1º Bloco IntroduçãO Nereide

1,599 views

Published on

Published in: News & Politics, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,599
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

1º Bloco IntroduçãO Nereide

  1. 1. PC DO B / CNFP ESCOLA NACIONAL CURSO NACIONAL PARA QUADROS 10 a 20 / 01 / 2008 Atibaia / SP
  2. 2. <ul><li>ESCOLA NACIONAL do PARTIDO </li></ul><ul><li>João Amazonas </li></ul>
  3. 3. CURSO NACIONAL PARA QUADROS CNQ <ul><li>INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS BÁSICOS </li></ul><ul><li>DO MARXISMO-LENINISMO </li></ul><ul><li>1º BLOCO </li></ul><ul><li>O significado Histórico do Marxismo-Leninismo </li></ul>
  4. 4. Tópicos de Conteúdo do Bloco Introdutório <ul><li>I. Marxismo – produção teórica e prática revolucionária. </li></ul><ul><li>II. Contexto de surgimento do marxismo / fontes teóricas e partes constitutivas. </li></ul><ul><li>III. Leninismo – o marxismo da etapa do imperialismo. </li></ul><ul><li>IV. Elementos da história do marxismo no Brasil. </li></ul>
  5. 5. P ARTE I <ul><li>Marxismo: </li></ul><ul><li>produção teórica e </li></ul><ul><li>prática revolucionária </li></ul>
  6. 6. Produção teórica – busca de explicação / interpretação da realidade (conexão entre os fenômenos naturais, sociais e psíquicos): <ul><li>Na perspectiva marxista, do materialismo histórico, não há contraposição entre teoria e prática: </li></ul><ul><li>a prática é entendida como atividade humana na produção da existência: o trabalho – ação consciente dos homens na transformação da natureza; </li></ul>
  7. 7. <ul><ul><li>a teoria é entendida como prática humana generalizada; </li></ul></ul><ul><ul><li>a teoria nasce sobre a base da prática e busca responder problemas colocados pela prática; </li></ul></ul><ul><ul><li>a prática é o critério da validade da teoria; </li></ul></ul>
  8. 8. A teoria e a prática têm caráter de classe <ul><ul><li>numa sociedade dividida em classes a explicação teórica para os fenômenos não pode ser imparcial; </li></ul></ul><ul><ul><li>na luta de classes manifesta-se a oposição dos interesses econômico-políticos, com fundamentação teórica a eles correspondentes (luta teórico ideológica – uma das formas da luta de classes); </li></ul></ul><ul><ul><li>há teorias que apenas interpretam o mundo, atendendo aos interesses de manutenção da ordem vigente; </li></ul></ul><ul><ul><li>outras procuram perceber suas contradições, transições, mudanças, e contribuem no sentido de superação dessas contradições, ou seja, na transformação da realidade; </li></ul></ul>
  9. 9. <ul><li>“ Os filósofos têm apenas interpretado o mundo de maneiras diferentes; a questão, porém, é transformá-lo” (Marx). </li></ul><ul><li>“ Sem teoria revolucionária não há prática revolucionária” (Lênin ) </li></ul>
  10. 10. <ul><ul><li>Por que marxismo? </li></ul></ul><ul><ul><li>Por que marxismo-leninismo? </li></ul></ul>
  11. 11. <ul><li>Nas palavras de ENGELS: </li></ul><ul><li>“ Seja-me permitido aqui um pequeno comentário pessoal. </li></ul><ul><li>Ultimamente, tem se aludido, com freqüência, à minha participação </li></ul><ul><li>nessa teoria; não posso, pois, deixar de falar algumas palavras para </li></ul><ul><li>esclarecer este assunto. Que tive certa participação independente na </li></ul><ul><li>fundamentação e sobretudo na elaboração da teoria, antes e durante </li></ul><ul><li>os quarenta anos de minha colaboração com Marx, é coisa que eu </li></ul><ul><li>mesmo não posso negar. A parte mais considerável das diretrizes </li></ul><ul><li>principais, particularmente no terreno econômico e histórico, e </li></ul><ul><li>especialmente sua formulação nítida e definitiva, cabem, porém, a </li></ul><ul><li>Marx. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>A contribuição que eu trouxe – com exceção, quando muito, de </li></ul><ul><li>alguns ramos especializados – Marx também teria podido trazê-la, </li></ul><ul><li>mesmo sem mim. Em compensação, eu jamais teria feito o que </li></ul><ul><li>Marx conseguiu fazer. Marx tinha mais envergadura e via mais </li></ul><ul><li>longe, mais ampla e mais rapidamente que todos nós outros. Marx </li></ul><ul><li>era um gênio: nós outros, no máximo, homens de talento. Sem ele, </li></ul><ul><li>a teoria estaria hoje muito longe de ser o que é. Por isso, ela tem, </li></ul><ul><li>legitimamente, seu nome”. </li></ul><ul><li>ENGELS, F. Ludwig Feuerbach e o fim da filosofia clássica alemã . In: Obras Escolhidas de Marx & Engels, vol. 3, p. 193 – nota 1. </li></ul>
  13. 13. Os fundadores do marxismo MARX ( 1818-1883) ENGELS (1820-1895) &
  14. 14. Lênin (1870-1924) Grandes contribuições ao desenvolvimento do marxismo
  15. 15. Karl MARX (1818-1883). <ul><li>Família abastada. Estudos universitários em direito, história e filosofia. Hegeliano de esquerda, socialista desde sua estada em Paris, 1843. Alvo da censura reacionária e sempre em emigração, por causa da radicalidade de seus escritos e da militância em organizações e movimentos revolucionários. </li></ul><ul><li>Em 1844 conhece pessoalmente Engels, com quem passa a escrever e atuar politicamente. Autor da obra que revolucionou a Economia Política – O Capital.  </li></ul>
  16. 16. Friedrich ENGELS (1820-1895). <ul><li>Filho de industrial. Hegeliano de esquerda, socialista desde sua estada em Manchester, 1844, quando atuou com militantes do movimento operário inglês. Militante, como Marx, da Liga dos Comunistas e da Associação Internacional dos Trabalhadores, a célebre I Internacional.  </li></ul>
  17. 17. Vladimir Ilitch Ulianov - LÊNIN (1870-1924). <ul><li>Pais pedagogos. Estudos universitários em Direito. Elaborou, entre outras, a teoria de partido do proletariado e valiosas orientações para o período de transição do capitalismo ao socialismo. </li></ul><ul><li>Teve papel decisivo no desmascaramento dos dirigentes da Internacional Socialista (II Internacional), quando estes passaram para o lado da burguesia. Fundador e dirigente da Internacional Comunista (III Internacional). Líder da grandiosa revolução socialista russa de Outubro de 1917. Dirigente do Estado e do Partido Comunista da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). </li></ul>
  18. 18. Marxismo – sistema teórico mais avançado do nosso tempo / referencial para a luta do proletariado <ul><li>Marx & Engels (século 19) – fizeram contraposição frontal ao liberalismo (fundamentação teórica da ordem capitalista) e tiveram participação ativa na luta revolucionária da classe operária: </li></ul><ul><li>O liberalismo tinha sido revolucionário, em relação às teses que justificavam a ordem feudal; no entanto, sempre defendeu a escravidão assalariada e a liberdade de ação para o capital; </li></ul><ul><li>O marxismo declarou guerra implacável a essa escravidão. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Lênin (fim do século 19 / início do século 20) – destacou-se: </li></ul><ul><li>pelo desenvolvimento da teoria marxista, </li></ul><ul><li>pela elaboração teórica sobre o partido revolucionário capaz de dirigir a derrubada do capitalismo e a construção do socialismo, </li></ul><ul><li>por ser o líder da primeira revolução socialista e dirigente do primeiro estado socialista. </li></ul>
  20. 20. A teoria marxista <ul><li>Não é sectária, nem fechada em si mesma: </li></ul><ul><ul><li>dá respostas a questões colocadas pelo pensamento mais avançado, nas diversas áreas; </li></ul></ul><ul><ul><li>fornece aos homens uma concepção integral do mundo, inconciliável com toda a superstição, com toda a reação, com toda a defesa da opressão burguesa. </li></ul></ul>
  21. 21. A teoria marxista <ul><li>Consiste na fundamentação sobre a necessidade de superação do capitalismo. </li></ul><ul><li>Torna-se instrumento para conhecimento e transformação do mundo, desde que: </li></ul><ul><ul><li>seja enfocada de modo criador – levando em conta: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>o desenvolvimento da produção teórica nos vários campos do conhecimento; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>as mudanças ocorridas na natureza e na sociedade; </li></ul></ul></ul>
  22. 22. <ul><ul><li>sejam consideradas as condições históricas concretas em que suas leis e princípios se manifestam – tanto na análise do passado como na do momento presente – o que permite: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>levantar hipóteses sobre as tendências do desenvolvimento futuro </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>e, portanto, agir no sentido de construção de uma nova sociedade. </li></ul></ul></ul>
  23. 23. <ul><li>O marxismo surgiu no curso real do desenvolvimento da civilização mundial: </li></ul><ul><ul><li>como continuação direta e imediata das doutrinas dos representantes mais eminentes da filosofia, da economia política e do socialismo; </li></ul></ul><ul><ul><li>a partir da luta de classe do proletariado. </li></ul></ul>
  24. 24. Marxismo-Leninismo <ul><li>Sistema teórico que esclarece as leis do desenvolvimento da natureza e da sociedade, as relações sociais, econômicas, políticas, sociais, ideológicas, culturais entre os homens / classes sociais e tem por perspectiva a marcha rumo à sociedade sem classes, o comunismo; </li></ul><ul><li>Concepção que abarca, além do pensamento de Marx, Engels e Lênin, as contribuições de cientistas, filósofos, dirigentes e ativistas políticos que se baseiam no materialismo dialético-histórico – na perspectiva de armar a ação revolucionária do proletariado por sua emancipação e, com ela, pela emancipação de toda a humanidade; </li></ul><ul><li>Movimento político baseado nessa concepção. </li></ul>
  25. 25. Marxismo-Leninismo sistema teórico <ul><li>conjunto articulado de teorias que: </li></ul><ul><ul><li>estudam o desenvolvimento da natureza, da sociedade e do conhecimento sobre o mundo; </li></ul></ul><ul><ul><li>e fundamentam a necessidade e a possibilidade de superação do capitalismo pelo socialismo, na perspectiva de atingir o comunismo, a sociedade sem classes; </li></ul></ul><ul><li>compreende método e concepção de mundo, nos âmbitos da filosofia, da ciência, da política. </li></ul>
  26. 26. P ARTE II <ul><li>Contexto do surgimento </li></ul><ul><li>do marxismo </li></ul><ul><li>Fontes teóricas e partes </li></ul><ul><li>constitutivas </li></ul>
  27. 27. <ul><li>Contexto histórico: </li></ul><ul><li>fim do século XVIII – Revolução Francesa; </li></ul><ul><li>meados do séc XIX - crise do capitalismo / crise do liberalismo. </li></ul>
  28. 28. <ul><li>Condições econômicas, sociais e políticas </li></ul><ul><li>Revolução Industrial e super exploração da força de trabalho : a expansão do capitalismo pela Europa e a constituição dos grandes centros urbanos e industriais. </li></ul><ul><li>Ascensão da burguesia  Estado burguês / democracia burguesa. </li></ul>
  29. 29. <ul><li>Aparecimento do proletariado enquanto classe: </li></ul><ul><ul><li>a organização do proletariado  contradições de classes cada vez maiores: intervenção própria, reivindicando papel histórico independente; </li></ul></ul><ul><ul><li>primeiras lutas – de forma desorganizada, espontânea – falta de clareza dos trabalhadores quanto aos objetivos finais da luta)  necessidade de uma teoria científica para apresentar ao proletariado fundamentos sobre: </li></ul></ul><ul><ul><li>as leis do desenvolvimento da sociedade; </li></ul></ul><ul><ul><li>o necessário fim do capitalismo; </li></ul></ul><ul><ul><li>a consciência do papel do proletariado na derrubada do capitalismo e na construção do socialismo. </li></ul></ul>
  30. 30. <ul><li>Condições científicas, filosóficas e teóricas . </li></ul><ul><li>Avanço das ciências naturais – grandes descobertas propiciaram a formação e a fundamentação da concepção materialista-dialética da natureza: </li></ul><ul><ul><li>Lei da conservação e transformação da energia (unidade material do mundo, indestrutibilidade da matéria). </li></ul></ul><ul><ul><li>Teoria da estrutura celular dos organismos vivos (células – sucessivas transformações). </li></ul></ul><ul><ul><li>Teoria da evolução das espécies, de Darwin (1809-1882) – os organismos complexos, superiores, se formam a partir de organismos simples, inferiores. </li></ul></ul>RETORNO
  31. 31. <ul><li>Desenvolvimento do pensamento filosófico e das concepções políticas – teorias e hipóteses científicas dos pensadores burgueses mais avançados, representantes da burguesia em ascensão: </li></ul><ul><ul><li>Os enciclopedistas franceses – crítica mordaz ao Estado e à sociedade feudais, propondo uma nova ordem – a da república democrática – fundada no reino da razão e da justiça burguesas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Rousseau – estudos sociológicos acerca da origem das desigualdades entre os homens. </li></ul></ul><ul><ul><li>Hegel – a dialética </li></ul></ul>RETORNO
  32. 32. <ul><li>Marx e Engels: </li></ul><ul><li>procuraram entender o mundo de seu tempo e atuar no sentido de transformá-lo; </li></ul><ul><li>dedicaram-se ao estudo teórico, aprofundando-se no que havia de mais avançado à sua época (no âmbito da filosofia, da economia política e das teorias da sociedade). </li></ul>RETORNO
  33. 33. As fontes do marxismo <ul><li>filosofia clássica alemã (e também a filosofia clássica grega); </li></ul><ul><li>economia política inglesa; </li></ul><ul><li>socialismo utópico e teorias sociais de revolucionários franceses. </li></ul>
  34. 34. As partes constitutivas do marxismo <ul><li>a filosofia marxista; </li></ul><ul><li>a economia política marxista; </li></ul><ul><li>o socialismo científico – que engloba toda a teoria. </li></ul>
  35. 35. <ul><li>A filosofia clássica alemã  a filosofia marxista </li></ul><ul><li>Fontes imediatas: Hegel e Feuerbach – estudados em profundidade por Marx e Engels </li></ul><ul><li>Hegel (1770-1831) – principal contribuição: a dialética </li></ul><ul><ul><li>visão de unidade, contradição, desenvolvimento, superação das contradições, transformação; </li></ul></ul><ul><ul><li>perspectiva de desenvolvimento da história, paralelamente ao desenvolvimento da consciência dos homens. </li></ul></ul><ul><ul><li>Porém, desenvolvimento visto no âmbito das idéias, do conceito: dialética idealista. </li></ul></ul>
  36. 36. <ul><li>Feuerbach (1804-1872) – principal contribuição: o materialismo </li></ul><ul><ul><li>visão de que o que se passa no âmbito da consciência é reflexo da realidade material no cérebro humano; </li></ul></ul><ul><ul><li>ajudou Marx e Engels a desvencilhar-se do idealismo de Hegel. </li></ul></ul><ul><ul><li>Porém: materialismo mecânico. </li></ul></ul>
  37. 37. <ul><li>A filosofia marxista </li></ul><ul><li>[que será trabalhada no 2º Bloco deste curso] </li></ul><ul><li>Marx e Engels elaboraram: </li></ul><ul><li>O materialismo dialético: </li></ul><ul><ul><li>concepção da matéria em constante movimento e transformação: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>considera que não somente as idéias, mas todas as coisas do mundo, estão em constante movimento, concatenadas (ligadas), têm influências recíprocas, se transformam; </li></ul></ul></ul>
  38. 38. <ul><ul><li>estuda a relação entre as coisas e suas imagens no pensamento (as idéias, os conceitos), compreendendo que o movimento de idéias acontece porque: </li></ul></ul><ul><ul><li>- a própria realidade material está em movimento </li></ul></ul><ul><ul><li>- e o cérebro humano, em atividade consciente, é capaz de captar este movimento </li></ul></ul>
  39. 39. <ul><li>O materialismo histórico </li></ul><ul><li>[que será trabalhado no 3º bloco deste curso] </li></ul><ul><li>estudo da sociedade com base no materialismo dialético em oposição às visões de arbitrariedade e caos, dominantes nas concepções idealistas e mecânicas de história e de política, demonstrando que: </li></ul><ul><ul><li>com o crescimento das forças produtivas, de uma forma de vida social desenvolve-se outra, mais elevada (por exemplo, o capitalismo nasce do feudalismo); </li></ul></ul>
  40. 40. <ul><ul><li>o conhecimento social do homem ( as diversas opiniões e doutrinas filosóficas, religiosas, políticas, etc. ) reflete o regime econômico da sociedade : </li></ul></ul><ul><ul><li>- sobre a base econômica ergue-se a superestrutura </li></ul></ul><ul><ul><li>- o que explica, por exemplo, como os Estados burgueses modernos, sob as mais diferentes formas, servem para reforçar a dominação da burguesia sobre o proletariado. </li></ul></ul>
  41. 41. A economia política inglesa  a economia política marxista <ul><li>Fontes imediatas: </li></ul><ul><li>Adam Smith (1723-1790) e David Ricardo (1772-1823): </li></ul><ul><ul><li>contribuições: estudo do regime econômico; fundamentos do valor-trabalho; </li></ul></ul><ul><ul><li>limitações: viam relações entre objetos (troca de uma mercadoria por outras) onde existiam relações entre pessoas – o que foi descoberto por Marx. </li></ul></ul>
  42. 42. A economia política marxista <ul><li>[que será trabalhada no 4º bloco deste curso] </li></ul><ul><li>valor da mercadoria – determinado pelo tempo socialmente necessário para sua produção; </li></ul><ul><ul><li>troca de mercadorias – relação entre diferentes produtores, por meio do mercado; </li></ul></ul><ul><ul><li>tal relação – estreita-se cada vez mais, tendo como indicador o dinheiro; desenvolve-se até à forma de capital  a força de trabalho torna-se mercadoria. </li></ul></ul>
  43. 43. <ul><li>a mais-valia – fonte dos lucros, fonte da riqueza da classe capitalista: </li></ul><ul><ul><li>teoria da mais-valia – pedra angular da teoria econômica de Marx </li></ul></ul>
  44. 44. Marx revela a dinâmica do modo de produção capitalista : <ul><ul><li>traça o desenvolvimento do capitalismo desde os primeiros germes da economia mercantil (a troca simples) até às suas formas superiores (grande produção); </li></ul></ul><ul><ul><li>desvenda como se dá a acumulação do capital – e a justeza dessa teoria pode ser compreendida pelos operários, na experiência dos países capitalistas; </li></ul></ul><ul><ul><li>mostra que o capitalismo não é eterno – tende a ser superado com o triunfo do trabalho sobre o capital – despertando para a necessidade da luta revolucionária pelo socialismo. </li></ul></ul>
  45. 45. O socialismo utópico  o socialismo científico <ul><li>Fontes imediatas : Saint-Simon (1760-1825), Fourier (1772-1837) e Owen (1771-1858): </li></ul><ul><li>doutrinas socialistas que nasceram no momento em que foi possível constatar que a “liberdade” da sociedade capitalista (que derrubou o regime feudal) representava um novo sistema de opressão e exploração dos trabalhadores; </li></ul>
  46. 46. Os utópicos <ul><li>Saint-Simon – intelectual de origem nobre. </li></ul><ul><li>Principais idéias: </li></ul><ul><li>- somente os que trabalham podem usufruir dos bens da sociedade: “todos os homens devem trabalhar” (Engels,p. 308); </li></ul><ul><li>- necessidade da luta dos “trabalhadores” (os operários assalariados, mas também os fabricantes, comerciantes e banqueiros) contra os “ociosos” ( a nobreza, o clero e todos os que viviam de renda, sem atuar na produção ou no comércio) (Engels, p. 308); </li></ul><ul><li>- a Revolução Francesa como luta de classes entre a nobreza, a burguesia e os despossuídos; segundo Engels, “uma descoberta verdadeiramente genial” (p. 308) para a época; </li></ul><ul><li>- a política como ciência da produção – em germe, a noção da situação econômica como base das instituições políticas e a idéia de “abolição do Estado” (Engels, p. 309). </li></ul>
  47. 47. Os utópicos <ul><li>Fourier – escritor, crítico da sociedade burguesa. </li></ul><ul><li>Principais idéias: </li></ul><ul><li>- crítica das condições sociais existentes – desmascarando a falácia do discurso burguês; </li></ul><ul><li>- crítica das relações entre os sexos e da posição da mulher na sociedade – “o grau de emancipação da mulher numa sociedade é o barômetro natural pelo qual se mede a emancipação geral” (p. 309); </li></ul><ul><li>- análise das contradições da civilização –  “a pobreza brota da própria abundância” (p. 310); </li></ul><ul><li>- visão dialética – “toda fase histórica tem sua vertente ascensional, mas também sua ladeira descendente” (p. 310). </li></ul>
  48. 48. Os utópicos <ul><li>Owen – sócio e gerente de uma indústria têxtil. </li></ul><ul><li>Principais idéias: </li></ul><ul><li>- defesa de condições humanas de vida e educação aos operários e seus filhos – com medidas colocadas em prática na sua empresa, uma espécie de colônia-modelo: jardins de infância, redução da jornada de trabalho, manutenção de emprego e salário, mesmo em ocasiões de crise;  </li></ul><ul><li>- constatação de que a filantropia não diminuía a distância entre ricos e pobres; daí a perspectiva comunista – idéia de reforma social que mexesse na propriedade privada;  </li></ul><ul><li>- participação em movimentos sociais e luta por progressos para a classe trabalhadora: limitação do trabalho da mulher e da criança nas fábricas; criação de cooperativas de produção e de consumo (“o comerciante e o fabricante não são indispensáveis”) (p. 311); </li></ul>
  49. 49. O Socialismo Utópico <ul><li>era utópico porque: </li></ul><ul><ul><li>criticava a sociedade capitalista, condenava-a, sonhava com sua destruição, fantasiava sobre um regime melhor, queria convencer os ricos da imoralidade da exploração; </li></ul></ul><ul><ul><li>mas não podia indicar uma saída real: </li></ul></ul><ul><li>. não sabia explicar a natureza da escravidão assalariada do capitalismo; </li></ul><ul><li>. nem descobrir as leis do seu desenvolvimento; </li></ul><ul><li>. nem identificar a força social capaz de criar a nova sociedade. </li></ul>
  50. 50. O Socialismo Científico <ul><li>[que será trabalhado no 5º bloco deste curso] </li></ul><ul><li>Marx, analisando a formação dos países capitalistas, descobriu a luta de classes como força motriz de todo o desenvolvimento social , pois constatou que: </li></ul><ul><ul><li>nenhuma vitória política sobre a classe feudal foi conquistada sem uma resistência desesperada; </li></ul></ul><ul><ul><li>nenhum país capitalista constituiu uma base mais ou menos livre, mais ou menos democrática, sem uma luta de morte entre as diversas classes da respectiva sociedade. </li></ul></ul>
  51. 51. Analisando a história da humanidade, concluiu que: <ul><ul><li>as classes não existiram sempre; </li></ul></ul><ul><ul><li>desde as classes que passaram a existir, a história das sociedades é a história da luta de classes; </li></ul></ul><ul><ul><li>a solução dessa luta é a sociedade sem classes (a sociedade comunista); </li></ul></ul><ul><ul><li>o socialismo é um longo período de transição entre a sociedade de classes e o comunismo, </li></ul></ul>
  52. 52. A tática da luta de classe do proletariado e seu partido revolucionário <ul><li>[que serão trabalhados no 6 º bloco deste curso] </li></ul><ul><li>Marx e Engels empreenderam o esforço de compreensão das condições da ação revolucionária prática: </li></ul><ul><ul><li>Paralelamente aos trabalhos teóricos, dedicaram atenção contínua às questões da tática da luta de classe do proletariado; </li></ul></ul>
  53. 53. <ul><li>Todas as suas obras contêm inúmeros exemplos de elaboração no sentido de apontar para o movimento necessário à superação da exploração capitalista: </li></ul><ul><ul><li>aspectos referentes à luta de classes em suas formas econômica, política e teórico-ideológica; </li></ul></ul><ul><ul><li>organizações do proletariado (sindicatos, movimentos etc.); </li></ul></ul><ul><ul><li>importância de a classe operária constituir-se em seu partido próprio, com caráter revolucionário. </li></ul></ul>
  54. 54. <ul><li>Lênin continuou a obra de Marx & Engels: </li></ul><ul><li>desenvolveu aspectos importantes sobre estratégia e tática revolucionárias; </li></ul><ul><li>foi o grande elaborador da concepção de partido novo tipo . </li></ul>
  55. 55. P ARTE III <ul><li>LENINISMO </li></ul><ul><li>O marxismo da etapa do Imperialismo </li></ul>
  56. 56. <ul><li>Papel de Lênin no desenvolvimento teórico do marxismo </li></ul>
  57. 57. <ul><li>No âmbito da filosofia </li></ul><ul><li>Defesa do materialismo dialético, prosseguindo o seu desenvolvimento: </li></ul><ul><li>Enfrentamento da crise do marxismo de seu tempo – luta contra correntes idealistas, dogmáticas, revisionistas, oportunistas, esquerdistas, positivistas, com análise profunda da crise sofrida pelas ciências naturais entre fins do século XIX e começo do séc XX; </li></ul><ul><li>importantes contribuições no debate sobre materialismo X idealismo – a unidade sujeito-objeto, o papel da consciência na ação revolucionária do proletariado; </li></ul><ul><li>luta contra a ideologia burguesa no seio do movimento operário. </li></ul>
  58. 58. No âmbito da Economia Política <ul><li>discussão de importantes questões sobre as características do capitalismo de fins do séc. XIX / início séc. XX, elaborando e desenvolvendo teses acerca do capitalismo monopolista e do imperialismo como etapa superior , ante-sala da revolução proletária; </li></ul><ul><li>elaborações importantes sobre aspectos econômicos na transição do capitalismo ao socialismo e sobre vias de criação da base técnica-material do socialismo. </li></ul>
  59. 59. No âmbito do Socialismo Científico <ul><li>desenvolvimento da teoria marxista da revolução socialista: </li></ul><ul><li>debate sobre a revolução num só país (elo mais fraco da corrente imperialista); </li></ul><ul><li>formação das relações sociais socialistas e a educação do homem novo; </li></ul><ul><li>papel da guerra no capitalismo, possibilidade de evitar guerras mundiais no imperialismo, associação da luta pela paz à luta pelo socialismo. </li></ul>
  60. 60. Na discussão de questões teóricas essenciais <ul><ul><li>Estado, revolução e ditadura do proletariado; </li></ul></ul><ul><ul><li>diversidade de formas de transição do capitalismo ao socialismo e deste ao comunismo; </li></ul></ul>
  61. 61. No âmbito da teoria de partido <ul><li>elaboração da concepção de partido operário revolucionário de novo tipo : </li></ul><ul><li>destacamento de vanguarda da classe operária; </li></ul><ul><li>Unidade - sem grupos / frações; </li></ul><ul><li>centralismo democrático. </li></ul>
  62. 62. <ul><li>Desenvolvimento das teses e conclusões do marxismo e sua aplicação à análise da situação histórica, na prática concreta da luta revolucionária e na edificação do socialismo na URSS. </li></ul>
  63. 63. Lênin - estrategista e dirigente político <ul><li>Enfoque criador na resolução dos problemas principais do movimento comunista internacional </li></ul><ul><li>papel decisivo no desmascaramento dos dirigentes da Internacional Socialista (II Internacional), quando estes passaram para o lado da burguesia; </li></ul><ul><li>fundador e dirigente da Internacional Comunista (III Internacional); </li></ul>
  64. 64. <ul><li>Ação decisiva na orientação da luta revolucionária do proletariado e na prática da edificação socialista: </li></ul><ul><li>líder da revolução socialista russa, de 1917; </li></ul><ul><li>criação e direção do PCUS </li></ul><ul><li>elaboração do plano de construção do socialismo na URSS – dirigente do Estado, líder do povo. </li></ul>
  65. 65. <ul><li>RETOMANDO... </li></ul><ul><li>E... </li></ul><ul><li>SINTETIZANDO... </li></ul>
  66. 66. FONTES DO MARXISMO FILOSOFIA CLÁSSICA ALEMÃ ECONOMIA POLÍTICA INGLESA SOCIALISMO UTÓPICO FRANCÊS AVANÇOS NA FILOSOFIA E NAS CIÊNCIAS NATURAIS AVANÇOS NA ANÁLISE HISTÓRICA E NAS TEORIAS DA SOCIEDADE VISÃO DA TRANSFORMAÇÃO DO MUNDO LUTAS CONTRA A EXPLORAÇÃO CAPITALISTA PERCEPÇÃO DA EXISTÊNCIA DE CLASSES E DA LUTA ENTRE ELAS
  67. 67. PARTES CONSTITUTIVAS DO MARXISMO-LENINISMO SOCIALISMO CIENTÍFICO FILOSOFIA MARXISTA ECONOMIA POLÍTICA MARXISTA ESTRATÉGIA E TÁTICA DO PROLETARIADO E DE SEU PARTIDO POLÍTICO TEORIA DO CAPITAL SUPERAÇÃO DO CAPITALISMO MATERIALISMO DIALÉTICO MATERIALISMO HISTÓRICO
  68. 68. PARA DISCUTIR NOS GRUPOS <ul><li>ENGELS, no livro Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico diz que é preciso “ situar o socialismo no terreno da realidade”. </li></ul><ul><li>AMAZONAS, apropriando-se das formulações do marxismo-leninismo, compreende que “a teoria se enriquece na luta por um mundo novo” e, na análise concreta da realidade concreta de seu tempo, conclui que “ defender e desenvolver a teoria marxista ( é) exigência da época atual” . </li></ul>
  69. 69. PARA DISCUTIR NOS GRUPOS <ul><li>CONSIDERANDO os assuntos tratados em aula, </li></ul><ul><li>DESTAQUE, dos textos de Amazonas, argumentos sobre a importância da teoria para a luta revolucionária do proletariado e sobre a relação entre teoria e prática, </li></ul><ul><li>DISCUTINDO-OS em relação com as formulações de Engels sobre a superação do socialismo utópico pelo socialismo científico. </li></ul>

×