• Save
Arte, culturas populares e saude
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Arte, culturas populares e saude

on

  • 1,845 views

Palestra no ENEPS - encontro nacional de educação popular em saúde - Fortaleza, Agosto de 2008

Palestra no ENEPS - encontro nacional de educação popular em saúde - Fortaleza, Agosto de 2008

Statistics

Views

Total Views
1,845
Views on SlideShare
1,841
Embed Views
4

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 4

http://www.slideshare.net 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Arte, culturas populares e saude Arte, culturas populares e saude Presentation Transcript

  • Brinquedo de Memória
  • Julio Alberto Wong Un Rede de Educação Popular em Saúde ENEPS – Fortaleza – Julho / Agosto de 2008
  • Ὁ βίος βραχύς, ἡ δὲ τέχνη μακρή View slide
    • Percepções Poéticas A partir de Fotos Relacionadas à Biografia;
    • Algumas Sensibilidades sobre A Vida na Saúde como Possível Arte;
    • Arte Alta: Grande Arte: Grande Saúde
    View slide
  • Ὁ βίος βραχύς, ἡ δὲ τέχνη μακρή Ars Longa Vita Brevis
    • Convite à Jornada do Herói (Joseph Campbell);
    • Busca contínua da Descoberta do Mundo (Clarice Lispector);
    • Valor de transformar a Dor, o Sofrimento, o Descaso, o Desigual em Beleza (Rubem Alves);
    • Realizar a Vontade de Ser Mais de todo Ser Humano (Paulo Freire);
    • A Necessidade Humana Fundamental de Ir Além de Nós Mesmos (Leonardo Boff);
    • Exercer uma Escuta Poética do Mundo (Prigogine e Stengers);
    • Aprofundar o lado interior: a experiência estética do mundo – a dimensão da arte que nos habita;
    • A oportunidade preciosa e única que os mundos periféricos dão para Deixar-nos Transformar;
    • Necessidade de Saber Mais sobre Experiências Transformativas na Saúde;
  • O Singular é (também) Social
    • Imagens de Biografia para pensarmos Interseções entre Arte e Saúde.
  • Fronteiras A vivência das regiões porosas de contato cultural
  •  
  • Fronteiras Móveis
    • Delimitações e Misturas;
    • Culturas mestiças;
    • Polifonias: músicas culturais a várias vozes;
    • Zonas de Contato: porosidades;
    • Mas também arame farpado, muralha, isolamento.
  • Desertos Um Olhar que Nunca Termina Um Olhar que Nunca se Cansa
  •  
  • O deserto de Atacama está dentro de Mim
    • A experiência de um infinito hostil porem amoroso / amado;
    • O valor intenso dos oásis, da água e do verde;
    • Inventar a Vida e a Alegria em Vales Estreitos;
    • Criar coisas gostosas com poucos recursos: azeitonas, azeites, vinhos, aguardente de uva;
    • Olhar, sentir, percorrer o deserto que é Útero, Leito, Fonte, Cemitério;
    • O Sertão é o Mundo (Joaozinho Rosa).
    • O Sertão está dentro de nós
  • [Ser que se faz] Além dos centros A Descoberta do Mundo
  •  
  •  
  • O mundo andino
    • Raiz e Mito – Afastamento e invisibilidade;
    • Violência Política e Extrema Pobreza;
    • Contemplação do Mundo – o Ser Vagaroso – o ET que olhava as folhinhas;
    • O Circo pobre;
    • A paixão pelo céu, pelo frio, pelas tormentas, pela limpidez da Alma Andina.
    • Um espaço privilegiado para aprender – no sentido profundo e radical – é a experiência com as periferias do mundo;
    • Há imensa riqueza e sabedoria nos esquecidos, excluídos, invisíveis.
    • Grande valor da experiência;
    • A vida como base da reflexão;
    • A vida solidária e em diálogo;
    • Busca da dimensão crítica e da dimensão da beleza  educação;
  • Para ir parando
    • Só umas fotos do Umbigo do Mundo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  • Aprofundar nossos sentidos Carta de Naufrago
    • Viver a Arte em todas suas formas (e além das usuais: namorar o mundo e as pessoas);
    • Conhecimento espantado e sagrado de Outras Culturas;
    • Aprender a humildade e o encantamento do mundo;
    • Deixar se surpreender;
    • Olhar como criança, como Poeta, como principiante: como se fosse a primeira vez.
    • Desconfiar das dicotomias excludentes;
    • Favorecer as misturas;
    • Confiar nos sentidos, nos desejos, nas emoções e nas intuições;
    • Aprender do simples, daquele que sofre, dos pequenos, dos excluídos;
    • Enxergar as oportunidades de transformação no cotidiano – mesmo na dificuldade;
    • Aprender do contato profundo com os Outros
    • Disciplina contínua e persistente para desvendar a poesia da existência cotidiana;
    • Não é de todos nem para todos;
    • Não tem formas únicas nem limitadas;
    • Tudo o que foi falado aqui mergulha na sensibilidade visionária e radical do nosso Paulo Freire;
    • Temos muitos mais desafios do que a técnica, as idéias, os dispositivos...
    • Toda Arte Exige...
    • Treino,
    • Prática,
    • Paciência,
    • Mudanças de Rumo,
    • Criatividades,
    • Diálogos,
    • Silêncios e Solidões,
    • Aceitação
    • 90% suor 10% inspiração
  • À amiga Marília que inspirou este brinquedo com sua curiosidade radical AGRADECIMENTO
  • [email_address] Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense