• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
agenda local colaborativa pela retoma
 

agenda local colaborativa pela retoma

on

  • 1,724 views

Agenda Local Colaborativa pela Retoma

Agenda Local Colaborativa pela Retoma

Statistics

Views

Total Views
1,724
Views on SlideShare
569
Embed Views
1,155

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

4 Embeds 1,155

http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt 787
http://jcmworks.blogs.sapo.pt 333
http://noeconomicrecoverywithoutcities.blogs.sapo.pt 34
http://translate.googleusercontent.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    agenda local colaborativa pela retoma agenda local colaborativa pela retoma Presentation Transcript

    • documento apresentado nos seguintes eventos a Local ‘Ag end tiva olab ora C pela Ret oma!’ José Carlos Mota (*) Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro Movimento ‘Cidades pela Retoma’ jcmota@ua.pt https://www.facebook.com/josecarlosmota http://noeconomicrecoverywithoutcities.blogs.sapo.pt/ (*) com contributos valiosos de João Seixas, Jorge Reis, Fernando Nogueira e Rui Matoso (movimento ‘Cidades pela Retoma’)
    • Argumento • Estranho mundo, este onde vivemos • A crise, múltiplas dimensões • As respostas óbvias à crise • A necessidade de um Plano B • A proposta de uma Agenda Local Colaborativa pela RetomaJosé Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)Estranho O momento actual • ‘A maior crise damundo Europa desde a II onde GG’ • Jean-Claude Trichet, BCE, Reuters, 4Out2011vivemos • ‘Corretor diz que quem manda no mundo é a Goldman Sachs’ • Alessio Rastani, BBC 27.09.2011
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)Estranho Paradigma da Economia • uma competiçãomundo baseada: onde • -> na rivalidade (em que uns ganham e outros perdem; oposição entrevivemos interesses individuais) • -> num contrato (procura preservar os riscos do que os outros nos possam fazer; clima desconfiança mútua). • Elena Lasida, 30.09.2011 • [Conferência Economia com futuro]
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)Estranho Economia Mundial •Só 2% dosmundo fluxos onde mundiais devivemos capitais estão relacionados com economia real • Boaventura Sousa Santos, ‘Portugal, ensaio contra a auto-flagelação’ 2011
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)Estranho O ‘problema português’ • Trabalhamos muito, com poucos resultados e malmundo pago; • A duração anual média do onde trabalho de um alemão (1390 horas) é muito inferior à de um grego (2119), de um italianovivemos (1773), de um português (1719), de um espanhol (1654) • (Público, 04.06.201) • Em Portugal, 60 minutos laborais resultam num retorno de 21 euros para a economia nacional, em termos de PIB, praticamente metade da produtividade alemã • (Semanário Sol 18.05.2011)
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)Estranho O ‘problema português’ • Forte correlação entre a a ‘desigualdade de rendimentos’ e amundo ‘confiança interpessoal’; • Maiores diferenças de rendimentos e a maior desconfiança interpessoal; onde • Desigualdade de rendimentos • -> os interesses instalados e as capelinhas’;vivemos • Desconfiança • -> dificuldade de desenvolver um projecto colectivo (substituído pela ‘vontade do líder’); • -> a troca da confiança pela lealdade To tal • André Barata, 31.03.2011, SEDES citando 40,0 Wilkinson and Pickett 2009 Outro s inac tivos 20,0 0,0 Empregado s Por tugal Espanha Elevada taxa de risco de pobreza, após Reformado s Desempregado s • transferências sociais (% do total da Total população respectiva, Dezembro 2010) Fam. c/crianças 40,0 20,0 Homem só Portugal 0,0 Espanha Fam. s/crianças Mulher só Fam. monoparentais
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt) O ‘problema português’Estranho • A dificuldade de pensar global (por razões várias,mundo políticas, culturais,…) e de agir local; • Portugal o segundo país não- onde micro da EU com menor despesa local e regional (pior é a Grécia, depois Irlanda)vivemos • Regiões: 4,45%; Municípios: 10,11%; Freguesias: 0,14% DEXIA / CEMR Fev 2011, Council of European Municipalities and Regions, Despesa Pública Sub-Nacional, dados 2008
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt) A ‘Crises sobrepostas’ • [Financeira]crise! • Dívida pública e privada; elevadas taxas de juro; risco do incumprimento; recessão; contágio; • [Política] • Falta de regulação dos mercados financeiros globais e das agências de rating; crise de soberania; crise de democracia; crise de confiança; • [Social] • Consumo/Endividamento; Aumento da desigualdade de rendimentos; aumento da taxa do desemprego; contestação Triplo-crash financeiro, ambiental e social e nas ruas; energético (New Economic Foundation)
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt) A Políticas públicas desajustadas • ‘O investimento público fez o contrário do que devia; deu crise! orientações de rentabilidade ao investimento em não transaccionáveis (obras públicas), desqualificando a mão de obra’; em • ‘Acreditou-se que a revolução tecnológica ia mudar o paradigma de produtividade e de modernizaçãoPortugal da sociedade portuguesa’; • ‘Orientações ‘bipolares’ da Comissão Europeia: Keynesianas (fomentar intervenção e investimento público) logo seguidas de forte austeridade (contenção de investimento público)’; • Prof. António Figueiredo [Economia com futuro, 30.09.2011]
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt) O momento actualEstranho • ‘Vivemos o fim de uma dasmundo maiores narrativas do 25 de Abril e que alimentámos durante anos que era a onde esperança na melhoria da qualidade de vida dos portugueses’vivemos • ‘o presente momento vai trazer uma série de modificações (na maneira de viver, no consumismo, como se olha para a política, nas relações entre as pessoas)’[no fundo, nas diferentes formas de organização colectiva] • José Gil, filósofo
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt) A crise! • Como ir para além do debate sobre a em culpa?Portugal • Que novos caminhos temos de trilhar?
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)Respostas Cortes, correcções e ajustamentos [resposta à imediata] crise! • Redução da dívida pública; • Cortes no Investimento em Público; • Aumento de impostosPortugal (contribuintes & empresas); • Cortes nos salários; • Redução do número de funcionários públicos;
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt) Querespostas E quanto ao crescimento? à • Como vamos criar empregos e riqueza, que crise? nos permita pagar a dívida e evitar a crise social? • Será um desafio para as empresa, para o Estado ou em para a sociedade portuguesa?Portugal • Como vamos mobilizar a sociedade para responder a este desafio? Como podemos aprender com outras mobilizações?
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)Precisamos Plano B para Portugal [plano de ajuda interna] de um • Uma nova forma de pensar o futuro colectivo e o desenvolvimento económico ePlano B social, construído a partir da escala local (num momento em que se discute o futuro do Poder Local) • Mobilização e alinhamento dos recursos disponíveis (cívicos, produtivos, associativos, conhecimento & ciência e dos poderes públicos locais); • Uma abordagem low-cost (estimulo ao surgimento de ideias de baixo-custo e alto impacto - agenda) • Um espaço de experimentação e de aprendizagem colaborativa (cooperação e capacitação);
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)Precisamos Inspiração - Plano B de um Relevância do local (proximidade,Plano B cidadania/inovação social, cosmopolitismo/multicult uralismo, bem Carta Estratégica de Lisboa estar/placemaking, accountability; ‘economia das cidades’), mas comAgenda estratégia e planeamento (visão global para o local; Local inserção em redes);Colaborativa ‘Das 20 propostas para saída da crise, oito são pela claramente locais!’ New Economic Foundation, 2008Retoma
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt) a Local ‘Ag end tiva olab oraAgenda Ideias chave C • Agenda • -> projectos e ideias baixo-custo & pela Ret Local alto impacto; • -> responda de forma qualificada (incorporando saberes científicos e oma!’Colaborativa locais) à resolução de problemas do quotidiano das cidades ou à valorização das suas potencialidades; pela • Local • -> feito a partir das comunidades e poderes locais;Retoma • -> enfoque nas cidades, acções cirúrgicas de execução rápida e visível; • Colaborativo • -> cooperação e capacitação; • Retoma • -> gerar riqueza e emprego; • -> contribuir para a coesão social; ‘todas as cidades têm micro- • -> enfoque em temas chave: na economia da cultura, na regeneração histórias que podem fazer e construção sustentável, na delas cidades globais’ ‘temos economia social, no envelhecimento de ir caminhando pelas ruas e activo, na mobilidade sustentável, na conversando com as pessoas alimentação local ou na relação cidade/campo; para ir à procura dessas micro- histórias‘ Saskia Sassen
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt) MIGUEL BARBOT | RODRIGO CARDOSO | FRANCISCO FLORIDO | VÍTOR SILVA | JOSÉ CARLOS MOTA | FERNANDO NOGUEIRA | GONÇALO SANTINHA | SUSANA LOUREIRO | CATARINA RODRIGUES | GIL RIBEIRO | FREDERICO LUCAS | RUI MATOSO |JOÃO SEIXAS | MÁRIO ALVES | BRUNO LAGE | JORGE REIS | PATRÍCIA ROMEIRO | MIGUEL TORRES | DANIELA AMBRÓSIO | JOAQUIM PAVÃO | GIL MOREIRAAgenda Agenda Local Colaborativa pela Retoma [ideia do movimento Cidades pela Local Retoma‘]Colaborativa Movimento • núcleo duro de 20 pessoas (Porto, pela Aveiro, Coimbra, Guarda, Covilhã, Torres Vedras, Lisboa e Faro); • organiza debates/conferências eRetoma produz reflexão; • promove o projecto Global City 2.0 – uma rede de movimentos cívicos de cidade à escala mundial, com parceiros internacionais (Brasil, Espanha, Argentina, Itália, UK, USA, Australia, Estonia, ) e uma rede deCidades especialistas/interessados; • site www.globalcitynetwork.org/ oferecido pela empresa Ponto-C, de pela Aveiro (Ano Europeu Voluntariado); • Saskia Sassen e João Ferrão no lançamento público do projecto;Retoma
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)Agenda Não estamos sozinhos [âmbito nacional] Local • US Urban Policy –Colaborativa American Jobs Act & American Recovery pela and Reinvestment ActRetoma • Europa 2020 - Smart, Sustainable and Inclusive Economy & Territorial Cohesion
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)Agenda Não estamos sozinhos [âmbito local] Local • Agenda for Prosperity - Toronto (Canada);Colaborativa • Ten Steps to Save the Cities (UK); • New economy: Growth and prosperity for Manchester (UK); pela • City Relationships: Economic linkages in Northern city regions (UK) • Urbact Cities Facing the crisis;Retoma • Driving economic recovery: The Core Cities – A new partnership with government • Portugal, futuro(s) das cidades e do território: competitividade e sustentabilidade exercícios de cenarização para discussão (DPP/ANEOP, 2011) • Cidades e Desenvolvimento (CGD, 2011) • Low-Cost & High-Value Ideas for Cities; • Rede Iberoamericana Comunidades, Territórios & Economia Cultural e Criativa;
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)Agenda Sete ideias, para um pontapé de saída 1. Encontrar comunidades locais que estejam dispostas a iniciar a construção Local desta Agenda (autarquias ou grupos de cidadãos); 2. Criar um grupo dinamizador e coordenador (saiba dialogar e ouvir; comColaborativa valências diversificadas; persistente e empenhado); 3. Organizar um primeiro momento de reflexão (técnica e científica) balizado com a perspectiva de se gerarem ideias/projectos de baixo-custo & alto- pela impacto (*) sobre problemas/potencialidades locais relacionados com alguns dos temas chave identificados (por ex, economia da cultura; regeneração e construção sustentável; economia social; envelhecimento activo; mobilidadeRetoma sustentável; alimentação local; relação cidade/campo); 4. Criar grupos temáticos, por áreas de interesse, e mobilizar saberes científicos e locais para que possam contribuir para qualificar as ideias que se venham a gerar, ligando com outras experiências nacionais ou internacionais; 5. Disponibilizar (ou arranjar) um espaço central (eventualmente devoluto) que funcione como espaço nuclear desta dinâmica (de encontro, de divulgação, …) e que seja confortável e acolhedor; 6. Organizar plataformas de comunicação (interno à comunidade, para estimular participação; externa, para troca de experiências e resultados); 7. Procurar mecanismos de financiamento local alternativos (‘poupança nacional não registada’, Prof. Manuela Silva; desenvolvimento de sistemas de Crowdfunding à escala da cidade);
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt) 1.º 2.º COMUNIDADE E/OU GRUPO PODERES LOCAIS DINAMIZADOR E REFLEXÃO COORDENADOR ESTRATÉGICA 3.º 5.ºAgenda MOBILIZAR 4.º IDENTIFICAR TEMAS CONHECIMENTO DEBATE LOCAL CHAVE/CRIAR GRUPOS CIENTÍ´FICO E PELA RETOMA TEMÁTICOS: Local EMPÍRICO (TEMAS CHAVE) economia da cultura; regeneração e construçãoColaborativa sustentável; economia 6.º social; envelhecimento activo; mobilidade pela GERAR IDEIAS sustentável; alimentação BAIXO-CUSTO & local; relação ALTO-IMPACTO cidade/campo;Retoma SOBRE TEMAS CHAVE DA CIDADE 7.º 8.º COMUNICAR CRIAR ESPAÇO GERAÇÃO DE COLABORATIVO IDEIAS/PROPOSTAS PELA RETOMA - COMUNIDADE LOCAL E PAÍS AGENDA LOCAL COLABORATIVA PELA RETOMA 9.º
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)InspiraçõesAgenda LocalColaborativa pelaRetoma LisBoa Ideia, discussão colaborativa
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)InspiraçõesAgenda LocalColaborativa pelaRetoma Residências Artísticas em lojas devolutas (1/3/6 meses); Oferecer a montra vazia para a valorização de um talento ou competência local; com troca de pequenas obras/limpezas;
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)InspiraçõesAgenda LocalColaborativa pelaRetoma Ateliers artísticos/empresas/associações aproveitando fábricas devolutas (Seres – Caldas da Rainha);
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)InspiraçõesAgenda LocalColaborativa pelaRetoma Habitação Low-Cost (Porto) – estimular mercado de arrendamento nas zonas antigas das cidades; Co-work (espaços de trabalho colaborativo);
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)InspiraçõesAgenda LocalColaborativa pelaRetoma Manobras no Porto Animação do centro!
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)Inspirações http://www.guerrillagardening.org/Agenda LocalColaborativa pelaRetoma Jardinagem de Guerrilha
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)InspiraçõesAgenda LocalColaborativa pelaRetoma Vias Recreativas aos domingos;
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)InspiraçõesAgenda LocalColaborativa pelaRetoma Re-make (ilustração de textos em espaço público – José Luís Peixoto);
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)InspiraçõesAgenda LocalColaborativa pelaRetoma ALIMENTAÇÃO LOCAL – LOCAL FOOD
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)InspiraçõesAgenda LocalColaborativa pelaRetoma CicloRia – mobilidade ciclável de lazer
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt)Agenda Enorme desafio • Aos Poderes locais, à forma de organização e trabalho com Local comunidades e de construir políticas;Colaborativa • Às Comunidades locais (cidadãos e actores sociais, culturais e pela económicos), à sua mobilização para identificar problemas/oportunidades;Retoma • Aos Centros de Conhecimento (partilha; utilidade social e económica; diálogos entre conhecimento científico e empírico; mobilização encontrar respostas qualificadas ao contexto actual) • Geração e implementação de ideias com poucos recursos financeiros; • Identificação de sistemas inovadores de financiamento local (‘Crowdfunding’) em cada cidade;
    • José Carlos Mota, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território - Universidade de Aveiro (jcmota@ua.pt) Quando é que vai dar o primeiro passo para participe na mobilizar a sua comunidade local a construção da sua procurar respostas criativas para a geração de emprego e criação de a LocalAgenda riqueza, com base em ‘Ag end tiva b ora ideias de baixo-custo e LocalColaborativa alto-impacto centradas em problemas e Cola potencialidades da sua pela cidade? pela Ret oma!’Retoma http://noeconomicrecoverywithoutcities.blogs.sapo.pt cidadespelaretoma@gmail.com