Relatório de configuração e instalação do dns no ubuntu 1

574
-1

Published on

Published in: Engineering
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
574
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Relatório de configuração e instalação do dns no ubuntu 1

  1. 1. Introdução O DNS é um dos protocolos fundamentais para o funcionamento das aplicações que recorrem aos protocolos da arquitectura TCP/IP. Qualquer sistema sistema tem de ser configurado, pelo menos, como cliente do servidor DNS e o Linux não foge, naturalmente, e esta regra. A configuração do Linux como cliente permite que as aplicações em execução no sistema consigam obter a necessária informação sobre nomes e endereços de outros servidores. Igualmente interessante é a possibilidade de activar e configurar um servidor DNS Linux, para alojar um ou mais domínios. O presente trabalho aborda todos estes relativos aos vários modolos de utilização do protocolo DNS no Linux.
  2. 2. Protocolo DNS DNS (Domain Name Sytem) é um protocolo fundamental no funcionamento da internet, tal como a conhecemos na actualidade. DNS é um dos protocolos fundamentais para o funcionamento das aplicações que recorrem aos protocolos na arquitetura TCP/IP. Qualquer sistema tem de ser configurado, pelo menos, como cliente do serviço DNS e o Linux não foge, naturalmente, a esta regra. A configuração do Linux como cliente deste serviço permite que as aplicações em execução no sistema consigam obter a necessária informação sobre nomes e endereços de outros servidores. Igualmente interessante é a possibilidade de activar e configurar um servidor DNS no Linux, parar alojar um ou mais domínios. No presente relatório irei abordar a configuração de um servidor DNS. Primeiro tive que instalar o ubuntu-8.04.4-server-i386, depois que completei a instalação do servidor DNS tive que fazer update, que utilizei o comando seguinte: sudo apt-get update Depois de ter feito o update de ubuntu tive que instalar o editor de texto o bind9, com o seguinte comando: sudo apt-get install bind9.
  3. 3. Após ter instalado o bind9 tive que que entrar ni ficheiro: nano /etc/network/interfaces, para a configuração de ficheiros, vejamos: Após ter configurado o ficheiro, tive que entrar no ficheiro:
  4. 4. Zonas Um domínio DNS corresponde sempre a, pelos manos, duas zonas: uma de mapeamento directo e uma ou mais de mapeamento inverso. As zonas são definidas em ficheiros individuais no servidor DNS master do domínio e armazenam a informação da correspondência entre endereços e nomes de máquinas ou serviços. Os ficheiros de zonas são editados apenas no servidor master e copiados automaticamente deste servidor para os servidores slave, sempre que necessário. A zona de mapeamento deirecto tem o nome do próprio domínio. Para além desta zona, é necessário manter uma ou mais zonas de mapeamento inverso, uma parte cada rede IP ou gama de endereço utilizada no domínio. Isso para a configuração das zonas, directa e reversa vejamos: Após ter configurado as zonas directa e reversa tive que copiar primeiro o db.local para a zona directa neste caso o dmi.up.ac.mz, vejamos: Depós copiei o db.127 para a zona reversa, neste caso o db.1.168.192, vejamos:
  5. 5. Depos de ter copoiado a o db.local para a zona directa neste caso o db.dmi.up.ac.mz é preciso a configuração da mesma, o exemplo abaixo ilustra o conteudo predefinido deste ficheiro . Depois de ter copiado a o db.172 para a zona reversa o neste caso o db.1.168.192 é preciso a configuração da mesma, o exemplo abaixo ilustra o conteudo predefinido deste ficheiro:
  6. 6. O ficheiro /etc/host.conf permite especificar a ordem pela qual o ficheiro /etc/hosts e o servidor DNS são utilizados no processo da resolução de nomes. O ficheiro permite definir, de forma estática e local, correspondências entre nomes e endereços de servidores, com um objectivo semelhante ao do próprio serviço DNS. Normalmente, a configuração do ficheiro /etc/host.conf dita que o ficheiro /etc/hosts deve ser lido da consulta ao serviço DNS, tal como na ilustração abaixo: E a seguinte ilustração: O ficheiro /etc/resolv.conf permite, por sua vez, definir os servidores DNS na rede local, o domínio DNS onde a máquina se insere e os domínios onde um servidor identificado apenas pelo seu nome deve ser procurado. A ilustração a seguir apresenta o conteúdo do ficheiro acima citada no servidor dmi.up.ac.mz:
  7. 7. Depois de ter configurado todo o servidor DNS precisamos de testar se o mesmo funciona sem nenhuma dificuldade para tal precisamos de pingar o IP do servidor ou ping para o domínio conforme ilustram as imagens abaixo:
  8. 8. Conclusão A configuração do DNS constitui, sem dúvida, um dos principais desafios de um administrador de sistemas, já que, na prática, todas as comunicações na rede local e para a internet dependem do correto funcionamento deste protocolo. A utilização do DNS no Linux envolve a configuração do resolver, para garantir que o sistema funciona corretamente como cliente DNS, mas oferece também a possibilidade de ativar um servidor DNS, mas oferece também a possibilidade de activar um servidor DNS para alojamento de um ou mais domínios, foi o que pude perceber ao longo do trabalho.

×