DNIT             MANUAL DE CUSTOS DE  INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES                        VOLUME 1             METODOLOG...
1
Introdução  1.1 - Objetivo  O SINCTRAN visa a oferecer ao DNIT e às demais esferas governamentais e privadas envolvidas  c...
Custo de Referência – São custos unitários compostos de forma genérica, com base em     pesquisas regionais de preços de i...
porque nem todos os itens de serviço têm a mesma lei de formação de custos. Assim, sempreque se adotam formas de remuneraç...
Mobilização e Desmobilização – a parcela de mobilização compreende as despesas paratransportar, desde sua origem até o loc...
Substituição da designação LDI por BDI: Por se tratar de uma designação consagradaem todo o âmbito da Engenharia, será uti...
Eliminação da distinção entre composições de custos diferenciadas por tipo de  obra: Atualmente apenas o fator de eficiênc...
A simulação é a primeira ferramenta a ser utilizada para a produção de dados. É um processocomputacional realizado em escr...
9
2 - CUSTOS DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTESAs composições de custos de infra-estrutura para os modais de transpo...
2.2 - CUSTOS DIRETOS DE OBRAS FERROVIÁRIAS:Nas obras ferroviárias, os custos diretos serão classificados de acordo com as ...
•   Serviços auxiliares: britagem de rocha, extração de areia;    •   Derrocagem: desmonte de rochas sub-aquáticas;    •  ...
13
3 - DETERMINAÇÃO DO BDIAnalisando os itens usualmente incluídos nos orçamentos de infra-estrutura de transportes comoCusto...
projeto, são passíveis de aditivo através da inclusão de novos preços no contrato. Para    efeito de custos de referência,...
3.1 - PREÇO TOTAL OU PREÇO DE VENDA:Tendo em vista as considerações acima, as fórmulas gerais dos Custos Diretos – (CD) e ...
ITENS      DE      VALOR              PERCENTUAL                                                                % sobre PV...
18
19
20
4 - CÁLCULO DOS CUSTOS DE MÃO DE OBRA  4.1 - CUSTO DA MÃO DE OBRA  4.1.1 - Salário  Foi efetuado, junto aos Sindicatos da ...
Categoria                                                    PS                     MÃO DE OBRA HORISTAMotorista de veícul...
Gerente   •     Gerente   de Contrato   •     Gerente   de Comercial   •     Gerente   de Produção   •     Gerente   de Pl...
Auxiliar    •     Zelador    •     Auxiliar de Escritório    •     Auxiliar de Almoxarifado    •     Auxiliar de Laboratór...
4.1.2 - Encargos Sociais – HoristasOs encargos sociais incidem sobre os salários de acordo com a legislação vigente e a pr...
b) Cálculo dos Encargos Sociais Referentes ao Grupo BNeste grupo são considerados os dias em que não há prestação de servi...
Das horas trabalháveis por ano, devem ser descontados os dias não trabalhados, previstos pelalegislação, (conforme abaixo ...
Cálculo das horas correspondentes aos dias não trabalhados:Repouso semanal remunerado:     1 dia por semana de descanso (d...
Pelo demonstrativo acima se conclui que:        o Total das horas não trabalhadas por ano: 704,4702 h/a        o Total de ...
•   B8 - Faltas Justificadas                                 11,00           x 100 % = 0,56                               ...
C2 -   Aviso Prévio IndenizadoIndenização equivalente ao salário de 30 dias do empregado dispensado sem justa causa.      ...
Com os valores acima se obtêm o total de encargos sociais de 126,30 %, calculados sobre ovalor do salário/hora efetivament...
e) Observações AdicionaisForam ainda analisados, no cálculo do custo da mão-de-obra, os seguintes aspectos:               ...
B - ENCARGOS QUE RECEBEM INCIDÊNCIA DE A (%)                    B1   13º Salário                        12,65             ...
35
36
5 - Custo horário de equipamentosUma das parcelas componentes do custo dos serviços rodoviários é o custo horário de utili...
O cálculo da depreciação para efeito de custeio depende, portanto, de alguns parâmetros, taiscomo: período de vida útil, v...
Carregadeira de pneus                                              20,0Carreta de perfuração sobre pneus tipo jumbo       ...
Macaco de protensão                                             5,0Máquina de bancada - guilhotina                        ...
Teodolito                                                                                 0,0          Texturizadora e lan...
Superfície de operação: As superfícies em que os equipamentos operam também variam defirmes e lisas até irregulares, com m...
Para transporte      • superfícies com apoio total    • distâncias irregulares              • deslocamento contínuo em    ...
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Dnit vol1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Dnit vol1

3,794

Published on

coeficientes do dnit
muito bom para calcular depreciação, custo de manutenção entre outros

Published in: Design
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,794
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
98
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Dnit vol1

  1. 1. DNIT MANUAL DE CUSTOS DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES VOLUME 1 METODOLOGIA E CONCEITOS SICRO 3 SISTEMA DE CUSTOS REFERENCIAIS DE OBRAS (PROJETO SINCTRAN) 2008 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTESDEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES – DNIT
  2. 2. 1
  3. 3. Introdução 1.1 - Objetivo O SINCTRAN visa a oferecer ao DNIT e às demais esferas governamentais e privadas envolvidas com a questão, um padrão nacional de referência de custos dos diferentes componentes da infra-estrutura de transportes nos modais rodoviário,ferroviário e aquaviário, bem como suas intermodalidades, de modo a facultar sua correta valoração, através de procedimentos racionais e cientificamente fundamentados. 1.2 - Metodologia O presente manual define uma nova metodologia para a elaboração de composições de custos, com a finalidade de unificar práticas correntes na área rodoviária como as que se utilizam dos demais modais de transporte e no setor de construção civil de edificações. 1.2.1 - Conceitos Gerais No trato das questões relativas a custos de obras de infra-estrutura de transportes, é recomendável que se definam, desde logo, alguns conceitos que foram incorporados à terminologia do setor, a fim de que o uso de determinados termos se faça sem ambigüidades. Tais conceitos são: Preço da Obra - Os preços das obras e serviços de infra-estrutura de transportes podem ser determinados de várias formas. Em princípio, este é estabelecido com base nos custos de produção, aos quais o executor acrescenta as margens beneficiárias que pretende obter. No entanto, como parâmetro comercial, o preço também é função de quanto o contratante está disposto a pagar e, no final, será fruto de acordo negociado entre as partes. O executor procura maximizar o seu lucro e o contratante minimizar o valor a ser pago. Custo – o custo de uma obra é constituído pelo somatório dos valores dos insumos - mão-de-obra, equipamentos e materiais - empregados em sua execução, dos custos indiretos incorridos. Os custos de execução ou de produção são parâmetros técnicos e podem ser obtidos de forma racional, isto é, através de seqüência lógica de operações, conhecendo-se os serviços que compõem a execução da obra, suas respectivas quantidades, bem como as quantidades de insumos necessários para a produção de cada unidade de serviço. Custos Unitários dos Serviços - são aqueles necessários à execução de uma única unidade de serviço. O produto do Custo Unitário de um serviço pela quantidade deste a ser realizada, resultará no custo total do item de serviço. O somatório dos custos de todos os itens de serviço conduzirá ao custo total da obra. O valor do custo unitário é obtido mediante a elaboração de sua respectiva composição, em que se relacionam todos os insumos que dele participam, bem como suas respectivas quantidades necessárias para a produção de uma unidade de serviço. 2
  4. 4. Custo de Referência – São custos unitários compostos de forma genérica, com base em pesquisas regionais de preços de insumos. Não levam em conta nenhum aspecto peculiar de qualquer obra em particular, atendo-se tão somente a condições regionais. São utilizados, como seu próprio nome indica, para a elaboração de tabelas e orçamentos de referência, como balizadores de preços de licitações. Custo para Orçamento – São custos unitários compostos para orçar uma obra específica. Levam em conta, portanto, todas as condições locais particulares que possam afetar o valor da obra em questão.Entende-se por insumos os materiais, os equipamentos e a mão-de-obra que entram nascomposições de cada serviço. Por utilizar quantidades de insumos necessários à produção deuma unidade de serviço, este procedimento é conhecido como Composição Unitária. É a formade compor custos utilizada pelo SINCTRAN.Outra forma de proceder, que chega aos mesmos resultados, é através da produção horária dedeterminada equipe. Este procedimento é conhecido como Composição Horária, que foi asistemática usada no SICRO2.a. Custos Diretos e Custos IndiretosTeoricamente, Custos Diretos são aqueles presentes na atividade, cujo valor pode ser a estaimputado sem ambigüidade. Já os Custos Indiretos são itens necessários à elaboração doproduto, mas que não podem ser apropriados diretamente a uma única atividade, pois suaabrangência se estende a diversos itens e até à obra inteira. Normalmente, sua apropriação sefaz por alguma forma de rateio sobre os Custos Diretos.Na prática, a classificação do custo de um serviço como direto ou indireto está apenasrelacionada à sua inclusão ou não na respectiva planilha de preços, a serem cotados por ocasiãoda licitação da obra. Todos os itens da planilha de preços, para os quais são requeridas cotaçõesespecíficas e cujo pagamento se fará de acordo com alguma forma de medição, sãoconsiderados como custos diretos.Em termos da realidade concreta dos empreendimentos da infra-estrutura de transportes, adistinção entre custos diretos e indiretos está, portanto, vinculada à relação de itens de serviçoque o órgão responsável pela obra esteja disposto a fiscalizar e, conseqüentemente, a medir epagar de forma individualizada.Existe outro aspecto importante a considerar, decorrente das ponderações acima: o fato quedeterminado item seja considerado como custo indireto não impede que seu valor seja orçado deforma analítica. Ao contrário, sempre que possível, devem ser buscados parâmetros quepermitam chegar a seu valor através de procedimentos analíticos.Conseguido esse primeiro intento, nada impede que esses itens passem a ser tratados, paraefeito de medição e pagamento, como se fossem custos diretos. Isso implica em que elespassariam a constituir um item específico da Planilha de Custos e não seriam mais rateadossobre os demais custos da obra. Esta é seguramente uma das grandes contribuições doSINCTRAN à sistemática de custeio das obras de infra-estrutura de transportes, pois desta formaevitam-se as distorções que decorrem de sua pura e simples inclusão no BDI. É sabido que todavez que a norma adotada para o pagamento de determinado item se desvincula da lei deformação de seus custos, geram-se possibilidades de distorções que podem conduzir a valoresfinais, pagos por esse item, inteiramente inadequados, ou seja, inferiores ou superiores ao quecorresponderia à sua justa remuneração. Esse desajustamento é provocado, basicamente, 3
  5. 5. porque nem todos os itens de serviço têm a mesma lei de formação de custos. Assim, sempreque se adotam formas de remuneração atreladas a quantidades de trabalho realizado para itenscujos custos sejam fixos ou cresçam com os prazos de execução da obra, está-se criando apossibilidade de uma inadequação no valor pago em relação a seu custo. É o que ocorre, porexemplo, quando se rateiam sobre os custos diretos - pagos segundo quantidades realizadas -os custos de mobilização e desmobilização de equipamento ou de construção de instalações decanteiros de obra que são itens que têm custos fixos. O mesmo acontece com os custos daadministração local da empreiteira que são proporcionais ao tempo de duração da obra. Seocorrerem variações, em relação ao inicialmente previsto, nas quantidades de serviços arroladoscomo itens do custo direto, a remuneração dos itens indiretos também variará, sem quenecessariamente seus custos tenham-se alterado nas mesmas proporções.Conclui-se, portanto, que, por ocasião da elaboração do orçamento da obra e, posteriormente,do preparo das planilhas de preço a serem incluídas nos editais de licitação, todos os itenspassíveis de serem tratados como custos diretos, independentemente de sua natureza, deverãoser classificados como tais. Cabe ao órgão contratante estabelecer esse enquadramento em suasNormas de Medição e Pagamento, em função de sua experiência, conveniência, capacidade defiscalização, características da obra e das condições de sua realização.Esta nova ótica deverá recair sobre os itens que tradicionalmente são considerados indiretos taiscomo: Projeto Consultoria Sondagens e ensaios tecnológicos Ferramentas Equipamentos de pequeno porte Equipamentos de proteção individual Manutenção de equipamentos locados Material de consumo e de expediente Administração local Canteiro e acampamento Mobilização e desmobilização Serviços públicos Fiscalização Administração centralComo a denominação da maior parte dos itens apresentados é auto explicativa, julgou-seoportuno fazer comentários apenas sobre alguns deles:Custo de Administração Local – representa todos os custos locais que não são diretamenterelacionados com os itens da planilha e, portanto, não são considerados na composição doscustos diretos. Inclui itens como: Custo da Estrutura Organizacional (pessoal), Seguros eGarantias de Obrigações Contratuais e Despesas Diversas. O item Administração é facilmentemensurável, extremamente variável e dependente de diversos fatores. Não é função apenas dovalor da obra e, sim, das particularidades de cada empresa e das facilidades de que a mesmadispõe. Admitir um percentual fixo sobre o custo pode conduzir a erros grosseiros.O custo de administração normalmente tem incidência inversamente proporcional ao valor daobra. Uma obra pequena tem o custo administrativo, percentualmente, maior que o de uma obrade vulto. Assim, a administração da obra vai passar a constituir um item próprio no orçamento,deixando, portanto, de figurar no BDI. 4
  6. 6. Mobilização e Desmobilização – a parcela de mobilização compreende as despesas paratransportar, desde sua origem até o local onde se implantará o canteiro, os recursos humanosnão disponíveis no local da obra, bem como todos os equipamentos e instalações (usinas deasfalto, centrais de britagem, centrais de concreto, etc.) necessários às operações que aí serãorealizadas. Estão, também, aí incluídas as despesas para execução das bases e fundaçõesrequeridas pelas instalações fixas e para sua montagem, colocando-as em condição defuncionamento. O SICRO 2 considerava que, como a desmobilização de equipamentos e instalações se faz a fimde transportá-los para uma nova obra, não seria conveniente sua remuneração, com vistas aevitar duplicidade de pagamento. As empresas construtoras, no entanto, por não receberam talremuneração, vinham se sentindo desobrigadas de retirar, ao final da obra, os restos deinstalações, como tanques usados, bases de usinas e outros, provocando assim agressão aomeio-ambiente. Ademais, o fato de uma desmobilização coincidir com a mobilização para umanova obra é raro e só ocorre eventualmente, não podendo ser tomado como regra. Em vistadisso, o entendimento atual é de que a parcela de desmobilização seja remunerada. Para tanto,o SINCTRAN apresenta composições de Mobilização e de Desmobilização, para diferentesequipes mecânicas.Canteiro e Acampamento – esta rubrica tem por finalidade cobrir os custos de construção dasedificações e de suas instalações (hidráulicas, elétricas, esgotamento) destinadas a abrigar opessoal (casas, alojamentos, refeitórios, sanitários, etc.) e as dependências necessárias à obra,(escritórios, laboratórios, oficinas, almoxarifados, balança, guarita, etc.), bem como dosarruamentos e caminhos de serviço.Administração Central – é a parcela do Preço Total que corresponde à quota parte do custo daAdministração Central do Executor, a ser absorvida pela obra em tela.1.2.2 - Inovações Metodológicas Propostas por este ManualComo o presente Manual se propõe a introduzir uma série de inovações metodológicas nosprocedimentos de custeio a serem adotados daqui por diante, julgou-se oportuno relacioná-las aseguir, com vistas a chamar a atenção do usuário do sistema para os aspectos que constituemcaracterísticas peculiares do SINCTRAN. Composições unitárias: Com a finalidade de unificar os procedimentos nos diferentes modais de transportes, decidiu-se converter as composições de custos do SICRO2 de produção horária para unitária, uma vez que, no cenário nacional de transportes, apenas o setor rodoviário vinha utilizando composições horárias Os demais órgãos e empresas, bem como o SINAPI, utilizam composições unitárias. Eliminação dos custos indiretos das composições: Considerando que não existe uma forma de mensurar exatamente a participação de cada item de serviço indireto nas atividades, optou-se por sua exclusão das composições, permanecendo apenas os insumos que participam diretamente dos serviços. Os insumos que participam indiretamente serão incluídos nos Serviços Gerais do Orçamento da Obra (ex: encarregado de turma, encarregado de pavimentação, de britagem, transporte de insumos, ferramentas manuais, alimentação e transporte de pessoal). Dessa forma, estes custos indiretos, alocados em local próprio, poderão ser considerados com sua verdadeira relevância. Deixarão também de ser incluídos nas composições os itens que, mesmo participando diretamente, são de difícil mensuração ou proporcionalmente de pequeno valor, como é o caso dos transportes de insumos. 5
  7. 7. Substituição da designação LDI por BDI: Por se tratar de uma designação consagradaem todo o âmbito da Engenharia, será utilizada a sigla BDI, expressa através de umpercentual sobre os Custos Diretos, que engloba, além do lucro e das despesas indiretas,tudo o mais que deve ser executado e não consta da planilha de custos.Alteração de tratamento de alguns custos indiretos: Conforme expostoanteriormente, o SINCTRAN preconiza o tratamento de certos custos que, por suanatureza, são tradicionalmente considerados indiretos, como se fossem custos diretos,para efeito de orçamento, medição e pagamento.Inclusão de novos fatores no BDI (risco e escala):Fator de risco: são vários os fatores não considerados no custo que podem interferir noprocesso construtivo de uma obra, no cronograma de execução ou nos gastosefetivamente feitos e que se traduzem em riscos para uma empresa ao assumir uma obra.Esses fatores podem ser assim listados: particularidades regionais referidas à localizaçãoda obra; natureza do relacionamento com o contratante; facilidades disponíveis;confiabilidade e presteza nos pagamentos.Fator de escala: A execução dos serviços tende a ser otimizada conforme aumenta onúmero de repetições. Determinado percentual previsto para o lucro pode ser significativopara obras de grande porte e insuficiente para obras menores. Há necessidade de ajustar opercentual previsto para o lucro com a consideração de um fator de escala.Eliminação do custo improdutivo dos equipamentos nas composições de custos einclusão no custo horário como um percentual: Considerando que o valor da horaimprodutiva dos equipamentos representa, em média, menos de 2% do valor dos serviços,entende-se que, sem prejuízo significativo para o valor final da obra, esse valor pode serincluído na hora produtiva como um percentual.Visualização dos insumos ocultos pelas recursividades: dentro de cada composiçãode custo será possível, através de um comando do sistema informatizado, visualizarem-setodos os insumos que compõem as atividades auxiliares presentes na composição.Eliminação de generalização de atividades: Várias composições de custos considerama existência de equipamentos ou atividades que podem estar presentes em determinadascircunstâncias e em outras não como, por exemplo, previsão de motoniveladora naatividade de Escavação, Carga e Transporte. Sua inclusão se deu para execução deserviços de limpeza e conservação dos caminhos de serviço. Ocorre, entretanto, que nemsempre há necessidade desta manutenção, como no caso de caminhos de serviço emrodovias pavimentadas ou, quando há, sua freqüência pode ser variável.Outro exemplo é a necessidade de Limpeza da Camada Vegetal ou de Expurgo de Materialde Jazida na composição de Produção de Material de Base. Quando se tratar de jazidas jáexploradas esses serviços não são necessários.Atividades deste tipo serão objeto de composições específicas. No caso da motoniveladora,sua utilização na conservação do caminho de serviço para a atividade Escavação, Carga eTransporte virá em composições com o título Manutenção de Caminhos de Serviço. 6
  8. 8. Eliminação da distinção entre composições de custos diferenciadas por tipo de obra: Atualmente apenas o fator de eficiência diferencia as composições de serviços de restauração rodoviária das de construção rodoviária. Essa diferenciação passará a ser feita no orçamento ao invés de na composição de custo, através do Fator de Interferência de Tráfego (FT), que será diferenciado em função das dificuldades de execução provocadas pelo volume de tráfego. A metodologia está descrita no Item 8.3 deste volume. Diversificação de tipos de caminhos de serviços por pavimentos diferenciados: Os caminhos de serviço podem ter sua superfície de rolamento pavimentada, com revestimento primário ou em leito natural. As pavimentadas são aquelas que receberam revestimento com uma camada de material betuminoso, placas de concreto, paralelepípedos, elementos de concreto intertravados, ou outro material de acabamento. As de revestimento primário foram revestidas com camada de material selecionado, originário de jazida, de melhor qualidade que o solo natural, com vistas a elevar sua taxa de suporte. As de leito natural ou de terra tem sua pista de rolamento sobre o próprio solo originalmente existente no local, sem nenhum melhoramento. O sistema atual considera que os caminhos de serviço são sempre em terra. No entanto, os transportes dos materiais oriundos das escavações podem ser realizados em rodovias com revestimento primário ou pavimentadas e, nesses casos, não há necessidade de limpeza. Para caminhos de serviço em terra, serão produzidas composições de custo que considerarão as reais condições nas quais se encontram os pavimentos, que podem ser classificadas em péssimas, razoáveis, boas ou ótimas. Adoção de faixas de distância para o transporte de materiais: Além da forma utilizada atualmente para pagamento de transporte de materiais (fator linear de momento de transporte), também foram produzidas composições de custo por faixas de distância, para transportes locais, com a finalidade de proporcionar maior comodidade ao usuário. As faixas utilizadas foram: de 200 em 200m até a distância de 2000m e de 1000 em 1000m de 2000 até 4000m.Foram considerados os seguintes veículos: caminhões basculantes de 6m³ e de 10m³ caminhões carroceria de 9 t e 15 t.operando em três tipos de faixa de rolamento: leito natural revestimento primário pavimentada Pagamento de carga, descarga e manobras em itens específicos: Os tempos fixos relativos à carga, descarga e manobras foram retirados das composições onde estavam inseridos e deram lugar a itens de serviço próprios para orçamento e pagamento. Aferição das composições de custos: A metodologia desenvolvida para a aferição dos dados de produção de equipamentos, produção de serviços manuais, consumo de materiais ou adequação de mão de obra, envolve o uso de simulações, observações em campo e pistas de testes. 7
  9. 9. A simulação é a primeira ferramenta a ser utilizada para a produção de dados. É um processocomputacional realizado em escritório. É simples, de baixo custo e eficiente. A principalfinalidade de seu uso é o ajuste dos dados teóricos das composições de custo para asverificações no campo.Os resultados da simulação podem ser conclusivos para as composições de pequenaimportância ou o ponto de partida para a obtenção dos dados para observações e aferições nocampo ou em pistas de testes.A observação de campo tem por finalidade colher informações de obras em andamento, seminterferir no processo executivo. Sua vantagem é de se basear num procedimento real. Suadesvantagem de ocorrer com os meios e condições existentes, que podem não ser os maisrepresentativos.Para que a validação dos dados possa ser conclusiva, há necessidade de observação dosserviços em obras diferentes e em condições diversas.Nas pistas de teste são levantadas as produções dos equipamentos e as composições de customais representativas, em virtude da complexidade e do alto custo envolvido.Todos os insumos são previamente selecionados e alocados em ambientes adequados, parapermitir a aferição das variáveis envolvidas de forma controlada. Fica a cargo do IPR (Instituto de Pesquisas Rodoviárias) a aprovação dos métodos e processos a serem utilizados. 8
  10. 10. 9
  11. 11. 2 - CUSTOS DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTESAs composições de custos de infra-estrutura para os modais de transportes foram organizadas emquatro grandes grupos e reunidas num banco de dados único: • Custos de Obras Rodoviárias • Custos de Obras Ferroviárias • Custos de Obras Aquaviárias • Custos de Obras de Edificações2.1 - CUSTOS DIRETOS DE OBRAS RODOVIÁRIAS No modal Rodoviário, as composições de custos estarão agrupadas nas seguintes áreas, contemplando as seguintes categorias de serviços: • Projetos: projetos, levantamentos topográficos, sondagens; • Instalação da obra: montagem de canteiro, mobilização e desmobilização, instalação de usinas; • Serviços gerais: insumos que participam indiretamente nos serviços e que não estão no BDI ou em outros itens, como por ex. ferramentas manuais, equipamento de proteção individual, encarregados, ou ainda, equipamentos de pequeno porte pagos por aluguel mês, tais como betoneiras, geradores, serras e outros, que, no SINCTRAN não fazem parte das composições de serviços; • Terraplenagem: todos os serviços de movimento de terra e rocha para preparo do leito estradal, inclusive escavação de jazidas; • Drenagem: todos os dispositivos de drenagem superficial e profunda como valetas, sarjetas, meios-fios, drenos; • Obras de arte correntes: bueiros, pontilhões; • Obras em terra e rocha: escavações de valas em geral, desmonte de rochas; • Obras de contenção: muros de contenção, gabiões, cortinas, terra armada, enrocamentos; • Fundações: sapatas, estacas em geral, tubulões; • Estrutura: pontes, viadutos; • Pavimentação: bases, sub-bases, revestimentos; • Sinalização: sinalização horizontal, sinalização vertical, pórticos; • Obras complementares: cercas, defensas; • Proteção ambiental: gramagem, hidrossemeadura, plantio de árvores e arbustos, regularização de caixas de empréstimo; • Serviços de manutenção: roçada, limpeza, caiações, tapa-buracos, remoção de barreiras; • Transportes: transportes locais e comerciais; Serviços auxiliares: britagem de rocha, extração de areia; 10
  12. 12. 2.2 - CUSTOS DIRETOS DE OBRAS FERROVIÁRIAS:Nas obras ferroviárias, os custos diretos serão classificados de acordo com as seguintes áreas,comportando, entre outros, os serviços exemplificados adiante; • Projetos: projetos, levantamentos topográficos, consultoria, sondagens, ensaios; • Instalação da obra – locação da obra, montagem de canteiro, mobilização e desmobilização; • Serviços gerais: insumos que participam indiretamente nos serviços e que não estão no BDI ou em outros itens, como por ex. ferramentas manuais, equipamento de proteção individual, encarregados, ou ainda, equipamentos de pequeno porte pagos por aluguel mês, tais como betoneiras, geradores, serras e outros, que, no SINCTRAN não fazem parte das composições de serviços; • Terraplenagem: todos os serviços de movimento de terra e rocha para preparo do leito estradal, inclusive escavação de jazidas; • Drenagem: todos os dispositivos de drenagem superficial e profunda, tais como valetas, sarjetas, meios-fios, drenos; • Obras de arte correntes: bueiros, pontilhões; • Obras em terra e rocha: escavações para bueiros, drenagem, pontes; • Obras de contenção: muros de contenção, gabiões, cortinas, terra armada, enrocamentos; • Fundações: sapatas, estacas em geral, tubulões; • Superestrutura ferroviária: assentamento de lastro, dormentes, trilhos, AMV; • Estruturas: pontes, viadutos; • Pavimentação – sub-leito, reforço do sub-leito, sub-base (sub-lastro); • Sinalização - marcos quilométricos e geométricos, passagens em nível; • Obras complementares - cercas, defensas, muros de vedação; • Proteção ambiental - gramagem, hidrossemeadura, plantio de árvores e arbustos; • Transportes - transportes locais e comerciais; • Serviços de manutenção - limpeza, substituição de pequena parcela de materiais, correção geométrica; • Serviços auxiliares - britagem de rocha, extração de areia; •2.3 - CUSTOS DIRETOS DE OBRAS AQUAVIÁRIAS:As obras aquaviárias comportam composições de custos que envolvem as seguintes categorias deserviços: • Projetos: projetos, levantamentos topográficos, sondagens, ensaios; • Instalação da obra: locação da obra, montagem de canteiro, mobilização e desmobilização, instalação de usinas; • Serviços gerais: insumos que participam indiretamente nos serviços e que não estão no BDI ou em outros itens, como por ex. ferramentas manuais, equipamento de proteção individual, encarregados, ou ainda, equipamentos de pequeno porte pagos por aluguel mês, tais como betoneiras, geradores, serras e outros, que, no SINCTRAN não fazem parte das composições de serviços; • Terraplenagem: preparação de terraplenos nos locais de portos e terminais; • Obras em terra e rocha: obras de contenção nas margens; • Obras de contenção: muros de contenção, gabiões, cortinas, terra armada, enrocamentos; • Fundações: sapatas, estacas em geral, tubulões; • Estruturas: estruturas portuárias, cais; • Transportes: transportes locais e comerciais; • Serviços de manutenção - limpeza, manutenção de estruturas; 11
  13. 13. • Serviços auxiliares: britagem de rocha, extração de areia; • Derrocagem: desmonte de rochas sub-aquáticas; • Dragagem: canais de acesso, áreas de manobra; • Molhe: quebra-mares, tetrápodes, enrocamentos;2.4 - CUSTOS DIRETOS DE EDIFICAÇÕES:Os serviços de edificações, por sua vez, comportam composições de custo que se distribuem pelasseguintes áreas de atividade: • Projetos: projetos, estudos topográficos, sondagens, ensaios; • Instalação da obra: locação da obra, montagem de canteiro, mobilização e desmobilização, instalação de usinas; • Serviços gerais: insumos que participam indiretamente nos serviços e que não estão no BDI ou em outros itens, como por ex; ferramentas manuais, equipamento de proteção individual, encarregados; • Drenagem: dispositivos de drenagem superficial como sarjetas, meios-fios, drenos; • Obras em terra e rocha: escavações para fundações; • Obras de contenção: muros de contenção, gabiões, cortinas, muros de divisa, enrocamentos; • Fundações: cravação de estacas, execução de sapatas isoladas ou corridas, de blocos de fundação, de tubulões, de blocos de coroamento, de vigas de equilíbrio, de vigas alavancas; • Estruturas: concretos, armações, formas, perfis metálicos; • Instalações elétricas: instalação de dispositivos elétricos • Instalações hidráulicas: instalação de dispositivos hidráulicos • Paredes: alvenarias, divisórias, painéis; • Coberturas: estruturas de madeira ou metálicas, telhamentos, calhas, cumeeiras, rufos; • Tratamentos: impermeabilizações, isolamentos térmicos; • Esquadrias: portas, janelas, gradis, caixilhos, guarda-corpos, escadas, corrimãos; • Revestimentos: emboço, reboco, revestimentos de paredes, forros; • Pavimentações: contra-pisos, cimentados, pisos, calçadas, meios-fios, degraus, decks; • Rodapés, soleiras e peitoris • Ferragens: dobradiças, fechaduras, fechos para portas e janelas; • Vidros: vidros liso, temperado, fantasia, aramado, cristal, espelhos; • Pinturas: preparos de superfície, emassamentos, pinturas, envernizamento, resinas; • Aparelhos: armários, lavatórios, bancadas, tanques, chuveiros, torneiras, cabides; • Urbanização: ajardinamento, plantio de arbustos, alambrados; • Limpeza: limpezas em geral e de peças; • Obras complementares: cercas, muros; • Sinalização: sinalização horizontal; • Transportes: transportes locais, transportes verticais; • Serviços de manutenção: retirada e recolocação de peças, manutenção de estruturas; • Serviços auxiliares: cortes de chapas. 12
  14. 14. 13
  15. 15. 3 - DETERMINAÇÃO DO BDIAnalisando os itens usualmente incluídos nos orçamentos de infra-estrutura de transportes comoCusto Indireto verifica-se que alguns deles têm valor percentual fixo e obrigatório e são parteintegrante da carga tributária que incide sobre o preço da obra; um segundo grupo apresentavariações percentuais que usualmente se limitam a uma faixa restrita e um terceiro pode apresentarvariações bastante significativas com o tipo de obra e as circunstâncias em que são realizadas.O primeiro grupo é todo constituído por tributos, cuja aplicação é estabelecida e regulamentada porLei. Inclui o PIS, a COFINS e a CPMF. A incidência desses tributos se dá sobre o Preço de Venda(PV), de acordo com as seguintes alíquotas: Itens de Valor Percentual Fixo e Obrigatório Itens de Custo Percentuais A – PIS 0,65% do PV B – COFINS 3,00% do PV C - CPMF 0,38% do PVO segundo grupo comporta tributos e outras despesas cujas incidências admitem alguma variação,sobre as quais cabem os seguintes comentários: • ISS (Imposto sobre Serviços) – é um tributo municipal; assim sendo, sua alíquota não é a mesma para todo o país. Ela varia, conforme o Município, desde aqueles que isentam a construção civil do tributo até os que a taxam com percentuais que variam na faixa de 2,0% a 5,0% sobre o valor das faturas correspondentes à prestação de serviços. Tendo em vista essa circunstância, o SINCTRAN adotará alíquota média de 1,75% para fazer face a esta despesa. A admissão desta incidência do ISS subentende que a prestação de serviços corresponde a 50% do valor da obra. Entretanto, caberá ao projetista, por ocasião da elaboração de um orçamento real, relativo a uma obra bem definida, verificar a alíquota real de ISS a ser paga. • Fator de Risco – Como seu próprio nome indica, trata-se de reserva para cobrir eventuais acréscimos de custos da obra não recuperáveis contratualmente. Evidentemente, pela sua própria natureza, os eventuais que possam ou não ocorrer numa obra vão depender fundamentalmente do tipo de contrato sob o qual ela está sendo realizada. Numa empreitada por preço global os riscos de que aconteçam fatos não previstos, com repercussão no custo da obra, que tenham que ser arcados pelo executante, são elevados. Outras formas de contratação minimizam tais riscos, principalmente quando as variações de custo por eles causadas têm outras formas de serem compensadas. Numa empreitada por preços unitários, que é a forma de contratação mais usual no DNIT, as variações para mais ou para menos nas quantidades de serviços são resolvidas pelas medições, que aferem as quantidades efetivamente realizadas. As flutuações nos preços dos insumos são compensadas pelos índices de reajustamento das faturas e, finalmente, serviços novos não previstos inicialmente nos editais de licitação, como aqueles decorrentes de alterações de 14
  16. 16. projeto, são passíveis de aditivo através da inclusão de novos preços no contrato. Para efeito de custos de referência, estamos adotando um fator de risco de 5% para empreitada por preço global , quando houver, e de 0% para empreitada por preço unitário, que é como aparece no BDI usado como “default” do SINCTRAN.• Margem – a rigor, a margem complementa a formação do Preço de Venda, sem que possa ser considerada como item de custo, ela é, na verdade, uma parcela destinada a remunerar os fatores da produção do Executor que intervêm na obra, tais como: custo de oportunidade do capital aplicado nos equipamentos mobilizados na obra; capacidade administrativa e gerencial para a administração do contrato e a condução da obra, representada pelas estruturas organizacionais da empresa e pelo conjunto de normas e procedimentos de que se utiliza; conhecimento tecnológico adquirido através de experiências pregressas e pelo investimento em formação, treinamento de pessoal e compra de “know how”. A margem é, assim, um excedente sobre o custo orçado, através do qual o Executor buscará realizar seu Lucro, bem como prover recursos para pagamento de impostos sobre o resultado. No presente manual partiu-se de uma taxa de lucro definida no valor de 5,00% de PV. Há que levar em conta, entretanto, que execução dos serviços tende a ser otimizada conforme aumenta o número de repetições. Determinado percentual previsto para o lucro pode ser significativo para obras de grande porte e insuficiente para obras menores. Há necessidade de ajustar o percentual previsto para o lucro com a consideração de um fator de escala, a ser adicionado ao lucro, conforme abaixo: Fescala = K (1-Vobra / Vlim) K = percentual estimado em 5% Vobra = Valor da Obra Vlim = 50 Vref Vref = Valor considerado para as licitações na modalidade de concorrência Pela expressão apresentada, as obras com valores inferiores ao Vlim recebem um acréscimo positivo do fator escala, até um máximo de 5%, a ser adicionado à taxa de lucro. As demais, com valores superiores, não recebem o acréscimo no percentual de lucro esperado relativo ao fator de escala. Quanto aos Itens Administração da Obra, tanto a Central quanto a Local, Instalações de Canteiro e Acampamento e Mobilização e Desmobilização, custos que se formam de maneira peculiar em cada obra, não é viável se tentar estabelecer faixas percentuais para enquadrá- los, a menos que estas sejam tão largas que perderiam qualquer sentido prático. Por essa razão essas parcelas foram retiradas do BDI e constituirão itens de serviços específicos.• Custos Financeiros – Resultam da necessidade de financiamento da obra por parte do Executor, que ocorre quando os desembolsos mensais acumulados forem superiores às receitas acumuladas. Tais custos são calculados como um percentual equivalente à taxa de juros básicos do Banco Central (SELIC) aplicado sobre o Preço de Venda menos a Margem, durante um mês. As despesas financeiras decorrentes de inadimplência do Contratante, por serem eventuais, não podem ser consideradas na elaboração dos custos referenciais do DNIT. 15
  17. 17. 3.1 - PREÇO TOTAL OU PREÇO DE VENDA:Tendo em vista as considerações acima, as fórmulas gerais dos Custos Diretos – (CD) e doPreço de Venda - (PV) assumirão as expressões: PV = CD + (A+B+C+D+E+F+G)onde os símbolos têm o seguinte significado: PV: Preço de Venda CD: Custo Direto Total A: PIS B: COFINS C: CPMF D: ISS E: Margem F: Risco G: Custos Financeiros3.2 - CONCEITO DE BDI:Com base nessas considerações foi construído o quadro a seguir, em que são demonstrados osvalores das incidências dos diferentes itens sobre o Preço Total ou Preço de Venda da obra (PV)e sobre seu Custo Direto (CD). Além disso, procedeu-se, também, à abertura do valorconsiderado como Margem, destacando a carga tributária sobre ela incidente.A relação entre o Preço Total ou Preço de Venda (PV) e o Custo Direto (CD) constitui o fator deBDI (Benefícios e Despesas Indiretas), que é expresso por: Fator de BDI = PV / CDBDI em percentagem é dado pela expressão: BDI (%) = (PV/CD - 1). 100Cabe observar que o BDI de 12,73% constante do quadro “COMPOSIÇÃO DO BDI (BENEFÍCIOSE DESPESAS INDIRETAS)” a seguir apresentado, foi calculado a partir de Impostos e Taxasvigentes à época da edição deste Manual. Considerou-se um Fator Escala = 0, correspondentea obras com valor acima do Vlim citado no item 1.2.2., contratadas por Empreitada de PreçosUnitários, ou seja, obras cujo Fator de Risco também é nulo. Este percentual é apresentadoapenas como referência, uma vez que o BDI no SINCTRAN será variável em função do tipo deobra, e será aplicado aos custos diretos da obra, para a determinação de seu preço, apenas nafase de elaboração do orçamento. 16
  18. 18. ITENS DE VALOR PERCENTUAL % sobre PV % sobre CD FIXO E OBRIGATÓRIO A - PIS 0,65 % de PV 0.65 0.73 B - COFINS 3,00 % de PV 3.00 3.38 C - CPMF 0 % de PV Sub - total 3.65 4.11 ITENS DE VALOR PERCENTUAL VARIÁVEL COM O TIPO DA OBRA OU SERVIÇO D - ISS 1,750 % de PV 1.75 1.97 E - Margem 5,0 % de PV 5 5.64 F - Risco 0% de PV G – Custos Selic/12 . (PV-Margem) Financeiros 0.89 1.00 Sub - total 7.64 8.61 BDI 11.29 12.73 Custos Diretos - CD 88.71 100 Preço de Venda - PV 100.00 Tabela 3.1 - COMPOSIÇÃO DO BDI (BENEFÍCIOS E DESPESAS INDIRETAS)PIS, COFINS – IN/SRF n° 306 de 12/03/2003SELIC Dez/2007 = 11,25% a.a.O IRPJ, no percentual de 15% s/ Margem, e a CSLL, de 9% s/(Margem – IRPJ), deixaram deser incluídos no BDI por determinação do TCU através do Acórdão n° 325, de 29.06.2007. 17
  19. 19. 18
  20. 20. 19
  21. 21. 20
  22. 22. 4 - CÁLCULO DOS CUSTOS DE MÃO DE OBRA 4.1 - CUSTO DA MÃO DE OBRA 4.1.1 - Salário Foi efetuado, junto aos Sindicatos da Construção Civil e da Construção Pesada, levantamento de salários médios e pisos salariais nos Estados, ensejando-se o estabelecimento de padrões salariais para as diversas categorias profissionais que integram as composições de custo do SINCTRAN: A partir desses valores são calculados da seguinte forma os custos referentes à mão-de-obra: salário mínimo salário horário = padrão salarial × 220 salário mensal = padrão salarial × salário mínimo • Para as categorias que têm o piso básico determinado pelas Convenções Coletivas de Trabalho em cada Estado, os padrões salariais serão periodicamente aferidos através de pesquisas junto aos Sindicatos (são elas servente, ajudante, ajudante especializado, oficial) 21
  23. 23. Categoria PS MÃO DE OBRA HORISTAMotorista de veículo leve 2,0Motorista de caminhão 2,5Motorista de veículo especial 3,0Operador de equipamento leve 1 2,5Operador de equipamento leve 2 ou Operador de 3,0máquina leve de linhaOperador de equipamento pesado ou Operador de 3,5máquina média/pesada de linhaOperador de equipamento especial ou Operador de 4,0máquina pesada especial de linhaBlaster 4,1Oficial especializado 3,0Desenhista 4,0Mergulhador 6,0Pré-marcador / Pré-alinhador 3,0Sondador 2,5Perfurador de tubulão Trabalhador de ar comprimido 2,0Jardineiro/Serralheiro 2,0Consultor 72,3Engenheiro projetista 20,0 MÃO DE OBRA MENSALISTAGerente * 25,0Engenheiro Chefe Seção Técnica * 20,0Engenheiro * 16,0Médico * 15,0Médico do trabalho 15,0Engenheiro auxiliar * 8,0Chefe * 7,0Encarregado geral * 6,0Encarregado especializado * 5,0Técnico especializado * 4,0Encarregado 3,5Almoxarife 2,5Operador de betoneira 2,5Operador de guincho 2,5Auxiliar * 2,0Apontador 1,9Vigia 1,2 Tabela 4.1 - Padrão salarial da Mão-De-Obra (*) Ver tabela de mão-de-obra equivalente 22
  24. 24. Gerente • Gerente de Contrato • Gerente de Comercial • Gerente de Produção • Gerente de Planejamento • Gerente Administrativo • Gerente Financeiro • Gerente de ManutençãoEngenheiro Chefe de Seção Técnica • Engenheiro Chefe de Seção Técnica • Engenheiro Supervisor • Engenheiro ProjetistaMédico • Clinico geral • DentistaEngenheiro • Engenheiro Fiscal de Obras • Engenheiro Executor de Obras • Engenheiro de SegurançaEngenheiro Auxiliar • Engenheiro Adjunto • Engenheiro AuxiliarChefe • Chefe de Laboratório • Chefe de Almoxarifado • Chefe de Escritório • Chefe de Equipe de Topografia • Chefe de Serviços Gerais • Chefe de OficinaEncarregado Geral • Mestre de Obras • Chefe de Campo • Mestre de Cabotagem • Supervisor Geral de LinhaEncarregado Especializado • Encarregado de Pavimentação • Encarregado de Britagem • Supervisor de Linha • Laboratorista • TopógrafoTécnico Especializado • Almoxarife • Técnico de Segurança • Desenhista • Enfermeiro • Cozinheiro • Nutricionista • Contabilista • Mecânico • Secretária 23
  25. 25. Auxiliar • Zelador • Auxiliar de Escritório • Auxiliar de Almoxarifado • Auxiliar de Laboratório (horista ou mensalista) • Auxiliar de Topografia (horista ou mensalista) • Auxiliar de Oficina • Auxiliar de Compras • Telefonista • Digitador • TaifeiroOficial • PedreiroOficial especializado • Eletricista • Ladrilheiro • Pastilheiro • Azulejista • Bombeiro • Soldador • Taqueiro • Armador • Carpinteiro • Pintor • Vidraceiro • Calceteiro • Montador • Gesseiro • Impermeabilizador • Marmorista • Encanador • Aplicador • Selecionador de material pétreo • Técnico de protensão Tabela 4.2 - Tabela de mão de obra equivalente Para a operação dos equipamentos aquaviários será adotado padrão salarial de 4,16, calculado a partir dos salários médios da tripulação das dragas que operam. O número de operadores varia para cada draga em função da sua capacidade e será explicitado no item 5.1.3.b – Mão-de-obra de Operação do capítulo 5 deste volume. 24
  26. 26. 4.1.2 - Encargos Sociais – HoristasOs encargos sociais incidem sobre os salários de acordo com a legislação vigente e a práticausual da administração de pessoal, conforme indicado abaixo. Tipo de Contrato Contratação Direta de Serviço Regime de trabalho Horista com horas normais de trabalho Percentual 126,30% Tabela 4.3 - Taxas De Encargos Sociais Sobre a Mão-De-ObraOs encargos são determinados e regulamentados por lei. Entretanto, os que se referem aosdireitos dos empregados têm incidência variável de acordo com a freqüência com que sãoexercidos. Foram adotados os valores médios ocorridos no setor da Construção Rodoviária.Nos itens seguintes são detalhados os quatros grupos que compõem os encargos sociais:a) Cálculo dos Encargos Sociais Referentes ao Grupo ANeste grupo estão incluídas as obrigações, que incidem diretamente sobre a folha depagamento e que são regulamentadas de acordo com a legislação a seguir: Item Contribuição Legislação Percentual Lei 8212 Art. 22 de 24/07/9, Regulamentada pelo A1 INSS 20,00 Art. 25, decreto 356 de 07/12/91 Lei 5.107 Art. 2 Disciplinado pela. lei 8036 A2 FGTS de11/05/90 e regulamentada decreto 99.684 de 8,00 08/11/90 Lei 5.107/66 art. 23º de 13/09/66, Art. 8 inciso II A3 SESI lei 8029/90 - redação dada pela Lei 8.154/90 de 1,50 28/12/90 e reg Art. 1 e Decreto 99.570/90 Art. 1º DL 6246/44, Lei 8.029/90, Lei 8.154 de A4 SENAI 1,00 28/12/90 Art. 3, Decreto 60.446/67, 1º item I do Decreto A5 INCRA lei nº 1.146/70,15, item II Lei Complementar nº 0,20 11/71 1º DL 1867 /81 e lei 7.787/89 Salário Art 3 do Decreto 60.446/67, item 1 do Decreto A6 2,50 Educação 87.043 de 22/03/82 e lei 7787/89 Seguro contra Art. 26 reg. Art. 22 item II, letra A da Lei 8.212 A7 acidente de de 24/07/91, regulamentada pelo Decreto 356 de 3,00 trabalho INSS 07/12/91 art 26, item III. Art 8 °, parágrafo 3° Lei 8.029/90 modificada pela A8 SEBRAE 0,60 Lei 8.154/90, regulamentada pela Lei 99.570/90 O total de encargos do Grupo A é de 36,80% Tabela 4.4 - Encargos sociais referentes ao grupo A 25
  27. 27. b) Cálculo dos Encargos Sociais Referentes ao Grupo BNeste grupo são considerados os dias em que não há prestação de serviço, mas que ofuncionário tem direito de receber sua remuneração. Sobre estes dias incidem também osencargos do grupo A. Antes de apresentar o demonstrativo do cálculo dos encargos do grupo B,calculam-se as horas efetivamente trabalhadas por ano de acordo com os seguintesparâmetros: Dias trabalhados por ano = 365 Dias da semana = 7 Dias trabalhados por = dias da semana - 1 dia de repouso = 6 semana Meses por ano = 12 Horas trabalhadas por = 44 semana Semanas por mês = 365/ 12/ 7 = 4,3452 Semanas por ano = 365/ 7 = 52,1429 Horas trabalhadas por = 44/ 6 = 7,3333 dia Horas remuneradas por = 7 x 7,3333 = 51,3331 semana Horas remuneradas por = 51,3331 x 4,3452 = 223,0526 mês Horas trabalháveis por = 365 x 7,3333 = 2.676,6545 ano 26
  28. 28. Das horas trabalháveis por ano, devem ser descontados os dias não trabalhados, previstos pelalegislação, (conforme abaixo indicado) para se obter os dias efetivamente trabalhados: DIAS NÃO TRABALHADOS LEGISLAÇÃO Descanso remunerado (domingos) Art 67 CLT e Lei 605 de 5 de janeiro de 1949 Art 70 da CLT Art 1° da Lei 605/ de 5/11/49 e Decreto Lei 86 de 27/12/66 São feriados federais: - Os dias de eleição de acordo com legislação específica - De acordo com as Leis: 662 de 06/04/49, 1266 de 08/12/50 e 6802 de 30/06/80 os seguintes dias: Feriados e dias Santificados (média de 1° de janeiro Dia da Confraternização Universal 13dias/ ano) 21 de abril Dia de Tiradentes 1° de maio Dia do Trabalho 7 de setembro Independência do Brasil 12 de outubro Dia da Padroeira do Brasil 15 de outubro Dia da Proclamação da República 25 de dezembro Natal 3ª feira de Carnaval data móvel Os feriados municipais são determinados por 6ª feira Santa data móvel leis próprias, sendo que, na maioria dos Corpus Christi data móvel – 5ª feira municípios nelas estão incluídos: Finados 2 de novembro Férias - (30 dias) Art 129 a 148 da CLT, inciso XVII da CF Auxílio enfermidade Lei 3.607/60 e 8213 de 24/07/91 (15 primeiros dias) Auxílio de acidente de trabalho (15 primeiros Lei 3607/60 e 8213 de 24/07/91 dias) Licença Paternidade Disposição Provisória da Constituição Federal de 88 (5 dias consecutivos) (Art 10, parágrafo 1°) Art 473 e 822 da CLT 2 dias consecutivos por morte de ascendente, descendente ou cônjuge 3 dias consecutivos em caso de casamento 2 dia a cada 12 meses para doação voluntária de sangue 2 dias para alistamento eleitoral período em que estiver cumprindo às exigências do serviço militar Faltas justificadas Lei 1060 de 05/03/1950 - 1 dia por ano para internação de dependente - dias em que estiver a serviço da justiça como testemunha Por determinação de lei específica: - dias de greves devidamente reconhecidas por determinação judicial - dias reconhecidamente de calamidade pública (chuva, inundações, etc) Tabela 4.5 – Dias não trabalhados 27
  29. 29. Cálculo das horas correspondentes aos dias não trabalhados:Repouso semanal remunerado: 1 dia por semana de descanso (domingo), salvo no período de férias 30 dias de férias por ano (365 -30) x 7,3333 = 350,9508 h /a 7Feriados: 13 dias para o total dos feriados por ano; 2 dias com probabilidade de cair num domingo ou nas férias. 11 x 7,3333 = 80,6663 h /aFérias30 dias de férias a cada ano. 30 x 7,3333 = 219,9990 h/aAuxílio Enfermidadeafastamento médio de 5 dias, por ano e por empregado. 5 x 7,3333 = 36,6665 h/aAuxílio Acidente15 primeiros dias de licença sob a responsabilidade do empregador. Apenas 3% dos empregados utilizam este benefício. 15 x 0,03 x 7,3333 = 3,3000 h/aLicença Paternidadea duração da licença é de 5 dias corridos;a probabilidade de um dia destes não cair no domingo é de 85,8%, a composição etária dapopulação entre 18 a 59 anos é de 50%a taxa média de fecundidade, de acordo com o anuário do IBGE 1990-1995, é de 3% 0,03 5 x 0,858 x x 1,00 x 7,3333 = 1,8876 h/a 0,50Faltas Justificadasconsiderou-se a média de 1,5 dias de faltas justificadas por ano, por trabalhador. 1,5 x 7,3333 = 11,00 h/a 28
  30. 30. Pelo demonstrativo acima se conclui que: o Total das horas não trabalhadas por ano: 704,4702 h/a o Total de horas efetivamente trabalhadas no ano: (2.676,6545 - 704,4702) = 1.972,1843 h/aCom o valor das horas efetivamente trabalhadas por ano chega-se aos percentuais deincidência dos encargos do Grupo B: • B1 - Repouso semanal remunerado 350,9508 x 100% = 17,80% 1.972,1843 • B2 - Feriados 80,6663 x 100 % = 4,09 % 1.972,1843 • B3 - FériasAlém das horas não trabalhadas, há que considerar que o empregado tem direito de recebermais 1/3 do valor das férias 219,9990 x 1,3333 x 100 % = 14,87 1.972,1843 % • B4 - Auxílio Enfermidade 36,6665 x 100% = 1,86 1.972,1843 % • B5 - Auxílio Acidente 3,3000 x 100% = 0,17 1.972,1843 % • B6 - 13 ° Salário, de acordo com Lei 4090 de 13/07/62 30 x x 100 % = 11,16 7,3333 % 1.972,1843 • B7 - Licença Paternidade 1,8876 x 100% = 0,10 1.972,1843 % 29
  31. 31. • B8 - Faltas Justificadas 11,00 x 100 % = 0,56 1.972,1843 % O total de encargos do Grupo B é de 50,61%c) Cálculo dos Encargos Sociais Referentes ao Grupo CNeste grupo estão os encargos pagos diretamente aos empregados e, assim sendo, nãoincidem sobre eles os encargos do Grupo AEles são previstos de acordo com a seguinte legislação: LEGISLAÇÃO Art 6°da Lei 5.107/66 alterada pelo art Multas por Rescisão sem Justa 10°, Inciso I das Disposições C1 Causa Transitórias da Constituição Federal de 88 Art 487 CLT art7 , inciso XXI da C2 Aviso Prévio Indenizado Constituição Federal Art 9° da Lei 7.238/84, Instrução Normativa 2 SNT de 12/03/92- multa C3 Indenização Adicional por demissão sem justa causa nos 30 dias antes da data base da Convenção Coletiva de Trabalho Tabela 4.6 - Encargos do Grupo CO cálculo dos itens deste grupo é feito da seguinte forma:C1 - Multa por Rescisão do Contrato de Trabalho sem Justa CausaTrata-se de indenização compensatória de 40%, sobre o saldo do fundo de garantia, devido àdemissão sem justa causa.Sabendo-se que: • A freqüência de empregados demitidos sem justa causa = 95% • O período médio de permanência dos empregados = 9 meses • As horas remuneradas por mês = 223,0526 • O percentual de contribuição para FGTS sobre o salário = 8% 0,40 x 0,08 x 0,95 x 9 x 223,0526 12 100 % = 4,13 x x 1.972,1843 9 % 30
  32. 32. C2 - Aviso Prévio IndenizadoIndenização equivalente ao salário de 30 dias do empregado dispensado sem justa causa. 30 x 7, 3333 x 100 % = 14,13 0,95 x 12 x % 1.972,1843 9C3 - Indenização AdicionalTrata-se de uma indenização equivalente ao salário de 30 dias para o empregado demitido semjusta causa, no período de 30 dias anteriores à data base da correção salarial.A ocorrência média de demissões nesta situação é de 15 % 30 x 7,3333 x 100 % = 1,67 0,15 x % 1.972,1843 O total de encargos do Grupo C é de 19,93%d) Cálculo dos Encargos Sociais Referentes ao Grupo DNeste grupo estão os encargos referentes à incidência sobre outros encargos, ou seja: • D1 - Incidência do Grupo A sobre B 0,3680 x 0,5061 x 100 % = 18,62 % • D2 - Incidência de multa do FGTS sobre o 13° salário Corresponde à incidência do FGTS sobre o 13° salário, conforme determina o art 10, inciso I das disposições Transitórias da Constituição Federal de 88, para o caso da dispensa sem justa causa, ou seja:0,1116 x 0,08 x 0,40 x 0,95 x100 % = 0,34 % O total de encargos do Grupo D é 18,96% 31
  33. 33. Com os valores acima se obtêm o total de encargos sociais de 126,30 %, calculados sobre ovalor do salário/hora efetivamente trabalhado. RESUMO DOS ENCARGOS SOCIAIS TRABALHISTAS Regime de Contratação: Contrato Direto dos Serviços Salário: Horário Regime de Trabalho: Normal GRUPO A INSS 20,00 FGTS 8,00 SESI 1,50 SENAI 1,00 INCRA 0,20 Salário Educação 2,50 Seguro Acidente de Trabalho 3,00 SEBRAE 0,60 TOTAL DO GRUPO A 36,80 GRUPO B Repouso Remunerado 17,80 Feriados e Dias Santificados 4,09 Férias e 1/3 de Férias 14,87 Auxilio doença 1,86 Acidente de Trabalho 0,17 13º Salário 11,16 Licença Paternidade 0,10 Faltas Justificadas 0,56 TOTAL GRUPO B 50,61 GRUPO C Multa por Rescisão Contrato 4,13 Trabalho sem Justo Causa Aviso Prévio Indenizado 14,13 Indenização Adicional 1,67 TOTAL GRUPO C 19,93 GRUPO D Incidência do Grupo A sobre B 18,62 Incidência da Multa FGTS sobre 0,34 13º Salário TOTAL GRUPO D 18,96 TOTAL DOS ENCARGOS 126,30 Tabela 4.7 - Resumo dos Encargos Sociais 32
  34. 34. e) Observações AdicionaisForam ainda analisados, no cálculo do custo da mão-de-obra, os seguintes aspectos: O Art 189 a 197 da CLT trata do adicional ao salário devido ao trabalho insalubre. A aplicação deste acréscimo, o percentual a ser adotado e as Insalubridade proteções a serem fornecidas dependem das condições de trabalho, de acordo com perícia técnica. Assim sendo, não será considerada esta parcela. De acordo com Art 193 da CLT deve ser acrescido percentual de 40 % às categorias que trabalhem com risco de vida tais como: manuseio de explosivos Periculosidade ou locais sujeitos a desmoronamento. Foi incluído este percentual nas categorias de Blaster e trabalhadores em Tubulão. Prevista na Disposições Provisórias da Constituição Federal de 88 (Art 10, Licença parágrafo 1°), este item não foi considerado tendo em vista que praticamente Maternidade a totalidade da mão-de-obra dos trabalhadores horistas da construção rodoviária é de homens. Pelo Artigo 488 da CLT é facultado o aviso prévio trabalhado sendo, neste caso, Aviso Prévio reduzida a jornada de trabalho em 2 horas. Este procedimento não foi Trabalhado considerado, tendo em vista que esta prática não é usual na construção civil pesada. Regulamentado de acordo com os Decretos Lei 2445 de 29 de junho de 1988 e PIS / PASEP 2449 de 21 de julho de 1988 deve ser considerada como parte do BDI. Também deverá ser incluído no BDI já que este fundo incide sobre a receita COFINS bruta da empresa. Contribuição A contribuição sindical é facultativa, assim sendo não foi considerada Sindical Tabela 4. 8 - Encargos Sociais - Mensalistas (40 horas semanais)A - ENCARGOS SOCIAIS BÁSICOS (%) A1 Previdência Social 20,00 A2 FGTS 8,50 A3 Salário Educação 2,50 A4 SESI 1,50 A5 SENAI 1,00 A6 SEBRAE 0,60 A7 INCRA 0,20 Seguro contra risco e acidente A8 3,00 de trabalho (INSS) A9 SECONCI 1,00 Total do Grupo A 38,30% 33
  35. 35. B - ENCARGOS QUE RECEBEM INCIDÊNCIA DE A (%) B1 13º Salário 12,65 B2 Férias 16,87 B3 Faltas Abonadas Legalmente 0,84 B4 Aviso Prévio 1,04 B5 Auxílio Enfermidade 0,27 B6 Licença Paternidade 0,28 Total do Grupo B 31,95%C - ENCARGOS QUE NÃO RECEBEM INCIDÊNCIA GLOBAL DE A (%) Depósito por despedida sem C1 5,61 justa causa Indenização Adicional (Lei C2 1,05 7.238 / 84) Total do Grupo C 6,66%D - REINCIDÊNCIAS D1 Reincidência de A sobre B 12,24 Total do Grupo D 12,24%TOTAL DOS ENCARGOS 89,15% 34
  36. 36. 35
  37. 37. 36
  38. 38. 5 - Custo horário de equipamentosUma das parcelas componentes do custo dos serviços rodoviários é o custo horário de utilização dosequipamentos empregados em sua execução. Deste modo, será preciso estabelecer critérios quedefinam a forma como serão levados em conta os diferentes componentes desse custo.As despesas que são consideradas para o cálculo do custo horário de um equipamento são asseguintes: Custos de propriedade Depreciação Custo de oportunidade do capital Seguros e impostos Custos de manutenção Reparos em geral Material rodante / pneus Partes de desgaste (bordas cortantes, dentes de caçamba, ferramenta de penetração no solo, entre outras) Custos de operação Combustível Filtros e lubrificantes Mão-de-obra de operaçãoO custo horário de um equipamento é a soma dos custos de propriedade, manutenção e operaçãoreferidos à unidade de tempo (hora). Ele é utilizado para o cálculo dos custos unitários dos serviçosque o equipamento produz. 5.1 - Critérios de cálculo do custo horário 5.1.1 - Custos de Propriedade a. Depreciação Em termos genéricos, a depreciação é considerada como a parcela do custo operacional correspondente ao desgaste e à obsolescência do equipamento que ocorrem ao longo de sua vida útil. Assim sendo, seu valor total corresponde à diferença entre o preço do equipamento novo e o valor residual que ele ainda possui ao final de sua vida útil. A inclusão da depreciação como parcela de custo tem, portanto, a função de gerar um fundo, de tal forma que, ao final da vida útil do equipamento, o valor do fundo adicionado ao valor residual do equipamento seja suficiente para a aquisição de um equipamento novo, igual àquele que estaria sendo retirado da linha de produção. Esta conceituação é importante no sentido de desvincular a depreciação pelo uso (ou seja, relacionada ao número de horas em que o equipamento presta serviços efetivos) de outros dois conceitos que não se aplicam no caso do cálculo de seu custo horário: a idade cronológica do equipamento e a depreciação para fins contábeis, regulamentada por legislação específica. 37
  39. 39. O cálculo da depreciação para efeito de custeio depende, portanto, de alguns parâmetros, taiscomo: período de vida útil, valor de aquisição de equipamento novo e valor residual e, ainda, dadefinição da forma como imputar este ônus ao custo operacional horário.a.1 Valor de AquisiçãoOs valores de aquisição dos equipamentos, a serem utilizados nos cálculos do seu custo horário,serão sempre aqueles objeto de coleta pelo SINCTRAN em cada Estado, correspondentes àscotações de fabricantes ou grandes revendedores, para venda à vista de equipamentos novos,compreendendo a carga tributária que sobre eles incide (ICMS e IPI).a.2 Valor ResidualAo se pretender atribuir ao valor residual dos equipamentos um percentual de seu valor deaquisição, verifica-se que o mercado de máquinas usadas distingue tipos de equipamentos emarcas. Existem algumas de maior aceitação e procura, outras menos procuradas e, mesmo, asde interesse imediato nulo. Há, também, variação de valor, conforme a região em que se desejanegociar. Certos equipamentos, principalmente de pequeno porte, ao final de sua vida útil, têmapenas valor de sucata. A existência de mercado consumidor ativo melhora o valor residual doequipamento. Aqueles que tiverem procura nesse mercado, terão cotação mais elevada. Essesfatores são dinâmicos e variam ao longo do tempo.Os percentuais utilizados pelo SINCTRAN para estimar os valores residuais dos equipamentos,isto é, aqueles que o mercado estaria disposto a pagar por eles, no estado em que se encontram,após o transcurso de sua vida útil, foram apoiados em atualizações das pesquisas realizadas peloSICRO2 junto ao mercado de máquinas usadas nas praças do Rio de Janeiro e São Paulo, tendo-se chegado aos seguintes valores: Valor Residual Tipo de Equipamento (%) Aquecedor de fluido térmico 10,0 Balsa 10,0 Bate-estaca com martelo hidráulico 20,0 Bate-estaca de gravidade 15,0 Batelão autopropelido 10,0 Betoneira 10,0 Bomba centrífuga 5,0 Bomba de alta pressão p/ injeção nata de cimento 5,0 Bomba de injeção de argamassa 5,0 Bomba p/ lançamento de concreto 5,0 Bomba para concreto projetado 10,0 Bomba submersível 5,0 Caldeira de asfalto rebocável 10,0 Caminhão basculante 20,0 Caminhão betoneira 20,0 Caminhão carroceria 20,0 Caminhão tanque 20,0 Caminhão p/ pintura a frio - demarcação de faixas autoprop. 20,0 Caminhão aplicador de material termoplástico 20,0 Campânula de ar comprimido 10,0 38
  40. 40. Carregadeira de pneus 20,0Carreta de perfuração sobre pneus tipo jumbo 10,0Cavalo mecânico com reboque 20,0Central de ar comprimido 10,0Central de concreto (dosadora) 10,0Central de concreto (dosadora/misturadora) 10,0Cesta de inspeção de pontes montada em caminhão 20,0Chata - com rebocador 15,0Compactador manual - soquete vibratório 5,0Compactador manual - placa vibratória 5,0Compressor de ar 15,0Conjunto bomba e macaco hidráulico p/ protensão 5,0Conjunto de bomba e macaco prensa c/ mandíbula 5,0Conjunto de britagem 10,0Conjunto moto-bomba 5,0Desarenador 10,0Distribuidor de agregados 10,0Distribuidora / fresadora c/ controle de greide 10,0Draga de sucção e recalque 10,0Draga de sucção p/ extração de areia 10,0Draga Hopper auto-transportadora de sucção e arrasto 10,0Embarcação de apoio 10,0Embarcação de sondagem 20,0Embarcação empurradora multi-propósito 10,0Embarcação p/ transporte de pessoal 10,0Equipamento auxiliar p/ descarga de barra longa 0,0Equipamento de sondagem a percussão 10,0Equipamento distribuidor de asfalto montado em caminhão 20,0Equipamento distribuidor de lama asfáltica montado em caminhão 20,0Equipamento distribuidor de LARC (microflex) montado em caminhão 20,0Equipamento p/ alívio de tensão dos trilhos 10,0Equipamento p/ hidrossemeadura montado em caminhão 20,0Equipamento p/ solda/corte c/ oxi-acetileno 5,0Equipamento p/ varredura e aspiração, montado em caminhão 20,0Escavadeira hidráulica sobre esteiras 20,0Estação total 0,0Fábrica pré-moldados concreto 10,0Fresadora a frio 10,0Fresadora de pavimentos 10,0Furadeira de impacto 5,0GPS geodésico dupla freqüência 0,0Grade de discos rebocável 5,0Grupo vibrador/gerador 10,0Guindaste giratório de torre 10,0Guindaste s/ esteiras c/ Clamshell 10,0Jateador portátil 5,0Lixadeira manual de cinta 5,0Locomotiva diesel-elétrica 10,0 39
  41. 41. Macaco de protensão 5,0Máquina de bancada - guilhotina 15,0Máquina de bancada - prensa excêntrica 15,0Máquina de bancada - universal p/ corte de chapa 15,0Máquina de esmerilhar topo e lateral de boleto 10,0Máquina p/ furar dormente 10,0Máquina p/ furar trilho 10,0Máquina p/ lixar tacos 5,0Máquina p/ pintura - compressor de ar e filtro 15,0Máquina p/ serrar trilho 10,0Máquina p/solda elétrica 5,0Maquina policorte 5,0Martelete - perfurador/rompedor a ar comprimido p/ galeria 5,0Micro trator c/ roçadeira 20,0Mini carregadeira de pneus c/ vassoura 20,0Misturador de argamassa de alta turbulência 5,0Misturador de lama bentonítica 10,0Misturador de nata cimento - acoplado a bomba de alta pressão 5,0Moto-scraper 15,0Motoniveladora 20,0Nível ótico 0,0Ônibus c/ capacidade p/ 52 lugares 20,0Perfuratriz hidráulica off shore 10,0Plataforma p/ inspeção de pontes montada em caminhão 20,0Politriz p/ pisos 5,0Pontão flutuante 5,0Pórtico duplo de descarga e posicionamento de dormente 10,0Posicionadora de trilhos 10,0Pré-alinhadora de grade 10,0Rebarbadora de solda de trilho 10,0Rebocador 10,0Recicladora a frio 20,0Régua vibratória 5,0Reguladora e distribuidora de lastro 10,0Retroescavadeira de pneus 5,0Roçadeira mecânica costal 10,0Rolo compactador estático 15,0Rolo compactador vibratório 10,0Rosqueadeira para rosca cônica 5,0Seladora de juntas c/ motor à gasolina 10,0Serra de juntas para concreto 10,0Serra piso tipo Makita 10,0Socadora automática de chave 10,0Socadora automática de linha 10,0Soldadora de trilho 10,0Sonda rotativa (c/ motor, guincho, bomba dágua e hastes) 10,0Talha manual 5,0Tanque de estocagem de asfalto 10,0 40
  42. 42. Teodolito 0,0 Texturizadora e lançadora com estação meteorológica 10,0 Tirefonadora ou tirefonadora / parafusadora 10,0 Trator agrícola (de pneus) 20,0 Trator de esteiras acima de 200kW 15,0 Trator de esteiras até 200kW 20,0 Tripé-sonda - com motor 10,0 Usina de asfalto a quente 10,0 Usina de pré misturado a frio 10,0 Usina misturadora de solos 10,0 Vassoura mecânica rebocável 10,0 Veículo leve - Pick Up 4x4 25,0 Veículo leve até 40 kW 25,0 Ventilador axial (p/ ventilação forçada) 5,0 Vibro acabadora de asfalto - sobre pneus 10,0 Vibroacabadora de asfalto - sobre esteiras 10,0 Vibroacabadora de concreto - com formas deslizantes 10,0Tabela 5.1 - Percentuais de valores de aquisição adotados pelo Sinctran para representar o valor residual dos equipamentosa.3 Vida ÚtilA grande maioria dos equipamentos trabalha em condições razoavelmente uniformes, não sendonecessário, para cálculo do custo horário, estabelecer diferenciação das condições em que sãoutilizados. Neste caso enquadram-se, por exemplo, equipamentos de compactação, britagem,usinas de solos e asfalto, etc.Outros equipamentos, no entanto, podem sofrer expressiva variação de desgaste em função dascondições de trabalho que lhes são impostas. Nestes casos, com o objetivo de melhor espelhar,no custo horário, esse maior desgaste, os fabricantes sugerem vincular sua vida útil às condiçõesem que operam. Os equipamentos que normalmente requerem esse tipo de distinção são: tratores de esteiras; moto-scrapers; pás carregadeiras de rodas; pás carregadeiras de esteiras; escavadeiras hidráulicas; retro-escavadeiras; motoniveladoras; caminhões (em geral);Esta vinculação pode ser feita, de forma simplificada, estabelecendo-se para estes equipamentos3 níveis de condições de operação: leve, média e pesada. São dois os fatores que influem sobre amaior ou menor vida útil desses equipamentos: tipo de solo com que o equipamento estáoperando e condições da superfície de rolamento sobre a qual ele trabalha.Tipo de solo: os tipos de solo nas obras podem variar, em termos de facilidade de operação,desde argila levemente arenosa e de fácil rompimento até rocha fragmentada ou explodida. Sãoos solos usualmente definidos como de 1ª, 2ª e 3ª categorias. Acrescenta-se, ainda, a categoriados materiais úmidos, turfosos, etc. cujas dificuldades de manuseio são notórias. Ascaracterísticas de cada um desses tipos de solos vão solicitar mais ou menos os equipamentos,em termos de motor, transmissão, chassi, desgaste do material rodante, bordas cortantes, dentesde caçamba, etc. 41
  43. 43. Superfície de operação: As superfícies em que os equipamentos operam também variam defirmes e lisas até irregulares, com matacões ou rocha explodida. Suas características influenciamo maior ou menor desgaste da estrutura e das peças componentes do equipamento, em funçãodos impactos e resistência ao rolamento. A combinação destes fatores, ou sua açãoindependente, determinarão o maior ou menor desgaste dos equipamentos, e,conseqüentemente, influirão sobre a vida útil dos mesmos. A variação do desgaste, e da vidaútil, diferencia-se não apenas pelas condições de sua utilização, como também pelo tipo damáquina. O desgaste sofrido por um trator de esteiras operando em superfície pesada, é maisacentuado para sua estrutura que para a do moto-scraper, em que os pneus absorvem parte doimpacto, não os transmitindo à estrutura. Por outro lado, a superfície de operação, no caso,estará provocando acentuado desgaste nos pneus do moto-scraper.Com base nessas considerações, classificaram-se as condições de trabalho em leves, médias epesadas para os serviços de escavação, carga e transporte, que são justamente aquelesusualmente realizados pelos equipamentos em questão, conforme pode ser observado na tabela aseguir. No sistema informatizado SINCTRAN e nas composições apresentadas neste Manual oscustos horários desses equipamentos foram calculados considerando-os operando em condiçõesmédias. Condições Leves Condições médias Condições pesadas Para escavação e carga • camada de solo superficial • argila arenosa • pedras freqüentes ou afloramento de rochas • materiais de baixa • argila com alguma • cascalho grosso (sem densidade umidade finos) • argila com baixo teor de • mistura de solos diferentes • escarificação pesada em umidade como areia e cascalho fino rocha. • material retirado de pilhas • produção de aterros (trator • trabalho em pedreiras de esteiras) • operação de lâmina em • carregamento em rocha • carregamento contínuo em aterro solto bem fragmentada solos compactados como xisto argiloso, cascalho consolidado, etc. • reboque de scrapers (trator • valetamento em solo • valetamento em de esteira) médio a pesado até 3,00m profundidades superiores a de profundidade 3m. • espalhamento e • escavação em barranco de • carregamento em rocha nivelamento de materiais material facilmente escarificada (para scrapers) penetrável • valetamento em solo leve • material bem escarificado • restrições constantes no até 2m de profundidade comprimento ou largura, de (retro-escavadeira) operação. • desmatamentos • unidades carregando em terreno nivelado (“scrapers”) Tabela 5.2.1 - Condições de trabalho 42
  44. 44. Para transporte • superfícies com apoio total • distâncias irregulares • deslocamento contínuo em às sapatas e baixo teor de (longas e curtas) terreno rochoso areia. • superfícies firmes, sem • aclives e declives • piso úmido ou irregular material solto. constantes • superfícies conservadas por • resistência ao rolamento • freqüentes aclives motoniveladoras entre 4% a 7% • rodovias de curvas • pouca patinagem do • piso de areia frouxa e seca moderadas material rodante. sem aglutinante • resistência ao rolamento • resistência ao rolamento (Rr) menor que 4% (*) (Rr) maior que 7% • piso em pedras soltas e lamelares. Rr = kg de força necessário / peso do veículo Tabela 5.2.2 - Condições de trabalho • Período de Vida Útil do EquipamentoO conceito de vida útil de um equipamento é eminentemente econômico. Existe um momentoem que a economia de custo de manutenção e de ganhos de produtividade que se pode obterpela utilização de um equipamento novo é suficiente para cobrir a diferença para mais no custode depreciação. Este seria o ponto ideal de troca, pois embora nesse preciso instante, os custostotais das duas opções sejam os mesmos, o equipamento antigo entrará, daí por diante, emregime de custos crescentes e o novo em regime de custos decrescentes.A vida útil de um equipamento é influenciada por dois fatores preponderantes: os cuidados comsua manutenção e as condições de trabalho sob as quais opera. Quanto à manutenção, admitiu-se que a mesma obedeça às recomendações do fabricante, visto que os orçamentos devem serneutros em relação ao maior ou menor zelo que os possíveis executantes venham a ter com oseu equipamento. No que respeita às condições de trabalho, o assunto foi enfocado no parágrafoanterior.Como vemos, a determinação da vida útil do equipamento é complexa, pois envolve váriosfatores. Os fabricantes de equipamentos sugerem valores, a partir dos quais fazem estimativasde custos de depreciação e dos reparos. Considerando as condições médias de aplicação eoperação dos equipamentos, optou-se por considerar a vida útil sugerida pelos fabricantes,conforme Tabela apresentada a seguir. 43

×