Your SlideShare is downloading. ×
0
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Fabulas e parábolas

12,374

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
12,374
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
17
Actions
Shares
0
Downloads
28
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. O LIVRO DA VIDA E A PROPOSTA DA TEMÁTICA DIREITOS HUMANOS<br />NA ESCOLA<br />
  • 2.
  • 3. A democracia de amanhã se prepara na democracia da escola, por meio do respeito e da valorização dos direitos de cada um. C. Freinet<br />
  • 4. Desde os primórdios da cultura grega, o professor se encontra em uma posição de importância vital para o amadurecimento da sociedade e a difusão da cultura. As escolas de Sócrates, Platão e Aristóteles demonstram a habilidade que tinham os pensadores para discutir os elementos mais fundamentais da natureza humana. Não perdiam tempo com conteúdos engessados. Discutiam o que era essencial. Sabiam o que era essencial porque viviam da reflexão, e a aula era o resultado de um profundo processo de preparação. Assim foi a escola de Abelardo, com os alunos quase extasiados pelo carisma do professor e pela forma envolvente e sedutora como eram tratados os temas. Sócrates andava com seus alunos e ironizava a sociedade da época com o objetivo de fazê-los pensar, de provocar-lhes a reflexão, o senso crítico. Não se conformava com a passividade de quem acha que nada sabe e nunca conseguirá sabem nem com a arrogância de quem acredita que tudo sabe e, portanto, nada mais há que mereça ser estudado ou refletido.Jesus Cristo, o maior de todos os mestres da humanidade, contava histórias, parábolas e reunia multidões ao seu redor, fazendo uso de uma pedagogia dialética. Quem era esse pregador que falava de forma tão convincente, ensinava por meio de parábolas, e olhava nos olhos com a doçura e a autoridade de um verdadeiro mestre? A multidão vinha de longe para ouvi-lo falar, para aprender sobre esse novo reino e sobre o que seria preciso fazer para alcançar a felicidade. O grande mestre não precisava registrar as matérias, não se desesperava com o conteúdo a ser ministrado nem com a forma de avaliação, se havia muitos discípulos ou não. Jesus sabia o que queria: construir a civilização do respeito, dos direitos humanos e do amor ao próximo .Sócrates e Cristo foram educadores. Suas histórias foram registradas e contadas por seus discípulos, eles nada escreveram, mas não há como negar que os numerosos profetas ou os simples contadores de história conseguiram tocar e educar muito mais do que qualquer professor que saiba de cor todo o plano curricular e tudo o que o aluno deve decorar para ser promovido. Ninguém foi obrigado a seguir a Cristo, não havia lista de presença nem chamada, e mesmo assim a multidão se encantava com seus ensinamentos - ele tinha o que dizer e acreditava no que dizia, por isso foi tão marcante!O professor precisa acreditar no que diz, ter convicção em seus ensinamentos para que os alunos também acreditem e se sintam envolvidos. Precisa de preparo para ir no rumo certo e alcançar os objetivos que almeja.<br />
  • 5. Contando fábulas e parábolas....<br />
  • 6. Fábula: É um Conto literário geralmente curto, que foi criado, inventado, com o objetivo de dar ou transmitir uma lição moral. Usa uma linguagem simples e pode utilizar personagens de animais com características humanas. <br />Durante a fábula é feita uma analogia entre a realidade humana e a situação vivida pelas personagens, com o objetivo de ensinar algo ou provar alguma verdade estabelecida . Parábola: deriva do grego parabole (narrativa curta). É uma narração alegórica que tem como objetivo mostrar a moral da história.Ela se utiliza de situações e pessoas fictícias com fatos reais. Em outras palavras compara ficção com a realidade e através dessa comparação transmite uma lição de sabedoria ou uma lição ética através de uma prosa metafórica, de uma linguagem simbólica.<br />
  • 7. A FÁBULA DA ÁGUIA E DA GALINHA<br />Leonardo Boff<br />Esta é uma história que vem de um pequeno país da África Ocidental, Gana, narrada por um líder, James Aggrey, nos inícios deste século, quando se davam os embates pela descolonização. Mas também aconteceu em outros países, onde sempre existiu um líder idealista que luta pela libertação do seu povo, dos seus sonhos e de seus ideais. Libertar o seu povo dos opressores dando a eles uma esperança e asas para que possam voar como águias. <br />
  • 8. Era uma vez um camponês que foi à floresta vizinha apanhar um pássaro, a fim de mantê-lo cativo em casa. Conseguiu pegar um filhote de águia.<br />Colocou-o no galinheiro junto às galinhas. Cresceu como uma galinha.<br />Depois de cinco anos, esse homem recebeu em sua casa a visita de um naturalista.<br />Enquanto passeavam pelo jardim, disse o naturalista:<br />- Esse pássaro aí não é uma galinha. É uma águia.<br />- De fato, disse o homem.- É uma águia. Mas eu a criei como galinha. Ela não é mais águia. É uma galinha como as outras.<br />- Não, retrucou o naturalista.- Ela é e será sempre uma águia. Este coração a fará um dia voar às alturas.<br />- Não, insistiu o camponês. Ela virou galinha e jamais voará como águia.<br />Então decidiram fazer uma prova. O naturalista tomou a águia, ergueu-a bem alto e, desafiando-a, disse:<br />- Já que você de fato é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, então abra suas asas e voe!<br />A águia ficou sentada sobre o braço estendido do naturalista. Olhava distraidamente ao redor. Viu as galinhas lá embaixo, ciscando grãos. E pulou para junto delas.<br />O camponês comentou:<br />- Eu lhe disse, ela virou uma simples galinha!<br />- Não, tornou a insistir o naturalista. – Ela é uma águia. E uma águia sempre será uma águia. Vamos experimentar novamente amanhã.<br />No dia seguinte, o naturalista subiu com a águia no teto da casa.<br />Sussurrou-lhe:<br />- Águia, já que você é uma águia, abra suas asas e voe!<br />Mas, quando a águia viu lá embaixo as galinhas ciscando o chão, pulou e foi parar junto delas.<br />O camponês sorriu e voltou a carga:<br />- Eu havia lhe dito, ela virou galinha!<br /><ul><li>Não, respondeu firmemente o naturalista.
  • 9. – Ela é águia e possui sempre um coração de águia. Vamos experimentar ainda uma última vez. Amanhã a farei voar.</li></ul>No dia seguinte, o naturalista e o camponês levantaram bem cedo. Pegaram a águia, levaram-na para o alto de uma montanha. O sol estava nascendo e dourava os picos das montanhas.<br />O naturalista ergueu a águia para o alto e ordenou-lhe:<br />- Águia, já que você é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, abra suas asas e voe!<br />A águia olhou ao redor. Tremia, como se experimentasse nova vida. Mas não voou. Então, o naturalista segurou-a firmemente, bem na direção do sol, de sorte que seus olhos pudessem se encher de claridade e ganhar as dimensões do vasto horizonte.<br />Foi quando ela abriu suas potentes asas.<br />Ergueu-se, soberana, sobre si mesma. E começou a voar, a voar para o alto e voar cada vez mais para o alto.<br />Voou. E nunca mais retornou.<br />
  • 10. COMENTÁRIO<br />Ao longo da vida entretanto, alguns perdem essa coragem e desistem de buscar a sua própria realização.<br />Acomodam-se e se deixam levar pelos obstáculos e dificuldades que a vida apresenta. Não conseguem reter o espírito de luta que faz de alguns os grandes vencedores, mas que nasceu com todos nós. <br />Mas, assim como a águia, viemos ao mundo para realizar grandes e bonitos "vôos ao longo da vida", transformar os nossos sonhos em realidade e vencer. <br />Às vezes, a vida nos apresenta situações em que é difícil ser águia e sairmos "voando" em direção ao céu dos nossos sonhos e ao sol das nossas realizações, mas temos de acreditar sempre que isto é uma situação passageira e que logo voltaremos a ter o espírito de vitória com que nascemos, lutando para buscar sempre a plena realização de todos os nossos sonhos.<br />Assim como a águia, viemos ao mundo com a missão de superar todos os obstáculos que se apresentarem, pois temos de, todos os dias, começar sempre tudo de novo, não adiantará absolutamente nada o sucesso ou o fracasso de ontem e não importa o que já aconteceu, tenha sito ótimo ou péssimo, pois o que importa mesmo é o que você fará acontecer hoje.<br />Existem pessoas que nos fazem pensar como galinhas. E ainda até pensamos que somos efetivamente galinhas. Porém é preciso ser águia. Abrir as asas e voar. Voar como as águias. E jamais se contentar com os grãos que jogam aos pés para ciscar.<br />
  • 11. BOFF, Leonardo . A Águia e a Galinha: Uma metáfora da condição humana . 40 a ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.<br />
  • 12. Parábola do Homem e ou Urso<br />Retirada do livro de <br />Gabriel Chalita, “Educação - a solução está no afeto“.<br />
  • 13. Era uma vez um urso que morava em sua floresta. Conhecia cada canto de seu hábitat. Os rios, as árvores, os outros animais, tudo com os detalhes familiares a um morador antigo.Todos os anos, durante o inverno rigoroso, o urso entrava na caverna e lã ficava até o verão. Hibernando, dormindo...Durante o inverno o urso ficou dentro da caverna. Quando chegou o verão ele saiu ansioso para ver sua floresta. E algo diferente aconteceu nesse ano. Surpresa enorme teve nosso personagem quando percebeu que toda a floresta havia sido derrubada e no lugar dela havia uma indústria. O urso ficou assustadíssimo. Não acreditou no que estava vendo. Ele se beliscou várias vezes, achando que sonhava. De repente, aproxima-se dele um trabalhador e lhe pergunta:- O que o senhor estáfazendo aí parado?- Eu? - retrucou o urso. - Ora, não estou fazendo nada, estou apenas olhando.- Vá fazer a barba, tomar banho, trocar de roupa e começar a trabalhar - ordenou o funcionário,- Ora, deixe disso. Eu sou um urso. Não vou fazer a barba nem tomar banho, nem trocar de roupa muito menos trabalhar.- Eu não vou discutir com o senhor. Imediatamente chamou o chefe da seção.- Ele está dizendo que é um urso.- Ora - disse o chefe - vamos parar de brincadeira. Vã fazer a barba, tomar banho, trocar de roupa e trabalhar.- Eu não vou fazer nada disso. Eu sou um urso. Urso não faz a barba, não toma banho, não troca de roupa e não trabalha.- Eu não vou discutir com o senhor. Vou levá-lo até o gerente da empresa.Lá se foram o urso, o funcionário e o chefe ter com o gerente da empresa.- O que está acontecendo? -perguntou o gerente.- Esse camarada está dizendo que é um urso - respondeu o chefe.- Estou dizendo não. Eu sou um urso. E não adianta querer me enganar.- Vamos parar com essa brincadeira - disse o gerente. - Vã fazer a barba, tomar banho, trocar de roupa e trabalhar.-Não vou fazer a barba nem tomar banho, nem trocar de roupa, nem trabalhar. Eu sou um urso' Vamos levá-lo até o diretor.E lá se foram, o urso. o funcionário, o chefe e o gerente.- Senhor diretor - disse o gerente - temos um pequeno problema Este nosso funcionário teima em afirmar que é um urso,- Teimo não. Vocês é que teimam em dizer o contrário. Eu sou um urso.- Pronto - disse o diretor. - Está resolvido. O senhor agora vá fazer a barba, tomar banho, trocar de roupa e trabalhar. E não se fala mais nisso. É uma ordem.- Ora essa, eu não recebo ordem de ninguém. Eu sou um urso. Não vou fazer a barba nem tomar banho, nem trocar de roupa, nem trabalhar.Resolveram levá-lo ao vice-presidente da empresa, que já sabia do disque-disque na empresa e foi falando sem muita paciência:- Olha aqui, não tenho muito tempo a perder. Sou um homem bastante ocupado. Vá imediatamente fazer a barba, tomar banho, trocar de roupa e trabalhar ou eu vou demiti-lo.-Pode demitir - disse o urso - eu não estou admitido. Eu sou um urso, um urso! Entenderam ou não? Eu não vou fazer a barba, não vou tomar banho, não vou trocar de roupa nem trabalhar.- Bem - disse o vice-presidente - vamos conversar com opresidente da empresa.E lá se foram, o urso, o funcionário, o chefe, o gerente, o diretor e o vice-presidente. Cada sala era maior que a outra, e ° urso se espantava com o número de secretárias.<br />
  • 14. O presidente foi logo se adiantando:- Seja bem-vindo, meu amigo urso!- Ora, eu nem estou acreditando - retrucou o urso.- Deixem-me a sós com ele.E saíram todos, ficando apenas o urso e o presidente.- Vamos dar uma volta? - convidou o presidente.- Com muito prazer- respondeu o urso.E lá se foram, o presidente e o urso, ao jardim zoológico. Quando chegaram lá, viram logo uma jaula em que moravam alguns ursos. Perguntou o presidente ao urso que estava dentro da jaula:- Meu amigo urso, pode me tirar uma dúvida?- Com toda certeza - respondeu o urso de dentro da jaula.- Este que está aqui comigo — continuou o presidente, apontando para o urso que o acompanhava - é um homem ou um urso?- É um homem - afivmou o urso. - Se ele fosse urso, estaria aqui, dentro da jaula.O urso ficou espantado. O presidente continuava com aquele olhar confiante, astuto.- Vamos ao circo? - sugeriu o presidente.- Sim - respondeu o urso, cambaleante.No circo a cena se repetiu. O presidente perguntou ao urso que estava nopicadeiro se aquele que o acompanhava era homem ou urso. e sem deixar dúvidas respondeu o urso do picadeiro:- Ora, ê um homem. Se ele fosse urso, estaria nopicadeiro.E um ursinho, um pouco atrevido, deu força:- O que ele precisa éfazer a barba, tomar banho, trocar de roupa e trabalhar - se não bastasse - vagabundo!Urso ou homem, não se sabe muito bem, voltou com o presidente para a empresa. Fez a barba, tomou banho trocou de roupa e começou a trabalhar. Trabalhou incansavelmente e sem muito tempo para pensar até que chegou novamente o inverno. Todos na indústria foram para suas casas, houve férias coletivas devido ao frio rigoroso. Eele, nosso personagem central, iria para onde?Ele andou de um lado a outro, passou perto da caverna e resolveu que não poderia entrar. Tinha feito a barba, tomado banho, trocado de roupa e trabalhado. Não era urso certamente.Depois de muito resistir, entrou na caverna. Deitou-se, fechou os olhos, cocou a barriga, dormiu... e sonhou que era urso.<br />Era homem ou urso?<br />
  • 15. COMENTÁRIO<br />Era urso. Era urso que foi convencido a ser algo que não era, que resistiu até onde pôde para não se deixar levar pela conversa de estranhos. Enquanto gritaram com ele, enquanto o obrigaram a acreditar em algo que não acreditava, ele resistiu. Mas, diante da sutileza do presidente, ele se convenceu, não resistiu à pressão externa, à publicidade, à propaganda, e acabou se convencendo de algo que, na verdade, não era.O presidente da empresa, astuciosamente, conduziu o urso por onde quis. E de forma sutil o convenceu de algo que ele não era - um homem! O presidente era experiente, esperto, astuto e sabia como enganar. Não foi truculento como os outros funcionários. Conheceu primeiro a fragilidade do urso, agiu sobre essa fragilidade e com isso atingiu seus objetivos.<br />O mais triste escravo,é aquele que conhece sua situação,mas não reage…deixa-se levar pela vontade alheia…não resiste às tentativas de persuasão de um mundo truculento e agressor…é a escravidão da acomodação!!! Alguns de nós,somos escravos da opinião da sociedade…somos o que os outros querem que acreditemos que sejamos…E não o que temos certeza que somos!!!!Alguns de nós,somos escravos de nós mesmos…de nossos medos,de nossos traumas,de nossas inseguranças…de nossa própria fragilidade!!!<br />
  • 16. Construindo o Livro da Vida<br />“Palavras chave”<br />
  • 17. RECURSOS<br />LIVRO DA VIDA<br />MATERIAIS DIVERSOS<br />
  • 18. Mensagem final<br />Não só a águia precisa de um incentivo, mas nós seres humanos, também precisamos que alguém nos incentive, nos socorra quando estamos caídos no chão, para que possamos alçar vôos maiores em busca da realização pessoal, de nossos sonhos ou de nossos direitos.<br />Walny T. De Marino Vianna<br />vianna.wal@gmail.com<br />http://walnyvianna.blogspot.com/<br />http://walnylivros.blogspot.com/<br />

×