Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
4 semestre trabalho individual analise e desenvolvimento de sistemas 2014
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

4 semestre trabalho individual analise e desenvolvimento de sistemas 2014

  • 1,650 views
Published

 

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,650
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
67
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Brasília 2014 WANDERSON JONER SILVA CRUZ SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DA INFORMAÇÃO: Desenvolvimento orientado a objetos; Redes de computadores; Modelagem orientada a objetos
  • 2. Brasília 2014 FUNDAMENTOS DA INFORMAÇÃO: Desenvolvimento orientado a objetos; Redes de computadores; Modelagem orientada a objetos Trabalho de Fundamentos da Informação apresentado à Universidade Norte do Paraná - UNOPAR, como requisito parcial para a obtenção de média semestral na disciplina de Análise de Desenvolvimentos de Sistemas de Informação. Orientador: Prof. WANDERSON JONER SILVA CRUZ
  • 3. SUMÁRIO 2 INTRODUÇÃO......................................................................................................................................3 3 OBJETIVO................................................................................................................3 4. DESENVOLVIMENTO..........................................................................................................................4 4.1 Pesquisa sobre Banco de Dados Orientados à Objetos .......................4 à 7 4.1.1. Descreva sua aplicação e seu mecanismo de funcionamento....................7 à 8 4.1.2. Qual é a diferença entre banco de dados orientado a objeto e banco de dados relacional...........................................................................................8 à 13 4.2. Pesquise sobre ORM – Mapeamento Objeto Relacional.........................13 à 14 4.2.1 Como desenvolver utilizando o modelo orientado a objetos com um banco de dados relacional.............................................................................................14 4.2.2. O que é ORM e para que é utilizado..................................................................14 4.2.3. Quais ferramentas estão disponíveis hoje no mercado.......................15 4.2.4. Quais a vantagens e desvantagens de se usar uma ferramenta ORM..........15 5. CONCLUSÃO.......................................................................................... .16 6. ANEXOS......................................................................................................16 à 17 7. Biliografia ............................................................................................................17
  • 4. 3 2 INTRODUÇÃO No contexto abaixo Abordaremos os seguintes assuntos banco de dados orientado a objeto onde falaremos sobre as suas aplicações e seu mecanismo de funcionamento e buscando saber as diferença entre banco de dados orientado a objeto e banco de dados relacional também abordaremos ORM (object relational mapper)- mapeamento objeto relacional e como desenvolver utilizando o modelo orientado a objeto com banco de dados relacional e, para que é utilizado o ORM nos preocupando como saber quais sãos as vantagens e desvantagens de se usar uma ferramenta ORM e as ferramentas disponível no mercado. 3. OBJETIVO Tenho como objetivo me especializar de maneira que venho a conseguir suprir o mercado com minha especialização oferecendo uma melhor maneira para desenvolver software de boa qualidade. Visando atender o mercado de software e possibilitando melhor desempenho e automação nas empresas onde o projeto for desenvolvido.
  • 5. 4 4. DESENVOLVIMENTO 4.1 Pesquisa sobre Banco de Dados Orientados à Objetos – Seção Primária Banco de dados orientado a objetos Um banco de dados orientado a objetos é um banco de dados em que cada informação é armazenada na forma de objetos, ou seja, utiliza a Estrutura de dados denominada Orientação a objetos, a qual permeia as linguagens mais modernas. O gerenciador do banco de dados para um orientado a objeto é referenciado por vários como ODBMS ou OODBMS. Existem dois fatores principais que levam a adoção da tecnologia de banco de dados orientados a objetos. A primeira, é que em um banco de dados relacional se torna difícil de manipular com dados complexos (esta dificuldade se dá pois o modelo relacional se baseia menos no senso comum relativo ao modelo de dados necessário ao projeto e mais nas contingências práticas do armazenamento eletrônico). Segundo, os dados são geralmente manipulados pela aplicação escrita usando linguagens de programação orientada a objetos, como C++, C#, Java,Python ou Delphi (Object Pascal), e o código precisa ser traduzido entre a representação do dado e as tuplas da tabela relacional, o que além de ser uma operação tediosa de ser escrita, consome tempo. Esta perda entre os modelos usados para representar a informação na aplicação e no banco de dados é também chamada de “perda por resistência. HISTÓRIA Os sistemas de gerenciamento de banco de dados orientado a objetos cresceram fora das pesquisas durante o começo da metade dos anos 80, buscando ter sustentação intrínseca da gerência da base de dados para objetos gráfico-estruturados. O termo “sistema de banco de dados orientado a objetos” surgiu originalmente por volta de 1985. Projetos de pesquisa notáveis incluem Encore- Ob/Server (Brown University), EXODUS (University of Wisconsin), IRIS (Hewlett-Packard), ODE (Bell Labs), ORION (Microelectronics and Computer Technology Corporation or MCC), Vodak (GMD-IPSI), e Zeitgeist (Texas Instruments). O projeto ORION teve mais artigos publicados do que qualquer outro. Won Kim, do MCC, compilou os melhores destes artigos num livro publicado pelo MIT Press. Surgiram produtos comerciais, como o GemStone (Servio Logic, alterado para GemStone Systems), Gbase (Graphael), e Vbase (Ontologic). No começo da metade dos anos 90 vimos novos produtos comerciais entrarem no mercado. Deste inclui-se ITASCA (Itasca Systems), Matisse (Matisse Software), Objectivity/DB (Objectivity, Inc.), ObjectStore (Progress Software, adquirido pela eXcelon, a qual era originalmente Object Design), ONTOS (Ontos, Inc., alterado para Ontologic), O22 (O2 Technology, surgiu de várias companhias, adquirido pela Informix, qual por sua vez foi adquirida pela IBM), POET (agora da FastObjects da Versant que adquiriu a Poet Systems), e Versant Object Database (Versant Corporation). Alguns destes produtos se mantem no mercado, tendo alguns se unido com novos produtos. Os Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados Orientados a Objetos adicionaram o conceito de persistência à programação orientada a objetos. No início os produtos comerciais eram integrados com várias linguagens GemStone (Smalltalk), Gbase (Lisp), e Vbase (COP). O COP era o C Object Processor, uma linguagem proprietária baseada no C ( COP é diferente de C++. Apesar de
  • 6. 5 ambas terem C como base C++ também foi influenciada Pela Simula). Durante praticamente todos os anos 90, o C++ dominou o mercado comercial de Gerenciadores de Banco de Dados Orientados a Objetos. Os vendedores acrescentaram o Java no final dos anos 90 e mais recentemente o C#. RECURSOS TÉCNICOS Num banco de dados orientado a objetos puro, os dados são armazenados como objetos onde só podem ser manipulados pelos métodos definidos pela classe de que estes objetos pertencem. Os objetos são organizados numa hierarquia de tipos e subtipos que recebem as características de seus supertipos. Os objetos podem conter referências para outros objetos, e as aplicações podem conseqüentemente acessar os dados requeridos usando um estilo de navegação de programação. A maioria dos bancos de dados também oferecem algum tipo de linguagem de consulta, permitindo que os objetos sejam localizados por uma programação declarativa mais próxima. Isto é, na área das linguagens de consulta orientada a objetos. A integração da consulta com a interface de navegação faz a grande diferença entre os produtos que são encontrados. Uma tentativa de padronização foi feita pela ODMG (Object Data Management Group) com a OQL (Object Query Language). O acesso aos dados pode ser rápido porque as junções geralmente não são necessárias (como numa implementação tabular de uma base de dados relacional), isto é, porque um objeto pode ser obtido diretamente sem busca, seguindo os ponteiros. Outra área de variação entre os produtos é o modo que este schema do banco de dados é definido. Uma característica geral, entretanto, é que a linguagem de programação e o schema do banco de dados usam o mesmo modo de definição de tipos. Aplicações multimídia são facilitadas porque os métodos de classe associados com os dados são responsável pela correta reprodução. Muitos bancos de dados orientados a objetos oferecem suporte a versões. Um objeto pode ser visto de todas as várias versões. Ainda, versões de objetos podem ser tratadas como objetos na versão correta. Alguns bancos de dados orientados a objetos ainda provêem um suporte sistemático a triggers e constraints que são as bases dos bancos ativos. VANTAGENS E DESVANTAGENS Benchmarks entre ODBMSs e relacionais DBMSs tem mostrado que ODBMS podem ser claramente superiores para certos tipos de tarefas. A principal razão para isto é que várias operações são feitas utilizando interfaces navegacionais ao invés das relacionais, e o acesso navegacional é geralmente implementado de forma muito eficiente por ponteiros. Críticos das tecnologias baseadas em Bancos de Dados Navegacionais, como os ODBMS, sugerem que as técnicas baseadas em ponteiros são otimizadas para “rotas de pesquisa ou pontos de vista muito específicos. Entretanto, para o propósito de consultas gerais a mesma informação, técnicas baseadas em ponteiros tenderão a ser mais lentas e mais difíceis de formular do que as relacionais. Desta maneira, a abordagem navegacional parece simplificar para usos dos específicos conhecidos às custas do uso geral, ignorando usos futuros.
  • 7. 6 Outra coisa que trabalha contra os ODBMS parece ser a perda da interoperabilidade com um grande número de ferramentas/características que são tidas como certas no mundo SQL, incluindo a indústria de padrões de conectividade, ferramentas de relatório, ferramentas de OLAP e backup, e padrões de recuperação. Adicionalmente, banco de dados orientado a objetos perdem o fundamento formal matemático, ao contrário do modelo relacional, e isto às vezes conduz a fraqueza na sustentação da consulta. Entretanto esta objeção é descartada pelo fato que alguns ODBMSs suportam totalmente o SQL em adição ao acesso navegacional (Objectivity/SQL++). Mas, o uso eficaz pode requerer acordos para manter ambos os paradigmas sincronizados. De fato há uma tensão intrínseca entre a noção de encapsulamento, que esconde os dados e somente os disponibiliza através de uma interface de métodos publicados, e o presuposto de muitas tecnologias de bancos de dados, de que estes dados podem ser acessados por consultas baseadas em seu conteúdo ao invés de caminhos predefinidos. O pensamento centrado em bancos de dados tende a ver o mundo através de forma declarativa e dirigida a uma visão de atributos, enquanto a OOP tenta ver o mundo através um ponto de vista comportamental. Esta é uma das várias “perdas por resistência” que envolvem OOP e banco de dados. Embora alguns afirmem que a tecnologia de banco de dados orientado a objetos fracassou, os argumentos essenciais em seu favor permanecem válidos, e as tentativas de integrar as funcionalidades de bancos de dados mais próximas às linguagens de programação orientadas a objeto continuam tanto nas comunidades de pesquisa quanto nas industriais. ODMG O ODMG (Object Database Management Group) era um consórcio de vendedores de banco de dados orientados a objetos e mapeadores objeto-relacionais, membros da comunidade acadêmica, e parceiros interessados. A meta era criar um conjunto de especificações que permitiriam a portabilidade das aplicações que armazenam objetos em sistemas de gerenciamento de banco de dados. Foram publicadas várias versões desta especificação. O último release foi a ODMG 3.0. Em 2001, a maioria dos principais vendedores de banco de dados orientado a objetos e mapeadores de objeto-relacionais reivindicaram a conformidade com a ODMG Java Language Binding. A conformidade com os demais componentes da especificação foi variada. Em 2001, o ODMG Java Language Binding foi submetido para o Java Community Process como base para a especificação Java Data Objects. As companhias membras do ODMG decidiram então concentrar esforços na especificação do Java Data Objects. Como resultado, a ODMG se dissolveu em 2001. Várias ideias do banco de dados orientado a objetos foram absorvidas pela SQL:1999 e tem sido implementadas em vários graus nos produtos de banco de dados objeto-relacional. Em 2005 Cook, Rai e Rosenberger propuseram abandonar todos os esforços de padronização para introduzir APIs adicionais de consulta orientadas a objetos e, ao invés disso, usar as próprias linguagens orientadas a objetos, como o JAVA e o .NET. Como resultado surgiram as Consultas Nativas (Native Queries). Similarmente, a Microsoft anunciou a LINQ (Language Integrated Query) e DLINQ, uma implementação do LINQ, em setembro de 2005, para prover a aproximação da capacidade da linguagem de consulta integrada do banco de dados com as linguagens de programação C# e VB.NET 9. Em fevereiro de 2006, o OMG (Object Management Group) anunciou que havia concedido o direito de desenvolver novas especificações baseadas na especificação ODMG 3.0 e a formação do
  • 8. 7 ODBT WG (Object Database Technology Working Group). O ODBT WG planeja criar um conjunto de especificações que incorporará avanços da tecnologia de banco de dados orientados a objetos (ex. replicação), gerenciamento de dados (ex. indexação espacial) e formato de dados (ex. XML) e incluir novas características dentro deste padrão que dará suporte ao dominios onde os bancos de dados orientados a objeto estão sendo adotadas (ex. sistemas de Tempo real). 4.1.1. DESCREVA SUA APLICAÇÃO E SEU MECANISMO DE FUNCIONAMENTO. Temos que fazer a ligação entre o banco de dados e a aplicação. E uma aplicação é feita através da necessidade de conecta o banco de dado a uma aplicação por tanto os programadores precisão fazerem aplicações precisas para conversamos com esses dados, as aplicações precisão ter mecanismo para toda a hierarquia do projeto da empresa. E os banco de dados para essas aplicações devem ser projetados bem detalhadamente, verificando cada etapa utilizando o mecanismo de classificação, relacionamento, normatização e etc. que visam à integridade e confiabilidade dos dados. Um exemplo comum de aplicação de um banco de dado e o da web, comercio eletrônico, o cliente ao se cadastra no site o sistema pede informações sobre seus dados pessoais e depois você pode fazer suas compra esses produtos ficam armazenado em um banco de dados da empresa ate serem utilizados para escolha e postagem do produto. Ou seja grava seu dados pessoas e endereço para postagem do produto desejado. 4.1.2 QUAL É A DIFERENÇA ENTRE BANCO DE DADOS ORIENTADO A OBJETO E BANCO DE DADOS RELACIONAL A diferença entre banco de dados orientado a objeto e relacional é que a conexão ocorre através de ponteira e referencias enquanto as relações são unidas através de produtos cartesianos e chaves estrangeiras, o que leva a soluções de otimização diferentes para os dois casos. A implementação orientada a objeto entende que a informação é acessível de maneira idêntica. A necessidade de manipulação e armazenamento de dados complexos vem crescendo rapidamente com o passar do tempo. Essa necessidade fez com que o paradigma orientado a objetos fosse agregado aos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBDs). As informações complexas, como gráficos, imagens, áudio, vídeo, mapas, entre outros, requerem funcionalidades que vão além do que o modelo relacional de banco de dados pode oferecer. Por essa razão, surgiu o modelo de banco de dados orientado a objetos, que traz muitos benefícios em relação ao banco dedados relacional, pela sua produtividade ao agregar a orientação a objetos ao banco dedados. Entretanto, por ser um modelo jovem e imaturo que carece de mais estudo e desenvolvimento, suas operações são lentas quando comparadas com os bancos dedados relacionais existentes. Por essa razão, foi desenvolvido o banco de dados objeto relacional, o qual agrega características de ambos os bancos, o BDOO e o BDR, possuindo assim características da orientação a objetos combinada com tecnologia relacional que domina o mercado e funciona perfeitamente, seja no desempenho ou na confiabilidade do SGBD. Este artigo apresentará características dos BDOO e DBOR, com uma comparação das vantagens e desvantagens dos dois modelos.
  • 9. 8 Banco de Dados Orientado a Objetos Os Banco de Dados Orientado a Objetos sugiram da necessidade de armazenar dados complexos e de acabar com a disparidade que havia na modelagem da aplicação e do Banco de Dados (BD). Com o advento das linguagens de programação orientadas a objetos, os programadores passaram a utilizar este paradigma e a modelagem então naturalmente passou também a seguir este modelo. O outro ponto é que objetos complexos precisam ser quebrados em diversas tabelas, ou relações, para serem armazenados e com isto para recuperar tal informação é preciso realizar um JOIN entre diversas tabelas. Com a orientação a objetos, é possível modelar objetos de forma mais próxima ao mundo real, como por exemplo, em um sistema de geoprocessamento, engenharia, pesquisa científica e tantos outros sistemas não triviais. Um Bando de Dados Orientado a Objetos – BDOO – permite ainda que a aplicação manipule objetos, independente se eles são persistentes ou não, pois é possível armazenar todo o objeto e não apenas seus atributos. Diferentemente do modelo Relacional, o BDOO não utiliza o conceito de chave primária ou secundária. As chaves foram substituídas pelo identificador de objeto (OID – Objetct Identifier), que é controlado pelo próprio SGBD – Sistema Gerenciador de Banco de Dados – e não é visível ao usuário do Banco de Dados. O OID pode ser visto como uma referência ao objeto em memória, assemelhando-se a um ponteiro, porém um OID nunca é alterado e nem reaproveitado, diferentemente do que acontece quando o objeto está em memória, onde é utilizado o endereço físico da memória RAM (Random Access Memory). Apesar da característica mencionada, é possível criar campos como chave para facilitar a identificação dos objetos armazenados por parte do usuário. Orientação a Objetos A orientação a objetos fornece recursos como encapsulamento, herança, polimorfismo e sobrecarga que serão rapidamente explicados. Segundo Elmasri e Navathe, “o conceito de encapsulamento é uma das principais características das linguagens e dos sistemas OO. Ele está relacionado também com os conceitos de tipos abstratos de dados e ocultar a informação nas linguagens de programação”. Encapsular dados significa que as variáveis serão acessadas por métodos definidos em sua estrutura. Uma vantagem é poder ocultar a complexidade na manipulação do objeto por meio das operações disponibilizadas de tal forma que aumenta a segurança e produtividade. Herança é o mecanismo pelo qual a linguagem de programação orientada a objetos (LPOO) fornece a possibilidade do reaproveitamento de código. É possível uma classe herdar os métodos e atributos de outra classe chamada superclasse ou classe mãe e assim estender a classe mãe. O polimorfismo é a capacidade que um objeto tem de ora se comportar de uma maneira, ora de outra. Considere as classes as classes Pessoa, Funcionário e Aluno. Com uma variável do tipo Pessoa, é possível utilizá-la para representar um objeto do tipo Pessoa, mas também objetos do tipo Funcionário e Aluno.
  • 10. 9 O polimorfismo dá a possibilidade da sobrecarga de operadores, no qual subclasses podem modificar a implementação de um método definido na superclasse. Considerando o exemplo anterior e que cada classe tenha um método chamado Remover, para remover uma pessoa basta apenas excluir o seu registro, já para um aluno é preciso verificar se o mesmo não possui nenhuma pendência na organização, excluir o aluno das disciplinas que está matriculado e por fim alterar o seu estado. Já para um funcionário é preciso remover o acesso às informações da instituição, calcular e pagar a indenização caso se aplique e alterar o estado do funcionário. Percebe-se que cada classe tem a sua própria implementação, apesar de compartilharem o mesmo nome do método. Padrão ODMG “O sucesso dos sistemas de banco de dados relacionais não resulta apenas de um nível mais alto de independência de dados e um modelo de dados mais simples do que os sistemas anteriores. Seu sucesso se deve também à padronização que sofreram. A aceitação do padrão SQL permite o alto grau de portabilidade e interoperabilidade... Portabilidade é a capacidade de executar um programa de aplicação particular em diferentes sistemas com modificações mínimas no programa.” (Vieira, 2001) Interoperabilidade se refere à habilidade de uma aplicação acessar múltiplos SGDBs distintos.O padrão ODGM (Object Database Management Group) se baseia em: • Modelo de Objetos; • Linguagem de Definição de Objetos (ODL); • Linguagem de Consulta a Objetos (OQL); • Acoplamento (binding); Elmasri e Navathe, 2005, dizem que o modelo de objetos fornece os tipos de dados, os construtores de tipos e outros conceitos que podem ser utilizados na ODL para especificar esquemas de BDs. O modelo define objetos e literais no qual os objetos possuem um OID e um estado, ou valor atual, já as literais possuem apenas um valor sendo basicamente uma constante. Tanto os objetos como as literais podem ser do tipo atômico, coleção ou estruturado. A linguagem ODL é usada para criar a definição dos tipos de objetos, por isso devesuportar todos os construtores semânticos do Modelo de Objetos. É apenas umalinguagem de definição e independente de qualquer linguagem de programação, sendo utilizado o binding para a LPOO específica. A OQL é uma linguagem declarativa não procedural que pode ser utilizada dentro linguagens de programação. A OQL é baseada na SQL, adicionando conceitos do padrão ODMG como OID, objetos complexos, herança, polimorfismo, relacionamento e operações. O binding, ou acoplamento, especifica como as estruturas em ODL são mapeadas para estruturas na LPOO escolhida, como C# por exemplo. É o binding que converte o objeto do BD para a aplicação. Banco de Dados Objeto Relacional Com a evolução dos paradigmas de programação e a gradativa manipulação de dados complexos, houve a necessidade da evolução dos SGDB’s de forma a
  • 11. 10 acompanhar e atender as exigências requisitadas. Dessa evolução nascem os SGBDOO, os SGBDOR e evoluções nos SGBDR. Analisando de forma sucinta o SGBDOO, temos respectivamente um banco que facilita a aproximação do mundo real, devido a trabalhar com orientação a objetos e suas características (herança, encapsulamento, abstração, polimorfismo), um banco que permite a manipulação de dados complexos, mesmo com desempenho inferior ao relacional e que possui um pobre nível nas consultas dos dados. Continuando a analise só que de um SGBDR, temos um banco que atua a um bom tempo no mercado pelo fato de se ter anos de desenvolvimento, investimentos e aperfeiçoamentos, um banco com desempenho superior aos SGBDOO, um SGBD que apresenta ricas consultas e que possui dificuldade em manipular dados complexos. Como podemos notar no parágrafo acima temos em cada tipo de SGBD citado, vantagens e desvantagens nos mesmos. Então se notou a carência de um SGBD que tivesse a capacidade de manipular dados complexos, que se adequasse ao paradigma de programação atual (orientação a objetos), que tivesse bom desempenho e que demonstrasse ricas consultas de dados. É a partir dessas vantagens de cada SGBD que se fundamenta o SGBDOR. O SGBDOR emprega um modelo que coloca a orientação a objetos em tabelas, unindo os dois paradigmas em um só. Utiliza os conceitos de supertabelas, supertipos, herança, reutilização de código, encapsulamento, controle de identidade de objetos (OID), referência a objetos, consultas avançadas e alta proteção dos dados. Com esse novo conceito surgiu à necessidade de uma linguagem padrão para o uso com o SGBDOR. É a partir daí que nasce o SQL-3, que na verdade é uma extensão do SQL-2 complementado com características do modelo objeto-relacional. Alguns exemplos de aplicações que utilizam SGBDOR são os seguintes: armazenamento de imagens (obtidas por satélite ou de alguma outra forma digital); projetos de arquitetura; dados sobre o espaço (regiões geográficas, criação de mapas), sistemas de informações geoespaciais, entre outros. Apesar de ser um conceito relativamente novo no mundo da tecnologia de banco de dados, o SGBDOR tem sido uma das promessas capaz de substituir o SGBDR e o SGBDOO. O fato de obter o melhor do SGBDOO e do SGBDR faz tender que seja o modelo de banco de dados “ideal” para atender as necessidades atuais. Padrão SQL3 ou SQL99 Assim como o SGBDOO e SGBDR possuem padrões de linguagem de consulta, com a evolução do conceito objeto relacional ocorreu à necessidade da criação de mais um padrão para manipular o mesmo, findando assim a criação do padrão SQL3 ou SQL99. Criado em 1999 com o intuito de propor interação entre o banco de dados e aplicações orientadas a objetos de forma mais natural, inclui novos tipos de dados, novos operadores, suporte para a noção de objeto (OIDs, métodos, tipos de dados estruturados definidos pelo usuário e etc.), consultas recursivas, triggers, navegação pela estrutura dos objetos, chamada de métodos (na própria formulação da consulta) e etc. Nele, representamos objetos como linhas (ROW) que definem uma tupla em forma de registro. Diferente do modelo relacional, onde cada atributo possui valores.
  • 12. 11 atômicos, pode ocorrer de objetos posuirem outros objetos ou de mais de um registro, caracterizando o conceito de relação aninhada, onde os atributos podem ser constituídos de outras relações e não apenas de valores atômicos. Um conjunto de novos operadores pode ser encontrado no SQL3, alguns deles são os seguintes: Set, Cast-Multiset, Cursor, Bag, List, Array, Row. Outro ponto que vale ressaltar é o uso do tipo de dado LOB, utilizado para dados muito grandes como vídeos, música e etc. Possui dois subtipos que são o CLOB (Character LOB) e BLOB (Binary LOB). Enfim, um conjunto de outras utilidades pode ser encontrado na linguagem SQL3 ou SQL99 de modo a facilitar o uso do SGBDOR de forma eficiente e padronizada. Comparação BDOO x BDOR Como já apresentado, os Banco de Dados Orientado a Objetos (BDOO) sugiram da necessidade de armazenar dados complexos e de acabar com a disparidade que havia na modelagem da aplicação e do Banco de Dados (BD). Logo, as vantagens do BDOO vieram rapidamente à tona: possui uma abordagem flexível, facilidade de manusear objetos complexos, trabalha com noções de objetos, classes, relacionamento e identidade de objetos. Entretanto, logo foram percebidas suas limitações, principalmente a relacionada ao desempenho quando comparado com o Banco de Dados Relacional (BDR) e a falta de fundamentação matemática, o que dificulta realizar consultas complexas. Por conta, principalmente destas limitações, foi desenvolvido do Banco de Dados Objeto Relacional (BDOR). Este apresenta diversas vantagens em relação ao BDOO e ao BDR. Em poucas palavras, pode-se dizer que o BDOR surgiu para agregar as vantagens da orientação a objetos (herança, polimorfismo, encapsulamento, abstração) que há no BDOO, juntamente com o alto desempenho, eficiência e maturidade do BDR. O armazenamento de dados, tanto em BDOO, quanto em BDOR, se torna relativamente simples, uma vez que em ambos os bancos oferecem suporte a dados complexos. Entretanto, a principal vantagem do BDOR é a capacidade manipular dados complexos, persistentes e ao mesmo tempo manter a facilidade de uso dos métodos de consulta do SQL3. O BDOO possui um modelo rico de dados, ou seja, possui representação de objetos complexos, é extensível (oferece suporte para novos tipos de dados capazes de operar no objeto), ofereço suporte à ocultação da informação e herança. Seu ponto fraco é seu baixo desempenho, uma vez que sua otimização de consultas é bastante complexa, logo é perdido um tempo precioso neste processo. O BDOR oferece todas as características citadas no parágrafo anterior, exceto a do baixo desempenho. O BDOR possui uma otimização de consulta mais simples, e consequentemente, não perde tanto desempenho quanto o BDOO. Com relação ao mercado, o BDOO é voltado para aplicações de pequena escala, por questões de desempenho. Já o BDOR busca alcançar aplicações de larga escala, a qual é atualmente dominada pelos BDR. Conclusão A orientação a objetos é a tendência seja qual for a situação, o seu dilema é o fato da perda de desempenho. Assim como primeiras linguagens de programação onde tudo era um objeto, os BDOOs
  • 13. 12 sofrem com o desempenho. Quando só existia o BDR, apareceu a necessidade de armazenar dados complexos, uma ótima solução foi o BDOO, entretanto, por seu desempenho não satisfatório, um outro banco foi desenvolvido, o BDOR, que agrega características da orientação a objetos e otimização do BDR. O modelo objeto relacional pode ser comparado às linguagens de programação atuais, onde apenas dados complexos são representados como objetos, tendo assim maior desempenho. O BDOR ainda não alcançou aplicações de larga escala, pois se trata de um banco relativamente novo, mas como suas vantagens estão se tornando cada vez mais evidentes, a tendência é que as empresas e aplicações que manipulam dados complexos comecem a utilizar o BDOR e no futuro este modelo de banco de dados tome o lugar do tradicional BDR. 4.2 ORM (Object-Relational Mapping) – Seção quartenária Um ORM (Object-Relational Mapping), nada mais é do que um Framework ou um conjunto de classes que permite que você faça este trabalho sem precisar escrever códigos de conexão com o banco, querys de SQL a todo o momento, preservando as características de orientação a objetos da linguagem face à natureza relacional dos bancos de dados atuais. O Mapeamento objeto-relacional (ou ORM, do inglês: Object-relational mapping) é uma técnica de desenvolvimento utilizada para reduzir a impedância da programação orientada aos objetos utilizando bancos de dados relacionais. As tabelas do banco de dados são representadas através de classes e os registros de cada tabela são representados como instâncias das classes correspondentes. Com esta técnica, o programador não precisa se preocupar com os comandos em linguagem SQL; ele irá usar uma interface de programação simples que faz todo o trabalho de persistência. Não é necessária uma correspondência direta entre as tabelas de dados e as classes do programa. A relação entre as tabelas onde originam os dados e o objecto que os disponibiliza é configurada pelo programador, isolando o código do programa das alterações à organização dos dados nas tabelas do banco de dados. A forma como este mapeamento é configurado depende da ferramenta que estamos a usar. Como exemplo, o programador que use Hibernate na linguagem Java pode usar arquivos XML ou o sistema de anotações que a linguagem providencia. 4.2.1. COMO DESENVOLVER UTILIZANDO O MODELO ORIENTADO A OBJETOS COM UM BANCO DE DADOS RELACIONAL Para desenvolver utilizando o modelo orientado a objeto com o banco de dado racional o programador não precisa se preocupar com os comandos SQL; ele irá usar uma interface de programação simples que faz todo o trabalho de persistência. Não é necessária uma ligação direta entre as tabelas de dados e as classes do programa. A relação entre as tabelas onde originam os dados e o objeto que os disponibiliza é configurada pelo programador, isolando o código do programa das alterações à organização dos dados nas tabelas do banco de dados.
  • 14. 13 4.2.2. O QUE É ORM E PARA QUE É UTILIZADO. Um ORM (Object-Relational Mapping), nada mais é do que um Framework ou um conjunto de classes que permite que você faça este trabalho sem precisar escrever códigos de conexão com o banco, querys de SQL a todo momento, preservando as características de orientação a objetos da linguagem face à natureza relacional dos bancos de dados atuais. O Mapeamento objeto-relacional (ou ORM, do inglês: Object-relational mapping) é uma técnica de desenvolvimento utilizada para reduzir a impedância da programação orientada aos objetos utilizando bancos de dados relacionais. As tabelas do banco de dados são representadas através de classes e os registros de cada tabela são representados como instâncias das classes correspondentes. Com esta técnica, o programador não precisa se preocupar com os comandos em linguagem SQL; ele irá usar uma interface de programação simples que faz todo o trabalho de persistência. Não é necessária uma correspondência direta entre as tabelas de dados e as classes do programa. A relação entre as tabelas onde originam os dados e o objecto que os disponibiliza é configurada pelo programador, isolando o código do programa das alterações à organização dos dados nas tabelas do banco de dados. A forma como este mapeamento é configurado depende da ferramenta que estamos a usar. Como exemplo, o programador que use Hibernate na linguagem Java pode usar arquivos XML ou o sistema de anotações que a linguagem providencia. 4.2.3. QUAIS FERRAMENTAS ESTÃO DISPONÍVEIS HOJE NO MERCADO.  Gentle.NET: o CARACTERÍSTICAS: Persistência, Querys, Cache, Relacionamento;  MyGeneration: o CARACTERÍSTICAS: Gerador de código baseado em templates e banco de dados. Os recursos dependem dos templates;  Subsonic: o CARACTERÍSTICAS: Persistência, Coleções, Suporte a alguns bancos, Querys, Configuração rápida, Releases rápidos;  NHibernate: o CARACTERÍSTICAS: Persistência, Herança, Relacionamento, Querys, Suporte a vários bancos, Transações e muito mais;
  • 15. 14  CODUS: o CARACTERÍSTICAS: Persistência, Herança, Relacionamento, Suporte a vários bancos, Querys, NUnit, WebServices, Coleções, Suporte a Nhibernate/Ibatis,Gentle.  ObjectMapper: o CARACTERÍSTICAS:IDE UML que mapeia para o ORM (Npersist e Nhibernate). 4.2.4. QUAIS A VANTAGENS E DESVANTAGENS DE SE USAR UMA FERRAMENTA ORM. As vantagem de se usa o Mapeamento objecto-relacional ou objeto - relacional por que é uma técnica de desenvolvimento utilizada para reduzir a impedância da programação orientada aos objetos utilizando bancos de dados relacionais. A desvantagem é o mecanismo de armazenamento e recuperação de dados mais comumente utilizado - o Banco de Dados Relacional - não foi projetado para interagir diretamente com o paradigma OO e com suas particularidades. 5. CONCLUSÃO Esse trabalho foi feito com o propósito de mostra meu aprendizado e abstrair boas lições e também tive a oportunidade de desenvolver mais meus conhecimentos através das pesquisas que fiz em relação ao assunto abordado abstrair boas lições sobres banco de dados orientado a objeto e o relacional suas diferença e como trabalhar com os dois e também sobre a ferramenta ORM como desenvolver com o modelo orientado a objeto suas vantagens e desvantagem e com tudo isso tive um bom aprendizado.
  • 16. 15 6. ANEXOS EXEMPLO DE GRÁFICO
  • 17. 16 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS. Wikipédia enciclopédia livre Banco de Dados Orientados à Objetos seu endereço eletrônico está disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Banco_de_dados_orientado_a_objetos Análise dos melhores ORM (Object-Relational Mapping) para plataforma .NET endereço eletrônico está disponível em http://www.devmedia.com.br/analise-dos-melhores-orm-object-relational-mapping-para- plataforma-net/5548#ixzz2vhR8gjZX Trabalhos Gratuitos postado por Janderson estudante de Tecnologia, endereço eletrônico disponível em http://trabalhosgratuitos.com/Tecnologia/Janderson/148709.html Teses Capitulo 3, endereço eletrônico disponível em http://www.dpi.inpe.br/teses/thome/cap3.pdf Leandro Gyn Professor de Modelagem Orientada a Objetos, endereço eletrônico disponível em http://pt.slideshare.net/leandrogynprof/aula1-modelagem-de-sistemas-orientada-a-objetos André Maués Brabo Pereira Departamento de Engenharia Civil, endereço eletrônico disponível em http://www.tecgraf.puc-rio.br/ftp_pub/lfm/CIV2802-131-Aula04-ModelagemOrientadaObjetos.pdf