• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Simulado ENADE
 

Simulado ENADE

on

  • 24,671 views

Simulado do ENADE desenvolvido e aplicado no curso de Comunicação Social, na habilitação de Publicidade e Propaganda da UMC em 27/08/2009

Simulado do ENADE desenvolvido e aplicado no curso de Comunicação Social, na habilitação de Publicidade e Propaganda da UMC em 27/08/2009

Statistics

Views

Total Views
24,671
Views on SlideShare
24,187
Embed Views
484

Actions

Likes
2
Downloads
182
Comments
1

6 Embeds 484

http://lbonini.wordpress.com 471
http://professoribes.blogspot.com 6
http://www.slideshare.net 4
http://webcache.googleusercontent.com 1
http://www.professoribes.blogspot.com 1
http://www.professoribes.blogspot.com.br 1

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Simulado ENADE Simulado ENADE Document Transcript

    • Prova Simulada do ENADE 2009 – Comunicação Social  Formação Geral  Questão 1  O escritor Machado de Assis (1839-1908), retratou na sua obra de ficção as grandes transformações políticas que aconteceram no Brasil nas últimas décadas do século XIX. O fragmento do romance Esaú e Jacó, a seguir transcrito, reflete o clima político-social vivido naquela época. Podia ter sido mais turbulento. Conspiração houve, decerto, mas uma barricada não faria mal. Seja como for, venceu-se a campanha. (...) Deodoro é uma bela figura. (...) Enquanto a cabeça de Paulo ia formulando essas idéias, a de Pedro ia pensando o contrário; chamava o movimento um crime. — Um crime e um disparate, além de ingratidão; o imperador devia ter pegado os principais cabeças e mandá-los executar. Os personagens a seguir estão presentes no imaginário brasileiro, como símbolos da Pátria. I) II) III) Disponível em: www.morcegolivre.vet.br ERMAKOFF, George. Rio de Janeiro, 1840-1900: Uma crônica ERMAKOFF, George. Rio de Janeiro, fotográfica. Rio de Janeiro: G. Ermakoff Casa Editorial, 2006, 1840-1900: Uma crônica fotográfica. Rio de p. 189 Janeiro: G. Ermakoff Casa Editorial, 2006, p. 38. IV) V) LAGO, Pedro Corrêa do; BANDEIRA, Júlio. Debret e o Brasil: Obra completa LAGO, Pedro Corrêa do; BANDEIRA, Júlio. Debret e o Brasil: Obra completa 1816-1831. Rio de Janeiro: Capivara, 2007, p. 78. 1816-1831. Rio de Janeiro: Capivara, 2007, p. 93. Das imagens acima, as figuras referidas no fragmento do romance Esaú e Jacó são a) I e III. b) I e V. c) II e III. d) II e IV. e) II e V. Questão 2  Quando o homem não trata bem a natureza, a natureza não trata bem o homem. Essa afirmativa reitera a necessária interação das diferentes espécies, representadas na imagem a seguir.
    • Depreende-se dessa imagem a a) atuação do homem na clonagem de animais pré- históricos. b) exclusão do homem na ameaça efetiva à sobrevivência do planeta. c) ingerência do homem na reprodução de espécies em cativeiro. d) mutação das espécies pela ação predatória do homem. e) responsabilidade do homem na manutenção da biodiversidade. Disponível em http://curiosidades.spaceblog.com.br. Acesso em 10 out. 2008. Questão 3  A exposição aos raios ultravioleta tipo B (UVB) causa queimaduras na pele, que podem ocasionar lesões graves ao longo do tempo. Por essa razão, recomenda-se a utilização de filtros solares, que deixam passar apenas certa fração desses raios, indicada pelo Fator de Proteção Solar (FPS). Por exemplo, um protetor com FPS igual a 10 deixa Passar apenas 1/10 (ou seja, retém 90%) dos raios UVB. Um protetor que retenha 95% dos raios UVB possui um FPS igual a: a) 95. b) 90. c) 50. d) 20. Questão 4  CIDADÃS DE SEGUNDA CLASSE? As melhores leis a favor das mulheres de cada país-membro da União Européia estão sendo reunidas por especialistas. O objetivo é compor uma legislação continental capaz de contemplar temas que vão da contracepção à eqüidade salarial, da prostituição à aposentadoria. Contudo, uma legislação que assegure a inclusão social das cidadãs deve contemplar outros temas, além dos citados. São dois os temas mais específicos para essa legislação: a) aborto e violência doméstica. b) cotas raciais e assédio moral. c) educação moral e trabalho. d) estupro e imigração clandestina. e) liberdade de expressão e divórcio. Questão 5  A foto a seguir, da americana Margaret Bourke-White (1904-71), apresenta desempregados na fila de alimentos durante a Grande Depressão, que se iniciou em 1929. Além da preocupação com a perfeita composição, a artista, nessa foto, revela: a) a capacidade de organização do operariado. b) a esperança de um futuro melhor para negros. c) a possibilidade de ascensão social universal. d) as contradições da sociedade capitalista. e) o consumismo de determinadas classes sociais. STRICKLAND, Carol; BOSWELL, John. Arte Comentada: da pré-história ao pós- moderno. Rio de Janeiro: Ediouro [s.d.].
    • Questão 6  CENTROS URBANOS MEMBROS DO GRUPO “ENERGIA-CIDADES” No mapa, registra-se uma prática exemplar para que as cidades se tornem sustentáveis de fato, favorecendo as trocas horizontais, ou seja, associando e conectando territórios entre si, evitando desperdícios no uso de energia. Essa prática exemplar apóia-se, fundamentalmente, na: a) centralização de decisões políticas. b) atuação estratégica em rede. c) fragmentação de iniciativas institucionais. d) hierarquização de autonomias locais. e) unificação regional de impostos. Questão 7  Apesar do progresso verificado nos últimos anos, o Brasil continua sendo um país em que há uma grande desigualdade de renda entre os cidadãos. Uma forma de se constatar este fato é por meio da Curva de Lorenz, que fornece, para cada valor de x entre 0 e 100, o percentual da renda total do País auferido pelos x% de brasileiros de menor renda. Por exemplo, na Curva de Lorenz para 2004, apresentada ao lado, constata- se que a renda total dos 60% de menor renda representou apenas 20% da renda total. De acordo com o mesmo gráfico, o percentual da renda total correspondente aos 20% de maior renda foi, aproximadamente, igual a a) 20%. b) 40%. c) 50%. d) 60%. e) 80%.
    • Questão 8  O filósofo alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900), talvez o pensador moderno mais incômodo e provocativo, influenciou várias gerações e movimentos artísticos. O Expressionismo, que teve forte influência desse filósofo, contribuiu para o pensamento contrário ao racionalismo moderno e ao trabalho mecânico, através do embate entre a razão e a fantasia. As obras desse movimento deixam de priorizar o padrão de beleza tradicional para enfocar a instabilidade da vida, marcada por angústia, dor, inadequação do artista diante da realidade. Das obras a seguir, as que refletem esse enfoque artístico são: I) II) III) Homem idoso na poltrona Rembrandt van Rijn – Louvre, Figura e borboleta Milton Dacosta O grito – Edvard Munch – Museu Munch, Oslo Paris. Disponível em: http://www.unesp.br Disponível em: http://members.cox.net Disponível em: http://www.allposters.com IV) V) Menino mordido por um lagarto Michelangelo Merisi (Caravaggio) National Gallery, Londres Abaporu – Tarsila do Amaral Disponível em: http://vr.theatre.ntu.edu.tw Disponível em: http://tarsiladoamaral.com.br a) I e III. b) I e V. c) II e III. d) II e IV. e) II e V.    
    • Componentes Gerais de Comunicação Social  Questão 9  Leia o texto e assinale a alternativa que expressa corretamente a idéia central do texto. (...) Voltemos a atenção agora para um outro aspecto da televisão: seu caráter monológico. Como todas as formas de quase – interação mediata, a televisão implica um fluxo de mensagem predominantemente de sentido único: os produtores para os receptores. As mensagens que são intercambiadas numa quase – interação televisiva são produzidas na sua maioria esmagadora por um grupo de participantes e transmitidas para um número indefinido de receptores, que têm relativamente poucas oportunidades de contribuir diretamente para o curso e o conteúdo da quase – interação. Há, é claro, algumas avenidas de intervenção abertas aos receptores. Eles podem telefonar ou escrever às companhias de televisão para manifestar apoio ou repúdio a determinados programas. Eles podem formar grupos de pressão na tentativa de influenciar planos de programação. Alguns canais têm programas de “direito à resposta” que permitem a um pequeno número de espectadores selecionados expressarem suas opiniões. Mas, na prática, estas avenidas de intervenção são usadas por muito poucos indivíduos. Para a grande maioria dos receptores a única maneira que eles têm para intervir na quase – interação é na decisão de sintonizar a televisão, de continuar com ela ligada, de prestar algum grau de atenção, de trocar de canal ou de desligá-la quando não tiver nenhum interesse na sua programação. a) o processo comunicacional na televisão não leva em conta o RECEPTOR, apenas os outros elementos: EMISSOR, MENSAGEM, CANAL, REFERENTE, CÓDIGO; b) a complexidade dos produtos midiáticos televisivos impedem que os receptores interajam com a televisão; c) as mensagens televisivas não levam em consideração os receptores, que quase não tem chance de contribuir para o curso e o conteúdo das informações; d) a televisão proporciona uma canal de “diálogo” com o receptor, mas na prática isso não funciona em programas como FAUSTÃO e BBB. e) Interatividade e televisão só acontecerá com o desenvolvimento mais profícuo da HDTV Questão 10  Texto 1 O Google e o Yahoo são duas páginas de busca que auxiliam a navegação na Internet. Dizia-se que o Google foi inspirado no computador da série de TV Jornada nas estrelas , capaz de responder a (quase) qualquer pergunta. A Internet era agora considerada tão comum que as atenções populares se voltaram, na imprensa e outros veículos, em que havia uma crescente demanda por informações, para o cronograma de criação de uma sociedade digital e para a mutável tecnologia das comunicações por telefonia móvel. Assim, ao realizar sua pesquisa sobre o que as pessoas gostavam ou não na BBC, Tessa Jowell fez uma segunda pergunta – o que elas pensavam sobre o papel da emissora na “era digital dos multicanais” (ela deixou de acrescentar “da multimídia”). Texto 2 “Se o Myspace fosse um país seria o 11º maior do mundo. A média de visitas do myspace é de 30 vezes por dia. Há em torno de 2,7 bilhões de buscas no Google por mês. O número de mensagens de texto enviadas e recebidas todos os dias excedem o total da população do planeta.” Com relação a esses assuntos, julgue os itens a seguir. I. A Internet é um repositório de informações poderoso; II. Os mecanismos de busca existentes na Internet possibilitam o encontro da informação de que necessitam com credibilidade e confiabilidade; III. As redes sociais são hoje o grande foco para compartilhar informações atualizadas graças a grande quantidade de usuários e à grande quantidade de acessos; IV. O número de informações existentes no ciberespaço cresce num volume muito maior do que se imagina; V. Ao juntar-se com a telefonia móvel a Internet possibilitou o acesso a interatividade em todos os níveis entre emissores e receptores. Estão corretos apenas os itens: a) I, II e IV; b) II, III e IV; c) I, II e V; d) I, III e IV e) II e IV apenas QUESTÃO 11  A partir dos últimos anos, a mídia digital tem se tornado mais freqüente a) porque o custo tem caído e nesse caso tornado mais acessível às empresas a sua utilização. b) o que cobre uma maior área de abrangência de público, pois qualquer pessoa pode ter acesso a informação. c) pois os recursos estéticos, gráficos e artísticos são melhor definidos, em comparação com as demais mídias convencionais. d) e o público em geral presta mais atenção a mensagem publicitária. e) pois, independente do grau de alfabetização e idade a campanha publicitária é melhor compreendida pela população.
    • QUESTÃO 12  Leia o texto (...) O papel dos jornalistas, homens que colhiam notícias – havia poucas mulheres antes da década de 1890-, e dos editores que as selecionavam, compilavam, apresentavam e interpretavam sempre foi controverso, e essa característica cresceu com o aumento das vendas. Fato ainda mais importante foi o surgimento de uma nova geração de proprietários empreendedores. Nos Estados Unidos, William Randolph Hearst (1863 – 1951) e E. W. Scripps (1854 – 1926) construíram imensas cadeias de jornais. Hearst, que também tinha interesses no cinema, terminou seu dias em um palácio de conto de fadas na Califórnia, não longe de Hollywood, morando com uma estrela de cinema, Marion Davies. Sua história levou Orson Welles a produzir um dos filmes mais fortes de todos os tempos, Cidadão Kane (1941). Os produtos da cadeia de Hearst foram atacados como “imprensa marrom”; os de Scripps, como “liberais e pró – trabalhistas”. Julgue os itens a seguir: I. No século XIX jornalistas e editores eram, em sua maioria homens; II. A compilação, frequentemente duvidosa, das notícias, tinha como objetivo o aumento das vendas; III. O empreendedorismo na mídia nos Estados Unidos culminou com a invenção do cinema; IV. As grandes cadeias de jornais inspiraram Orson Welles a produzir o filme O Cidadão Kane. Assinale a alternativa correta: a) II e IV apenas; b) I, II e III; c) I e IV apenas; d) II, III e IV; e) III e IV apenas. QUESTÃO 13  A semiótica do Território distinguia a coisa de sua representação. No Espaço das mercadorias, ou midiáticos, já não existe coisa, referente, original. A moeda continua a circular, na ausência do padrão – ouro. A melodia ouvida na rádio ou gravada no disco jamais foi cantada como a ouço: trata-se apenas de um efeito de estúdio, só existe na esfera do espetáculo. A imprensa e a televisão criam o acontecimento, produzem a realidade midiática, evoluem em seu próprio espaço em vez de nos enviar os sinais das próprias coisas. A referência só remete à midiasfera. A grande loja do signo, ou o Espetáculo, torna-se uma espécie de super – realidade pela qual toda fala, ou toda imagem, deve passar, caso pretenda ter alguma eficácia. A passagem nos circuitos midiáticos destrona a representação: “Visto na TV"... Na semiótica mercantil, o signo já não representa, ele traça. Já não funciona segundo um corte ordenado na vertical, mas segundo cem linhas de circulação horizontais. O signo já não aponta, aqui, para o sentido ou para o objeto: ele flui, irradia, difunde, propaga-se, clona-se, prolifera. Já não é um representante com o crédito de uma transcendência, mas um vírus, trabalhando para se reproduzir, competindo em velocidade com outros vírus para ocupar o espaço midiático. A circulação dos signos torna-se exterior às necessidades vitais do sentido, assim como às hierarquias da transcendência; ela incha, embala-se, decresce bruscamente, instala-se sobre vigias provisórias, corre em direção ao acontecimento, à diferença, anulando-a, busca novas diferenças e as linhas mais íngremes em uma paisagem midiática sempre em movimento. Julgue os itens: I. O espaço midiático é povoado de signos e objetos dentro do qual circula uma moeda chamada informação; II. O signo no espaço midiático é um espetáculo, uma realidade paralela, diferente da realidade mesma; III. A proliferação do signo no espaço midiático proporciona um acelerado crescimento de novos signos e novos significados. Assinale a alternativa correta: a) I e III; b) I e II; c) I, II e III; d) II apenas; e) II e III Questão 14  Para François Chesnais a globalização é “... bem mais que uma fase suplementar do processo de internacionalização do capital industrial... Estamos diante de um novo modo de funcionamento sistêmico do capitalismo mundial, ou em outros termos, de uma nova modalidade de regime de acumulação sob a égide financeira...”. Diante do trecho anterior podemos entender que a globalização é: a) um modo capitalista de lucratividade nunca visto em seu enorme acumulo de riqueza sob a direção das indústrias e do mercado produtivo b) uma fase decisiva do capitalismo que em sua forma industrial se iguala a financeira gerando no mundo um processo de internacionalização da comercialização c) não é mais uma fase do capitalismo e sim um novo modo de acumulação através, principalmente, do mercado bancário e do jogo internacional de bolsas de valores e ações diversas. d) é simplesmente o capitalismo com seu comercio, indústria e mundo financeiro que sempre internacionalizou o mundo e) nenhuma resposta anterior
    • Questão 15  Eugênio Bucci, em texto sobre a televisão, afirma: “... antes, o cidadão do país via a tela e ali se reconhecia --- constituia- se sujeito dentro de um espaço que era mediado pela tela --- e hoje ele se reconhece integrante e integrado num novo âmbito imaginário que suplanta aquele primeiro espaço público nacional”. Diante do trecho anterior podemos reconhecer que a imagem televisiva nos conduz: a) a entender melhor o mundo em que estamos com mais informação e divertimento, sem intermediações de linguagens da própria TV. b) a entender que o fenômeno da TV nos conduz a uma alienação total c) a perceber que a construção da cidadania é uma conseqüência da existência da própria TV onde a imaginação ocupa um lugar decisivo d) a perceber que estamos integrados de tal forma ao mercado, onde a TV ocupa um lugar decisivo, muito além de um espaço público nacional. e) Todas as alternativas anteriores Questão 16  Para além da atração estética, qual a finalidade do discurso visual nas páginas impressas? Cite 5 elementos que constituem a sua sintaxe. O discurso gráfico reforça e complementa o discurso verbal, devendo, portanto, ser coerente com este. Sua sintaxe é constituída, entre outros elementos, por tipologia e tipometria, peso, cor, arranjo gráfico (simetria ou assimetria), suporte, formatos, posicionamento dos elementos na página (hierarquia) etc. Nos modernos processos de produção gráfica, os padrões de cor RGB e CMYK são aplicáveis em etapas distintas do processo. Os padrões adequados para as etapas de captação, diagramação e impressão, nesta ordem, são: a) RGB / CMYK / CMYK b) CMYK / CMYK / CMYK c) RGB / CMYK / RGB d) RGB / RGB / CMYK e) CMYK / RGB / RGB Questão 17   Considerando o artigo 5º, inciso X, da Constituição Federal, que determina: “são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito à indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação”; é vedado ao profissional de comunicação: I. Publicar a imagem das pessoas sem prévio consentimento das mesmas, ainda que capturadas em espaços públicos; II. Utilizar-se de recursos tecnológicos, como lentes de longo alcance e câmeras escondidas, para capturar imagens da pessoa em seu ambiente privado e publicá-las sem o seu consentimento; III. Publicar imagens autorizadas da pessoa, porém fora do contexto original, propiciando uma interpretação prejudicial à pessoa. IV. Capturar e publicar a imagem da pessoa em locais públicos, quando estas estiverem em situação vexatória ou comprometedora. Estão corretas: a) II. b) I, III e IV c) I e IV d) II, III e IV e) II e III Questão 18  A internet é, sem dúvida nenhuma, o meio de comunicação de massa que mais cresce no mundo. O que até pouco tempo era considerado como um meio elitizado ou para jovens, hoje, alcança os mais variados perfis demográficos. Isso ocorre por vários motivos, mas entre eles, os mais evidentes são: Queda no valor para a compra dos computadores pessoais e o grande número de lan-houses gerando a oportunidade de acesso ao consumidor de baixa renda. Através desse cenário, o Brasil possui grande representatividade digital em volume de internautas e tempo de navegação mensal. Conforme as informações apresentadas sobre o retrato digital do país, o Brasil se posiciona em relação ao mundo, sendo: a) 3º país do mundo em número de acessos e 6º em tempo de navegação. b) 5º país do mundo em número de acessos e 2º em tempo de navegação. c) 7º país do mundo em número de acessos e 1º em tempo de navegação. d) 1º país do mundo em número de acessos e 4º em tempo de navegação. e) 8º país do mundo em número de acessos e 5º em tempo de navegação.
    • QUESTÃO 19  Tendo em vista a construção da idéia de sustentabilidade mundial, o argumento da personagem expressa: a) A fragilização do multiculturalismo global. b) A afirmação da atuação local. c) O ressurgimento do fundamentalismo local. d) O esfacelamento da unidade do território nacional. e) O fortalecimento do separatismo estadual. Questão 20  O que ocorre é que a migração redefine as formas de relações sociais criando redes diferenciadas – locais, nacionais e transnacionais - e alterando os aspectos da cotidianidade. No novo contexto, são criadas relações com a comunidade local mas também são articuladas novas formas de contato com a comunidade de origem. Isso provoca ainda a alteração nos “mapas cognitivos e nas configurações geoantrópicas”, ou seja, o ser e o estar dos indivíduos se reterritorializa, se remanifesta. As movimentações humanas projetam diversas possibilidades de relacionamentos, desde o familiar até o comunitário. Desses derivam uma série de compromissos que implica em uma ação na sociedade voltada para a satisfação da necessidade própria e familiar e, muitas vezes, para atender necessidades da coletividade. Nesse processo acabam ocorrendo divergências e as recriações culturais, manifestadas em movimentos de reterritorialização ou em um novo enraizamento. Com este parágrafo podemos dizer que: a) As migrações desestruturam a idéia de uma comunidade múltipla global. b) Com as migrações ocorre uma configuração multicultural com diversas possibilidades de relações e formação de grupos com interesses específicos com atuações coletivas. c) A comunidade depende dos objetivos comuns que cada grupo define, independente dos movimentos humanos. d) As migrações estimulam grupos individualizados e sem identidade própria. e) O enraizamento só é possível quando não há migração. QUESTÃO 21  Leia o texto para assinalar a alternativa CORRETA com relação ao texto: INFORMAÇÃO “PRODUTO” Segundo Aurélio Buarque, produto na essência da palavra quer dizer: “o que é produzido pela natureza, resultado de qualquer atividade humana, receita, consequência, o resultado de uma multiplicação”. Daí chega-se a conclusão: a informação é tudo isso junto, portanto é um produto raro que precisa ser produzido com muita responsabilidade. O consumidor tem um perfil que difere de pessoa para pessoa, mas todo, indistintamente, consomem esse “produto”. José Manuel Moran, em Como ver televisão – leitura crítica dos meios de comunicação, define: “a informação na televisão é um produto – visto do lado da indústria cultural – e um bem social – visto do lado da sociedade”. O mesmo autor fala ainda que, como produto, existem fatores estruturais, conjunturais e industriais que interferem na escolha das notícias. Diz ainda que um acontecimento só existe socialmente se for comunicado, transmitido aos outros. Informar é recortar fragmentos da realidade... a) A informação é um produto, um bem cultural e social, mas como produto é fruto de indústria que se preocupa apenas com o consumo; b) Cada consumidor consome um produto de maneira diferente o que não significa que a televisão respeite esse perfil; c) A escolha das notícias deve ser criteriosa e responsável a fim de que se possa dar existência a um acontecimento numa comunidade; d) A televisão transmite apenas fragmentos da realidade, por isso o que o consumidor deste produto acredita é que o mundo apresentado pela tevê é o mundo real; e) Os produtos midiáticos são considerados produtos olhando pelo lado da indústria cultural e um bem social, olhando-se pelo lado da sociedade, por isso precisam ser produzidos com responsabilidade. QUESTÃO 22  “Há hoje uma clara partição entre o cinema de mercado brasileiro e o cinema de empenho cultural brasileiro. Alguns exemplares, raros, conseguem trafegar nas duas faixas. É o caso já citado de Cidade de Deus (3,4 milhões de espectadores),
    • Carandiru (4,5 milhões), Auto da Compadecida (2,1 milhões) e pouco mais. E há outros filmes que podemos chamar de populares e de boa qualidade, como Cazuza, o tempo não pára (Sandra Werneck e Walter Carvalho), com 3 milhões de espectadores, e Dois Filhos de Francisco (Breno Silveira), com 5,3 milhões, que atingem faixas muito grandes de público e agradam a várias camadas sociais e de escolaridades diferentes, sem por isso perderem a integridade. [...] De maneira geral, a postura dos cineastas já se divide de antemão [...] Guerra travada, basicamente, entre setores da classe cinematográfica que defendem o financiamento de filmes mais caros, pois estes seriam interessantes para o mercado, e os que acreditam mais no cinema de baixo custo, os chamados BOs (baixos orçamentos), que permitem maior pluralidade de títulos, acesso, mais democrático aos poucos recursos disponíveis e obras com maior liberdade para experimentar. [...] O fato é que a comunicação com o público é mesmo um dado que não pode ser negligenciado. Não é pelo fato de o cinema brasileiro ser, quase em sua totalidade, feito com dinheiro de renúncia fiscal, isto é, público, que possa se dar ao luxo de ignorar a recepção social.” (Luiz Zanin Oricchio – Cinema Brasileiro Contemporâneo (1990-2007). – Cinema mundial contemporâneo. Mauro Baptista e Fernando Mascarello, organizadores. Papirus Editora, Campinas, SP. 2008.) Com base nas argumentações acima, podemos afirmar que: a) O mercado cinematográfico brasileiro funciona de forma uniforme, organizada e com bons resultados. b) Os filmes nacionais focados em nichos específicos de mercado são os que obtêm melhor desempenho nas bilheterias. c) A indústria brasileira de filmes tem forte dependência de financiamento público para suas produções. d) A boa recepção do público depende exclusivamente do alto custo de produção de um filme. e) A a) e c) estão corretas QUESTÃO 23   Quanto à iluminação realizada com vistas à telecinagem: [...] “Se na fotografia de um rosto houver um mínimo de contraste entre a parte iluminada e aquela que está na sombra, é possível fazer qualquer coisa deste contraste: aumentá-lo até termos uma imagem com alto-contraste, em que a sombra é negra e a luz branca. Se ao contrário você quiser baixar o contraste da foto original, pode, na telecinagem, transformar essa mesma foto em uma foto em High Key, em que não há diferença em alta ou baixa luz. Por outro lado se não houver contraste no original, não haverá mais em lugar nenhum. Nem na telecinagem, nem na terra e nem no céu” [...] Assinale a alternativa correta: a) O processo de telecinagem implica em que na pós-produção da obra cinematográfica elementos de construção da linguagem cinematográfica não estabelecidos no processo de produção sejam inseridos, Mesmo aqueles relacionados ao contraste e a iluminação. b) O processo de telecinagem diz respeito exclusivamente ao excesso de iluminação em na fotografia de um filme e existe para fazer correções nesta fotografia para a distribuição do filme para ser veiculado em TV. c) A telecinagem faz parte do processo de pré-produção de um filme. Mais específicamente a determinação de quais as características de iluminação a serem desenvolvidas pelo diretor de fotografia. d) A referência feita à existência de contraste no original permitir variações após a telecinagem ocorre por ocasião da existência de informação em iluminação no original que pode ser manipulada em oposição a falta dela no caso de não estar presente no original e, portanto não pode ser inserida posteriormente por meio da técnica de telecinagem. e) As propostas três e quatro estão corretas, já que tratam do excesso e falta de iluminação estabelecidas durante a produção de um filme. Texto relativo as questões 24 e 25  IAB sugere ao Cenp novas regras para agências digitais Entidade interativa também pede ao Google o fim do assédio direto aos anunciantes O IAB Brasil (Interactive Advertising Bureau) entrega nas próximas semanas ao Conselho Executivo das Normas-Padrão (Cenp) um documento com sugestões para que as agências interativas sejam mais bem contempladas pelas regras da entidade que regulamenta as relações comerciais do mercado brasileiro. O atual texto do Cenp é considerado superficial no que se refere às mídias digitais. Mesmo com a flexibilização das regras e o esforço do Cenp para atrair agências especializadas nos últimos anos, o número atual de interativas certificadas é considerado irrisório pelo IAB. As empresas de comunicação gostariam que o CENP regule as relações entre agencia e o Google e para as agencias digitais. Toda vez que se fala de regulamentação alguns críticos tecem comentários que os setores não necessitam de regulamentação, já que o próprio sistema, ou seja as empresas, fazem isso automaticamente, ferindo assim a liberdade das empresas. QUESTÃO 24   Baseado nas informações constantes no texto acima, assinale a alternativa correta: a) As empresas de comunicação não devem se ater ao código de ética da categoria, já que ele não representa a opinião da maioria;
    • b) Os códigos de ética são documentos elaborados por pessoas que não tem nenhuma ligação com o mercado c) As regulamentações criadas pelos órgãos de controle, permitem que o mercado avalie e fique atento ao que está ocorrendo, adequando-se as novas realidades do mercado d) Regulamentos dos órgãos reguladores só servem para que o governo interfira nas empresas. e) As empresas devem criar o seu próprio código de ética, desconsiderando o que o mercado acredita. QUESTÃO 25  Quando se discute as relações de mercado entre consumidores, agência, empresas de comunicação e veículos, existe uma questão premente do que é ética e o que são relações de confiança entre esses públicos e o que é permitido ou o que é “criativo”. No seu entender, os valores dos receptores das mensagens, devem: a) Ser desconsiderados e a criatividade da mensagem prevalecer. b) O criativo deve pensar em como fazer algo diferente e o receptor se adaptar a isso, mesmo que possa ferir os valores desse receptor. c) As mensagens dirigidas a esses receptores devem estar alinhadas aos usos e costumes vigentes naquele momento, respeitadas também as características regionais. d) Se o criativo for considerar o que o público pensa, jamais conseguirá criar nada novo, pois o que interessa é chocar o receptor, e isso dá resultado na comunicação. e) O receptor deve analisar o que está recebendo de mensagem e analisar somente sobre sua ótica particular, reclamando sempre que estiver em desacordo com a mensagem recebida. Questão 26  A publicidade de alimentos com quantidades elevadas de açúcar, gordura e/ou sódio e de bebidas com baixo teor nutricional volta a ser debatido em Brasília na semana que vem. Na quinta-feira, 20, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) realiza uma audiência pública sobre o assunto, da qual devem participar entidades, empresas e organizações interessadas no assunto. A Anvisa mantém o tema em sua agenda com a intenção de que ela seja regulamentada até o fim deste ano. Qual deve ser o papel do estado na questão da regulamentação? a) É papel do estado avaliar o que as empresas comercializam e fazem propaganda b) A sociedade tem mecanismos de ajuste e não precisam da intervenção dos estado. c) O estado tem coisas mais importantes para planejar do que ficar pensando em publicidade de alimentos. d) Se a sociedade não tem ferramentas adequadas de controle, cabe ao estado criar essas regulamentações evitando que as empresas tragam malefícios para a saúde das pessoas. e) O estado age sob demanda da sociedade e do poder público, agindo sempre que necessário. Questão 27  A Manjaque — uma rede internacional de restaurantes — está estudando a viabilidade de se instalar num país cujos hábitos desconhece totalmente. Uma pesquisa preliminar apontou os atributos “grau de condimentação” e “grau de sofisticação” da comida como determinantes das preferências locais. A Manjaque é mundialmente conhecida por seguir a linha de comida pouco sofisticada e fortemente condimentada. Antecipando os possíveis resultados de uma próxima pesquisa, que vai indicar a magnitude e a dispersão das preferências nacionais, a Manjaque imagina as três possibilidades seguintes: A Manjaque provavelmente decidirá se instalar no novo país se as preferências nacionais forem bem descritas pelo: a) Gráfico II — caso em que haverá uma ferrenha concorrência no seu segmento. b) Gráfico III — caso em que pode esperar concorrentes que atendam tanto ao seu segmento quanto a segmentos distintos. c) Gráfico I — caso em que deve esperar concorrentes por todo o espaço. d) Gráfico II — caso em que não iria contar com concorrentes no seu segmento. e) Gráfico I — caso em que deve esperar uma intensa concorrência no seu segmento.
    • Questão 28  “Há hoje uma clara partição entre o cinema de mercado brasileiro e o cinema de empenho cultural brasileiro. Alguns exemplares, raros, conseguem trafegar nas duas faixas. É o caso já citado de Cidade de Deus (3,4 milhões de espectadores), Carandiru (4,5 milhões), Auto da Compadecida (2,1 milhões) e pouco mais. E há outros filmes que podemos chamar de populares e de boa qualidade, como Cazuza, o tempo não pára (Sandra Werneck e Walter Carvalho), com 3 milhões de espectadores, e Dois Filhos de Francisco (Breno Silveira), com 5,3 milhões, que atingem faixas muito grandes de público e agradam a várias camadas sociais e de escolaridades diferentes, sem por isso perderem a integridade. [...] De maneira geral, a postura dos cineastas já se divide de antemão [...] Guerra travada, basicamente, entre setores da classe cinematográfica que defendem o financiamento de filmes mais caros, pois estes seriam interessantes para o mercado, e os que acreditam mais no cinema de baixo custo, os chamados BOs (baixos orçamentos), que permitem maior pluralidade de títulos, acesso, mais democrático aos poucos recursos disponíveis e obras com maior liberdade para experimentar. [...] O fato é que a comunicação com o público é mesmo um dado que não pode ser negligenciado. Não é pelo fato de o cinema brasileiro ser, quase em sua totalidade, feito com dinheiro de renúncia fiscal, isto é, público, que possa se dar ao luxo de ignorar a recepção social.” Com base nas argumentações acima, podemos afirmar que: a) O mercado cinematográfico brasileiro funciona de forma uniforme, organizada e com bons resultados. b) Os filmes nacionais focados em nichos específicos de mercado são os que obtêm melhor desempenho nas bilheterias. c) A indústria brasileira de filmes tem forte dependência de financiamento público para suas produções. d) A boa recepção do público depende exclusivamente do alto custo de produção de um filme. e) Todas as alternativas anteriores estão corretas Questão 29  O Ministério da Cultura tem estimulado o desenvolvimento das potencialidades culturais nas diversas comunidades em todo o país. Por meio da criação de Pontos de Cultura – o objetivo é chegar a 5 mil até 2010 – fomenta a organização popular e o desenvolvimento de atividades como música, pintura, dança, teatro, circo, fotografia, produção audiovisual, etc. Essas organizações não têm fins lucrativos e visam a melhoria da qualidade de vida das comunidades, complementando a formação e induzindo a produção coletiva do conhecimento. Sobre esse tipo de iniciativa é possível afirmar que: a) Promove o desenvolvimento humano e capacita profissionalmente para o mercado comunicacional. b) Promove o desenvolvimento da comunidade para a produção cultural e a construção de políticas públicas de artes e espetáculos. c) Promove a identidade comunitária e cidadã por meio da produção cultural local, ao mesmo tempo em que oferece condições de capacitação técnica-profissional. d) Promove o desenvolvimento do país de forma organizada e progressista. e) É um projeto que faz parte do sistema de cotas para os excluídos da educação formal. Questão 30  Com fundamento na teoria psicanalítica, a popularidade de programas como 'Brasil Urgente' é, entre outros fatores, devida: a) à qualidade do trabalho dos técnicos que os produzem; b) à riqueza de detalhes das telerreportagens, característica esta que atrai pessoas cujo interesse está centrado na vida de celebridades; c) a um mecanismo inconsciente cuja função é projetar na tela as próprias frustrações para evitar a angústia de ter que assumí-las; d) a uma frustração de caráter sexual; e) Todas as anteriores estão incorretas
    • Componentes Específicos de Publicidade  Questão 31  Pedro é proprietário de uma indústria de resistências para chuveiros elétricos. Suas vendas começaram a cair depois que os consumidores passaram a economizar energia em virtude do racionamento de energia elétrica decretado pelo governo. Ele pretende montar uma ação de comunicação para aumentar as suas vendas. Você foi contratado para desenvolver uma solução de comunicação compatível com essa demanda. Levando em conta a situação acima apresentada, redija um projeto de comunicação que contemple: planejamento, escolha da mídia, definição de público-alvo e resultados esperados. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Questão 32  Profissionais de comunicação, vêem-se com freqüência, diante de dilemas éticos, tais como no caso em que um editor decida publicar a transcrição de conteúdos de gravações telefônicas que incriminem uma autoridade pública, mesmo sabendo que essas gravações constituem segredo de justiça. Levando em conta a sua formação profissional no campo da Comunicação Social, redija um texto argumentativo, posicionando-se acerca da seguinte assertiva. A ética utilitarista justifica os meios quando os fins são expressos por usufrutos coletivos. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Questão 33  Como todos sabem, não existe este tipo de coisa chamada net.radio, mas uma variedade de idéias e experiências em torno do som na Internet. (1.º Encontro Internacional de Projetos Experimentais. Berlim, 1998.) Considerando a afirmação acima e as características intrínsecas ao veículo rádio, tais como instantaneidade, mobilidade, baixo custo de produção e dos equipamentos e de recepção, e a não-exigência de alfabetização digital para compreensão de suas mensagens, redija um texto argumentativo respondendo, de forma justificada, à seguinte questão. Existe rádio na Internet? 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Questão 34  MODERNIZADA E COM PREMIAÇÃO MAIOR, PROMOÇÃO BEBÊ JOHNSON’S ESTÁ DE VOLTA
    • Aos pais interessados em ver o rostinho de seus filhos nas campanhas do Bebê Johnson’s , a chance está de volta. Apesar da promoção ser a mesma, os tempos são outros. Agora, no lugar das cartas com fotos, os participantes deverão postar os vídeos de suas crianças no site YouTube. Os vencedores serão estrelas das peças publicitárias da linha Jonhson’s Baby. Para realizar o cadastro, através de www.bebejohnson.com.br, os pais devem adquirir dois produtos participantes da marca, sendo um deles o Shampoo Johnson's baby, e indicar uma criança de até dois anos. Para finalizar, basta responder a uma pergunta da promoção. A Johnson’s investiu mais de R$ 10 milhões na ação e a premiação já pode acontecer no ato da inscrição online, pois 180 vales-compra no valor de R$ 400 serão distribuídos instantaneamente para aquisição de produtos da loja da promoção na internet. Para o prêmio principal, três automóveis serão sorteados, separadamente, durante os meses de agosto, setembro e outubro. Sob o tema A hora do banho, 12 vídeos inscritos pelo site www.youtube.com/johnsonsbaby serão selecionados entre 28 de agosto e 4 de outubro para a fase semifinal e ganharão kits com produtos da marca. A votação aberta ao público para eleger o vencedor vai de 5 a 26 de outubro. A promoção contará com divulgação em pontos-de-venda, mídia impressa e TV. Os bebês vencedores aparecerão junto de suas mães na campanha, que tem criação da agência Babel. A partir do dia 13 de agosto, o programa Hoje em dia, da Rede Record, exibirá 16 programetes da campanha com conteúdo voltado ao universo dos bebês. (Informações enviadas por assessoria de imprensa e postadas, sob adaptação, por Bruno Castro.) Tendo em vista o texto da Johnson’s responda as seguintes questões: Qual foi o planejamento necessário para que a Johnson’s relançasse a campanha do bebe Johnson. Analise as ferramentas de marketing e comunicação empregadas na campanha. Analise o planejamento de mídia e sugira outras possibilidades. Justifique suas escolhas. Avalie a estratégia do concurso dos vídeos e qual os objetivos focados pela empresa. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15