Renda 11

2,761 views
2,692 views

Published on

Published in: Economy & Finance, Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,761
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
39
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Renda 11

  1. 1. Marco Antonio S. Vasconcellos Manuel Enriquez Garcia 3º Edição | 2009 | Fundamentos de Economia
  2. 2. Capítulo 11 Determinação da Renda e do Produto Nacional: O Lado Monetário
  3. 3. 11.1 Conceito de Moeda: objeto aceito pela coletividade para intermediar as transações econômicas para o pagamento de bens e serviços. Economia de trocas : necessidade de dupla coincidência de desejos. Moeda mercadoria : forma mais primitiva de moeda na economia. Moeda metálica: originou-se da função de moeda dada aos metais preciosos e, depois, pela implementação da “cunhagem” da moeda. Papel-moeda: origem na moeda-papel, quando pessoas tinham ouro e guardavam em casas especiais que emitiam um certificado de depósito. Bancos comerciais privados: bancos passaram a emitir notas e recibos bancários que circulavam como moeda, dando origem ao papel-moeda.
  4. 4. <ul><li>Padrão-ouro: emissão do papel-moeda lastreado em ouro, que acabou se tornando um obstáculo para a expansão das economias nacionais e comércio internacional. </li></ul><ul><li>Moeda de curso-forçado: a partir de 1920, a emissão de moeda passou a ser livre. </li></ul><ul><li>Bretton Woods (1944): regime de moeda lastreada, na qual o dólar americano passa a ser moeda internacional respeitando o padrão-ouro. Em 1971, foi suspenso o padrão-ouro e quase todas as moedas nacionais do mundo passaram a ser fiduciárias. </li></ul><ul><li>11.2 Funções e tipos de moeda </li></ul><ul><li>instrumento ou meio de trocas; </li></ul><ul><li>denominador comum monetário; </li></ul><ul><li>reserva de valor. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>11.2.1 Tipos de moeda: </li></ul><ul><li>moedas metálicas; </li></ul><ul><li>papel-moeda; </li></ul><ul><li>moeda escritural ou bancária. </li></ul><ul><li>As duas primeiras são denominadas moedas manuais, por estarem em poder do público. </li></ul><ul><li>11.3 Oferta da moeda: suprimento de moeda para atender às necessidades da coletividade. </li></ul><ul><li>11.3.1 Conceito de meios de pagamento: total de moeda à disposição do setor privado não bancário, de liquidez imediata. </li></ul><ul><li>Liquidez: capacidade da moeda de ser um ativo prontamente disponível e aceito para diversas transações. </li></ul>
  6. 6. Os meios de pagamento são dados, tradicionalmente, pela soma da moeda em poder público mais os depósitos à vista nos bancos comerciais: meios de pagamento = moeda em poder público + depósitos à vista nos bancos comerciais Desmonetização da Economia: diminuição da quantidade de moeda sobre o total de ativos financeiros decorrente de as pessoas procurar e se defender da inflação com aplicações financeiras que rendem juros. Monetização da Economia: com inflação baixa, as pessoas mantêm mais moeda que não rende juros em relação aos demais ativos financeiros. Grau de monetização ou desmonetização: M1/M4
  7. 7. <ul><li>Criação e Destruição de Moeda: se devem, respectivamente, devido o aumento do volume de meios de pagamento ou quando se faz uma redução dos meios de pagamento. </li></ul><ul><li>11.3.2 Oferta de Moeda pelo Banco Central: o BC regula o montante de moeda, crédito, taxas de juros e câmbio, de forma compatível com o nível de atividade econômica e o equilíbrio do balanço de pagamentos. Suas funções clássicas: </li></ul><ul><li>execução da política monetária; </li></ul><ul><li>banco emissor; </li></ul><ul><li>banco dos bancos; </li></ul><ul><li>banco do governo; </li></ul><ul><li>controle e regulamentação da oferta de moeda; </li></ul><ul><li>execução da política cambial e administração do câmbio; </li></ul><ul><li>fiscalização das instituições financeiras. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Instrumentos de política monetária: </li></ul><ul><li>controle das emissões; </li></ul><ul><li>depósitos compulsórios ou reservas obrigatórias; </li></ul><ul><li>operações com mercado aberto; </li></ul><ul><li>operações de redesconto. </li></ul><ul><li>O BC afeta o fluxo da moeda pela regulamentação desta e do crédito. </li></ul><ul><li>11.3.3 Oferta de moeda pelos bancos comerciais. O multiplicador monetário: parte dos depósitos à vista e compulsórios são guardados pelos bancos comerciais, o restante pode ser emprestado a seus clientes. </li></ul><ul><li>Multiplicador de base monetária: a base é a soma da moeda em poder do público e das reservas bancárias. </li></ul><ul><li>Fórmula: m=saldo dos meios de pagamento/saldo da base monetária. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>11.4 Demanda de moeda: quantidade de moeda que o setor privado não bancário retém, em média, seja com o público ou no cofre das empresas ou em depósitos nos bancos comerciais. Razões pelas quais se retém moeda: </li></ul><ul><li>demanda de moeda para transações; </li></ul><ul><li>demanda de moeda por precaução; </li></ul><ul><li>demanda de moeda por especulação. </li></ul><ul><li>11.5 O papel das taxas de juros </li></ul><ul><li>11.5.1 Taxa de juros nominal e taxa de juros real: medem, respectivamente, o preço pago a poupador por suas decisões de poupar; e mede o retorno de uma aplicação em termos de quantidades de bens. </li></ul>
  10. 10. 11.6 Moeda, nível de atividade e inflação: interligação entre o lado real e o lado monetário da economia 11.6.1 Teoria quantitativa da moeda: relação entre volume de moeda e lado real da economia. Velocidade-renda da moeda: número de vezes que o estoque de moeda passa de mão em mão, em certo período, gerando produção e renda. V = PIB nominal/ saldo dos meios de pagamento Teoria quantitativa de moeda: MV = nível geral de preços x nível de renda nacional
  11. 11. <ul><li>11.6.2 Moeda e políticas de expansão do nível de atividade </li></ul><ul><li>Instrumentos para promover a política monetária expansionista: </li></ul><ul><li>reduzir taxa de juros básica; </li></ul><ul><li>aumentar as emissões de moeda, na medida das necessidades dos agentes econômicos; </li></ul><ul><li>diminuir a taxa do compulsório; </li></ul><ul><li>recomprar títulos políticos no mercado; </li></ul><ul><li>diminuir a regulamentação no mercado de crédito. </li></ul><ul><li>Elasticidade dos investimentos em relação às taxas de juros: resposta dos investimentos em relação à taxa de juros de mercado. </li></ul><ul><li>11.6.3 A relação entre a oferta monetária e o processo inflacionário: política antiinflacionária deve centrar-se mais no controle da demanda agregada. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Instrumentos recomendados de política monetária seriam dirigidos no sentido de “enxugar” os meios de pagamento: </li></ul><ul><li>aumento da taxa de juros básica (Selic); </li></ul><ul><li>controle das emissões pelo Banco Central; </li></ul><ul><li>venda de títulos públicos, retirando moeda de circulação; </li></ul><ul><li>elevação da taxa sobre as reservas compulsórias; </li></ul><ul><li>alteração das normas e regulamentação da concessão de créditos. </li></ul><ul><li>11.6.4 Eficácia das políticas monetária e fiscal: pode ser avaliada a partir de sua velocidade de implementação, pelo grau de intervenção na economia e pela importância relativa das taxas de juros e do multiplicador keynesiano. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Influência do papel da taxa de juros e do multiplicador keynesiano: </li></ul><ul><li>Quanto maior a sensibilidade dos investimentos em relação à taxa de juros, maior a eficácia da política monetária. </li></ul><ul><li>Quanto maior a sensibilidade da demanda especulativa relativamente à taxa de juros, menor a eficácia. </li></ul><ul><li>Quanto maior o valor do multiplicador keynesiano de gastos, maior eficácia da política fiscal. </li></ul><ul><li>11.7 Sistema financeiro: deve ser forte e bem diversificado para atrair poupanças nacionais e estrangeiras. </li></ul><ul><li>11.7.1 Segmentos do sistema financeiro: </li></ul><ul><li>Mercado monetário: são feitas operações de curto prazo com a finalidade de suprir as necessidades de caixa dos diversos agentes econômicos. </li></ul>
  14. 14. Mercado de Crédito: são atendidas as necessidades de recursos de curto, médio e longo prazo, principalmente oriundas da demanda de crédito para aquisição de bens de consumo duráveis e da demanda de capital de giro das empresas. Mercado de Capitais: segmento que supre exigências de recursos de médio e de longo prazos, com vistas à realização de investimentos em capital. São típicos desse mercado os derivativos. Mercado Cambial: compra e venda de moeda estrangeira, para atender a diversas finalidades. Mercado de Seguros, Capitalização e Previdência Privada: são coletados recursos financeiros ou poupanças destinados à cobertura de finalidades específicas.
  15. 15. <ul><li>Mercados Primários e Secundários: são, respectivamente, aqueles em que se realiza primeira compra/venda de um ativo recém-emitido e aqueles que negociam ativos financeiros já negociados anteriormente. </li></ul><ul><li>Mercados à Vista, Futuros e Opções: </li></ul><ul><li>à vista: negociam apenas ativos com preços à vista; </li></ul><ul><li>futuros: negociam os preços esperados de certos ativos e mercadorias para certa data futura; </li></ul><ul><li>de opções: negociam opções de compra/venda de determinados ativos em data futura. </li></ul>

×