Your SlideShare is downloading. ×
Emigrazione italiana
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Emigrazione italiana

514

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
514
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
10
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • P0010841 - S. J. POLÊSINE - FAXINAL DO SOTURNO - UVAS PRETAS-ENXERTADA-650
  • P0010502 - S. J. POLÊSINE - ANA E JAIRO NO LAÇO-325 P0010490 - S. J. POLÊSINE - ANA E JAIRO NO LAÇO-325 P0010494 - S. J. POLÊSINE - ANA E JAIRO NO LAÇO-325 P0010487 - S. J. POLÊSINE - ANA E JAIRO NO LAÇO-325
  • Transcript

    • 1. Emigração italiana para o Brasil, segundo as regiões.Regiões de procedência Emigrantes PeríodoVêneto 365.710 1876/1920Campânia 166.080Calábria 113.155Lombardia 105.973Abruzzi/Molizi 93.020 Fonte:Toscana 81.056 Brasil 500 anos deEmília Romagna 59.877 povoamento.Basilicata 52.888Sicília 44.390 IBGE.Piemonte 40.336 Rio dePuglia 34.833 Janeiro. 2000Marche 25.074Lazio 15.982Úmbria 11.818Ligúria 9.328Sardenha 6.113Total 1.243.633
    • 2. • De 1870 a 1920, o Brasil recebeu cerca de 1,5 milhão de imigrantes italianos. Só para o Estado de São Paulo vieram 965 mil, ou seja, quase 70% do total. • De acordo com dados da biblioteca do Memorial do Imigrante: De 1880 a 1889 o Estado de São Paulo recebeu 144.654 italianos. Só em 1888 vieram para o Estado 91.826 imigrantes, destes, 80.749 italianos.• Em 1890, a cidade de São Paulo registrou a chegada de aproximadamente 64 mil imigrantes da Itália.
    • 3. • No início do século, circulavam em São Paulo quatro jornais em italiano. • Acredita-se que houve um tempo em que o idioma mais falado em São Paulo era o italiano.• Estima-se que ainda hoje São Paulo possua a terceira maior colônia italiana, depois de Nova York e Buenos Aires.• Dados de 2000 da Embaixada da Itália apontam a presença de 25 milhões italianos e descendentes no Brasil. • O Estado de São Paulo abriga hoje 6 milhões italianos e descendentes, segundo estimativa do Consulado Italiano
    • 4. Não eram sons jogados ao léu. Eram ecos de tempos difíceis.Trilha sonora de uma fuga em massa que reverberou no Brasil, o canto vêneto resume, a seu modo, a história dos camponeses italianos que aqui vieram carpir. Que aqui vieram fare l’America.Se a chegada desses milhares de homens é com freqüência tratada em livros, filmes ou relatos de descendentes, menos esmiuçadas são as razões da partida.
    • 5. São as respostasa essas perguntas que nos oferece o pesquisador Emilio Franzina, professor de História Contemporânea na Universidade de Verona, em : A Grande Emigração o êxodo dos italianos do Vêneto para o Brasil, que, finalmente,ganha uma edição em português. Clássico dos estudos sobre imigração, escrito em 1976, o livro foi publicado pela Editora Unicamp e, apesar do atraso, mantém-se novinho em folha.
    • 6. Franzina procura incluir ofenômeno num certo quadro dedesenvolvimento do capitalismo e rompe com a idéia de que a emigração explica-se por si, de que existiu porque tinha de existir.Revelador do “fascínio exercido pelo mito da América como terra prometida”, o êxodo é também um termômetro da miséria nos campos de uma Itália recém- unificada.
    • 7. A história dessa imigração é, também, o relato de uma luta silenciosa de classes.Recoberto pela pátina do tempo, o fenômeno dá umsemblante heróico aos homens que aqui chegaram. Mas que história é essa que eles escreveram?Quem contracenava com eles nesse enredo do exílio?
    • 8. “Os jornais antiemigrantistas falavam em ‘incitadores’ e ‘trambiqueiros’ profissionais,mas havia um verdadeiro exército de intermediários”, conta o professor. “Em muitos lugares, eram os prefeitos, padres, secretários municipais e professores de escolas primárias que desempenhavam a função de agentes da emigração.”
    • 9. Luigi Biondi, um dos tradutores do livro e professor de História Contemporânea da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), define como política de governo o que ali se passou. “Havia um excesso populacional nessa região e o governo tentou esvaziá-la um pouco”, diz Biondi, ele também imigrante, mas de feições novas. Formado na Universidade de Roma La Sapienza, chegou aoBrasil para fazer doutorado sobre imigração na Unicamp e por aqui ficou.
    • 10. Por trás do desejo governamental de estimular a população a seguir para uma espécie de exílio voluntário, oculta-se também o medo da massa. Da mobilização.“À medida que expulsam essas pessoas, eles evitam lutas trabalhistas e a organização nos campos”, observa a historiadora Zuleika Alvim, autora de Brava Gente! (grande sucesso nos anos 80, hoje esgotado), que traslada a história de Franzina para o lado de cá do oceano.
    • 11. Anos de má colheita, como 1878, têm registros estatísticos que mostram a elevação do fluxo migratório em quase todo o Vêneto.Em 1886, por exemplo, uma epidemia de cólera despovoa quase por inteiro a área do Montello (no Treviso). A servir de consolo aos camponeses, a miragem: Para mim basta conseguir sobreviver este ano. Se depois tudo der errado, não me importo, vou já para a América, pregavam.O mal-estar nos campos, tornado “miséria endêmica”, serve de base para acorrelação entre “as condições da agricultura, o crescimento do fenômeno migratório e as primeiras tentativas de constituir na Itália uma base industrial”, estabelecida por Franzina.
    • 12. “A emigração, como já observava o pensador italiano Antonio Gramsci, representa um problema não resolvido na vida econômica e social da Itália, apresentando-se como uma constante de um modelo de desenvolvimento.”Os pesquisadores esclarecem ainda que muitos banqueiros italianos esticaram os olhos sobre as remessas que os emigrantes enviavam para a terra natal, fosse para ajudar familiares, fosse para pagar dívidas. “Há também um grande interesse das companhias de navegação que, muitas vezes, eram ligadas aos bancos e fizeram fortunas”, pontua Zuleika.Para enxergar a face econômica do fenômeno é preciso ter em mente a crise da economia agrícola européia, entre 1850 e 1870.
    • 13. “A emigração, como já observava o pensador italiano Antonio Gramsci, representa um problema não resolvido na vida econômica e social da Itália, apresentando-se como uma constante de um modelo de desenvolvimento.”Os pesquisadores esclarecem ainda que muitos banqueiros italianos esticaram os olhos sobre as remessas que os emigrantes enviavam para a terra natal, fosse para ajudar familiares, fosse para pagar dívidas. “Há também um grande interesse das companhias de navegação que, muitas vezes, eram ligadas aos bancos e fizeram fortunas”, pontua Zuleika.Para enxergar a face econômica do fenômeno é preciso ter em mente a crise da economia agrícola européia, entre 1850 e 1870.
    • 14. E, depois, o enterro das lembranças, pois, como escreve Thomas Mann em A Montanha Mágica,“tal qual o tempo, o espaço gera o esquecimento, desligando o indivíduo das suas relações”. Apartados da terra natal, eles tentaram, a princípio, reerguer aqui o mundo tornado memória.“Para os vênetos, a terra era algo extremamente importante e, aqui no Brasil, eles tentavam reproduzir o ambiente que tinham deixado para trás.
    • 15. “Mas é incorreto achar que fossem avessos à organização.
    • 16. ” O professor lembra que vários vênetos estiveram envolvidos na primeira grande greve geral noscampos brasileiros, ocorrida em 1913, na região de Ribeirão Preto, interior de São Paulo. “Muitas lideranças foram expulsas do País. Eles conseguiram umas poucas melhorias, mas o principal resultado foi a repressão violenta.
    • 17. Eles recebiam um carimbo vermelho, de grevistas,nas carteiras de identificação e não conseguiammais emprego”, relata Biondi.
    • 18. “As lutas internas nas fazendas são pela sobrevivência e não deixam de abalar o sistema cafeicultor”.
    • 19. HistóriaA atual estrutura da máfia levou séculos para se desenvolver.Tudo começou na ilha da Sicília.
    • 20. Professor Michael Hall, da Unicamp, norte- americano que estudava a imigração italiana nos EUA, mas há duas décadas vive no Brasil, observa que, apesar das diferenças profundas, alguns brasileiros chegam a associar os imigrantes daqui aos sicilianos de O Poderoso Chefão.“Nos Estados Unidos, não há imigração italiana, antes de 1900, ou seja, é uma geração depois da que chegou ao Brasil.
    • 21. Aqui, em sua primeira fase, foi agrícola. Lá, foram para as cidades. Aqui, também sofreram menos discriminação e a língua é mais parecida”, define Hall. Não que aqui tenham sido só flores.Zuleika conta que algunscamponeses chegaram a enlouquecer. Brás, Mooca ou Bexiga (bairro de calabreses, campanos e de algunspuglieses) eram, muitas vezes, refúgio dos que não suportavam a vida no campo.
    • 22. Ainda assim, foi nos EUA, e não aqui, que a máfia vingou. “Há uma grande discussão a esse respeito. Creio que seja uma combinação de experiências anteriores com a falta de acesso a outras oportunidades nos Estados Unidos. Aqui, os italianos encontraram caminhos para crescer e não se isolaram, de forma até secreta, como lá”, diz Hall.
    • 23. Em Santa Catarina ou no Rio Grande do Sul, a matriz camponesaera diferente, pois os imigrantes eram donos da terra”, diz Franzina.Calcula-se que a imigração italiana para o Rio Grande do Sul tenha sido entre 80 mil e 100 mil pessoas, mais de metade vênetos. Eles não foram para fazendas, mas para colônias imperiais, como as de Caxias do Sul, ou a colônia Garibaldi, formadas em 1875.
    • 24. Papa.
    • 25. As diferenças entre São Paulo e o Rio Grande do Sul são exemplares dos matizes de uma imigração que, por vezes, é vista como uniforme.Foram muitas as Itálias que embarcaram nos navios do fim do século XIX e início do XX.
    • 26. São comunidades moldadas também pelo forte catolicismo. Até hoje, não faltam naregião das colônias o sinal-da-cruz e o nome-do-padre. “Até os anos 50, se viesseuma tempestade, o colono dizia que isso tinhaacontecido porque alguémhavia blasfemado muito”, conta o frei, cuja família saiu da Lombardia, em 1888.
    • 27. Isto é São Paulo
    • 28. E não podemos esquecer que a presença de italianos em alguns estados brasileiros, como São Paulo, é imensa.
    • 29. O músico Mario Zan e mais um punhado de gente com sobrenomes como Trevisan, Furlan, Bortoletto, Meneghello, Chinaglia e Casagrande. Mario Giovanni ZandomeneghiMais conhecido como Mario Zan, (Roncade, 9 de outubro de1920 - São Paulo 9 de novembro de 2006).Foi um acordeonista ítalo-brasileiro, famoso por suas cançõestípicas das festas juninas do centro-sul do Brasil.Emigrou com sua família para o Brasil ainda na década de1920 e instalou-se na região de Catanduva, São Paulo.
    • 30. De seu repertório, 36 músicas foram regravadas por intérpretesbrasileiros como Roberto Carlos, Sérgio Reis, Almir Satter eoutros.Suas canções mais populares são Quadrilha Completa, BalãoBonito e Noites de Junho ou Pula a Fogueira.Foi o autor dos Hinos comemorativos dos 400 anos e 450 anos dacidade de São Paulo.
    • 31. Começou a tocar acordeão aostreze anos de idade foiconsiderado um dos melhoresacordeonistas do Brasil, tendose tornado pelas composições(mais de mil gravadas) dasmais populares canções dasfestas juninas paulistas; entreelas, “Os Homens Não DevemChorar”, de repercussãointernacional, que acumulamais de 200 interpretações emtoda a América Latina,Estados Unidos, Portugal,França, Alemanha, China eJapão.
    • 32. O sambistaSe o grande Adoniran foi para o Brás Adoniran Barbosa. para fazer o “Samba do Arnesto”, onde nóis fumo e nun encontremo ninguém, muitos dos que se instalaram no bairro ajudaram a fundar o movimento operário. “A Sociedade Vêneta San Marco foi um dos centros de agregação socialista.
    • 33. Pietro Maria Bardi Bardi conheceu a arquiteta Lina Bo noJornalista e museólogo ítalo Studio dArte Palma, em Roma, onde brasileiro ambos trabalhavam e casou-se com ela em 1946. No mesmo ano, eles decidem vir para o Brasil, país com a perspectiva de prosperidade e cenário de uma arquitetura talentosa e promissora. Chegaram ao Rio de Janeiro em 17 de outubro de 1946. Com as obras trazidas da Itália, Bardi organizou a "Exposição de pintura italiana moderna", onde conheceu o empresário Assis Chateaubriand, que o convidou para montarem juntos um museu há muito tempo idealizado. 21/02/1900 em La Spezia, Itália De 1947 a 1996 Bardi criou e comandou 01/10/1999, São Paulo (SP) o MASP.
    • 34. Pietro Maria Bardi Paralelamente, manteve sua atividade de ensaísta, crítico, historiador, pesquisador, galerista e marchand. Em 1992 publicou seu 50º e último livro, "História do MASP".No mesmo ano perdeu sua esposa Lina.Em 1996, abatido, afastou-se do comando do museu.
    • 35. Ciccilo Matarazzo, e Aldemir Martins e Flavio Machado Francisco Matarazzo Sobrinho, o Ciccillo, nasceu em 20 de fevereiro de 1898 em São Paulo. A fortuna que Ciccillo veio herdar teve origem nas conquistas de seu tio, o Conde Francisco Matarazzo, um imigrante italiano que veio para São Paulo, negociar gordura de porco na região de Sorocaba, no século 19.Seu interesse pela arte começou apósconversas com o crítico de arte Sergio Milliete o arquiteto Eduardo Kneese de Melo.Em 1948, montou uma subdivisão da Bienal:o Museu de Arte Moderna de São Paulo(MAM-SP).Em 1962, separou as duas entidades,tornando-as independentes e criou aFundação Bienal de São Paulo.
    • 36. Sinal dos temposIgreja voltada aos italianos hoje se dedica a latino-americanos e africanos Dentre as muitas igrejas ligadas à comunidade italiana existentes em São Paulo, uma é especialmente importante quando se fala de imigração: a Nossa Senhora da Paz, no Glicério, pedaço degradado da região central da cidade. Inaugurado no início dos anos 40, o lindo templo (“Enclave de beleza”,) pertence à Congregação dos Scalabrinistas, destinada a cuidar dos imigrantes. E jamais se desviou da vocação inicial.
    • 37. ENCLAVE DE BELEZA Todo primeiro domingo do mês é assim.Nel nome del Padre e del Figlio e dello Spirito Santo. Beleza sobrevivente no degradado bairro do Glicério, região central de São Paulo. Na Igreja Nossa Senhora da Paz ainda se ouve o Pai-Nosso em italiano, sob o canto de vozes bem ensaiadas.
    • 38. A história da congregação remonta a 1880.“No fim do século XIX, nossos padres já atendiam os órfãos urbanos e iam aos cafezais fazer batizados”, conta o padre Lírio Berwanger, responsável pela paróquia. Não foi o acaso que pôs a igreja no Glicério. É que ali na região tinha sido inaugurada, em 1887, a Hospedaria do Imigrante, destino de todos os que desembarcavam dos navios.
    • 39. Se muitos partiam dali para as fazendas, outros tantos se espalhavam pelo Brás, Mooca, Cambuci e Glicério. “Os padres tinham de pensar nas pessoas que ocupavam essa região, que era a periferia dos italianos”, completa o padre Lírio.O tempo correu e, depois de muito tentar, a Ordem conseguiu, nos anos 70, erguer a própria Casa do Imigrante. Mas, a esta altura, os italianos já não precisavam de amparo. “Esta igreja nasceu com os italianos, mas, à medida que elesforam se integrando, passamos a cuidar da nova imigração que chegava aqui”, diz o padre Mário Geremia, responsável pelaPastoral do Imigrante, que presta assessoria jurídica, espiritual e social com o apoio de 21 voluntários.
    • 40. Terra do Papa e da tarantela“Para o Brasil, a Itália é um país homogêneo”, diz o historiador Por que só agora o livro foi traduzido para o português? Emilio Franzina: Existe o problema do relacionamento entre as culturas italiana e brasileira. O Brasil olha mais para a França e para os Estados Unidos. A Itália é, no máximo, vista como o país do papa. A tradução havia sido proposta pelo professor Michael Hall no início dos anos 80, mas só agora saiu. Acredito que hoje exista uma sensibilidade maior nos ambientes intelectuais ao fenômeno das imigrações, até porque há uma imigração brasileira nos Estados Unidos e na Europa. Passa, portanto, a ser mais importante o conhecimento desse fenômeno.
    • 41. Mas hoje é grande a quantidade de estudos sobre a imigração italiana? EF: Os estudos sobre a imigraçãoeuropéia tornaram-se muito numerosos nos últimos 20 ou 30 anos.Quando escrevi o livro, não existia uma produção tão rica como a de agora. Hoje, em toda universidade brasileira, não somente na USP, na Unicamp ounas grandes universidades federais, mastambém nas pequenas universidades em zonas que tiveram a presença européia no Sul, têm teses sobre o assunto.
    • 42. Mostra ao leitor o lado trágico e curioso dessa notável aventuradentro de contextos históricos vários e desvenda esse mistério que voluntariamente a Itália desconhece.Dedica ao Bispo Scalabrini e a toda sua obra o merecido destaque,mostrando que a imigração deve a ele toda a sua força e dignidade, permitindo até hoje mostrar quem são os italianos no mundo. Deveria ser guia didático absolutamente indispensável de sensibilização nas escolas italianas porque põe em confronto a situação que se vive hoje, já que os fluxos imigratórios são em sentido inverso, fazendo com que a Itália seja já um país multicultural.A importância também desse livro escrito em português brasileiroe italiano privilegia a esses dois povos tomar conhecimento de suaprópria história, o que é indispensável para se ter uma identidade sobre a qual possam construir o próprio futuro.
    • 43. Pesquisas/Ilustrações: Internet http://www.portinari.org.br/http://www.itaucultural.org.br/aplicExternas/enciclopedia_teatro/http://www.cartanaescola.com.br/edicoes/2007/15/patria-em-fuga/ http://www.cartacapital.com.br/2006/04/4351/ Musicas:- Baile na Roça – Mario Zan Con te partiro – Andrea Bocelli Godfather - Instrumental Hino do Quarto Centenário – Mario Zan Isto é São Paulo-Demônios da Garoa Gaita gaucha– Intérprete desconhecido Samba do “Arnesto”- Demônios da Garoa Formatação: José Carlos Suman suman.josecarlos@gmail.com Editado em 06/2007 e revisado em 10/2009. FINE

    ×