Trabalho de filosofia

4,801 views

Published on

Resumo sobre as filosofias moderna e medieval.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
4,801
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
38
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Trabalho de filosofia

  1. 1. TRABALHO DE FILOSOFIA A FILOSOFIA MODERNA E MEDIEVALAutores: Wellington Luiz Novaes Gabriella Nogueira da SilvaProfessora: SONIA MAIA TELES XAVIERsonteles@yahoo.com.br Coronel Fabriciano, Maio de 2012.
  2. 2. Filosofia modernaÉ toda a filosofia que se desenvolveu durante os séculos XV, XVI, XVII, XVIII,XIX; começando pelo Renascimento e se estendendo até meados do séculoXX, mas a filosofa desenvolvida dentro desse período está fragmentada emvários sub-tópicos, e escolas de diferentes períodos, tais como:Filosofia da Renascença, Filosofia do século XVII, Filosofia do século XVIIIe a Filosofia do século XIX.Na modernidade passou-se a delinear melhor os limites do estudo filosófico.Inicialmente, como atestam os subtítulos de obras tais como as Meditações deRené Descartes e o Tratado de George Berkeley ainda se faziam referência aquestões tais como a da prova da existência de Deus e da existência eimortalidade da alma. Do mesmo modo, os filósofos do início da modernidadeainda pareciam conceber suas teorias filosóficas ou como fornecendo algumtipo de fundamento para uma determinada concepção científica (caso deDescartes), ou bem como um trabalho de "faxina” necessário para preparar oterreno para a ciência tomar seu rumo (caso de John Locke), ou ainda comocompetindo com determinada conclusão ou método científico (caso deBerkeley, em The Analyst, no qual ele criticou o cálculo newtoniano-leibniziano– mais especificamente, à noção de infinitesimal – e de David Hume com otratamento matemático do espaço e do tempo). Gradualmente, contudo, afilosofia moderna foi deixando de se voltar ao objetivo de aumentar oconhecimento material, i.e., de buscar a descoberta de novas verdades – isso éassunto para a ciência – bem como de justificar as crenças religiosasracionalmente. Em obras posteriores, especialmente a de Immanuel Kant, afilosofia claramente passa a ser encarada antes como uma atividade declarificação das próprias condições do conhecimento humano: começava assima chamada "virada epistemológica”.Filosofia medievalNa Idade Média, ocorreu um intenso sincretismo entre o conhecimento clássicoe as crenças religiosas. De fato, uma das principais preocupações dos filósofosmedievais foi a de fornecer argumentações racionais, espelhadas nascontribuições dos gregos, para justificar as chamadas verdades reveladas daIgreja Cristã e da Religião Islâmica, tais como a da existência de Deus, aimortalidade da alma, etc.
  3. 3. Principais períodos:Patrística (I d.C <--> VII d.C):É um período que se caracteriza pelo resultado dos esforços dos apóstolos(João e Paulo) e dos primeiros “Padres da Igreja” para conciliar a nova religiãocom o pensamento filosófico mais corrente da época entre os gregos e osromanos. Não obstante, tomou como tarefa a defesa da fé cristã, frente asdiversas críticas advindas de valores teóricos e morais dos “antigos”. Os nomesmais salientes desse período são os de Justino, Tertuliano, Clemente deAlexandria, Orígenes, Gregório de Nazianzo, Basílio, Gregório de Nissa. "Elesrepresentam a primeira tentativa de harmonizar determinados princípios daFilosofia grega (particularmente do Epicurismo, do Estoicismo e dopensamento de Platão) com a doutrina cristã. (...). Eles não só estavamenvolvidos com a tradição cultural helênica como também conviviam comfilósofos estóicos, epicuristas, peripatéticos (sofistas), pitagóricos eneoplatônicos. E não só conviviam, como também foram educados nesseambiente multiforme da Filosofia grega ainda antes de suas conversões"(SPINELLI, Miguel. Helenização e Recriação de Sentidos. A Filosofia na épocada expansão do Cristianismo – Séculos II III e IV. Porto Alegre: Edipucrs, 2002,p.5).Medieval (VIII d.C <--> XIV d.C):Período bastante influenciado pelo pensamento socrático e platônico(conhecido aqui como neoplatônismo, vindo da filosofia de Plotino). Ocupou-seem discutir e problematizar “Questões Universais”. É nesse período que opensamento cristão firma-se como "Filosofia Cristã", que mais tarde se tornaTeologia.Renascença (XIV d.C <--> XVI d.C):É marcada pela descoberta de obras de Platão desconhecidas na Idade Médiae novas obras de Aristóteles, e ainda temos a recuperação de trabalhos degrandes autores e artistas gregos e romanos. São três as linhas dePensamento: Neoplatonismo e Hermetismo; Pensamentos florentinos e por fimo Antropocentrismo iniciático (homem dono do seu destino). Foi um períodomarcado por uma efervescência teórico prática, alimentada principalmente pordescobertas marítimas e crises político-culturais que culminaram em profundascríticas à Igreja Católica, que evoluíram para Reforma Protestante (a IgrejaCatólica responde com a Contra-Reforma e com a Inquisição).
  4. 4. CONCLUSÃOSe examinarmos a filosofia moderna e medieval, verificamos que, de Sócratesa Tomás de Aquino, o problema que se põe de maneira prevalecente é o quediz respeito ao ser como ser. A filosofia moderna marca uma mudançasubstancial, apresentando, desde o início, acentuada preocupação peloproblema dos limites e das possibilidades do conhecimento e, de maneiraparticular, do conhecimento científico. Essa preocupação pelos fundamentosdas verdades científicas, em atitude de reserva contra meros argumentos deautoridade, acentua-se ainda mais ao se constituírem as duas grandescorrentes, cujo diálogo assinala o sentido dos novos tempos: o racionalismo deDescartes e o empirismo de Bacon.”

×