Your SlideShare is downloading. ×
0
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Gramática regência
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Gramática regência

1,076

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,076
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
34
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Aula de hoje: Regência Gramática — Prof. Walter
  • 2. "denúncias de abuso sexual contra Michael Jackson"
  • 3. "as denúncias contra Michael Jackson de abuso sexual” "as denúncias de abuso sexual feitas contra Michael Jackson"
  • 4. Regência Trata das relações entre palavras, para criar frases que não sejam ambíguas, que expressem efetivamente o sentido desejado e que sejam corretas e claras.
  • 5. Regência verbal relação que se estabelece entre os verbos e os termos que os complementam (objetos diretos e objetos indiretos) ou caracterizam (adjuntos adverbiais).
  • 6. gostar rege a preposição de (gostar de alguém ou de algo) concordar rege com (concordar com alguém ou com algo) confiar rege em (confiar em alguém ou em algo).
  • 7. E ir e chegar? "Fui no cinema" OU “Fui ao cinema”? “Cheguei em casa” OU “Cheguei a casa”? Esta é uma diferença entre a língua culta e a língua coloquial. E isto é um dos principais objetivos do estudo da regência.
  • 8. Chegar e ir  regem para/a Cheguei a Roma num domingo de Carnaval. Fomos a Siena. RonaIdo foi para a Espanha e deve chegar a Brasília no próximo sábado.
  • 9. E agradar? “Seu namorado agrada você”? OU “Seu namorado agrada a você?
  • 10. “agradar a namorada”  significa "acariciar", “fazer um agrado" "agradar à namorada”  significa "causar agrado ou prazer", "satisfazer”
  • 11. Verbos indiferentemente transitivos diretos ou indiretos abdicar (de) anteceder (a) gozar (de) precisar (de) desdenhar (de) atender (a) acreditar (em) consentir (em) Verbos esquecer e lembrar Esqueci o livro./Esqueci-me do livro. Não esqueça os amigos./ Não se esqueça dos amigos. Não esquecemos suas palavras./ Não nos esquecemos de suas palavras. Lembrar, no sentido de "advertir, notar, fazer recordar", é usado com OI de pessoa e OD que indica a coisa a ser lembrada. Lembrei a todos tudo que ainda estava por fazer.
  • 12. Verbos transitivos direto e indiretos acompanhados de um objeto direto e um objeto indireto agradecer, perdoar e pagar  OD para coisa e OI para pessoa: Agradeço aos ouvintes a audiência. Cristo ensina que é preciso perdoar o pecado ao pecador. Paguei o débito ao cobrador. Observe o uso dos pronomes oblíquos: Agradeci o presente. /Agradeci-o. Agradeço a você. /Agradeço-lhe. Perdoei a ofensa. /Perdoei-a. Perdoei ao agressor. /Perdoei-lhe. Paguei minhas contas. /Paguei-as.
  • 13. Verbos transitivos direto e indiretos acompanhados de um objeto direto e um objeto indireto informar  OD para coisa e OI para pessoa ou vice-versa: Informe os novos preços aos clientes. lnforme os clientes dos novos preços. Quando se utilizam pronomes como complementos, podem-se obter as construções: lnforme-os aos clientes. / lnforme-lhes os novos preços. Informe-os dos novos preços. / lnforme-os deles. (Ou sobre eles) A mesma regência de informar cabe a avisar, certificar, notificar, cientificar, prevenir.
  • 14. Verbos transitivos diretos e indiretos acompanhados de um objeto direto e um objeto indireto preferir, que na língua culta deve apresentar objeto indireto introduzido pela preposição a: Prefiro trem a ônibus. Povo civilizado prefere democracia a ditadura. "Prefiro um asno que me carregue a um cavalo que me derrube."
  • 15. Aspirar, no sentido de "sorver", "inspirar", "inalar", é transitivo direto: Quem não fuma muitas vezes é obrigado a aspirar a fumaça dos cigarros de quem se acha dono do mundo. Quem não fuma muitas vezes é obrigado a aspirá-la. No sentido de "desejar", "almejar", "pretender", é transitivo indireto e rege a preposição a. Não se deve usar lhe ou lhes como objeto indireto desse verbo: Os brasileiros sensíveis aspiramos a um país mais justo. Os brasileiros sensíveis aspiramos a ele.
  • 16. Assistir, no sentido de "ajudar", "prestar assistência a", é transitivo direto: As empresas de saúde negam-se a assistir os idosos. As empresas de saúde negam-se a assisti-los. No sentido de "ver"," presenciar", "estar presente a" ou "caber", "pertencer", é transitivo indireto. Nos dois casos, rege complemento introduzido pela preposição a; no primeiro, apresenta objeto indireto de coisa; no segundo, de pessoa. Observe: Assisti a um ótimo filme. /Assisti a ele. Não assisti as últimas sessões. /Não assisti a elas. Exigir qualidade é um direito que assiste ao consumidor. /Exigir qualidade é um direito que lhe assiste.
  • 17. Assistir Na linguagem corrente do Brasil, esse verbo é usado como transitivo direto, no sentido de "ver", "presenciar": "Não assisti o jogo". No padrão culto, não se aceita essa construção.
  • 18. Verbos cuja transitividade envolve significado Chamar, no sentido de "convocar”, "solicitar a atenção ou a presença de, dizendo o nome em voz alta", é transitivo direto: Por gentileza, vá chamar sua prima. /Por favor, vá chamá-la. Chamei você várias vezes/Chamei-o várias vezes, mas você não ouviu. Chamar, no sentido de "denominar", "tachar", "apelidar", pode ser transitivo direto ou transitivo indireto. A torcida chamou o jogador/chamou-o mercenário. A torcida chamou ao jogador/chamou-lhe mercenário. A torcida chamou o jogador de/chamou-o de mercenário. A torcida chamou ao jogador de/chamou-lhe de mercenário.
  • 19. Confraternizar não é pronominal: "Os atletas se confraternizaram" ou "Os professores se confraternizaram com os alunos". Deve-se dizer "Os atletas confraternizaram"; "Os professores confraternizaram com os alunos". Custar, no sentido de "ser custoso", "ser penoso", "ser difícil", tem como sujeito uma oração subordinada substantiva reduzida. Observe: Ainda me custa aceitar sua ausência. Custou-nos encontrar sua casa. Custou-lhe entender a regência do verbo custar.
  • 20. Verbos cuja transitividade implica significado Custar No Brasil, na linguagem cotidiana, são comuns construções como " Zico custou a chutar" ou "Custei para entender o problema", em que o verbo custar pode significar "demorar" ou "ter dificuldade" e apresenta como sujeito uma pessoa. Na língua culta, essas construções em que custar apresenta sujeito indicativo de pessoa são rejeitadas. Em seu lugar, devem-se utilizar construções em que surja objeto indireto de pessoa: "Custou a Zico chutar" (Custou-lhe chutar) e "Custou-me entender o problema". Se você estranhou essas construções, lembre-se de que você não diz "Quanto tu custas para acordar mais cedo?", e sim "O que te custa acordar mais cedo?".
  • 21. Implicar, no sentido de "ter como conseqüência", "trazer como conseqüência", "acarretar", "provocar", é transitivo direto: Sua decisão implicou o cancelamento do projeto. Sua decisão implicou cancelar o projeto. No Brasil, esse verbo é sistematicamente usado com a preposição em ("Sua decisão implica em cancelar o projeto"). Nenhum dicionário admite essa construção no padrão culto. Implicar, no sentido de "embirrar", "ter implicância", é transitivo indireto e rege a preposição com: Sua sogra implica muito com você? No sentido de "envolver", "comprometer", é transitivo direto e indireto: Acabaram implicando o ex-ministro em atividades criminosas.
  • 22. Proceder, no sentido de "ter cabimento", "ter fundamento", "fazer sentido" ou "portar-se", "comportar-se", "agir” é intransitivo. Seus argumentos não procedem. Você procede muito mal. No sentido de "originar-se", "ter origem", é transitivo indireto e rege a preposição de: Seu comportamento vil procede da ganância desmesurada que assola sua alma. Proceder, no sentido de lugar de origem do deslocamento, ponto de partida, é considerado intransitivo: O avião procede de Manaus. No sentido de "dar início", "realizar", transitivo indireto e rege a preposição a: O delegado procederá ao inquérito. O fiscal procedeu ao exame na hora marcada.
  • 23. Querer, no sentido de "desejar", "ter querer vontade de", "cobiçar", é transitivo direto: Queremos um país melhor. Quero muitos beijos, meu amor. No sentido de "ter afeição", "estimar", é transitivo indireto e rege a preposição a: Quero muito aos meus amigos. Despede-se o filho que muito lhe quer.
  • 24. Visar, no sentido de "mirar", "apontar" ou "pôr visto", "rubricar", é transitivo direto: O caçador visou o corpo do animal. O gerente não quis visar o cheque. No sentido de "ter em vista", "ter como objetivo", "ter como meta", é transitivo indireto e rege a preposição a: O ensino deve sempre visar ao progresso social. Só um projeto que vise à eliminação dos vergonhosos contrastes sociais pode levar o Brasil à verdadeira modernidade.

×