• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Linux Solaris
 

Linux Solaris

on

  • 340 views

Distribuição Linux Solaris

Distribuição Linux Solaris

Statistics

Views

Total Views
340
Views on SlideShare
340
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Linux Solaris Linux Solaris Document Transcript

    • SOLARIS 1
    • SUMÁRIO 1. Introdução...............................................................................................................................3 2. Histórico do SOLARIS...........................................................................................................3 3. Gerência de Processos.............................................................................................................4 4. Gerência de Memória..............................................................................................................5 5. Gerência de Arquivos..............................................................................................................6 6. Gerência de Entrada / Saída....................................................................................................7 7. Segurança do SOLARIS.........................................................................................................8 8. Interface..................................................................................................................................8 9. Caso de Utilização do SOLARIS............................................................................................9 10. Os 10 Maiores Benefícios do SOLARIS............................................................................10 1 - Ampla escalabilidade.......................................................................................................10 2 - Menor custo de propriedade............................................................................................10 3 - Escalabilidade reativa......................................................................................................11 4 - Menos tempo fora de serviço devido a eventos planejados.............................................11 5 - Recursos de sistema e de rede altamente disponíveis......................................................12 6 - Operações seguras e previsíveis......................................................................................12 7 - Conectividade com o mundo...........................................................................................12 8 - Facilidade de gerenciamento...........................................................................................13 9 - Serviços de aplicativo de alto desempenho.....................................................................13 10 - Ambiente Operacional Universal..................................................................................13 Conclusão..................................................................................................................................13 Bibliografia...............................................................................................................................15 2
    • 1. Introdução Este trabalho realizado para a matéria de Sistemas Operacionais de Redes, traz uma breve pesquisa sobre o Sistema Operacional SOLARIS. Quando se trabalho com computadores, o sistema operacional tem uma importância muito grande, uma vez que este é responsável por controlar todos os recursos da máquina e fornecer estrutura lógica para os programas aplicativos a serem escritos. O SOLARIS é um sistema operacional totalmente baseado em UNIX com grande peso no mercado. Moderno e bastante eficaz, ele tem sido uma boa solução para computadores em rede, especialmente em grandes empresas. Neste trabalho tem-se a oportunidade de conhecer a forma como os conceitos e funções básicas de sistemas operacionais são aplicadas no SOLARIS – gerência de processos e memória, controle de entrada e saída de dados, sistema de arquivos, além dos recursos disponíveis para se obter uma maior segurança. Também busca-se observar e analisar o funcionamento do SOLARIS na prática, dentro de uma grande instituição, procurando-se os fatores que diferenciam esse sistema operacional e promovendo uma visão geral da sua aplicação do seu ambiente gráfico. 2. Histórico do SOLARIS Para se falar da origem do SOLARIS, são necessárias algumas referências aos sistemas UNIX, uma vez que este serviram de base para o seu desenvolvimento. No final dos anos 60, Ken Thompson do Bell laboratories, queria criar um sistema operacional que suportasse e coordenasse os esforços de uma equipe de programadores em um ambiente de pesquisa. Dessa forma surge o sistema UNIX, cuja primeira versão foi escrito em Assembler para o PDP 7. Em 1978, Dennis Ritchie produziu a sétima versão do UNIX, que por ter sido reescrito em linguagem C, tornou possível transportá-lo de uma arquitetura para outra sem muitas dificuldades, A partir desta data, o código fonte foi licenciado para outros estabelecimentos comerciais e de pesquisas, passando a ocorrer o desenvolvimento de versões distintas em paralelo, conforme figura abaixo: 3
    • Nos anos 80, o sistema tornou-se popular entre pesquisadores e usuários comerciais. Várias versões foram desenvolvidas, entre elas o Xenix e o SCO-Unix da SCO. Com a fundação da Sun em 1982, surgiu mais uma linha de desenvolvimento, o SunOS. Nessa época, viu-se a necessidade de unificar as várias versões de sistemas UNIX existentes com a intenção de torná-lo realmente um sistema aberto padrão. Com o comprometimento de vários fabricantes em adotá-lo, foi desenvolvido um UNIX único, conhecido como System V Release 4 (SVR4), aproveitando o que havia de melhor e cadê linha. Já baseado nesse novo sistema, a Sun Microsystems lança o SunOS 5.x, e em 1992, surge a primeira versão do SOLARIS, que era muito semelhante ao SunOS. O SOLARIS é um sistema operacional voltado para grandes empresas, com um conjunto de softwares para desenvolvimento e gerenciamento de informações e comunicação entre aplicativos. Criado para obter uma alta performance em aplicações cliente/servidor, o SOLARIS permite acesso transparente e ilimitado a sistemas, servidores, dispositivos periféricos, base de dados remota e uma série de outros recursos, com escalabilidade para suportar várias aplicações e configurações. 3. Gerência de Processos O SOLARIS é um sistema multiprogramável,onde cada usuário pode ter vários processos ativos simultaneamente. Em um grande sistema, podem chegar a existir milhares de processos ativos ao mesmo tempo. O Kernel do sistema é responsável 4
    • pelo controle desses processos, fornecendo primitivas que cuidam, por exemplo, da criação e da gerência de processos. Inicialmente, quando se dá a ativação do sistema, é criado o processo 0, que por sua vez cria o processo 1, conhecido como init. Este é ancestral de todos os outros processos. Os processos são criados pela primitiva de sistema fork. Essa função, ao ser chamada por um processo em execução (processo-pai), cria uma cópia igual desse processo (processo-filho), um processo-pai pode ter vários processos-filhos e estes também podem ter seus processos-filhos. A partir daí, tanto o processo-pai, quanto o processo-filho têm seu próprio espaço de endereçamento. Dessa forma, as variáveis de um não são visíveis ao outro e vice-versa. Os processos são identificados mediante um código de identificação, pid, que é fornecido pelo processo-pai ao processo-filho. A comunicação entre os processos é feita por um mecanismo de troca de mensagens que utiliza canais de comunicação chamados pipes. Através dos pipes, a saída de um comando é direcionada para a entrada de outro sem a utilização de arquivos temporários. Os processos no SOLARIS possuem duas estruturas-chave: a tabela de processos, que contém informações como número do processo, modo e prioridade, entre outras; e a estrutura de usuário, contendo informações que não são necessárias quando o processo não estiver fisicamente na memória principal. A gerência de processo do SOLARIS é usada para mostrar os processos que estão sendo executados numa determinada estação de trabalho, além de parar e reinicializar processos e investigar e depurar processos irregulares (processos que não estão realizando o trabalho esperado). O gerenciador usa monitores e semáforos como mecanismos de exclusão mútua, e escalonamento circular com múltiplas filas, para indicar a prioridade de cada processo. Processos sendo executados no modo usuário tem menor prioridade que o processos no modo kernel. 4. Gerência de Memória Cabe ao kernel do SOLARIS a responsabilidade por diversas funções de gerência de memória, como controlar que partes da memória estão em uso e que partes não estão alocar memória para processos quando eles necessitarem e desalocar quando eles terminarem, e gerenciar a troca entre a memória principal e o disco quando a memória principal é muito pequena para armazenar todos os processos. Em sistemas de tempo compartilhado, o gerenciador de memória é responsável pela suspensão e retomada de um processo em intervalos de tempos distintos. Na espera pela execução, os processos ficam na memória até que seja identificado o 5
    • processo ativo que, a partir desse momento, terá sua execução retomada. O gerenciador também reconhece os processo que estão em estado de espera por entrada/saída para que estes não sejam incluído na partilha de tempo de execução. O escalonamento de memória do SOLARIS define as prioridades dos processos, cujo cálculo é referente ao tempo de execução acumulado. Os processos que em execução acumularam muito tempo, terão prioridade menor que processos que ainda não foram executados. No SOLARIS, além do swapping – técnica que seleciona alguns processos para retirar da memória caso está esteja cheia, é implementado a gerência de memória virtual com paginação por demanda. Nesse esquema, páginas do processo são trazidas do disco para a memória somente quando são referenciadas. Periodicamente o sistema é ativado para verificar se a quantidade de páginas livres é insuficiente. Nesse caso, o sistema inicia o trabalho de liberação de páginas para recompor a lista de páginas livres. Quando necessário, o SOLARIS usa o algoritmo de procura circular para a liberação de páginas. Inicialmente todas as páginas estão marcadas como não utilizadas (bit de acesso igual a zero). Sempre que uma página é referenciada, o seu bit de acesso é ligado (igual a um). De tempos em tempos o sistema varre a lista de páginas, verificando o bit de acesso de cada uma. As páginas que não forma utilizadas, são liberadas para lista de páginas livres. No caso de páginas contendo dados, sistema verifica também se a página foi modificada para, neste caso gravá-la em disco. 5. Gerência de Arquivos O sistema de arquivos do SOLARIS é baseado em uma estrutura de diretórios em árvore, não existindo dependência entre a estrutura lógica desses diretórios e o local onde os arquivos estão fisicamente armazenados. Esse modelo permite que uma estrutura seja formada por diferentes discos, inclusive em estações remotas. Utilizando uma arquitetura denominada Virtual File System (VFS), o SOLARIS proporciona uma interface padrão para diferentes tipos de sistemas de arquivos, uma vez que essa arquitetura permite ao kernel do sistema controlar operações básicas como ler, escrever ou listar arquivos, sem que seja necessário um conhecimento do tipo de sistema de arquivos, tanto pelo usuário quanto pelo programa. Existem três tipos de arquivos no SOLARIS: diretórios, que podem conter arquivos ou outros diretórios; arquivos regulares, contendo qualquer tipo de dado que o usuário deseje; e arquivos especiais, que, como já visto, estão associados a dispositivos de entrada/saída (locais ou remotos). O SOLARIS suporta três tipos de sistema de arquivos: sistema de arquivos baseados em disco, que podem ser escritos em diferentes formatos e são armazenados fisicamente em discos flexíveis, discos rígidos ou CD-ROMs; sistema 6
    • de arquivos virtual, baseados em memória para proporcionar acesso ao núcleo do sistema sem utilizar espaço em disco; e sistema de arquivos baseado em rede, que são acessados através da rede. Existem dois tipos de sistema de arquivos baseados em rede, o Network File System (NFS) e o Remote File Sharing (RFS). O NFS habilita computadores e arquiteturas diferentes - utilizando diferentes sistemas operacionais - a compartilhar arquivos através de uma rede. Dessa forma, qualquer computador tem acesso aos arquivos de outro computador. A diferença entre o NFS e o RFS, é que, enquanto o primeiro gera um sistema de arquivos genérico, este último provém uma cópia exata de um sistema de arquivos UNIX. Por ser um sistema operacional multiusuário, o SOLARIS necessita de segurança para o sistema de arquivos. Cada arquivo apresenta um nível de proteção definido pela categoria do usuário. Todo arquivo ou diretório possui um user que pertence a um grupo. Qualquer usuário que não seja dono do arquivo e não pertença ao respectivo grupo, enquadra-se na categoria others. Por fim, o administrador do sistema, chamado de root, tem acesso irrestrito a todos os arquivos. Dependendo da categoria do usuário, três tipos de acesso podem ser concedidos, read, write ou execute. 6. Gerência de Entrada / Saída A independência de cada dispositivo de entrada e saída é um dos fatores mais importantes no SOLARIS. Dessa forma, um processo pode acessar um arquivo em disco tão facilmente quanto um terminal ou uma impressora. Todos os requerimentos de entrada e saída são manipulados sincronicamente, ou seja, um processo que solicita uma entrada, por exemplo, é suspenso a partir do momento dessa solicitação e liberado quando a entrada tiver sido completada. A gerência de entrada e saída no SOLARIS é implementada por drivers, sendo necessário um driver para cada dispositivo. Esses drivers são acoplados ao sistema operacional e, uma vez acrescentado um novo dispositivo, um driver correspondente será acoplado ao kernel. O SOLARIS trabalha com dois tipos de drivers de entrada e saída: driver de bloco, onde a transmissão é feita por blocos e normalmente está associada a dispositivos com altas taxas de transferência 2 entre esse dispositivo e a memória; e driver de terminal, cuja transmissão é feita caractere por caractere e é usado em dispositivos mais lentos. No caso do driver de bloco, sempre que um processo solicita uma transferência, o kernel verifica se o bloco já está na memória ou não e, em seguida, o sistema transfere o bloco solicitado para o dispositivo de entrada e saída. Blocos freqüentemente utilizados tendem a permanecer na memória, reduzindo, portanto, o tráfego de entrada e saída. 7
    • O driver de terminal é utilizado por todos os dispositivos que não se ajustam ao modelo de blocos. Contudo, a maioria dos dispositivos que possuem a interface estruturada para o driver de bloco, também possui a interface de terminal. O acesso aos dispositivos de entrada e saída é integrado ao sistema de arquivos através de arquivos especiais. Esses arquivos podem ser acessados da mesma forma que qualquer outro arquivo, utilizando primitivas de leitura e gravação. 7. Segurança do SOLARIS O SOLARIS apresenta quatro níveis de proteção: controle de login, controle de acesso aos recursos do sistema, segurança para desenvolvimento e distribuição de serviços e controle de acesso à rede física. O primeiro nível consiste em ferramentas que ajudam o administrador a controlar o acesso dos usuários ao sistema. Toda vez que o usuário vai acessar o sistema, é necessário fazer o log in. Esse controle consiste em verificar a identidade do requisitante mediante uma senha, o que identifica o usuário e o que ele tem permissão para fazer. Uma vez efetuado esse ingresso ao sistema, o usuário pode acessar os recursos que lhe estão disponíveis. O segundo nível habilita o administrador a controlar o acesso geral aos recursos do sistema, provendo ferramentas com as quais pode se configurar a segurança desse sistema, além de um recurso de auditoria usado para rastrear tentativas de acesso. No terceiro nível, existe a preocupação com a segurança para desenvolvimento e distribuição de serviços. O SOLARIS oferece a possibilidade da configuração dos privilégios de acesso a arquivos de acordo com a categoria do usuário, utilizando serviços de autenticação, autorização, privacidade e integridade de dados. O quarto nível controla o acesso à rede física. Em uma rede, além da ameaça externa, os usuários podem, acidentalmente, expor dados ou informações importantes. Para evitar que problemas dessa natureza ocorram, o SOLARIS viabiliza essa segurança mediante o Solstice Firewall. A proposta desse sistema de segurança de rede é permitir ou não a entrada de pacotes e controlar o tráfego entre diferentes departamentos de uma mesma organização, sempre de acordo com a política de segurança definida pela empresa. O Solstice Firewall provê um mecanismo eficiente de filtragem e um poderoso sistema de registro e alerta contra tentativas de violações. 8. Interface O Common Desktop Environment (CDE) do SOLARIS é uma interface gráfica de fácil utilização, provendo uma visualização consistente em um ambiente UNIX. Além de toda compatibilidade com o padrão CDE, o Solaris oferece alguns benefícios 8
    • adicionais, como utilizar o Image Viewer para mostrar, rotacionar, dar zoom e converter imagens e arquivos PostScript. O desktop é a área onde as janelas ficam posicionadas. Quando um objeto é colocado lá, ele é chamado de workspace object, existindo um desktop para cada workspace. O desktop do SOLARIS permite que você coloque qualquer ícone de arquivo ou diretório diretamente na janela atual, possibilitando um acesso rápido. Posicionar um objeto no workspace não altera o arquivo ou diretório original. Na verdade, o ícone que aparece no workspace é somente um atalho para acessar o arquivo ou diretório real. Para se visualizar todos os objetos no sistema de arquivos, utiliza-se o file manager. O CDE do SOLARIS apresenta o Painel Frontal, que é uma janela especial de trabalho contendo um conjunto de comandos para executar tarefas comuns. O painel frontal é alterado quando se muda de área de trabalho. Os dois principais elementos do painel frontal são o painel principal e o subpainel. O painel principal é uma janela horizontal na parte inferior da tela que contém comandos os quais são usados freqêntemente (como botões para iniciar aplicações). Caso o botão possua uma seta no topo, ao se posicionar o mouse nesse local, abrir-se-á o subpainel com uma série de comandos relativos ao botão. O SOLARIS leva uma vantagem considerável em relação a outros sistemas operacionais, uma vez que o painel frontal provê acesso direto aos componentes mais utilizados, sem que o usuário tenha que recorrer a vários submenus. Quanto à sua utilização de janelas, além de permitir a movimentação, redimensionamento e alternância entre elas, o SOLARIS possibilita o trabalho em várias sessões independentes, que funcionam como se fossem várias áreas de trabalho disponíveis ao usuário. 9. Caso de Utilização do SOLARIS O SOLARIS é usado no Banco do Brasil como plataforma para gerenciamento de redes mediante um software de mapas que controla o funcionamento e desempenho de seus equipamentos, conforme atestado em entrevista em anexo, realizada com um funcionário da instituição que, por motivos de segurança interna, teve seu nome mantido em sigilo. É utilizada, no Banco do Brasil, uma ferramenta chamada HP Open View, responsável pelo gerenciamento de equipamentos de redes. Esse programa envia, através da estrutura de endereço IP, traps e pollings de monitoração. O trap é um sinal enviado a partir do equipamento que está sendo monitorado e contém algumas informações que vão dizer às estações coletoras se está tudo bem com esse equipamento. Já os pollings, partem da estação coletora para o equipamento, fazendo uma checagem pra ver se estes estão on line. 9
    • O servidor e outros equipamentos de uma determinada agência estão cobertos pela estrutura do HP Open View que faz uma varredura dentro de todo o escopo de endereços IP. Cada equipamento vai estar mandando sinais e dessa forma é possível se criar um mapa. Na construção desse mapa, separa-se um determinado endereço IP onde estão o servidor, roteadores e equipamentos de terminais que pertencem àquela agência, e são todos isolados dentro de um compartimento. Assim, o operador - atuando em Brasília - trabalha com esse compartimento, bastando um clique para se visualizar os equipamentos da agência. A partir do momento que o servidor sai do ar por algum problema, o indicador que no mapa estava verde, passa a ficar vermelho. Com isso, o operador pode atuar em cima do problema, checando todos os processos que estão dentro dos servidores e assim verificando se eles estão rodando satisfatoriamente ou não. E tudo isso é feito em tempo real. Para completar, a agência não fica fora do ar, pois um servidor backup assumiria as funções do servidor principal caso venha a ocorrer esse tipo de erro. No caso de um banco, o principal recurso que o SOLARIS oferece está na estabilidade do sistema. Dessa forma, não se corre o risco de ficar sem a ferramenta de monitoração, tendo assim uma posição real das agências num nível de detalhamento muito grande. E essa vantagem traz um nível de segurança bastante alto, de acordo com padrões internacionais. 10. Os 10 Maiores Benefícios do SOLARIS 1 - Ampla escalabilidade O ambiente operacional SOLARIS 8 proporciona ampla escalabilidade. Seu projeto multitarefa assegura desempenho rápido para os aplicativos essenciais e as funções básicas de sistema de que sua empresa depende. A plataforma SOLARIS 8 é escalável para acomodar tráfego intenso de rede, grandes conjuntos de dados e processos exigentes de computação no intuito de atender a necessidades crescentes dos negócios, e fornece os fundamentos para a expansão fácil de um ambiente computacional em todos as direções - de processos e usuários a endereços de IP e conjuntos de dados. 2 - Menor custo de propriedade O ambiente operacional SOLARIS 8 oferece a confiabilidade, a disponibilidade e a facilidade de manutenção características de data centers por uma fração do custo de um grande computador. O software SOLARIS 8 é o principal ambiente operacional UNIX®, e combina potência, estabilidade e previsibilidade com perfeita compatibilidade com o que foi desenvolvido para versões anteriores. A mudança de aplicativos para a plataforma SOLARIS 8 é tão simples que a Sun oferece um programa de garantia SOLARIS para aplicativos. Os aplicativos existentes escritos para a interface binária SOLARIS são passados para a plataforma SOLARIS 8 sem precisar de recompilação ou reconstrução, melhorando a confiabilidade do sistema e economizando tempo e dinheiro. Nenhum outro fornecedor de sistemas operacionais pode fazer esta afirmação. 10
    • Além disso, o ambiente operacional SOLARIS 8 é grátis. Mediante o Free Solaris Binary License Program, o ambiente operacional SOLARIS 8 - a plataforma para ponto-com - torna-se disponível para uso em casa ou no trabalho sem o pagamento de qualquer taxa de licença. Por apenas o custo da mídia (US$75) mais postagem, você pode usar o software em um número ilimitado de computadores com a capacidade de oito CPUs ou menos. 3 - Escalabilidade reativa O ambiente operacional SOLARIS 8 permite que os administradores de sistemas escrevam e executem scripts para sanar rapidamente situações de pico de carga no momento em que ocorrem - e mudar os processos de sistema de um domínio para outro. Domínios de sistema dinâmicos permitem que os administradores de sistemas dividam um servidor que roda com software SOLARIS em várias partições, o que possibilita que aplicativos múltiplos operem em ambientes isolados em um único servidor. A alocação de recursos a domínios individuais pode ser feita enquanto o sistema está em uso, sem reinicializações, proporcionando economia de tempo e custo. Domínios de sistema dinâmicos são cruciais para a manutenção de plataformas críticas para a missão em ambientes de TI que precisam apresentar níveis mais altos de serviços. Adicionalmente, a reconfiguração dinâmica automática (Automatic Dynamic Reconfiguration - ADR) permite que os administradores automatizem e operem automaticamente o processo de reconfiguração de domínio mediante scripts simples. 4 - Menos tempo fora de serviço devido a eventos planejados Como tempo fora de serviço implica perda de produtividade e lucratividade para a sua empresa, o recurso Live Upgrade (atualização ao vivo) da plataforma SOLARIS 8 permite que os administradores de sistema construam a imagem de um ambiente operacional novo e atualizado enquanto o sistema continua funcionando a plena carga. Não há necessidade de desconectar o sistema, interrompendo serviços ou produtividade. E o hot patching (remendos a quente) reduz em muito o tempo que o sistema fica fora de serviço para fins de diagnóstico, teste, análise e correção de problemas, por permitir que os patches surtam efeito no ambiente operacional sem necessidade de reinicialização. Com a reconfiguração dinâmica (Dynamic Reconfiguration - DR), recurso exclusivo da Sun e do ambiente operacional Solaris 8, os administradores podem acrescentar, mudar e remover componentes de sistema como memória e placas CPU, controladores de E/S, placas de interface de rede (network interface cards - NICs), unidades de disco e outros dispositivos SCSI sem fechar o sistema. Enquanto você trabalha, o sistema se reconfigura para usar os recursos disponíveis. 11
    • 5 - Recursos de sistema e de rede altamente disponíveis Para continuar sendo produtiva e lucrativa no novo milênio, sua empresa requer sistemas e redes altamente disponíveis. Com o software Sun[tm] Cluster 3.0, os administradores de sistemas podem oferecer níveis mais altos de serviço a custos menores, porque o software Sun Cluster permite o gerenciamento de servidores e dispositivos de armazenagem como se fossem uma entidade única dentro de sua rede. Ademais, a tecnologia de diversos caminhos de IP encarrega-se de distribuir a carga e de cuidar de falhas com placas de rede de múltiplas interfaces, melhorando a confiabilidade de conexão e o tempo de serviço durante o processamento e a transferência de informações. Como resultado, se uma conexão for interrompida, a redundância embutida no sistema assegurará que não se perca a conexão geral e que os dados continuem a fluir. 6 - Operações seguras e previsíveis É cada vez maior o número de operações críticas para a missão colocadas on-line, e a importância da segurança e da previsibilidade cresce na mesma proporção. A plataforma SOLARIS 8 possui muitos recursos embutidos que protegem suas redes valiosas. O Ipsec proporciona autenticação do sistema e codificação de dados, com a capacidade de criar redes privativas virtuais. O software SOLARIS 8 inclui o Kerberos, padrão do setor para a autenticação de usuários, como elemento integrante para a implementação do recurso de cadastramento único. Outros recursos de segurança incluem: Controle de acesso com base na função para segmentar os comandos de superusuários. O software SunScreen[tm] oferece proteção abrangente de firewall. Suporte a cartões inteligentes para maior controle sobre acesso físico. 7 - Conectividade com o mundo Mais usuários do que nunca estão ligados na Internet, usando mais tipos de dispositivos. Com o funcionamento em rede, baseado em padrões, embutido no software, o ambiente operacional SOLARIS 8 oferece interoperabilidade comprovada e inclui os recursos avançados que otimizam trabalho em rede em diversas plataformas. As seguintes tecnologias são implementadas pela plataforma SOLARIS 8 para suportar, simultaneamente, milhões de usuários espalhados pelo mundo, a qualquer hora, em qualquer lugar, com qualquer dispositivo. Servidor iPlanet[tm] Directory Server (LDAP) para ingresso de dados sem limite PC NetLink para ligar com redes que usam o Microsoft Windows Mobile IP para assegurar ligações estáveis para dispositivos celulares/sem fio XML Plataforma Java[tm] 2 Conectividade com sistemas legados de PC, inclusive SNA, OSI e X.25, Novos tipos de clientes, como PDAS e telefones celulares. 12
    • 8 - Facilidade de gerenciamento As organizações de TI de hoje precisam gerenciar a complexidade crescente de infra-estruturas de muitos níveis, com centenas, e até milhares, de servidores. A redução da complexidade requer a simplificação e a automatização do maior número possível de tarefas gerenciais de sistema. Com um conjunto de ferramentas de gestão – SOLARIS Management Console[tm], Diskless Client Management e software Sun[tm] Management Center 3.0 - você pode gerenciar facilmente sistemas que operam na plataforma Solaris 8. 9 - Serviços de aplicativo de alto desempenho Seu sistema executa processos múltiplos de sistema em alta velocidade, mas às vezes você precisa de mais potência. Com o ambiente operacional SOLARIS 8, o Network Cache Accelerator (acelerador de cache de rede) melhora dramaticamente o desempenho de seu servidor de Web. E o software SOLAIRS lidera o setor como a primeira plataforma crítica para a missão na implantação de aplicativos com base na tecnologia Java[tm]. A tecnologia Java está, de fato, estreitamente integrada com o ambiente operacional SOLARIS para alavancar, com eficiência, sua capacidade multitarefa, e a plataforma SOLARIS melhora o desempenho do Java pelo lado do servidor e a estabilidade de aplicativos robustos. Em muitas redes, o problema não é de potência disponível, mas de maior eficiência no uso dessa potência. A computação de alto desempenho (high-performance computing -- HPC) é uma necessidade para as infra-estruturas de TI exigentes de hoje, mas a maioria das redes não utiliza plenamente seus recursos. O software Sun[tm] Grid Engine reúne os recursos disponíveis de computação e entrega potência de computação como um serviço da rede. 10 - Ambiente Operacional Universal O SOLARIS 8 é universal, oferecendo tecnologias que ligam bilhões de usuários e dispositivos através da Internet. O software SOLARIS também proporciona amplo suporte para 37 línguas diferentes e 123 locais. Sua empresa pode suportar múltiplos ambientes de língua simultaneamente num servidor ou sistema de mesa com uma única instalação, sendo possível acrescentar ou remover qualquer ambiente de língua a qualquer momento. Conclusão O SOLARIS é uma grandiosa ferramenta para uso comercial - especialmente em se tratando de computação de redes - garantindo potencialidade, segurança e facilidade de uso que um sistema operacional deve ter.Por ser baseado em UNIX, ele possui uma estabilidade que o diferencia de outros sistemas atuantes no 13
    • mercado. Além disso, ele realiza com competência as funções básicas de um sistema operacional, tanto no gerenciamento de processos, fazendo uso de um algoritmo preemptivo de escalonamento circular com múltiplas filas, quanto no gerenciamento de memória. Seu sistema de arquivos, utilizando uma estrutura hierárquica de árvore, é simples e de fácil manipulação. E a independência dos recursos de entrada e saída tornam fácil o acesso de processos aos periféricos. A sua utilização em uma instituição tão importante como o Banco do Brasil, entre outras, e a satisfação dos funcionários que trabalham diretamente com ele, mostram como o SOLARIS atende às expectativas de quem o adquire. Com a tendência cada vez maior da expansão de redes em vários setores da sociedade, o SOLARIS tem se mostrado uma das alternativas mais adequadas para grandes organizações que desejam obter um alto desempenho, com facilidade no ambiente gráfico e segurança para o desenvolvimento de grande redes. 14
    • Bibliografia www.sun.com www.equipejabu.hpg.com.br/solaris.htm www.nunix.com.br/unix.php 15