Prof. Wandick Rocha
www.wandickrocha@yahoo.com.br
http://contabilidademais.blogspot.com.br/

POSTULADOS, PRINCÍPIOS E CONV...
Prof. Wandick Rocha
www.wandickrocha@yahoo.com.br
http://contabilidademais.blogspot.com.br/

POSTULADOS, PRINCÍPIOS E CONV...
Prof. Wandick Rocha
www.wandickrocha@yahoo.com.br
http://contabilidademais.blogspot.com.br/

A aplicação adequada do Postu...
Prof. Wandick Rocha
www.wandickrocha@yahoo.com.br
http://contabilidademais.blogspot.com.br/

Postulado da Continuidade
A c...
Prof. Wandick Rocha
www.wandickrocha@yahoo.com.br
http://contabilidademais.blogspot.com.br/

histórico). Os ativos, como r...
Prof. Wandick Rocha
www.wandickrocha@yahoo.com.br
http://contabilidademais.blogspot.com.br/

única moeda. No Brasil, a uti...
Prof. Wandick Rocha
www.wandickrocha@yahoo.com.br
http://contabilidademais.blogspot.com.br/

O reconhecimento da receita i...
Prof. Wandick Rocha
www.wandickrocha@yahoo.com.br
http://contabilidademais.blogspot.com.br/


As vendas de mercadorias re...
Prof. Wandick Rocha
www.wandickrocha@yahoo.com.br
http://contabilidademais.blogspot.com.br/

Sustentação e prática da obje...
Prof. Wandick Rocha
www.wandickrocha@yahoo.com.br
http://contabilidademais.blogspot.com.br/

Convenção da Materialidade
Es...
Prof. Wandick Rocha
www.wandickrocha@yahoo.com.br
http://contabilidademais.blogspot.com.br/

As informações a serem divulg...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Postulados, Princípios e Convenções Contábeis

11,660

Published on

Teoria geral da contabilidade sobre os Postulados, Princípios e Convenções Contábeis.

Published in: Education
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
11,660
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
244
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Postulados, Princípios e Convenções Contábeis

  1. 1. Prof. Wandick Rocha www.wandickrocha@yahoo.com.br http://contabilidademais.blogspot.com.br/ POSTULADOS, PRINCÍPIOS E CONVENÇÕES CONTÁBEIS Os dados, informações e valores somente assumem seu real significado e importância à medida que possam ser comparados com outros valores similares ou equivalentes. Dessa forma, os usuários das demonstrações contábeis analisam a situação ou os resultados de uma empresa sempre com bases comparativas. tais comparações podem ser feitas com dados de outras empresas ou de setores econômicos, ou ainda, com os dados de períodos anteriores da própria empresa ou dos diversos segmentos econômicos. Esse é um dos fatores que determinam a necessidade de princípios fundamentais de contabilidade aplicados de forma consistente. Isso significa que todas as empresas baseiam-se em certos princípios, tornando as informações contábeis compatíveis e consistentes entre si. DEFINIÇÃO DE PRINCÍPIOS CONTÁBEIS De acordo com o trabalho "Estrutura Conceitual Básica de Contabilidade" desenvolvido pelo Instituto Brasileiro de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (IPECAFI) transformado em pronunciamento pelo Instituto Brasileiro de contadores (IBRACON) e aprovado pela Comissão de Valores Mobiliários(CVM), define: "Os Princípios Contábeis constituem o núcleo central da estrutura contábil." Resultam do desenvolvimento da aplicação prática de técnicas emanadas da contabilidade, de uso predominante do meio em que se aplicam, proporcionando interpretação uniforme das demonstrações contábeis. CONDIÇÕES PRA UM PRINCÍPIO CONTÁBIL SER ACEITO Para que um princípio contábil seja aceito e adotado na prática, ele deve ser: útil, objetivo e prático. A aceitação de um princípio ou prática contábil geralmente depende de como este atende a esses três critérios.    Um princípio contábil é útil no sentido de que ele resulte informação significativa e valiosa aos usuários da contabilidade sobre as operações da empresa. Um princípio contábil é objetivo até onde a informação não sofre influência por inclinações pessoais ou juízo dos que a fornecem. Um princípio contábil é praticável até onde possa ser efetuado sem complexidade ou custos indevidos. No desenvolvimento dos princípios contábeis o problema essencial é determinar o correto equilíbrio entre a utilidade por um lado e a objetividade e a praticabilidade de outro. 1
  2. 2. Prof. Wandick Rocha www.wandickrocha@yahoo.com.br http://contabilidademais.blogspot.com.br/ POSTULADOS, PRINCÍPIOS E CONVENÇÕES CONTÁBEIS Os vários autores e as pesquisas sobre o assunto têm assumido posições diversas sobre os conceitos da estrutura básica da contabilidade. Esses conceitos básicos são, na realidade, as premissas sobre as quais se assentam posteriormente todas as normas e procedimentos que, na prática, nada mais são do que aplicações dos princípios básicos às diversas situações específicas de cada tipo de entidade. Examinaremos os conceitos básicos (postulados, princípios e convenções) contábeis. Os princípios fundamentais de contabilidade classificam-se em três categorias básicas:    Postulados Ambientais da Contabilidade - definem as condições sociais, econômicas e institucionais dentro das quais a contabilidade atua. Princípios Contábeis Propriamente Ditos - constituem o núcleo central da estrutura contábil. Convenções Contábeis - representam as normas e procedimentos que qualificam e delimitam a aplicação prática dos princípios contábeis. POSTULADOS CONTÁBEIS Postulados contábeis são comumente chamados de "Pilares da Contabilidade", por serem a base de toda a teoria contábil. O Postulado da Entidade estabelece o Patrimônio como sendo o objeto da Contabilidade e afirma a necessidade de diferenciação do patrimônio próprio com o patrimônio da entidade jurídica, independentemente de pertencer a uma pessoa, um conjunto de pessoas, uma sociedade ou instituição de qualquer natureza ou finalidade, com ou sem fins lucrativos. É imprescindível distinguir corretamente a pessoa física da pessoa jurídica. O Postulado da Continuidade prevê que o processo contábil deve ser desenvolvido supondo-se que a entidade nunca terá um fim ou seja sem prazo estimado de duração. A suspensão das suas atividades pode provocar efeitos na utilidade de determinados ativos, com a perda, até mesmo integral, de seu valor. A queda no nível de ocupação pode também provocar efeitos semelhantes. Postulado da Entidade A contabilidade é mantida para as entidades; seus sócios ou quotistas, sejam eles pessoas físicas ou jurídicas, não se confundem com estas para efeito contábil. 2
  3. 3. Prof. Wandick Rocha www.wandickrocha@yahoo.com.br http://contabilidademais.blogspot.com.br/ A aplicação adequada do Postulado da Entidade traduz a capacidade que a contabilidade tem de não confundir os interesses e registros contábeis da entidade com os de seus sócios ou quotistas. Suponhamos que em uma sociedade anônima o ativo, o passivo e o patrimônio líquido pertençam à entidade; os sócios não têm direito a parcelas do patrimônio líquido até que a assembleia destine parte dos lucros obtidos à distribuição. Se o acionista retirar o dinheiro da empresa antes da determinação da assembleia, a contabilidade deverá registrar que a entidade possui esse valor a receber do acionista, na forma de empréstimo. Ou ainda, que em uma empresa, o proprietário pode retirar fisicamente o dinheiro do próprio bolso para pagar uma obrigação da empresa; todavia a contabilidade da empresa como "saída" do caixa da empresa, mas, primeiramente como empréstimo do próprio proprietário à empresa para, em seguida, contabilizar o pagamento. A necessidade da contabilidade em separar o patrimônio de uma empresa do patrimônio de seus proprietários é muito mais profunda do que possa parecer à primeira vista. Sua abrangência vai além do conceito jurídico de entidade que historicamente justifica este postulado. Quanto mais a contabilidade evolui e se afirma no mundo dos negócios, como a grande fonte de informações para finalidades gerenciais e externas, mais o Postulado da Entidade tende a ser visto e entendido também do ponto de vista econômico, além, naturalmente, do ponto de vista jurídico. Com essa nova visão, se houver várias entidades jurídicas que compõem uma única unidade econômica, deverá haver demonstrações contábeis para o conjunto (entidade econômica), além das válidas para cada sociedade individualmente (sociedade jurídica). É o caso da Consolidação das Demonstrações Financeiras. Além disso, se houver também várias entidades jurídicas com algum grau de interesse comum (no caso de coligadas e controladas), o Postulado da Entidade pressupõe que, pelo fato de uma empresa ter investido em outra, deve tratá-lo como se parte dos resultados da investida lhe pertence. É a origem do Método da Equivalência Patrimonial na avaliação de investimentos. A entidade macroeconômica é tão importante, que em alguns países acaba sendo a única entidade a ter sua demonstrações contábeis efetivamente publicadas divulgadas junto ao grande público. As demonstrações individuais das diversas pessoas jurídica que compõem essa macroentidade passam a ser secundárias, tornando-se às vezes nada mais que apêndices a constarem nas Notas Explicativas da entidade maior consolidada. 3
  4. 4. Prof. Wandick Rocha www.wandickrocha@yahoo.com.br http://contabilidademais.blogspot.com.br/ Postulado da Continuidade A contabilidade efetua a avaliação do patrimônio e o registro de suas mutações, considerando que a entidade, até evidências em contrário, tem sua vida continuada ao longo do tempo, ou seja, na definição de seus critérios de avaliação a contabilidade vê a entidade como algo em movimento contínuo, destinada não à liquidação ou qualquer forma de extinção, mas sim a continuar de maneira indefinida. O entendimento do Postulado da Continuidade é muito importante, pois dele deriva o conceito de que a base dos registros dos ativos na contabilidade é o valor de entrada ou valor de custo (podendo ser custo histórico, ou custo corrigido, dependendo do tipo de ativo). O raciocínio é simples: na liquidação de uma empresa (caso típico da descontinuidade das operações), o tipo de valor relevante é o valor de realização ou o valor de venda, pois precisamos nos desfazer de todos os ativos a fim de saldarmos as obrigações existentes (passivo); desta forma, o critério de avaliação é o valor de saída. Assim, recursos adquiridos, mas ainda não utilizados, são evidenciados pelo seu valor de compra (valor de custo), e não pelo valor que a empresa poderia obter vendendo-os. O valor de venda de equipamentos utilizados na produção das atividades de uma empresa, por exemplo, é secundário, pois presume-se que esses ativos não serão vendidos, mas usados na criação de produtos e serviços, portanto na continuidade das operações. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS PROPRIAMENTE DITOS Princípios Contábeis são a padronização das técnicas contábeis adotadas pela maioria dos profissionais, com o intuito de normalizar os lançamentos e relatórios, para um melhor controle do patrimônio da entidade.      Oportunidade Registro pelo valor original Atualização monetária Competência Prudência Princípio do Custo como Base de Valor Este princípio estabelece que um ativo é incorporado nos registros contábeis pelo custo de aquisição (preço pago para adquiri-lo mais os gastos necessários para colocá-lo em condições de funcionamento), ou pelo custos dos insumos utilizados para fabricá-lo. Este valor é a base para todas as contabilizações subsequentes relativas ao uso do ativo. O resultado da adoção do Princípios Contábeis propriamente ditos significa que a base inicial de avaliação dos patrimônios é o seu valor de aquisição (custo 4
  5. 5. Prof. Wandick Rocha www.wandickrocha@yahoo.com.br http://contabilidademais.blogspot.com.br/ histórico). Os ativos, como regra, não devem ser avaliados pelo que valeriam se comprados na data do balanço, ou ainda por quanto poderiam se vendidos nessa mesma data; devem se avaliados por quanto custaram para que esse custo seja cotejado com a receita que eles produzirão. Ainda que, de certa forma, a adoção deste princípio decepcionem aqueles que desejariam observar, através das demonstrações contábeis, o retrato atualizado, em termos de valor, da empresa. O grande mérito do uso custo histórico está na avaliação do lucro no momento em que esses ativos forem sendo consumidos, vendidos, baixados, etc. Nesse momento as receitas produzidas são cotejadas com o valor investido na aquisição de tais ativos, obtendo-se desta forma apurações mais corretas de lucro. Falar em custo histórico sem se falar em correção monetária é, para casos de países com inflação significativa, distorcer-se o princípio doutrinário do custo como base de valor. No Brasil, assim como em outros países, são admitidas algumas formas de reconhecimento contábil das variações do poder aquisitivo da moeda, que estão razoavelmente próximas da que seria ideal. Teremos então um custo histórico corrigido monetariamente, o que não invalida a regra geral deste princípio, mas restaura o valor original dos custos históricos (com base na moeda da data de incorporação dos ativos), por um índice geral de preço que represente a variação média do poder de compra dessa moeda no período. Desse princípio decorre também a regra contábil de avaliação de certos ativos, como estoques e títulos negociáveis pelo custo ou mercado dos dois o menor, como veremos mais adiante quando comentarmos a Convenção do Conservadorismo. Princípio do Denominador Comum Monetário Este princípio estabelece que as demonstrações contábeis, sem prejuízo dos registros detalhados de natureza qualitativa e física, serão expressas em termos de moeda nacional de poder aquisitivo na data do último balanço patrimonial. Segundo o Princípio do Denominador Comum Monetário, todos os elementos componentes do patrimônio devem estar avaliados em uma única moeda para que possam ser somados e comparados. A parte fundamental dele e que não tem sido seguida à risca em vários países, inclusive no Brasil, é a de que a moeda tem de ser sempre a mesma; se se compararem balanços de datas diferentes, a comparação terá de ser feita em moedas iguais, do mesmo modo que, ao somar receitas e despesas de um período, a soma deverá ser feita em moedas iguais. O princípio do Denominador Comum Monetário traduz em sua essência que o denominador constante em todos os elementos patrimoniais deve ser uma 5
  6. 6. Prof. Wandick Rocha www.wandickrocha@yahoo.com.br http://contabilidademais.blogspot.com.br/ única moeda. No Brasil, a utilização dele considera o real como uma unidade padrão de medida, da mesma forma que o metro, o litro ou outras e, a despeito sistema atual de correção monetária patrimonial, as demonstrações contábeis ainda apresentarão distorções quando publicadas ao lado das de períodos anteriores, pois as contas estarão expressas em moedas de poder aquisitivo diferente, comprometendo o efeito da comparabilidade de valores. Princípio da Prudência O Princípio da Prudência especifica que ante duas alternativas, igualmente válidas, para a quantificação da variação patrimonial, será adotado o menor valor para os bens ou direitos e o maior valor para as obrigações ou exigibilidades. Assim, quando se apresentarem opções igualmente aceitáveis diante dos outros princípios fundamentais de contabilidade será escolhida a opção que diminui ou acrescenta menos valor ao Patrimônio Líquido. Baseia-se na premissa de nunca antecipar lucros e sempre prever possíveis prejuízos. Essencialmente resulta na adoção do menor valor para os componentes do Ativo e do maior valor para os componentes do Passivo, sempre que apresentarem alternativas igualmente válidas para o registro contábil. Isto, é claro, refletirá diretamente na Patrimônio Líquido da empresa. Desse modo, a aplicação do princípio da prudência resulta na obtenção do menor Patrimônio Líquido, entre aqueles possíveis diante de procedimentos alternativos de avaliação de fatos contabilizáveis. Esse princípio tem por objetivo não registrar antecipadamente nenhum lucro e, de outro lado, registrar todas as despesas e perdas que forem possíveis. Ou seja, nunca permitir que a contabilidade da empresa indique a existência de lucros que possam estar superestimados pela adoção de um critério, entre dois ou mais possíveis, que eventualmente venha a não corresponder à realidade. A correta aplicação do princípio da prudência visa impedir que prevaleçam, na escrituração contábil, juízos puramente pessoais ou outros interesses. Resumindo: Entre várias alternativas válidas, para as receitas considere a menor e para despesas o valor maior. Exemplo: Dívida trabalhista a empresa prevê pagar um ação entre 2000 e 5000 reais. Então registra na contabilidade o valor maior mesmo que exista um pouco mais de chance de pagar um valor menor. Princípio da Realização da Receita Este princípio estabelece que a receita deve ser reconhecida contabilmente no momento em que é realizada; e a realização ocorre quando da troca das mercadorias, bens ou serviços por dinheiro ou títulos de crédito, ou seja, no momento em que:   Se dá a transmissão da propriedade; ou Os produtos ou serviços são colocados à disposição do cliente. 6
  7. 7. Prof. Wandick Rocha www.wandickrocha@yahoo.com.br http://contabilidademais.blogspot.com.br/ O reconhecimento da receita implica reconhecimento do lucro (ou prejuízo) e, portanto, receitas e despesas são duas facetas de um mesmo problema geral, embora, no tempo, primeiro se reconheça a receita e, em seguida, a despesa, direta ou indiretamente associada. A fim de podermos colocar os produtos ou serviços à disposição do cliente (realizar receita) é preciso satisfazer plena e concomitantemente as seguintes,condições: 1. Existência de um preço de transferência dos produtos ou serviços perfeitamente definido (verificável através de contrato, nota fiscal, fatura, etc.) 2. Estejam totalmente concluídos os produtos ou serviços (o esforço em produzir e distribuir tem que estar integralmente desenvolvido). 3. Existência de conhecimento preciso do custo dos produtos ou serviços, inclusive os desembolsos futuros que, pela competência, estão associados às vendas (tais como comissões, serviços de garantia, devedores duvidosos ou insolúveis, etc.). A aplicação prática deste princípio e os problemas específicos de reconhecimento de receitas para determinados ramos de atividade (tais como imobiliárias e empresas de construção a longo prazo), seão vistos numa próxima oportunidade em outro artigo. Princípio da Competência dos Exercícios Princípio do Confronto das Despesas com Receitas e com os Períodos Contábeis Este princípio estabelece que as despesas e perdas ocorridas em um determinado período contábil deverão ser confrontadas com as receitas reconhecidas nesse mesmo período ou a ele atribuídas. A base co confronto, entretanto, não está relacionada ao aspecto financeiro (recebimento de receitas e pagamento das despesas), mas às receitas reconhecidas (auferidas) e às despesas incorridas (consumidas) no período. O que importa é o fato gerador e não o pagamento ou recebimento de numerário. Assim, desde que a receita tenha sido reconhecida (Princípio da Realização da Receita), todos os custos e despesas que tenham contribuído para realização daquela receita, independentemente do período de desembolso, devem também ser reconhecidos e contrapostos às mesmas. Ve3jamos alguns exemplos:    As despesas de pessoal do mês de dezembro (folha de pagamento e encargos) devem ser lançados no mês de dezembro, mesmo que o pagamento venha a ocorrer no mês de janeiro. A despesa com Imposto de Renda deve ser lançada no exercício dos lucros a que se refere e não no exercício em que é paga. As despesas de comissões sobre vendas devem ser reconhecidas no mês em que se registram as vendas correspondentes, ainda que o pagamento ao vendedor seja vinculado ao recebimento do cliente. 7
  8. 8. Prof. Wandick Rocha www.wandickrocha@yahoo.com.br http://contabilidademais.blogspot.com.br/  As vendas de mercadorias realizadas no mês de dezembro devem ser reconhecidas no mesmo mês, ainda que sejam recebidas em meses posteriores. Por outro lado, há certos tipos de despesas, para as quais nem sempre se consegue relacioná-las diretamente com as receitas de períodos determinados, cujo trabalho contábil diferenciado pode causar distorções e sérias dificuldades na comparabilidade das demonstrações contábeis. Alguns casos típicos dessas despesas são os de organização e implantação da sociedade, fundo de comércio (goodwill) ou item como gastos com pesquisas e desenvolvimento de produtos. Muitas empresas tendem a ativar todo e qualquer gasto com pesquisa e desenvolvimento para apropriá-lo como despesa de uma forma mais ou menos arbitrária. Outras preferem descarregar tais gastos como despesa, à medida que vão ocorrendo; outras ainda apropriam apenas as parcelas necessárias para sustentar a atividade nominal dos departamentos de pesquisa e desenvolvimento (despesas fixas), ativando os gastos variáveis capazes de gerar futuramente receitas específicas. Como norma geral devemos ativar os gastos apenas se conhecermos adequadamente quais períodos e receitas futuras vão beneficiar; todavia, na prática isso é relativamente difícil. CONVENÇÕES CONTÁBEIS As Convenções Contábeis são conceitos para servirem como um guia para o profissional da área contábil, normatizando padrões de conduta na hora de escriturar os fatos contábeis, tais como:     Objetividade Conservadorismo Materialidade Consistência Convenção da Objetividade Esta convenção estabelece que a contabilidade de abster-se ao máximo possível dos subjetivismos e das avaliações calcadas exclusivamente do entendimento pessoal, individuais, e ater-se a critérios realmente objetivos, se possível (e sempre que possível) documentais, que permitam um maior nível de credibilidade por parte de todos usuários da informação contábil. A observância a essa convenção visa reduzir-se ao mínimo ou eliminar as áreas em que os Princípios Contábeis podem ter mais de uma aplicação. Assim, entre vários procedimentos alternativos tenderemos a escolher sempre o mais objetivo. 8
  9. 9. Prof. Wandick Rocha www.wandickrocha@yahoo.com.br http://contabilidademais.blogspot.com.br/ Sustentação e prática da objetividade:    Os registros contábeis das transações devem ser efetuados, sempre que possível, em documentos adequados, normas e procedimentos escritos, e práticas geralmente aceitas no ramo de atividade específica. A credibilidade tem preferência na avaliação dos elementos patrimoniais tangíveis, embora os intangíveis sejam, via de regra, economicamente significativos. A contabilidade deve manter-se neutra em relação aos sócios, gerência e investidores. Desta forma. quanto mais objetivo se é, mais neutro tende-se a ser. Há que se tomar o devido cuidado, entretanto, para que a objetividade exagerada não prejudique em demasia as demonstrações financeiras. Nesses casos, o julgamento e o bom senso profissional devem prevalecer, transformando o conceito de objetividade no resultado de um consenso profissional sobre a melhor maneira de enfrentar certas situações, mesmo que sob um ponto de vista mais imediastista, não pareça objetiva. Convenção do Conservadorismo No caso de hipóteses diferente, igualmente válidas sob o ponto de vista dos Princípio Contábeis, a contabilidade deve optar sempre pela alternativa de avaliação que resume em menor lucro, assim:   Devem ser contabilizadas imediatamente todas as despesas ou perdas conhecidas, ainda que não realizadas. Devem ser adiadas até sua efetiva realização todas as receitas, ainda que conhecidas com razoável segurança. O conservadorismo deve ser encarado como um guia de procedimentos quando o contador defrontar-se com várias alternativas de avaliação dos ativos, e como uma atitude "vocacional" da profissão perante os vários grupos interessados nas demonstrações financeiras. Ele influencia o princípio do custo como base de avaliação, principalmente na categoria de ativos denominados ativos correntes, quando o modifica, criando, no caso dos estoques, a regra de custo ou mercado dos dois o menor. A posição adequada é considerar a hipótese que resulte no valor mais baixo do ativo (assim como em caso análogo deveria optar pela alternativa que resultasse no valor mais alto para o passivo). A única ressalva para a "atitude conservadora" do contador é em não aplicá-la com exagero. Sua aplicação irrestrita pode levar à perda de controle de seus efeitos, quando se verificar, de um período para outro, reversões nas expectativas e nos preços. 9
  10. 10. Prof. Wandick Rocha www.wandickrocha@yahoo.com.br http://contabilidademais.blogspot.com.br/ Convenção da Materialidade Esta convenção estabelece que a contabilidade não deve se preocupar com valores ou fatos irrelevantes, tanto do ponto de vista de registro como do de controle. Se uma empresa fez um empréstimo de valor pequeno a um terceiro qualquer, cobrando juros, não precisa se preocupar em apropriar essa receita financeira exatamente dentro do regime de competência, já que o valor envolvido é insignificante e sua contabilização será totalmente aceitável quando efetivamente recebido. A compreensão exata da Convenção da Materialidade depende do entendimento de que o custo adicional para proporcionar certas informações exatamente detalhadas e em períodos muito curtos, via de regra, é maior que os benefícios adicionais gerados e, portanto, não valem a pena. Convenção da Consistência (ou Uniformidade) Esta convenção estabelece que, desde que se tenha adotado determinado critério contábil, este não deve ser alterado ao longo do tempo, permanecendo uniforme para não prejudicar a comparabilidade e o poder de previsão das demonstrações financeiras. A consistência ou uniformidade representa um dos conceitos mais importantes em todo esquema contábil. Entretanto, a obediência a tal convenção não significa que não possa adotar um novo critério contábil, principalmente quando as condições aconselho essa mudança; apenas se deve fazer a devida menção nas demonstrações financeiras, indicando qual a mudança e quais os seus efeitos sobre o resultado do exercício e sobre o patrimônio líquido. essa menção da mudança e do valor dos seus efeitos é considerado obrigatório pela Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades Anônimas) ADENDO - Evidenciação Contábil Embora muitos estudiosos de notoriedade contábil especifique a Evidenciação como uma Convenção Contábil, esta não é um Princípio, Postulado ou Convenção, mas sim um objetivo da contabilidade. A evidenciação é uma espécie de canal, um elo de ligação, entre os postulados e os objetivos contábeis, ou seja, é o meio que permite à contabilidade atingir seus objetivos. Podemos constatar que, contrariamente ao passado não muito remoto em que se ressaltava os aspectos de registro e de mensuração da contabilidade, as definições atuais enfatizam o processo de comunicação de informações e, por consequência, o atendimento das necessidades, pelo menos parciais, dos diversos usuários da contabilidade. 10
  11. 11. Prof. Wandick Rocha www.wandickrocha@yahoo.com.br http://contabilidademais.blogspot.com.br/ As informações a serem divulgadas devem ser primariamente objetivas, O que não quer dizer que não possam ser divulgadas outras informações decorrentes de avaliações consideradas não tão objetivas, como por exemplo o goodwill formado nas empresas, o valor de reposição, a projeção de resultado etc. Julgamos que este problema seria, também bastante minimizado se a contabilidade atingisse o estagio de emitir relatórios diferenciados para cada extrato de usuários. A Evidenciação também se liga à convenção da Consistência, na medida em que esta estabelece a adoção de critérios uniformes ao longo do tempo, afim de que os usuários tenham possibilidade de delinear a tendência de uma entidade, com o menor grau de dificuldade possível. Na medida em que haja alguma impossibilidade (até mesmo de ordem legal) para que as demonstrações contábeis reflitam uma realidade econômica, esse fato deve de alguma forma ser divulgado a de permitir uma adequada avaliação da entidade. Colocadas todas essas definições sobre os objetivos da contabilidade e sobre a extensão do processo de Evidenciação, o entendimento é de que a contabilidade deve ser capaz (ou estar o mais próximo possível) de produzir informações úteis para todos os tipos de usuários interessados, internos ou externos. 11

×