Innovacion en La Gestion Publica

3,314 views

Published on

Presentación sobre la Innovación en la Gestión Pública. Visión moderna de la gestión.

Published in: Business
6 Comments
18 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
3,314
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
31
Actions
Shares
0
Downloads
293
Comments
6
Likes
18
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Innovacion en La Gestion Publica

  1. 1. Carlos D. Lopez Yukimura, M.Sc www.edutopiatec.com.br
  2. 2. Esta presentación tratará . . .
  3. 3. Módulo I • La nueva Gestión Pública: Evoluciones • Pensamiento Sistémico y la Gestión Pública Innovadora • Diseñando un nuevo modelo de gestión en organizaciones públicas
  4. 4. Módulo II • Gestión Estratégica : De la Planificación a la Ejecución Estratégica. • Como implementar nuevas iniciativas o servicios: Una visión práctica. • Sistemática de intervención y operación.
  5. 5. Módulo 1 La nueva Gestión Pública: Evoluciones Pensamiento Sistémico y la Gestión Pública Innovadora Diseñando un nuevo modelo de gestión en organizaciones públicas
  6. 6. LA NUEVA GESTIÓN PÚBLICA (NGP)
  7. 7. LA NGP: UN MOVIMIENTO GLOBAL
  8. 8. O Mejor en un Mundo Plano
  9. 9. evolución de la Gestión Pública • en los años 70 la gestión pública sufre transformaciones • el surgimiento de la globalización viene junto con el pensamiento de libre mercado (neoliberal) en los años 70 e 80 y • el discurso por una reforma del estado. • también de pensar el papel del gobierno. • las prácticas del sector empresarial traen el tema gestión para resultados
  10. 10. Escenario Global de la Nueva Gestión Pública • la reforma de la gestión pública está presente en casi el mundo todo. • Especialmente en los países desarrollados – Estados Unidos, Inglaterra – Nueva Zelanda e Australia – Europa: Holanda e, mas lentamente, Francia e Italia. – Varios países considerados en vías de desarrollo entran (Chile, México, Brasil, Irlanda, HK, Singapur, etc.)
  11. 11. Evoluciones de la Nueva Gestión Pública Globalización NGP-3 Perestroika NGP-3 Gobierno Emprendedor Desempeño de la Economía OECD, tendencias NGP-2 NGP-2 Gestión burocrática del gobierno Orientada a los procedimientos Reinventando el Gobierno Europa, AL NGP-1 NGP-1 Nueva Gestión em el Gobierno Crisis USA, Inglaterra Nueva Zelanda, Australia e Canadá 60 70 80 90 00 07 TIEMPO
  12. 12. His tó ric o Partido s Po lític o Po lític o Es tado s Co ns ide rac io ne NGP s Mac ro e c o nó mic as Pape l das Ag e nc ias de De s e nvo lvimie nto Tradic io ne s Inte rnac io nal de l Es tado
  13. 13. Escenario Global de la Nueva Gestión Pública • por tanto la reforma, es una respuesta a la globalización. • la globalización significa competición. Competitividad entre las Naciones (M. Porter) • Pasa a ser importante la eficiencia de las empresas competentes. • el Estado asume un papel estratégico de apoyo para crear un ambiente que favorezca el suceso de estas empresas.
  14. 14. Razones de Cambios y Dilema Ideológico
  15. 15. la evolución de la NUEVA Gestión Pública • Los cambios en la Gestión Pública no son mas de origen ideológica a priori e mas de la necesidad de enfrentarse los profundos cambios sociales, económicos y tecnológicos.
  16. 16. Dilema Ideológico • Un Estado Paternalista que piensa conocer las necesidades de los ciudadanos mejor de que ellos mismos. • Un Estado Liberal mínimo, simple ejecutor de la voluntad del Gobierno. Un mero prestador de servicio que podrá ser substituido por otro prestador de servicios (sector privado).
  17. 17. la evolución de la NUEVA Gestión Pública • La evolución de la administración imperativa a la administración consensual. • La evolución de la administración desagregada a la administración coordenada. (Moreira Neto, 1999)
  18. 18. Dilema Ideológico Un mercado fuerte precisa de un estado fuerte
  19. 19. Pero, que los ciudadanos quieren de un gobierno ?
  20. 20. Um Gobierno Ágil !!
  21. 21. Los mas Ágiles
  22. 22. Un gobierno ágil precisa de • Liderazgo claro • Personal habilitado y motivado • Medida de performance • Tecnología flexible • Procesos de negocio flexibles • Clara responsabilidad por la gestión del cambio • Parceria con el sector privado Fonte: A. T. Kearney & London School of Economics and Political Science Public Policy Group
  23. 23. Anatomía de un gobierno ágil • Estabelecer uma visão clara para a organização • Focar sobre novas tendências e metas estratégicas • Aumentar flexibilidade e alocar recursos onde e quando sejam mais necessários • Criar ambiente que promova mudança • Olhar além das necessidades imediatas e Liderazgo promover inovação • Entender a necessidade dos clientes • Construir um senso de trabalho em • Melhorar os serviços ao cliente Cultura y • Criar mecanismos participativos de equipe por toda a organização Cambio Valores tomada de decisão Organiza- • Alocar recursos para atender cional necessidades dos clientes Gestión de • Focar na capacitação do pessoal para e - governo • Migrar para processos eletrônicos melhoria futura Performance • Usar tecnologia para melhorar • Estabelecer um sistema de desempenho comunicação entre órgãos amplo dentro da organização • Encorajar e promover junto aos clientes a • Usar sistemas de gestão de medição de Servicio al necessidade de mudança de serviços desempenho (BSC) eletrônicos (mais eficientes e eficazes) Cliente- Cidadão • Estabelecer uma gestão de relacionamento com o cliente- cidadão • Alinhar serviço ao cliente-cidadão com os processos • Ofertar incentivos para os clientes-cidadãos para mudar para canais de menor custo (sistema s online) Fonte: A. T. Kearney & London School of Economics and Political Science Public Policy Group
  24. 24. Tendencia Mundial de un gobierno de éxito • Tendencias mundiales que crean atributos de un gobierno de suceso: 1. Un Gobierno que cueste menos – Mejor productividad de los activos (materiales y humanos) 2. Gobierno de mejor calidad – Servicios públicos orientados a clientes 3. Gobierno profesional – Servidor Publico mas competente para asumir nuevos papeles (estratégicos y tácticos) 4. Gobierno Digital – Inteligencia. Internet. CzRM. 5. Gobierno mejor regulado – Controller actuante. Oidoría. Responsabilidad fiscal. Mecanismos de controle social. 6. Gobierno honesto e transparente Fonte: Elaine Kamarck Harvard University – J.F. Kennedy School of Government
  25. 25. Ambiente Social * Ambiente Ambiente Económico Físico Complejidad Ambiente Ambiente Científico Natural Tecnológico Ambiente Político/ Institucional
  26. 26. Pensamiento Sistémico Gobierno • ONG’s Regulación , Social • Empresas Servicio al • Instituciones Ciudadano e Inclusión Sociales • Individuos Social Generación de Educación Empleo Salud Oportunidades Cultura Deportes Expansión del Empleo Control Ambiental Transporte Habitación Económico Revitalización Medio Urbanismo Infra- Ambiente estructura
  27. 27. Principais Oportunidades (5/3) de Melhoria (6/5) Alocação de pessoas (6/2) despreparadas Falta de Falta de Planejamento e Gestão controle das de Pessoas (4/2) operações (1/8) Falta de política Insatisfação e plano diretor das pessoas de TI (0/11) (10/2) Insatisfação no Ausência de visão atendimento ao Estratégica munícipe Bajo Desempenho compartilhada De la Gestión de PMXY (2/4) (12/0) Falta de Plano diretor mecanismos desatualizado e instrumentos de gestão Excesso de gastos com RH Falha de (1/6) Comunicação (4/3) Deficiência no processo Deficiência na de arrecadação Estrutura e fiscalização Organizacional (1/6) (5/5)
  28. 28. Pe ns a mi e n to Percepción is t é m ic S humana de la realidad o
  29. 29. EVENTOS PADRONES DE COMPORTAMIENTO ESTRUTURA SISTEMICA MODELOS MENTALES
  30. 30. Modelos Mentales
  31. 31. Modelo Mental • Un modelo mental son nuestras creencias sobre alguna cuestión – nuestra familia, nuestro negocio, o el mundo como un todo. • Lo desenvolvemos a través de la educación y experiencias. • Organizaciones manifiestan su modelo mental en la cultura, rutinas e reglas de comportamiento no escritas.
  32. 32. Estructura Sistémica Escola ou sistema escolar Professor Pai/Mãe Sala de aula Aluno Comunidade (lar para este grupo de alunos) O mundo lá fora (além da comunidade)
  33. 33. Estructura Sistémica Junta de Educação Escola ou sistema escolar Supervisor Diretor Pessoal administrativo e apoio Outros professores Professor (e sindicatos) Pai/Mãe Sala de aula Outros Aluno alunos amigos Comunidade (lar para este grupo de alunos) O mundo lá fora (além da comunidade)
  34. 34. Editoras, Universitários, Ideólogos e Criadores, Influenciadores Cientistas e Outros Administradores Outros “forne- Governos Estadual cedores de e Nacionais conhecimento” Mídia local (Incluindo Escola ou sistema Talk Shows) Junta de Educação escolar Instituições Supervisor comunitária Diretor (hospitais, Pessoal igrejas, polícia, administrativo e assistência apoio Outros social professores Família Professor (e sindicatos) ampliada Pai/Mãe Sala de e rede familiar aula Outros Aluno alunos Empresas privadas amigos Empregando pais e alunos Comunidade (lar para este grupo de alunos) O mundo lá fora (além da comunidade) Mídia Internacional, novas fontes de conhecimentos, entretenimento, notícias, internet e outras oportunidades de aprendizado fora da sala de aula.
  35. 35. Normalmente escuchamos de alguien decir: “Este es el modo como hacemos negocios aquí !”
  36. 36. “Sin cambiar nuestros padrones de pensamiento, no seremos capaces de solucionar problemas que creamos con nuestro padrón de pensamiento normal” Albert Einstein
  37. 37. Proceso de Innovación (Simplificado) Fontes de informação MICROSOFT CORPORATION Pesquisa & Desarrollo Idéias Contexto de Mercado Datos Tecnologias e know-how Patentes de Invenciones Reconocimiento Generación de de la Desarrollo Comercialización Ideas Oportunidad Generación de Ideas Avaliación de Oportunidades y Ideas Identificación de
  38. 38. Invenciones Sociales como fuente de Innovación de Valor para la Sociedad
  39. 39. Invenciones Sociales • Una invención social es una nueva ley, organización o procedimiento que cambian las formas por las cuales las personas se relacionan con ellos o un con el otro o colectivamente.
  40. 40. Invenciones (Que, Donde y Cuando) • Organizaciones – Escuelas por los Sumerios en 2500 AC, – Corte de justicia mismo país en 2400 AC – Casa dos Comunes en 1300 AD., – Sindicatos en la Inglaterra en 1696, – Penitenciaria en Roma en el año 1700, – Escuela para Adultos en País de Gales 1754, – Cruz Roja en Genova en 1864, – Hospitales – Sanatorio
  41. 41. Invenciones (Que, Donde y Cuando) • Procedimiento – Caridad, 2100 AC, – Democracia, 510 AC en Atenas, – Sistema municipal, 100 AC em Roma, – Licenciamiento de profesores, 362 AD., – Entrenamiento de abogados, 1292,
  42. 42. Invenciones (Que, Donde y Cuando) • Leyes – A Ley del Pobre (dio a los pobres el direcho de asistencia) de 1388, – O Contratos de Ato de Niños de 1601, (que describe los términos sobre los cuales los niños fueron ligados a otras personas o familias) – El Proyecto Ingles de la Ley de Derechos (1689). – El Acto de Frecuencia Escolar Compulsoria en la Rúsia de 1717, – El Acto de Seguro Desempleo, Suiza de 1789, – Ley contra crueldad en niños. Ordenada nos Estados Unidos despues de 1875.
  43. 43. Invenciones: Hoy • Algunos ejemplos de invenciones actuales que se convirtieron en innovaciones sociales importantes – CBT, WBT, CAI o e-learning; – Internet – Sistema de micro crédito – Cooperativismo – Control Social (Consejos) – ONG’s – Micro Crédito – Sistema de Voto Electrónico – Sistemas de transporte urbano
  44. 44. Ambientes de Aprendizado
  45. 45. Tecnologías de apoyo en la educación Quadro branco interativo
  46. 46. Tecnologías de apoyo en la educación
  47. 47. Clickers
  48. 48. Profesor SRP Estudiantes WBI Vídeo Conferencia Aluno e-mail chat e-mail Biblioteca PI Base de Dados chat On-line Classe Estudiante Aluno Profesor Aluno e-mail w w w Base de Dados Aluno On-line e-mail W Site eb Internet Otras W Site eb Instituciones Empresas
  49. 49. El Futuro Llegando
  50. 50. Urna Electrónica (1996)
  51. 51. Innovaciones Sociales
  52. 52. O Governo Américano representado pelo FTA (THE FEDERAL TRANSIT ADMINISTRATION) testa uma invenção social brasileira Sistema Tubo Curitiba / PR
  53. 53. Innovación en la base de Pirámide LA FORTUNA EN LA BASE DE LA PI Muhammad Yunus Autor: PRAHALAD, C. K.
  54. 54. Governo Modelo Rede Social RED Empresas ONG’s Instituições
  55. 55. Que es Gestión ?
  56. 56. Cultura de una organización pensar Gestión Humana Valores hablar tir Liderazgo s en Motivación actitudes Delegar Comunicación actuar Participación Cambio de I Comportamiento de las personas Gestión Alcanzar metas Resultados Métodos Cuant. Cualit. PDCA / SDCA Planificación Estratégica Gestión Innovación Técnica Gestión Técnica e Humana
  57. 57. A 8. P Conclusão P Definir 6. 7. Verificação Padronização as Metas 5. Ação Action 4. Plano de Ação Plan 2. Observação 3. Análise Definir 1. M! !! Métodos Identificação RUI do Problema Q Educar e Treinar Comparação Meta C Com Meta IC P Satisfação M Medição Check Itens de Controle Tempo V VV Do C !!! C C S BOM Produtos Bens e/ou Insumos Fornecedores Serviços Clientes D Recebimento
  58. 58. Modelo de Gestión
  59. 59. Um Modelo de Gestión • Conjunto de premisas y orientaciones • Que preside el despliegue en procesos específicos e en estructuras de administración que definen: – Los alcances de controle, – Los derechos de decisión y – Los alcances de información • De gerencia de recursos humanos – Papeles gerenciales, – Relacionamientos y – Estructura de incentivos • Orientaciones para o comportamiento gerencial (valores) e de la lógica de la dinámica de proceso estratégico deseado (Proença et al, UFRJ)
  60. 60. Modelo de Governanza Modelo de Estratégia Gestión (Proença et al, UFRJ) 65
  61. 61. MODELOS Y SUS PROPÓSITOS alta MECANICISTA SOCIAL LIDERAZGO BIOLÓGICA baja PARTICIPACIÓN alta DEL TRABAJADOR
  62. 62. Propósitos 1990- 2008 Modelo Social • La organización sirve 1930-1990 muchos propósitos – los Modelo Biológico propósitos de todos sus stakeholders. • La organización tiene los propósitos decididos por un • 1800-1940 grupo: Alta Administración • Modelo Mecanicista • A organización no tiene ningún propósito en si mismo; sirve a los propósitos del dueño o cabeza.
  63. 63. ComponentesENTRE AS FUNÇÕESModelo de Gestión RELAÇÃO Funcionales de un E INSTRUMENTOS NO MODELO DE GESTÃO INSTRUMENTOS Benchmarking Herramientas Dinámica de Planeamiento Sistemas Qualidade Estratégico Liderazgo Situacional Balance JIT QFD – ScoreCard Innovación Gestión del Planeamiento Operaciones Cambio FUNCIONES (Lee & Walden)
  64. 64. FUNCIONES BÁSICAS DE LA GESTIÓN PLANEAMIENTO Vector Vector OPERACIÓN Vector GESTIÓN DEL CAMBIO
  65. 65. Visão TQC ISO EaD Cenários BCG F&A 9000 Planejamento Matriz Engenharia Sintonia Estratégico SWOT QFD Liderança CRM Processos Situacional Posicionar BI GPD ERP 8 fases Gestão TRIZ Kotter Benchmark Processos Matriz Ansoff TOC Supply Avaliação Dinâmica Chain APG Desempenho Sistemas CCQ Seis Sigma STP Kanban Meritocracia Sala PMP Situação Sistema Projetos Sugestões JIT 5S Participação DOE Poka- Resultados BSC CEP TPM Yoke Desenvolvim. Humano Gestión del Planeamiento Operaciones Cambio
  66. 66. Sistema Una colección de elementos que son configurados, vía estructura y procesos, para cumplir propósitos explícitos o implícitos
  67. 67. Sistemas de Gestión • No se vuelven perfectos por seguir una receta. • Son perfeccionados a través de un constante proceso de experimentación, medición y de acción adaptativa. • El proceso de mejora es fundamentalmente científico.
  68. 68. Visión Sistémica según Ackoff • El éxito de un sistema no es si cada elemento realiza su función, mas si existe interacción entre los elementos de forma integrada; • Podemos entender y rastrear el éxito de un sistema solamente siguiendo un cuidadoso portafolio de indicadores.
  69. 69. Sistema Integrado
  70. 70. Sistema de Gestión
  71. 71. Gestión Mundo Político Mundo de las Mundo de los Inversiones Ingresos Como entendemos el Gobierno por los mundos y los procesos decisorios Mundo de los Costos Mundo de las “Leyes”
  72. 72. Visión Sistémica Estratégias Personas Propósitos COMPLEJIDAD Sistemas Estructura Sumantra Ghoshal Procesos 83
  73. 73. Sistema • Personas – Competencias / Comportamiento / Actitudes / Motivación / Conocimiento / Gestión de Talentos. • Propósitos - La Organización sirve muchos propósitos. De todos os stakeholders. • Procesos – Actividades con Orientación a Clientes. • Estrategias – Composición de actividades que posibilitan una posición privilegiada o superior por la Creación de Valor Percibida por la Sociedad. • Estructura – Organizacional e Física (Derechos de decisión, Ordenador de gastos, etc). • Sistemas – Informacional e de Comunicación (TIC), Sistemas Conceptuales de Gestión de Operaciones.
  74. 74. Mejorar la Performance Organizacional Liderazgo Personas O capital humano A fuerza de dirección • Desempeño e recompensa • Articulación - Visión / • Entrenamiento y estrategia Desenvolvimiento • Tomada de Decisión • Desenvolvimiento de carrera • Governancia • Proceso de competencia de • Medidas e Metas de RH Desempeño • Motivación para Mudanza Infraestructura Procesos Los “Conectores” a través A forma de trabajo es de las personas, procesos organizada para criar valor. • Flujos de trabajo Conselho de Administração e estructura. Conselho Fiscal Diretoria Assessoria de Assessoria Planejam ento e • Decisiones clave Informação Jurídica • Comunicaciones Área Área Administrativa - de Coordenador Área de de Projetos Empreendimentos Financeira Projetos Área de Área de Área de Área de Entradas/Salidas Área de Área de Área de Área de Acom panhamento Contabilidade Tesouraria Recurso s Propostas Cobrança de Projetos Controle de Importação Hum anos Gerente de Pagamentos e Câmbio VInculados • Sistema de Información Projetos Gerente Executivo Setor de de Projetos Protocolo Gerente Executivo de Projetos • Economicidad. Setor de Institucionais Informação Gerente Executivo • Red de producción y de Projetos Especiais logística Estructura As posiciones son organizadas para asegurar claridad e conducción de colaboración. • Papeles y responsabilidades • Proyecto de tareas • Derechos de decisión
  75. 75. Cambio y Cultura Organizacional CULTURA VALORES REFERENCIAS ACTITUDE COMPORTAMIENTO PAPELES ACCIONES ESTRUCTURA Y PROCESOS • Russel Ackoff • Shoji Shiba • Thomas Lee 86
  76. 76. Florianópolis - Localización
  77. 77. Las Dimensiones de un Gobierno Proyecto de Gobierno P G C Gobernabilidad del Capacidad de Sistema Gobierno Carlos Matus
  78. 78. Modelo de Gestión n ió Es c ac tr u ni Sistema de Planeamiento uc tu C om Coordenación, Control y Decisión ra Gobierno (F e E) Poderes (L e J) e Sociedad Clientes Requisitos Procesos Productos Ciudadano Sociedad Legislação Procedimientos Servícios Gestión de Recursos Productivos y Pr Competencias Gestión de TI in Performance, s/ ci a pi Mejoría y m Foco no Cliente- Cliente- os Innovación te is Cidadão Rede Melhoria Gestão Integrada Participação S SIG BD Contínua de Todos Rede Social
  79. 79. Modelo: Planeamiento, Presupuesto e Gestión PLANEAMIENTO PRESUPUESTO GESTIÓN
  80. 80. Modelo: Planeamiento, Presupuesto e Gestión (modificado para nuevos gobiernos) Capacidad de Ejecución 3 4 5 2 1 Presupuesto P A 4/8/2008 Proyecto de Gobierno Gestión Planeamiento C D
  81. 81. A 8. P Conclusão P Definir 6. 7. Verificação Padronização as Metas 5. Ação Action 4. Plano de Ação Plan 2. Observação 3. Análise Definir 1. M! !! Métodos Identificação RUI do Problema Q Educar e Treinar Comparação Meta C Com Meta IC P Satisfação M Medição Check Itens de Controle Tempo VV V Do C !!! C C S BOM Produtos Bens e/ou Insumos Fornecedores Serviços Clientes D Recebimento
  82. 82. Capacidad de Ejecución 3 4 5 2 1 Presupuesto P A 4/8/2008 Proyecto de Gobierno Gestión Planeamiento C D
  83. 83. Los Sistemas que Hacen Parte del Modelo de Gestión PLANEAMIENTO PRESUPUESTO Colegiado Planejamento Estratégico do Município (2010 ) GESTIÓN Orçamento Global Recursos de Entradas Arrecadação; Previsto: Secretaria / Órgãos Projeto de Governo Plano Plurianual (PPA) (2002 – 2005) --- Jan Fev Mar (...) Dez --- Planejamento Anual(2001, 2002 2003, 2004) , Recursos TOTAL: Próprio Pró Vinculados Despesas Externos Definir Programas / Projetos Prioritários Poder Legislativo Elaborar Lista de Sub-programas / Projetos / Sub-projetos Poder Executivo Despesas - SAD, SED, etc. Elaborar Plano de Ação De Sub-programa, Projetos / Sub-projetos Administração Indireta - - TOTAL: Saldo EXECUÇÃO DOS PLANOS DE AÇÃO • Estabelecimento de cotas AVALIAR RESULTADOS DAS ÁREAS ATRAVÉS DE : • Previsão • - METAS DO PROJETO - INDICADORES DO PROJETO • Fluxo de Caixa AVALIAR RESULTADOS DA SECRETARIA / ÓRGÃOS (OBS .: METAS E INDICADORES AVALIAR RESULTADOS DA PREFEITURA FÍSICOS E ECONÔMICOS ) • Econômico / Financeiro • • Ajuste • •Mensal REALIZAR AÇÕES DE MELHORIA NOS PLANOS •Quadrimestral ENCAMINHAR AÇÕES CONJUNTAS ENTRE SECRETARIAS E ÓRGÃOS PARA ATINGIMENTO DAS METAS REVISÃO DOS INDICADORES DE QUALIDADE E DA VISÃO
  84. 84. Bases del modelo • Usando como base este modelo, se siguió una línea mas participativa y que exigía resultados de los responsables • Los procesos decisorios son acompañados con datos y conocimiento de flujo de fondos y visión clara de planeado x ejecutado. • Todo fue Sistematizado usando Software
  85. 85. Principal foco del modelo • Tener los presupuestos y acciones de gobierno sobre control • Establecer escenarios para previsión y establecimiento de metas de resultado • Una gestión alineada a la visión establecida en el plano estratégico junto con una mejora en la designación de recursos a las operaciones y proyectos
  86. 86. SISTEMA DE GESTIÓN INTEGRADO  Cenários P, E, S, T  Comunidade / Sociedade ESTRATÉGIAS PPA  Agenda 21 DIRETRIZES  Plano de Governo AÇÕES  Resultados da Secretaria A P  Indicadores Estratégicos Nível Estratégico SECRETARIA  Sociedade e Setores C D I  Educação e Capacitação N D AÇÕES  Atingir Metas I  Fluxos de Processo A P C Nível Gerencial PROCESSOS   Indicadores de Resultados Melhoria dos Processos C D A  Educação e Treinamento D O AÇÕES R  Planos de Atividades ATIVIDADES E Nível Operacional TAREFAS   Indicadores de Processo Melhorias A P S  Procedimentos C D RESULTADOS DO ÓRGÃO
  87. 87. Componentes • Sistema de Planejamento – PPA desenvolvido e formatado como instrumento de gestão em dois níveis (global e por secretaria). Desdobramento do projeto de governo no PPA. PE-Planejamento Estratégico descrevendo uma visão de futuro e macro objetivos descritos por indicadores e metas. (PE em algumas Secretarias). – A Prefeitura possui sistema de planejamento contendo os instrumentos de direção estratégica (PE e PPA) e de todas as atividades relativas ao processo de acompanhamento como é o de Orçamento, fluxo de caixa (Integrado ao Planejamento) • Coordenação, processo decisório e controle – Mecanismos de coordenação para avaliação periodica de atividades planejado/realizado conforme PPA e de projetos estratégicos. Reuniões gerenciais e operacionais de acompanhamento. – Sistemática do processo decisório na PMF (Político, Legal e Técnico). Explicitação nos processos decisórios relativos aos direitos de decisão e os respectivos fluxos e implicações. – Controle: Sistema de Indicadores de desempenho Estratégico, Gerecial e Operacional. •
  88. 88. Componentes • Gestão de Recursos (Procedimentos compartilhados com SADM (RH-Competências, Compras, Patrimônio) e SEFIN (Empenho e Pagamento) • Sistema de Comunicação (formal e informal) • Sistema de Informação – TI • Estrututra Organizacional • Processos e Procedimentos – Mapeamento em ARIS. Visão Agregada VACs e detalhada EPCs. – ARIS. Modelagem de dados (ex. Custos e tempos), funções, unidades organizacionais e fluxos de atividades, conhecimento, objetivos, sistemas de informação, etc. – Estabelecer Ambiente ARIS como sistema base de Padronização. Auxilia no processo de elaboração, difusão e detalhamento dos padrões. • Gestão de Performance – Sistema de indicadores (PMF – Indicadores de Qualidade de Vida). Secretarias (indicadores de resultados => eficiência, eficácia e efetividade) – Sistemática de Avaliação e Ação Corretiva. – Sistemática de inovação
  89. 89. Gestión para Resultados Transmite Sala de Situação Visão da Prefeitura Planejamento Orçamentação Estratégico Nível de Agregação dos Indicadores Pressão pelo Cumprimento das Metas Direção Indicadores de Escritório Desempenho de Projetos Assessoria de Assessoria de Planejamento UNIDADES GESTORAS Desenvolvimento Institucional UNIDADES
  90. 90. Sala de Situação PM Sala de Situação Secretaria
  91. 91. Salud y Edicación Casos de la PMF
  92. 92. CASO REESTRUCTURACION DE LA SALUD Secretaria Municipal de Saúde
  93. 93. Projeto de Governo: Plano de Governo 2001-2004 Pessoas Planejamento Estratégico de Execução e Florianópolis Ambiente Acompanhamento Natural Visão de Futuro MACRO ESTRATÉGIAS Plano de Governo Oportuni- Ambiente ESTRATÉGIAS Pessoas Gestão 2001-2004 dades Físico PROJETOS ESTRATÉGICOS Avaliação do Plano de Ambiente Institucional Comunidade Governo de 1997-2000 Ambiente Agenda 21 Institucional
  94. 94. DIAGNÓSTICO • ESTRUTURA ORGANIZACIONAL INCIPIENTE • BAIXA ADEQUAÇÃO AOS PROCESSOS OPERACIONAIS E DECISÓRIOS • FALTA DE UNIFORMIZAÇÃO DO ENTENDIMENTO DOS PROCESSOS OPERACIONAIS • AUSÊNCIA DE TECNOLOGIAS INOVADORAS (TI E FERRAMENTAS DE GESTÃO) • DESMOTIVAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS VONTADE POLÍTICA DE INOVAÇÃO COMPROMETIMENTO DO “CAOS” GESTOR MUNICIPAL • DISPONIBILIZAÇÃO DE CONSULTORIAS • INVESTIMENTOS EM TECNOLOGIAS INOVADORAS • “SENSIBILIZAÇÃO ”/INVESTIMENTOS EM RH
  95. 95. ABORDAGEM SISTÊMICA
  96. 96. Processo de Mudança - ETAPAS PREFEITURA DA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS Descentralização Implantação SMS Mapeamento de Processos Estrutura Organizacional
  97. 97. Processo de Mudança • ENVOLVIMENTO DOS RECURSOS HUMANOS - FORMAÇÃO DO COLEGIADO • ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO • CAPACITAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS • INICIO DO MAPEAMENTO DE PROCESSOS DIFICULDADE DE COMPREENSÃO DO PROCESSO DE MUDANÇA GRUPO TÉCNICO COM ELEVADO GRAU DE CONHECIMENTO E ESPÍRITO CRÍTICO
  98. 98. Mapeamento de Processos Análise de Conjuntura Macroeconômica e de Mercado Análise de Carga Conjuntura Própria de Macroeconômica Demanda e de Mercado Calculada Carga Projeção de Própria de Área ou Orçamentação Excel Variação do Função Demanda PIB Brasileiro B Calculada Projeção de Área ou Excel Cenários Elaborar Proposta Variação do Função Alternativos Orçamentária-SMS PIB Bras ileiro B Registrar LOA -SEFIN Cenários Definição do Cenários Área ou Traçados Cenário de Alternativos Função Atender aos Coordenar Gabinete Encaminhar Dados pro Especialistas Referência B Aprovar e Registrar Orgãos Fiscalizatórios (Conselho Municipal Orçamentários ao Orçamento-SMS - SMS de Saúde)-SMS TCE-SMS Cenários Definição de Cenário do Área ou Referência de Traçados Cenário de Função Evolução pro Especialistas Referência B do PIB Receber Documentos Cenário de -TCE Desdobramento Área ou Analisar Analisar Analisar Examinar Proposta Analisar LOA_SMS Analisar Coordenar Gabinete Técnicas Referência de do PIB por Função Balancetes Balanços Documentos Orçamentária - Câmara LOA_SMS (Conselho Municipal de Negociação Evolução Região B - SEFIN -SEFIN -TCE -GAPLAN Municipal -GAPRE de Saúde)-SMS do PIB Efetuar Acompanhamento Orçamentário-SMS Desdobramento Área ou Analisar Projeções de Técnicas PIB por do PIB por Função Excesso de Arrecadação de Negociação Região Região B -SEFIN PIB por Área ou Projeção Documento Função deRegião Consumo Receber/Analisar Analisar Solicitação de Efetuar Decreto B Solicitação de Incremento Incremento Orçamentário Executivo Orçamentário - Câmara Municipal -GAPRE Projeção de Área ou -GAPRE Projeção Consumo Documento Função de Consumo Realizada por B Furnas Projeção de Consumo Previsão do Realizada por Comportamento deFurnas Consumo Previsão do Comportamento de Consumo
  99. 99. Local Regional Central Gerir Avaliar e apoiar Avaliar e apoiar Recursos gestão do gestão do Mapeamento de Processos Humanos RH nas RH nas Gestão dos nas ULSs ULSs Regionais Recursos Solicitar novos Realizar Humanos funcionários Realocar capacitações funcionários ou capacitações e realocações às regionais nas ULSs de funcionários Acompanhar Coordenar compra Gerir gestão da ULS de patrimônios e Patrimônio e redistribuir disponibilização da ULS Gestão do patrimônio na rede Patrimônio Gerir Gerir Patrimônio Patrimônio da Regional da Rede Solicitar Redistribuir Coordenar Medicamento medicamentos e Compra de e demais insumos demais insumos Medicamentos e ao Nivel Central entre ULSs dermais insumos Gestão de Estoques Avaliar e apoiar Gerir Gerir gestão de estoques do Estoques estoques almoxarifado na ULS local central Gerir verbas Avaliar e Controlar descentralizadas apoiar a prestação e realizar gestão das de contas das Gestão de prestação de verbas das regionais e ULSs Verbas contas ULSs Descentralizadas Gerir Disponibilizar verbas verbas para descentralizadas ULS e das Regionais Regionais Local Regional Central
  100. 100. A INVERSÃO DA LÓGICA DE GESTÃO NÍVEL CENTRAL NÍVEL REGIONAL (VIRTUAL) NÍVEL LOCAL NÍVEL LOCAL NÍVEL REGIONAL (FORTALECIMENTO) NÍVEL CENTRAL
  101. 101. Acompanhamento das Ações Ações Planejadas Oficinas de Territorialização Conjunto de Informações Indicadores de Salas de Acontecimentos Desempenho Situação relatados e e Metas avaliados nas reuniões de equipes Acompanhamento e Avaliação
  102. 102. Estrutura Comissão Intergestores Tripartite Comissão Intergestores Bipartite Conselho Municipal de Saúde GAPLAN Organizacional Secretaria Fundo Municipal Municipal de Saúde de Saúde Completa Assessoria de Assessoria Grupo de Desenvolvimento de Planejamento Implantação da Secretaria Institucional e Regulação Gestão Plena Estadual com Entidades Assessoria de Saúde Programa Controle e de Tecnologia Articulação Docente Auditoria com o Estado Assistencial da Informação Externas Universidade Assessoria de Desenvolvimento Planejamento, programação, avaliação e Assessoria de Gestão da Planejamento da Transição para SADM SEFIN Ministério Corporativo Informação do RH regulação Gestão Plena da Saúde Conselhos Assessoria de Assessoria de Procuradoria Locais de Assessoria SMTO GAPLAN Comunicação Comunicação e Geral do Saúde Jurídica Nível I - Direção Superior Social Marketing Município Unidade Unidade Comitês Técnicos de Atenção Administrativo- à Saúde Financeira Unidade Unidade Nível II - Coordenação Normativa Normativa Nível III – Regional Regional Regional Vigilância Programático I I IV V da Saúde Recursos Humanos Obras e Reformas Orçamentação Nível III – Serviços Convênios / Posto Posto Contratos / Financeiro Programático II de Saúde NAPS de Saúde Laboratório Gerais Compras I XXV - Enfermagem - Atendimento - Enfermagem - Análise de - Processamento de Gerir Quadro Grandes Elaborar - Clínico Geral Psicosocial - Clínico Geral Coletas Informações Epidemiológicas de Funcionários Obras Orçamento Competências - Pediatria - Secretaria - Pediatria - Secretaria - Vigilânicia Epidemiológica Alimentar Pequenas Acompanhar - Fármacia - Fármacia - Nutrição - Nutrição Genérica Folha de Obras Orçamento - Secretaria - Secretaria Pagamento - Vigilância Epidemiológica Disponibilidade - Avaliação - Avaliação - Avaliação - Avaliação Especializada Serviços Gerir Diversos - FMS - Informação - Informação - Informação - Informação Recursos - Vigilância dos Gerir Materiais Pagamento - Planejamento - Planejamento - Planejamento - Planejamento - FMS Local Local Local Local Estabelecimentos Fluxo de Gerir - Controle - Controle - Controle - Controle Documentos Patrimônio Ações - Meio Ambiente de Metas de Metas de Metas de Metas Formalizar e Ações da - Promoção - Promoção - Promoção - Promoção - Zoonose Acompanhar Saúde da Saúde da Saúde da Saúde da Saúde Contratos - Educação - Educação - Educação - Educação - Saúde do Trabalhador em Saúde em Saúde em Saúde em Saúde Vigilância Alimentar e Nutricional necessidade de articulação do Capital recurso com a ação Criança médio relacionamento DST / AIDS do recurso com a ação Saúde forte relacionamento Bucal do recurso com a ação Saúde Mental Nível IV - Técnico-executivo
  103. 103. NOVO MODELO ORGANIZACIONAL Secretário Municipal de Saúde O “NOVO” Secretaria Adjunta Colegiado O “PRINCIPAL” Gestor O “IMPRESCINDÍVEL” SAÚDE Assessoria de Planejamento Assessoria de Desenvolvimento APOIO Institucional Assessoria Jurídica Departamento Departamento de Administrativo- Saúde Pública Financeiro Comitê de Responsabilidade Técnica Assessoria de Atenção Assessoria de à Saúde Vigilância em Saúde Divisão de Recursos Divisão de Recursos Divisão de Execução Divisão de Logística Humanos Materiais e Patrimônio Financeira Regionais de Saúde Legenda Órgão de Administração Superior Níveis de Assessoramento Órgão de Atividade Finalística Unidades de Saúde Nível Operacional Órgão de Execução Instrumental Nível de Execução Instrumental
  104. 104. O “PAINEL DE CONTROLE” INDICADORES INDICADORES ESTRATÉGICOS PACTUADOS COM NC INDICADORES PACTUADOS NO NL
  105. 105. Processo de Mudança – RESULTADOS OBTIDOS • IMPLEMENTAÇÃO DE UMA NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL • ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO • ELABORAÇÃO DO CÓDIGO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE • DESCENTRALIZAÇÃO EFETIVA DOS PROCESSOS – LÓGICA ASCENDENTE • FORTALECIMENTO DO NÍVEL LOCAL • IMPLANTAÇÃO DE SISTEMÁTICA DE PLANEJAMENTO / ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO • PROFISSIONALIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO • CONSOLIDAÇÃO DO MODELO DE SAÚDE NA LÓGICA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE • OTIMIZAÇÃO DOS RECURSOS • ATENDIMENTO DE SAÚDE COM MAIOR QUALIDADE E SEGURANÇA • MAIOR SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS • MAIOR VALORIZAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS • FORTALECIMENTO DO TRABALHO EM REDE - INTERSETORIALIDADE
  106. 106. Implantação do Modelo Organizacional • Etapas realizadas – Capacitação – Implantação – Reuniões para criação dos grupos para implantação da estrutura – Definição dos objetivos e atribuições de cada grupo – Apresentação da metodologia e cronograma de apresentação – Elaboração cronograma reuniões melhoria de processos – Participação periódica nas reuniões entre os grupos de implantação – Elaboração do projeto de modelo organizacional – Capacitação dos grupos para implantação do projeto – Estudo dos processos a serem melhorados – Realizar reuniões de melhoria de processos com representantes de interfaces sucessoras e predecessoras – Criação de novos processos – Aplicação do método 5W1H – Redesenho de processos no ARIS – Validação de aderência do redesenho de processo – Manual do Modelo Gestão da Secretaria
  107. 107. REFORMA ADMINISTRATIVA DA PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
  108. 108. Estratégia Estrutura Organizacional Processos de Negócios Indicadores De Gestão do Tecnologia Desempenho Conhecimento da Informação

×