Your SlideShare is downloading. ×
Acidentes mais comuns na infância
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Acidentes mais comuns na infância

36,471
views

Published on

Published in: Education, Technology

5 Comments
20 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
36,471
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1,106
Comments
5
Likes
20
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • sol
  • sol
  • sol
  • Sol
  • Sol
  • sol
  • sol
  • sol
  • sol
  • sol
  • sol
  • carol
  • carol
  • carol
  • carol
  • carol
  • carol
  • carol
  • carol
  • carol
  • carol
  • carol
  • carol
  • flavio
  • flavio
  • flavio
  • flavio
  • flavio
  • flavio
  • flavio
  • flavio
  • flavio
  • flavio
  • luiz
  • luiz
  • luiz
  • luiz
  • luiz
  • Charlene
  • CHARLENE
  • CHARLENE
  • CHARLENE
  • charlene
  • charlene
  • luiz
  • luiz
  • luiz
  • luiz
  • luiz
  • luiz
  • luiz
  • luiz
  • luiz
  • luiz
  • Transcript

    • 1. Componentes: Antônio Flávio Onofre ; Carolina de Jesus Oliveira; Charlene Alcântara; Luiz Carlos Cardoso da Silva; Sônia Oliveira da Silva ;
    • 2. Abordar : As causas mais comuns dos acidentes infantis; Mortalidade e hospitalizações; Acidentes de acordo com cada faixa etária; Prevenções de acordo com cada faixa etária; O papel do enfermeiro na prevenção de acidentes;  Primeiros Socorros.  Objetivo:
    • 3.  Todos os anos no Brasil, cerca de 6 mil criança morrem e 138 mil são hospitalizadas, vítimas de acidentes.  Os acidentes estão relacionados com fatores: Sociais, civis, ecológicos e culturais, condições físicas, condições psicológica e características individuais, crescimento e desenvolvimento.  De acordo com especialistas em saúde na infância, os acidentes mais comuns envolvendo crianças são provocados por:  Causa Mais Comuns dos acidentes Infantis
    • 4. Acidente doméstico Queimadura Brinquedos Queda Afogamento Lesão elétrica Intoxicações e envenenamento Sufocamento ou engasgamento Falta de segurança no transporte Atropelamento Armas de fogo
    • 5.  Acidentes domésticos  Com base nos fatos publicados pelo Jornal da Unesp, em 1985 e 1993, ocorreram 2.916 mortes no estado de São Paulo vitimas de acidentes domésticos envolvendo maus tratos. Característica de lactente e pré – escolar.
    • 6.  Queimadura  Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2007, 337 crianças de até 14 anos morreram e 15.392 foram hospitalizadas. É um dos acidentes mais devastadores deixando milhares de crianças com sequelas, cujo tratamento é, na maioria das vezes, dolorido e demorado. Característica de pré – escolar.
    • 7.  Brinquedos  Segundo o Ministério da Saúde, em 2007, 133 crianças de até 14 anos morreram e 2.751 foram hospitalizadas. Brinquedos como bicicleta é característica de escolar e adolescente, pequenos brinquedos e corpos estranhos são característica de lactentes e pré escolar. Onde tem tendência a colocar pequenos objetos na boca.
    • 8.  Queda  É a principal causa de internação por acidentes. Em 2007, 73.455 crianças de até 14 anos foram hospitalizadas. Característica de pré – escolar e escolar . Algumas características do desenvolvimento físico da criança podem favorecer a queda , como o tamanho e o peso da cabeça em relação ao seu corpo, que acabam facilitando o desequilíbrio.
    • 9.  Afogamento  Segundo Ministério da Saúde, em 2007,1.382 crianças até 14 anos morreram. Característica de lactente e pré – escolar. É importante salientar que os perigos não estão apenas nas águas abertas como mares, e rios. Para uma criança de 2 anos, três dedos de água é um grande risco, podendo afogar em piscinas, cisternas e até em baldes.
    • 10.  Lesão elétrica  São característica de lactente pré - escolar e escolar onde mordem fios elétricos ou introduzem objetos nas tomadas soltam pipas perto de rede elétrica . Provocando parada cardíaca devido ao efeito elétrico no coração, destruição muscular devido a passagem da corrente pelo corpo e queimadura térmica devido ao contato com a fonte.
    • 11.  Intoxicação e envenenamento  Segundo Ministério da Saúde, em 2007, 5.013 crianças até 14 anos foram hospitalizadas vítimas de intoxicação. O envenenamento é a 5º causa de hospitalização. Caracterís- tica de pré – escolar e escolar. Quando exposta ao veneno, a criança sofre consequências sérias, pois possui uma estrutura corporal menor e seu metabolismo é rápido.
    • 12.  Tipos :  - Por alimentos: ( frutas cítricas ou frutos do mar);  - Por gases: Gás, fumaça negra, vapor de gasolina;  - Por metais: baterias, moedas, chumbo;  - Por plantas: comigo ninguém pode ( comumente causadores de acidentes) mandioca brava ( o principio tóxico é mais concentrado nas folhas e raiz);  - Por ácidos: e álcalis fortes ( hipocloritos, soda caustica, removedores) podem provocar lesões graves em boca, língua, esôfago e estomago;  - Agrotóxicos: acontece mais na zona rural pela aplicação na agricultura ou no controle de vetores.
    • 13.  Sufocamento ou engasgamento Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2007, 701 crianças de até 14 anos morreram. A obstrução das vias aéreas, é 1º causa de morte, entre os acidentes, de crian -ças lactente. A criança fica muito exposta aos riscos. Pois é nesta fase que começa a exploração o mundo ao seu redor por meio dos sentidos tato, audição, paladar, visão e olfato.
    • 14. Algumas causas são por: Pouca experiência com mastigação; Pouca capacidade de levantar a cabeça; Pouca capacidade de se livras de espaços apertados; Face virada contra o colchão, travesseiro ou quando alguém na mesma rola sobre ela.
    • 15.  Transporte  É a causa líder de mortes entre crianças de 0 a 14 anos. Resolução 277 do CONTRAN, regulamentou o transporte de crianças de até 10 anos em veículos. Segundo a norma, publicada em maio de 2008, crianças de até 7 anos e meio devem ser transportadas obrigatoriamente no banco traseiro e em dispositivos de retenção. Nesse ano de 2010 em 9 de junho, iniciaram as ações de fiscalização por parte dos órgãos de trânsito.
    • 16.  Teste de colisão:  Acidentes com velocidade de 50km/h- a crianças solta é lançada para frente com uma força 40 ou 50vezes maior que o próprio peso.  Crianças no colo com velocidade de 40km/h, bebê de 5,5 kg alcançou repentinamente o peso de 110 kg. A mãe jamais seguraria a criança nesta situação.  Testes comprovam: o uso das cadeirinhas reduz em até 71% o risco de mortes e sequelas ( tem mais chance de sobreviver do que um adulto com cinto).
    • 17.  Classificação de uso:  Bebê conforto: menos de 1 ano com até 13 kg .  Cadeira de segurança: de a 4 anos (9 a 18 kg).  Assento de elevação ou “booster”: com mais ou menos 4 até 10 anos – 18 a 39 kg.
    • 18.  Atropelamento Segundo Ministério da Saúde, em 2007, 934 crianças morreram. Característica de pré – escolar e escolar. Querer independência faz parte do desenvolvimento das crianças . No entanto, na hora de atravessar a rua, deve-se pensar duas vezes antes de deixar as crianças irem sozinhas. O risco do acidente pode ser reduzido com exemplo dos pais.
    • 19.  Arma de fogo  Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2007, 52 crianças de até 14 anos morreram vítimas de acidentes com armas de fogo e 551 foram hospitalizadas. Sendo características de escolar e adolescência.
    • 20. A arma de fogo só pode ser portada por indivíduos com porte legal de armas. Infelizmente no Brasil isso não funciona, pois cada vez mais as crianças são vítimas de acidentes envolvendo armas de fogo por mal armazenamento das mesmas em residências. No meio rural é usual a posse de espingardas e caçadeiras, sobretudo por caçadores.
    • 21. 1º 2º 3º 4º 5º 6º Posto Posto Posto Posto Posto Posto Menor Sufocação Passageiro de veículo Queda Afogamento Queimadura com fogo Atropelamento de 1 ano 514 40 35 24 21 20 1 a 4 anos Afogamento Atropelamento Passageiro de Veículo Sufocação Queda Queimadura com fogo 469 233 129 119 92 77 5 a 9 anos Afogamento Atropelamento Passageiro de veículo Queda Ciclista Queimadura com fogo 390 364 160 60 51 40 10 a 14 anos Afogamento Atropelamento Passageiro de Ciclista Queda Choque elétrico veículo 499 317 259 76 67 56 Idade Mortalidade
    • 22. 1º 2º 3º 4º 5º 6º Posto Posto Posto Posto Posto Posto Menor Queda Queimadura Choque elétrico Atropelamento Queimadura Envenenamento de 1 ano com liquidos quentes com fogo 2.511 397 282 183 146 129 1 a 4 anos Queimadura Atropelamento Choque elétrico Envenenamento Queimadura com líquidos quentes com fogo 2.616 1.498 1.478 971 864 5 a 9 anos Queda Atropelamento Choque elétrico Queimadura Queimadura com líquidos quentes Ciclista com fogo 29.293 3.312 2.882 1.076 1.035 988 10 a 14 anos Queda Choque elétrico Atropelamento Ciclista Passageiro de veículo Envenenamento 27.788 3.127 2.997 1.474 1.162 1.090 Fonte: DATASUS/Ministério da Saúde/2007 Idade Queda 13.863 Hospitalizações
    • 23.  Acidentes de acordo com cada faixa etária  0 aos 6 meses:  Ainda não possui coordenação motora vira na cama, rola do colo de adultos;  Agressão por parte de adultos e crianças;  Ferimentos provocados por objetos perfurantes;  Asfixia durante o sono no mesmo leito que adulto;  Queimadura na água do banho e cozinha (respingos);  Mordida de rato e picadas de insetos;  Colisão de automóveis com criança no colo.
    • 24.  7 aos 12 meses : Rola, engatinha, senta na cama, dá os primeiros passos apoiada nos móveis; Agressão por parte de pais e familiares aumentada; Usa força nos dentes para quebrar partes dos brinquedos; Deglute brinquedos que soltam pedaços; Comidas com pedaços grandes líquidos/engasgamento; vômitos/sufocamento alimentos quentes/queimaduras; Móveis com pontas agudas; Rola da cama e outros móveis, rola dentro da banheira; Colisão de automóvel com crianças no colo.
    • 25.  1 aos 3 anos:  Ativos ,investigativos, alta mobilidade, equilíbrio razoável, força muscular;  Usam cadeiras como escadas ( escaladores);  Adoram brincar com água (afogamento em piscina, banheira, baldes d’agua, cisternas, lagos);  Engasgamento com, chicletes, balas, espinha, outros alimentos;  Adoram fogo panelas com cabos pra fora do fogão;
    • 26.  Choque elétrico em tomadas;  Ingestão de lagarta, aranha, remédios causando intoxicação;  Sufocamento com sacos plásticos;  Pratos copos de vidro e facas ,pregos lâminas de barbear;  Entram em forno e geladeiras;  Quedas de janelas , terraços , poço e escadas;  Introdução de corpo estranho em narina ouvidos vagina.
    • 27.  3 aos 5 anos:  Tem mobilidade bem desenvolvida;  Andam de bicicleta em alta velocidade, patins, atravessam rua, soltam pipas, pulam corda, pega-pega, corre, sobe em árvores e brinquedos play ground, e já conseguem; compreender o que pode e o que não pode fazer;  Cortes e contusões em cantos de móveis, pregos, arames, acidentes doméstico;  Brincam de imitar super-heróis usam armas de fogo e espadas pulam de móveis;
    • 28. Atropelamento com bola, skate, bicicleta, correndo, atravessando a rua; Passeiam e provocam animais, acuam animais por provocação ou caça; Escalando ou distraída, queda da laje, janela e varanda. Usam ferro de passar; Coma alcoólica; Pula em piscina, represa, mar, rio; Curiosidade em remédios, venenos.
    • 29.  6 aos 12 anos:  Desenvolvem velocidade , inteligência, raciocínio e curiosidade extremada;  Copiam comportamento dos adultos, agressividade; crueldade e curiosidade em arma de fogo;  Desmontam coisas para saber como funciona;  Choque elétrico (pipas);  Ferimento perfuro cortante;  Envenenamento intoxicação com remédios, inseticidas, gás;  Impõem sua vontade aos mais fracos;
    • 30.  Brincadeiras radicais uso de brincos pircing, tatuagem;  Queimaduras em forno e fogão fogos de artifício;  Mordidas ou provocadas por animais;  Acidentes de trânsito;  Enrolamento dos cabelos em motores ou máquinas;  Traumatismos cranioencefálicos na prática de esportes sem equipamento apropriado;  Correr atrás de bola ou animal de estimação na rua é a principal causa de atropelamentos fatais.
    • 31.  12 aos 15 anos: Risco de agressão aumentado por crianças da mesma idade, delinquentes e adultos; Quedas em móveis, escadarias, árvores, janelas, terraços Coma alcoólico; Envenenamento produzido por gás ou monóxido de carbono; Afogamentos (riacho, piscina, mar, rio – associado ou não a bebida alcoólica); Ferimentos com objetos cortantes e perfurantes (facas, pircing ,lâminas);
    • 32.  Intoxicação acidental ou proposital por uso de remédios ou produtos químicos;  Queimaduras em forno e fogão , fogos artifícios;  Mordedura de animais, e picadas ou ferroadas;  Acidentes de trânsito como condutor, auto conduzido, ou no colo de outros passageiros;  Contusões na prática de esportes e artes marciais.
    • 33.  Prevenções de acordo com cada faixa etária  0 aos 6 meses:  Para evitar queimaduras, a mãe deve testar a água do banho e evitar beber líquidos quentes, com o filho no colo;  Os locais seguros para que um bebê nesta idade fique, são os berços e o cercadinho. Mas é necessário que se verifique se os espaços entre as barras do berço são adequados para que o bebê não passe entre eles ou prenda sua cabeça. Os cercadinhos de malha são considerados os mais seguros.
    • 34. Os brinquedos devem ser grandes para não serem engolidos, e resistentes para não quebrarem; Também é importante que não tenha pontas nem, sendo arredondados e de madeira lisa ou de plástico;  Eles também não devem conter tintas tóxicas . Na hora de comprar, recomenda-se que se verifique as recomendações de idade do fabricante; Criança desta faixa etária precisa de assistência sobre uma mesa de troca de roupas, a recomendação é deixar sempre as fraldas perto, para não largar a criança;
    • 35. O mesmo com os sacos plásticos e travesseiros fofos, que podem ser sufocantes, asfixiando a criança. Os pais não deve dormir com a criança pois ao virarem-se à noite, podem asfixia – lá; Nas viagens de automóvel, as crianças nunca devem ser transportadas no colo da mãe no assento dianteiro, em acidente, o corpo da mãe pode esmagar ou lançar a criança contra o painel. O transporte adequado é a cadeirinha no banco de trás, sempre com cinto de segurança; No verão evite a criança tomar sol, entre 10 da manha e 4 da tarde.
    • 36.  7 aos 12 meses:  Deve-se ter cuidado, em especial, com os riscos de afogamento (banheira, cisterna, piscina, balde d’agua);  A cozinha é considerada o local mais perigoso da casa. O ideal é colocar um bloqueio que impeça a passagem da criança para a cozinha, pois líquidos e alimentos quentes, fios elétricos, torradeiras, bules, garrafas e o próprio fogão são perigosos, assim como a tábua de passar roupa;  Nesta etapa, deve-se manter fora do alcance das crianças todos os remédios e venenos, assim como os produtos perigosos, que devem ser mantidos em suas embalagens originais;
    • 37.  Para evitar quedas, compensa usar portas ou portões nas escadarias e baixar o estrado das camas a partir do momento que a criança começa a sentar ou ficar de pé;  Os cuidados que vinham sendo tomados até os seis meses podem ser todos mantidos;  As tomadas podem passar a ser protegidas com protetores nos soquetes para evitar lesão elétrica;  Não utilize toalhas de mesa compridas. As crianças podem puxar as pontas e entornar comidas e bebidas quentes e facas sobre elas.
    • 38.  1 a 3 anos:  É preciso manter as portas ou caminhos para escadas, depósitos ou rua trancadas ou bloqueadas;  Vale a pena usar pratos e copos de plástico;  Verificar os móveis com bordas cortantes;  Elas necessitam de proteção, supervisão e disciplina firme;  Na banheira, deve-se usar tapetes anti - derrapante;  Instalar grades em todas as janelas acima do primeiro andar;  A cozinha continua sendo uma área de risco;  Proteja as tomadas elétrica com protetores;  Não abandone o ferro de passar ligado.
    • 39.  3 a 5 anos:  Nesta fase, as crianças já aceita e responder aos ensinamentos, mas ainda necessitam de proteção;  Supervisionar constantemente e orientar sobre brincadeiras perigosas ( fósforos, isqueiros, remédios );  Orienta - lá a não dar atenção e não conversar com pessoas estranhas;  Andar na rua segurando o punho da criança e pelo lado de dentro , ensinado a olhar para os dois lados, antes e durante a travessia;  Orienta - lá sobre o cuidado com animais estranhos;  Entrar em agua com coletes salva- vidas e supervisão.
    • 40.  6 a 12 anos:  Orientar a criança a ter responsabilidade e disciplina , sempre acompanhada por adulto;  Orientar a não idolatrar e querer imitar heróis infantis ou uma pessoa mais velha que viva perigosamente;  Sempre acompanhar a criança;  Promover o acesso e/ou fornecer locais de recreação e de esportes seguros;  Instruir no sentido do uso adequado dos aparelhos de correção ( óculos, lentes de contato, aparelhos auditivos;.  Encorajar e fornecer a aplicação criteriosa dos princípios de segurança e de prevenção.
    • 41.  12 aos 15 anos:  Orientar a criança na cena do acidente evitando repetição do problema;  Evite fumar, beber ou portar arma de fogo na presença da crianças o ideal e não manter este objeto em casa;  Enfatizar e encorajar o comportamento seguro como pedestre ou como passageiro em um veículo motorizado, sendo fundamental o exemplo dos adultos;  Reforçar o comportamento adequado em áreas que envolvem o contato com riscos de queimaduras;
    • 42.  Desencorajar o uso e/ou a disponibilidade de equipamentos de esporte perigosos;  Educar sobre o perigo de drogas, inclusive álcool e suas consequências;  Incentivar a aplicação criteriosa dos princípios de segurança e prevenção;  Estar alerta sobre os sinais de depressão;  Orientar o uso de equipamento de segurança no lazer, capacete, freios.
    • 43.  O papel do enfermeiro na prevenção de acidentes Conhecimento das causas de acidentas em cada grupo etário, atuando como educador junto aos pais e crianças;  Controlar seus sentimentos para não julgar os pais , porque nem sempre lesão indicam negligência; Implementar programas de prevenção de acidentes infantis em geral.  
    • 44.  Primeiros Socorros Queimadura :  Manter a região da lesão umedecida  Mãos e braços podem ser levados em água corrente  Não utilizar nenhum tipo de produto no local  Nada de cremes óleo pasta de dente  Se a queimadura for provocada por produto químico  Lavar com água corrente sem esfregar o local
    • 45. Mordida de animais:  Lavar a área afetada com água e sabão;  Manter compressa de pano limpo comprimindo a ferida;  Não matar o animal – verificar vacinação;  Se possível prender o animal para observação por 10 dias;  Se hemorragia ou laceração levar para suturar.
    • 46. Queda – trauma:  Observar local traumatizado;  Se a criança ficar desacordada levar ao pronto socorro;  Observar sinais de alteração de conduta e equilíbrio;  Observar se apresenta convulsão, febre;  Procurar pronto socorro se: Febre, Sonolência ou prostração, alteração do equilíbrio, Sangramento pelo nariz ou ouvido, fratura aparente;  Se hemorragia colocar gelo no local e levar ao P S para sutura;  Se a lesão for em torax levar ao P S,para descartar hemorragia interna.
    • 47. Afogamento: Retire a criança da água preferencialmente pela cintura; Observe respiração e batimento , Mantenha a cabeça da vítima estendida , Observe se há movimentação do tórax se não houver proceda respiração boca-boca; Da seguinte forma: Estender o pescoço e levantara mandíbula, tapar as narinas para evitar fuga do ar, colocar a boca sobre toda a área da boca da criança, sopre ar dentro da boca da criança em quantidade suficiente para movimentar o tórax, repita o sopro por duas vezes; Em seguida vire a cabeça da criança para o lado e faça uma leve pressão no tórax dela, repetir a insuflação.
    • 48. Fratura: Manter a vítima confortável; Não remover ou movimentar a vítima do local do acidente a menos que corra risco maior; Chame ajuda especializada; Fraturas de ombro e fêmur são potencialmente fatais.
    • 49. Hemorragia:  Aplicar compressa sob pressão, limpa e fria no local se a hemorragia for grande;  Se a compressa encharcar não tire do local coloque outra por cima, não mova a parte com hemorragia;  Se a hemorragia sangra mais forte com a batida do coração é arterial e a compressão deve ser feita vigorosamente.
    • 50.  Choque elétrico:  Não toque na vítima com a energia ligada;  Desligue a energia;  Afaste a vítima do local do acidente;  De preferência por locais claros e bem ventilados;  Cheque batimento cardíaco e respiração.
    • 51.  Aspiração – sufocação:  Espere a vítima parar de tossir ou emitir qualquer som;  Se houver vômitos mantenha a cabeça lateralizada, assim que possível checar obstrução nas vias respiratórias , se a obstrução for total e a tosse não for suficiente para expelir, executar manobra de Heimlich.
    • 52.  Intoxicação:  Não faça a vítima tossir ou vomitar sem saber que substância ela ingeriu;  Em caso de dúvida ligue para o CEATOX 3069 8571;  Materiais corrosivos não devem ser vomitados;  Leve a vítima junto da embalagem do produto ou planta para o pronto socorro.
    • 53. Cortes: Comprimir a região com compressa fria; Se o instrumento ficou preso não tentar retirar; Lavar com água corrente; Se for corte pequeno que não requer pontos aproximar as bordas da ferida permitindo a ventilação do local; Se o corte for grande levar ao P S para higiene e sutura Verificar vacinação anti – tetânica.
    • 54. 30 de agosto Dia da prevenção de acidentes infantis.
    • 55.  Referências bibliográficas  Caridad Garijo, Maria Luisa Poch, Rosario Negrete, Raquel Ramirez; Guias práticos de enfermagem Pediatria – Ed McGrawn Hill, Rio de Janeiro- 2000. De Lamare, Rinaldo; A vida do bebê – 41º Ed.; Ediouro, Rio de Janeiro-RJ; 2001.  Oliveira SRL, Carvalho MDB, Previdelli IM. Utilização de automóveis familiares para o transporte de crianças:um estudo preliminar sobre o uso de dispositivos de retenção infantil.
    • 56.  DEL CIAMPO, Luiz Antonio et al. Acidentes de mordeduras de cães na infância. Rev. Saúde Pública [online]. 2000, vol.34, n.4;  SOUZA, Luiza Jane Eyre Xavier de e BARROSO, Maria Grasiela Teixeira. Revisão bibliográfica sobre acidentes com crianças. Rev. esc. enferm. USP [online]. 1999, vol.33, n.2;  PAES, Carlos E. N e GASPAR, Vera L. V. As injúrias não intencionais no ambiente domiciliar: a casa segura. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2005, vol.81, n.5;  Rev Bras Saude Matern Infant. 2008;8(4):499-502;
    • 57.  Eliza Maria Schmitz A enfermagem em pediatria e puericultura – 4º Ed São Paulo 2005;  Whaley e eang, enfermagem pediátrica – elementos essenciais á intervenções efetiva 5º Ed , Guanabara koogan, Rio de Janeiro , 1997. • www.criançasegura.org.br http://www.drauziovarella.com.br/ExibirConteudo/5286/acid entes-com-criancas/pagina1/tomadas-e-janelas • www.sbp.com.br • www.angelino.com.br