Arq. Apadec, 5(2): jul . dez.,2001.                                                                                  7    ...
8                                                                        Arq. Apadec, 5(2): jul. dez.,2001.tulado o seu va...
Arq. Apadec, 5(2): ju l. dez.,2001.                                                                      9to humano não po...
10                                                                    Arq. Apadec, 5(2): jul. dez.,200l.dormir e acordar e...
Arq. Apadec, 5(2): ju l. dez.,2001.                                                                                       ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

A importancia do sono para_aprendizagem

3,293

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,293
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
64
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A importancia do sono para_aprendizagem

  1. 1. Arq. Apadec, 5(2): jul . dez.,2001. 7 REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA DO SONO E DOS SONHOS PARA A APRENDIZAGEM Marcilio Hubner de Miranda Neto.MlRANDA-NETO, M.H. Reflexões sobre a importância do sono e dos sonhos para a aprendiza gem.Arq. Apadec, 5(2): 7-11,2001.RESUMO: No presente trabalho realizamos uma reflexão sobre a importância do sono e dos sonhos para aaprendizagem. Nosso objetivo é colaborar com profissionais que atuam junto às escolas, oferecendo-Ihesconheciméntos que auxiliem na compreensão de manifestações comportamentais e dificuldades deaprendizagem relacionadas à privação de sono. Procuramos discutir as relações existentes entre asalterações da afetividade, vontade, atenção, memória e pensamento em situações de privação de sono.Discutimos também alguns elementos relacionados às necessidades individuais de sono, bem comoproblemas de privação de sono inerentes ao cronotipo .PALAVRAS-CHAVE: aprendizagem; atividade onírica; cronotipo; privação de sono. INTRODUÇÃO mente relaxados e a taxa do metabolismo basal cai I de 10 a 30%. Além disto durante o sono profundo O sono é uma parte essencial de n~ssas acontece a liberação do hormônio que promove o vidas e consome aproximadamente um crescimento, a renovação e reparação dos tecidos doterço de nosso tempo. O restante do tempo corpo. A privação do sono profundo provoca umapassamos acordados, ou seja, em estado de vigília. redução do hormônio do crescimento na corrente A privação de sono tem efeitos drásticos. sangüínea, e faz com que o sujeito se sintaUma pessoa privada de sono tende a se tornar cansado,deprimido e com mal estar geral.irritável, tensa, ansiosa ou apática. Seus processos Durante o sono REM, segundo GUYfONde pensamento podem se alterar. Pode também ter & HALL (1997), o cérebro está altamente ativo edificuldades relacionadas a memória e muitas vezes seu metabolismo global pode estar aumentado emnão responder adequadamente aos estímulos. até 20%. Também o eletroencefalograma mostra umPequenas dificuldades podem se tornar grandes padrão de ondas cerebrais semelhante ao que ocorreproblemas, podem também surgir delírios ou até durante a vigOia. Este tipo de sono também éalucinações. chamado de sono paradoxal por ser contraditório No presente trabalho, realizamos uma que uma pessoa, mesmo dormindo, estejareflexão sobre a importância do sono para a apren- realizando acentuada atividade cerebral.dizagem. Nosso objetivo é colaborar com as pes- Os sonhos que acontecem durante o sonosoas que atuam junto às escolas, oferecendo-Ihes REM estão intimamente ligados à consolidação daconhecimentos que auxiliem na compreensão de memória e à aprendizagem. Além disto durante estamanifestações comportamentais e dificuldades de fase os hormônios supra-renais são liberados naaprendizagem relacionadas à privação de sono. corrente sangüínea em grande quantidade, co- laborando para a redução do estresse, melhorando o DESENVOLVIMENTO metabolismo e a capacidade de resistir a infecções. DU GAS (1983) alerta que a privação do sono Durante a noite dois tipos de sono se REM pode ser especialmente desagradável para oalternam: o sono de ondas lentas ou profundo e o indivíduo. Os hormônios supra-renais penetram na corrente sangüínea, mas não no momento biológicosono paradoxal ou sono de movimentos rápidos dosolhos, também denominado de sono REM (Rapid adequado, fazendo com que a pessoa se sintaEye Movements). deprimida, fatigada e com dificuldade de concen- tração. O sono de ondas lentas (sono profundo) é Embora os efeitos fisiológicos do sonorepousante para o físico porque neste período, apressão sangüínea cai, os vasos sangüíneos se não estejam completamente esclarecidos, foi posdilatam, os músculos ficam preponderante* Coordenador do Centro Interdisciplinar de Ciências da Universidade Estadual de M aringá
  2. 2. 8 Arq. Apadec, 5(2): jul. dez.,2001.tulado o seu valor para a restauração do equilíbrio vivenciou a dificuldade de se prestar atenção a umanatural entre os centros neuronais. aula ou palestra após um dia intenso de trabalho e A vigI1ia prolongada e a privação do se, ainda por cima o tema não for muito motivador,sono REM estão freqüentemente associadas ao mau a situação piora. Sem falar na vontade de chorar, defuncionamento progressivo da mente. Num primei- desistir de tudo, que nos acomete quando temosro momento, ocorre lentidão do pensamento e, que entregar aquele trabalho atrasado e, naposteriormente, a pessoa pode se tornar irritável e madrugada, há um súbito corte de luz e entãoaté mesmo psicótica. perdemos a ultima página que digitamos usando A privação de sono causa alterações da um grande esforço mental e superando o cansaço,afetividade, etn especial, do est~do de ânimo ou para elaborar aquilo que foi escrito.humor e das emoções. Quando se associam ao in- Os níveis de instabilidade afetiva que setenso cansaço físico, as alterações do estado de âni- instalam com a privação de sono vão se tornandomo são ainda mais acentuadas, uma vez que, con- incompatíveis com a mobilização da vontade deforme menciona PAIN (1986), o humor é vivido estar atento. A falta de atenção, por sua vez, soma-corporalmente e um dos componentes do estado de da à lentificação do pensamento, compromete todasânimo básico é o sentimento de maior ou menor as fases do processo de memorização, com sériasvitalidade que se encontra ligado às múltiplas repercussões para a aprendizagem.sensações subliminares procedentes de diferentes Tais repercussões devem-se à necessida-órgãos ou regiões do corpo. -de do sono profundo (sono de ondas lentas) por se~ Em situação de privação de sono, as cri- este repousante para o físico. Por outro lado,anças, que normalmente já possuem instabilidade ne,cessitamos do sono em que acontecem os mo-afetiva, tornam-se ainda mais instáveis. Ficam irri- vimentos rápidos dos olhos (sono REM), que ocupatadas, choronas e contestadoras. É como se esti- cerca de 25% do tempo de sono de um adultovessem brigando com o sono. jovem, pois existem evidências que este tipo de Isto explica porque, ao final do período de sono tem um importante papel no processo devigília, crianças e adultos têm grande dificulda de memorização.para prestar atenção a qualquer estímulo do ° sono REM ocorre principalmente na meio e, em especial, têm dificuldade para focalizar segunda metade da noite de sono. É durante este sua atenção seletiva. que o sujeito, ao sonhar com o que vivenciou du- Como as funções psíquicas são comple- rante a vigília, colabora para a consolidação e, tamente interligadas, verifica-se que a privação de atémesmo, com a expansão do conhecimento sono, ao interferir com a afetividade, o faz também através da atividade onírica (do grego oneiros, com a atividade voluntária, uma vez que a significa sonho) . Nesta fase são ativados intensidade da ação está subordinada à afetividade. mecanismos que originam novas sinapses, Desta forma, irrompem-se as mais inesperadas ações possibilitando o acesso, a otimização ou a formação que vão desde adormecer sobre o teclado do de novos circuitos neuronais relacionados à computador até quebrá-Io, porque já não se memória consegue mais focalizar a atenção e grande número Em recém nascidos o sono REM ocupa de erros está sendo cometido. cerca de 50% do tempo, ocorrendo uma redução Adultos e crianças com privação de sono progressiva até chegar a 20 ou 25% na vida adulta. A têm dificuldade para aprender. Isto decorre, como já maior ocorrência de sono REM nas crianças deve vimos, de alterações do curso do pensamento, da se ao fato do seu ciclo de sono durar 60 minutos, afetividade, da atividade voluntária, da atenção e enquanto no adulto dura de 90 a 120 minutos. também da memória. Mesmo na vida adulta, é imprescindível Em termos práticos, se estamos cansados a ocorrência do sono REM para a consolidação da e privados de sono, nosso pensamento se memória. Por isto, pessoas com privação de sono torna lento e confuso, a resolução de qualquer têm dificuldades de memorização e comprome- problema seja ele matemático ou da vida prática timento da capacidade de aprender. torna-se difícil. Temos a impressão de que o mundo A teoria epigenética de JOUVET ao nosso redor está solicitando mais do que (1978,1991) postula que o sono REM tem a função podemos oferecer. Utilizar a atenção, quer seja de promover uma complexificação crescente das focalizada em um assunto ou ação, quer seja de ligações sinápticas, mesmo após o término da maneira exploratória por exemplo, para procurar organização anatômica dos circuitos neuronais, que alguma coisa fica muito difícil. Quem não ocorrem durante a embriogênese e primeira inrancia. Para o referido autor, o desenvolvimen
  3. 3. Arq. Apadec, 5(2): ju l. dez.,2001. 9to humano não pode se restringir a programação soa está privada de sono é necessário saber o quantogenética, aquilo que é fixo e herdado, mas que, ela dorme normalmente.através do processamento onírico, surgem ma neiras Entre os adolescentes, por uma questãode o indivíduo transpor tais limites. hormonal, há um aumento significativo no número CHAVES et aI. (1997) propõe uma de horas de sono. Diante de todos os conhecimentosfunção do sono REM que abrange a formulação e que temos sobre o sono poderíamos questionar: nãomodulação de estratégias cognitivas aplicáveis em seria este aumento no período de sono uma chancevigília, defendendo assim um papel altamente de aumentar o processamento onírico e de ampliaradaptativo da atividade onírica, onde a relação drasticamente a produção de memória referentelógica-emoção se baseia num mecanismo variável àquilo que ocupou a atenção do sujeito durante ode interação fronto-límbica. Esta interaçâo, para os dia, já que a atenção entre 12 e 15 anos atinge seuautores, está associada ao mecanismo de "testagem" apogeu de desenvolvimento?das experiências vivenciadas na vigília. Verifica-se portanto que, ao investigar-se Face o exposto, é possível compreender as causas de dificuldades de apréndizagem, deveseporque em períodos em que a qualidade e incluir um levantamento sobre as condições de sonoquantidade de sono não são satisfatórias fica difícil do aprendiz. Um sintoma clássico da priva ção deaprender. Um fato que devemos ficar atentos é o de sono é deitar-se no horário habitual e le vantar-seque, enquanto estamos muito sonolentos, os muito tarde aos finais de semana. Isto indica umaepisódios de sono REM são muito curtos ou podem tentativa de compensação da privação sofridáestar ausentes. O primeiro episódio de sono REM dur.a~te a semana. O problema é que essasocorre de 80 a 100 minutos depois que a pessoa "esticadas", de fim de semana não funcionam. Éadormece. sabido cientÍficamente que alguns estágios de sono À medida que a pessoa vai ficando mais não podem ser compensados. A primeira conse-repousada os episódios de sono REM tornam-se qüência é a sonolência diurna, com seus reflexos namais longos. Daí a grande importância da segunda atenção do aluno e na perda do interesse pela aula.metade da noite de sono para os mecanismos deconsolidação da memória. Muitas vezes os pais preocupados em Nas situações de privação de sono, os oferecer o "melhor" para os filhos colocam -os si-episódios e a duração do sono REM tendem a ficar multaneamente em várias atividades, proporcio-diminuídos. Cabe destacar que a necessidade de nando-Ihes uma rotina diária muito desgastante esono varia no decorrer da vida. Conforme men- que exige um número de horas de vigília maior quecionaAJURIAGUERRA& MARCELLI (1986) um o ideal, levando-os a privação de sono. Outrasrecém-nascido dorme, em média, 16 a 17 horas por vezes, a opção é do próprio sujeito, que encurta seudia, em frações de 3 horas. A partir dos 3 meses, período de sono para ficar na internet ou passeandodorme 15 horas por dia, com as fases mais longas com os amigos até altas horas.de sono ocorrendo durante a noite (até 7 horas Outra questão que deve ser compreendidaconsecutivas), e fases prolongadas de vigília é a dos cronotipos. É sabido que na populaçãodurante o dia. A quantidade de sono diminui pro- existem 3 diferentes cronotipos: matutinos, in-gressivamente: 13 horas por volta de um ano; 12 termediários e vespertinos. Estes, devido as suashoras entre 3 e 5 anos; 9 h 30 min entre 6 e 12 anos, características fisiológicas, possuem horários bas-8 horas entre 13 e 15 anos. Os autores alertam que tante distintos de dormir e acordar (H ORNE &existem diferenças interindividuais muito grandes. OSTBERG,1976; CARDINAL! et aI., 1992). Na vida adulta, de acordo com o tempo de Os matutinos acordam cedo e dormemsono requerido, os indivíduos são classificados em cedo. São muito produtivos para os trabalhos físicospequenos, médios e grandes dormidores. Os pe- e mentais no período da manhã e boa parte da tarde.quenos dormidores cumprem com todas as funções Porém, no período noturno, em especial, após às 21do sono em um período de 5 a 6 horas. Os médios ou 22 horas, têm grandes dificuldades para sedormi dores necessitam de 7 a 9 horas, enquanto os manterem acordados.grandes dormidores necessitam de 10 a 12 horas. Os vespertinos dormem tarde e acordam Desta maneira, o conceito de privação de tarde. Em compensação, são muito produtivos àsono não pode ser associado a um determinado tarde e a noite.número de horas dormidas que representa a média Os intermediários situam-se entre osda população. Para constatar se uma pes dois tipos anteriores. É importante saber que os horários de
  4. 4. 10 Arq. Apadec, 5(2): jul. dez.,200l.dormir e acordar estão diretamente relacionados à antiestressante, que vai nos preparar para enfrentarprodução de diferentes hormônios, como a os desafios de um novo dia. Ao acordar, inten-melatonina, o cortisol e o hormônio do crescimento. sifica-se a atuação do hormônio tireoidiano pro- Na adolescência, devido a verdadeira vocando uma elevação no metabolismo celular erevolução hormonal que se instala, muitos sujeitos aumentando a disponibilidade de energia para asque são geneticamente matutinos e que nunca atividades fisicas e mentais. Também a serotonina,tiveram problemas para levantar cedo durante a importante hormônio relacionado ao processo deimancia tornam-se "vespertinos hormonais." Como atenção e ao estado de ânimo, tem seu pico cerca dejá mencionado, aumentam também a sua necessi- duas horas após o horário ideal de acordar.dade de sonQ. Desta forma, entre a população de Logo, o período da manhã realmente éadolescentes vamos encontrar cerca de 50% de muito bom para aprender, desde que se tenha acomportamento vespertino, enquanto na inrancia e compreensão de que para os matutinos a manhã sena vida adulta os vespertinos representam menos de inicia por volta de seis ou sete horas enquanto para10% da população. os vespertinos por volta do meio dia. Um dos grandes problemas da A forma de encarar as características dosvespertinidade é que o sujeito vai deitar-se muito cronotipos muda com a idade. É comum numatarde, pois a melatonina hormônio que dispara o conversa entre mães uma reclamar que seu filhogatilho para dormir sofre uma defasagem no pequeno acorda sempre às seis horas da manhã,momento de sua produção. Por outro lado, estes inclusive nos feriados, quando ela quer dormir atésujeitos geralmente são alunos das ultimas séries do - ITJ.ais tarde. Enquanto outra mãe, com certo orgu-ensino fundamental ou do ensino médio que, na llio, menciona que o seu filho dorme até 10 ou onzemaioria" das escolas, só oferece turno diurno no horas todos os dias. Porém, à medida que os anosperíodo da manhã. O resultado já é bem conhecido: passam e a adolescência chega, o vespertino passa auma verdadeira batalha doméstica para retirar o ser encarado como preguiçoso ,desajustado entreadolescente vespertino da cama e outra batalha na outros adjetivos.escola para mantê-lo acordado. Na verdade, isto se constitui num ato de Na verdade, estes alunos vão para a escola discriminação de uma maioria de matutinos e- in-quando ainda deveriam estar dormindo, pois, se a termediários em relação a uma minoria de vesper-sua noite de sono iniciou-se às 2 horas da manhã, às tinos, pois numa sociedade de 24 horas, como é a6 horas ele está começando a segunda metade que nossa atual sociedade, o espaço para os vespertinosdeveria estender-se até 10 ou 11 horas. Nesta fase, está garantido.iria ocorrer a intensificação do sono REM e os Curiosamente as turmas de pré-escola e deprocessos de consolidação da memória, além da primeira a quarta série são ofertadas predominan-importante testagem das vivências através do temente no turno da tarde, enquanto as de quinta aprocessamento onírico. No entanto, o aluno tem seu oitava série e ensino médio são ofertadas de manhã.sono interrompido par ir à escola, pois existe uma Ou seja: justamente quando os hormônios da puber-crença generalista de que pela manhã a dade começam a atuar, fazendo com que um grandeaprendizagem se processa com maior facilidade. número de alunos tenham a necessidade de dormir e Esta crença não chega a ser errada. O que levantar-se mais tarde, troca-se o turno escolar daestá incorreto é o conceito de manhã. É preciso dife- tarde pelo da manhã.renciar a manhã ambiental, marcada pelo Se, por um lado, levantar-se cedo é causasurgimento do sol, da manhã hipotética, de cunho de privação de sono para os vespertinos, deitar-sebiológico, que ocorre no organismo de cada tarde é a principal causa para os matutinos. Estesíndividuo. têm que compreender que não são biologicamente Para os sujeitos matutinos a manhã bioló- compatíveis com estudar madrugada afora ou fazergica coincide com a ambiental enquanto para os ginástica à meia noite.vespertinos isto não ocorre, pois a manhã ambiental Entre as crianças, encontramos uma maio-ocorre enquanto eles ainda se encontram na segunda ria de matutinos e intermediários que experimentammetade da noite de sono. uma baixa fisiológica que se estende das 12 hs até O período que precede o acordar é fun- por volta das 14 hs. Isto repercute em muito nodamental para a redução do estresse, pois nele se início das aulas, pois pode haver sonolência eintensifica o sono REM e, durante esta fase, cai dificuldade de estar atento.drasticamente a produção de adrenalina. Além disto, O caso de R. ilustra a problemática re-uma ou duas horas antes do horário de acordar lacionada ao horário escolar de um matutino típiaumenta-se a produção do cortisol, o hormônio
  5. 5. Arq. Apadec, 5(2): ju l. dez.,2001. 11co. R. começou a freqüentar a pré-escola aos 2 preenderem as diferenças cronobiológicas que afetam oanos por sua própria solicitação. Suas atividades desempenho humano. Pois, elas podem somariniciavam às 13 horas. Ele teve grande dificuldade positivamente quando corretamente tra tadas, ou tornarpara adaptar-se porque é um matutino típico que mais extensa a lista de causas de fracasso escolar, quandoacorda todos os dias por volta de 6 horas da ma nhã ignoradas.e por volta de 12 h 30 min faz a sesta, que dura em Em publicação da obra de LURIA reali zadatorno de uma hora. Para ir à escola, sua sesta era em 1981, o autor destaca "para que os processos mentaisinterrompida ou nem se iniciava. Na escola, ele humanos sigam o seu curso correto, o estado de vig ília ébrigava com o sono porque queria participar da.§ essencial. É apenas em condições ótimas de vigília que oatividades com os colegas. Resultado: sua homem pode perceber e analisar informações, que osinstabilidade afetiva se aCentuava, ficava muito necessários sistemas seletivos de conexões podem serchorão, briguento e mal humorado. Ao chegar em trazidos à mente, sua atividade programada e o curso de seuscasa, muitas vezes adormecia por volta das 18 processos mentais verificado, seus erros corrigidos e suahoras e na madrugada exibia um padrão de sono atividade mantida em um curso apropriado. JJ .muito agitado. Aos quatro anos, trocou para o turnoda manhã, quando pôde então continuar acordando CONSIDERAÇÕES FINAISàs seis horas, interagindo com os pais que tambémsão matutinos e chegar a escola às 7 horas. Agora é Não se pode dizer que uma pessoa queparticipativo e conserva o bom hu esteja passando por privação de sono disponha I demor. As 11 h 30 min retoma para casa, almoça efaz condições ótimas na vigília, pois haverá sem" pre umsua sesta, tendo um bom padrão de comportamento estado de sonolência. Nestas situações,no período da tarde. Com a chegada do horário de verão, ve- . . os estudantes podem apresentar dificuldades de mobilização da atenção associada a apatia ou a agi-rifica-se nos primeiros dias alguns problemas, pois, tação psicomotora, déficit de memória, instabilidadena verdade, deve-se acordar uma hora mais cedo. afetiva e dificuldades para pensar, com reflexosDesta forma, na primeira semana R. chorava e di muito negativos para a aprendizagem.zia que não queria mais ir à escola. Porém, após 2semanas, já estava adaptado ao novo horário. Problema semelhante ocorre quando R., ao REFERÊNCIAS BffiLIOGRÁFICASinvés de deitar-se às 22horas fica no computador até23 ou 23 h 30 mino AJURIAGUERA,].; MARCELLI, D. Psicopatologia Muito do comportamento exibido no infantil. 2. ed. Porto Alegre: Artes M édicas, 1986. p. 77-89.ambiente escolar e da afetividade do aluno com o CARDINA LI, D. P.; GOLOM BEK, DA; REY, RAB.processo de escolarização está relacionado ao ho- Relcljes y calendários biológicos.Buenos Aires: Fondo derário em que estuda. Pois quem estuda em situação Cultura Econômica, 1992. 144p. CHAVES, M .; CAIXETA, M.; M ACHADO, D. C.de sonolência, decorrente de privação de sono, além Neuropsicologia da atividade onírica. Considerações teóricasde ter dificuldades de aprender por todas as sugeridas por aspectos cIínicos.Arq Neuro psiquiatr, 55(3-B):661665,1997.alterações fisiológicas envolvidas, tem de mobilizar DU GAS, B.W Enfermagem prática. 4. ed. Rio de Janeiro:grandemente sua vontade para superar tais GuanabaraSA,1988.p.311-330.dificuldades. Isto se associa ao desconforto físico e GUYfON,G.; HALL,].E.Fisiologiamédica. 9.ed. RiodeJaneiro:mental, tornando a escolarização um processo Guanabara Koogan, 1997. p.662-692. .sofrido. Então pergunto: é normal gostar de algo HORNE,JA; OSTBERG, O A.Aself-assmentquestionnaire to determine morningness/eveningness in human circadianque nos cause sofrimento? rhytms.j. Chronobiologic. 4:97-110,1976. MIRANDA-NETO & IWANKO (1997) JOUVET, M . Is paradoxal sleep responsible for a geneticargumentam que, na organização dos horários das programming of the brain? CR Seances Soe Biol Fil, 172:9-32,atividades da escola, não é levado em conta que os 1978.alunos e professores podem possuir caracte JOUVET,M . Paradoxal sleep: is it the guardian of psycological rísticas cronobiológicas distintas. Ao contrário, a individualism? CanJ Psychol, 45:148-151, 1991. LURIA, A. R., Fundamentos de neuropsicologia, Rio de escola é programada para uma sociedade matutina Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. Editora S. A., 1981. e homeostática, onde supostamente todos os 346p. M IRANDA-NETO, M .H.; IWANKO, N.S. Reflexões horários do dia são ideais para o aprendizado, sobre a aplicação da cronobiologia nos ambientes de trabalho e dependendo apenas da competência e motivação escolar.Arq.Apadec, 1(1):31-33,1997. dos docentes e discentes. Alertam sobre a im- PAIM , I. Curso de psicopatologia. 10. ed. São Paulo: EPU, portância de os responsáveis pela educação com 1986. 299p.

×