Jean daniel pollet
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
397
On Slideshare
396
From Embeds
1
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 1

http://sbm-pa.blogspot.com 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Jean-Daniel Pollet Jean-Daniel Pollet
  • 2. Biografia – Jean Daniel Pollet Jean-Daniel Pollet
    • Jean Daniel Pollet nasceu a 20 de Junho de 1936 e faleceu a 09 de Setembro de 2004.
    • Deu os seus primeiros passos atrás da câmara com um documentário da vida selvagem e em seguida, realizou uma história única sobre os frequentadores de St Tropez.
    • Durante o serviço militar, ele era repórter para a notícia cinematográfica de serviço das Forças Armadas. Aproveitou a oportunidade para gravar ao fim de semana, com equipamento emprestado, uma primeira curta-metragem, Pourvu qu'on ait l'ivresse (1958) que ganhou a curta-metragem em Veneza.
    • Na idade de 21 anos, Jean Daniel Pollet já era famoso.
    • Em Abril de 1989, sofreu um grave acidente que o deixou paralisado (foi atropelado por um comboio enquanto filmava perto de uma estação ferroviária).
  • 3. Técnica e Equipamento Jean-Daniel Pollet
    • Técnica:
      • Panorâmicas
      • Planos Fixos
      • Travellings
      • Voz off
    • Equipamento:
      • Película de 35mm e de 16mm
  • 4. Pourvu qu’on ait l’ivresse (1958) Jean Daniel Pollet Jean-Daniel Pollet iniciou a sua carreira cinematográfica com esta curta metragem realizada nos salões de dança da região de Paris. Ele filmou os bailarinos entre os quais ele notou uma pessoa que saia do comum: Claude Melki. O filme gira em torno da silueta de Melki e das suas hesitações.
  • 5. Méditerranée (1963) Jean-Daniel Pollet Quatro meses de viagem de carro, acompanhado por Volker Schlöndorff, em todo o Mediterrâneo. Quinze países, 35.000 quilómetros. Visões intercaladas de jardins, pórticos, de touradas, de máscaras funerárias, que têm o mistério de um lugar de felicidade eterna, em oposição a face serena de uma jovem mulher numa mesa de operação.
  • 6. L’amour c’est gai, l’amour c’est triste 1971 Jean-Daniel Pollet Numa localidade de Faubourg Saint-Antoine, Leon divide uma casa com a sua irmã Marie. Num quarto, ele recebe os seus clientes: ele é um alfaiate. Noutro quarto, Marie recebe os dela : ela é vidente. Leo sente-se plenamente feliz até ao dia em que descobre o que Marie lhe escondia por afecto: Ela é uma prostituta e Maxime, seu suposto noivo, é o seu intermediário. Naquele dia, Leo também descobre o amor em Arlette, uma jovem da província colhida por Maria.
  • 7. L’ordre (1974) Jean-Daniel Pollet Imagem de uma ilha perto da Creta: Spinalonga. Movimentos alternados com planos fixos e uma voz off. Aceleração. Então, em frente à uma câmara, um leproso: Raimondakis. Ele viveu durante muitos anos nesta ilha com outros doentes deixados ali para morrer. Fora da vista, organizaram as suas vidas até serem colocados num hospital perto de Atenas. É como um retorno a zero. Mais do que um filme sobre a doença e a enfermidade, o filme levanta questões dos olhares e da traição.
  • 8. L’acrobate 1976 Jean-Daniel Pollet Pequeno, magro, feio, tímido e desajeitado, Leon (Claude Melki) não tem sucesso com as mulheres. Apaixona-se por Fumée, uma prostituta de quem gostava que fosse sua única cliente. Para seduzi-la ele decide imitar seu amigo Ramon, mulherengo e bailarino de tango. Inscreve-se então nas aulas de tango e logo provou ser muito talentoso. Aos poucos, perde os seus complexos e ganha confiança até ousar ir a competições de dança. Fumée torna-se seu par e juntos ganham muitos prémios, escapando assim à solidão.
  • 9. Pour mémoire - La forge 1978 Jean-Daniel Pollet Uma metalurgia na Perche. Prestes a fechar. Jean Daniel Pollet centra-se nos gestos que serão perdidos, aqueles homens que repetem com precisão, amor e desespero os seus árduos trabalhos. Jean Daniel Pollet faz deste filme um poema humanista do fim deste mundo metalúrgico e à perda da transmissão de conhecimentos, mas também uma reflexão sobre o trabalho e o seu significado.
  • 10. Dieu sait quoi (1994) Jean-Daniel Pollet "Este mundo mudo é a nossa única pátria“ Esta pequena frase de Francis Ponge pode ser considerada como o emblema do filme, onde as letras são uma partição do poeta, bem como a música. Pollet filma objectos humildes numa casa da região do Sul de França, com uma foto de Ponge na parede e uma televisão onde passam os antigos filmes do autor.
  • 11. C’eux d’en face (2001) Jean-Daniel Pollet Mikaël vive numa antiga casa de campo no sul da França, perto da Durance. Mikaël é um compositor, ele compõe ocasionalmente, bandas sonoras para filmes. Actualmente ele trabalha na redacção de um concerto. Um dia conhece Linda. A jovem veio para recuperar uma mala que pertencia ao seu companheiro, Sebastian, um amigo de Mikaël. Um pouco fascinada por Linda, Mikaël convida-a a viver durante um tempo na velha casa de campo. A jovem concorda e começa a trabalhar sobre os textos e as fotografias que Sebastian lhe envia regularmente. Este jovem inteligente é fascinado com o mal ...
  • 12. Jour aprés jour(2006) Jean-Daniel Pollet Ele mora num mundo como a sua casa: imóvel. Um grave acidente deixou-o neste mundo: uma casa no meio de um grande jardim. Ele já não pode percorrer pelo mundo: ele o contempla dia após dia a partir da sua casa. Ele é um cineasta. Ele viveu apenas para fazer filmes. Durante um ano, acumulou fotos da sua vida diária, pelo menos uma vez por dia. Quando ele faleceu, Jean-Paul Fargier recebeu um grande dossier contendo milhares de fotos. É a partir desse material que o filme foi realizado.
  • 13. Webgrafia Jean-Daniel Pollet http://fr.wikipedia.org/wiki/Jean-Daniel_Pollet http://fr.wikipedia.org/wiki/Pourvu_qu%27on_ait_l%27ivresse http://cinema.encyclopedie.personnalites.bifi.fr/index.php?pk=11584 http://www.allocine.fr/personne/fichepersonne_gen_cpersonne=1526.html   http://www.ekebi.gr/frontoffice/portal.asp?cpage=RESOURCE&cresrc=834&cnode=145 http://www.pileface.com/sollers/imprime.php3?id_article=91&var_mode=recalcul http://www.universalis.fr/encyclopedie/jean-daniel-pollet/ http://www.critikat.com/Jour-apres-jour.html http://www.tofu-magazine.net/newVersion/pages/ivresse.html http://www.premiere.fr/film/Pour-Memoire-La-Forge http://www.newwavefilm.com/images/Jean-Daniel-Pollet.jpg http://www.editions-harmattan.fr/index.asp?navig=catalogue&obj=video&no=1278 http://www.cinemovies.fr/fiche_film.php?IDfilm=14677 http://kinoks.org/article.php3?id_article=18 http://www.arte.tv/fr/05-octobre/965926.html Trabalho realizado por: Sandrina Borges Machado -- Nº 39389 Produção Audiovisual – Comunicação e Multimédia Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro