Os Utopistas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Os Utopistas

on

  • 1,682 views

Concepção tradicional de Política; Thomas Morus; Tommaso Campanella e Francis Bacon.

Concepção tradicional de Política; Thomas Morus; Tommaso Campanella e Francis Bacon.

Statistics

Views

Total Views
1,682
Views on SlideShare
1,375
Embed Views
307

Actions

Likes
0
Downloads
10
Comments
0

4 Embeds 307

http://filosofiacolegiosaolucas.blogspot.com.br 275
http://www.filosofiacolegiosaolucas.blogspot.com.br 30
http://filosofiacolegiosaolucas.blogspot.com 1
https://twitter.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Os Utopistas Os Utopistas Presentation Transcript

  • OS UTOPISTAS Capítulo 10 Profº José Ferreira Júnior
  • A Concepção Tradicional da Política • As ideias sobre o pensamento político não poderiam permanecer as mesmas. • Uma verdadeira ruptura em relação à teoria política tradicional teve início no Renascimento. • Os novos valores emergentes favoreceram o surgimento de reflexões inovadoras sobre o homem, a sociedade e as relações de poder, trazendo como resultado uma teoria política menos contemplativa, mais prática, atuante, instrumental.
  • A Concepção Tradicional da Política • A secularização do poder se impunha, no contexto de laicização da sociedade. • Desde o período clássico dos gregos, filósofos como Platão e Aristóteles se dedicaram à tarefa de pensar sobre a vida política. • Eles se perguntavam como deveria ser a organização de um governo que trouxesse o bem comum, chegando a respostas prescritivas e normativas.
  • A Concepção Tradicional da Política • Apesar das críticas de Aristóteles ao ideal político construído por Platão em sua obra A República, ele também abordou o problema político com base no ponto de vista normativo, procurando definir a essência do bom governo. • Em Roma, Cícero seguiu o mesmo caminho ao defender a necessidade do conhecimento da lei natural e universal para saber como agir.
  • A Concepção Tradicional da Política • Verifica-se a valorização da teoria sobre a prática e uma estreita ligação entre política e moral. • A Igreja Católica ocupou o vazio deixado por Roma como poder “universalizante”, capaz de conferir unidade à extrema descentralização e fragmentação política do período.
  • A Concepção Tradicional da Política • Como consequência, além do vínculo entre política e moral, passou a haver sobretudo uma estreita ligação entre política e religião, isto é, a idéia de que a ação política e religião, isto é, a ideia de que ação política devia estar subordinada às leis naturais ou morais outorgadas por Deus, o que, na realidade, significava uma prevalência do poder espiritual sobre o temporal.
  • A Concepção Tradicional da Política • Embora o pensamento político medieval fosse fertilizado pelo pensamento grego, o Estado medieval não teve a função positiva do Estado grego, que era fundamentalmente a de assegurar a boa vida de seus cidadãos: o poder medieval assumiu a função negativa de não permitir que a natureza do homem, propensa às paixões, conduzisse ao pecado.
  • A Concepção Tradicional da Política • O pensamento político ainda se encontrava no senso comum, isto é, compreendida a ação política como algo que vai lado a lado com a ação moral. • A exigência era a de formar um governo justo e não tirano, embora com a função de obrigar, pela força ou pelo medo, a obediência aos princípios da moral cristã.
  • A Concepção Tradicional da Política • Outro traço comum entre o pensamento político dos dois períodos está no fundamento da vida política e do poder político, na explicação sobre o que leva os homens a se organizarem social e politicamente e aceitarem viver assim. • Tanto os antigos como os medievais encontraram causas externas à própria política para explicá-la: a natureza (os homens já nascem políticos), Deus (que doa o poder a alguém) e a razão (a própria racionalidade do homem o leva a construir a vida política).
  • A Concepção Tradicional da Política • O Renascimento foi a época em que o humanismo tematiza o homem como centro das preocupações filosóficas e a religião deixa de ser o foco da atividade intelectual. • Vinculados à redescoberta dos textos clássicos os estudos humanísticos enfatizam a responsabilidade do homem sobre a ordem geral das coisas e sobre a capacidade que cada um tem de intervir em seu destino.
  • A Concepção Tradicional da Política • A Europa vivia sob o domínio da fome, da peste, das guerras, da intolerância religiosa, da Inquisição. • Produziram-se diversas obras sobre sociedades ideais, ou utopias. • O termo utopia vem do grego ou topos, que significa “não-lugar”, “lugar nenhum” ou “lugar que não existe”.
  • A Concepção Tradicional da Política • A expressão tornou-se popular graças ao livro Utopia, escrito em 1516 pelo humanista inglês Thomas Morus, no qual o autor apresenta um Estado imaginário, formado por instituições ideais sob o domínio das quais vive um povo sábio e feliz. • Trata-se de um dos textos mais conhecidos do pensamento humanista e que ilustra bem a primazia da razão nesse período.
  • A Concepção Tradicional da Política • Por trás da construção imaginária de uma sociedade ideal está a noção de que, seguindo a razão e as leis da natureza, todos os males desaparecerão do mundo.
  • Thomas Morus Que ninguém fique ocioso e entregue à preguiça.
  • Thomas Morus • Nasceu em Londres. • Teve intensa participação na vida política de seu país e acabou condenado à morte pelo próprio rei por ter se recusado a aceitá-lo como chefe da Igreja em seu país. • Morus foi proclamado santo em 1935 pelo papa Pio XI.
  • Thomas Morus • A primeira parte de Utopia apresenta uma reflexão sobre a situação política e social da Inglaterra do início do século XVI, época em que o absolutismo se consolidava e se começava a pôr em prática o cercamento dos campos, tornando particulares terras antes exploradas coletivamente.
  • Thomas Morus • A segunda parte é um relato imaginário, narrado por Hitlodeu, que, em uma de suas viagens pelos mares com a expedição de Américo Vespúcio, teria conhecido a ilha de Utopia, na qual todos os cidadãos viviam de forma ideal. • Tudo na obra indica que se trata de uma representação de algo que não existe: a capital de Utopia chama-se Amauroto (cidade que se esvanece).
  • Thomas Morus • O Príncipe de Utopia chama-se Ademo (chefe sem povo). • No Estado perfeito imaginado por Morus: – Não há propriedade privada, isto é, existe a comunhão de todos os bens, de modo que tudo pertence a todos; – Todos são iguais, possuem a mesma renda e igual condição de vida;
  • Thomas Morus • No Estado perfeito imaginado por Morus: – Não há divisão do trabalho; os habitantes se revezam na agricultura e no artesanato, de modo a não se criarem diferenças entre eles; – O trabalho dura apenas seis horas diárias, permitindo à população dedicar mais tempo ao lazer;
  • Thomas Morus • No Estado perfeito imaginado por Morus: – Reserva-se lugar especial para os sacerdotes, dedicados ao culto; e para os literatos, aqueles que decidem dedicar sua vida ao estudo; – Não há apenas uma religião ou um Deus, e todos os cidadãos sabem respeitar as diferentes crenças; – Não há avidez por dinheiro, posto que ele é de todos, e todos cultuam hábitos saudáveis.
  • Tommaso Campanella e Francis Bacon • Influenciados pelo livro de Morus, outros autores criaram textos sobre sociedades utópicas. • Campanella, padre dominicano, filósofo italiano que teve uma vida bastante conturbada. • Acusado de heresia, foi perseguido e torturado por diversas vezes.
  • Tommaso Campanella e Francis Bacon • Livrou-se das acusações e organizou uma revolta camponesa na Calábria, onde pretendia fundar uma república, a Cidade Mágica do Sol, o que o levou à prisão por 27 anos. • No cárcere, Campanella escreveu, em defesa da união do cristianismo de todos os povos, a sua obra mais conhecida, Cidade do Sol (1623).
  • Tommaso Campanella e Francis Bacon • Cidade do Sol idealizava uma comunidade teocrática na qual não existe propriedade privada, nem divisão de trabalho, de classes ou de família, e a vida se organiza de acordo com a ordem da natureza. • Outro traço marcante da cidade é a sua construção geométrica, procurando retratar a ordem do Universo.
  • Tommaso Campanella e Francis Bacon • Situada numa colina, seria constituída de sete círculos, denominados segundo os sete planetas conhecidos na época, e teria ao centro um templo redondo e exuberante, que traria em seu altar dois mapas-múndi, um celeste, outro terrestre. • Na obra Nova Atlândida, escrita pelo inglês Francis Bacon.
  • Tommaso Campanella e Francis Bacon • Nova Atlântida também trata de uma comunidade feliz que vive na paz e na fartura. • O sucesso da comunidade, porém, não se deve apenas à sua organização política e social, mas sobretudo ao trabalho exercido pela instituição científica, denominada Casa de Salomão, que reúne os sábios da cidade e realiza pesquisas e experimentos, todos voltados para o domínio da natureza, visando o bem-estar dos homens.
  • Tommaso Campanella e Francis Bacon • O elemento novo é o papel central que o autor assinala profeticamente para a ciência na sociedade dos seus sonhos. • Inspirada na República de Platão, as obras de Morus, Campanella e Bacon apresentam uma realidade que não existe, mas que seus autores gostariam que existisse, o que pressupõe um conteúdo altamente crítico em relação à realidade à sua volta, característica do Renacimento.
  • Tommaso Campanella e Francis Bacon • Pode-se dizer que as utopias são uma continuidade do pensamento medieval no modo de ver o universo político, pois ainda está presente a estreita ligação entre política e moral: quando elas apresentam o que não é, estão informando o que deveria ser. • Elas seguem o senso comum desde os gregos, constituindo uma visão política normativa, doutrinal, que privilegia a noção de justiça.
  • Tommaso Campanella e Francis Bacon • O verdadeiro rompimento com o pensamento político anterior terá início de fato a partir de Maquiavel, que centrou sua crítica contra esse “dever ser”, lançando as bases para o surgimento da ciência política moderna.
  • BIBLIOGRAFIA • CHALITA, Gabriel. Vivendo a Filosofia . São Paulo: Ática, 2012.