• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Relatório de observação
 

Relatório de observação

on

  • 28,284 views

 

Statistics

Views

Total Views
28,284
Views on SlideShare
28,283
Embed Views
1

Actions

Likes
3
Downloads
0
Comments
1

1 Embed 1

http://xandaflores.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Relatório de observação Relatório de observação Document Transcript

    • UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SULCURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAISDisciplina: Planejamento Educacional em Artes VisuaisProfessora: Andrea HofstaetterAluna: Alexandra Rita Flores RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO Realizei minha observação em uma turma de 6° ano do ensino fundamental,em uma escola urbana da rede municipal de Novo Hamburgo. A escola tem 360alunos em 16 turmas do Jardim Nível 4 ao 6° ano. A turma do 6° ano é composta por24 alunos, sendo 14 meninas e 10 menos, da faixa etária de 11 a 13 anos. Deacordo com o depoimento da professora, “é uma turma bem integrada, sendo amaioria colegas de anos anteriores, participativos e interessados nas propostas dasaulas de artes”. Ao acompanhar a aula, constatei o quadro relatado pela professora,observando a ativa participação dos alunos comentando e perguntando sobre asquestões abordadas, estabelecendo relações com as outras áreas de conhecimento,principalmente com os conteúdos de História, disciplina que tem a mesmaprofessora como regente. A professora tem 18 anos de Magistério, atuando grande parte deste temponas série iniciais com unidocência. Graduada em Arte na Diversidade desde 2008,atualmente atua no 6° ano com História e Arte e, na parte da tarde em uma turma de3° ano. A professora demonstra muita afinidade com os alunos, estabelece umdiálogo harmonioso com os mesmos, obtendo atenção e respeito de todos. Émotivadora, questiona, incentiva a participação dos alunos, solicitando depoimentos,valorizando os comentários. Durante a mediação, busca estabelecer relações comoutras áreas do conhecimento, principalmente História, disciplina que tambémleciona para a turma. É evidente na atuação da professora a preocupação com aaprendizagem significativa, a mediação ao processo de construção deconhecimentos dos alunos, valorizando as contribuições de cada um, de acordo com
    • o estágio em que se encontram no seu processo individual, oportunizando durante aaula a socialização. A escola de modo geral apresenta uma boa estrutura, biblioteca, sala deinformática, quadra de esportes, recursos de mídia como data show, salas de aulaamplas e organizadas, no entanto, não há uma sala específica para artes. As aulassão ministradas em dois períodos semanais, na sala convencional, onde há umapequena pia ao fundo, o que pode colaborar em algumas atividades. Há váriasproduções artísticas dos alunos expostas na sala e referenciais de obras e deartistas como Romero Brito, Tarsila do Amaral e Lasar Segall. A professora recebeu os alunos com a sala organizada anteriormente para aprojeção de vídeo e slides no data show. Inicia sua aula, relembrando com os alunos o filme: “A missão”, assistido pelaturma dois dias antes, na aula de História. Ela questiona: • Como sabemos que as coisas, os fatos retratados no filme eram realmente assim naquela época? • Como temos acesso a estas informações, se na época não existiam máquinas fotográficas e filmadoras? A professora cita alguns fatos e situações do filme, questionando sobre a origemdas informações para a realização do mesmo, destacando que ele retrata algunsfatos históricos, reais. Os alunos levantam hipóteses: • “As pessoas que viveram na época foram contanto para outras e passando de geração em geração.” • “Pesquisas em livros, internet, museus.” • “As pessoas desenhavam o que viam e hoje estes desenhos servem para pesquisa.” Após os comentários, a professora faz uma introdução:
    • “Vamos relembrar o período do início da colonização do Brasil, de 1500 a maisou menos 1890, quando expedições vinham ao nosso país para estudar, pesquisar afauna, a flora, a vida. Estas expedições eram compostas por estudiosos, cientistas,acompanhados por artistas que tinham a função de fazer os registros através deseus desenhos – os artistas viajantes. Dois artistas se destacaram nesta época: • Rugendas – alemão • Debret – francês Já ouviram falar nestes artistas?” Os alunos respondem que não. A professora escreve no quadro os nomes dos artistas e propõe: “Agora, vamos assistir a um vídeo, onde conheceremos melhor o trabalho dasexpedições e dos artistas viajantes no Brasil.” Vídeo: “500 anos o Brasil –Império na TV - O Brasil dos Viajantes” http://www.youtube.com/watch?v=oTp6897A-ig Durante a exibição, a professora pára do vídeo, fazendo observações,comentários, questionamentos sobre o conteúdo do mesmo, contextualizandoconhecimentos de outras áreas, promovendo a interação da turma com a proposta. Os alunos correspondem aos questionamentos da professora, estabelecendorelações com conteúdos de Matemática (calculando períodos, lendo númerosromanos), de Geografia (identificando a localização das regiões onde se passam osfatos relatados, as etnias presentes no vídeo), de História (contextualizando os fatosmencionados no vídeo com os conteúdos estudados na disciplina, com o filmeassistido), de Ciências (tratando das doenças mencionadas como um problemaenfrentado pelas expedições, citando também a importância das pesquisas eestudos da fauna e flora, realizados por cientistas até hoje) , bem como da Arte,comentando sobre a situação dos artistas e o seu papel na sociedade naquelaépoca.
    • Uma aluna comenta: “Profê, que monte de coisa a gente estudou hoje! Tu deu aula de um pouquinhode cada coisa. Tudo junto. Um aluno solicitou a URL do vídeo para assisti-lo em casa. Vários alunosanotaram o endereço eletrônico, demonstrando muito interesse em rever o vídeo emostrar para seus familiares. Devido ao horário, a continuidade da proposta fica para a próxima aula. A professora comenta que quem quiser buscar informações sobre Debret eRugendas poderá socializar com os colegas na próxima aula. Na aula seguinte, uma semana depois, a professora inicia solicitando asocialização das informações caso alguém tenha pesquisado sobre os artistas. Dois alunos fazem a leitura de dados sobre os artistas que registraram apóspesquisa na internet. Em seguida, a professora apresenta a projeção de uma obra de Debret epropõe a observação e leitura coletiva da mesma. Família de Botocudos em marcha, 1834 Litogravura Jean Baptiste Debret Durante a leitura da obra, os alunos fizeram comentários significativos,questionados, provocados pela intervenção da professora, estabelecendo relaçõescom conteúdos abordados nas aulas de História. “Esses índios são daqui? Usam roupas de peles.”
    • “São aqueles que dormem em buracos cavados no chão?” A professora questiona sobre a identificação da técnica da obra. • O que é litogravura? • Lembram da xilogravura? Explica que “os desenhos eram feitos em papel durante a expedição e, aoretornar, eram impressos através da litogravura. A imagem era esculpida em pedra(lito) e após, impressa em papel.” Após a leitura da obra, a professora apresenta um Power Point com abiografia de Debret, a qual é lida e comentada pelos alunos. Ela propõe que, nocaderno, cada um registre as informações que julgam importantes sobre o artista. A mesma proposta é realizada com a obra de Rugendas, que é projetadapara leitura coletiva. Habitação de negros, 1822-1825 Johann Moritz Rugendas A professora comenta: “Além de registros da fauna e da flora do Brasil, os artistas viajantesretratavam a vida e os costumes do povo. O que vemos aqui?” Os alunos comentam que são pessoas pobres, em um barraco, favelados. “Observem o título da obra.” – provoca a professora. Comentários sobre a presença dos negros no Brasil, a origem dos mesmos,participação na história do nosso país. Em seguida, a professora apresenta a biografia de Rugendas para a leitura ecomentários, propondo o registro das informações significativas, assim comorealizaram anteriormente com a biografia de Debret. Após o registro, a professora lança a proposta de produção através doseguinte slide:
    • Nossa Expedição Destino: Escola... Época: ano de 2011 Técnica: Desenho de obervação Vamos lá, nós somos artistas viajantes! A professora explica que cada aluno deverá escolher um espaço da escola (quadra, área coberta, refeitório, sala de aula, secretaria,...) para observar edesenhar assim como faziam os artistas viajantes, Destaca a importância daatenção aos detalhes pois, os desenhos serão registro da realidade queencontramos hoje na escola. Durante a produção, a professora interagiu com os alunos, chamandoatenção para a imagem escolhida, os detalhes, a atenção na observação,motivando, estimulando os mesmos. Ao final do período, as produções não estavam concluídas. A professoraorienta que darão continuidade no dia seguinte, na aula de História. A observação das aulas foi muito gratificante, principalmente por perceberque a metodologia da professora contempla a proposta triangular, apreciar-refletir-fazer, possibilitando a construção de conhecimentos, expressos nos comentáriosdos alunos, que durante as aulas estabeleceram relações com abordagensanteriores e experiências vivenciadas. O interesse e participação ativa dos alunos énotório, sendo estimulados e encorajados para o desenvolvimento no processo deconstrução do conhecimento.