Your SlideShare is downloading. ×

Impactos del movimiento del acceso libre en la comunicación del conocimiento

639

Published on

Ponencia presentada por María Irene da Fonseca e Sá, como parte del X Coloquio Internacional de Tecnologías aplicadas a los Servicios de Información

Ponencia presentada por María Irene da Fonseca e Sá, como parte del X Coloquio Internacional de Tecnologías aplicadas a los Servicios de Información

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
639
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. IMPACTOS DO MOVIMENTO DOIMPACTOS DO MOVIMENTO DO ACESSO LIVRE NAACESSO LIVRE NA COMUNICAÇÃO DOCOMUNICAÇÃO DO CONHECIMENTOCONHECIMENTO Maria Irene da Fonseca e SáMaria Irene da Fonseca e Sá Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJUniversidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ Rio de Janeiro – BrasilRio de Janeiro – Brasil mariairene@facc.ufrj.brmariairene@facc.ufrj.br
  • 2. Comunicação CientíficaComunicação Científica ““A comunicação situa-se no próprio coração daA comunicação situa-se no próprio coração da ciência. É para ela tão vital quanto a própriaciência. É para ela tão vital quanto a própria pesquisa, pois a esta não cabe reivindicar compesquisa, pois a esta não cabe reivindicar com legitimidade este nome enquanto não houver sidolegitimidade este nome enquanto não houver sido analisada e aceita pelos pares. Isso exige,analisada e aceita pelos pares. Isso exige, necessariamente, que seja comunicada.”necessariamente, que seja comunicada.” (Meadows, 1999)(Meadows, 1999) ““Não esqueça que o que chamamos hoje realidadeNão esqueça que o que chamamos hoje realidade foi imaginação ontem”foi imaginação ontem” (Saramago, José. O Homem Duplicado, 2002)(Saramago, José. O Homem Duplicado, 2002)
  • 3. Comunicação CientíficaComunicação Científica Século XVII - Periódicos Eletrônicos:Século XVII - Periódicos Eletrônicos: canais preferenciais para a certificação docanais preferenciais para a certificação do conhecimento científico e confirmação daconhecimento científico e confirmação da autoria da descoberta científica.autoria da descoberta científica. Editoras: Processo da publicação dosEditoras: Processo da publicação dos artigos e alto custo de manutenção dasartigos e alto custo de manutenção das coleções atualizadas.coleções atualizadas.
  • 4. Comunicação CientíficaComunicação Científica Questionamentos sobre o sistema atual deQuestionamentos sobre o sistema atual de publicaçãopublicação Objetivo: Pesquisas financiadas estejamObjetivo: Pesquisas financiadas estejam amplamente acessíveisamplamente acessíveis Cenário: Globalização e evoluçõesCenário: Globalização e evoluções tecnológicas (TICs)tecnológicas (TICs) Solução: Acesso aberto / Acesso livreSolução: Acesso aberto / Acesso livre
  • 5. Comunicação CientíficaComunicação Científica ATORES:ATORES: Editoras, Pesquisadores, Agências deEditoras, Pesquisadores, Agências de financiamento, Instituições de pesquisa efinanciamento, Instituições de pesquisa e Universidades, Sociedade, Governo, Bibliotecas,Universidades, Sociedade, Governo, Bibliotecas, Provedores de acessoProvedores de acesso ““A vida [...] tem-me ensinado que nenhuma coisa éA vida [...] tem-me ensinado que nenhuma coisa é simples, que só às vezes o parece, e que ésimples, que só às vezes o parece, e que é justamente quando mais o parecer que mais nosjustamente quando mais o parecer que mais nos convirá duvidar.”convirá duvidar.” (Saramago, José. O Homem Duplicado, 2002)(Saramago, José. O Homem Duplicado, 2002)
  • 6. Comunicação CientíficaComunicação Científica - Autores são financiadosAutores são financiados - Autores realizam pesquisas, escrevem sobre seus resultadosAutores realizam pesquisas, escrevem sobre seus resultados submetem seus manuscritos a um editorsubmetem seus manuscritos a um editor - Editores solicitam parecer sobre manuscritos a pesquisadoresEditores solicitam parecer sobre manuscritos a pesquisadores especialistas na áreaespecialistas na área - Se aceito o trabalho, editores o publicam e o autor cede os direitosSe aceito o trabalho, editores o publicam e o autor cede os direitos autorais aos editoresautorais aos editores - Os pesquisadores autores têm o acesso a seus trabalhos restringidoOs pesquisadores autores têm o acesso a seus trabalhos restringido pelos custos dos periódicospelos custos dos periódicos Conclusão: O estado paga pela pesquisa e pelo acesso ao resultado daConclusão: O estado paga pela pesquisa e pelo acesso ao resultado da pesquisapesquisa ““O conhecimento hoje está sendo comercializado como jamais foi”O conhecimento hoje está sendo comercializado como jamais foi” (Mueller, 2006)(Mueller, 2006)
  • 7. Acesso LivreAcesso Livre SKYWRITING – escrever nos céusSKYWRITING – escrever nos céus ““a disseminação da palavra escrita naa disseminação da palavra escrita na Era Pós-Galácia de Gutenberg seriaEra Pós-Galácia de Gutenberg seria como escrever no céu, para todocomo escrever no céu, para todo mundo ver e adicionar seusmundo ver e adicionar seus comentários como se fosse grafite noscomentários como se fosse grafite nos banheiros públicos” (Harnard,1991)banheiros públicos” (Harnard,1991)
  • 8. Acesso LivreAcesso Livre - Periódicos Científicos Eletrônicos com- Periódicos Científicos Eletrônicos com avaliação prévia pelos paresavaliação prévia pelos pares - Servidores de e-prints para áreas- Servidores de e-prints para áreas específicasespecíficas (repositórios para assuntos específicos)(repositórios para assuntos específicos) - Repositórios institucionais- Repositórios institucionais - Auto-arquivamento em páginas pessoais dos- Auto-arquivamento em páginas pessoais dos autoresautores
  • 9. Acesso LivreAcesso Livre ““As discussões sobre acesso aberto (open access)As discussões sobre acesso aberto (open access) tendem a ser fortes em retórica, mas pequenas emtendem a ser fortes em retórica, mas pequenas em fatos” (ALSP – Association of Learned andfatos” (ALSP – Association of Learned and Professional Society Publishers, 2005)Professional Society Publishers, 2005) Problema:Problema: Legitimação - processo de legitimar - tornar legalLegitimação - processo de legitimar - tornar legal Legitimidade - consenso e reconhecimento pelosLegitimidade - consenso e reconhecimento pelos pares - confiabilidadepares - confiabilidade
  • 10. Acesso LivreAcesso Livre Iniciativas:Iniciativas: - Budapest Open Access Initiative – 2001- Budapest Open Access Initiative – 2001 - Berlin Declaration on Open Access to Knowledge in the- Berlin Declaration on Open Access to Knowledge in the Sciences and Humanitiees – 2003Sciences and Humanitiees – 2003 - Brasil, Portaria 013 da CAPES – 15 de fevereiro de 2006 (“Para- Brasil, Portaria 013 da CAPES – 15 de fevereiro de 2006 (“Para fins de acompanhamento e avaliação destinados à renovaçãofins de acompanhamento e avaliação destinados à renovação periódica do reconhecimento, os programas de mestrado eperiódica do reconhecimento, os programas de mestrado e doutorado deverão instalar e manter, até 31 de dezembro dedoutorado deverão instalar e manter, até 31 de dezembro de 2006, arquivos digitais, acessíveis ao público por meio da2006, arquivos digitais, acessíveis ao público por meio da Internet, para divulgação das dissertações e teses de final deInternet, para divulgação das dissertações e teses de final de curso ..”)curso ..”)
  • 11. Acesso LivreAcesso Livre Via “Dourada” – As revistas tornam seus artigosVia “Dourada” – As revistas tornam seus artigos acessíveis livremente no momento daacessíveis livremente no momento da publicaçãopublicação Via “Verde” – Os autores, após enviarem umaVia “Verde” – Os autores, após enviarem uma cópia para um repositório dos artigos aceitoscópia para um repositório dos artigos aceitos para publicação, ou já publicados, tornampara publicação, ou já publicados, tornam esses materiais acessíveis gratuitamente –esses materiais acessíveis gratuitamente – Repositórios institucionais ou temáticosRepositórios institucionais ou temáticos
  • 12. Acesso Livre / Acesso AbertoAcesso Livre / Acesso Aberto A segunda Conferência sobre o Acesso Livre aoA segunda Conferência sobre o Acesso Livre ao Conhecimento, Universidade do Minho – PortugalConhecimento, Universidade do Minho – Portugal define Acesso Livredefine Acesso Livre ““..a disponibilização livre na Internet de literatura de..a disponibilização livre na Internet de literatura de carácter académico ou científico (em particular oscarácter académico ou científico (em particular os artigos de revistas científicas com revisão pelosartigos de revistas científicas com revisão pelos pares), permitindo a qualquer utilizador ler,pares), permitindo a qualquer utilizador ler, descarregar, copiar, distribuir, imprimir, pesquisardescarregar, copiar, distribuir, imprimir, pesquisar ou referenciar o texto integral dos documentos.”ou referenciar o texto integral dos documentos.”
  • 13. Acesso LivreAcesso Livre Permite:Permite: Maior acessibilidadeMaior acessibilidade Maior usoMaior uso Maior fator de impactoMaior fator de impacto Maiores recompensasMaiores recompensas Mais produçãoMais produção
  • 14. Atores SociaisAtores Sociais Pesquisadores:: Como autores, interesse naComo autores, interesse na maximização do impacto de seus resultados. Amaximização do impacto de seus resultados. A comunidade científica deseja que sejam removidascomunidade científica deseja que sejam removidas as barreiras de acesso e permissão à publicação.as barreiras de acesso e permissão à publicação. Os altos preços das assinaturas de publicaçõesOs altos preços das assinaturas de publicações apontam para a necessidade de novos modelos deapontam para a necessidade de novos modelos de negócios para a publicação científica. A visibilidadenegócios para a publicação científica. A visibilidade da produção científica institucional é uma questãoda produção científica institucional é uma questão crucial tanto para os pesquisadores quanto para ascrucial tanto para os pesquisadores quanto para as suas instituições.suas instituições.
  • 15. Atores SociaisAtores Sociais Profissionais de Unidades de InformaçãoProfissionais de Unidades de Informação:: Serão responsáveis pela disponibilização daSerão responsáveis pela disponibilização da informação nas bases de dados digitais a nívelinformação nas bases de dados digitais a nível mundial.mundial. No entanto, o estudo das interfaces eNo entanto, o estudo das interfaces e facilidades a serem disponibilizadas para ofacilidades a serem disponibilizadas para o provedor e para o consumidor da informação éprovedor e para o consumidor da informação é fundamentalfundamental..
  • 16. Atores SociaisAtores Sociais Profissionais de Tecnologia de InformaçãoProfissionais de Tecnologia de Informação:: A responsabilidade dos profissionais das TICsA responsabilidade dos profissionais das TICs ( Tecnologias de Informação e Comunicação)( Tecnologias de Informação e Comunicação) estará em evidência. Questões comoestará em evidência. Questões como disponibilidade e segurança da informação, assimdisponibilidade e segurança da informação, assim como preservação digital, estarão no topo dacomo preservação digital, estarão no topo da discussão. Desta forma, o foco dos profissionais dadiscussão. Desta forma, o foco dos profissionais da tecnologia da informação deverá estar na qualidadetecnologia da informação deverá estar na qualidade do serviço prestado à comunidade usuária.do serviço prestado à comunidade usuária.
  • 17. Atores SociaisAtores Sociais Agências de FinanciamentoAgências de Financiamento:: Os recursosOs recursos despendidos com pesquisa só se justificam se osdespendidos com pesquisa só se justificam se os seus resultados estiverem amplamente acessíveis.seus resultados estiverem amplamente acessíveis. Assim, elas começam a questionar o sistema atualAssim, elas começam a questionar o sistema atual de publicação e traçam políticas no sentido de quede publicação e traçam políticas no sentido de que pesquisas financiadas estejam tão amplamentepesquisas financiadas estejam tão amplamente acessíveis quanto possível. Há a necessidade deacessíveis quanto possível. Há a necessidade de reconhecimento da publicação eletrônica emreconhecimento da publicação eletrônica em ambiente aberto, por parte da comunidadeambiente aberto, por parte da comunidade científica como um todo e, em particular, dascientífica como um todo e, em particular, das universidades e agências de financiamento.universidades e agências de financiamento.
  • 18. Atores SociaisAtores Sociais Formadores de Políticas Públicas de Acesso LivreFormadores de Políticas Públicas de Acesso Livre:: Cabe às instituições e ao governo fomentarCabe às instituições e ao governo fomentar políticas que cobrem dos pesquisadores o depósitopolíticas que cobrem dos pesquisadores o depósito dos resultados de suas pesquisas/projetos emdos resultados de suas pesquisas/projetos em Bases Digitais, atendendo a requisitos públicos. ABases Digitais, atendendo a requisitos públicos. A questão econômica deverá nortear as decisões.questão econômica deverá nortear as decisões. Comunidades cientificas, de países emComunidades cientificas, de países em desenvolvimento como o Brasil, sofremdesenvolvimento como o Brasil, sofrem constantemente pela falta de recursos financeiros,constantemente pela falta de recursos financeiros, ao mesmo tempo em que são consumidores dosao mesmo tempo em que são consumidores dos resultados das pesquisas das comunidades deresultados das pesquisas das comunidades de países mais desenvolvidos.países mais desenvolvidos.
  • 19. Atores SociaisAtores Sociais Usuários/SociedadeUsuários/Sociedade:: são os beneficiadossão os beneficiados pelo acesso irrestrito. Os própriospelo acesso irrestrito. Os próprios produtores transformam-se emprodutores transformam-se em consumidores do conteúdo daconsumidores do conteúdo da produção científica.produção científica.
  • 20. Acesso LivreAcesso Livre ““Ao contrário do que julga o sensoAo contrário do que julga o senso comum, as coisas da vontade nuncacomum, as coisas da vontade nunca são simples, o que é simples é asão simples, o que é simples é a indecisão, a incerteza, a irresolução.”indecisão, a incerteza, a irresolução.” (Saramago, José. O Homem Duplicado, 2002)(Saramago, José. O Homem Duplicado, 2002)
  • 21. IMPACTOS DO MOVIMENTO DOIMPACTOS DO MOVIMENTO DO ACESSO LIVRE NAACESSO LIVRE NA COMUNICAÇÃO DOCOMUNICAÇÃO DO CONHECIMENTOCONHECIMENTO Maria Irene da Fonseca e SáMaria Irene da Fonseca e Sá Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJUniversidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ Rio de Janeiro – BrasilRio de Janeiro – Brasil mariairene@facc.ufrj.brmariairene@facc.ufrj.br

×