• Like
Meltesemj vslideshowfim
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Meltesemj vslideshowfim

  • 241 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
241
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
1
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • Apresentar o contexto escolar de mestranda e de contorno temático do Curso de Mestrado
  • O título Abordagem “Ciências da Educação” do tema – as Bibliotecas Escolares, como agentes dinâmicos de aprendizagem e dispositivos essenciais à promoção da Leitura e das competências leitoras, assumindo BECRE e Profissionais de BECRE um papel transformacional (aprender para ler/ler para aprender) na promoção da Literacia. Ross Todd, Carol Kulthau (2004), Todd (2005). Cit. P. 26/27 O subtítulo Narrar, contar, contar-se, darmo-nos conta de, darmos contas de. Processo de autoconhecimento e de produção de conhecimento sobre si e sobre o mundo, assim sendo processo de leitura. Manguel, Freire A data Os tempos que correm não deixam esquecer facilmente esta problemática. A nível internacional e também nacional que desde os anos 90 se afirma a especificidade do campo de trabalho – bibliotecas escolares – quer como campo educativo específico e essencial (sobretudo com o desenvolvimento progressivamente mais veloz da Sociedade de Informação e do Conhecimento, com as actualizações tecnológicas constantes) quer como área específica das Ciências da Documentação e da Informação (correspondendo a uma estrutura Da Escola, que a serve mas que dela faz parte integrante, requerendo gestão pedagógica adequada e coerente com o projecto educativo de cada estabelecimento ou sistema; dirigindo-se a públicos infantis e juvenis, não se confunde com as Bibliotecas de Leitura pública especializadas nesses segmentos etários; incluindo necessariamente entre os seus utilizadores privilegiados os docentes, não se confunde com as Bibliotecas Especializadas em Educação e Pedagogia, mais associadas às Universidades, às Insituições de Formação de Professores ou aos Centros de Investigação Especializados). As identidades profissionais, a sua emergência ou mutação estão também na ordem do dia, quer no contexto da Escola, quer noutros domínios profissionais, quer pela mudança de paradigmas económicos, sociais e tecnológicos, quer pela alteração dos próprios conceitos de profissão e de identidade pessoal e social dos profissionais. As alterações em curso do Estatuto da Carreira Docente, das estruturas de carreira, funções e vínculos dos Não Docentes e das qualificações para áreas como a Educação e a Tecnologia da Informação e da Documentação são reveladoras do momento de transformação em que vivemos.
  • Como se foi da leitura da bibliografia para a análise dos testemunhos, e nesse ciclo se continuou. Autores de referência: Bourdieu, Chartier, Foucault, Derrida, Grácio, Canário , Calixto, Furtado, Nóvoa Hoje parece evidente que é justamente no contexto da organização escolar que as inovações educacionais podem implantar-se e desenvolver-se. Num certo sentido, não se trata tanto de inovar mas de criar as condições organizacionais para que a inovação aconteça – p.40 Estas dimensões são desenvolvidas, também, por profissionais de outras áreas, como os professores. A sua formação configura o desenvolvimento de um processo identitário, considerado como um “espaço de construção de maneiras de ser e estar na profissão” (Nóvoa, 2000: 16), e requer a abertura de territórios comuns em que se desenvolvam competências de cooperação e de projecto, bem como a indispensável consciência crítica individual que dê sentido ao que se concretiza. Wenger (1998:47), que vem trabalhando com profissionais de diferentes áreas e contextos geográficos, lembra-nos que “[fazer é] (..)um fazer [...] num determinado contexto histórico e social, que dá estrutura e significado ao que se faz”. - p. 70 Para o professor profissional, haverá tanto o problema de definir o problema como o de tentar resolvê-lo (Schön, 1983). Isso exigirá a utilização flexível da inteligência, que requer criatividade e atenção continuada nos processos de investigação. (p. 85)180 - p. 78 , Steiner, Todd, Lonsdale, Bauman, Eco, Ó, Magalhães De facto, todo o investimento das últimas décadas em prol da leitura decorre num tempo de crise de leitura. P. 69 Autores colectivos de referência: IASL, IFLA, BAD
  • Entre os testemunhos e a prática, e entre as práticas e a a acção/interacção. Este é o tempo em que vivem. Qual é o “seu” tempo? Diversidade – escola e biblioteca, no plural. Diferenciação mas realmente diferença? Territórios emergentes, com especificidade e pertença ao Universo Escola e ao Universo Biblioteca, convocado e confrontado pela SIC Becre RBE Os anos 90, em Portugal e Globalmente – anos de expansão da Internet e de desenvolvimento da Sociedade de Informação e do Conhecimento Canário 140, que defende alguns princípios a seguir na formação em bibliotecas escolares. Nesta publicação, definem-se três públicos–alvo desta formação: os professores em geral, como utilizadores das BECRE, os docentes que integrem equipas responsáveis por BECRE e os professores coordenadores das Bibliotecas Escolares. Inserindo-a no processo de construção de uma inovação organizacional numa escola, defende uma formação • a partir dos problemas141 • centrada nas escolas, nas bibliotecas escolares e nos seus projectos de desenvolvimento; • articulando as dimensões individual e colectiva da formação; • propondo-se criar ofertas formativas que se orientem para a produção de saberes. Canário distingue três áreas ou conjuntos de saberes técnico-científicos necessários à formação neste domínio: Administração Educacional, Formação/Animação e Ciências Documentais (p. 552)
  • Como um cristal, a figura do PB se vai definindo à medida que desbastamos os dados recolhidos e analisados. Enquanto coordenadora tenho que fazer algum magistério , percebes? O meu trabalho de biblioteca. Magistério não são só os alunos. Na forma como trabalho a documentação. Pedagogia. Magistério no sentido de Pedagogia. […] Não deixo de ser professora pelo facto de não estar a dar aulas. É assim que me vejo. Sou acima de tudo professora, é assim que eu gosto de me ver. Mesmo trabalhadora da documentação, mesmo gerindo a biblioteca, não esqueço que sou professora. Porque tudo o que eu faço é pensando nos utilizadores, da forma mais pedagógica que consigo. Celeste (2005) (Destaques meus) [Como gostava que me chamassem] Pois eu escolho professora-bibliotecária , porque é isso que eu sinto. Considero que exercemos funções de bibliotecário num contexto muito particular em que as nossas competências de professor têm um papel também muito importante. Penso que talvez em mais sector nenhum de trabalho de bibliotecários, dado o trabalho que temos que fazer com professores, alunos, pais... seja tão importante a existência de uma outra formação, que é a pedagógica, como é o caso das escolas! [Analogia] Embora seja preciso dominar aspectos do assunto Saúde, não me parece necessário ter formação nessa área para exercer numa biblioteca dessa área e por aí adiante. Mas no caso das escolas, as funções a que somos chamados, de formação e de intervenção na concretização do currículo, penso que tornam essa formação fundamental. Lucília, Hoje não se faz estágio, não se dá a imagem real da escola. Eles não conseguem aperceber-se dos contextos, não têm essa perspectiva, e isso é fundamental na educação. […] Aprendi muito nos cursos, mas também a viajar, sair daqui, ir ver outras terras, outras escolas, outras maneiras de viver. Abrir a cabeça e o coração, sair da toca pequenina. […] Só acredito numa formação centrada na escola, na escola real. Portanto estou desmotivada. [..] [O problema é que a geração dos docentes com 50 anos e as novas medidas de carreira dificultam a passagem do testemunho] Toda a gente acha importante que exista a BE mas ninguém quer ir para lá. Gisela Se não se cria qualquer mecanismo que leve à formação nas bibliotecas de quadros estáveis, devidamente acompanhados e avaliados, nada se fará. A biblioteca escolar é diferente das outras, porque exactamente é escolar […] A equipa… a formação dos professores da equipa… tem de ser uma formação sólida, e coordenador não pode ser uma pessoa qualquer, tem de ter liderança capaz de integrar a biblioteca no contexto geral da escola. Acho que se não se dão passos de maior exigência quanto á formação de professores-bibliotecários, e, sobretudo, a formação dos órgãos de gestão sobre o papel das bibliotecas… as rupturas podem ser muito complicadas, há uma séria instabilidade. Fernando
  • A quem se referem os narradores quando se referem como profissionais de uma área definida, as Bibliotecas Escolares? Que contornos tem esse perfil assumido ou desejado? Portugal - referencial omite as competências de gestão, os narradores contrapoem os referenciais canadianos e australianos, mais intervenientes também nesse domínio. RBE 2006 – p. 59 comparando os perfis inferidos a partir dos modelos de acção de formação recomendados pela RBE para 2007 – em pleno lançamento do Plano Nacional de Leitura e no quadro de uma reformulação do Estatuto da Carreira Docente - com o perfil apresentado na legislação de 1999, e, ainda, com as indicações do Despacho 13599/2006, orientadoras da organização dos horários docentes nas escolas do 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico e do Ensino Secundário, verifica-se: a valorização do paradigma digital; a preocupação em aprofundar o domínio da leitura de forma genérica ( Ler na sociedade contemporânea ) e da literacia da informação; • a ausência de vertentes de formação dos responsáveis pelas Bibliotecas Escolares como quadros intermédios da gestão das escolas enquanto organizações, administradores de unidades documentais, gestores de projectos e equipas, e responsáveis por formação de docentes. ASLA (2005) p.91-7 3 eixos – conhecimento profissional, prática profissional e empenhamento profissional Empenhamento, competências de gestão e de reflexividade sobre as práticas valorizadas como padrão de excelência.
  • p. 91-96 Antípodas ou nem tanto? Confrontar com filiações “tradicionais” académicas/universitárias – França, Inglaterra, EUA – e reflectir sobre o feito rápido e efectivo das fontes acessíveis pela Web, em que os Australianos, Canadianos, Americanos prevalecem, e, sobretudo, predomina a lingua inglesa. Lembrar Anne Clyde e o website do IASL. Reconhecer fraca divulgação de materiais lusófonos e mesmo ibéricos, e escassez do trabalho de tradução, o que exclui vastas áreas (nórdicos, germânicos, orientais, africanos, latinoamericanos) mesmo dos referentes dos práticos mais empenhados. Lembrar que se trata de gerações ainda não muito viajantes fora do território nacional.
  • Como se foi chegando ao cristal. O arquivo é o trabalho essencial da investigação. A sua construção, permanente, sempre inacabada, corresponde à criação de um instrumento de produção de conhecimento, ordenando a Memória e assegurando a recuperação da informação, numa outra ordem, ou numa nova desordem criadora. Em cada etapa, nova ronda e nova produção de escritos reveladores ou destruidores/desconstrutores. Refazendo as perguntas o essencial da diferença está entre permitir que a teoria surja dos dados enquanto, por outro lado, a forçamos a integrar esquemas de trabalho concebidos previamente. Glaser: The theory is emergent—discovered in the data All is data’ is a well known Glaser dictum. What does it mean? It means exactly what is going on in the research scene is the data, whatever the source, whether interview, observations, documents, in whatever combination. It is not only what is being told, how it is being told and the conditions of its being told, but also all the data surrounding what is being told. It means what is going on must be figured out exactly what it is is to be used for, that is conceptualization, not for accurate description. Data is always as good as far as it goes, and there is always more data to keep correcting the categories with more relevant properties. (p.145) (Destaques meus). 223 Conclui assim que: “ All is Data” is a GT statement, NOT applicable to Qualitative Data Analysis (QDA) and its worrisome accuracy abiding concern. Data is discovered for conceptualization to be what it is—theory. The data is what it is and the researcher collects, codes and analyzes exactly what he has whether baseline data, proper line data or objective data or misinterpreted data. It is what the researcher is receiving, as a pattern, and as a human being (which is inescapable). It just depends on the research. (p. 160).22 Susan Sontag : As melhores respostas são as que destroem as perguntas.
  • Para cada nova etapa, havia que afinar os conceitos, confrontados com os testemunhos e com a organização do Arquivo, e, sempre, com a bibliografia.
  • Perguntas no início e no final do trabalho de dissertação A a B A Produtos Níveis de prossecução B Processos Modos de acção Referenciais Efectividade Respostas? P. 165-168 Apartir dos padrões emergentes, as continuidades e descontinuidades, convergências e divergências que podemos perceber nas narrativas, procurámos responder às nossas perguntas reformuladas. 1. Como foram adquirindo competências enquanto agentes de promoção da leitura e de desenvolvimento de Bibliotecas Escolares estes professores ? As narrativas apresentam caminhos de construção de competências leitoras fora da escola, e na escola, valorizando o tempo disponível para cada um gerir segundo os seus interesses, e a iniciação no interesse pela leitura por meio de outras pessoas: irmãos, pais, amigos, livreiros, raramente professores, sempre apresentados como fornecedores de sugestões de leitura, mesmo de livros, mas igualmente como pares, interlocutores de discursos sobre o lido, alguém com quem se partilham comentários, gostos e desagrados, descobertas. Os ambientes propícios à leitura são também referidos com algum detalhe, quer pela positiva, quer pela negativa. Na maior parte dos casos, as bibliotecas encontram-se neste último tipo. As excepções são as Bibliotecas itinerantes e uma Biblioteca Municipal. Em três das narrativas, a tecnologia da informação e o uso dos computadores é referido como potenciador da promoção da leitura. Todos referem o livro e lhe reconhecem papel essencial, destacando a ligação entre a leitura e a escrita, ou produção de documentos multimédia. sociando estreitamente leitura e educação, competências leitoras e condições para o sucesso escolar, não deixam de mostrar que encaram a leitura como um domínio de exercício de aprendizagem ao longo da vida, eminentemente individual, exigindo grau de autonomia considerável, e associada à capacidade de expressão, oral e escrita, verbal e não verbal, de cada um, mas mais do que isso à construção da maturidade e da capacidade de formar pensamento próprio sobre si mesmo e sobre o mundo, para compreender e agir, para avaliar e criar. Enquanto professores, e em muitos casos formadores de professores, destacam exigências de ensino, aprendizagem e promoção da leitura que incluem a literacia da informação sem nela se esgotarem. 2. Que modos de crescer como profissionais nos revelam eles? Verbalizam nas suas narrativas percursos bastante controlados por cada um no seu crescimento profissional. Atribuem-se papel decisivo na orientação da sua formação, apresentando sempre as sequências de actos como resultado de opções conscientes, e, mesmo, de rupturas. O afastamento, ou a quebra de rotinas, é apresentada como uma oportunidade, nunca como um factor negativo. Quase todos nomeiam, e todos referem, companheiros de trabalho com quem mantêm relações de cumplicidade e troca de experiências duradoura. Valorizam a educação formal, incluindo a universitária, mas num plano distinto. Conhecem e tomam posição sobre a evolução das carreiras profissionais, relacionando-a com a evolução do tipo de escola e dos modelos educativos predominantes. Exercem a crítica sobre si mesmos e sobre os contextos profissionais em que se encontram. Num ou noutro momento acreditaram que na escola podiam contribuir para transformar a sociedade, para melhor. Relatam episódios de prazer e entusiasmo, entre outros de esforço e conflito, relacionados com a criação e a dinamização de Bibliotecas Escolares e de trabalho com crianças e jovens. Em dois casos, a aposentação não altera a forma de abordar a escola, a leitura e a biblioteca escolar, com empenhamento e actividade real, diária, no mesmo sector. 3. Que modelo de competências como professores-bibliotecários nos apresentam? O modelo de que mais se aproximam é o perfil de excelência para professores-bibliotecários defendido pelas Associações Australianas, e que também influenciou padrões aprovados por entidades congéneres no Canadá. Insistindo em competências de natureza profissional, pedagógica e técnica, valoriza a prática profissional e a capacidade de reflectir sobre essa prática, o saber fazer e saber gerir, e ainda a atitude profissional, empenhada e proactiva, como essencial na qualidade do trabalho a desenvolver. Apresentando diferentes graus de pessimismo ou optimismo quanto ao desenvolvimento das escolas, das Bibliotecas Escolares e das equipas que nelas trabalham em Portugal, convergem na defesa de competências reconhecidas como específicas, dentro do campo da Educação mas também no domínio da Informação e da Animação, associando-as a uma representação da qualidade desejável no sistema educativo. 4. Quais as propostas de formação mais rentáveis e coerentes a desenvolver para alimentar corpos de profissionais produtivos de sucesso educativo, como estes? Comunidades de práticas estruturando redes que estão em desenvolvimento neste campo, de modo mais ou menos informal, e facilitadas pelas tecnologias da comunicação que as gerações mais jovens poderão dominar com maior agilidade e fomentam a escrita entre profissionais, bem como a concretização relativamente fácil de arquivos partilháveis de textos produzidos e comentados por profissionais. Cursos ou estágios de longa duração (3 meses, 1 ano, 2 anos) com apoio financeiro que permita a cada profissional beneficiar de um período de afastamento da escola, para a ela voltar num ponto diferente e enriquecido. Programas de motivação do empenhamento profissional e da segurança na identidade profissional em crescimento, que reune competências comuns a professores, bibliotecários e gestores, e a quem se pede intervenção como mediadores de leitura e elementos dinamizadores de projectos educativos e de parceria dentro da escola, entre escolas, e com outros elementos da comunidade.
  • Escutar as vozes. Fernanda, Celeste, Fernando, Filomena, Lucília, Gisela, Ana V., João, Ana M. Nesse tempo não existiam bibliotecas no 1.º Ciclo, nem nas 2,3 sequer. (…) [Na Escola do Magistério Primário] havia uma biblioteca, mas à qual os alunos não tinham acesso. O acesso era tão restritivo que nem sequer tinha apelo para chegar aos livros. Mesmo na Biblioteca Pública a imagem que eu tenho das poucas vezes que lá fui é aquele schiuuuu. aquele schiuuuu que não nos deixava. Era mesmo aquela imagem que nós sabemos... Não, não foi pelas bibliotecas que eu criei o gosto pela leitura” Fernanda, n. 1945 [escola do 6.º ao 9.ºano] Tinha uma biblioteca daquelas cheias de grades e com estantes de despensa cheias de Diários da República e onde era preciso pedir autorização para ir lá mexer. Saber se não se importavam, só se nós fossemos meninos muito atinadinhos é que os podíamos trazer. Pronto, era assim uma coisa…” Lucília, n. 1965 A- As crianças têm hoje um acesso à informação que eu gostaria de ter tido, e sinto, sem dúvida nenhuma que houve uma alteração considerável na importância do professor na sala de aula. Z- Mas para que lado? Explica lá A- Um professor do meu tempo escolar era detentor do saber e nós tínhamos de beber dele a informação que vinha, porque o acesso a outra era diminuto senão nulo, enquanto hoje o professor já não é um detentor do saber, é um organizador do saber, e é nessa qualidade que ele deve ser insubstituível, mas tem de considerar seriamente que os seus alunos têm acesso a outras fontes de informação e podem inclusive saber mais de certos assuntos que ele próprio. Tem de ser suficientemente humilde para acolher saberes e aprender saberes que os alunos lhe trazem. Se de facto se esquece este pormenor que para mim não é pormenor nenhum, é um pormaior (risos) de que somos primeiramente educadores e depois organizadores dos saberes que os alunos adquirem por nossa via ou outras… realmente não pode falar! O que me custa hoje observar em algumas actividades é que de facto como educadores realmente não somos substituíveis. Então devemos valorizar-nos nesta faceta. Ana V. (2005) (Destaque meu)
  • Extrapolar as cores para o predomínio / não predomínio dos domínios.
  • Extrapolar as cores para o predomínio / não predomínio dos domínios.
  • Extrapolar as cores para o predomínio / não predomínio dos domínios.
  • Extrapolar as cores para o predomínio / não predomínio dos domínios.
  • Extrapolar as cores para o predomínio / não predomínio dos domínios.
  • A Fé é que nos salva? (...) A escola é mais aberta hoje. A pressão foi feita pelos próprios alunos, no sentido de utilização das tecnologias da informação. Há ainda uma geração de profs que ainda hoje não usa essas tecnologias, não quer usar e tem raiva a quem usa. (...) A biblioteca escolar é um ponto de encontro fundamental nas escolas dos alunos, não tanto dos professores. As bibliotecas tiveram e têm um papel fundamental na difusão do acesso à internet e aos novos media , ainda hoje são o único lugar de acesso livre na escola. As salas TIC abrem-se para aulas e são logo a seguir fechadas, são proibidas. (...) A rede de bibliotecas escolares precisa consolidar-se, e a formação dos recursos humanos é cada vez mais exigente. A equipa deve incluir docentes especializados e técnicos profissionais e, ou, auxiliares de acção educativa com formação e estabilidade. Falta sobretudo formação aos órgãos de gestão, que, quando partilham de uma visão correcta da biblioteca, conseguem evitar ou resolver muitas dificuldades. João, Hoje eu sinto que as pessoas têm muito mais meios, maior acesso à informação, mas as pessoas fecham-se mais na sua toca. Estão por isso mais isoladas, não partilham as ideias e estão numa fase de desilusão, também, não sei... Mas o principal é que há um maior isolamento que faz com que as pessoas não evoluam nesse sentido, mesmo nas bibliotecas. Quando se explica isto, há pessoas que depois fazem grandes caminhos e grandes descobertas, com grandes trabalhos com os alunos e muito trabalho e luta para mover montanhas para levar os outros a fazer de outra maneira. Ana M Referência a trabalho de Ochoa e Pinto (2006)
  • Delicious A prática do projecto surge-me cada vez mais como uma mediação para se aprender a aprender. Com efeito, ela exige não apenas ter objectivos a atingir, mas exige igualmente uma intenção significativa que se enraíza no anseio, na súplica, no desejo, na pergunta. A atenção consciente ou a vigilância, ou ainda a presença no presente, no aqui e agora, é assim mobilizada desde o começo para determinar estes movimentos de impulso do ser que se extrai de uma espécie de adormecimento, de torpor ou de peso para entrar na satisfação do movimento, na realização do desejo, numa forma que obriga a fazer o luto das outras. Acto de amor e de renúncia, o projecto marca uma confiança na vida na qual mesmo o impossível pode acontecer. Josso, M-C
  • Final provisório Relance sobre os riscos. Enquanto a sociedade feliz não chega, que haja pelo menos fragmentos de futuro em que a alegria é servida como sacramento, para que as crianças aprendam que o mundo pode ser diferente. Que a escola, ela mesma, seja um fragmento do futuro...   Rubem Alves
  • Momento comercial. laetitia Playground – aprender é mesmo mais veloz quando nos deixam brincar, no recreio. Brincar com ideias, manipular palavras e conceitos, experimentar práticas sem temor e com memória. Idealmente, com olhar carinhoso e vigilante, mas não intrometido. Ainda melhor, se com companheiros alegres e imaginativos, tão livres como nós. Assim seja!

Transcript

  • 1. Universidade de LisboaFaculdade de Psicologia e Ciências da Educação Mestrado em Ciências da Educação Área de Especialização em Educação e Leitura Curso 2003/2005
  • 2. Bibliotecas Escolares Centros de Recursos Educativos Emergência e formação de professores(as) bibliotecários(as) Análise de narrativas na primeira pessoa Maria José Vitorino Gonçalves Orient. Prof. Doutor Justino de Magalhães 2007
  • 3. 1. Título, tema, problema Narrativas Buscar, Escutar, Analisar Processos ProfissionaisEmergir, Formar Percursos, Identidades, Comunidades
  • 4. Caminhos Políticas de leitura Revisão Experiênciasda bibliografia dos informantes
  • 5. ContextoBECRE, PBE e suas circunstâncias • 1970 a 1990 – BAD, 1973 – Constituição PT, 1976 – Unesco/IFLA, 1978 BIBLIOTECA(S) – LBSE-1, 1986 – ECD-1, 1990 – IASL, 1993 BECRE • 1991 a 2006 RBE – Berners-Lee (WWW), 1991 SOCIEDADE – IASL, 1996 ESCOLA(S) DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO – RBE, 1996 – Unesco/IFLA, 1999 – LBSE-2, 2006 – ECD-2, 2007
  • 6. EmergirVisível, Viável, Vulnerável Profissional Professor de Bibliotecário Biblioteca Escolar Escolar Professor
  • 7. Reconhecidos, ReconhecíveisDiscursos institucionais Narrativas pessoaisReferenciais Referenciais• IFLA, 1978• IASL, 1993• Portugal, 1996 • Canadá, 1997• IFLA, 2002 • IFLA, 2002• Portugal, 2007 • Canadá 2003 • Austrália, 2005
  • 8. ASLA, 2005 Conhecimento Perfil Profissional de ExcelênciaPrática Empenhamento
  • 9. 2. Metodologia Grounded Theory Redigir OrdenarOrganizar memorandosCodificarAnotarRecolher dados• ARQUIVO em construção por operações de escrita, sucessivas e permanentes• Análise pela escrita, essencial nestes protocolos
  • 10. 3. Temáticas ProfessorLeitura(s), leitor(es) Bibliotecário Escolar Conceitos Identidade Práticas Perfis Reflexão Formação Acção Professor(es) Identidade Perfis Formação Acção
  • 11. 4. Proposição Era… Por ora… • Como foram adquirindo competências• Até que ponto tem a enquanto agentes de promoção da formação disponível leitura e de desenvolvimento de BECRE contribuído para o estes professores? desenvolvimento de competências dos • Que modos de crescer como docentes? profissionais nos revelam?• Que competências • Que modelo de competências como PB de promoção de nos apresentam como leitura e das referência/excelência? literacias se têm desenvolvido e quais as que ficaram por • Quais as propostas de formação mais desenvolver? rentáveis e coerentes a desenvolver para alimentar corpos de profissionais como estes?
  • 12. 5. Das vozes, as conclusões I• emergência de identidade • valorização do silêncio, profissional diferenciada - da gestão do tempo na PBE promoção de• frequência de grupos competências leitoras e interpares informais, não de aprendizagem em hierarquizados geral• ocorrências de • naturalidade de atitudes afastamento / viagem críticas sobre o presente como factores de • proactividade de visão do enriquecimento / futuro formação • projectos, redes, e formação
  • 13. 5. …conclusões IICompetências profissionais de referência TECG EducaçãoInformática Pedagogia DidácticasTICLiteratura Artes Desenvolvimen Criação to Curricular
  • 14. 5. …conclusões IICompetências profissionais de referência TECGTecnologia BiblioteconomiaInformáticaTICLiteratura Artes CriaçãoApresentaçãoProdução deinformação
  • 15. 5. …conclusões IICompetências profissionais de referência TECG Desenvolvimen to Curricular Relacionamento Negociação interpessoal Persuasão Liderança Gestão
  • 16. 5. …conclusões IICompetências profissionais de referência TECGTICLiteratura Artes CriaçãoApresentação Relacionamento NegociaçãoProdução de interpessoal PersuasãoinformaçãoComunicação Liderança
  • 17. 5. …conclusões IICompetências profissionais de referência TECGTecnologia Biblioteconomia EducaçãoInformática Pedagogia DidácticasTICLiteratura Artes Desenvolvimen Criação to CurricularApresentação Relacionamento NegociaçãoProdução de interpessoal PersuasãoinformaçãoComunicação Liderança Gestão
  • 18. 5. …conclusões III Crenças e descrenças • Valor de medidas educativas• Visão prática da Educação administrativas sem• Valor do trabalho em rede envolvimento de pessoal nas escolas (grupos não hierarquizados) • Valor de abordagens• Valor essencial da BECRE no convencionais dos processos sucesso educativo educativos • Valor da Escola restrita à• Valor da Leitura na gestão da sala de aula e do aprendizagem tempo lectivo• Valor da escola e da família na aprendizagem da leitura • ….
  • 19. 5. …conclusões III Características e sintomas gregários individualistas gestores domésticos/familiares geração de ascensãosocial e de nível de escolarização geração com histórico de migração pessoal e familiar com estabilidade profissional viajantes nacionaisseguros nas TIC cidadãos críticos com ambição proactivos decidem sobre o seu percurso profissional activos durante muito tempo parceiros de redes e projectos
  • 20. Antes de partirO verdadeiro ensinamento pode ser terrivelmente perigoso. Ensinar sem uma grave apreensão, sem uma reverência perturbada pelos riscos envolvidos, é uma frivolidade. O grande ensino é aquele que desperta dúvidas, que encoraja a dissidência, que prepara o aluno para a partida. Steiner (2003)
  • 21. Laetitia & Playground MOBE-TE http://rbeplus.blogspot.com Lerdo ler http://lerdoler.blogspot.com mariajosevitorino@gmail.comVila Franca de Xira, 26 de Junho de 2007