Your SlideShare is downloading. ×
Histórico da orientação educacional
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Histórico da orientação educacional

28,479
views

Published on

Published in: Technology

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
28,479
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11
Actions
Shares
0
Downloads
419
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Orientação Educacional
  • 2. Revitalizando a Orientação Educacional no Estado do Tocantins Nenhum país alcança pleno desenvolvimento, se não garantir, a todos os cidadãos, em todas as etapas de sua existência, as condições para uma vida digna, de qualidade física, psicológica, social e econômica.
  • 3. Neste contexto a atividade de orientação educacional remete a questões que intercruzam funções não tão claras quanto aparentam ser. O que é ser Orientador? Orientação – ato ou arte de se orientar;direção,rumo,guia,impulso.
  • 4. Histórico da Orientação Educacional A Orientação Educacional surge não de uma necessidade da escola, mas, sim se desenvolve no sistema escolar.A preocupação não estava no desenvolvimento do aluno,mas, sim na formação profissional.
  • 5.
    • 1924 – tem a primeira tentativa de inserção da orientação educacional, em São Paulo, voltada para a escolha profissional como modelo americano.
  • 6.
    • 1940 – A partir desta data a Orientação Educacional é divulgada a nível nacional acompanhada da incentivação de soe em todas as escolas, de acordo dom o Decreto Lei 4.073/42.
  • 7.
    • 1942 a 1946 – São marcos no desenvolvimento da Orientação Educacional:preocupação com a qualificação profissional se atrelava à redefinição político-econômica em curso.Ganhou visibilidade e foi legalmente instituída, tornando-se obrigatória no ensino secundário, primando pela orientação vocacional.
  • 8.
    • 1946 – A União passa a legislar sobre a educação.A Lei 4.024/61 reafirma a necessidade da Orientação Educacional, entretanto falta pessoal habilitado.
  • 9.
    • No período pós 1964, durante a ditadura militar, o curso Pedagogia sofreu reformulações para adequar-se aos princípios vigentes na época.Concepção tecnicista da Educação, de cunho burocrático.
  • 10.
    • A Lei 5.564/68 aponta para o desenvolvimento integral e harmonioso da personalidade do educando.São elaboradas por uma minoria, e que nem sempre estão envolvidas no processo.
  • 11.
    • Entre 1971 a 1980 temos a preparação para mão de obra, LDB 5.692/71, que disciplinou a atuação do OE na escola.Obrigatória no ensino de 1º e 2º graus.
  • 12.
    • Na década de 1980/90 questionamentos da formação profissional e prática do OE.Os Orientadores Educacionais e os Supervisores foram extintos e passaram a fazer parte da ANFOPE(Associação Nacional de Profissionais da Educação).
  • 13. A lei 9.394/96 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, veio consolidar o trabalho do Orientador Educacional nas Unidades Escolares.
  • 14. Em 2001 instituiu-se no Estado do Tocantins a implantação da função do OE, exclusivamente nos centros de Ensino Médio.Orientação do aluno,do professor e da família.
  • 15. Em 2005, fica instituída a função do Orientador Educacional nas Unidades Escolares que atendam o Ensino Fundamental e o Médio da Rede Estadual de Ensino.
  • 16.
    • O Orientador Educacional é por excelência, um promotor de desenvolvimento humano por ser um articulador da relações entre os homens.Logo, Há de se cuidar do Homem .Seu trabalho está pautado no desenvolvimento do educando filosoficamente, psicologicamente, pedagogicamente, politicamente e socialmente.
  • 17. Ninguém é proprietário de um conhecimento, mas sim responsável por um dos fios necessários à tessitura de unir o tapete de saberes e fazeres que só existirá com a troca/trançado de todos os fios necessários. (Alves & Garcia,1999,p.141).