Estudo da Qualidade do Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Estudo da Qualidade do Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

on

  • 29,948 views

Estudo desenvolvido para avaliar ambientes virtuais de aprendizagem.

Estudo desenvolvido para avaliar ambientes virtuais de aprendizagem.

Statistics

Views

Total Views
29,948
Views on SlideShare
29,941
Embed Views
7

Actions

Likes
4
Downloads
668
Comments
0

1 Embed 7

http://localhost:8080 7

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Estudo da Qualidade do Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Estudo da Qualidade do Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Document Transcript

  • UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ FACULDADES LUIZ MENEGHEL CAMILA APARECIDA FLORENTINO FRANCISCO ESTUDO DA QUALIDADE DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE Bandeirantes 2008
  • II CAMILA APARECIDA FLORENTINO FRANCISCO ESTUDO DA QUALIDADE DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE Trabalho de conclusão de curso submetido à Universidade Estadual do Norte do Paraná - campus Luiz Meneghel, como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientadora: Profª. Viviane de Fátima Bartholo Potenza. Bandeirantes 2008
  • III CAMILA APARECIDA FLORENTINO FRANCISCO ESTUDO DA QUALIDADE DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE Trabalho de conclusão de curso submetido à Universidade Estadual do Norte do Paraná - campus Luiz Meneghel, como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientadora: Profª. Viviane de Fátima Bartholo Potenza. COMISSÃO EXAMINADORA ______________________________________ Prof.Viviane de Fátima Bartholo Potenza Faculdades Luiz Meneghel ______________________________________ Prof. José Reinaldo Merlin Faculdades Luiz Meneghel ____________________________ Prof. Cristiane Yanase Hirabara Castro Faculdades Luiz Meneghel Bandeirantes, __ de__________ de 2008
  • RESUMO Existem muitos ambientes virtuais de aprendizagem na área de educação à distância, cada um com suas próprias características. Com a utilização desses ambientes, os alunos podem aprender de forma colaborativa. Neste projeto trabalharemos com o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) bastante utilizado nos dia de hoje, o Moodle. Enfocaremos alguns critérios de avaliação dos AVAs como qualidade e usabilidade. Para falar em qualidade serão utilizadas as normas ISO sobre qualidade de software e para se basear em usabilidade utilizaremos o Ergolist desenvolvido para avaliar esse critério. Os resultados foram analisados e serão descritos neste documento. Palavras-chave: Ambientes Virtuais de Aprendizagem, Qualidade, Usabilidade, Ergolist.
  • 5 ABSTRACT There are many virtual learning environments in the e-learning, each with its own characteristics. With the use of these environments, students can in collaborative learning. There are many virtual learning environments in distance education area, each with its own characteristics. With the use of these environments, students can learn so collaborative. In this project work with the Virtual Learning Environment (VLE) widely used in day today, the Moodle. We will use some criteria for assessing VLEs as quality and usability. To talk about quality ISO standards are used on quality of software and to be based on usability use the Ergolist developed to evaluate this criterion. The results were analyzed and will be described in this document. Keywords: Virtual Learning Environments, Quality, Usability, Ergolist.
  • 6 DEDICATÓRIA Dedico esta monografia aos meus pais por terem incentivado meu ingresso neste curso, por terem acreditado que era possível. Ao meu namorado Wandercy, que por tantas vezes me auxiliou durante o curso e nunca me deixou desanimar, sempre esteve ao meu lado oferecendo apoio e incentivo, passou madrugadas sem dormir apenas para me ajudar com as tarefas mais difíceis. Aos meus amigos que de inúmeras formas me ajudaram, apoiaram e contribuíram para que eu alcançasse essa etapa tão gloriosa na minha vida, principalmente Sueli, Cláudia, Emmanuel, Kenion, Marcos, Jailton, Camila Almeida. Dedico principalmente ao meu filho Miguel que é o anjo mais lindo que Deus enviou para este mundo e que é a base de toda minha vida daqui pra frente.
  • 7 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por ter me dado a vida. Meus avós que não estão mais presentes, mas foram fundamentais no meu processo de educação e desenvolvimento e contribuíram para que chegasse até aqui. Agradeço imensamente também a minha orientadora que me proporcionou este desafio e me ajudou a encará-lo mesmo sabendo de todas as dificuldades que encontramos no decorrer deste trabalho. Que sempre me deu força e me encorajou nas horas em que tudo parecia não dar certo. Obrigada a todos.
  • 8 TABELAS TABELA 1: CARACTERÍSTICAS DE UM SOFTWARE DE QUALIDADE...............30 TABELA 2: ERGOLIST – NÚMERO DE CRITÉRIOS EM CONFORMIDADE COM USABILIDADE............................................................................................................37 TABELA 3: ERGOLIST – RESULTADO DE USABILIDADE POR AVALIADOR....39 TABELA 4: USABILIDADE MOODLE %...................................................................40 TABELA 5: CHECKLIST DE QUALIDADE ISO 14.598 - NÚMERO DE CRITÉRIOS EM CONFORMIDADE COM QUALIDADE................................................................40 TABELA 6: PORCENTAGEM DE QUALIDADE OBTIDA POR AVALIADOR.........41 TABELA 7: PORCENTAGEM MÉDIA DE QUALIDADE DO AMBIENTE................41 TABELA 8: RESULTADO DA QUALIDADE DO MOODLE POR AVALIADOR......42 TABELA 9: QUALIDADE MOODLE %......................................................................43 TABELA 10: RESPOSTAS DO AVALIADOR 1 USANDO ERGOLIST ...................53 TABELA 11: RESULTADOS DO AVALIADOR 2 USANDO ERGOLIST.................53 TABELA 12: RESULTADOS DO AVALIADOR 3 USANDO ERGOLIST.................54 TABELA 13: RESULTADOS DO AVALIADOR 1 USANDO CHECKLIST DE QUALIDADE...............................................................................................................54 TABELA 14: RESULTADOS DO AVALIADOR 2 USANDO CHECKLIST DE QUALIDADE ..............................................................................................................55 TABELA 15: RESULTADOS DO AVALIADOR 3 USANDO CHECKLIST DE QUALIDADE...............................................................................................................55 TABELA 16: CHECKLIST DOS PONTOS DE VERIFICAÇÃO E PRIORIDADES DE ACESSIBILIDADE DO DOCUMENTO DA W3C........................................................57 TABELA 17: ERGOLIST DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA62 TABELA 18: CHECKLIST DE QUALIDADE NORMA ISO 14.598...........................71
  • 9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO........................................................................................................10 1.1 Motivação e Justificativa ........................................................................................................................11 1.2 Objetivos......................................................................................12 1.3. Metodologia................................................................................12 1.4 Organização do trabalho ........................................................................................................................13 2. AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM.....................................................15 2.1 Classificação de Ambientes Virtuais........................................................17 2.2 Principais Ambientes Virtuais de Aprendizagem ....................................18 2.2.1 Moodle ..............................................................................................................19 3. QUALIDADE DE SOFTWARE ............................................................................22 3.1 Usabilidade .............................................................................................22 3.1.1 Ergolist................................................................................................................24 3.2 Acessibilidade ............................................................................28 3.3 Normas.....................................................................................................29 4. TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM .....................................................................................................................................33 5. DESENVOLVIMENTO............................................................................................36 5.1 Avaliação do ambiente Moodle...................................................36 6. CONCLUSÃO.........................................................................................................48 6.1 Considerações Finais..................................................................48 6.2 Trabalhos futuros.........................................................................49 7. REFERÊNCIAS.......................................................................................................50
  • 10 APÊNDICES................................................................................................................53 ....................................................................................................................................53 ....................................................................................................................................55 ANEXO A....................................................................................................................57 ANEXO B....................................................................................................................62 ANEXO C....................................................................................................................71 1. INTRODUÇÃO No final do século XX foram surgindo novas tecnologias e cresceu a demanda e necessidade social de cursos à distância, na medida em que novas mídias apareceram foram utilizadas como suporte a esse tipo de educação. A popularização da Internet, nos anos 90, permitiu a construção de ambientes virtuais de aprendizagem através do qual a comunicação entre os participantes pôde acontecer em qualquer lugar, ou melhor, sem a necessidade de ter aulas presenciais. Ambientes virtuais de aprendizagem são ambientes disponíveis na Internet onde ocorre o aprendizado através de diversos tipos de mídias, como textos, vídeos, arquivos de áudio entre outros. Esse tipo de sistema favorece a aquisição de conhecimento, permitindo ao aluno transformar suas experiências em conhecimento organizado. É uma forma inovadora e diferenciada para possibilitar a construção do conhecimento, já que este não pode ser passado de pessoa para pessoa, o que se pode fazer é transmitir uma informação para que o aluno construa sua educação, seu próprio aprendizado. Não pode se deixar de falar em um tema fundamental quando se trata de ambientes de aprendizagem pela Internet: acessibilidade, que é um quesito fundamental para assegurar que os ambientes possam proporcionar a educação de forma efetiva que atinja a todos. A acessibilidade é acima de tudo um direito garantido por lei a todos os cidadãos. Por definição da lei sobre acessibilidade temos que ela é “a possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, dos espaços,
  • 11 mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos transportes, e dos sistemas e meios de comunicação, por pessoas portadoras de deficiências ou mobilidade reduzida”. Outro item fundamental é a usabilidade. É importante que o ambiente permita uma fácil interação com o usuário, que seja fácil de aprender e manuseá-lo, que não exija muito esforço para utilizá-lo, que seja agradável trabalhar com ele, e que também permita adaptá-lo de acordo com as tarefas que cada pessoa deve realizar. Neste trabalho esses assuntos serão mais detalhados e haverá uma avaliação do ambiente virtual de aprendizagem Moodle verificando sua qualidade e levantando de que forma a usabilidade está presente nele. 1.1 Motivação e Justificativa Este projeto foi proposto pensando na importância dos ambientes virtuais na educação à distância, já que esse assunto está diretamente ligado à educação, tema extremamente fundamental para a qualificação profissional. O tema ambiente virtual de aprendizagem é ainda relativamente novo (Pereira et al. 2007), sendo tratadas sob inúmeras perspectivas, porém não há muito de literatura que englobe a avaliação deles com base em qualidade. Os ambientes virtuais de ensino possibilitam integrar diferentes mídias utilizadas pelas pessoas como forma de comunicação no seu dia-a-dia; permitem, também, a realização de uma Educação à Distância cooperativa onde há interação entre todos os atores que participam do processo de ensino/aprendizagem. Estes ambientes virtuais de ensino são alternativas que conduzem ao aprendizado não apenas pela transmissão, memorização e reprodução de informações, mas por permitir ao professor acompanhar constantemente o desenvolvimento do aluno. É importante que haja uma forma adequada de avaliar esses ambientes virtuais garantindo sua qualidade. Nessa avaliação devem ser incluídos quesitos não só de qualidade de software em si, mas também avaliar o grau de usabilidade que
  • 12 ele possui Um estudo que responda a esses questionamentos é de grande importância. Neste trabalho foi avaliado o ambiente virtual de aprendizagem Moodle, o qual foi escolhido por ser bastante utilizados em diversas faculdades. A avaliação foi feita utilizando principalmente o critério de qualidade de software. Foi levada em consideração também a usabilidade desse ambiente. Ao final deste estudo será mostrado os resultados alcançados e as razões que levaram a essa resposta. 1.2 Objetivos Objetivo Geral O objetivo geral deste trabalho é estabelecer um critério de avaliação de ambientes virtuais com base em qualidade e definir se o ambiente avaliado possui um bom desempenho. Objetivos Específicos Estudar o ambiente virtual analisando suas funcionalidade e características. Avaliá-lo de acordo com seu grau de usabilidade, e principalmente de acordo com a qualidade. Empregar técnicas de avaliação de ambientes virtuais (Checklist Ergolist e Norma ISO 14.598). Definir os resultados encontrados na avaliação do ambiente virtual de aprendizagem com base em sua qualidade. 1.3. Metodologia O ambiente virtual de aprendizagem Moodle foi escolhido para ser objeto de estudo deste trabalho, ele foi avaliado de forma online pelo site da FALM –UENP. Cada avaliador fez sua avaliação utilizando um computador com Sistema Operacional Windows XP, memória de 512 M e Hd de 80G.
  • 13 Foram utilizados dois checklists para realizar a avaliação: Ergolist e o Checklist de qualidade da norma ISO 14.598. Estes dois checklists foram disponibilizados aos três avaliadores que por sua vez fizeram sua avaliação verificando se o ambiente Moodle atendia aos critérios de usabilidade e qualidade, respectivamente, neles descritos. Depois de feita a avaliação os resultados foram analisados, comparados e foram montadas planilhas com eles. A partir daí gerou-se gráficos que serviram para ilustrar o resultado obtido. 1.4 Organização do trabalho Este trabalho está organizado da seguinte forma: no capítulo 2 consta um pouco sobre o que são os ambientes virtuais de aprendizagem, como eles funcionam, quais são suas características fundamentais, quais as ferramentas que eles devem apresentar. Esse capítulo aborda também a metodologia, as diversas classificações de ambientes virtuais de aprendizagem, abrange alguns dos ambientes existentes e se aprofunda em um deles que será o objeto de nosso estudo. No capítulo 3 está descrito o que significa qualidade de software, quais são as características fundamentais de qualidade, alguns de seus subfatores como usabilidade, acessibilidade e as normas existentes sobre qualidade de software tais como a ISO. No capítulo 4 aborda o tema avaliação de ambiente virtual, como se faz avaliação, quais critérios utilizar, terá um pouco de qualidade de software educacional, como garantir a qualidade, como medir e avaliar a qualidade de um software educacional seguindo alguns critérios. O Capítulo 5 fala sobre o desenvolvimento do TCC nele estará descrito tudo o que foi feito neste trabalho, quais são os critérios utilizados para fazer a avaliação, porque eles foram escolhidos, como foram empregados, e qual foi o resultado encontrado na avaliação. Foram mostrados também os resultados obtidos na avaliação do ambiente Moodle usando os critérios estabelecidos.
  • 14 No capítulo 6 estão as conclusões obtidas através dos resultados e onde será mostrada a qualidade do ambiente Moodle e de sua Usabilidade. Foi proposto neste capítulo também um estudo sobre outros ambientes.
  • 15 2. AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Os Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs) são sistemas que estão na Internet cuja função é dar suporte as atividades de ensino-aprendizagem mediadas pela tecnologia da informação e comunicação permitindo a emissão e a recepção de mensagens pelo ciberespaço para veicular conteúdo e permitir interação entre os atores do processo educativo (professores e alunos), no qual pode ser integrados várias mídias, linguagens e recursos. (KEMCZINSKI, 2005; PEREIRA et al. 2007). Em um ambiente virtual de aprendizagem são fundamentais os trabalhos colaborativos e a participação on-line, é necessário que haja interação através de comunicação, construção de conhecimento, interações entre educadores e alunos, e também entre os próprios educandos. De acordo com Kemczinski (2005 apud PAIS, 2004) em geral os ambientes virtuais de aprendizagem possuem as seguintes características: Criam um ambiente colaborativo de aprendizagem para as pessoas que possuem cadastro do curso; Permitem ao professor, que não tenha conhecimentos algum de programação, disponibilizar o material de apoio para seus alunos; Possibilitam elaborar testes de interação, fornecendo imediatamente um feedback do aluno, registrando individualmente o resultado de cada aluno; Possuem ferramentas para comunicação entre alunos, professores, espaço para disponibilizar informações de forma geral e também para tirar dúvidas sobre o conteúdo dos cursos disponibilizados; Torna possível aos alunos disponibilizarem seus projetos e trabalhos, trocarem informações sobre as atividades e receberem também esses materiais de outros alunos de forma integrada; Disponibilizam uma área exclusiva para os alunos postarem suas informações pessoais, debaterem assuntos através de conversas, comentarem sobre diversos temas nos fóruns; Permitem que a divulgação das informações existentes em seus bancos de dados seja representada em diferentes mídias como vídeo, teleconferência, textos, arquivos de áudios, e hipertextos.
  • 16 Embora existam diversos ambientes virtuais no mercado da educação à distância, cada um com suas próprias características, existindo entre eles algumas ferramentas em comum tais como: login do usuário, perfil do usuário, mural, agenda, conteúdo, avaliação, Chat, fórum, matrícula, anotações e turma. Em alguns casos pode haver a troca do nome de alguma dessas ferramentas por sinônimos, ou nomes equivalentes. Almeida (2006) apresenta algumas ferramentas utilizadas por AVAS e suas definições: Login do usuário: tela de apresentação do ambiente, onde o aluno poderá entrar nas demais ferramentas do ambiente virtual através de um nome de usuário e uma senha que é fornecida pelo próprio sistema após a inscrição do usuário no curso de interesse. Aqui também terá uma ferramenta para recuperação de senha. Perfil do usuário: local onde o usuário poderá adicionar suas informações pessoais, e colocar uma foto para o seu reconhecimento entre os demais alunos do curso. Mural: local exclusivo do professor, onde ele poderá colocar avisos e informações úteis aos alunos, estes não poderão adicionar informações nesse mural. Agenda: calendário exibido na tela onde o professor pode adicionar novas datas, eventos, poderá ser definido o prazo de entrega de trabalho, datas de provas entre outros tipos de informação. Conteúdo: local onde o professor pode adicionar os materiais de consulta e apoio relativos ao curso. Os alunos podem apenas exibir o conteúdo para a realização de seus estudos. Avaliação: local onde o professor adiciona a atividade, avaliação ou trabalho para que o aluno resolva e seja avaliado. Chat: onde haverá conversação em tempo real, utilizada para concentrar alunos num mesmo intervalo de tempo e mesmo local para discutir um assunto específico. Fórum: espaço de discussão sobre um tema específico, onde se podem postar mensagens sobre o assunto, nele o usuário pode ler, responder, e deixar novas mensagens para discussão, aumentando as possibilidades de interação. Matrícula: nesta ferramenta o coordenador do curso fica responsável por matricular, liberar acesso e restringir acesso dos alunos de acordo com o nível de
  • 17 acesso concedido a cada um. Quando o aluno for matriculado, receberá um nome de usuário e senha automaticamente gerado pelo sistema. Anotações: ferramenta onde cada aluno poderá fazer e exibir anotações pessoais que possam lhe auxiliar no aprendizado. Turma: espaço onde o professor pode verificar a lista de alunos matriculados no curso. Os alunos poderão ver quem são seus colegas de turma, e também poderão entrar em contato um com o outro. Essa ferramenta serve também para que haja um contato entre professor e aluno. É visível a importância que os ambientes virtuais de aprendizagem possuem em nossa sociedade, tanto na questão educativa quanto na pratica de inclusão e acessibilidade à informação. Possibilita que as pessoas que disponham de pouco tempo livre cursem uma faculdade virtual, obtenha seu diploma e consiga uma melhor colocação no mercado de trabalho. Com a utilização dos ambientes, os alunos podem aprender de forma colaborativa, compartilhando informações e conhecimentos entre si, ajudando-se mutuamente em seus trabalhos, escolhendo a intensidade e a maneira como irão estudar. Existem inúmeras faculdades que oferecem cursos a distancia. Elas utilizam diferentes tipos de ambientes aderindo ao que melhor se adapte à sua ementa e suas necessidades particulares. 2.1 Classificação de Ambientes Virtuais Existem diversos softwares educativos, que auxiliam o aluno e professor no processo de ensino aprendizagem, principalmente na modalidade de ensino à distância. Segundo Silva (2002) os ambientes virtuais de aprendizagem podem ser classificados de acordo com as funcionalidades e objetivos, como: Aplicações hipermídia: fornecem uma instrução distribuída e pode se subdividir em dois itens como cursos multimídia com objetivos pedagógicos bem definidos (que possuem avaliação, tutoração) e os que são apenas cursos da web (através de paginas com hipertextos).
  • 18 Sítios educacionais: possuem funcionalidades como bibliotecas de softwares educacionais, espaço para comunicação, fóruns, entre outras. Sistema de autoria para cursos à distância: sistemas que gerenciam cursos padronizados, no qual não se podem alterar as funcionalidades existentes. Salas de aulas virtuais: fornece suporte para cooperação entre professores através de algumas ferramentas como fóruns e chats. Os tipos de conteúdos desses cursos podem estar disponíveis em diferentes mídias como textos, arquivos de áudio, vídeos e fotos. Frameworks para aprendizagem cooperativa: “Em geral os sistemas de autorias não possuem muita flexibilidade embora sejam fáceis de usar. Os sistemas geram cursos de forma padronizada, fazendo com que suas funcionalidades, apresentação de conteúdo e suas formas não possam ser alteradas. Já os frameworks permitem alterações, são flexíveis, permitem o desenvolvimento de aplicações cooperativas personalizadas”. Portais educativos: contêm informações gerais de instituições, cursos, carreiras e recursos como jornais, artigos de interesse geral e até e-books. 2.2 Principais Ambientes Virtuais de Aprendizagem Entre os diversos AVAS, existem alguns que são mais conhecidos ou difundidos do que outros. Citaremos alguns deles fazendo uma breve descrição de cada um de acordo com Kemczinski (2005): Aulanet: ambiente de aprendizagem cooperativo com base na web, tendo como principal objetivo criar e dar assistência a cursos à distância. Academusnet: é um sistema de informação que permite desenvolvimento e disponibilizações de ambientes de aprendizado via Internet. É uma ferramenta que pode ser usado tanto no ensino à distância quanto para apoiar estudos presenciais. Teleduc: é um ambiente em que se pode criar, participar e administrar cursos pela web. Ele tem como principal alvo o processo de formação de professores para informática educativa. Todas as suas ferramentas foram projetadas segundo as necessidades relatadas por seus usuários. É um software livre que pode ser distribuído e modificado.
  • 19 Web Ensino: fornece ambientes de ensino, tutoria e gestão, possibilitando implantar cursos a distancia de forma fácil. Foi desenvolvido (com base na filosofia de software livre) pela Ilog (empresa de desenvolvimento da web ensino) que permite que seja feita uma customização do ambiente para Instituições de Ensino associadas. Moodle: sistema de gerenciamento de aprendizagem ou ambiente virtual de aprendizagem de código aberto. O sistema Moodle foi idealizado por Martin Dougiamas. Várias versões do software foram produzidas. Com o crescimento da comunidade de usuários, novas versões do software foram desenvolvidas. A elas foram adicionadas funcionalidades, desenhadas por pessoas em diferentes situações do ensino. Possui ferramentas de comunicação, de avaliação, de disponibilização de conteúdos e de administração e organização. CASTILLO (2005) Será detalhado, nas seções a seguir, um pouco mais o AVA Moodle que será objeto de estudo deste trabalho. 2.2.1 Moodle A palavra Moodle teve origem no acrônimo: Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment, que é informativo especialmente para programadores e investigadores educativos. Em inglês é também um verbo que descreve passar por algo, sem presa, e fazer coisas quando as resolver fazer; uma forma agradável de mexer nas coisas que freqüentemente conduz a uma compreensão mais profunda e à criatividade conforme esclarece Pulino (2004). O Moodle como sistema de gestão de ensino e aprendizagem apresenta funcionalidades com forte componente de participação, comunicação e colaboração entre os docentes e discentes. A idéia básica é ser um software para gestão da aprendizagem e de trabalho colaborativo, permitindo a criação de cursos on-line, páginas de disciplinas e de grupos de trabalho. O Moodle apesar de possuir um copyright, pode ser redistribuído e o seu código fonte alterado ou desenvolvido, desde que sejam seguidas algumas regras, para satisfazer necessidades específicas (Albuquerque, Edmundo e Damião, 2006). Sua interface é simples, baseada em navegadores de tecnologia simples. Na listagem dos cursos, é mostrada uma descrição dos cursos existentes no
  • 20 servidor, incluindo acessibilidade para convidados. Os cursos também podem ser categorizados e pesquisados afirma Campos e Santos (2007). O Moodle possui as principais funcionalidades de um ambiente virtual de aprendizagem, tais como ferramentas de comunicação, de avaliação, de disponibilização de conteúdos e de administração e organização. Entre as principais funcionalidades do ambiente Moodle, conforme definem Albuquerque, Edmundo e Damião (2006), podemos citar: Chat: este módulo promove a comunicação entre os estudantes e os professores que se encontram conectados ao ambiente naquele instante. Fórum: este módulo é ferramenta de discussão que possibilita debates entre alunos e professores através do ambiente. Trabalho: este módulo permite aos professores a proposição de trabalhos e recebimento dos trabalhos submetidos pelos os estudantes. Wiki: o wiki torna possível a construção de um texto (com elementos multimídia) com vários participantes, onde cada um dá a sua contribuição e/ou revisa o texto. Glossário: este módulo permite aos participantes dos cursos de criar dicionários de termos relacionados ao escopo do curso. Teste: o tutor pode formular uma base de dados de perguntas e respostas e submeter aos estudantes. Lição: componente interativa que fornece páginas de textos do curso e perguntas intercaladas, onde o prosseguimento é dependente do acerto nas questões pelos estudantes. Questionário: este módulo consiste em um instrumento de composição de questões e de configuração de questionários. As questões são arquivadas por categorias em uma base de dados e podem ser reutilizadas em outros questionários e em outros cursos. Workshop: O Workshop é uma atividade de avaliação entre pares (participantes) com uma vasta gama de opções. Os participantes podem avaliar os projetos de outros participantes e exemplos de projeto em diversos modos. Este módulo também organiza o recebimento e a distribuição destas avaliações. Materiais: Os materiais são todos os tipos de conteúdos que serão apresentados no curso. Podem ser documentos arquivados no servidor, páginas
  • 21 criadas com o uso do editor de textos ou arquivos de outros sítios visualizados no ambiente do curso. Pesquisa de opinião: este módulo permite uma atividade muito simples. O professor elabora uma pergunta com diversas opções de resposta. Serve para fazer pesquisas de opinião velozes, para estimular a reflexão sobre um tópico, para escolher entre sugestões dadas para a solução de um problema. As ferramentas de comunicação do Moodle são o fórum de discussões, as mensagens privadas e o Chat. Diferente de outros ambientes o Moodle não tem ferramenta de e-mail interna ao sistema explana Campos e Santos (2007), utiliza o e-mail externo do participante.
  • 22 3. QUALIDADE DE SOFTWARE O software vem se tornando cada vez mais fundamental para o desenvolvimento socioeconômico dos países. Atualmente ele faz parte do cotidiano das pessoas, em vários ramos de atividades, servindo para realizar diversas tarefas, desde as mais comuns até as mais complexas. E para atender a demanda e às exigências do mercado é importante que se invista em qualidade do software aconselha Arimoto (2006). De acordo com Sommerville (2003) a qualidade de software é um termo complexo, mas em geral quer dizer que ele deva cumprir suas especificações. Para a garantia da qualidade de software existente padrões e normas já estabelecidas. Um destes padrões de qualidade é um internacional chamado ISO 9001 que é o mais geral dos padrões ISO 9000 e serve para o processo de qualidade de quem projeta para quem desenvolve e faz manutenção do produto. Existe um documento de apoio que interpreta a ISO 9000 para desenvolvimento de software o ISO 9000 – 3 (ISO Standards, 2006). Há também a norma ISO 9.126:1 que define algumas características que o software deve ter para garantir a sua qualidade tais como: funcionalidade, confiabilidade, usabilidade, eficiência, manutenibilidade e portabilidade. Pode se citar também outra norma a ISO 9.241 que fala sobre qualidade, mas com enfoque em usabilidade que é um quesito fundamental para todo software. Ela propõe que todo software deve ser fácil de usar, para qualquer tipo de usuário, dentro de um determinado contexto. Existe uma outra norma sobre Usabilidade que é a ISO 13.407 que visa o software, mas centrado no usuário e nas tarefas que ele deve desempenhar. 3.1 Usabilidade De acordo com a norma ISO 9241, usabilidade é a extensão na qual um produto pode ser usado por usuários específicos para alcançar objetivos específicos com efetividade, eficiência e satisfação em um contexto de uso específico (ISO 9241-11).
  • 23 Segundo Rossi (2004 apud SOUZA, 2002) a qualidade da interação entre o sistema e o usuário. A usabilidade de um sistema depende principalmente de cinco aspectos: Facilidade para aprender sobre o sistema: que avalia o esforço e o tempo que o usuário utiliza para conseguir atingir certo grau de desempenho no sistema. Facilidade de uso: avalia o esforço do usuário para compreender a funcionalidade do sistema durante sua interação com o mesmo. Medindo também a quantidade de acertos e erros durante a execução de uma tarefa. Satisfação do usuário: avalia se o usuário gosta do sistema e se é prazeroso trabalhar com ele. Flexibilidade: avalia se é possível o usuário alterar algumas das funcionalidades e ambiente inicial do sistema para ficar mais de acordo com suas necessidades. Mede também a capacidade do usuário utilizar o sistema de forma inteligente e criativa, realizando tarefas que não estavam previstas. Produtividade: avalia se o sistema permite ao usuário ser mais produtivo do que se não utilizasse o sistema. Já a norma ISO 13407 sobre Processo de Projeto Centrado no Usuário para Sistemas interativos tem como princípio o foco no usuário e nas tarefas que são desenvolvidas. Como nos explica Souza e Spinola (2006) esse projeto é uma atividade que engloba várias disciplinas, fatores humanos e técnicas para aumentar a eficácia e a eficiência que ajudam a melhorar o desempenho no trabalho. Esta norma define algumas características que envolvem o usuário no processo de desenvolvimento de software, entre elas estão (SOUZA e SPINOLA, 2006): - Distribuição apropriada de função entre o usuário e sistema: determinando quais aspectos do trabalho ou tarefa devem ser controlados por software e hardware; - Envolvimento ativo de usuários: utiliza as pessoas que têm maiores conhecimentos no contexto que a aplicação será usada, visando com isso, um aumento no compromisso de participação no desenvolvimento do software; - Repetição de soluções de projeto: requer a avaliação contínua nas fases iniciais dos usuários finais por técnicas de prototipação diferentes;
  • 24 - Times Multidisciplinares: alimentam um processo de desenvolvimento colaborador com o envolvimento de especialistas de várias áreas, cada um cooperando e compartilhando seus conhecimentos. De acordo com Souza e Spinola (2006) essa norma apresenta quatro atividades principais que devem ser incorporadas aos requisitos de usabilidade no desenvolvimento de software centrado no usuário. Sendo elas (SOUZA e SPINOLA, 2006): - Compreender e especificar o contexto de uso: o objetivo é obter as informações sobre as características dos usuários, o ambiente de uso e as tarefas que serão executadas com o produto, além de fornecer uma base para as atividades de avaliações posteriores; - Especificar os requisitos do usuário e da organização: especificar os requisitos do usuário e da organização, determinando os critérios de sucesso para a usabilidade do produto em termos das tarefas realizadas pelos usuários, bem como diretrizes e limitações do projeto; - Produzir soluções de projeto: incorporar conhecimentos de interface homem-computador nas soluções de projeto. As possíveis soluções de projeto são exploradas, descrevendo-as através da utilização de protótipos. As primeiras soluções de projeto podem ser baseadas em experiências anteriores ou utilização de normas e guias, que são refinados através de feedback do usuário; - Avaliar projetos em relação aos requisitos do usuário: a usabilidade do projeto deve ser avaliada em relação às tarefas dos usuários, tendo como objetivo, confirmar o nível em que os requisitos da organização e dos usuários foram alcançados, fornecendo também informações para o refinamento do projeto. 3.1.1 Ergolist Ergolist é uma ferramenta desenvolvida pelo LabUtil da Universidade Federal de Santa Catarina para avaliar a usabilidade em softwares e páginas da web. (ERGOLIST, - ). Ele consiste em um checklist que permite inspecionar as interfaces e descobrir defeitos existentes no critério ergonomia.
  • 25 É composto de 194 questões que envolvem usabilidade e está subdividido em 18 categorias: presteza, agrupamento por localização, agrupamento por formato, feedback, legibilidade, concisão, ações mínimas, densidade informacional, ações explícitas, controle do usuário, flexibilidade, experiência do usuário, proteção contra erros, mensagens de erro, correção de erros, consistência, significados e compatibilidade. (ERGOLIST, - ). Cada uma destas subcategorias possui questões que auxiliam na avaliação do software ou página da web desejada. Este checklist está disponível no site da Universidade Federal de Santa Catarina, a avaliação pode ser feita online e ao final é emitido um laudo contendo o resultado das respostas do avaliador. Abaixo estão relacionados alguns critérios que o Ergolist possui e suas definições (ERGOLIST, - ): Presteza: engloba os meios utilizados para levar o usuário a realizar determinadas ações, como, por exemplo, entrada de dados. Esse critério engloba também todos os mecanismos ou meios que permitem ao usuário conhecer as alternativas, em termos de ações, conforme o estado ou contexto nos quais ele se encontra. A presteza diz respeito igualmente às informações que permitem ao usuário identificar o estado ou contexto no qual ele se encontra, bem como as ferramentas de ajuda e seu modo de acesso. Agrupamento/Distinção por Localização: diz respeito ao posicionamento relativo dos itens, estabelecido para indicar se eles pertencem ou não a uma dada classe, ou, ainda, para indicar diferenças entre classes. Esse critério também diz respeito ao posicionamento relativo dos itens dentro de uma classe. Agrupamento/Distinção por Formato: diz respeito mais especificamente às características gráficas (formato, cor, etc.) que indicam se itens pertencem ou não a uma dada classe, ou que indicam ainda distinções entre classes diferentes ou distinções entre itens de uma dada classe. Feedback Imediato: diz respeito às respostas do sistema às ações do usuário. Tais entradas podem ir do simples pressionar de uma tecla até uma lista de comandos. Em todos os casos, respostas do computador devem ser fornecidas, de forma rápida, com passo (timing) apropriado e consistente para cada tipo de transação. De todo modo, uma resposta rápida deve ser fornecida com informações sobre a transação solicitada e seu resultado.
  • 26 Legibilidade: diz respeito às características lexicais das informações apresentadas na tela que possam dificultar ou facilitar a leitura dessa informação (brilho do caractere, contraste letra/fundo, tamanho da fonte, espaçamento entre palavras, espaçamento entre linhas, espaçamento de parágrafos, comprimento da linha, etc.). Por definição, o critério Legibilidade não abrange mensagens de erro ou de feedback. Concisão: diz respeito à carga perceptiva e cognitiva de saídas e entradas individuais. Por definição, a Concisão não diz respeito às mensagens de erro e de feedback. Ações Mínimas: diz respeito à carga de trabalho em relação ao número de ações necessárias à realização de uma tarefa. O que temos aqui é uma questão de limitar tanto quanto possível o número de passos que o usuário deve empregar. Densidade Informacional: diz respeito à carga de trabalho do usuário de um ponto de vista perceptivo e cognitivo, com relação ao conjunto total de itens de informação apresentados aos usuários, e não a cada elemento ou item individual. Controle Explícito: diz respeito tanto ao processamento explícito pelo sistema das ações do usuário, quanto ao controle que os usuários têm sobre o processamento de suas ações pelo sistema. O critério Controle Explícito se subdivide em dois critérios: Ações Explícitas do Usuário e Controle do Usuário. Ações Explícitas do Usuário: se refere às relações entre o processamento pelo computador e as ações do usuário. Essa relação deve ser explícita, isto é, o computador deve processar somente aquelas ações solicitadas pelo usuário e apenas quando solicitado a fazê-lo. Controle do Usuário: se refere ao fato de que os usuários deveriam estar sempre no controle do processamento do sistema (por exemplo, interromper, cancelar, suspender e continuar). Cada ação possível do usuário deve ser antecipada e opções apropriadas devem ser oferecidas. Adaptabilidade: diz respeito a sua capacidade de reagir conforme o contexto e conforme as necessidades e preferências do usuário. Dois subcritérios participam da adaptabilidade: a flexibilidade e a consideração da experiência do usuário. Flexibilidade: se refere aos meios colocados à disposição do usuário que lhe permitem personalizar a interface, a fim de levar em conta as exigências da tarefa, de suas estratégias ou seus hábitos de trabalho. Ela corresponde também ao
  • 27 número das diferentes maneiras à disposição do usuário para alcançar um certo objetivo. Trata-se, em outros termos, da capacidade da interface de se adaptar as variadas ações do usuário. Consideração da experiência do usuário: diz respeito aos meios implementados que permitem que o sistema respeite o nível de experiência do usuário. Gestão de erros: diz respeito a todos os mecanismos que permitem evitar ou reduzir a ocorrência de erros e, quando eles ocorrem, que favoreçam sua correção. Os erros são aqui considerados como entrada de dados incorretos, entradas com formatos inadequados, entradas de comandos com sintaxes incorretas, etc. Três subcritérios participam da manutenção dos erros: a proteção contra os erros, a qualidade das mensagens de erro e a correção dos erros. Proteção contra os erros: diz respeito aos mecanismos empregados para detectar e prevenir os erros de entradas de dados, comandos, possíveis ações de conseqüências desastrosas e/ou não recuperáveis. Qualidade das mensagens de erro: refere-se à pertinência, à legibilidade e à exatidão da informação dada ao usuário, sobre a natureza do erro cometido (sintaxe, formato, etc.) e sobre as ações a executar para corrigi-lo. Correção dos erros: diz respeito aos meios colocados à disposição do usuário com o objetivo de permitir a correção de seus erros. Homogeneidade/Coerência (Consistência): refere-se à forma na qual as escolhas na concepção da interface (códigos, denominações, formatos, procedimentos, etc.) são conservadas idênticas, em contextos idênticos, e diferentes, em contextos diferentes. Significado dos códigos e denominações: diz respeito à adequação entre o objeto ou a informação apresentada ou pedida e sua referência. Códigos e denominações significativas possuem uma forte relação semântica com seu referente. Termos pouco expressivos para o usuário podem ocasionar problemas de condução, podendo levá-lo a selecionar uma opção errada. Compatibilidade: refere-se ao acordo que possa existir entre as características do usuário (memória, percepção, hábitos, competências, idade, expectativas, etc.) e as tarefas, de uma parte, e a organização das saídas, das entradas e do diálogo de uma dada aplicação, de outra. Ela diz respeito também ao grau de similaridade entre diferentes ambientes e aplicações.
  • 28 3.2 Acessibilidade Fala – se muito em acessibilidade na questão de software, mas nem todos sabem como torná-los acessível, muito menos como fazer isso voltado para web. Porém é um direito constitucional de todos terem acesso às informações. Segundo a lei 10.098 de 19 de dezembro de 2000, “acessibilidade é a possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos transportes, e dos sistemas e meios de comunicação, por pessoas portadoras de deficiências ou mobilidade reduzida”. A acessibilidade consiste em tornar disponível ao usuário (qualquer usuário) de forma autônoma toda informação que lhe for direito desde que ele tenha código pra acessar ou que seja livre a todos os usuários conforme define TORRES, MAZZONI e ALVES (2002). Há usuários com deficiências visuais, auditivas, motoras, com visão reduzida, e alguns softwares e páginas da Internet se tornam difíceis de serem usadas por essas pessoas, devido à falta dos recursos de acessibilidade. Isso é possível acontecer tornando o conteúdo acessível a leitores de tela, sistemas de reconhecimento de fala, teclado virtuais entre outros dispositivos. Existe um documento da W3C (Anexo A) que fala exatamente sobre acessibilidade e como ela deve ser aplicada. Esse documento descreve alguns pontos de verificação que devem ser considerados e seguidos para assegurar um bom nível de acessibilidade. O documento possui algumas prioridades para cada ponto a ser verificado (SILVA, 2005): Prioridade 1: “São pontos que os criadores de conteúdo Web devem satisfazer inteiramente. Se não o fizerem, um ou mais grupos de usuários ficarão impossibilitados de acessar as informações contidas no documento. A satisfação desse tipo de pontos é um requisito básico para que determinados grupos possam acessar documentos disponíveis na Web”. Prioridade 2: “são pontos que os criadores de conteúdo Web deveriam satisfazer. Se não o fizerem, um ou mais grupos de usuários terão dificuldades em acessar as informações contidas no documento. A satisfação desse tipo de pontos
  • 29 promoverá a remoção de barreiras significativas ao acesso a documentos disponíveis na Web”. Prioridade 3: “São pontos que os criadores de conteúdo Web podem satisfazer. Se não o fizerem, um ou mais grupos poderão se deparar com algumas dificuldades em acessar informações contidas nos documentos. A satisfação deste tipo de pontos irá melhorar o acesso a documentos armazenados na Web”. 3.3 Normas Segundo a norma internacional ISO/IEC 9126:1 um software de qualidade tem que levar em consideração os seguintes fatores: Funcionalidade: verifica se o software possui um conjunto de funções e propriedade específica do produto que satisfaçam as necessidades explícitas ou implícitas; Usabilidade: serve para medir o esforço necessário para a utilização do software. Este deve oferecer uma interface amigável e uma documentação adequada. Confiabilidade: características que evidenciam a capacidade do software de manter seu nível de desempenho mesmo em condições adversas. Em outras palavras é a capacidade que o software tem de ser tolerante à falhas e recuperar todos os dados perdidos durante a última operação, mantendo assim, a consistência e integridade dos dados; Eficiência: O software deve ter compatibilidade entre o nível de desempenho do software e a quantidade de recursos utilizados. O software deve responder rapidamente às solicitações do usuário; Manutenibilidade: características que mostram a capacidade do software de ser alterado, por exemplo, remover erros, adicionar novas funcionalidades ou inserir melhorias; Portabilidade: é a capacidade do software de ser transferido para outra base tecnológica, sem muitas dificuldades.
  • 30 Um bom software reúne todas essas seis características, em alguns casos algumas delas estão mais explicitas de acordo com a finalidade e funcionalidade de cada software. Existem também algumas outras normas que regulamentam a qualidade de um software tais como a ISO 14.598 e a MPS-BR, ou seja, Melhoria de Processo do Software Brasileiro. A ISO 14.598 é um guia para avaliação de software que se baseia na pratica da ISO 9.126. Conforme explica Garcia (2006) a ISO 9.126 aconselha que as definições das características e sub-características de qualidade devem ser feitas de acordo com a área de aplicação do software. Isso deve ser feito antes do começo do desenvolvimento, e quando for feito para produto de maior porte pode se subdividir em características e sub-características para cada módulo em que o projeto estiver dividido. Existem principalmente seis características que devem ser levadas em consideração, cada uma delas está subdividida em alguns itens de vital importância. Conforme podemos ver na Tabela 1, logo abaixo. Tabela 1: Características de um software de qualidade Característica Subcaracterísticas Como verificar? Propõe-se a fazer o que é Adequação apropriado? Possui as funções especificadas? Faz o que foi proposto de forma correta? Acurácia O produto gera resultados precisos Funcionalidade ou dentro do esperado? (Satisfaz as Interage com os sistemas necessidades do Interoperabilidade especificados? com as normas, leis cliente?). Está de acordo existentes, padrões, convenções ou Conformidade regras? Evita, ou ao menos previne, acesso Segurança de acesso não autorizado aos dados?
  • 31 Com que freqüência apresenta Maturidade falhas? Ocorrendo falhas, como o sistema reage? (verifica a capacidade do produto de Tolerância à falhas manter os níveis de desempenho Confiabilidade desejado mesmo com a existência (É imune a falhas?). de problemas) È capaz de recuperar os dados em caso de falha? Recuperabilidade (capacidade de restabelecer o nível de desempenho desejado e recuperar os dados). É fácil entender o conceito e a Intelegibilidade aplicação? Usabilidade (É fácil de usar?). É fácil aprender a usar? Apreensibilidade Operacionalidade É fácil de operar e controlar? Qual é o tempo de resposta?Qual a Tempo velocidade de execução? Eficiência Quanto recurso usa? Durante quanto (é rápido e tempo? (verifica a quantidade de cpu “enxuto”?). Recursos usada, a quantidade de memória utilizada). É fácil encontrar falha quando Analisabilidade ocorre? É fácil fazer modificação e adaptar? Modificabilidade Há grandes riscos quando se faz Manutenibilidade Estabilidade alterações? É fácil testar quando se faz Testabilidade alterações? É fácil adaptar a outros ambientes? Adaptabilidade É fácil instalar em outros ambientes? Capacidade de ser instalado Portabilidade (é fácil de usar em Está de acordo com os padrões de Conformidade outro ambiente?). portabilidade? Capacidade para É fácil substituir por outro? substituir Fonte: de Luís Fernando Garcia, Qualidades de produto de software, 2006. Existem várias normas que falam sobre qualidade de software e suas características. É importante lembrar que essas normas não podem ser analisadas separadamente, todas elas são de fundamental importância para garantir a qualidade de um software. Ao avaliá-los é necessário considerar todas essas normas para garantir um resultado de alto nível para um software. Este capítulo sobre qualidade de software, acessibilidade, usabilidade e normas de qualidade é fundamental para o desenvolvimento desse projeto. Será
  • 32 principalmente com base em dois desses tópicos que faremos a avaliação do ambiente escolhido.
  • 33 4. TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM O desenvolvimento de metodologias para avaliação e seleção de um ambiente virtual de aprendizagem para aplicação em domínio educacional específico tem grande importância nos dias atuais (BRASILEIRO e MACHADO, 2002). Diversos autores vêm discutindo a questão da qualidade de software. De acordo com Rocha e Campos (1993) é consenso que software de qualidade é aquele que atende às necessidades do usuário. A qualidade de software surge através de vários de procedimentos observados ao longo do desenvolvimento do software. Para um software ter qualidade é necessário que ele possua um conjunto de propriedades a serem satisfeitas em determinado grau, de modo que o software satisfaça as necessidades se seus usuários (ROCHA e CAMPOS, 1993). É preciso que a qualidade de um software seja controlada e avaliada e, para que isso ocorra são necessários alguns métodos. Estes métodos, segundo Rocha e Campos (1993), compõem a área de controle da qualidade definida como organização ou sistemática de todos os procedimentos necessários à confirmação de que o módulo ou produto está de acordo com as necessidades estabelecidas em sua fase de desenvolvimento. Em estudos feitos por Rocha foi desenvolvido um método para avaliação da qualidade de software que está baseado nos seguintes conceitos: Objetivos de qualidade — Determinam as propriedades gerais que o produto deve possuir. Fatores de qualidade do produto — Determinam a qualidade do ponto de vista dos diferentes usuários do produto (usuário final, alunos e professores). Critérios - Definem atributos primitivos possíveis de serem avaliados. Processos de avaliação — Determina os processos e os instrumentos a serem usados de forma a se medir o grau de presença, no produto, de um determinado critério. Medidas — Indicam o grau de presença, no produto, de um determinado critério.
  • 34 Medidas agregadas — Indicam o grau de presença de um determinado fator e são resultantes da agregação das medidas obtidas da avaliação segundo os critérios. Para se alcançar os objetivos de qualidade são necessários atingir alguns fatores de qualidade, estes podem ser compostos por outros fatores, que por sua vez são avaliados através de critérios. Os critérios definem atributos de qualidade para os fatores. Medidas são os valores resultantes da avaliação de um produto segundo um critério específico (ROCHA e CAMPOS, 1993). Um ambiente virtual de aprendizagem é uma tecnologia educacional que pode ser avaliada sob diversos aspectos que irão orientar diferentes julgamentos. Estes aspectos podem ser relacionados quanto às especificações técnicas, quanto ao design instrucional, quanto às características das ferramentas e facilidades disponibilizadas, quanto às facilidades de uso e acessibilidade, quanto ao potencial de colaboração, quanto à compatibilidade com padrões de metadados, quantos aos aspectos ergonômicos, quanto à adequação pedagógica e quanto custo. Um grande desafio neste contexto metodológico para avaliação de ambientes virtuais de aprendizagem, segundo Brasileiro e Machado (2002), está relacionado com o desenvolvimento de metodologias de avaliação que avancem na direção de estabelecer julgamentos sobre os paradigmas pedagógicos e ergonômicos, inerentes aos ambientes avaliados, de maneira a garantir sua a adequação e efetividade no processo educacional. Brasileiro e Machado (2002 apud RIBEIRO, 1998) afirmam que as novas tecnologias exigem cuidados de ordem ergonômica e pedagógica. Ergonômica para que o usuário, aluno ou professor, possa utilizar a tecnologia com o máximo de segurança, conforto e produtividade conforme os preceitos da ergonomia e pedagógico, para que as estratégias didáticas de apresentação das informações e tarefas exigidas estejam em conformidade com o objetivo educacional e as características de seu usuário. Grande parte dos esforços para o desenvolvimento de metodologias de avaliação dos ambientes virtuais de aprendizagem tem sido direcionada para a criação e validação de métodos de avaliação comparativos entre os diversos ambientes, por meio do estabelecimento de pontuação dos aspectos avaliados, com a combinação de informações que possibilitem orientar a decisão quanto à escolha do melhor ambiente, com base em um senso racional.
  • 35 Neste trabalho serão utilizados alguns métodos de avaliação já definidos e testados em outras áreas que nos ajudarão a avaliar a qualidade e usabilidade do ambiente virtual de aprendizagem. Será usado o checklist desenvolvido pela Universidade Federal de Santa Catarina, o Ergolist. Este possui 194 questões agrupadas em 18 critérios que avaliam a usabilidade e será empregado na avaliação do ambiente virtual. E também será empregada a norma ISO 14.598 que é baseada em outra ISO, a ISO 9.126 que mostra conceitos de qualidade de software e possui alguns critérios que serão usados para fazer a avaliação do ambiente.
  • 36 5. DESENVOLVIMENTO 5.1 Avaliação do ambiente Moodle Neste trabalho será avaliado o ambiente virtual de aprendizagem Moodle. Serão aplicados checklists para determinar qual sua qualidade segundo a norma ISO 14.598 e sua usabilidade será verificada através do Ergolist (ERGOLIST, - ). O Ergolist foi escolhido por ser um checklist de Usabilidade desenvolvido pela Universidade Federal de Santa Catarina e que possui critérios de verificação de usabilidade. A norma ISO 14.598 foi escolhida por avaliar a qualidade de software. Dela serão escolhidas características e subcaracterísticas, pois, para avaliar um software não é necessário avaliar todas as características e subcaracterísticas, segundo Silveira, Reidrich e Bassani (2007). O questionário usa de 2 (duas) opções: Satisfatório (Excelente, Bom e Razoável) e Insatisfatório. Os resultados serão analisados nesta escala sendo: Satisfatório 3 pontos e Insatisfatório 1 ponto. (CÔRTES E CHIOSSI, 2001). Foram escolhidas três pessoas de diferentes idades, estudantes de universidade, para avaliar o ambiente: Avaliador 1, Avaliador 2 e Avaliador 3. Os alunos utilizaram os checklists (ANEXOS B e C) e empregaram – no em sua avaliação respondendo a todas suas questões de acordo com o Moodle. O ambiente Moodle foi avaliado online pelo site da instituição Faculdades Luiz Meneghel por ser o ambiente virtual por ela adotado. Os resultados obtidos encontram-se nas tabelas (no Apêndice) e gráficos a seguir apresentados:
  • 37 Tabela 2: Ergolist – Número de critérios em conformidade com usabilidade Critério Avaliador 1 Avaliador 2 Avaliador 3 Porcentagem Legibilidade 22 21 22 78% Agrupamento por formato 15 8 12 69% Presteza 8 6 10 47% Agrupamento por localização 10 7 7 73% Feedback 8 8 6 61% Concisão 10 11 8 69% Mensagem de erro 6 4 6 59% Flexibilidade 3 2 1 67% Significado 12 10 10 89% Proteção contra erro 3 4 1 38% Controle do usuário 3 3 2 67% Experiência do usuário 2 4 4 56% Correção de erros 4 1 2 47% Consistência 10 7 10 82% Densidade informacional 8 5 7 74% Compatibilidade 14 9 9 51% Ações explícitas 4 3 4 92% Ações mínimas 5 3 4 73% Média 67% Nesta tabela 2 estão estabelecidos resultados obtidos pelos três avaliadores e os critérios utilizados do Ergolist. É através dela que foram levantados os resultados finais e foi possível chegar a uma conclusão sobre a qualidade do ambiente. Foi feita uma comparação entre os resultados doas avaliadores 1, 2 e 3 e através do cálculo foi obtida a média de usabilidade de cada critério. Depois de obtida essa média foi feito um novo cálculo (média da porcentagem encontrada por cada avaliador dividido pelo número de avaliadores) para encontrar a média geral de usabilidade do ambiente Moodle que é de 67%. Este é um resultado que se pode considerar razoável, isso demonstra que há alguns critérios do ambiente que não estão em conformidade com o padrão de ergonomia que se pretende obter, um a vez que se encontram abaixo de 50% como é o caso dos critérios Proteção contra erro, Correção de erros e Presteza. Porém foram encontrados bons resultados nos critérios Ações explícitos, Significado e Consistência que obtiveram média superior a 80%.
  • 38 Gráfico 1: Resultado da Usabilidade do Moodle Usabilidade 100% 90% 77% 80% 67% 70% 64% 60% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Avaliação Usabilidade Avaliador 1 Avaliador 2 Avaliador 3 Média
  • 39 Tabela 3: Ergolist – Resultado de Usabilidade por Avaliador
  • 40 Tabela 4: Usabilidade Moodle % Tabela 5: Checklist de qualidade ISO 14.598 - número de critérios em conformidade com qualidade. Média Critérios Avaliador 1 Avaliador 2 Avaliador 3 100% 1 3 3 3 77,7% 2 3 1 3 100% 3 3 3 3 100% 4 3 3 3 100% 5 3 3 3 77,7% 6 1 3 3 77,% 7 3 1 3 100% 8 3 3 3 77,7% 9 3 3 1 100% 10 3 3 3 77,7% 11 3 3 1 100% 12 3 3 3 100% 13 3 3 3 Media 2,84 2,69 2,69 91%
  • 41 Esta tabela mostra os resultados encontrados pelos três avaliadores e através destes resultados foi feita uma comparação e obtida a média de qualidade de cada um dos critérios (que estão melhor descritos no anexo C). Ao final foi obtida uma média geral da qualidade do ambiente que será detalhada melhor a seguir. Pode se perceber que o ambiente Moodle possui um alto grau de qualidade: 91%. Apenas poucos critérios poderiam ser melhorados ou modificados para alcançar uma excelente qualidade. Estes resultados da tabela acima foram conseguidos dividindo a media de cada usuário pelo valor máximo que pode ser atribuído (3) e multiplicando por 100 (para dar a porcentagem correta) obtém - se a seguinte relação (tabela 6): Tabela 6: Porcentagem de qualidade obtida por avaliador Ambiente Avaliador 1 Avaliador 2 Avaliador 3 Moodle 94,9 % 89,7 % 89,7 % Para a média somou-se o resultado de cada avaliador e dividiu-se pelo número de avaliadores: Tabela 7: Porcentagem média de qualidade do ambiente Ambiente Avaliador 1 Avaliador 2 Avaliador 3 Média Moodle 94,9 % 89,7 % 89,7 % 91,43% Analisando os resultados parciais acima concluímos que o ambiente Moodle possui 66% de usabilidade e 91,43% de qualidade.
  • 42 Gráfico 2: Resultado da Qualidade do Moodle Qualidade 100% 95% 92% 90% 90% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Avaliação Qualidade Avaliador 1 Avaliador 2 Avaliador 3 Média Tabela 8: Resultado da Qualidade do Moodle por Avaliador
  • 43 Tabela 9: Qualidade Moodle % 5.2 Resultados e discussões Através do estudo feito da avaliação do ambiente Moodle pode se perceber que na questão de usabilidade o ambiente atingiu 67%, que é um resultado não muito satisfatório. Foram encontrados alguns pontos do ambiente em que ele obteve uma baixa porcentagem (menor que 50%) tais como: presteza, proteção contra erro, correção de erros. O ambiente não possui boa presteza guia nem sempre sabe onde ele se encontra no diálogo e o que ele fez para se encontrar nessa situação, tendo difícil navegação no aplicativo. Quanto a proteção contra erros é preferível detectar os erros no momento da digitação, do que no momento da validação. Isto pode evitar perturbações durante a tarefa. O ambiente nem sempre permite que isso ocorra.
  • 44 Quanto ao critério de correção pode se dizer que erros são bem menos perturbadores quando eles são fáceis de corrigir. O que poderia ser feito é fornecer a possibilidade de modificar os comandos no momento de sua digitação; quando se verifica erro na digitação de um ou mais comandos, proporcionar ao usuário a possibilidade de refazer a digitação apenas da parte equivocada do(s) comando(s), evitando rejeitar um bloco todo já digitado e se o usuário não percebe que cometeu um erro de digitação. Quando se erra geralmente é necessário refazer a operação. Alguns critérios obtiveram pontuação média (de 51% a 80%): ações mínimas, densidade informacional, agrupamento por localização, legibilidade, compatibilidade, experiência do usuário, mensagem de erro, agrupamento por formato, feedback, concisão, flexibilidade, e controle do usuário. Falando sobre ações mínimas, quanto mais numerosas e complexas forem as ações necessárias para se chegar a uma meta, a carga de trabalho aumentará e, com ela, a probabilidade de ocorrência de erros. Algumas tarefas e até mesmo a navegação pelo ambiente foi definida como difícil por alguns dos avaliadores. Se tratando de densidade informacional, na maioria das tarefas, a performance dos usuários piora quando há muita ou pouca informação. Itens que não estão relacionados à tarefa devem ser removidos. A carga de memorização dos usuários deve ser minimizada. Os usuários informaram que em alguns casos houve pouca informação sobre como chegar a um determinado local do ambiente. No agrupamento por localização a compreensão de uma tela pelo usuário depende da ordenação dos objetos (imagens, textos, comandos, etc.) que são apresentados. Os usuários irão detectar os diferentes itens mais facilmente se eles forem apresentados de uma forma organizada. Além disso, a aprendizagem e a recuperação de itens serão melhoradas. Há um bom agrupamento, mas não uma ordem lógica para ele. Legibilidade: o desempenho melhora quando a apresentação da informação leva em conta as características cognitivas e perceptivas dos usuários. Uma boa legibilidade facilita a leitura da informação apresentada. Por exemplo, letras escuras em um fundo claro são mais fáceis de ler que letras claras em um fundo escuro; texto apresentado com letras maiúsculas e minúsculas é lido mais rapidamente que texto escrito somente com maiúsculas. Os usuários acharam que esse critério está apresentado de forma satisfatória, a largura está de acordo, não é usado tudo em maiúsculo nem negrito.
  • 45 Compatibilidade: A transferência de informações é mais rápida e eficaz se tiver pouca informação para entender. Os procedimentos e as tarefas são organizados de maneira a respeitar as expectativas ou costumes do usuário. Não há quantidade exagerada de informação e as tarefas são relativamente simples de se realizar. Experiência do usuário: O grau de experiência dos usuários pode variar. Eles tanto podem se tornar especialistas, devido à utilização continuada, como menos hábeis, depois de longos períodos de não utilização. A interface deve também ser feita para lidar com as variações de nível de experiência. Para usuários iniciantes, através da experiência adquirida ficou fácil lembrar e chegar a determinados locais tanto quanto para usuários mais avançados. Mensagem de erro: A qualidade das mensagens favorece o aprendizado do sistema, indicando ao usuário a razão ou a natureza do erro cometido, o que ele fez de errado, o que ele deveria ter feito e o que ele deve fazer. Quando um usuário errou, por exemplo, na tela de cadastro foi informado que ele deixou um campo obrigatório em branco, foi especificado o local do erro. Agrupamento por formato: Será mais fácil para o usuário perceber relacionamento(s) entre itens ou classes de itens, se diferentes formatos ou diferentes códigos ilustrarem suas similaridades ou diferenças. Um bom agrupamento/distinção leva a uma boa condução. Para os usuários foi fácil saber que no lado direito se encontrava, por exemplo, as últimas modificações ou publicações feitas em uma determinada matéria independente se esta fosse uma outra matéria do mesmo curso. Feedback: A qualidade e a rapidez do feedback são dois fatores importantes para o estabelecimento de satisfação e confiança do usuário, assim como para o entendimento do diálogo. Esses fatores possibilitam que o usuário tenha um melhor entendimento do funcionamento do sistema. Houve um retorno imediato quando um usuário concluía uma tarefa ou mesmo quando apresentava um erro ao digitar uma mensagem, por exemplo, indicando o fracasso da operação. Concisão: quanto menos entradas, menor a probabilidade de cometer erros. Além disso, quanto mais sucintos forem os itens, menor será o tempo de leitura. O usuário navega de forma rápida sem ter que utilizar muito do teclado para realizar suas tarefas, não precisando digitar nem esperar resultados demorados.
  • 46 Flexibilidade: Quanto mais formas de efetuar uma tarefa existirem, maiores serão as chances de que o usuário possa escolher e dominar uma delas no curso de sua aprendizagem. Para realizar uma navegação ou uma tarefa os usuários podem utilizar apenas o mouse. Controle do usuário: O controle sobre as interações favorece a aprendizagem e, assim, diminui a probabilidade de erros. Como conseqüência, o computador se torna mais previsível. Foi fácil aos usuários ter um controle de sua navegação e da realização de diversas tarefas no ambiente. E apenas poucos pontos com alta porcentagem de usabilidade (maior que 80%): ações explícitas, consistência e significado. Ações explícitas: Quando o processamento pelo computador resulta de ações explícitas dos usuários, estes aprendem e entendem melhor o funcionamento da aplicação e menos erros são observados. Quando o usuário precisou inserir dados, isso foi feita de uma maneira que houve um retorno satisfatório por parte do ambiente, sem necessidade de alterarem maiúsculas e minúsculas ou recorrer à ajuda. Consistência: Os procedimentos, rótulos, comandos, são mais bem reconhecidos, localizados e utilizados, quando seu formato, localização ou sintaxe são estáveis de uma tela para outra, de uma seção para outra. É conveniente padronizar os objetos quanto a seu formato e a sua denominação, e a sintaxe dos procedimentos. Os itens de uma tela para outra são padronizados e facilitam a compreensão do ambiente. Significado: Quando a codificação é significativa, a recordação e o reconhecimento são melhores. Códigos e denominações não significativos para os usuários podem sugerir operações inadequadas para o contexto, levando a cometer erros. Por exemplo: O título deve transmitir o que ele representa e ser distinto de outros títulos; Isso ocorre no ambiente e foi percebido pelos usuários. Quanto à questão de qualidade os critérios de Funcionalidade – Adequação (função), Usabilidade – Intelegibilidade e Usabilidade – Apreensibilidade foram atendidos de maneira satisfatória de acordo com os avaliadores. Em Funcionalidade – Adequação (função) foi percebido que o ambiente não possui algumas funções bem definidas ou que estas são difíceis de serem encontradas e realizadas como, por exemplo, navegar por telas do ambiente e voltar em uma determinada tela.
  • 47 Quanto a Usabilidade – Intelegibilidade foi declarado que é difícil no início entender com se deslocar pelo ambiente, ou como inserir um tópico com respostas de uma tarefa. Em Usabilidade – Apreensibilidade os usuários disseram que demoraram um pouco para entender o ambiente e seus conceitos. Os critérios Funcionalidade – Adequação, Funcionalidade – Acurácia, Funcionalidade – Interoperabilidade, Funcionalidade – Segurança de acesso, Usabilidade – Operacionalidade, Eficiência – Recursos, Portabilidade – Adaptabilidade, Portabilidade - Capacidade de ser instalado e Portabilidade – Capacidade para substituir foram avaliados e como resultado obtiveram conceito máximo (100%).
  • 48 6. CONCLUSÃO 6.1 Considerações Finais Em relação à usabilidade o Ambiente Moodle ainda apresenta alguns quesitos que não estão totalmente em conformidade com os critérios de um ambiente 100% ergonômico. É preciso que sejam feitas algumas melhorias para que o ambiente possa atender as necessidades dos usuários de uma maneira satisfatória a todos os níveis de utilizadores. Tais melhorias poderiam ser com relação aos critérios de proteção contra erros, por exemplo, detectando os erros no momento da digitação, ao invés de precisar validar primeiro ou em presteza através de medidas como: indicar tamanho do campo em que o usuário vai inserir dados, fornecer ajuda e orientação sobre cada passo que ele deve seguir ou como está o estado do que ele está fazendo. Sempre seguindo as orientações que se encontram no site do Ergolist elaborado pela Universidade Federal de Santa Catarina. Na questão de qualidade foi observado seu elevado grau de qualidade, isso demonstra que é recomendada sua adoção por usuários comuns e instituições de ensino. Tanto na questão de usabilidade quanto na de qualidade pode se perceber que sempre há alguns quesitos que não estão em conformidade com as normas estabelecidas. Isso não quer dizer que o produto seja ruim apenas que ainda existem critérios que deve ser reavaliados. O ambiente Moodle possui todos os quesitos mínimos para proporcionar um bom desenvolvimento na área de educação à distância podendo sim ser adotados por instituições de ensino ou empresas que queiram utilizar seus atributos de colaboração em aprendizado presencial. Como resultado final foi atingido o objetivo deste trabalho permitindo mostrar que o ambiente possui ótimo grau de qualidade.
  • 49 6.2 Trabalhos futuros Como trabalhos futuros poderia ser traçado um comparativo entre os AVAs mais utilizados hoje no Brasil, como o Moodle, TelEduc, AulaNet, para que se possa indicar qual o melhor a ser utilizado, além de verificar a questão do custo benefício, ou seja, se o AVA é pago será que realmente ele possui a qualidade e usabilidade necessárias para o domínio no qual será utilizado. Poderia também ser feito um estudo de desvio padrão sobre o resultado obtido por cada usuário para que se possa fazer uma análise sobre o motivo da variação de cada critério avaliado.
  • 50 7. REFERÊNCIAS. ALMEIDA, Cleibson. Debatendo o Papel do Tutor na Educação a Distância. In: Ambientes Virtuais de Aprendizagem. I Encontro Nacional de Educação a Distancia. Ribeirão Preto, 2006. ALBUQUERQUE, Vitor H. O. EDMUNDO, José S. DAMIÃO, Silvia M. Soluções de Suporte Tecnológico À Educação Presencial. In: Anais do 12º Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA – XII ENCITA/2006. São José dos Campos, 2006. ANTONIONI, José A. Guia MPS.BR. Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Painel Setorial Inmetro. Programa Nacional de Certificação de Softwares e Serviços. Xerém, 2007. ARIMOTO, Mauricio M. Definição De Um Processo De Software Para Garantia Da Qualidade Em Sistemas De Comércio Eletrônico. Tese de Mestrado. Marilia, 2006. BERGAMASCHI Fº, Edson. Elaboração e Desenvolvimento da Estrutura LaViE (Laboratório Virtual de Estatística aplicada a admnistração ) como um SGC – Sistema de Gerenciamento de Cursos. 2006. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto 2006. BRASILEIRO Fº, Samuel. MACHADO, Elian. Aspectos Metodológicos Da Avaliação Pedagógica De Ambientes Virtuais De Aprendizagem. Artigo. Ceará, 2002. CAMPOS, Fernanda C.A. COSTA, Rosa M.E. SANTOS, Neide. Fundamentos da Educação à Distancia, Mídias e Ambientes Virtuais. Juiz de fora, 2007. Editora Editar. CASTILLO, R. A. F. del., 68 - MOODLE (MODULAR OBJECT ORIENTED DYNAMIC LEARNING ENVIROMENT), Editora CCUEC / UNICAMP, publicado em 28 de fevereiro de 2005. Disponível em http://www.ccuec.unicamp.br/EAD/index_html? foco2=Publicacoes/78095/947021&focomenu=Publicacoes,. Acesso em 10 de abril de 2008.
  • 51 CÔRTES, M.L.; CHIOSSI, Thelma C. dos Santos. Modelos de Qualidade de Software. 1ªed Campinas. Editora da Unicamp, 2001. ERGOLIST. Checklist de Usabilidade. Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em : www.labiutil.inf.ufsc.br/ergolist. Acesso em: 14 de Setembro de 2008. GARCIA, Luís F. Qualidades de Produto de Software. Universidade Luterana do Brasil. Faculdade de Informática. 2006 KEMCZINSKI, Avanilde. Métodos de Avaliação para Ambientes E-Learning. Tese Doutorado.2005. ISO - INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 13.407 Human-Centred Design process for interactive systems, 1999. ISO STANDARDS: standards in usability and user-centred design. Usability Partners. Disponível em: <http://www.usabilitypartners.se/usability/standards.shtml>. Acesso em: 20 de maio. 2006. PEREIRA, A.T.C., SCHMITT, Valdenise e DIAS, Maria R. A. C., AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM. IN: AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM, Florianópolis: Editora UFRGS, publicado em 2006. PULINO Fº, Athail R. Introdução ao Moodle. Manual Moodle. Brasília, 2004. ROCHA, Ana R. CAMPOS, Gilda H.B. de. Avaliação de Qualidade de Software Educacional. Brasília, ano 12, p. 32-44, jan./mar.1993. ROSSI, Daniela. Sign Web Fórum: um fórum de discussão que possibilita troca de mensagens em LIBRAS. São Leopoldo, 2004. Monografia. SILVA, C. R. de O. Maep: um método ergopedagógico interativo de avaliação para produtos educacionais informatizados. Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Florianópolis. 2002. (Tese de Doutorado). SILVA, Maurício S. Checklist para os Pontos de Verificação para Acessibilidade ao Conteúdo da Web - Diretrizes 1.0. Março, 2005. Disponível em
  • 52 http://www.geocities.com/claudiaad/acessibilidade_web.html. Acesso em 5 de abril de 2008. SILVEIRA, Clóvis da; REIDRICH, Regina Oliveira de; BASSANI, Patrícia Brandalise Scherer. Avaliação das Tecnologias Existentes para Inclusão Digital de Deficientes Visuais através da utilização de Requisitos de Qualidade. Artigo. Julho, 2007. SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de Software. 6º Edição.São Paulo: Addison Wesley, 2003. SOUZA, Luciano S. SPINOLA, Mauro de M. Requisitos de Usabilidade em Projetos de Interface Centrado no Usuário de Software de Dispositivos Móveis. XXVI ENEGEP, Fortaleza, Ceará. Outubro, 2006. TORRES, Elizabeth F. MAZZONI, Alberto A. ALVES, João Bosco M. A acessibilidade à informação no espaço digital. Artigo. Brasília, 2002. WIKIPEDIA. Usabilidade segundo a norma ISO 9241 Interação Humano – Computador / Usabilidade. Disponível em: http://pt.wikibooks.org/wiki/Intera %C3%A7%C3%A3o_Humano-Computador/Usabilidade. Acesso em 26 de Março de 2008. Guia de Acessibilidade W3C. Maio, 1999. Disponível em http://www.w3.org/TR/WAI-WEBCONTENT . Acesso em 20 de março de 2008. MPS-BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia Geral versão1.1. Maio de 2006.
  • 53 APÊNDICES Tabela 10: Respostas do Avaliador 1 usando Ergolist Critério Conforme Não Conforme Não se aplica Total Porcentagem Legibilidade 22 2 3 27 81% Agrupamento por formato 15 1 1 17 88% Presteza 8 3 6 17 47% Agrupamento por localização 10 0 1 11 91% Feedback 8 0 4 12 67% Concisão 10 1 3 14 71% Mensagem de erro 6 3 0 9 67% Flexibilidade 3 0 0 3 100% Significado 12 0 0 12 100% Proteção contra erro 3 3 1 7 43% Controle do usuário 3 0 1 4 75% Experiência do usuário 2 1 3 6 33% Correção de erros 4 0 1 5 80% Consistência 10 0 1 11 91% Densidade informacional 8 0 1 9 89% Compatibilidade 14 0 7 21 67% Ações explícitas 4 0 0 4 100% Ações mínimas 5 0 0 5 100% Média 77% Tabela 11: Resultados do Avaliador 2 usando Ergolist Critério Conforme Não Conforme Não se aplica Total Porcentagem Legibilidade 21 4 2 27 78% Agrupamento por formato 8 8 1 17 47% Presteza 6 11 0 17 35% Agrupamento por localização 7 3 1 11 64% Feedback 8 4 0 12 67% Concisão 11 2 1 14 79% Mensagem de erro 4 5 0 9 44% Flexibilidade 2 1 0 3 67% Significado 10 1 1 12 83% Proteção contra erro 4 3 0 7 57% Controle do usuário 3 1 0 4 75%
  • 54 Experiência do usuário 4 2 0 6 67% Correção de erros 1 2 2 5 20% Consistência 7 3 1 11 64% Densidade informacional 5 4 0 9 56% Compatibilidade 9 12 0 21 43% Ações explicítas 3 1 0 4 75% Ações mínimas 3 2 0 5 60% Média 60% Tabela 12: Resultados do Avaliador 3 usando Ergolist Critério Conforme Não Conforme Não se aplica Total Porcentagem Legibilidade 22 0 5 27 81% Agrupamento por formato 12 3 2 17 71% Presteza 10 0 7 17 59% Agrupamento por localização 7 4 0 11 64% Feedback 6 2 4 12 50% Concisão 8 0 6 14 57% Mensagem de erro 6 2 1 9 67% Flexibilidade 1 0 1 2 50% Significado 10 0 2 12 83% Proteção contra erro 1 1 5 7 14% Controle do usuário 2 1 1 4 50% Experiência do usuário 4 1 1 6 67% Correção de erros 2 0 3 5 40% Consistência 10 0 1 11 91% Densidade informacional 7 0 2 9 78% Compatibilidade 9 1 10 20 45% Ações explicítas 4 0 0 4 100% Ações mínimas 4 0 1 5 80% Média 64% Tabela 13: Resultados do Avaliador 1 usando checklist de qualidade Não Critérios Satisfatório satisfatório Em parte Média 1 3 100% 2 3 100% 3 3 100% 4 3 100%
  • 55 5 3 100% 6 1 33,3% 7 3 100% 8 3 100% 9 3 100% 10 3 100% 11 3 100% 12 3 100% 13 3 100% Média 95% Tabela 14: Resultados do Avaliador 2 usando checklist de qualidade Não Critérios Satisfatório satisfatório Em parte Média 1 3 100% 2 1 33,3% 3 3 100% 4 3 100% 5 3 100% 6 3 100% 7 1 33,3% 8 3 100% 9 3 100% 10 3 100% 11 3 100% 12 3 100% 13 3 100% Média 90% Tabela 15: Resultados do Avaliador 3 usando checklist de qualidade Não Critérios Satisfatório satisfatório Em parte Média 1 3 100% 2 3 100% 3 3 100% 4 3 100% 5 3 100% 6 3 100% 7 3 100% 8 3 100% 9 1 33,3% 10 3 100%
  • 56 11 1 33,3% 12 3 100% 13 3 100% Média 90%
  • 57 Anexo A Tabela 16: Checklist dos pontos de verificação e prioridades de acessibilidade do documento da W3C. Caráter geral (Prioridade 1) Pontos de verificação S N N/A É necessário fornecer um equivalente textual a cada elemento não textual ou como parte do conteúdo do elemento. Isso abrange: imagens, representações gráficas do texto (incluindo símbolos), regiões de mapa de imagem, animações, applets e objetos programados, arte ascii, frames, programas interpretáveis, imagens utilizadas como sinalizadores de pontos de enumeração, espaçadores, botões gráficos, sons, arquivos de áudio independentes, trilhas áudio de vídeo e trechos de vídeo. É preciso assegurar que todas as informações veiculadas com cor estejam também disponíveis sem cor, por exemplo, a partir do contexto ou de marcações. É preciso identificar claramente quaisquer mudanças de idioma no texto de um documento, bem como nos equivalentes textuais (por ex., legendas). É necessário organizar os documentos de tal forma que possam ser lidos sem recurso a folhas de estilo. Por exemplo, se um documento em HTML for reproduzido sem as folhas de estilo que lhe estão associadas, deve continuar a ser possível lê-lo. É necessário assegurar que os equivalentes de conteúdo dinâmico sejam atualizados sempre que esse conteúdo mudar. É necessário evitar concepções que possam provocar intermitência da tela, até que os agentes do usuário possibilitem o seu controle. É necessário utilizar linguagem a mais clara e simples possível, adequada ao conteúdo do site. E se precisar usar imagens e mapas de imagens? S N N/A É necessário fornecer links de texto redundantes relativos a cada região ativa de um mapa de imagem armazenado no servidor. É necessário fornecer mapas de imagem armazenados no cliente ao invés de no servidor, exceto quando as regiões não puderem ser definidas por forma geométrica disponível. E se precisar usar tabelas? S N N/A É necessário, em tabelas de dados, identificar os cabeçalhos de linha e de coluna. É necessário, em tabelas de dados com dois ou mais níveis lógicos de cabeçalhos de linha ou de coluna, utilizar marcações para associar as células de dados às células de cabeçalho.
  • 58 E se precisar usar frames? S N N/A Dar, a cada frame, um título que facilite a identificação dos frames e sua navegação. E se precisar usar applets e scripts? S N N/A É necessário assegurar que todas as páginas possam ser utilizadas mesmo que os programas interpretáveis, os applets ou outros objetos programados tenham sido desativados ou não sejam suportados. Se isso não for possível, fornecer informações equivalentes em uma página alternativa, acessível. E se precisar usar multimídia? S N N/A Deve-se fornecer uma descrição sonora das informações importantes veiculadas em trechos visuais das apresentações multimídia, até que os agentes do usuário consigam ler, automaticamente e em voz alta, o equivalente textual dos trechos visuais. Deve-se, em apresentações multimídia baseadas em tempo (filme ou animação), sincronizar as alternativas equivalentes (legendas ou descrições sonoras dos trechos visuais) e a apresentação. E se tudo o mais falhar? S N N/A Se, apesar de todos os esforços, não for possível criar uma página acessível, fornecer um link a uma página alternativa que utilize tecnologias do W3C, seja acessível, contenha informações (ou funcionalidade) equivalentes e seja atualizada tão freqüentemente quanto a página original, considerada inacessível. Caráter geral (Prioridade 2) Pontos de verificação S N N/A Deve-se assegurar que a combinação de cores entre o fundo e o primeiro plano seja suficientemente contrastante para poder ser vista por pessoas com cromodeficiências, bem como pelas que utilizam monitores de vídeo monocromáticos. [Prioridade 2 para imagens; prioridade 3 para texto]. Sempre que existir uma linguagem de marcação apropriada, utilizar marcações em vez de imagens para transmitir informações. É necessário criar documentos passíveis de validação por gramáticas formais, publicadas. É necessário utilizar folhas de estilo para controlar a paginação (disposição em página) e a apresentação. É necessário utilizar unidades relativas, e não absolutas, nos valores dos atributos da linguagem de marcação e nos valores das propriedades das folhas de estilo. É necessário utilizar elementos de cabeçalho indicativos da estrutura do documento, de acordo com as especificações. Devem-se marcar corretamente listas e pontos de enumeração em listas. Devem-se marcar as citações. Não utilizar marcações de citação para efeitos de formatação, como, por exemplo, o avanço de texto. É necessário assegurar a acessibilidade do conteúdo dinâmico ou fornecer apresentação ou página alternativas.
  • 59 Devem-se evitar situações que possam provocar o piscar do conteúdo das páginas (isto é, alterar a apresentação a intervalos regulares, como ligar e desligar), até que os agentes do usuário possibilitem o controle desse efeito. Não criar páginas de atualização automática periódica, até que os agentes do usuário possibilitem parar essa atualização. Não utilizar marcações para redirecionar as páginas automaticamente, até que os agentes do usuário possibilitem parar o redirecionamento automático. Ao invés de utilizar marcações, configurar o servidor para que execute os redirecionamentos. Não provocar o aparecimento de janelas de sobreposição ou outras quaisquer, e não fazer com que o conteúdo da janela atual seja modificado sem que o usuário seja informado disso, até que os agentes do usuário tornem possível à desativação de janelas secundárias. Devem-se utilizar tecnologias do W3C sempre disponíveis e adequadas a uma determinada tarefa; utilizar as versões mais recentes, desde que suportadas. Devem-se evitar funcionalidades desatualizadas de tecnologias do W3C. . É preciso dividir grandes blocos de informação em grupos mais fáceis de gerenciar, sempre que for o caso. É preciso identificar claramente o destino de cada link. É preciso fornecer metadados para acrescentar informações semânticas a páginas ou sites. É preciso dar informações sobre a organização geral de um site (por ex., por meio de um mapa do site ou de um sumário). Devem-se utilizar os mecanismos de navegação de maneira coerente e sistemática. E se precisar usar tabelas? S N N/A Não utilizar tabelas para efeitos de disposição em página, a não ser que a tabela continue a fazer sentido depois de ser linearizada. Se não for o caso, fornecer um equivalente alternativo (que pode ser uma versão linearizada). Se for utilizada uma tabela para efeitos de disposição em página, não utilizar qualquer marcação estrutural para efeitos de formatação visual. E se precisar usar frames? S N N/A É preciso descrever a finalidade dos frames e o modo como se relacionam entre si, se isso não for óbvio a partir unicamente dos títulos. E se precisar usar formulários? S N N/A Deve-se assegurar o correto posicionamento de todos os controles de formulários que tenham rótulos implicitamente associados, até que os agentes do usuário venham a suportar associações explícitas entre rótulos e controles de formulários. É necessário associar explicitamente os rótulos aos respectivos controles. E se precisar usar applets e scripts? S N N/A
  • 60 Em programas interpretáveis e applets, é preciso assegurar que a resposta a eventos seja independente do dispositivo de entrada. Devem-se evitar páginas contendo movimento, até que os agentes do usuário possibilitem a imobilização do conteúdo. Devem-se criar elementos de programação, tais como programas interpretáveis e applets, diretamente acessíveis pelas tecnologias de apoio ou com elas compatíveis [prioridade 1 se a funcionalidade for importante e não estiver presente em outro local; prioridade 2, se não for o caso]. Deve-se assegurar que qualquer elemento dotado de interface própria possa funcionar de modo independente de dispositivos. Em programas interpretáveis, é necessário especificar respostas a eventos, preferindo-as a rotinas dependentes de dispositivos. Caráter geral (Prioridade 3) Pontos de verificação S N Deve-se especificar por extenso cada abreviatura ou sigla quando da sua primeira ocorrência em um documento. É preciso identificar o principal idioma utilizado nos documentos. Deve-se criar uma seqüência lógica de tabulação para percorrer links, controles de formulários e objetos. É necessário fornecer atalhos por teclado que apontem para links importantes (incluindo os contidos em mapas de imagem armazenados no cliente), controles de formulários e grupo de controles de formulários. É necessário inserir, entre links adjacentes, caracteres que não funcionem como link e sejam passíveis de impressão (com um espaço de início e outro de fim), até que os agentes do usuário (incluindo as tecnologias de apoio) reproduzam clara e distintamente os links adjacentes. É necessário fornecer informações que possibilitem aos usuários receber os documentos de acordo com as suas preferências (por ex., por idioma ou por tipo de conteúdo). É necessário fornecer barras de navegação para destacar e dar acesso ao mecanismo de navegação. É preciso agrupar links relacionados entre si, identificar o grupo (em benefício dos agentes do usuário) e, até que os agentes do usuário se encarreguem de tal função, fornecer um modo de contornar determinado grupo. Se forem oferecidas funções de pesquisa, podem-se ativar diferentes tipos de pesquisa de modo a corresponderem a diferentes níveis de competência e às preferências dos usuários. Podem-se colocar informações identificativas no início de cabeçalhos, parágrafos, listas e etc. Podem-se fornecer informações sobre coleções de documentos (isto é, documentos compostos por várias páginas). Podem-se fornecer meios para ignorar inserções de arte ASCII com várias linhas.
  • 61 Pode-se complementar o texto com apresentações gráficas ou sonoras, sempre que facilitarem a compreensão da página. Pode-se criar um estilo de apresentação coerente e sistemático, ao longo das diferentes páginas. E se precisar usar imagens e mapas de imagens? S N N/A Podem-se fornecer links textuais redundantes para cada região ativa dos mapas de imagem no cliente, até que os agentes do usuário proporcionem equivalentes textuais dos links a mapas de imagem armazenados no cliente. E se precisar usar tabelas? S N N/A Podem-se fornecer resumos das tabelas. Podem-se fornecer abreviaturas para os rótulos de cabeçalho. Pode-se proporcionar uma alternativa de texto linear (na mesma ou em outra página), em relação a todas as tabelas que apresentem o texto em colunas paralelas e com translineação, até que os agentes do usuário (incluindo as tecnologias de apoio) reproduzam corretamente texto colocado lado a lado. E se precisar usar formulários? S N N/A Podem-se incluir caracteres predefinidos de preenchimento nas caixas de edição e nas áreas de texto, até que os agentes do usuário tratem corretamente os controles vazios. Fonte: Mauricio Silva (2005). Checklist para os Pontos de Verificação para Acessibilidade ao Conteúdo da Web - Diretrizes 1.0.
  • 62 Anexo B Tabela 17: Ergolist da Universidade Federal de Santa Catarina Concisão Sim Não Não aplicável O sistema oferece valores defaults para acelerar a entrada de dados? A identificação alfanumérica das janelas é curta o suficiente para ser relembrada facilmente? Os nomes das opções de menu são concisos? Os ícones são econômicos sob o ponto de vista do espaço nas telas? As denominações são breves? As abreviaturas são curtas? Os códigos arbitrários que o usuário deve memorizar são sempre menores do que 4 ou 5 caracteres? Os rótulos são concisos? Códigos alfanuméricos não significativos para o usuário e que devem ser entrados no sistema são menores do que 7 caracteres? Na entrada de dados alfanuméricos, o sistema considera as letras maiúsculas e minúsculas como equivalentes? Na entrada de dados numéricos, o usuário é liberado do preenchimento do ponto decimal desnecessário? Na entrada de dados numéricos, o usuário é liberado do preenchimento dos zeros fracionários desnecessários? Na entrada de valores métricos ou financeiros, o usuário é liberado do preenchimento da unidade de medida? É permitido ao usuário reaproveitar os valores definidos para entradas anteriores, podendo inclusive alterá-los? Mensagem de erro Sim Não Não Aplicável As mensagens de erro ajudam a resolver o problema do usuário, fornecendo com precisão o local e a causa específica ou provável do erro, bem como as ações que o usuário poderia realizar para corrigi-lo? As mensagens de erro são neutras e polidas? As frases das mensagens de erro são curtas e construídas a partir de palavras curtas, significativas e de uso comum? As mensagens de erro estão isentas de abreviaturas e/ou códigos gerados pelo sistema operacional? O usuário pode escolher o nível de detalhe das mensagens de erro em função de seu nível de conhecimento? A informação principal de uma mensagem de erro encontra- se logo no início da mensagem? Quando necessário, as informações que o usuário deve memorizar encontram-se localizadas na parte final da mensagem de erro? Quando necessário, as informações que o usuário deve memorizar encontram-se localizadas na parte final da
  • 63 mensagem de erro? As mensagens de erro têm seu conteúdo modificado quando na repetição imediata do mesmo erro pelo mesmo usuário? Flexibilidade Sim Não Não Aplicável Os usuários têm a possibilidade de modificar ou eliminar itens irrelevantes das janelas? Ao usuário é permitido personalizar o diálogo, através da definição de macros? É permitido ao usuário alterar e personalizar valores definidos por default? Legibilidade Sim Não Não Aplicável As áreas livres são usadas para separar grupos lógicos em vez de tê-los todos de um só lado da tela, caixa ou janela? Os grupos de objetos de controle e de apresentação que compõem as caixas de diálogo e outros objetos compostos encontram-se alinhados vertical e horizontalmente? Os rótulos de campos organizados verticalmente e muito diferentes em tamanho estão justificados à direita? A largura mínima dos mostradores de texto é de 50 caracteres? A altura mínima dos mostradores de texto é de 4 linhas? Os parágrafos de texto são separados por, pelo menos, uma linha em branco? O uso exclusivo de maiúsculas nos textos é evitado? O uso do negrito é minimizado? O uso do sublinhado é minimizado? Nas tabelas, linhas em branco são empregadas para separar grupos? As listas de dados alfabéticos são justificadas à esquerda? As listas contendo números decimais apresentam alinhamento pela vírgula? As linhas empregadas para o enquadramento e segmentação de menus (separadores, delimitadores etc.) são simples? As bordas dos painéis dos menus estão suficientemente separadas dos textos das opções de modo a não prejudicar a sua legibilidade? O uso de abreviaturas é minimizado nos menus? Os nomes das opções estão somente com a inicial em maiúsculo? Os números que indicam as opções de menu estão alinhados pela direita? Quando a enumeração alfabética é utilizada, as letras para seleção estão alinhadas pela esquerda? As opções das barras de menu horizontal estão separadas por, no mínimo, 2 caracteres brancos? Os rótulos de campos começam com uma letra maiúscula, e as letras restantes são minúsculas? Os itens de dados longos são particionados em grupos mais curtos, tanto nas entradas como nas apresentações? Os códigos alfanuméricos do sistema agrupam separadamente letras e números? Os ícones são legíveis?
  • 64 O sistema utiliza rótulos (textuais) quando pode existir ambigüidade de ícones? A informação codificada com o vídeo reverso é legível? O uso de vídeo reverso está restrito à indicação de feedback de seleção? Os dados a serem lidos são apresentados de forma contínua, ou seja, não piscantes? Significados Sim Não Não Aplicável As denominações dos títulos estão de acordo com o que eles representam? Os títulos das páginas de menu são explicativos, refletindo a natureza da escolha a ser feita? Os títulos das páginas de menu são distintos entre si? Os títulos das páginas de menu são combináveis ou componíveis? As denominações das opções de menu são familiares ao usuário? O vocabulário utilizado nos rótulos, convites e mensagens de orientação são familiares ao usuário, evitando palavras difíceis? O vocabulário utilizado em rótulos, convites e mensagens de orientação são orientados à tarefa, utilizando termos e jargão técnico normalmente empregados na tarefa? Os cabeçalhos de colunas de dados são significativos e distintos? O sistema adota códigos significativos ou familiares aos usuários? As abreviaturas são significativas? As abreviaturas são facilmente distinguíveis umas das outras, evitando confusões geradas por similaridade? A intermitência luminosa (pisca-pisca) é usada com moderação e somente para atrair a atenção para alarmes, avisos ou mensagens críticas? Proteção contra erros Sim Não Não Aplicável O sistema apresenta uma separação adequada entre áreas selecionáveis de um painel de menu de modo a minimizar as ativações acidentais? Em toda ação destrutiva, os botões selecionados por default realizam a anulação dessa ação? Os campos numéricos para entrada de dados longos estão subdivididos em grupos menores e pontuados com espaços, vírgulas, hífens ou barras? Ao final de uma sessão de trabalho o sistema informa sobre o risco de perda dos dados? O sistema emite sinais sonoros quando ocorrem problemas na entrada de dados? As teclas de funções perigosas encontram-se agrupadas e/ou separadas das demais no teclado? O sistema solicita confirmação (dupla) de ações que podem gerar perdas de dados e/ou resultados catastróficos? Agrupamento por Formato Sim Não Não Aplicável
  • 65 Os controles e comandos encontram-se visualmente diferenciados das informações apresentadas nas telas? Códigos visuais são empregados para associar diferentes categorias de dados distribuídos de forma dispersa nas telas? Os diferentes tipos de elementos de uma tela de consulta (dados, comandos e instruções) são visualmente distintos uns dos outros? Os rótulos são visualmente diferentes dos dados aos quais estão associados? Os cabeçalhos de uma tabela estão diferenciados através do emprego de cores diferentes, letras maiores ou sublinhadas? Em situações anormais, os dados críticos e que requeiram atenção imediata são diferenciados através do uso de cores brilhantes como, por exemplo, o vermelho ou o rosa? Sinais sonoros são empregados para alertar os usuários em relação a uma apresentação visual? Na apresentação de textos, os recursos de estilo, como itálico, negrito, sublinhado ou diferentes fontes são empregados para salientar palavras ou noções importantes? Os itens selecionados para alteração, atualização ou acionamento estão destacados dos outros? Nas situações de alarme e nas telas de alta densidade de informação, o recurso de intermitência visual é empregado para salientar dados e informações? Os campos obrigatórios são diferenciados dos campos opcionais de forma visualmente clara? Nas caixas de mensagens, o botão selecionado por default tem uma apresentação visual suficientemente distinta dos outros? Em situações em que se exija atenção especial do usuário, as mensagens de alerta e de aviso são apresentadas de maneira distinta? A forma do cursor do mouse é diferente da de qualquer outro item apresentado? As formas de cursores (dois ou mais) apresentados simultaneamente são suficientemente distintas umas das outras? As caixas de agrupamento são empregadas para realçar um grupo de dados relacionados? Quando apresenta opções não disponíveis no momento, o sistema as mostra de forma diferenciada visualmente? Experiência do Usuário Sim Não Não Aplicável Caso se trate de um sistema de grande público, ele oferece formas variadas de apresentar as mesmas informações aos diferentes tipos de usuário? Os estilos de diálogo são compatíveis com as habilidades do usuário, permitindo ações passo-a-passo para iniciantes e a entrada de comandos mais complexos por usuários experimentados? O usuário pode se deslocar de uma parte da estrutura de menu para outra rapidamente? O sistema oferece equivalentes de teclado para a seleção e
  • 66 execução das opções de menu, além do dispositivo de apontamento (mouse,...)? O sistema é capaz de reconhecer um conjunto de sinônimos para os termos básicos definidos na linguagem de comando, isto para se adaptar aos usuários novatos ou ocasionais? O usuário experiente pode efetuar a digitação de vários comandos antes de uma confirmação? Presteza Sim Não Não Aplicável Os títulos de telas, janelas e caixas de diálogo estão no alto, centrados ou justificados à esquerda? Todos os campos e mostradores de dados possuem rótulos identificativos? Caso o dado a entrar possua um formato particular, esse formato encontra-se descrito na tela? As unidades para a entrada ou apresentação de dados métricos ou financeiros encontram-se descritas na tela? Os rótulos dos campos contêm um elemento específico, por exemplo quot;:quot;, como convite às entradas de dados? Caso o dado a entrar possua valores aceitáveis esses valores encontram-se descritos na tela? Listas longas apresentam indicadores de continuação, d e quantidade de itens e de páginas? As tabelas apresentam cabeçalhos para linhas e colunas consistentes e distinguíveis dos dados apresentados? Os gráficos possuem um título geral e rótulos para seus eixos? Os botões que comandam a apresentação de caixas de diálogo apresentam em seus rótulos o sinal quot;...quot; como indicador da continuidade do diálogo? As páginas de menus possuem títulos, cabeçalhos ou convites à entrada? As opções de menu que levam a outros painéis de menu apresentam o sinal quot;>quot; como indicador desse fato? O usuário encontra disponíveis as informações necessárias para suas ações? Nas caixas de mensagens de erro, o botão de comando quot;AJUDAquot; está sempre presente? A resposta para uma solicitação de ajuda do usuário está estruturada no contexto da tarefa e da transação corrente? Existe a possibilidade do usuário obter a lista de comandos básicos da linguagem? Na ocorrência de erros, o usuário pode acessar todas as informações necessárias ao diagnóstico e à solução do problema? Controle do Usuário Sim Não Não Aplicável O usuário pode terminar um diálogo seqüencial repetitivo a qualquer instante? O usuário pode interromper e retomar um diálogo seqüencial a qualquer instante? O usuário pode reiniciar um diálogo seqüencial a qualquer instante? Durante os períodos de bloqueio dos dispositivos de entrada,
  • 67 o sistema fornece ao usuário uma opção para interromper o processo que causou o bloqueio? Correção de erros Sim Não Não Aplicável Qualquer ação do usuário pode ser revertida através da opção DESFAZER? Através da opção REFAZER, a regressão do diálogo, também pode ser desfeita? Os comandos para DESFAZER e REFAZER o diálogo estão diferenciados? O sistema reconhece e através de uma confirmação do usuário, executa os comandos mais freqüentes mesmo com erros de ortografia? Depois de um erro de digitação de um comando ou de dados, o usuário tem a possibilidade de corrigir somente à parte dos dados ou do comando que está errada? Consistência Sim Não Não Aplicavél A identificação das caixas, telas ou janelas são únicas? A organização em termos da localização das várias características das janelas é mantida consistente de uma tela para outra? A posição inicial do cursor é mantida consistente ao longo de todas as apresentações de formulários? Uma mesma tecla de função aciona a mesma opção de uma tela para outra? Os ícones são distintos uns dos outros e possuem sempre o mesmo significado de uma tela para outra? A localização dos dados é mantida consistente de uma tela para outra? Os formatos de apresentação dos dados são mantidos consistentes de uma tela para outra? Os rótulos estão na mesma posição em relação aos campos associados? O símbolo para convite à entrada de dados é padronizado (por exemplo “:”)? As áreas de entrada de comandos estão na mesma posição de uma tela para outra? Os significados dos códigos de cores são seguidos de maneira consistente? Agrupamento por localização Sim Não Não Aplicável O espaço de apresentação está diagramado em pequenas zonas funcionais? A disposição dos objetos de interação de uma caixa de dialogo segue uma ordem lógica? Nos agrupamentos de dados, os itens estão organizados espacialmente segundo um critério lógico? Os códigos das teclas aceleradoras de opções de menu estão localizados à direita do nome da opção? Nas listas de seleção, as opções estão organizadas segundo alguma ordem lógica? Os painéis de menus são formados a partir de um critério lógico de agrupamento de opções?
  • 68 Dentro de um painel de menu, as opções mutuamente exclusivas ou interdependentes estão agrupadas e separadas das demais? As opções dentro de um painel de menu estão ordenadas segundo algum critério lógico? A definição da opção de menu selecionada por default segue algum critério? Os grupos de botões de comando estão dispostos em coluna e à direita, ou em linha e abaixo dos objetos aos quais estão associados? O botão de comando selecionado por default está na posição mais alta, se os botões estão dispostos verticalmente, ou na mais à esquerda, se os botões estão dispostos horizontalmente? Densidade Informacional Sim Não Não Aplicável A densidade informacional das janelas é reduzida? As telas apresentam somente os dados e informações necessárias e indispensáveis para o usuário em sua tarefa? Na entrada de dados codificados, os códigos apresentam somente os dados necessários estão presentes na tela de uma maneira distinguível? O sistema minimiza a necessidade do usuário lembrar dados exatos de uma tela para outra? Na leitura de uma janela, o usuário tem seus movimentos oculares minimizados através da distribuição dos objetos principais segundo as linhas de um quot;Z”? O sistema evita apresentar um grande número de janelas que podem desconcentrar ou sobrecarregar a memória do usuário? Na manipulação dos dados apresentados pelo sistema, o usuário está liberado da tradução de unidades? As listas de seleção e combinação apresentam uma altura correspondente a um máximo de nove linhas? Os painéis de menu apresentam como ativas somente as opções necessárias? Feedback Sim Não Não Aplicável O sistema fornece feedback para todas as ações do usuário? Quando, durante a entrada de dados, o sistema torna-se indisponível ao usuário, devido a algum processamento longo, o usuário é avisado desse estado do sistema e do tempo dessa indisponibilidade? O sistema fornece informações sobre o estado das impressões? Os itens selecionados de uma lista são realçados visualmente de imediato? A imagem do cursor fornece feedback dinâmico e contextual sobre a manipulação direta? O sistema fornece ao usuário informações sobre o tempo de processamentos demorados? O sistema apresenta uma mensagem informando sobre o sucesso ou fracasso de um processamento demorado? O sistema fornece feedback imediato e contínuo das
  • 69 manipulações diretas? O sistema define o foco das ações para os objetos recém criados ou recém abertos? O sistema fornece feedback sobre as mudanças de atributos dos objetos? Qualquer mudança na situação atual de objetos de controle é apresentada visualmente de modo claro ao usuário? O sistema fornece um histórico dos comandos entrados pelo usuário durante uma sessão de trabalho? Compatibilidade Sim Não Não Aplicável As telas são compatíveis com o padrão do ambiente? A imagem do formulário na tela do terminal assemelha-se com o formulário de entrada em papel? O sistema propõe uma caixa de diálogo modal, quando a aplicação deve ter todos os dados antes de prosseguir ou quando o usuário tenha de responder a uma questão urgente? As caixas de diálogo do sistema apresentam um botão de validação, um botão de anulação e, se possível, um botão de ajuda? Os significados usuais das cores são respeitados nos códigos de cores definidos? As opções de codificação por cores são limitadas em número? As informações codificadas através das cores apresentam uma codificação adicional redundante? A taxa de intermitência para elementos piscantes está entre 2 e 5 Hz (2 a 5 piscadas por segundo)? A apresentação sonora é compatível com o ruído do ambiente? As mensagens são sempre afirmativas e na voz ativa? Quando uma frase descreve uma seqüência de eventos, a ordem das palavras na frase corresponde à seqüência temporal dos eventos? Ilustrações e animações são usadas para completar as explicações do texto? O sistema segue as convenções dos usuários para dados padronizados? O sistema utiliza unidades de medida familiares ao usuário? Dados numéricos que se alterem rapidamente são apresentados analogicamente? Dados numéricos que demandam precisão de leitura são apresentados digitalmente? Os itens são numerados com números, não com letras? Os identificadores numéricos de opção de menu iniciam de quot;1quot;, e não de quot;0quot;? Os eixos de um gráfico apresentam escalas numéricas iniciando em zero, com intervalos padronizados, crescendo da esquerda para a direita e de cima para baixo? Os itens de um grupo de botões de rádio são mutuamente exclusivos? Os itens de um grupo de caixas de atribuição permitem escolhas independentes?
  • 70 Ações Explicitas Sim Não Não Aplicável O sistema posterga os processamentos até que as ações de entrada do usuário tenham sido completadas? Durante a seleção de uma opção de menu o sistema permite a separação entre indicação e execução da opção? Para iniciar o processamento dos dados, o sistema sempre exige do usuário uma ação explícita de quot;ENTERquot;? É sempre o usuário quem comanda a navegação entre os campos de um formulário? Ações Mínimas Sim Não Não Aplicável Em formulário de entrada de dados o sistema posiciona o cursor no começo do primeiro campo de entrada? Na realização das ações principais em uma caixa de diálogo, o usuário tem os movimentos de cursor minimizados através da adequada ordenação dos objetos? O usuário dispõe de um modo simples e rápido (tecla TAB, por exemplo) para a navegação entre os campos de um formulário? Os grupos de botões de comando possuem sempre um botão definido como default? A estrutura dos menus é concebida de modo a diminuir os passos necessários para a seleção?
  • 71 Anexo C Tabela 18: Checklist de Qualidade Norma ISO 14.598 Característica Satisfatório Não Em Satisfatório parte 1- Funcionalidade O ambiente propõe a fazer o - Adequação que é apropriado? 2- Funcionalidade O ambiente possui as funções - Adequação que são especificadas? 3 - Funcionalidade O ambiente faz o que foi - Acurácia proposto de forma correta? 4 - Funcionalidade O produto gera resultados - Acurácia precisos ou dentro do esperado? 5 - Funcionalidade Interage com os sistemas - especificados? Interoperabilidade 6 - Funcionalidade Evita, ou ao menos previne, – Segurança de acesso não autorizado aos acesso dados? 7 - Usabilidade - È fácil entender o conceito e a Intelegibilidade aplicação? 8 - Usabilidade - È fácil de aprender a usar? Apreensibilidade 9 - Usabilidade - È fácil operar e controlar? Operacionalidade 10 - Eficiência - Utiliza muito recurso do Recursos computador? 11 - Portabilidade - É fácil adaptar a outros Adaptabilidade sistemas? 12 - Portabilidade É fácil instalar em outros – Capacidade de sistemas? ser instalado 13 - Portabilidade È fácil substituir por outro? – Capacidade para substituir