Apresentação 12ºA e C

4,244
-1

Published on

Published in: Technology
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,244
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação 12ºA e C

  1. 1. 1. O Esgotamento dos recursos como limite ao crescimento económico
  2. 2. Qual a ligação entre ecologia e economia? “ Falar de crescimento económico obriga-nos, então, a pensar em termos ecológicos, isto é, a tentar perceber quais as consequências sobre a Natureza, resultantes directas do que se produz, de como se produz, e da intensidade dessa produção. É neste quadro que faz sentido falar-se dos riscos que a produção pode trazer ao mundo natural. É neste âmbito que se torna imperioso reflectir acerca de fenómenos como a poluição, a diminuição dos recursos disponíveis ou as fontes de poluição.” Economia C – 12.º Textos editores
  3. 3. Revolução Industrial Aumento explosivo da população mundial Produz consequências sobre o equilíbrio ambiental <ul><li>O consumo dos recursos disponíveis; </li></ul><ul><li>Os níveis de poluição; </li></ul>
  4. 4. Acções desenvolvidas pelos agentes económicos Um conjunto de impactos, sobre o ambiente e o bem estar de outros agentes causam Externalidades negativas – se o resultado da acção prejudica o bem estar dos outros. Externalidades positivas – se o resultado da acção melhora ou participa na melhoria do bem estar de outros. Externalidades Efeitos gerados pelas actividades exercidas por um agente económico, e que se reflectem nos outros agentes, independentemente da sua vontade de os impedir ou de os pagar, referem-se ao impacto de uma decisão sobre aqueles que não participam nessa decisão.
  5. 5. Os recursos explorados são bens comuns . (bens que pertencem à colectividade) Ninguém tem qualquer direito de propriedade sobre eles, não podendo, portanto, impedir essas exploração. O ambiente é um bem comum a que todos temos acesso O estado cria leis que regulamentem o seu uso. - Impostos e taxas ecológicas que assentam no principio do poluidor-pagador
  6. 6. <ul><li>Poluidor pagador </li></ul><ul><li>Em Portugal, apesar das múltiplas declarações de intenções, os instrumentos económicos de ambiente estão praticamente no início. </li></ul><ul><li>Os princípios do poluidor-pagador e do utilizador pagador, consagrados há mais de 15 anos na lei de bases do ambiente, não são suficientemente aplicados. Os recursos ambientais não são sujeitos a taxas de utilização, ou esse valorização fica muito aquém do custo real, seja para salvaguardar do património ambiental, seja para a gestão eficiente do recurso em termos económicos. Por outro lado, os sistemas ficais e de incentivos são geralmente cegos às consequências ambientais e, nalguns casos, são mesmo claramente promotores de disfunções ambientais. Esse efeito sobrepõe-se largamente aos escassos apoios à protecção do ambiente. Esta situação gera distorções para o ambiente por parte dos agentes económicos. </li></ul><ul><li>Instrumentos económicos para a sustentabilidade, </li></ul><ul><li>in www.geotas.pt (adaptado) </li></ul>
  7. 7. Origem da poluição Um dos resultados mais graves da explosão da produção industrial e do acelerado crescimento populacional é, sem dúvida, o aumento da poluição das águas , dos solos e da atmosfera . A poluição das águas tem origem em diversos factores dos quais se destacam: Provoca a aceleração da transferência das partículas poluentes do ar para a água (ex: chuvas ácidas) Provocada pelas fossas sépticas, por rupturas dos aterros sanitários e pelas águas residuais da agricultura, da pecuária e de outras actividades. (pesticidas, fertilizantes, metais pesados e radioactivos) que são lançados nas águas dos mares, rios, lagos e oceanos; - Poluição das águas - contaminação dos lençóis freáticos O aumento da poluição atmosférica O aumento de substância tóxicas
  8. 8. Esquematização das diversas fontes de poluição das águas:
  9. 9. - Poluição dos solos - A poluição dos solos tem assumido contornos cada vez mais graves, o que põe em causa a base de que depende a produção alimentar dos seres vivos. Calcula-se que, anualmente, cerca de 6 milhões de hectares de solos agrícolas são transformados em deserto, em consequência da sua sobre-exploração A poluição dos solos pode ter origem em diversos factores, nomeadamente: Transportadas pelas chuvas ácidas Na agricultura e na pecuária, o que contamina os solos A contaminação provocada por aterros sanitários mal construídos e por lixeiras a céu aberto Uso de produtos químicos Deposição das partículas poluentes Lixeiras e aterros sanitários
  10. 10. - Poluição atmosférica A poluição atmosférica é a contaminação de ar provocada por desperdícios sólidos, líquidos ou gasosos e que podem pôr em risco a saúde humana e a dos restantes seres vivos. Factores que contribuem para a poluição atmosférica: <ul><li>A actividade industrial; </li></ul><ul><li>A circulação rodoviária; </li></ul>A actividade industrial Lança para o ar gases e poeiras em quantidades superiores à capacidade de absorção do meio ambiente, ficando assim estas substancias acumuladas na atmosfera.
  11. 11. Circulação rodoviária Emissão de gases e as substâncias químicas nocivas libertadas pelos veículos motorizados.
  12. 12. Resultante da emissão para a atmosfera dos clorofluorcarbonetos (CFC), cuja decomposição, ao chegarem à estratosfera, provoca a destruição do ozono. Sendo a principal função da camada de ozono presente na atmosfera a filtragem das radiações ultravioleta. Resultam da dissolução nas nuvens e na gotas de chuva dos poluentes lançados na atmosfera, formando ácido sulfúrico e ácido nítrico. Provocadas pelas emissões de CO2, gás que absorve o calor e impede a dispersas das radiações infravermelhas emitidas pela superfície terrestre. Chuvas ácidas Redução da camada de ozono Perturbações no efeito de estufa <ul><li>Tendo efeitos poluidores sobre: </li></ul><ul><li>As florestas; </li></ul><ul><li>Os solos; </li></ul><ul><li>A agricultura; </li></ul><ul><li>Os ecossistemas; </li></ul><ul><li>Os edifícios; </li></ul><ul><li>As pessoas e animais. </li></ul><ul><li>Os raios atingem a vida na Terra, causando sérios danos, como: </li></ul><ul><li>O aumento do cancro da pele e de problemas oftalmológicos; </li></ul><ul><li>A destruição do plâncton dos oceanos e a ruptura das cadeias alimentares. </li></ul><ul><li>Provocando alterações: </li></ul><ul><li>O aumento da temperatura média do ar e consequentemente </li></ul><ul><li>Climáticas, </li></ul><ul><li>Do regime de precipitações, </li></ul><ul><li>Do ciclo hidrológico, a fusão dos glaciares, </li></ul><ul><li>O aumento do nível médio das águas dos mares e dos oceanos; </li></ul>A poluição atmosférica está na origem de fenómenos como:
  13. 13. <ul><li>Medidas que podemos tomar para a preservação da Natureza: </li></ul><ul><ul><li>A utilização de filtros nas chaminés das fábricas; </li></ul></ul><ul><ul><li>A promoção de energias alternativas, não poluentes; </li></ul></ul><ul><ul><li>A eliminação da utilização de CFC; </li></ul></ul><ul><ul><li>A utilização de tecnologias “limpas”. </li></ul></ul><ul><ul><li>A promoção da reciclagem; </li></ul></ul><ul><ul><li>A reutilização de determinados produtos, por exemplo a utilização de garrafas de vidro em substituição das de plástico descartáveis; </li></ul></ul><ul><ul><li>A redução na utilização de determinados produtos mais poluentes, como o plástico </li></ul></ul>- Poluição -
  14. 14. Poluição - Gráficos e Quadros -
  15. 17. Industrialização + explosão demográfica aceleraram Degradação do MEIO AMBIENTE Alterações no equilíbrio ecológico <ul><li>CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO: </li></ul><ul><li>corrida aos alimentos; </li></ul><ul><li>aumento da produção (agricultura intensiva); </li></ul><ul><li>esgotamento dos solos; </li></ul><ul><li>florestas destruídas em detrimento de superfícies agrícolas e de pastorícia. </li></ul>“ Sociedade do desperdício” Crescimento económico ilimitado – países industrializados – estimulou comportamentos e estilos de vida incompatíveis com a renovação dos recursos e com a sua escassez “ Há um ponto de não retorno para tudo, mesmo para a Terra . Para a vida” 1.1. O Mundo em mudança e a escassez dos recursos
  16. 18. Recursos energéticos <ul><li>Ritmo acelerado do consumo dos recursos </li></ul>contrasta Lenta regeneração <ul><li>Desequilíbrios sociais </li></ul>Reflectem-se Acesso e utilização “ Susto” Percepção da dimensão da crise Os recursos são escassos e alguns não são renováveis Fluxo de combustíveis fósseis Origem (reservas) Capacidade de depósitos ( atmosfera, hidrosfera, litosfera) 1.1.1. O esgotamento dos recursos não renováveis
  17. 19. <ul><li>Carvão – grande quantidade </li></ul>no entanto Uso limitado – capacidade da atmosfera em absorver o CO 2 durante a sua utilização <ul><li>Petróleo – esgotar-se-á no decurso do próximo século </li></ul>reforço Efeito de Estufa
  18. 20. <ul><li>recursos não renováveis extremamente limitados </li></ul><ul><li>ritmo crescente da utilização </li></ul>aumenta <ul><li>Uso de combustíveis fósseis e a sua exploração; </li></ul><ul><li>Produção de resíduos; </li></ul><ul><li>Emite poluentes. </li></ul>A degradação dos recursos renováveis produção de alimentos intensificou-se a exploração agrícola <ul><li>empobrecimento e esgotamento dos solos; </li></ul><ul><li>desperdícios e distribuição desigual; </li></ul><ul><li>racionamento. </li></ul>A capacidade da Terra em produzir alimento dependerá: <ul><li>da maior eficiência dos mecanismos de distribuição – equidade; </li></ul><ul><li>da redução da expansão das aglomerações urbanas e das áreas de pastagem – que ocupam terrenos de boa </li></ul><ul><li>aptidão agrícola; </li></ul><ul><li>da gestão racional da água e da diminuição dos riscos de contaminação (adubos, pesticidas); </li></ul><ul><li>da utilização de técnicas agrícolas mais adaptadas. </li></ul>Recursos energéticos
  19. 21. Os recursos florestais Potencialmente renováveis Poluição + índices de desflorestação Fim da floresta no espaço de 100 anos <ul><li>gera e protege os solos atenuando os efeitos erosivos; </li></ul><ul><li>modera o clima; </li></ul><ul><li>armazena CO 2 e liberta O 2; </li></ul><ul><li>reduz os riscos e as consequências das inundações; </li></ul><ul><li>armazena água; </li></ul><ul><li>abriga a grande maioria das espécies terrestres. </li></ul>“ A sobrevivência dos países e a evolução tecnológica seriamente ameaçadas podem ser salvaguardadas?” Os recursos hídricos Água essencial ilimitada MAS Utilização excessiva + distribuição espacial irregular + poluição Danos irreparáveis Biogeogfráfico Económico Alternativas ambientalmente sustentáveis <ul><li>Que permitem: </li></ul><ul><li>maior eficiência – menor desperdício, menor grau de degradação e melhor distribuição; </li></ul><ul><li>Utilização de opções energéticas renováveis. </li></ul>
  20. 22. Delapidação dos recursos é necessário <ul><li>crescer a um ritmo mais lento; </li></ul><ul><li>inverter tendências do crescimento demográfico; </li></ul><ul><li>reduzir as necessidades de consumo . </li></ul>Sustentabilidade do desenvolvimento Dinâmica do crescimento demográfico (quantidade e distribuição) comportamento diferenciados dos indivíduos nas diferentes regiões GRAVE <ul><li>aumentos populacionais significativos verificam-se em : </li></ul><ul><li>países de baixas receitas; </li></ul><ul><li>regiões ecologicamente subdotadas; </li></ul><ul><li>agregados familiares pobres. </li></ul>DESAFIO equilíbrio entre a dimensão da população e os recursos disponíveis 1.2. O esgotamento dos recursos e a necessidade de gestão do crescimento demográfico

×