Your SlideShare is downloading. ×
0
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Brasil segundo reinado

10,932

Published on

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
10,932
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
324
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Segundo Reinado (1840 – 1889)
  • 2. Política Interna
  • 3. Política Interna <ul><li>Golpe da Maioridade (1840) </li></ul><ul><li>Liberais no Poder </li></ul><ul><li>Antecipar a Maioridade do Imperador </li></ul><ul><li>Conter rebeliões </li></ul><ul><li>Estabilizar a crise política </li></ul><ul><li>D. Pedro II: 23/07/1840  14 /15 anos </li></ul><ul><li>Ministério dos Irmãos: </li></ul><ul><li>Andradas; Coutinho; Cavalcante (Liberais) </li></ul><ul><li>X </li></ul><ul><li>Oposição da Câmara dos Deputados (Conservadores) </li></ul><ul><li>Novas eleições para a Câmara </li></ul><ul><li>Eleições do Cacete: </li></ul><ul><li>Fraudes e violência nas eleições para a vitória dos Liberais </li></ul>
  • 4. Política Interna <ul><li>Partidos: </li></ul><ul><li>Conservadores e Liberais: </li></ul><ul><li># Grandes Proprietários Escravistas </li></ul><ul><li># Domínio do Poder </li></ul><ul><li># Antidemocráticos </li></ul><ul><li># Antipopulares </li></ul><ul><li>(“farinha do mesmo saco”) </li></ul><ul><li>Crescimento das Oligarquias Cafeeiras de SP, RJ, MG </li></ul><ul><li>Ministério Conservador: </li></ul><ul><li>Conselho de Estado </li></ul><ul><li>Reforma do Código de Processo Criminal </li></ul><ul><li>Reorganização da Guarda Nacional (diminuir força) </li></ul><ul><li>Centralização Jurídica </li></ul>
  • 5. Política Interna <ul><li>Reações Liberais (1842) </li></ul><ul><li>SP (Sorocaba): Feijó e Tobias Aguiar </li></ul><ul><li>MG (Barbacena): Teófilo Otoni </li></ul><ul><li>Repressão por Duque de Caxias </li></ul><ul><li>Parlamentarismo às Avessas: Imperador escolhe o 1º Ministro e este o Conselho de Ministros </li></ul><ul><li>Ministério das Conciliações (Marquês de Paraná): alternância de Conservadores e Liberais </li></ul>Tobias Aguiar Feijó
  • 6. Política Interna <ul><li>Revolução Praieira (1848-1849) Pernambuco </li></ul><ul><li>Fatores: </li></ul><ul><li># Liberais Radicais </li></ul><ul><li># Contra latifundiários (usam 10% das terras) </li></ul><ul><li># Contra comerciantes portugueses </li></ul><ul><li># Revoluções liberais européias de 1848 </li></ul><ul><li># Miséria, fome, falta de terra p/ população </li></ul><ul><li>Partido da Praia </li></ul><ul><li>Partido Liberal  idéias de Justiça social no jornal Diário Novo </li></ul><ul><li>Sede do Jornal na Praia  Partido da Praia </li></ul><ul><li>Idéias: </li></ul><ul><li># Fim do voto censitário </li></ul><ul><li># República </li></ul><ul><li># Liberdade de Imprensa </li></ul><ul><li># Fim dos privilégios aos comerciantes estrangeiros </li></ul><ul><li># Problemas Políticos Locais (eleições) </li></ul><ul><li>Cavalcantis </li></ul><ul><li>Antônio Borges da Fonseca e Nunes Machado </li></ul><ul><li>“ Influência do Socialismo Utópico” </li></ul><ul><li>Pedro Ivo + Populares: atacam o Recife </li></ul><ul><li>Repressão violenta, mas revoltosos anistiados </li></ul>
  • 7. Economia
  • 8. Economia <ul><li>Tarifa Alves Branco (1844): </li></ul><ul><li>Até 1844: 15% Ad Valorem para os produtos ingleses (tratados de 1810 e renovados no 1º Reinado) </li></ul><ul><li>Crise financeira: </li></ul><ul><li># impostos maiores </li></ul><ul><li># parcela da arrecadação do governo </li></ul><ul><li>Ministro da Fazenda Manuel Alves Branco </li></ul><ul><li>Não renova tratados com Inglaterra </li></ul><ul><li>Taxação dos produtos em 30% (média) </li></ul><ul><li>Acertar o déficit e estimular a Indústria Fabril com os capitais nacionais no mercado interno </li></ul><ul><li>Bill Aberdeen (1845) </li></ul><ul><li>Inglaterra pressiona para a abolição dos Escravos </li></ul><ul><li>Mercados consumidores </li></ul><ul><li>(Revolução Industrial) </li></ul><ul><li>Lei que autoriza a marinha inglesa aprisionar qualquer navio negreiro, de qualquer país, mesmo em águas territoriais de outra nação. </li></ul><ul><li>Escravos seriam “libertos” </li></ul><ul><li>Navios negreiros apresados pela Inglaterra </li></ul><ul><li>Tarifa Silva Ferraz </li></ul><ul><li>(Privilégios Produtos Ingleses) </li></ul>Alves Branco Silva Ferraz Máquina Cunhar Moedas
  • 9. Leis Abolicionistas <ul><li>1831: Lei Barbacena </li></ul><ul><li>Abolição do Tráfico de Escravos (Regente Feijó) </li></ul><ul><li>1850: Lei Eusébio de Queirós </li></ul><ul><li>1866: Abolição para os Escravos aptos para o serviço militar </li></ul><ul><li>(Guerra do Paraguai) </li></ul><ul><li>1871: Lei Visconde do Rio Branco </li></ul><ul><li> (Ventre Livre) </li></ul><ul><li>1885: Lei Saraiva-Cotegipe (Sexagenários) </li></ul><ul><li>1888: Lei Áurea </li></ul><ul><li>(Princesa Isabel) </li></ul>
  • 10. Economia <ul><li>Café: </li></ul><ul><li>Histórico: </li></ul><ul><li>Origem da produção e consumo: Etiópia e Península Arábica </li></ul><ul><li>Europa com as Invasões e Cruzadas </li></ul><ul><li>Pará / Maranhão: </li></ul><ul><li>Francisco de Mello Palheta </li></ul><ul><li>Com a Mineração e o Gado: </li></ul><ul><li>Centro – Sudeste </li></ul><ul><li>Família Real: crescimento nas regiões vizinhas ao Rio de Janeiro </li></ul><ul><li>1830: crescimento da cultura do Vale do Paraíba </li></ul><ul><li>1850: Oeste Paulista </li></ul><ul><li>(Lei das Terras) </li></ul><ul><li>Senador Nicolau Pereira Campos Vergueiro: </li></ul><ul><li># Fazenda Ibicaba </li></ul><ul><li># Imigrantes (alemães e italianos) </li></ul>
  • 11. Economia <ul><li>Fatores de Incentivo ao Café: </li></ul><ul><li>Procura européia </li></ul><ul><li>Ausência de concorrentes </li></ul><ul><li>Vinda da Família Real </li></ul><ul><li>Tarifa Alves Branco </li></ul><ul><li>Lei Eusébio de Queirós (capitais redirecionados para o mercado interno) </li></ul><ul><li>Mão-de-obra: </li></ul><ul><li># Vale do Paraíba: Trab. Escravo </li></ul><ul><li># Oeste Paulista: Trab. Assalariado (imigrantes) </li></ul><ul><li>(Houve convivência do trabalho imigrante com o escravo) </li></ul>
  • 12. Economia <ul><li>Café: </li></ul><ul><li>1ª Fase: 1852 - 1869 </li></ul><ul><li>Patrocínio de Particulares </li></ul><ul><li>Regime de Parceria </li></ul><ul><li>Regime de servidão disfarçada </li></ul><ul><li>2ª Fase: 1870 - ... </li></ul><ul><li>Governo subvenciona a Imigração </li></ul><ul><li>Grande fluxo imigratório </li></ul><ul><li>Parceria e Salário </li></ul><ul><li>Imigrantes: </li></ul><ul><li># M.d.O mais especializada </li></ul><ul><li># Mercado Interno </li></ul><ul><li># Branqueamento da População </li></ul><ul><li># Bill Aberdeen (1845) </li></ul><ul><li># Unificações Européias </li></ul>
  • 13. Economia <ul><li> Conseqüências da Cafeicultura: </li></ul><ul><li>Deslocamento do eixo econômico do Nordeste para o Sudeste </li></ul><ul><li>Nova elite empresarial </li></ul><ul><li>Deslocamento de uma sociedade escravista para uma sociedade não escravista </li></ul><ul><li>(mão-de-obra assalariada) </li></ul><ul><li>Aumento do mercado interno </li></ul>
  • 14. Economia <ul><li>Surto Industrial (Era Mauá): </li></ul><ul><li>Tarifa Alves Branco </li></ul><ul><li>Leis Abolindo o Tráfico Negreiro </li></ul><ul><li>Relocar de Verbas: </li></ul><ul><li>comércio e Indústria </li></ul><ul><li>Desenvolvimento dos Meios de Comunicação e Transportes </li></ul><ul><li>1830 e 1860: </li></ul><ul><li>Surgimento de 70 fábricas </li></ul><ul><li># Chapéus </li></ul><ul><li># Tecidos (algodão). </li></ul><ul><li># Sabão </li></ul><ul><li># Cerveja </li></ul><ul><li># Motores hidráulicos / vapor </li></ul><ul><li>Surgimento de Bancos, companhias de Navegação, Mineradoras, Estradas de Ferro </li></ul>Mauá
  • 15. Economia <ul><li>Irineu Evangelista de Souza </li></ul><ul><li>(Barão de Mauá) – 1845 </li></ul><ul><li># $ dos Cafeicultores </li></ul><ul><li> (Relocar $ do Tráfico Negreiro) </li></ul><ul><li># Empresas (05 países): </li></ul><ul><li>1. Estaleiro (Ponta da Areia): Barcos a vapor </li></ul><ul><li>2. Transportes  ferrovias </li></ul><ul><li>3. Gasômetro </li></ul><ul><li>4. iluminação a Gás </li></ul><ul><li># Cabo telegráfico submarino (Brasil-Europa) </li></ul><ul><li># Banco Mauá &amp; Cia </li></ul>
  • 16. Economia <ul><li>Queda de Mauá: </li></ul><ul><li>1860: Substituição da Tarifa Alves Branco pela Tarifa Silva Ferraz </li></ul><ul><li>(redução das taxas de importação) </li></ul><ul><li>Pressões Inglesas </li></ul><ul><li>Falta de apoio do governo </li></ul><ul><li>Guerra do Paraguai </li></ul><ul><li>Surto da Borracha (1870-1910): </li></ul><ul><li>Região Norte: Látex (Seringais) </li></ul><ul><li>Procura do Mercado Internacional (Rev. Industrial) </li></ul><ul><li>Seca de 1870 (Nordeste): migração para a Região dos Seringais </li></ul>
  • 17. Política Externa
  • 18. Política Externa <ul><li>Questão Christie (1861-1865) </li></ul><ul><li>Rompimento das relações entre Brasil e Inglaterra </li></ul><ul><li>1861: Príncipe de Gales (navio Inglês) </li></ul><ul><li>Roubo da carga no Rio Grande do Sul </li></ul><ul><li>1862: 03 marinheiros ingleses presos por desordens no Rio de Janeiro </li></ul><ul><li>Embaixador Britânico W. D. Christie: </li></ul><ul><li># Indenização 3200 Libras </li></ul><ul><li># Punição dos responsáveis pela prisão dos Marinheiros </li></ul><ul><li># Aprisionamento de 05 navios brasileiros em Londres </li></ul><ul><li>Arbitramento Internacional: </li></ul><ul><li> Leopoldo II (Bélgica) </li></ul><ul><li># Parecer favorável ao Brasil </li></ul><ul><li># Inglaterra não aceita decisão </li></ul><ul><li># Rompimento das Relações </li></ul><ul><li>1865: pedido de desculpas formais Inglesas (Eduardo Thornton) e reatamento das relações com a Inglaterra. </li></ul>D. Pedro II diz “Não” a Inglaterra
  • 19. Política Externa <ul><li>Questões Platinas (1851 – 1870) </li></ul><ul><li>Ação expansionista do Brasil na região do Prata, envolvendo-se em campanhas militares </li></ul><ul><li>O Brasil exerce influências no Uruguai através do Partido Colorado </li></ul><ul><li>Manuel Oribe, no Uruguai (1851) </li></ul><ul><li>Juan Manuel Rosas, na Argentina (1852) </li></ul><ul><li>Atanásio Cruz Aguirre, no Uruguai (1864) </li></ul><ul><li>Francisco Solano Lopes, no Paraguai (1865-1870) </li></ul>Mitre Solano Lopes
  • 20. Política Externa <ul><li>Guerra do Paraguai (1865-1870) </li></ul><ul><li>Fatores: </li></ul><ul><li>Política externa agressiva do Brasil </li></ul><ul><li>Paraguai pertenceu ao Vice-Reino do Prata </li></ul><ul><li>Bacia do Prata: região de comércio e interação comercial (Rio do Prata) </li></ul><ul><li>Rio do Prata: livre navegação </li></ul><ul><li>Paraguai teme a Argentina </li></ul><ul><li>Modelo Econômico Paraguaio </li></ul><ul><li>(economia auto-suficiente, pequenas propriedades, estatização e ditadura com exército forte) </li></ul><ul><li>Temor do Brasil e Inglaterra da Unidade dos Países Platinos para formação de uma República </li></ul><ul><li>Disputas entre Brasil e Argentina pela influência no Uruguai </li></ul><ul><li>Apoio do Paraguai a Aguirre nos incidentes com o sul do Brasil </li></ul><ul><li>Invasão Brasileira no Uruguai em favor de V. Flores. </li></ul>
  • 21. Política Externa Conde D’Eu e Família D. Pedro II com farda Caricaturas Paraguaias sobre o Brasil   Conde D&apos;Eu e Caxias inspecionam a tropa brasileira formada por macacos Charge de jornal paraguaio, 1868
  • 22. Política Externa Soldado Criança e Voluntários da Pátria Riachuelo
  • 23. Política Externa <ul><li>Tríplice Aliança: </li></ul><ul><li>Brasil, Argentina, Uruguai </li></ul><ul><li> X </li></ul><ul><li> Paraguai </li></ul><ul><li>Paraguai  vitórias iniciais: </li></ul><ul><li># Argentina </li></ul><ul><li># Mato Grosso </li></ul><ul><li># Cidades do Sul do Brasil </li></ul><ul><li>Batalhas: </li></ul><ul><li>1865: Batalha Naval de Riachuelo e rendição de Uruguaiana </li></ul><ul><li>1866: Invasão do Paraguai (Passo da Pátria) Batalha de Tuiuti </li></ul><ul><li>1867: Retirada de Laguna </li></ul><ul><li>1868: Tomada do Forte de Humaitá </li></ul><ul><li>Dezembrada (Itororó, Avaí) </li></ul><ul><li>1869: Campanha das Cordilheiras e Assunção </li></ul>
  • 24. Política Externa <ul><li>Conseqüências da Guerra Paraguai: </li></ul><ul><li>Paraguai: </li></ul><ul><li>População dizimada </li></ul><ul><li>Terras leiloadas (latifúndios) </li></ul><ul><li>Miséria da população </li></ul><ul><li>Dependência dos produtos estrangeiros </li></ul><ul><li>Destruição de sua Estrutura Peculiar </li></ul><ul><li>Empréstimos da Inglaterra </li></ul><ul><li>Brasil: </li></ul><ul><li>Endividamento com a Guerra (Inglaterra) </li></ul><ul><li>Contestação à escravidão </li></ul><ul><li>Início do declínio do II Reinado </li></ul><ul><li>Fortalecimento do Exército Brasileiro </li></ul><ul><li>Movimento Republicano </li></ul><ul><li>Inglaterra: </li></ul><ul><li>Novos Mercados </li></ul><ul><li>Empréstimos para os países que participaram da Guerra </li></ul>Mortos sem enterro Prisioneiros Paraguaios
  • 25. Crise do Império
  • 26. Crise do Império <ul><li>Fatores Estruturais: </li></ul><ul><li>Oligarquias Açucareiras </li></ul><ul><li>Constituição de 1824 </li></ul><ul><li>Senado Vitalício </li></ul><ul><li>Centralismo Monárquico </li></ul><ul><li>Poder moderador </li></ul><ul><li>Voto censitário </li></ul><ul><li>União Estado/Igreja </li></ul><ul><li>Novos grupos econômicos à margem (café) </li></ul><ul><li>Pressões externas e internas para o fim da escravidão </li></ul><ul><li>Crescimento do Trabalho Assalariado </li></ul><ul><li>Crescimento da Classe Média </li></ul>
  • 27. Crise do Império <ul><li>Questão Abolicionista (1810-1889) </li></ul><ul><li>Tratados de Aliança, Amizade, Comércio e Navegação (1810) </li></ul><ul><li>Escravos: base da economia </li></ul><ul><li>Inglaterra (Mercados Consumidores) e Guerra da Secessão (EUA) </li></ul><ul><li>Cafeicultores (Mercados Consumidores e Trabalho Assalariado) </li></ul><ul><li>Intelectuais (Imprensa: Jornais e Livros) </li></ul><ul><li>Participantes da Guerra do Paraguai </li></ul><ul><li>Medo do Império com a abolição: </li></ul><ul><li># Crise dos que o apoiavam (açúcar e o café do Vale do Paraíba) </li></ul><ul><li># Agitação Social </li></ul><ul><li>Leis que adiassem a solução </li></ul><ul><li>Lei Eusébio de Queirós (1850) </li></ul><ul><li>Lei do Ventre Livre (1871) </li></ul><ul><li>Lei dos Sexagenários (1885) </li></ul><ul><li>Lei Áurea (13/05/1888) </li></ul><ul><li>Continuidade do Problema dos Negros: </li></ul><ul><li># Preterido em relação ao imigrante </li></ul><ul><li># Poucas oportunidades de trabalho </li></ul><ul><li># Desigualdade social </li></ul><ul><li># Salários baixíssimos </li></ul><ul><li># Preconceito (vadio, perigoso) </li></ul><ul><li># Guetos </li></ul>
  • 28. Crise do Império
  • 29. Crise do Império <ul><li>Questões Religiosas (1872 -1875): </li></ul><ul><li>União da Igreja com o Estado: </li></ul><ul><li> Padroado e Beneplácito </li></ul><ul><li>Ligação entre a Igreja e a Maçonaria </li></ul><ul><li>Encíclica Syllabus e Bula Quanta Cura (Pio IX) </li></ul><ul><li>Conflitos: </li></ul><ul><li># Participação de padres na Festa Maçônica em comemoração ao Ventre Livre </li></ul><ul><li># Prisão dos Bispos de Olinda e Belém do Pará por não aceitarem clérigos ligados à maçonaria </li></ul>
  • 30. Crise do Império <ul><li>Questões Militares (1868-1887) </li></ul><ul><li>Após Guerra do Paraguai o exército incorpora a idéia de resolução dos problemas da velha estrutura </li></ul><ul><li>Maior participação política e administrativa no Governo </li></ul><ul><li>Deseja acabar com a influência da Guarda Nacional </li></ul><ul><li>Conflitos: </li></ul><ul><li># Queda do Ministério Zacarias (Duque de Caxias) </li></ul><ul><li># Ataque na Imprensa do Projeto de Montepio Militar </li></ul><ul><li># Demissão de Sena Madureira no episódio do Jangadeiro Francisco do Nascimento </li></ul><ul><li># Nova discussão na imprensa sobre extravio de fardamentos do exército </li></ul><ul><li>Exoneração de Deodoro e do Ministro da Guerra </li></ul>
  • 31. Crise do Império <ul><li>Crise Política: </li></ul><ul><li>QUESTÃO DA SUCESSÃO DO TRONO: </li></ul><ul><li>Pedro II casado com Teresa Cristina Maria </li></ul><ul><li>D. Afonso e D. Pedro morreram com 02 anos </li></ul><ul><li>Herdeiras Isabel e Leopoldina </li></ul><ul><li>Isabel casada com Luís Gastão D’Orleans </li></ul><ul><li> (Conde D’Eu) </li></ul><ul><li>Perigo de um francês no trono </li></ul>
  • 32. Crise do Império <ul><li>Questão Política: </li></ul><ul><li>Crise das Estruturas Imperiais ante a modernidade </li></ul><ul><li>Crescimento econômico (1881-1890) do Café: 61,5% das Exportações </li></ul><ul><li>Desejo político dos Cafeicultores </li></ul><ul><li>Grupos Industriais: </li></ul><ul><li>diminuição das importações </li></ul><ul><li>Classes médias: participação na Política </li></ul><ul><li>(contra voto censitário e indireto) </li></ul><ul><li>Eleições de 1876: </li></ul><ul><li>0,25% da população votou </li></ul><ul><li>Crescimento do Partido Republicano (Republicanos de 14 de Maio) </li></ul><ul><li>Difusão das Idéias positivistas </li></ul><ul><li>(Benjamin Constant) </li></ul><ul><li>Influência da Igreja na Política </li></ul>
  • 33. Crise do Império <ul><li>Proclamação da República (15/11/1889): </li></ul><ul><li>União: </li></ul><ul><li># Exército </li></ul><ul><li># Cafeicultores </li></ul><ul><li># Classes Médias </li></ul><ul><li># Igreja </li></ul><ul><li>11/11/1889 </li></ul><ul><li>Reunião dos conspiradores </li></ul><ul><li>15/11/1889 </li></ul><ul><li># Deodoro da Fonseca </li></ul><ul><li># Rui Barbosa </li></ul><ul><li># Benjamin Constant </li></ul>Família Real

×