Crescimento econ. 15
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Crescimento econ. 15

on

  • 1,724 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,724
Views on SlideShare
1,724
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
28
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Crescimento econ. 15 Crescimento econ. 15 Presentation Transcript

  • Marco Antonio S. Vasconcellos Manuel Enriquez Garcia 3º Edição | 2009 | Fundamentos de Economia
  • Capítulo 15 Crescimento e Desenvolvimento Econômico
  • 15.1 Crescimento e desenvolvimento A teoria do crescimento e do desenvolvimento discute estratégias de longo prazo, nela a oferta ou produção agregada joga um papel importante na trajetória de crescimento de longo prazo. Foco: analisar o comportamento do produto potencial ou de pleno emprego da economia, a longo prazo. Crescimento econômico: crescimento contínuo da renda per capita ao longo do tempo. Desenvolvimento econômico: alterações de composição do produto e alocação dos recursos pelos diferentes setores da economia de forma a melhorar os indicadores de bem-estar econômico e social.
    • 15.2 Fontes de crescimento:
    • aumento na força de trabalho;
    • aumento do estoque de capital;
    • melhoria na qualidade de mão-de-obra;
    • melhoria tecnológica;
    • eficiência organizacional.
    • 15.2.1 Capital humano: valor ganho de renda potencial incorporado nos indivíduos e inclui a habilidade inerente à pessoa, o talento, a educação e as habilidades adquiridas.
    • 15.2.2 Capital físico: maquinário e equipamentos sofisticados, que são abundantes em países ricos e escassos em países pobres. A razão da variação do produto nacional e a variação da capacidade produtiva resulta na relação produto-capital que envolve o capital físico no processo de desenvolvimento econômico.
    • 15.4 Um modelo de crescimento econômico
    • Harrod Domar: destaca a importância de três variáveis básicas para o crescimento:
    • taxa de investimento;
    • taxa de poupança;
    • relação produto-capital.
    • Objetivo: enfatizar a atuação das variáveis econômicas estratégicas para promover o crescimento econômico.
    • 15.5 Estágios de desenvolvimento
    • sociedade tradicional;
    • pré-requisitos para a arrancada;
    • arrancada: mudanças na taxa de investimento líquida e surgimento de novos segmentos industriais de rápido crescimento associados principalmente a bens de consumo duráveis; surgimento de uma estrutura política social e institucional.
    • crescimento auto-sustentável;
    • idade do consumo de massa
  • 15.6 A internacionalização da economia: o processo de globalização 1950-1960: proteção dos produtores domésticos por meio da estratégia de substituição de importações. 1980: os produtores domésticos protegidos passaram a produzir um volume pequeno com custo alto e pouca inovação. Característica atual: integração econômica entre países sob aspectos comercial, produtivo e financeiro, globalização. Globalização produtiva: produção e distribuição de bens e serviços dentro de redes de escala mundial, reduzindo barreiras, e ocorrendo o aumento das tecnologias de informação.
  • 15.3 Financiamento do desenvolvimento econômico Para investir um país pode usar sua poupança interna ou ter acesso à poupança estrangeira por meio de empréstimos ou ajuda financeira. Economias socialistas: a poupança obrigatória é uma maneira poderosa de limitar o consumo e aumentar o nível da poupança. Economias de mercado: se o governo coletar mais impostos do que gasta em bens correntes e serviços, os recursos excedentes poderão ser investidos na infra-estrutura e canalizados para empresas, via bancos de desenvolvimento ou de fomento. Países em desenvolvimento: podem conseguir uma poupança estrangeira por meio de investimento direto no país; tomando emprestado nos mercados mundiais de capitais ou instituições; ou recebendo ajuda estrangeira de países industrializados.