9.cloud computing v3.1_wl_stv

661 views
531 views

Published on

Cloud Computing slideshow as of Nov-2011

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
661
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Instalação artística de Ronan and Erwan Bouroullec
  • Uma pista…
  • O tamanho dos ícones não representa a importância
  • Ex: Um banco alemão investiu fortemente em protecção contra falhas e criando inclusivamente 4 DataCenters. Resultado: 5% a 10% dos CPUs em uso, 10% a 15% de storage usado
  • http://csrc.nist.gov/publications/nistpubs/800-145/SP800-145.pdf
  • Public best price, Private limited cost reduction - who runs the servers - who access the services internal private temos os servidores, quem acede ao servico é interno external private alguem nos da os servidores comunity private alguem nos da os servidores e partilham serviços
  • Um hype cycle só para o Cloud Computing
  • Exemplo: sucesso do google 9/set
  • Informatica = informação automatica, não é a aplicaçao de patches…
  • 9.cloud computing v3.1_wl_stv

    1. 1. <ul><ul><li>Cloud Computing </li></ul></ul>
    2. 2. Wilson Lucas [email_address] <ul><ul><li>Cloud Computing </li></ul></ul>
    3. 3. Agenda <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>Motivação </li></ul><ul><li>Processos e Qualidade </li></ul><ul><li>Cloud computing e suas características </li></ul><ul><li>Perspectivas futuras </li></ul><ul><li>Questões </li></ul>
    4. 4. Introdução
    5. 5. Introdução <ul><li>Objectivos desta apresentação: </li></ul><ul><li>Clarificar o conceito “ Cloud Computing” . </li></ul><ul><li>Sensibilizar para os potenciais benefícios deste paradigma e alertar para alguns riscos associados. </li></ul>
    6. 6. <ul><li>“ Cloud ” é um chavão ( buzzword ) ! </li></ul><ul><li>Existem muitas definições. </li></ul><ul><li>Todos os fornecedores têm ofertas “ Cloud ” . </li></ul><ul><li> “ Cloud ” não é só um software que podemos comprar. </li></ul>Introdução
    7. 7. Quem ainda não ouviu falar em Cloud ?
    8. 10. Motivação
    9. 11. <ul><li>Nova arquitectura que se adapta às necessidades do negócio. </li></ul><ul><li>Próxima geração na computação depois dos modelos mainframe , client-server e multi-tier. </li></ul><ul><li>Motivação: </li></ul><ul><li>Redução de custos fixos imposta. </li></ul><ul><li>Recursos físicos subaproveitados. </li></ul><ul><li>Manutenção e Licenciamento onerosos. </li></ul>Motivação
    10. 12. <ul><li>Consolidação de Servidores e de Bases de Dados </li></ul><ul><li>Redução de custos em </li></ul><ul><li>Licenciamento. </li></ul><ul><li> Aumento da eficiência. </li></ul><ul><li> Redução de power e cooling. </li></ul>Fonte: Oracle Corp. Motivação
    11. 13. Exemplo: Dados isolados (silos) Capacidade subaproveitada Fraca agilidade (resposta lenta a necessidades do negocio) Budgets estreitos Custos licenciamento por CPU Custos manutenção Espaço m 2 Datacenter , AC, energia Ambientes de Dev/Test/QA Datacenter alternativo
    12. 14. E se eu pudesse decompor os recursos que tenho? CPU Memória Storage
    13. 15. E se eu os pudesse reorganizar de forma eficiente? E se eu pudesse decompor os recursos que tenho? CPU Memória Storage
    14. 16. E se eu pudesse distribuir as minhas aplicações de forma a utilizar todos os recursos que tenho? E se eu os pudesse reorganizar de forma eficiente? E se eu pudesse decompor os recursos que tenho? CPU Memória Storage
    15. 17. Então eu teria uma infra-estrutura verdadeiramente eficiente, elástica, com elevado desempenho e com alta disponibilidade. Oracle SAP CRM … … E se eu pudesse “espalhar” as minhas aplicações de forma a utilizar todos os recursos que tenho? E se eu os pudesse reorganizar de forma eficiente? E se eu pudesse decompor os recursos que tenho? CPU Memória Storage Gestor de Serviços Gestor de Acessos Gestor de recursos
    16. 18. Processos e Qualidade
    17. 19. Procura aproximar o departamento de TI do Negócio, adoptando a perspectiva de Consumo de Serviços. Modelo de Maturidade do IT Information Technology (IT)
    18. 20. O que é um Serviço ? É um meio de entrega de valor ao cliente, fornecendo um resultado que é pretendido pelo Cliente, sem que este tenha custos específicos e riscos associados a este resultado. - Preenche uma ou várias necessidades de negocio. - Suporta o objectivo do negocio do Cliente. - É percebido pelo Cliente de forma coerente. Processos e Qualidade Sistema vs Serviço Um sistema de IT é um conjunto de componentes que funcionam entre si de forma a facilitar a entrega de um serviço.
    19. 21. “ The Information Technology Infrastructure Library, is a set of good-practices for IT service management (ITSM) that focuses on aligning IT services with the needs of the business. ISO/IEC 20000 is the first international standard for IT service management . ISO/IEC 27000 is part of a growing family of ISO/IEC Information Security Management Systems (ISMS) standards. ISO 9000 family of standards relates to quality management systems and is designed to help organizations ensure they meet the needs of customers and other stakeholders.” Fonte: Wikipedia Processos e Qualidade
    20. 22. • ITIL focado em serviços end-to-end . • ITIL ajuda a ligar os fornecedores, o IT e os Clientes. O que a comunidade It está a perceber é que para implementar uma estratégia de Cloud Services na sua organização, os processos e os elementos de gestão de serviços de IT terão de estar definidos. Custos: capacidade de chargeback O compromisso da Organização com a certificação em Sistemas de Qualidade pode ajudar à implementação de Processos. Exemplos de Processos:
    21. 23. Dinâmica da industria actualmente <ul><li>O Negócio é baseado na informação e processos </li></ul><ul><li>Importância menor do hardware físico vs. Importância maior do virtual </li></ul><ul><li>CIO está presente como Board Member . </li></ul><ul><li>CIO agora é Business Leader , antes era Technology Leader </li></ul>Centrada em Sistemas Centrada na informação
    22. 24. <ul><li>IT Risk </li></ul>Dinâmica da industria actualmente Eficiência Operacional Alta disponibilidade da infra-estrutura e das Aplicações Performance Agilidade Consolidação Segurança Protecção de Dados (armazenamento)
    23. 25. Cloud computing e suas características
    24. 26. Cloud computing Define o Cloud Computing como uma forma de computação em que as capacidades das TI são elásticas e escaláveis, e são entregues como serviços a clientes externos usando tecnologias Internet. Private Cloud = internos A ideia é dispôr de serviços computacionais acedíveis através da internet que crescem ou contraem de acordo com as necessidades. As organizações deverão perceber primeiro que serviços cloud lhes trarão valor.
    25. 27. Cloud computing O National Institute of Standards and Technology (NIST) define Cloud Computing como: “ a model for enabling ubiquitous, convenient, on-demand network access to a shared pool of configurable computing resources (e.g., networks, servers, storage, applications, and services) that can be rapidly provisioned and released with minimal management effort or service provider interaction.”
    26. 28. O modelo Cloud é composto por 5 características, 3 modelos de serviço e 4 modelos de implementação: 5 características: 3 tipos de serviço: 4 modelos de implementação: Cloud computing IaaS PaaS SaaS I N T E R N E T IaaS PaaS SaaS
    27. 29. <ul><li>Os 5 atributos que definem os Cloud Services </li></ul><ul><li>Baseados em serviços </li></ul><ul><li>Escaláveis e elásticos </li></ul><ul><li>Partilha de recursos </li></ul><ul><li>Pagos pela utilização </li></ul><ul><li>Usam tecnologias internet </li></ul><ul><li>O suporte a estes atributos abre a porta para uma proposta de valor acrescido para o consumidor e de grande flexibilidade e potencial redução de custos para o fornecedor. </li></ul>Características
    28. 30. <ul><li>Baseados em serviços </li></ul><ul><li>Abstracção da implementação através de interfaces bem definidos </li></ul><ul><li>Ex: self service portals, service oriented interfaces </li></ul><ul><li>O interface esconde os detalhes de implementação e proporciona uma resposta automática do fornecedor para o consumidor do serviço </li></ul><ul><li>Tira proveito dos outcomes das TI (disponibilidade, tempo de resposta, processos operacionais definidos). </li></ul>Características
    29. 31. <ul><li>Escaláveis e elásticos </li></ul><ul><li>Escalar para cima ou para baixo, de acordo com as necessidades do consumidor e de uma forma automática. </li></ul><ul><li>Ex: sazonalidade do negócio (dia 10…) </li></ul><ul><li>Por exemplo, múltiplos consumidores partilham a capacidade entre si e podem receber mais ou menos recursos dependendo de uma necessidade que é determinada pela utilização que fazem </li></ul><ul><li>Partilhados </li></ul><ul><li>Os serviços partilham uma pool de recursos para tirar partido de economias de escala e atingir máxima eficiência </li></ul><ul><li>Ex: aproveitamento dos recursos idle , storage subaproveitado… </li></ul><ul><li>A infra-estrutura subjacente aos serviços é desconhecida e partilhada pelos vários consumidores. </li></ul><ul><li>Ex: virtualização </li></ul>
    30. 32. <ul><li>Pagos por utilização </li></ul><ul><li>Aos serviços são associadas métricas de utilização para habilitar múltiplos modelos de pagamento </li></ul><ul><li>O fornecedor tem um modelo de contabilização para a medição da utilização que pode ser usado para criar vários planos e modelos de pricing . Ex: pay-as-you-go , subscrição, planos fixos ou flexíveis… </li></ul><ul><li>Pagamento baseado no consumo e não no custo do equipamento </li></ul><ul><li>Ex: horas de utilização, transferência de dados ou noutro item entregue baseado em taxa de utilização… </li></ul><ul><li>Tecnologias Internet </li></ul>
    31. 33. O fornecedor implementa o serviço usando tecnologias que tiram proveito de economias de escala, recursos partilhados e elasticidade da infra-estrutura. Esse mecanismo de partilha está escondido do cliente. São colectadas métricas reais de utilização e disponibilizadas ao consumidor. São medidas de serviço/ outcome e não métricas de implementação (número de servidores,…). É uma decisão do negócio qual o modelo de pricing que irá ser usado. Resumindo, O consumidor acede ao serviço através de um interface programático ( web service) ou self-service . O serviço (o que o consumidor vê) e a implementação (o que o fornecedor vê) estão separados um do outro. Características
    32. 34. “ Cloud ” … é um conceito abstracto que não é palpável, não pode ser visto, comprado ou vendido. Contudo, existem diversos aspectos do Cloud Computing que são tangíveis: aplicações , plataformas e infra-estrutura. Falar com rigor em Cloud Services é falar em: SaaS : Modelo de disponibilização de software onde o Fornecedor licencia uma aplicação aos Clientes para uso conforme as suas necessidades. É a manifestação do Cloud mais conhecida. Ex: Google Docs, Salesforce, WorkDay Paas : Plataforma de Desenvolvimento, teste e disponibilização de aplicações. Ex: Microsoft Azure, Amazon RDS, SimpleDB IaaS : Infra-estrutura com recursos de monitorização e administração. Suporta as PaaS e os SaaS. EX: Amazon EC2, GoGrid, Racspace Tipos de serviço IaaS PaaS SaaS I N T E R N E T IaaS PaaS SaaS
    33. 35. Fonte: Gartner, Tipos de serviço
    34. 36. Modelos de implementação Private Cloud para uso exclusivo de uma única organização. Community Cloud para uso exclusivo de um conjunto de consumidores com interesse partilhado. Public Cloud para uso pelo publico em geral. Hybrid Cloud como composição de uma ou mais infra-estruturas cloud distintas. Posse e Acessos. Modo como a infra-estrutura cloud é disponibilizada:
    35. 37. Private Cloud, Public Cloud Private Cloud : Termo de marketing que representa um tipo de Cloud Computing criado para o uso exclusivo da organização e está alojado no seu Data Center . Também chamado internal cloud ou corporate cloud . Os dois conceitos, Private e Public Cloud Computing , permitem grande eficiência computacional, elasticidade e disponibilidade. As Private Clouds permitem um controlo mais elevado no aspecto da segurança e uma melhor integração. Caminho inicial para a Public Cloud . Relativamente a custos, as Public clouds são genericamente OpEx , e as Private Clouds são CapEx e OpEx .
    36. 38. <ul><li>Private Cloud… </li></ul><ul><ul><ul><li>Nos próximos 2 anos é esperado um maior </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>investimento em Private Cloud do que </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>em Public Cloud. </li></ul></ul></ul><ul><li>… Como passo intermédio para o Public Cloud. </li></ul><ul><li>Testar serviços-piloto Public Cloud de forma a </li></ul><ul><li>investigar a sua maturidade e novas oportunidades. </li></ul><ul><li>As organizações terão de definir o seu portfolio de SI/TIC e ter uma estratégia para cada serviço que irá resultar numa maior integração com o negócio ou eventual migração para serviços Public Cloud. </li></ul><ul><li> Se os SI/TIC forem tratados internamente como um negócio , será mais fácil a conversão em serviços externos de SI/TIC. … Qualidade … </li></ul>Fonte: Gartner, “ Private Cloud Computing Plans from Conference Polls” 30 Abril 2010 Private Cloud
    37. 39. <ul><li>Virtualização </li></ul><ul><li>Aprovisionamento </li></ul><ul><li>Multi-tenancy </li></ul><ul><li>Escalabilidade </li></ul><ul><li>Elasticidade </li></ul>Conceitos
    38. 40. <ul><li>Virtualização </li></ul><ul><li>Os recursos são agrupados por tipo e disponibilizados aos consumidores (pessoas ou software) através de abstracção. </li></ul><ul><li>Significa a quebra de ligações hard-coded entre consumidores e fornecedores. </li></ul><ul><li>Aprovisionamento </li></ul><ul><li>Quando um cliente pede recursos através da camada de virtualização, é identificado de forma transparente um recurso específico encarregue de responder ao pedido. </li></ul><ul><li>Significa que o sistema determina a forma de satisfazer a necessidade especifica do consumidor, optimizando a performance do sistema como um todo. </li></ul><ul><li>Multitenancy </li></ul><ul><li>A faculdade de alojar múltiplos Clientes usando a mesma infra-estrutura e mesmo assim conseguindo segregar os seus dados. </li></ul>Conceitos
    39. 41. <ul><li>Escalabilidade </li></ul><ul><li>Possibilidade de aumentar a capacidade conforme as necessidades. </li></ul><ul><li>Ex: SI/TIC de uma empresa acompanha o crescimento do negócio </li></ul><ul><li>Elasticidade </li></ul><ul><li>Possibilidade de aumentar e diminuir a capacidade conforme as necessidades, aumentando a eficiência no consumo dos recursos existentes. </li></ul><ul><li>Ex: sazonalidade dos negócios </li></ul>Conceitos
    40. 42. <ul><li>+ Custo inicial “baixo” </li></ul><ul><li>+ Paga o que usa (adapta-se ao negócio) </li></ul><ul><li>+ CapEx  OpEx </li></ul><ul><li>+ Rapidez em usufruir do serviço </li></ul><ul><li>+ Disponibilidade/performance/escalabilidade </li></ul><ul><li>+ Baseados em SLAs </li></ul><ul><li>+ Acessíveis em todo o mundo </li></ul><ul><li>Segurança: privacidade e acesso </li></ul><ul><ul><li>O Cloud Vendor terá acesso físico aos dados da nossa BD </li></ul></ul><ul><li>Governance e regulamentação </li></ul><ul><li>Maturidade tecnológica </li></ul><ul><li>Integração com sistemas existentes </li></ul><ul><li>Dependência do fornecedor </li></ul><ul><li>Largura de banda </li></ul><ul><li>Sensação de perca de controlo </li></ul><ul><li>Falta de Standards </li></ul>Vantagens e desafios dos Cloud Services
    41. 43. <ul><li>Ameaças à adopção de serviços Private Cloud por parte das organizações: </li></ul><ul><li>O processo de evolução para Private Cloud Services irá encontrar eventualmente as mesmas barreiras político-culturais que a virtualização encontrou: </li></ul><ul><li>Os SI/TIC são um cost-center , não um profit-center. </li></ul><ul><li>Os Serviços não são descritos em termos de nível de serviço. </li></ul><ul><li>Os Projectos são custeados separadamente. </li></ul><ul><li>As Unidades de Negócio querem estar envolvidas em detalhes e recursos de implementação. </li></ul><ul><li>Após serem ultrapassadas estas barreiras será mais fácil a organização poder usar efectivamente serviços Cloud. </li></ul>Cloud Services
    42. 44. <ul><li>Riscos acerca dos quais os clientes deverão questionar os fornecedores: </li></ul><ul><li>1) Privileged user access </li></ul><ul><li>Dados processados fora da organização aumentam o nível de risco </li></ul><ul><ul><li>Pedir informação acerca dos controlos que existem a pessoas no acesso à informação </li></ul></ul><ul><li>2) Regulatory compliance </li></ul><ul><li>Os clientes são responsáveis pelos seus dados mesmo que estes estejam em posse do fornecedor </li></ul><ul><li>Pedir relatórios de auditoria e segurança ao fornecedor de Cloud Services </li></ul><ul><li>3) Localização dos dados </li></ul><ul><li>Podemos não saber em que país estão os dados </li></ul><ul><ul><li>Pedir que os dados e o seu processamento se mantenham em determinadas jurisdições </li></ul></ul>Riscos
    43. 45. <ul><li>4) Segregação dos dados </li></ul><ul><li>Os dados estão num ambiente partilhado com dados dos outros clientes </li></ul><ul><ul><li>Perguntar o que é feito para que os dados sejam isolados, por exemplo, encriptação </li></ul></ul><ul><li>5) Recuperação </li></ul><ul><li>Mesmo que não saibamos onde estão os dados, o fornecedor deverá dizer-nos o que acontece em caso de desastre </li></ul><ul><li>Perguntar se existe a hipótese de reposição e quanto tempo demorará </li></ul><ul><li>6) Suporte à investigação </li></ul><ul><li>Investigar actividades impróprias poderá ser difícil num ambiente Cloud . Logs em vários pontos. </li></ul><ul><li>Garantir que existe suporte a esta investigação </li></ul><ul><li>7) Viabilidade a longo prazo </li></ul><ul><li>No caso do fornecedor Cloud falir ou ser adquirido </li></ul><ul><li>Perguntar como poderemos ter de volta os dados e em que formato </li></ul>Riscos
    44. 46. Desafios que se colocam ao Cloud Computing Source: IDC eXchange, &quot;IT Cloud Services User Survey, pt. 2: Top Benefits & Challenges,&quot; (http://blogs.idc.com/ie/?p=210), October 2, 2008 QoS Personalização Segurança
    45. 47. Grid computing / Utility computing Grid Computing Mais conotada com a parte de infra-estrutura (IaaS) do Cloud. Utility Computing Refere-se ao “empacotamento” de recursos computacionais por consumo ou por subscrição. O Cloud pode ser comparado ao formato Utility Computing no que respeita ao modelo de consumo
    46. 48. <ul><li>Hardware – abstracção da infra-estrutura </li></ul><ul><ul><li>Ex: virtualização, IaaS, … </li></ul></ul><ul><li>Aplicações – abstracção aplicacional </li></ul><ul><ul><li>Ex: SaaS, Web Services, SOA – Service Oriented Architecture, … </li></ul></ul><ul><li>Conteúdo (informação) </li></ul><ul><ul><li>Dimensão menos desenvolvida </li></ul></ul><ul><li>Ex: DaaS, big data , semantic web , XML, XQuery, SQL, Google,… </li></ul><ul><li>80% da informação é não-estruturada. </li></ul><ul><li>Como combinar os dados de forma a extrair nova informação? </li></ul><ul><li>Como aceder a todos os dados da organização? </li></ul>Dimensões
    47. 49. ▪ A dimensão &quot;Informação” do paradigma Cloud tem que ver com a existência de uma forma de interligação entre as fontes de informação, relacionando-as de forma a explorar o valor dessa combinação. ▪ É necessária metadata descrevendo o significado dos dados e as relações entre os elementos dos dados, para que a informação seja reutilizada em novas formas. Ex: O XML permite a separação entre dados e meta dados. ▪ Alguns dos componentes para a construção desta dimensão estão disponíveis, mas o conceito da verdadeira information grid permanece ainda num estado visionário. É uma visão muito próxima da visão da Semantic Web . Semantic Web : segundo o W3C, proporciona uma framework comum que permite aos dados serem partilhados e reutilizados por aplicações, empresas e comunidades Dimensões
    48. 50. <ul><li>Tendo em conta os riscos e as vantagens, que serviços estarão mais próximos de serem consumidos como Cloud Services ? </li></ul><ul><li>Email </li></ul><ul><li>Aplicações de IT Service Desk ( Helpdesk) </li></ul><ul><li>Ferramentas de produtividade (Office) </li></ul><ul><li>Armazenamento (Storage) </li></ul><ul><li>CRM </li></ul><ul><li>HR </li></ul><ul><li>Depende do negócio… </li></ul><ul><li>Depende da dimensão da Organização… </li></ul><ul><li> Podem ser feitos pilotos sobre estes serviços. </li></ul><ul><li> Considerar os serviços que não pertençam ao core business da Organização. </li></ul>Cloud Services
    49. 51. Perspectivas futuras
    50. 52. Hype Cycle 2008
    51. 53. Hype Cycle 2009
    52. 54. Hype Cycle 2010
    53. 55. Hype Cycle 2011
    54. 56. Hype Cycle Criado pela Gartner em 1995, é uma forma de representar o ciclo de adopção de tecnologias. Caracteriza o entusiasmo inicial e subsequente desapontamento que acontece nas novas tecnologias. Podemos distinguir 5 fases: Tecnology trigger A nova tecnologia gera grande interesse Peak of inflated expectations Entusiasmo exagerado com expectativas de difícil concretização Trough of disillusionment Desilusão. Expectativas quebradas Slope of enlightment A nova tecnologia continua a ser testada e até adoptada Plateau of productivity É aceite de forma abrangente, estabiliza e já se vislumbra a evolução
    55. 57. Até 2012, o IT irá apostar mais em investimentos private cloud services . Começando em 2014 a despesa em serviços p ublic cloud irá acelerar com o amadurecimento da oferta - cobrir as preocupações de negócio. A partir de 2014 aumentará o número de service brokers . A partir de 2014 a experiencia em cloud computing será o skill mais valorizado em contratações para projectos de IT. Em 2015, 90% das implementações em private cloud serão do tipo IaaS. Em 2016 todas as organizações do Global 2000 usarão algum nível de serviços public cloud . EM 2020, o uso mais comum de cloud services assentará o sobre o modelo híbrido. Alguns números
    56. 58. <ul><li>&quot;Black Swan&quot; é um evento com os 3 atributos seguintes: </li></ul><ul><li>é imprevisível. Sai fora das expectativas pois nada no passado nos convence da possibilidade de ocorrer. </li></ul><ul><li>tem um impacto extremo. </li></ul><ul><li>depois de ocorrer, são elaboradas explicações através das quais é possível explicar e tornar previsível esse facto. </li></ul><ul><li>Arquitecturas multitenant a esta escala representam uma descontinuidade muito forte. </li></ul><ul><li>A opacidade da oferta de serviços cloud onde os mecanismos de gestão de risco não são claros apresentam aos utilizadores um conjunto de caixas negras que esses controlos (e portanto os riscos) são invisíveis. A opacidade é acentuada se os serviços forem montados por brokers sem responsabilidade no resultado apresentado ao utilizador final. </li></ul><ul><li>Se tivéssemos teoricamente ambientes com controlo de riscos disponíveis, a comunidade em geral só tem uma ideia vaga de como testar a robustez de um ambiente tão complexo e tão volátil. </li></ul>&quot;The Black Swan: The Impact of the Highly Improbable&quot; Nassim Nicholas Taleb Riscos
    57. 59. August 2008: The Linkup business fails after losing customer data. February 2009: Onsite3 files for bankruptcy. March 2009: 7,000 Carbonite customers lose their backups. June 2009: LxLabs HyperVM is hacked; 100,000 websites experience data loss. October 2009: Microsoft Sidekick loses data, with 1 million users affected. It takes one month for Oracle and Sun to reconstruct the database. December 2009: Palm Pre online backup fails. July 2010: 6,327 Evernote customers lose four days worth of data. December 2010: 17,000 Microsoft Hotmail accounts lose mail for four days. February 2011: 35,000 Gmail accounts lose all data: It takes four days to restore 0.02% of Gmail's user base. March 2011: Zodiac Island TV episodes are deleted by a disgruntled administrator. The show's creator is now suing Cyberlink over faulty backups. April 2011: Amazon's Elastic Computer Cloud's multiday outage results in some loss of data for users. Riscos
    58. 63. Fazer mais com menos. Como gerar mais revenue ? Como atingir mais clientes? Como inovar? Crowdsourcing, … O caminho para a valorização do IT IT orientado a serviços. Preço – quantidade de de dinheiro que estamos dispostos a gastar para realizar determinado serviço. Custo - quantidade de de dinheiro que estamos dispostos a gastar para comprar um equipamento. São 2 lados da mesma moeda: Consumidor – Quer pagar o preço pelo serviço, não pelo custo. Fornecedor – Tem de saber o custo de fornecer o serviço.
    59. 64. O Departamento de SI/TIC das Organizações deverá ser o Departamento da Inovação Deverá ser o motor da inovação e não “a bomba de água dos bombeiros”! Estudar a aplicação de novas tecnologias aos processos do negócio será o papel do IT. Ex: Qual o efeito da adopção dos tablets PCs no aumento do negócio da organização? A minha perspectiva pessoal
    60. 65. Wrap up <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>Motivação </li></ul><ul><li>Processos e Qualidade </li></ul><ul><li>Cloud computing e suas características </li></ul><ul><li>Perspectivas futuras </li></ul><ul><li>Questões </li></ul>
    61. 66. Questões
    62. 67. Obrigado! [email_address]

    ×