Unesco Agua Vegetacao E Solo Pdf
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Unesco Agua Vegetacao E Solo Pdf

on

  • 7,717 views

 

Statistics

Views

Total Views
7,717
Views on SlideShare
7,695
Embed Views
22

Actions

Likes
1
Downloads
209
Comments
0

3 Embeds 22

http://www.slideshare.net 20
http://webcache.googleusercontent.com 1
http://www.linkedin.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Unesco Agua Vegetacao E Solo Pdf Presentation Transcript

  • 1. Água, Vegetação e Solo no Bioma Cerrado Felipe Ribeiro Assessor da Diretoria da Embrapa
  • 2. Objetivos • Regime Hidrologia no Cerrado – No tempo – No espaço • Os Biomas do Brasil • O bioma Cerrado e suas formações • Flora • Dinâmica da vegetação • Classes de solo • O Cerrado em pe • Implicações na preservação
  • 3. Fonte: Lima, J.E.F.W. & Silva, E.M. (2002) Araguaia Tocantins N 78% 71% W S E São Francisco 47% 94% Paraná Paraguai 48% 71% Grandes Limites da Região Cerrado rios Bacias Bacia Amazônica Bacia do Tocantins Bacia Atlântico Norte/Nordeste AP Hidrográficas Bacia do São Francisco Bacia Atlântico Leste Brasileiras Bacia do Paraguai/Paraná Bacia do Uruguai Bacia Atlântico Sul/Sudeste
  • 4. AP
  • 5. BIOMA CERRADO Fatores condicionantes e compensadores  PRECIPITAÇÃO:750-2000 mm (1500)  ESTAÇÃO SECA:3-4 até 7 mai-set, veranico 1-3 semanas. Temperatura, UR.  ELEVAÇÃO:100-1500 m  LATOSSOLOS AREIAS QUARTZOZAS  PODZOLS E AFLORAMENTOS CALCÁREOS HIDROMÓRFICOS AP 
  • 6. Formação do solo As principais variáveis interdependentes responsáveis pela formação do solo são: clima, organismos, material de origem, relevo e tempo (Reatto et al. 1998). Nos Cerrados predominam solos de baixa fertilidade, ácidos e com altos teores de saturação de alumínio (Adámoli et al., 1987). AP
  • 7. Representatividade: Solos da Região Solos da região do Cerrado* CLASSES DE SOLOS OCORRÊNCIA (%) VEGETAÇÃO NATURAL ASSOCIADA Latossolos 43,1 Cerradão / Cerrado Denso/ Cerrado Típico Latossolo Roxo 3,5 Mata Seca Semidecídua/ Cerradão Terra Roxa Estruturada 1,7 Mata Seca Semidecídua Podzólicos 15,0 Mata Seca Semidecídua/ Cerrado Típico Cambissolo 3,0 Cerrado Típico/ Cerrado Ralo Solos Litólicos 7,2 Campo Rupestre/ Cerrado Rupestre 100% Plintossolos 8,9 Campo Sujo Úmido/ Parque de Cerrado Hidromórficos 2,3 Vereda/ Buritizal Areias Quartzosas 15,1 Cerrado Ralo/ Cerrado Típico AP Outros 0,2 Cerrados *Área total: 204.000.000ha
  • 8. Bioma Cerrado Ribeiro & Walter (1998 Fonte: Ribeiro e Walter
  • 9. Florestas AP
  • 10. Mata Ciliar Vegetação florestal que acompanha as margens dos grandes rios. A vegetação faria o papel dos cílios. Fonte: Ribeiro e Walter
  • 11. Mata de Galeria “Vegetação Florestal que acompanha os rios de pequeno porte e córregos do planalto central do Brasil, formando corredores fechados (galerias) sobre o curso de água.” Fonte: Ribeiro e Walter
  • 12. 10/35 As espécies mais freqüentes nessa fisionomia são: os angicos (Anadenanthera spp), os ingás (Inga spp), os ipês (Tabebuia spp), as perobas (Aspidosperma spp), a aroeira (Myracroduon urundeuva), o xixá (Sterculia striata), o grão-de-galo (Celtis iguanaea), o pajeú (Triplaris gardneriana), o pau-de-jangada (Apeiba tibourbou), tamboril (Enterolobium contortisiliquum), dentre outras.
  • 13. < 10 30 Código Florestal 10 – 50 50 50 – 200 100 Área Preservação 200 – 600 200 Permanente > 600 m 500 m A largura do curso d’água é medida a partir do seu ponto mais alto, ou seja, naquela cota que o curso atinge todos os anos em época de cheia (não considerar as cheias excepcionais). Fonseca et al 2001
  • 14. Espécies indicadoras C. langsdorfi Especialistas (não inundáveis) Preferenciais (não inundáveis) V. sebifera Generalistas T. guianensis Preferenciais inundáveis Clusia spp. Especialistas T. ovata (inundáveis) C. brasiliense Walter 1995
  • 15. Savana e Campo AP
  • 16. Parque de Cerrado
  • 17. Parque de Cerrado 20/35
  • 18. CAMPO LIMPO
  • 19. Vereda a) c) b) Faixas paralelas com três tipos de vegetação: a)campo úmido (brejo estacional de fundo de vale), b)brejo permanente graminoso e na parte mais baixa c)buritizal (Eiten, 1983; Eiten, 2001).
  • 20. Vereda/Campo Limpo úmido • Interface Campo Limpo Úmido e Vereda geram consideráveis variações na distribuição de importantes espécies nestes ambientes. • Zonas de distribuição/dominância entre espécies vêm sendo indicadas.
  • 21. Zonação em Campo Limpo Úmido Leptocoryphium lanatum (Kunth) Nees porção mais úmida Paspalum ellipticum Döll. Drosera sessilifolia A.St.-Hil e P. lineare Trin Sol e agua fresca Nemoto & Ribeiro (2006)
  • 22. Preferenciais (não inundáveis) 500 Cobertura Linear (cm) 400 300 Linha 1 200 Linha 2 100 0 1998 1999 2000 ANO Meirelles et al. 2002 Vochysia pyramidalis Mart
  • 23. Mauritia flexuosa Miconia albicans Trembleya parviflora CT1 CSÚ1 VE Fonte: D.B. Silva
  • 24. Número de Espécies 1000 Lenhosas 12000 2008 Mendonça et al ? 1000 Herbáceas 6600 2000 Florestas 4600 Savanas e Campos 3600 Bioma herbáceas 1000 Lenhosas (38 generalistas) AP Mendonça et al 1998
  • 25. Fatores condicionantes e compensadores Dormência Anonna crassiflora araticum Deiscente Caryocar brasiliense pequi Lavoisiera.bergii Macairea.radula Trembleya.parviflora Miconia.albicans AP Oliveira 1993
  • 26. AP 1 cm
  • 27. Importância dos estudos • A importância dos ambientes ribeirinhos e mal drenados do bioma Cerrado destaca sua influência na manutenção do regime hídrico de rios e perenização dos cursos d’água, • Contém flora específica que contribui significativamente para a grande riqueza florística do bioma. • Refúgio para a fauna (água, alimentação e local para reprodução). • estudos ecofisiológicos amplos resposta das plantas à inundação padrões de adaptação das espécies mais comuns nestes ambientes do Cerrado.
  • 28. Queimadas/Manejo? Focos em 2001 Fatores condicionantes e compensadores N=146.697 Fonte: INPE 70% No. de focos AP Meses Fonte: Machado et al. 2001
  • 29. Projeção do impactos das Mudanças Climáticas na disponibilidade de água no Cerrado (Conservação e uso sustentável do Cerrado
  • 30. 500,00 /ha ou de graça Bolso do Agricultor AP
  • 31. ARROZ SOJA 60/70 1o ano 3o ano 80/90 1o ano 5o ano SOJA Abacaxi SOJA > 90 Correção 1 ano química 4 - 5o ano Milho Banana o Alternativas Perenes ? AP
  • 32. Quantos indivíduos produtivos / ha ? Qual a produção por indivíduo? ARL Cadeia Produtiva Produção anual? Qual o mercado real e potencial (local, regional e mundial)? AUA
  • 33. Espécies companheiras ARL Quantos indivíduos produtivos / ha ? Qual a produção por indivíduo? Cadeia Produtiva Produção anual? Qual o mercado real e potencial (local, regional e mundial)?
  • 34. É isso aí mano, acelera mesmo!
  • 35. AVISO PARA ATACAR ESTA CIDADE VOCE PRECISA SER MAIOR QUE ESTA SETA.
  • 36. Area Reserva Legal APP Área de Uso Alternativo Resumidamente temos a seguinte equação: Área da Propriedade Rural = AUA + RL + APP Onde: Se APP = 0 então RL = 20% e a AUA= 80% Se 0<APP<30% então RL=20% e a AUA vai ser = 100-(RL+APP) Se 30<APP<50% então RL =50-APP e AUA = 50% Se APP>50% então RL = 0 e AUA = 50%
  • 37. Cara, acho que nós não estamos passando qualquer mensagem para aquele sujeito!
  • 38. Encruzilhadas da Era Moderna Gestão Territorial (DIÁLOGO entre parceiros) Governo Inic. Privada Sociedade • Objetivos    • Estratégias    Incongruências e Conflitos
  • 39. Economia Ecológica “Puxando” “Forças atuantes” Incentivos Crédito Sustentavel Mercado Mercado Assistência Manejo Técnica Conservação Nao sustentavel Informação e tecnologia Políticas Públicas AP “Empurrando” Fiscalização Estratégias MMA/MAPA
  • 40. “Commodities” ambientais • A disputa acirrada pela principal matriz das commodities ambientais, a água, é realidade. • Safra 2003/2004, muitos rizicultores ficaram privados da água os tempos de escassez. • Pela primeira vez Justiça impôs normas para o uso da água em Santa Catarina. • Explosão demográfica, a destruição de mananciais, e todos usos modernos, causando grande pressão sobre a água doce.
  • 41. Tendências • Apesar da “crise na agricultura” a agricultura/ ocupação humana continua a expandir • Nível de impacto atual x tendências das futuras pressões antrópicas (agroenergia).
  • 42. Conclusões • Sucesso de estratégias de recuperação/preservação devem considerar: – diagnóstico das propriedades – percepção dos produtores – motivos que levaram ao desmatamento • Agricultores são gerentes dos recursos naturais. (Manejo)
  • 43. Volume I C 1: O conceito de savana e seu componente Cerrado C 2: Ocupação indígena do Cerrado C 3: Caracterização climática do bioma Cerrado C 4: Recursos hídricos do bioma Cerrado: importância e situação C 5: Solos do bioma Cerrado: aspectos pedológicos C 6: As principais fitofisionomias do bioma Cerrado C 7: Padrões fitogeográficos e sua relação com sistemas de terra no bioma Cerrado C 8: Ecorregiões, unidades de conservação e representatividade ecológica C 9: Fenologia e biologia reprodutiva C 10: Biologia reprodutiva de plantas herbáceo-arbustivas C 11: Coleta, propagação e desenvolvimento inicial de plantas do Cerrado C 12: Frutas nativas do Cerrado C 13: Conseqüências ambientais da fragmentação de ambientes no Cerrado C 14: Conservação dos recursos naturais em terras privadas: O papel das ARLs Volume II (em CD-Rom) C 14. Flora vascular do bioma Cerrado: checklist com 12.423 espécies
  • 44. Cuidar do desconhecido •Sempre tem alguém “rio abaixo” •Analisar o que vem na frente