Concepcoes de alfabetizacao e letramento

22,744 views
22,399 views

Published on

Slide do 1º encontro de formação PNAIC em Cordeiros-Bahia

Published in: Education
2 Comments
16 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
22,744
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
47
Actions
Shares
0
Downloads
1,147
Comments
2
Likes
16
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Concepcoes de alfabetizacao e letramento

  1. 1. Pacto Nacional Alfabetização na Idade Certa
  2. 2. MANHÃ Ilustração: André Neves
  3. 3. LITERATURA • Formação do sujeito, da sensibilidade estética; • Ampliação de conhecimentos de mundo e das experiências culturais, emocionais, cognitivas e linguísticas; • Acesso ao patrimônio cultural historicamente construído e constituição de repertório literário;
  4. 4. LITERATURA E ALFABETIZAÇÃO •Importância do letramento literário; • Formação de leitores; • Aprendizagem de comportamentos e procedimentos leitores; • Aprendizagem da linguagem própria à escrita; • Literatura como contexto para a reflexão sobre a língua e a linguagem.
  5. 5. Ver post sobre Literatura e alfabetização: www.oficinasdealfabetizacao.blogspot.com.br
  6. 6. A literatura e a apropriação da leitura e escrita
  7. 7. Pela via dos livros e gêneros de textos em geral, as crianças têm – ou podem ter – acesso à leitura e escrita antes de poder ler e escrever convencionalmente e autonomamente; antes da apropriação do sistema de escrita alfabética.
  8. 8. Buxa, buxa, venha a minha feta...
  9. 9. Joaquim, 2 anos e meio: “aqui, o desenho, aqui, o iquitinho, o nome” Escrever antes de saber escrever
  10. 10. Escrita não convencional
  11. 11. ...as crianças participam de diversos eventos de letramento antes da alfabetização, ligados a diferentes práticas sociais mediadas pela escrita e a variados gêneros textuais.
  12. 12. ...considerar a relação da literatura e do contato com os gêneros que circulam socialmente com o aprendizado da leitura e escrita, desde a Educação Infantil... ...considerar que há leitura e escrita antes da aprendizagem do sistema de escrita alfabética... ...implica em uma mudança e tanto nas concepções de alfabetização...
  13. 13. Mafalda, Quino
  14. 14. Os métodos tradicionais de alfabetização, sejam analíticos, sintéticos ou analítico-sintéticos, apesar de suas particularidades, possuem algumas características em comum, questionadas pelas novas concepções de alfabetização. Esse questionamento deve-se ao fato de se constituírem em metodologias que, em geral:
  15. 15. •propõem uma alfabetização descontextualizada, na qual a criança, seus valores culturais, linguagem e inserção social não são considerados. •veem a escrita como um código a ser memorizado (baseado em concepções empiristas e mecanicistas), não levando em consideração que as crianças elaboram hipóteses sobre como funciona o sistema de escrita (concepção construtivista).
  16. 16. •priorizam as funções mentais de identificação visual, cópia, memorização, reprodução, coordenação motora. O conhecimento é visto como acúmulo quantitativo e mecânico de informações. •não trabalham com textos reais, de significado sociocultural para as crianças, criando falsas ideias sobre as finalidades sociais da escrita. Ou seja, não se ocupam da dimensão do letramento, da inserção da criança na cultura escrita.
  17. 17. Mudanças nas concepções de alfabetização
  18. 18. • Sistema de escrita alfabética: apropriação e consolidação graduais; fluência  a partir de situações significativas , reflexivas e contextualizadas. • Leitura e produção de textos de diferentes gêneros que circulam socialmente.
  19. 19. Letramento Construtivismo/Psicogênese Consciência fonológica Alfabetização Sociolinguística Linguística/funcionamento do sistema alfabético/ ortográfico Sociointeracionismo
  20. 20. • Prática social e discursiva  importante abordar o letramento, os aspectos mais amplos da apropriação da escrita. • Sistema de notação da língua e não código de transcrição da fala. • Sistema alfabético, de base fonológica,  importante abordar as unidades menores da língua, sua base fonológica. • Sistema ortográfico e não apenas alfabético, regido pelos aspectos fonológicos, ortográficos, etimológicos
  21. 21. Concepções de Alfabetização • Historicamente: ensino e aprendizagem do sistema alfabético de escrita como um código, da “tecnologia da escrita”. Na leitura, a capacidade de decodificar os sinais gráficos (grafemas), transformando-os em “sons” (fonemas), e, na escrita, a capacidade de codificar os sons da fala, transformando-os em sinais gráficos. Métodos analíticos e sintéticos • Base empirista • Ênfase no ensino não na aprendizagem • Desarticulação com a cultura escrita
  22. 22. • A partir dos anos 1980: ampliação do conceito de alfabetização, que passou a ser visto não apenas como a decodificação e codificação, mas como um processo ativo por meio do qual a criança, desde seus primeiros contatos com a escrita, constrói e reconstrói hipóteses sobre a natureza e o funcionamento da língua escrita. • A língua escrita aí é compreendida como um sistema de representação, de notação da linguagem oral, e não um código de transcrição da fala.  Psicogênese / Linguística
  23. 23. • Progressivamente, por outro lado, o termo alfabetização passou a designar não apenas a codificação e decodificação, mas também o domínio dos conhecimentos que permitem o uso dessas habilidades nas práticas sociais de leitura e escrita. Diante dessas novas exigências, surgiu uma nova adjetivação para o termo – alfabetização funcional – criada com a finalidade de incorporar as habilidades de uso da leitura e da escrita em situações sociais e, posteriormente, a partir da segunda metade dos anos 80, a palavra letramento.
  24. 24. Letramento Kate Shong.pptx
  25. 25. LETRAMENTO Usos, conhecimentos, valorização da escrita e valores e crenças em torno da escrita (Silvia Terzi)
  26. 26. Atenção especial à questão do letramento no campo (zonas rurais e urbanas do campo), considerando os usos, conhecimentos, valorização e, em especial, os valores e crenças atribuídos à escrita. O letramento dos indivíduos relaciona-se sempre ao letramento da comunidade na qual estão inseridos, ou seja, do contexto social. Ilustração: André Neves
  27. 27. Alfabetização • Ação de ensinar/aprender a ler e escrever. Letramento • Estado ou condição de quem não apenas sabe ler e escrever, mas cultiva e exerce as práticas sociais mediadas pela escrita.
  28. 28. ALFABETIZAÇÃO EM CONTEXTO DE LETRAMENTO Foco A L Alfabetizar letrando... Foco
  29. 29. “Desinvenção” da alfabetização • Perda da especificidade do processo de apropriação do sistema alfabético devido a: • Inferências errôneas na transposição da concepção construtivista e da psicogênese para a prática pedagógica: • Ideia de que o convívio com textos seria suficiente para a alfabetização acontecer; • ideia da incompatibilidade entre a concepção construtivista e a questão do método; • Privilégio da faceta psicológica em detrimento da linguística; • Foco no processo de letramento.
  30. 30. Reinvenção da Alfabetização Como a língua escrita, no nosso sistema alfabético, nota os sons e não os significados das palavras, é necessário prestar atenção aos sons da língua falada para aprender a ler e escrever. Ao lado do trabalho com a leitura e escrita em diversos gêneros, é preciso, então, garantir intervenções no sentido de:
  31. 31. • favorecer a conquista gradual do nível alfabético (provocar o avanço nas hipóteses de escrita) e, depois, das correspondências grafofônicas; • provocar a reflexão fonológica (consciência fonológica com e sem a presença da escrita); • ampliar, no contexto de práticas lúdicas, contextualizadas e significativas, o conhecimento das letras, signos da escrita no nosso sistema (categorização gráfica e funcional); • favorecer o uso de estratégias várias de reconhecimento de palavras, de leitura.
  32. 32. As crianças pensam sobre a escrita. Ora, pensam também sobre as unidades menores como letras, sobre sons, pensam sobre relação entre letras e sons...
  33. 33. ...pensam. Sobre tudo. Desde textos, palavras, até unidades fonológicas e gráficas menores que a palavra.
  34. 34. ACHE O INTRUSO...
  35. 35. Danilo, 6 anos. In: O diálogo entre o ensino e a aprendizagem, Telma Weisz, Ed. Ática, p. 86
  36. 36. Batata quente Pegar uma bola. Uma criança tem que ficar de pé para dizer: — Batata quente, quente, quente, quente. Depois, aquele que queimar vai falar batata quente no lugar do outro.
  37. 37. SEA: Sistema de Escrita Alfabética • Apropriação do nível alfabético/princípio alfabético (1º ano); • Consolidação das correspondências grafofônicas/ ortografia; • Fluência e autonomia de leitura e escrita.
  38. 38. Estar alfabetizado  Conquista do nível alfabético  Consolidação das aprendizagens ortográficas, autonomia de escrita e fluência em leitura
  39. 39. PACTO Alfabetização • Apropriação do SEA: conquista gradual do nível alfabético; • Consolidação das correspondências grafofônicas/ortografia; • Domínio autônomo de escrita e fluência na leitura. Letramento • Participação nas práticas sociais de leitura e escrita
  40. 40. LETRAMENTO ANTES E DEPOIS DA ALFABETIZAÇÃO autonomia LETRAMENTO
  41. 41. DOMÍNIO DO SISTEMA ORTOGRÁFICO APÓS A APROPRIAÇÃO DO NÍVEL ALFABÉTICO LETRAMENTO
  42. 42. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Três vertentes 1. Termo alfabetização usado em seu sentido restrito, para designar o aprendizado inicial da leitura e da escrita, da natureza e do funcionamento do sistema de escrita (conquista do nível alfabético). Depois viria a consolidação, com a ortografia. O termo letramento designa os usos (e as competências de uso) da língua escrita, a participação nas práticas letradas.
  43. 43. 2. Termo alfabetização usado para significar tanto o domínio do sistema de escrita quanto os usos da língua escrita em práticas sociais. Nesse caso, quando há necessidade de estabelecer distinções entre os processos envolvidos, em vez de usar o termo letramento, prefere-se utilizar as expressões “aprendizado do sistema de escrita” e “aprendizado da linguagem escrita” ou “da cultura escrita”.
  44. 44. 3. Termo alfabetização usado para todo o processo de apropriação do sistema de escrita, desde a conquista do nível alfabético, até a consolidação das correspondências entre grafemas e fonemas (nível ortográfico) e o domínio autônomo da escrita e leitura. Termo letramento usado de modo mais amplo, referindo-se à participação nas práticas sociais de leitura e escrita.
  45. 45. Para cada ano do Ciclo de Alfabetização OBJETO DE CONHECIMENTO ENSINO APRENDIZAGEM
  46. 46. Direitos de aprendizagem A definição de direitos de aprendizagem colabora para a discussão acerca do que pode ser priorizado no planejamento do ensino e do que pode ser avaliado. De letramento: progressão de capacidades de compreensão e produção de textos orais e escritos em diferentes gêneros, desde a Educação Infantil. Permanente, em toda a escolaridade. De alfabetização: aprendizagens que se dão no 1º ano; aprendizagens que vão desde o 1º ano, aprofundadas nos anos seguintes. Essas aprendizagens se dão concomitantemente, articuladamente.
  47. 47. Quanto ao Sistema de Escrita Alfabética: • 1º ano: construção da base alfabética • 2º e 3º anos: • Consolidação das relações entre som-grafia a partir de situações significativas e contextualizadas de escrita de palavras e textos. • Fluência gradual na leitura e escrita, considerando diferentes estruturas silábicas, a segmentação de palavras e os diferentes tipos de letras.
  48. 48. Ilustração: André Neves
  49. 49. TARDE Ilustração: André Neves
  50. 50. Leitura e produção de textos Vídeo/Análise de práticas • Registrar: • Gêneros abordados • Estratégias usadas pelos professores • Discussão: • O que e como trabalhar, em termos dos diferentes gêneros, com os alunos que ainda não escrevem ou leem autonomamente?
  51. 51. Leitura e Produção de textos Vídeos CEEL Parte 1 (10:39): http://www.youtube.com/watch?v=Gf8f4V9i2yA Parte 2 (11:24): http://www.youtube.com/watch?v=y05s2Wta_1A Parte 3 (13:18): http://www.youtube.com/watch?v=v6rplDG36P4
  52. 52. Algumas referências •AZENHA, M. G. Construtivismo: de Piaget a Emilia Ferreiro. 7 ed. São Paulo: Ática, 2001. •FERREIRO, Emilia. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez, 1985. •KLEIMAN, Angela B. & MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles (orgs). Letramento e formação do professor: práticas discursivas, representações e construção do saber. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2005. •REGO, Lúcia L. B. A Literatura Infantil: Uma Nova Perspectiva da Alfabetização. 3. ed. São Paulo: FTD, 1988. •SERRANI, Silvana (org.). Letramento, discurso e trabalho docente. Vinhedo, Editora Horizonte, 2010. •SOARES, Magda. A reinvenção da alfabetização. Revista Presença Pedagógica, v.9 n.52, jul./ago. 2003. Disponível em: http://www.secult.salvador.ba.gov.br/site/documentos/espaco-virtual/espacoalfabetizar-letrar/lecto-escrita/artigos/a-reivencao-alfabetizacao.pdf. •_________. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação. Jan/Fev/Mar/Abr, No (Acredito que é minúsculo. É bom rever em todos os casos do material) 25, 2004. •_________. Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos. Revista Pátio. Ed. Artmed, 29 de fevereiro de 2004. Disponível em: http://www.acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/40142/1/01d16t07.pdf. •_________. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998. •_________. Alfabetização e literatura. In: REVISTA EDUCAÇÃO: guia da alfabetização. Escrita e leitura: como tornar o ensino significativo. São Paulo: Segmento, CEALE, 2010. n. 2, 90 p. Edição especial.
  53. 53. Ilustração: André Neves

×