Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Que futuro para o centro de aveiro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Que futuro para o centro de aveiro

  • 3,242 views
Published

Que futuro para o centro de Aveiro? Um contributo para a reflexão

Que futuro para o centro de Aveiro? Um contributo para a reflexão

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • muito bacana, zé carlos, parabéns pelo txt e pela bela apresent. creio que há ideias boas e iniciativas sempre interessantes. mudar é preciso! e a gente consegue com gene como vc

    abraços do brasil
    *
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
3,242
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3

Actions

Shares
Downloads
26
Comments
1
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ‘QUE CENTRO PARA AVEIRO?’Novembro 2011 – documento de reflexão Uno, Luís Queimadela JOSÉ CARLOS MOTA Investigador e docente universitário Desenvolve tese de doutoramento sobre ‘Planeamento Territorial Colaborativo’ Membro de plataformas cívicas: ‘Amigosd’Avenida’ e ‘Cidades pela Retoma’ https://www.facebook.com/josecarlosmota
  • 2. Guião de resposta1.A crise (o que ela significa e que impactos produz)2.A importância das cidades para a construção do futuro3.O que tem sido a agenda de ação (e de debate) em Aveiro (que opções e que resultados);4.À luz dos desafios do futuro (que a agenda europeia determina) como é que Aveiro tem sabidoutilizar/valorizar os diversos recursos que dispõe;5. Um futuro possível para o centro e para Aveiro (ideias fortes e implicações);6. Começar já a construir o futuro (um desafio final aos cidadãos, instituições e partidos)
  • 3. 1. Crise 1. Crise sobrepostas (financeira, económica, ambiental e social) 2. Crise a diferentes escalas (global, nacional e local) 3. Crise das ideias
  • 4. Razões1. Gastamos demais (Estado e [muitos] Cidadãos);2. Gastamos mal, consumimos coisas de que não precisamos;3. Muitos não consomem o que precisam;4. Temos padrões de mobilidade irracionais;5. Exacerbamos o nosso sentido individualista, perdemos o sentido colectivo, práticas culturais e sociais;6. O território e as cidades sofrem de modo particular com estas irracionalidades;
  • 5. Consequências‘Vivemos o fim de uma das maioresnarrativas do 25 de Abril e quealimentámos durante anos que era aesperança na melhoria da qualidadede vida dos portugueses’‘o presente momento vai trazer umasérie de modificações (na maneira deviver, no consumismo, como se olhapara a política, nas relações entre aspessoas)’[no fundo, nas diferentesformas de organização colectiva]José Gil, filósofo, 2011
  • 6. 2. As Cidades e o futuro 1. ‘Europa 2020’ uma agenda europeia para o crescimento 2. Temas da agenda (‘empty signifiers?’) • Crescimento inteligente • Crescimento verde • Crescimento inclusivo 3. Europa 2020 e o papel das cidades • Regeneração e Construção Sustentável • Mobilidade Sustentável • Economia Cultural e criativa • Alimentação Local • Envelhecimento Activo
  • 7. A responsabilidade das políticas para as cidades‘La política territorial y el urbanismo, y losprofesionales que a ello se dedican, han tenidoresponsabilidades destacadas en el origen de la crisis,sea por haber contribuido activamente a generar lascircunstancias en las que nos encontramos, sea por nohaber sabido oponernos con suficiente fuerza a laderiva que nos llevaba a ellas’ Oriol Nel·loNew Deal para la ciudad europea‘(…) diseñar un urbanismo para la crisis que tenga como preocupación principal evitarla degradación de la ciudad, asegurar la vivienda, hacer frente a los efectos de lasegregación, proveer servicios, contribuir a generar empleo Oriol Nel·lohttp://www.elperiodico.com/es/noticias/opinion/urbanismo-crisis-1187727 Cidades e o futuro
  • 8. O valor da aposta ‘local’‘More small firms means more jobsThe Secret to Job Growth: Think Small’ Harvard Business Review http://hbr.org/2010/07/the-secret-to-job-growth-think-small/ar/1 Cidades e o futuro
  • 9. Novas apostas de governação à escala local Agenda for Prosperity - City of Toronto (Canada) Urbact Cities - Facing the crisis (Urbact – EU) Ten Steps to Save the Cities (UK); City Relationships: Economic linkages in Northern city regions (UK)Driving economic recovery: The Core Cities – A new partnership (UK) Cidades e o futuro
  • 10. As cidades como palco demobilização cívica Cidades e o futuro
  • 11. O futuro das cidades‘Temos de ir caminhando pelas ruas econversando com as pessoas para ir àprocura dessas micro-histórias‘ Cidades e o futuro
  • 12. 3. Agenda de debate em Aveiro 1. Desconsideração da importância do papel do cidadão no processo de tomada de decisões (um ano e meio de discussão em torno da Obra do Alboi, entretanto parcialmente alterada) 2. Opções de investimento discutíveis (obras da Ponte Pedonal do Rossio e do Parque D. Pedro) cuja necessidade, utilidade, localização e impacto é merecedor de amplo reparo; 3. Deficits de intervenção em espaços emblemáticos (por exemplo no Rossio); 4. Projeto para a Avenida (demasiado centrado no instrumento ‘projeto de espaço público’)
  • 13. 4. À luz dos desafios que recursos dispõe Aveiro?Tendo em conta algumas das dimensões referenciadas noâmbito da agenda europeia para o crescimento: • Regeneração e Construção Sustentável • Mobilidade Sustentável • Economia Cultural e criativa • Alimentação Local • Envelhecimento Ativoque recursos Aveiro tem para oferecer?como os tem sabido utilizar?e como podem ser úteis para a qualificação da cidade e do(s)seu(s) centro(s)?
  • 14. Que recursos dispõe? Economia Cultural e Criativa A cidade/município está a saber tirar partido de ter • 350.000 habitantes e oito Centros Culturais num raio de 30 min (Aveiro, Ílhavo, Estarreja, Albergaria, Sever do Vouga, Águeda e Ovar) • Museus de âmbito nacional (Arte e Ciência) • Vasto conjunto de Associações e Artistas (Música, Dança, Teatro, Artes Plásticas e Fotografia) • Eventos de referência (Cerâmica artística, Música erudita/ do mundo, TEDx) • Empresas na área das tecnologias, comunicação e design (INOVARIA) • Formação Superior (Comunicação, Arte, Tecnologia, Cultura, Turismo e Território) • I&D (Tecnologias – SAPO Campus, Etnomusicologia, Jazz, Artes Performativas, Design & Media, Estudos Culturais, Estudos Literários, Turismo, Território) • Parque Ciência & Inovação UA (TICE) • ADDICT – Associação para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas
  • 15. Que recursos dispõe? Regeneração Urbana e Construção Sustentável A cidade/município está a saber tirar partido de ter • Património edificado com problemas de conservação (Adobe e Azulejo) • 8.200 fogos não ocupados (1/5 do total); mais 1.500 do que há dez anos (INE 2011) • Empresas de relevância nacional no sector dos materiais de construção; • Formação Superior (Regeneração Urbana) • I&D - Eficiência Hídrica – POVT (CIRA/UA) • Plataforma para a Construção Sustentável (Centro Habitat – UA) • Rede ‘Aveiro-Domus’ cooperação e transferência de tecnologia e conhecimento • Parque Ciência & Inovação UA (Materiais) • Participação em Redes Europeias - Europe Interclusters; • Normativas Europeias (Balanço Zero – Energia; Água, Materiais, Resíduos)
  • 16. Que recursos dispõe? Mobilidade Sustentável A cidade/município está a saber tirar partido de ter • Condições favoráveis (morfologia, tradição, ria) • BUGA – 1.º sistema de bicicletas de utilização gratuita nacional • Participação em redes europeias de promoção da Mobilidade Ciclável (Lifecycle & Active Accesss) • Dinâmicas de empresas da região de Aveiro (BykeTour - Sportis, LARUS – mobiliário urbano, REVIGRES – pavimentos tácteis) • Dinâmicas cívicas (Massa Crítica; Pedalar Aveiro) • I&D Mobilidade - Projecto BikeEmotion (desenvolvido no âmbito da TICE Mobilidade) • Parque Ciência & Inovação UA (Energia/Materiais) • Projetos regionais de promoção do lazer ciclável (CICLORIA) • Produção industrial da bicicleta na região (ABIMOTA) • Cluster Nacional da Mobilidade Eléctrica
  • 17. Que recursos dispõe? Envelhecimento Ativo A cidade/município está a saber tirar partido de ter • População envelhecida; • Rede de Equipamentos para a Terceira Idade e instituições com vasta experiência na matéria; • Experiência local em projetos mobilizadores envolvendo pessoas idosas (por ex: Viver a Idade; Vestir Aveiro) • Dinâmicas Locais (Universidade de Terceira Idade) • Formação superior e I&D no domínio da saúde e gerontologia (UA) • Participação em Redes (Cidades Amigas das Pessoas Idosas) • Políticas nacionais – ‘Transformar Portugal na Flórida da Europa’ (Min. Economia e DPP) • 2012 Ano Europeu do Envelhecimento Ativo
  • 18. Que recursos dispõe? Alimentação Local A cidade/município está a saber tirar partido de ter • Um dos dez mercados Agricultura Biológica a nível nacional está em Aveiro no Mercado Manuel Firmino – AGROBIO; • Vasto conjunto de terrenos agrícolas disponíveis • Dinâmicas locais: Projeto “Hortas Comunitárias” das Barrocas • Propostas PECA (Hortas de Utilização Pública de Aveiro) • Dinâmicas Cívicas: movimentos de Transição; • Comércio e serviços ligados à Restauração (e Cantinas) • Chefs de cozinha de prestígio nacional • Escola Profissional Agricultura de Vagos (EPDVR) • I&D no domínio alimenta: Química Alimentar • Parque Ciência & Inovação UA (Agro-alimentar)
  • 19. Que recursos dispõe? Empresas Poder dos cinco Local Redes de Conhecimento temas da agenda 5 temas de uma agenda de futuro Regeneração e Construção Cidadãos Dinâmicas Sustentável e Sociais Mobilidade Sustentável dinâmicas Culturais Economia Cultural e criativa Alimentação Local cívicas Envelhecimento Ativo Como tirar partido?
  • 20. 5. Um futuro possívelAVEIRO 1. Aveiro tem recursos únicos para se afirmar como uma referência internacional na experimentação da aplicação colaborativa dos princípios dacidade agenda ‘Europa 2020’ (uma oportunidade para qualificar a cidade e as funções de habitar, mover,colaborativa criar/estar, produzir e cuidar); 2. Dimensão colaborativa recomenda uma postura de diálogo autêntico e responsável com os cidadãos e métodos voluntaristas de trabalho em parceria; 3. A experimentação sugere, no contexto de parcos recursos, a mobilização de saberes (científicos e tácitos) no desenvolvimento de micro-iniciativas de baixo-custo e alto impacto na cidade
  • 21. 6. Qualificar o(s) centro(s) Qualificar o(s) centro(s) através de um exercício de experimentação colaborativa alinhado com a agenda europeia para o crescimento (Europa 2020)
  • 22. Experimentação colaborativa em Aveiro 1. Ideias de pequena 4. apoio low-profile das escala, ligeiros, rápida instituições públicas execução, efeito visível e locais e comunidades baratos 5. com talentos e 2. promovidos por recursos humanos locais cidadãos ou de grupos e regionais de cidadãos (bairro/rua), 6. com recursos para a comunidade financeiros locais e regionais 3. sustentados em passos experimentais e 7. acompanhamento e incrementais coerência assegurada por poderes públicosPesquisa desenvolvido no âmbito da Plataforma ‘Cidades pela Retoma’ locais
  • 23. Experimentação colaborativa em Aveiro GERAR IDEIAS ECONOMIA DA CRIATIVIDADE ANIMAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO REGENERAÇÃO ECONOMIA DA /CONSTRUÇÃO AGENDA DE CULTURA SUSTENTÁVEL QUALIFICAÇÃO EDIFÍCIOS DA CIDADE DEVOLUTOS DE AVEIRO MOBILIDADE SUSTENTÁVEL ENVELHECIMENTO ACTIVO ALIMENTAÇÃO LOCAL FINANCIAMENTO DE IDEIAS
  • 24. Experimentação colaborativa em Aveiro PODER LOCAL (DO FUTURO) ASSOCIAÇÕES E ORGANIZAÇÕES CIDADES, CIDADÃOS ACTORES DA ARTE/CULTURA, CIÊNCIA, AGENDA DE DESENVOLVIMENTO E VIZINHOS QUALIFICAÇÃO CIDADANIA BAIRRO, RUA, DA CIDADE CIDADE DE AVEIRO ACTORES ECONÓMICOS DAS UNIVERSIDADES E CIDADES INVESTIGADORES
  • 25. Experimentação colaborativa em Aveiro Exemplos inspiradores Pesquisa desenvolvido no âmbito da Plataforma ‘Cidades pela Retoma’
  • 26. Discussão colaborativa para gerar e/ou divulgar ideias ‘low-cost’• Eventos colaborativos para gerar ideias para cidades (https://www.facebook.com/lisboaideia)• Concurso de ideias para cidades promovidos por cidadãos (http://www.norulesgreatspot.com/)• Interfaces colaborativos para gerar ideias para cidades (https://www.facebook.com/IdeasforCities)
  • 27. Aproveitamento temporário de edifícios comerciais devolutos• Residências temporárias de projectos artísticos, científicos, tecnológicos em lojas devolutas (1/3/6 meses); Oferecer a montra vazia para a valorização de um talento ou competência local, com troca de pequenas obras/limpezas (Newcastle – Australia); http://renewnewcastle.org/• …
  • 28. Aproveitamento de edifícios públicos devolutos• Casa das brincadeiras no Porto (antiga Escola Primária) https://www.facebook.com/casadasbrincadeirasemconstrucao• Es.Cola da Fontinha (http://escoladafontinha.blogspot.com/)• …
  • 29. Reabilitação Low-Cost• Recuperações ‘low-cost’ de edifícios devolutos - ateliers artísticos, de empresas ou associações, aproveitando fábricas devolutas (Seres – Caldas da Rainha);• …
  • 30. Reabilitação Low-Cost• Reabilitação de baixo-custo (Plano B - Porto) http://lowcosthouses.wordpress.com/• Edifício-Manifesto (http://edificiomanifesto.wordpress.com/)• …
  • 31. Co-work - Trabalho colaborativo• Trabalho colaborativo (http://www.co-work.net/thehubporto/ )• …
  • 32. Qualificação low-cost do espaço público• Jardinagem de guerrilha (http://www.guerrillagardening.org/)• ‘Vestir Aveiro’ (Aveiro)• …
  • 33. Qualificação low-cost do espaço público• Parking Day (http://parkingday.org/)• Espaços públicos temporários• …
  • 34. Qualificação ‘low-cost’ do espaço público• Limpezas performativas (http://www.c-e-m.org/ )• …
  • 35. Qualificação low-cost do espaço público• Fornos comunais – 36-Hour Dinner Party (‘a focus for social life, a place to gather and gossip and escape the solitude of cooking at home’)• …
  • 36. Animação do espaço público• Re-Make (CIN), a ilustração e o texto no espaço público;• Manobras no Porto (http://manobrasnoporto.com/);• ‘Ler um Livro passeando pela Cidade’ com Gonçalo M. Tavares (em Aveiro)• …
  • 37. Animação do espaço público• Eventos desportivos ou de lazer no espaço público (encerramento temporário ao trânsito automóvel);• Vias Recreativas (http://www.cicloviasrecreativas.org/en)• …
  • 38. Agricultura de proximidade• Horta ‘Quinta Musas da Fontinha’ (Porto)• Banco de terras – Montemor-o-Novo (http://redemontemor.blogspot.com/)• Parques Agrícolas de Lazer
  • 39. Serviços colaborativos e partilhas• Boleias e partilha de carro (http://www.deboleia.com/ ou https://www.liftshare.com/uk/ ou http://www.whipcar.com/ )• Banco do Tempo (http://www.bancodetempo.net/)• Eu prometo (http://www.pledgebank.com/)
  • 40. Serviços colaborativos e redes de solidariedade• Redes de solidariedade com idosos - Tyze (http://www.tyze.com/)• Rede de solidariedade entre famílias - ‘Family by family’ (http://familybyfamily.org.au/)
  • 41. Economia Cultural e Criativa• Fab-lab municipais low-cost (Leonel Moura, ‘Cidades Criativas 3.0’)•…
  • 42. Crowdfunding – financiamento pela comunidade• Financiamento de projectos pela comunidade• …
  • 43. Um futuro possível AVEIRO cidade colaborativa Contributos de reflexão podem ser enviados para josecarlosmota@gmail.com ou jcmota@ua.pt Cidades pela Retoma http://noeconomicrecoverywithoutcities.blogs.sapo.pt/ https://www.facebook.com/CidadespelaRetoma Amigosd’Avenida https://www.facebook.com/AmigosdAvenida.Aveiro http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/