés, por exemplo, tem todos os caracteres de sua origem divina, pois perfeitas e até hoje acatadas pela humanidade. Jesus veio confirmá-las e dar-lhes cumprimento. O mesmo não se pode dizer das demais leis moisaicas, expedidas pelo legislador hebreu para disciplinar um povo ainda brutalizado. Continua >>>
  50. 50. Eram leis fundamentalmente transitórias, que, em muitas ocasiões, contrariavam a Lei do Sinai. Eram obra pessoal e política daquele legislador e, desse modo, leis de natureza humanas. À medida que aquele povo foi evoluindo, os costumes foram abrandados, o uso da violência diminuindo e essas leis, por si mesmas, caindo em desuso. Sendo assim, a diferença entre uma lei de revelação divina e uma de autoria humana é que a primeira traz uma verdade definitiva, inquestionável, ao passo que segunda, provindo de uma fonte imperfeita, como o homem, carece de perfeição, sendo, pois, meramente transitória, refletindo os costumes da época.
  51. 51. 11. Qual a diferença entre o Espiritismo e as antigas "ciências ocultas”? R29 - Do mesmo modo que a Astronomia tem seus fundamentos na observação dos mesmos fatos observados pela Astrologia e a Química nos fatos observados pela Alquimia, o Espiritismo, tal qual as antigas ciências ocultas, apóia-se na manifestação dos Espíritos. A Astrologia se apoiava na posição e movimento dos astros, que ela estudava e a quem a superstição atribuía uma influência moral sobre os homens e um sentido revelador. Continua >>>
  52. 52. Com a Astronomia, por intermédio de homens como Galileu, Newton e Kepler, tornaram-se conhecidas as leis que regem o mecanismo do Universo, revelando que os astros nada mais são do que simples mundos semelhantes à Terra, desfazendo-se o sentido do maravilhoso que lhes era atribuído. A Alquimia, apesar de suas fórmulas hoje consideradas risíveis, serviu como ponto de partida para a descoberta dos corpos simples e da lei das afinidades. Continua >>>
  53. 53. O mesmo se dá com o Espiritismo, em relação às antigas ciências ocultas, que tratavam da magia e da feitiçaria. Estas ciências, como o Espiritismo, apoiavam-se na manifestação dos Espíritos, mas, como ignoravam as leis que regem o mundo espiritual, utilizavam-se essas manifestações para fundamentar práticas e crenças que hoje, como as fórmulas da Alquimia, são consideradas risíveis. Continua >>>
  54. 54. O Espiritismo, fruto da experimentação e da observação de fatos, trouxe o conhecimento das leis que regem o mundo espiritual e demonstrou o quanto infundadas são estas práticas e crenças. A diferença entre o Espiritismo e as ciências ocultas de antigamente, portanto, é imensa, pois suas bases são científicas, obtidas pelo mesmo método utilizado pelas ciências positivas e explicadas pelas leis que regem o mundo espiritual.
  55. 55. 12. Podemos considerar que a revelação trazida por Jesus veio revogar a lei moisaica? R08 - As leis promulgadas por Moisés podem ser classificadas em duas partes: uma, é o conhecido Decálogo, base da religião cristã, revelação de origem divina, recebida por ele como profeta, denominação dada então aos portadores de faculdades mediúnicas. Recebida no Monte Sinai, lançou as bases da verdadeira fé, revelando aos homens a existência do Deus único, soberano e criador de todas as coisas. Outra parte de suas leis são de origem puramente humana, destinada a regular a vida daquele povo em sociedade. Continua >>>
  56. 56. Jesus, como ele próprio afirmou, segundo a anotação dos Evangelistas, não veio revogar a lei de Moisés e, sim, dar-lhe cumprimento. Mas apenas no que se refere à lei de origem divina, que é a parte eterna, irrevogável, pois emanada da sabedoria suprema. A parte da lei mosaica de concepção humana, que se destinava a disciplinar aquela sociedade, era transitória e, com o progresso intelectual e moral da humanidade, tornou-se obsoleta e inaceitável. Esta parte não foi acolhida pelo Cristo.
  57. 57. 13. Qual a diferença entre a visão de Deus apresentada por Moisés e a revelada por Jesus? R47 - A maneira inteiramente nova para a época com que Jesus explicava o sentido de Deus é o ponto mais importante de sua revelação. Moisés trouxe a idéia de uma Divindade temível, ciumenta e vingativa. Cruel e implacável com aqueles que contra ela se insurgem. Que ordena o massacre e o extermínio de povos, sem excetuar, sequer, mulheres, crianças e velhos; que castiga os que poupam suas vítimas; que pune todo um povo pelo erro de seu governante; que pune os filhos pelas faltas dos pais; que se vinga do culpado na pessoa do inocente; que privilegia um povo, presidindo aos combates para sustentar a sua causa contra a de outros povos; que consente com a escravidão de povos rivais.
  58. 58. Enfim, o Deus mosaico era injusto e inclemente, parcial e vingativo. Jesus ensinou um Deus diferente, justo e bom, manso e misericordioso. Que perdoa o pecador que se arrepende e dá a cada um segundo as suas obras. O Pai de todos, que estende sua proteção a todos os seus filhos, indistintamente. Um Deus que não faz da vingança uma virtude e que ordena o olho por olho, dente por dente. Mas o Deus de misericórdia, que perdoa as ofensas e que ensina a fazer o bem em troca do mal e a não fazer o que não queremos que nos façam. Jesus trouxe um Deus grande, que vê o pensamento e não a adoração formal. Já não é um Deus que quer ser temido, mas amado.
  59. 59. 14. Que aspectos da doutrina de Jesus mais contribuem para modificar o modo do homem encarar a vida na Terra? R34 - A revelação do verdadeiro Deus que a doutrina de Jesus nos trouxe, se corretamente compreendida, tem tudo para operar uma profunda modificação no modo como o homem encara a vida na Terra. Demonstrando a imparcialidade da Divindade, sua soberana justiça e bondade; colocando o amor como o móvel que deve presidir as ações humanas; ensinando a amá-lo sobre todas as coisas e o próximo como a nós mesmos e estabelecendo o princípio da igualdade dos homens perante ele e da fraternidade universal, o Deus mosaico tornou-se inaceitável, pois não poderia ser amado, apenas temido.
  60. 60. Esta revelação acerca de Deus, que é o ponto central de sua doutrina, juntamente com a da imortalidade da alma e da continuidade da vida após a morte do corpo, impôs aos homens novas obrigações. Quando compreendida suficientemente, fará o homem encarar a vida terrena sob outro aspecto e o impulsionará a mudanças nos costumes e nas relações sociais.
  61. 61. 15. Por que podemos afirmar que o Espiritismo é o Consolador prometido por Jesus? R41 - Porque a Doutrina Espírita preenche todas as características do Consolador prometido por Jesus há dois mil anos atrás. Como ele próprio afirmou, seu ensino estava incompleto e, por isso, anunciava a vinda daquele que o completaria. Previu, ainda, o Cristo, que suas palavras não seriam corretamente interpretadas e que os homens se desviariam de seus ensinos. Daí adviria o Consolador para restabelecer todas as coisas. Veio, então, séculos mais tarde, o Espiritismo, para revelar o que os homens não podiam entender à época da promessa de Jesus e que somente o avanço da ciência veio lhes dar condições de entendimento.
  62. 62. Por outro lado, ele previu que a humanidade teria necessidade de consolação, pois sabia que as crenças que viriam não lograriam trazer o consolo que lhes faltava. Ao esclarecer e complementar os ensinamentos do Cristo e consolando os homens com a explicação das causas dos sofrimentos, o Espiritismo tem todas as características do Consolador prometido.
  63. 63. 16. Como Kardec nos ensina a interpretar as chamadas "Escrituras Sagradas“? R15 - Os textos bíblicos devem ser interpretados à luz da Ciência em geral e, em particular, do Espiritismo. À medida que a Ciência avança, os homens vão se esclarecendo com o conhecimento de novas leis da matéria. O Espiritismo veio revelar outras, de natureza espiritual. Todas essas leis reveladas pela Ciência e pelo Espiritismo vieram criar condições à inteligência das Escrituras, derrogando os sistemas utópicos defendidos pelos teólogos.
  64. 64. 17. Considerando os caracteres da doutrina espírita acima mencionados, como conceituar, em poucas palavras, o Espiritismo? R10 - Podemos entender o Espiritismo como uma ciência, posto que constitui um conjunto de conhecimentos, que estabelece uma doutrina filosófica, na medida em que se ocupa dos problemas existenciais do homem. Ao mesmo tempo, auxilia sua religação ao Criador, razão por que também assume conotação religiosa. Temos aí o seu tríplice caráter: ciência, filosofia e religião.
  65. 65. 18. Como o Espiritismo desmistificou o que as religiões tradicionais denominam "anjos" e "demônios”? R02 - O Espiritismo veio ratificar o ensinamento de que só existe um Criador - Deus - inteligência suprema e causa primária de todas as coisas e que todas as suas criaturas são criadas iguais, dotadas de livre-arbítrio, simples e ignorantes e com aptidões para o bem ou para o mal. Colocou, assim, por terra o ensino das religiões tradicionais, que criaram as figuras dos anjos e dos demônios, seres criados bons e maus, respectivamente e assim destinados a permanecerem por todo o sempre.
  66. 66. Demonstrando que a Lei do Criador é de evolução, o Espiritismo ensina que todos são destinados a atingirem uma perfeição relativa. Os anjos são seres que progrediram em sua evolução, tornando-se puros; os demônio são seres que ainda persistem no mal, mas que, um dia, evoluirão até se tornarem também puros.
  67. 67. 19. As relações estabelecidas entre os espíritos encarnados e espíritos desencarnados levam-nos a quais certezas? R26 - À certeza da existência do espírito, da sua individualidade e de sua sobrevivência após a morte do corpo físico. Faz-nos compreender a situação do espírito no mundo espiritual, por que uns sofrem e outros são felizes e que essa felicidade ou infelicidade está na razão direta do bem ou do mal que praticamos.
  68. 68. 20. De quem depende a nossa felicidade e por quê? R13 - A nossa felicidade depende unicamente de nós mesmos, do grau de perfeição ou de imperfeição em que nos encontramos. Cada um é punido no que pecou, resultando disso que as conseqüências duram tanto quanto a causa produzida pela transgressão às Leis Naturais. O presente é, pois, conseqüência do passado e causa do futuro.
  69. 69. 21. Qual a finalidade da reencarnação? R39 - Demonstrar a realidade da vida espiritual e atender à necessidade do progresso. A reencarnação possibilita ao espírito aprender e progredir, aprimorando-se moral e intelectualmente, pois cada conquista obtida não se perde mais. Aproxima os homens, pois torna os laços de família espirituais e não carnais, criando um vínculo de solidariedade entre o passado e o futuro. Como as relações se perpetuam, faz prevalecer o princípio da fraternidade universal, pois faz o bem e o mal terem conseqüências inevitáveis.
  70. 70. 22. Qual a diferença entre pecado original e vicio original? R18 - O pecado original, segundo as religiões tradicionais, seria o cometido por uma figura que se convencionou chamar Adão e pelo qual todos nasceriam maculados. O Espiritismo, ao comprovar a pré-existência da alma, mostra que o verdadeiro pecado original é o que o espírito traz ao reencarnar de outras existências corpóreas. São as imperfeições de que não se despojou, os vícios ainda pendentes, o que está muito mais em consonância com a justiça de Deus, pois mostra que o homem sofre a pena de suas próprias faltas e não de outrem. Kardec preferiu chamar de vício original.
  71. 71. 23. Quando renascemos trazemos conosco uma bagagem. Ao encerrarmos esta vida qual a bagagem que levamos? É a mesma? Se mudou, mudou em que? R05 - A bagagem que o espírito leva ao retornar ao plano espiritual é tudo o que ele amealhou durante a passagem pelo mundo da matéria, em termos de valores espirituais. São as conquistas morais e intelectuais que conseguiu realizar e os vícios e imperfeições de que não conseguiu se despojar.
  72. 72. 24. Qual o princípio científico de que se utilizou Kardec para demonstrar a existência de Deus? R46 - Kardec se utilizou de um axioma usado pela ciência, segundo o qual não há efeito sem causa. É princípio elementar que pelos seus efeitos é que se julga de uma causa, ainda que essa causa se conserve oculta. Cita como exemplo um pássaro que, ao voar, é atingido por um tiro. Ainda que o atirador não seja visto, é de se deduzir a sua existência. Conclui-se, pois, que nem sempre se faz necessário vejamos uma coisa para sabermos que ela existe e que, observando-se o efeito, conhece-se a causa.
  73. 73. 25. E para demonstrar a sua inteligência? R12 - Kardec parte de outro princípio igualmente elementar e que também se tornou axioma para comprovar a inteligência de Deus: todo efeito inteligente resulta de uma causa inteligente. Uma obra de arte, por exemplo, não pode se fazer por si mesma. Reconhece-se, nela, a atuação de uma inteligência, pois somente uma inteligência poderia concebê-la. Ninguém admitiria ser obra de um animal ou produto do acaso. Verificando-se que não está acima da capacidade humana, conclui-se ser ela obra de um homem.
  74. 74. 25. continuação Observando-se a perfeita harmonia que move todas as obras da Natureza, somos forçados a reconhecer que elas ultrapassam os limites da inteligência humana. Não podendo o homem produzi-las, somente podem ser fruto de uma inteligência superior à da Humanidade. Apenas uma inteligência superior à mais luminosa sabedoria de um homem de gênio seria capaz de produzi-la, a menos que se admita possa haver inteligência sem causa. Logo, essa inteligência somente pode provir da Divindade.
  75. 75. 26. Como Kardec refuta o argumento de que as obras da Natureza são produto de forças mecânicas? R23 - Os que se recusam a aceitar a existência de Deus argumentam que as obras da Natureza são efeito de forças puramente materiais, que atuam mecanicamente, em virtude de leis e forças que se põem em ação através de um automatismo. Kardec demonstra que essas leis e forças são materiais e mecânicas e não inteligentes. Sendo a sua aplicação útil um efeito inteligente, é irrefutável a existência de uma causa inteligente por trás delas. Continua >>>
  76. 76. 26. >>> continuação Exemplifica com a existência do relógio, que não se pode conceber sem a existência do relojoeiro. A "engenhosidade do mecanismo lhe atesta a inteligência e o saber. Quando um relógio vos dá, no momento preciso, a indicação de que necessitais, já vos terá vindo à mente dizer: aí está um relógio bem inteligente? Outro tanto ocorre com o mecanismo do Universo: Deus não se mostra, mas se revela pelas suas obras", conclui o Codificador.
  77. 77. 27. Por que não podemos dissociar os atributos da perfeição infinita e da unicidade de Deus? R06 - Porque se Deus não fosse infinitamente perfeito em todos os seus atributos poderia haver outro ser que possuísse o que lhe faltasse e aí esse o ultrapassaria e seria o Deus. A perfeição infinita de Deus resulta, em conseqüência, na sua unicidade, pois, houvesse outro igualmente portador da perfeição infinita, com ele confundir-se-ia na unidade de pensamento, resultando num só. Continua >>>
  78. 78. 27. >>> continuação Por desconhecer o caráter infinito da perfeição de Deus foi que o homem derivou para o politeísmo, adotado pelos povos primitivos, que davam o atributo de divindade a todo poder que lhes parecia acima daqueles inerentes à humanidade.
  79. 79. 28. Qual a importância para o homem de conhecer os atributos da divindade? R20 - Conhecendo os atributos da divindade, o homem a reconhece como única luz à sua disposição capaz de guiá-lo na busca da verdade, orientando-o para que nunca se transvie. Se há errado, é porque não tem seguido o roteiro indicado.
  80. 80. 29. Qual a importância para as religiões, conhecer os atributos da divindade? R37 - Para as religiões, esses atributos devem servir como critério infalível sobre o qual devem firmar suas teorias, seus princípios, seus dogmas e suas crenças. Toda prática religiosa que estiver em contradição com qualquer desses atributos, não estará com a verdade. A religião perfeita será aquela cujos artigos de fé nenhum esteja em oposição àquelas qualidades e cujos dogmas suportem a prova dessa verificação sem nada sofrerem.
  81. 81. 30. Podemos definir a Providência como sendo a onipresença de Deus? R03- A Providência Divina é a presença de Deus em toda parte, tudo vendo, tudo presidindo e oferecendo às criaturas a sua solicitude. Ela se faz presente até nos mais ínfimos atos e pensamentos de cada um. É nisto que consiste a ação providencial. Admitida a existência de Deus, só se pode admitir, quanto à sua ação, que ela se exerça sobre as leis gerais do Universo; que este funcione de toda a eternidade em virtude dessas leis, às quais toda criatura se acha submetida na esfera de suas atividades, sem que haja mister a intervenção incessante da Providência. Continua >>>
  82. 82. 30. >>> continuação Porém, no estado de inferioridade em que nos encontramos, o homem ainda tem dificuldade de compreender isso, circunscrevendo a ação da Divindade aos seus próprios limites. Daí a concepção de uma imagem com traços humanos, sentado num trono perdido nos céus, onde exerce a soberania de seu poder.
  83. 83. 31. Como Kardec procura explicar a influência de Deus em nossas vidas? R24 - Mesmo reconhecendo a impotência da humanidade para compreender a essência divina, Kardec admite uma hipótese possível para a compreensão da questão: um fluido inteligente, que enche o Universo e penetra todos os corpos, atuando com discernimento, vontade e liberdade. Tendo a parte de um todo a mesma natureza e as mesmas propriedades que ele, podemos concluir que toda a criação está impregnada desse fluido, submetendo-se à sua ação inteligente, à sua providência e à sua solicitude. Continua >>>
  84. 84. 31. >>> continuação Nenhum ser haverá que não esteja saturado desse fluido. Em conseqüência, achamo-nos constantemente na presença de Deus. Nenhuma de nossas ações, nenhum de nossos pensamentos, podemos lhe subtrair, havendo, pois, razão para se dizer que Deus vê os mais profundos refolhos do nosso coração. Estamos nele, como ele está em nós, segundo as palavras do Cristo.
  85. 85. 32. Qual a importância da prece, segundo o estudo da Providência Divina? R21 - Estando, assim, Deus em toda a parte, a tudo vendo e a tudo ouvindo, os nossos pensamentos estão, ininterruptamente, em contato com o seu pensamento. Por essa razão, encontrando-nos permanentemente em contato com o Criador, a prece sempre chega até ele, não necessitando de formas convencionais nem de ser dita em voz alta. Sendo ele soberana e infinitamente bom e justo, a prece será sempre atendida, dependendo apenas do nosso merecimento. Jesus ensinou: "pedi e obtereis"; mas, também, que "a cada um será dado segundo as suas obras".
  86. 86. 33. O que é o instinto e qual as suas principais características? R40 - Kardec define o instinto como a força oculta que solicita os seres orgânicos a atos espontâneos e involuntários, tendo em vista a conservação deles. Sua principal característica é não haver nele reflexão, combinação nem premeditação. Funciona numa espécie de automatismo, como nas plantas, que procuram o ar, voltam-se para a luz e dirige suas raízes para a água e para a terra nutriente, movimentos necessários à sua subsistência. Ou nos animais, que buscam os climas que lhes são propícios, constroem seus abrigos, leitos e armadilhas para apanharem presas que lhes servem de alimento. Continua >>>
  87. 87. 33. >>>continuação No homem, no começo da vida, o instinto domina as suas ações, como na criança que procura o seio materno para se alimentar. À medida que se desenvolve e se torna adulto, o instinto ainda é responsável por alguns de seus atos, como os movimentos espontâneos para evitar um perigo ou para manter o equilíbrio do corpo.
  88. 88. 34. O que é a inteligência e quais as diferenças principais em relação ao instinto? R49 - Ao contrário do instinto, Kardec explica que a inteligência se revela por atos voluntários, refletidos, premeditados, combinados, de acordo com a oportunidade das circunstâncias. É uma manifestação que provém exclusivamente do espírito, através de um ato voluntário, refletido, premeditado, livre.Todo ato inteligente denota reflexão, combinação, deliberação e resulta do exercício do livre-arbítrio. O ato instintivo é seguro e não se engana, por ser mecânico provocado por alguma circunstância; o que provém da inteligência, por ser livre e deliberado, está sujeito a equívoco.
  89. 89. 35. Pode-se considerar que o instinto procede da matéria? R44 - O ato instintivo não procede da matéria, pois, embora lhe falte o caráter de ato inteligente, revela uma causa inteligente, capaz de identificar as circunstâncias que o determinam. Se procedesse da matéria, teríamos que admitir que a matéria fosse inteligente, apta a prever situações determinantes do ato instintivo. Aliás, seria até mais inteligente que o próprio espírito, pois o instinto não se engana, ao passo que a inteligência pode optar por uma atitude equivocada.
  90. 90. 36. Como Kardec analisa o sistema segundo o qual o instinto se desenvolve e dá lugar à inteligência? R42 - Kardec refuta essa teoria explicando que, se a inteligência tivesse origem no instinto, ou seja, o instinto fosse um princípio que se desenvolvesse e se transformasse em inteligência, não existiria nos seres inteligentes. Ao demais, não se explicaria o fato de, em certos casos, ser mesmo superior à inteligência, pois, como vimos, é infalível, ao passo que a inteligência pode errar.
  91. 91. 37. Quanto à origem do instinto, qual a hipótese que Kardec considera compatível com o ensinamento espírita? R25 - Nos itens 12, 13 e 14 do capítulo III, Allan Kardec faz uma análise das diversos hipóteses que tentam explicar a origem do instinto: I - o instinto procederia da matéria - admitindo-se essa hipótese, teria que se admitir que a matéria é inteligente, mais, até, que o espírito, pois, enquanto a inteligência, que deste provém, pode se enganar, o instinto não se engana, o que seria equivocado; Continua>>>
  92. 92. 37. >>> continuação II - o instinto seria uma inteligência rudimentar - como explicar-se-ia, então, que, em certos casos, seja superior à própria inteligência. Se fosse uma inteligência rudimentar, não poderia ser a ela superior, em nenhuma hipótese e desapareceria ao se transformar em inteligência; Continua>>>
  93. 93. 37. >>> continuação III - o instinto é atributo de um princípio espiritual de natureza especial - sendo os animais dotados praticamente apenas de instinto, não teriam como evoluir, o que contrariaria a bondade de Deus. Continua>>>
  94. 94. 37. >>> continuação IV - o instinto e a inteligência procederiam de um único princípio - o homem inteligente, após ter o instinto transformado em inteligência, ao agir guiado unicamente pelo instinto, teria sua inteligência de volta ao estado de instinto. Retomando a razão, o instinto se tornaria novamente inteligência e assim acontecendo alternadamente. Continua>>>
  95. 95. 37. >>> continuação Isto também seria inadmissível, até porque determinados atos se manifestam através do instinto e da inteligência ao mesmo tempo, como o ato de caminhar rápida ou vagarosamente, conforme a necessidade. O movimento das pernas é instintivo; o ritmo da caminhada é pensado. Continua>>>
  96. 96. 37. >>> continuação V - o instinto seria produto de uma inteligência estranha - esta é a hipótese considerada por Kardec mais aceitável e coerente com os novos ensinamentos trazidos pelo Espiritismo, que trouxe o conhecimento de que muitos Espíritos desencarnados têm por missão velar pelos encarnados, dos quais se constituem protetores e guias. Continua>>>
  97. 97. 37. >>> continuação Sendo o instinto seguro, tendo uma causa inteligente e induzindo o homem a atos que visam a sua conservação, proviria de uma ação impregnada de bondade, que supriria a imperfeição da inteligência. De acordo com esta hipótese, o instinto não seria atributo nem da alma nem da matéria. Seria efeito de uma inteligência estranha, supletiva, provinda dos protetores invisíveis, que supririam a imperfeição da inteligência, provocando os atos inconscientes necessários à conservação do ser.
  98. 98. 38. Lendo o item 15 do capitulo III de A Gênese, o que você entendeu desta hipótese colocada por Kardec? R38 - Enquanto no plano da carne, não podemos ver Deus por termos as nossas percepções visuais limitadas pela matéria densa de que é constituído o nosso organismo físico. A visão através dos órgãos materiais não nos permite ver as coisas de essência espiritual. Não sendo Deus pertencente ao mundo material, embora presente entre nós, como o vimos nos estudos anteriores, somente o espírito pode percebê-lo, como a tudo que diz respeito ao mundo imaterial. Continua>>>
  99. 99. 38. >>> continuação Mesmo no plano espiritual, a visão de Deus é privilégio dos espíritos mais sublimados, que se encontram num grau de evolução elevado o suficiente para tanto. Sendo Deus a essência divina por excelência, unicamente os Espíritos que atingiram o mais alto grau de desmaterialização o podem perceber. Pelo fato de não o verem, não se segue que os Espíritos imperfeitos estejam mais distantes dele do que os outros; esses Espíritos, como os demais, como todos os seres da Natureza, se encontram mergulhados no fluido divino, do mesmo modo que nós o estamos na luz. Continua >>>
  100. 100. 39. Por que esta hipótese não invalida a teoria dos Espíritos protetores? R31 - O Espiritismo demonstrou experimentalmente a ação dos espíritos protetores. Ao contrário do instinto, essa ação é individual e tem qualidades próprias, que variam de acordo com a evolução alcançada por cada um. Portanto, perfeitamente conciliável as duas teorias, que em nada se invalidam. A ação sob a influência sugerida pelos espíritos vem de fora do ser, tem a sua origem numa outra individualidade e pode ou não ser acolhida. Continua >>>
  101. 101. 39. >>> continuação Depende, portanto, do uso do livre arbítrio e da inteligência e pode ter um resultado positivo ou não. A ação impulsionada pelo instinto não passa pela inteligência, opera-se maquinalmente e seu resultado é sempre benéfico.
  102. 102. 40. Qual a conclusão que chegamos a respeito de Instinto x Inteligência? R33 - O instinto e a inteligência são as duas fontes geradoras dos atos e pensamentos que praticamos. Durante a sua evolução, o princípio espiritual passa por diversas etapas distintas, em que ora predomina um, ora outro. À medida que avança na marcha evolutiva, o espírito vai sendo dominado pela ação da inteligência, passando o instinto a ser um guia utilizado apenas em circunstâncias específicas. Continua >>>
  103. 103. 40. >>> continuação Quanto às suas origens, a da inteligência sabemos que vem do próprio ser espiritual, fruto do pensamento contínuo e do livre-arbítrio com que Deus lhe dotou e dos quais se utiliza para desenvolvê-la gradativamente. Já com relação ao instinto, o homem ainda não possui os elementos de observação que permitam uma conclusão a respeito, limitando-se a formular hipóteses. Até lá, temos que continuar estudando as diferentes hipóteses sempre sob a ótica da razão e esperar que a verdade venha à luz.
  104. 104. 41. Em que a lei de destruição coopera para o desenvolvimento da humanidade? R16 - A destruição ao recíproca dos seres vivos contribui para o desenvolvimento da humanidade ao possibilitar o seu renascimento e conseqüente transformação, levando-os à renovação e melhoria. Em outras palavras, é um mecanismo de evolução, pois leva o espírito, ao praticá-la, a lutar pelo seu desenvolvimento e exercitar suas faculdades. No embate pela sobrevivência, buscando uns destruir a outros, o princípio inteligente se elabora para a vida, servindo a busca pelos meios de ataque e de defesa como estímulo para o desenvolvimento da inteligência.
  105. 105. 42. Por que Deus permite que suas criaturas se destruam mutuamente? R14 - No estágio evolutivo em que se encontra a humanidade, seu corpo físico precisa de matérias orgânicas que somente são encontradas nos seres vivos, que contêm os elementos nutritivos necessários à sua transformação. Por essa razão, Deus permite que o homem, como ser que se encontra no estado mais evoluído que conhecemos do principio inteligente, exerça o direito de destruição sobre os seres dos reinos inferiores. Essa permissão, no entanto, tem como limite o necessário para prover ao seu sustento. O que exceder dessa necessidade é uma violação da lei e aproxima o homem dos brutos.
  106. 106. 43. Terá o homem para sempre a necessidade de destruir os seres inferiores da criação? R17 - Nos primeiros passos do princípio inteligente, após ingressar no reino hominal, domina, ainda, o instinto animal, em luta pela satisfação das necessidades materiais. Mais tarde, adiantando-se na evolução, o homem luta não mais para se alimentar, mas para satisfazer à sua ambição, ao seu orgulho e ao desejo de dominar. Até essa fase ainda existe a necessidade de destruir. Continua >>>
  107. 107. 43. >>> continuação À medida que o senso moral vai dominando o espírito, porém, desenvolve--se nele a sensibilidade, diminuindo a necessidade de destruir até desaparecer. Só a custa de muita luta é que o homem atingirá essa condição, despojando-se dos últimos vestígios do reino animal que ainda traz consigo. Nessa ocasião, seu perispírito estará menos grosseiro e plasmará corpos igualmente menos densos, que não mais necessitarão de se alimentarem com a matéria orgânica dos reinos inferiores.
  108. 108. 44. Como Kardec explica a impossibilidade de vermos Deus? R38 - Enquanto no plano da carne, não podemos ver Deus por termos as nossas percepções visuais limitadas pela matéria densa de que é constituído o nosso organismo físico. A visão através dos órgãos materiais não nos permite ver as coisas de essência espiritual. Não sendo Deus pertencente ao mundo material, embora presente entre nós, como o vimos nos estudos anteriores, somente o espírito pode percebê-lo, como a tudo que diz respeito ao mundo imaterial. Continua >>>
  109. 109. 44. >>> Continuação Mesmo no plano espiritual, a visão de Deus é privilégio dos espíritos mais sublimados, que se encontram num grau de evolução elevado o suficiente para tanto. Sendo Deus a essência divina por excelência, unicamente os Espíritos que atingiram o mais alto grau de desmaterialização o podem perceber. Pelo fato de não o verem, não se segue que os Espíritos imperfeitos estejam mais distantes dele do que os outros; esses Espíritos, como os demais, como todos os seres da Natureza, se encontram mergulhados no fluido divino, do mesmo modo que nós o estamos na luz.
  110. 110. 45. O que temos que fazer um dia para podermos ver Deus? R22 - Somente os espíritos que atingiram o mais alto grau de evolução, desmaterializando-se de modo absoluto, podem almejar ver Deus. Quando atingirmos esse nível, desimpedidos da matéria obscurecida, poderemos vê-lo em todo o lugar, pois ele está em toda a parte. À medida que os espíritos se depuram, têm dele uma intuição mais clara. Não o vêem, mas compreendem-no melhor; a luz é menos difusa. Continua >>>
  111. 111. 45. >>> continuação É preciso, porém, entender que essa visão se dá no sentido de melhor compreendê-lo, senti-lo e receber dele os eflúvios do seu pensamento, como nos sucede com relação aos Espíritos que nos envolvem em seus fluidos, embora não os vejamos. Resta-nos, pois, seguir suas leis sábias e soberanas, que se encontram escritas em nossas consciências, para alcançarmos essa evolução necessária.
  112. 112. 46. Sob qual aparência Deus se apresenta àqueles que podem o ver? R07 - A linguagem humana não está capacitada para dizer qualquer coisa a respeito. Limitados às nossas necessidades e às nossas idéias, não temos nenhum parâmetro para que possamos fazer juízo de tal coisa. Mesmo os povos mais civilizados e os espíritos mais evoluídos que se encontram encarnados não têm capacidade de descrever as belezas celestes. Se o homem ainda não conseguiu, sequer, definir Deus nem conhecer inteiramente a natureza de Deus, face à sua inteligência ainda muito restrita, tendo de se contentar com o conhecimento de alguns de seus atributos, quanto mais saber a respeito de sua aparência
  113. 113. 47. Segundo Kardec, como se explica a onipresença de Deus? R04 - Kardec cita a comunicação que recebeu de um Espírito - Quinemant - na qual ele faz uma analogia que nos leva a entender a presença de Deus em toda a parte. Segundo esse Espírito, o Universo estaria para Deus como o corpo humano está para o espírito: os membros desse corpo, os diferentes órgãos, os nervos, os músculos, as articulações, enfim, todas as partes que o compõem são individualidades materiais do corpo. Continua >>>
  114. 114. 47. >>> continuação Nenhum movimento, nenhuma impressão podem produzir sem que o espírito tenha consciência do que ocorra. O espírito as sente, distingue, analisa a causa determinante e o ponto em que se produziu através do fluido perispirítico. Continua >>>
  115. 115. 47. >>> continuação Fenômeno análogo se daria entre Deus e a criação. Em toda a parte da Natureza, da mesma maneira que o espírito com o corpo, Deus estaria presente, relacionando-se permanentemente com todos os elementos da criação, da mesma forma que o espírito está permanentemente em relação com as partes do corpo humano.
  116. 116. 48. O que quis o Codificador dizer ao concluir que o foco divino “... está em toda a parte e em parte nenhuma“? R09 - Kardec admite que a força inteligente que é Deus possui um centro de ação, um foco que irradia incessantemente o Universo, tal como o Sol com a sua luz. Não pode o homem, contudo, localizar esse foco, que, provavelmente, não se encontra fixado em um determinado ponto. Continua >>>
  117. 117. 48. >>> continuação Enchendo Deus o Universo, esse foco não precisa transportar-se para irradiar em toda a parte onde a sua soberana vontade julgue conveniente. Daí poder dizer-se que está em toda a parte e em parte nenhuma. Em toda a parte, porque atua e irradia em todos os pontos do Universo; em parte nenhuma, porque não se circunscreve a um determinado ponto.
  118. 118. 49. Como devemos nos portar diante da incógnita a respeito do que seja Deus? R36 - Não podendo o homem, no estágio evolutivo em que se encontra, compreender com exatidão a providência de Deus, devemos nos humildar e compreender que ela existe; que Deus é justo e bom em sua essência; a todos e a tudo estende a sua solicitude; somente quer o nosso bem e, por isso, devemos confiar nele. Isso é o quanto basta para alcançarmos a felicidade. De resto, esperemos que evoluamos o suficiente para nos tornarmos dignos de compreendê-lo em toda a sua integridade.
  119. 119. 50. Qual a influência da religião para o conhecimento da origem da criação? R32 - Os primeiros livros produzidos pelo homem foram os que tratavam de assuntos ligados à religião, abordando, sempre, o princípio das coisas, que era tema comum a todas as religiões. Como a ciência ainda se encontrava num estágio de conhecimentos muito atrasado, esses livros religiosos, considerados sagrados, foram, ao mesmo tempo, os primeiros livros de ciência. continua >>>
  120. 120. 50. >>> continuação Dessa forma foi que a religião exerceu importante papel para que o homem viesse a ter as primeiras noções a respeito da origem da criação. Cumpriu, assim, a religião, a função que, muito mais tarde, com a aquisição dos conhecimentos propiciados pelo progresso dos meios de observação, a ciência veio desenvolver.
  121. 121.  Escolha um dia e uma hora da semana em que seja possível a presença de todos os membros da família ou da maior parte deles.  Prece simples e espontânea  Fazer a leitura de um trecho de "O Evangelho Segundo o Espiritsmo“  Fazer comentários breves,  Pode-se fazer outras leituras afins  Duração de até 30 minutos,  Prece de encerramento, em que se agradecerá a assistência espiritual, lembrando a próxima reunião
  122. 122. Por ora, ainda nos é muito difícil falar sobre Deus. O importante é que O sintamos como nosso Pai Criador, bom e justo; e que esse conhecimento que temos de Deus venha a nos auxiliar em todos os momentos, ajudando-nos a ter fé, força e vontade para agir, procurando fazer o bem, em todas as situações de nossa vida.
  123. 123. 124
  124. 124. Quando Jesus aproximou-se de Simão, disse-lhe: -Simão, porque choras por coisas materiais? Porque estás sempre a observar o que acontece de ruim pelo mundo: as desgraças, a violência, e te preocupas? Acaso não será a dor uma benção? Não esperas tu, que o Pai te olhe e te abençoe? Palavras de Jesus ao apóstolo Pedro quando ele, Simão, foi convidado para acompanha- lo.
  125. 125. Não sentes que Ele te acompanha em todos os momentos de tua vida? Olhe, Simão, a consciência na atuação do Pai Celestial em nós, é, em outras palavras, a fé. Quando se tem fé, não se teme nada. Quando se tem fé, o que nos acontece, sabe-se que é para o nosso bem. Amai, pois, teu Deus e confiai Nele. O Pai jamais te abandonará.
  126. 126. Meus irmãos. Segui as palavras de nosso mestre Jesus. Elas nos dão coragem. Nos tempos de hoje, onde a violência impera, quem não tem fé, vive envolvido em medos e preocupações.
  127. 127. Aconselho-vos, além de fazerem vossas preces diárias e pedirem a benção de Jesus, que não se refiram ao mal, não leiam notícias negativas. Quando vibramos na mesma sintonia, atraímos coisas ruins para nós. Portanto, lembram-se desta mensagem, e que Deus as abençoe. Paz E Amor
  128. 128. Muita paz! Boa tarde

×