• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
2ª aula   mediunidade classificação - coem
 

2ª aula mediunidade classificação - coem

on

  • 3,209 views

Classificação da mediunidade

Classificação da mediunidade

Statistics

Views

Total Views
3,209
Views on SlideShare
3,209
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
109
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    2ª aula   mediunidade classificação - coem 2ª aula mediunidade classificação - coem Presentation Transcript

    • MEDIUNIDADECLASSIFICAÇÃO SEGUNDO OS SEUS EFEITOS A TEORIA DAS MANIFESTAÇÕES FÍSICAS E ESPONTÂNEAS COEM – 2ª AULA TEÓRICA 1
    • I - NOÇÕES FUNDAMENTAIS• Estabelecido o conceito de mediunidade, mais alguns conhecimentos se fazem necessários, para melhor entendimento do fenômeno mediúnico. Foram eles oferecidos pelos próprios Espíritos desencarnados, que nos deram a conhecer, em primeiro lugar, a sua existência independente da matéria física e do corpo carnal e, em segundo, a existência de um invólucro semi-material, que lhes serve de corpo no mundo espiritual e que tem possibilidade de ação sobre a matéria física.• Esse invólucro, semi-material, "corpo espiritual"ou perispírito é variável na sua maior ou menorcondensação, o que lhe confere propriedadesespeciais para agir sobre a matéria.No encarnado, é o intermediário entre o espíritopropriamente dito e o corpo físico, fazendo parte,pois, do complexo humano. 2
    • COMPLEXO HUMANO (homem) - COMPOSTO DE:• 1. ESPÍRITO; 2. PERISPÍRITO;• 3. CORPO FÍSICO• Da interação do fluido perispiritual do desencarnado com o do médium resulta o fenômeno mediúnico.• Varia essa interação desde a simples influência até a efetiva combinação fluídica, para a produção de certos fenômenos. 3
    • II - CLASSIFICAÇÃO DA MEDIUNIDADE SEGUNDO OS SEUS EFEITOSPodem ser de 2 ordens os fenômenos mediúnicos:- de efeitos materiais, físicos ou objetivos- de efeitos intelectuais ou subjetivos 4
    • 1. FENÔMENOS DE EFEITOS MATERIAIS FÍSICOS OU OBJETIVOS• Sensibilizam diretamente os órgãos dos sentidos dos observadores. Podem-se apresentar sob variadas formas, tais como:a) materialização (de Espíritos, de objetos, etc)b) transfiguração (modificação dos traços fisionômicos do próprio médium);c) levitação (erguimento de objetos e pessoas, contrariando, aparentemente, a lei da gravidade);d) transporte (entrada e saída de objetos de recintos hermeticamente fechados).e) voz direta (vozes de Espíritos, que soam no ambiente, independentemente do médium);f) escrita direta (palavras, frases, mensagens, escritas sem utilização da mão do médium);g) mesas falantes ou tiptologia (sinais por pancadas, formando palavras e frases inteligentes);h) sematologia (movimento de objetos, sem contato físico, traduzindo uma vontade, um sentimento, etc.) 5
    • 2. FENÔMENOS DE EFEITOS INTELECTUAIS OU SUBJETIVOS• a) mediunidade intuitiva• b) vidência• c) audiênciaTais fenômenos ocorrem quando o espírito do próprio médium, em fase especial ou não, de transe, fica num estado de lucidez, percebendo pelos sentidos espirituais.• d) psicometria• e) psicografia• f) psicofoniaTais fenômenos ocorrem por ação direta de uma entidade espiritual sobre o médium servindo-se parcial ou totalmente de sua organização psico-física, para se comunicar. 6
    • • Na intuição (fenômeno anímico), a mente do encarnado capta do ambiente externo ou da profundeza do seu próprio psiquismo, ou ainda da mente de outro encarnado, próximo ou distante, certas informações que o ajudam a esclarecer uma questão, resolver um problema, tomar uma atitude, etc. Poderá, igualmente, captar o pensamento de um desencarnado, passando, nesse caso, o fenômeno a ser mediúnico e a faculdade, a chamar-se mediunidade intuitiva.• Na vidência, na audiência e na psicometria, por um estado de maior ou menor exteriorização perispiritual, com a consequente liberação dos sentidos (que têm, normalmente, o seu funcionamento obscurecido pelo contato com a matéria grosseira do corpo físico), pode o espírito do encarnado ver e ouvir o que se passa no plano espiritual. No caso da psicometria, pode recapitular ocorrências ligadas a um objeto com que tenha tomado contato. 7
    • • Este estado especial de libertação, que definimos como de lucidez espiritual, com ou sem transe aparente, possibilita maior liberdade ao espírito do médium e o coloca em condições favoráveis para assimilar as correntes de pensamento das outras entidades no mesmo estado de liberdade espiritual e transmitir tais idéias, pensamentos e vontades pela escrita, no fenômeno da psicografia ou anunciá-las através da palavra, caracterizando o fenômeno da psicofonia.• A psicografia e a psicofonia têm sido vulgarmente chamadas de "incorporação mediúnica". Ressalte-se, todavia, que não ocorre a "introdução" do Espírito desencarnado no corpo do médium, mas, sim, uma associação de seus fluidos com os do médium. Segundo as faixas vibratórias em que se encontrem e de acordo com as leis de sintonia e assimilação, esses fluidos se identificam entre si, formando-se, então, um complexo: EMISSOR (Espírito desencarnado) - TRANSMISSOR (fluidos combinados do Espírito comunicante com os do médium) - RECEPTOR (Médium). 8
    • 3. DA TEORIA DAS MANIFESTAÇÕES FÍSICAS• Se temos um efeito - o fenômeno físico, ele deve ter uma causa. Se esta não for física, deverá ser transcendental. Vamo-nos deter no caso dos fenômenos mediúnicos de efeitos físicos produzidos pelos Espíritos desencarnados, buscando saber como se opera esta ação e qual o seu mecanismo.• Segundo a informação dada por eles próprios (os Espíritos), para atuar sobre um objeto inanimado, o desencarnado combina o seu fluido perispiritual com o fluido que se exterioriza do médium, satura os espaços da matéria (sabe-se que esta não é contínua, senão para os nossos sentidos, ainda muito pobres; a matéria é cheia de espaços vazios, tendo apenas uma pequena porcentagem de massa propriamente dita; afirmam alguns que se retirassem todos os espaços da matéria que forma a Terra, ela se reduziria ao tamanho de uma bola de futebol) e, com a força do pensamento, age, movimentando o que e como deseja, podendo alcançar ou não sucesso no seu empreendimento, de acordo com as circunstâncias. Estabelece-se, pois, uma continuidade perfeita entre o perispírito do Espírito e o objeto movimentado, através dos elementos intermediários de natureza fluídica (semi-material) isto é, dos fluidos perispirituais e outros.• Os Espíritos mais atrasados vibram em faixas próximas da Terra e possuem, em sua organização perispiritual, resíduos de fluidos grosseiros, materiais, que facilitam a obtenção de fenômenos mediúnicos de efeitos físicos. Por isso, prestam-se mais a estes tipos de efeitos, sendo dirigidos, porém, por Espíritos superiores.• Deverá haver uma certa simpatia entre os vários elementos que formam os "degraus" do processo, desde os que o dirigem até o médium, que é o instrumento doador. 9
    • 4. MANIFESTAÇÕES FÍSICAS ESPONTÂNEAS• Em alguns lugares, tal como aconteceu com as irmãs Fox, em Hydesville, iniciam-se fenômenos ostensivos sem que haja qualquer predisposição consciente e formal para consegui-los. Ocorrem espontaneamente, a despeito até do desconhecimento e da falta de interesse das pessoas envolvidas. São "raps" (pancadas), transporte, barulhos e outras manifestações semelhantes. Os fenômenos físicos espontâneos ocorrem, geralmente, com a finalidade de:a -assustar as pessoas;b -chamar a atenção para a existência do mundo espiritual;c -atender à necessidade dos Espíritos de se comunicarem para pedir alguma coisa;d -perseguição, atormentando as pessoas.• São produzidos por Espíritos de categoria ainda inferior e que não poderão, pelo simples fato de serem Espíritos, explicar a mecânica do fenômeno, pois os produzem sem compreender.• Antes de aceitar um fenômeno como espírita, devemos verificar se não é:- fruto da imaginação;- produzido por causa física conhecida;- mistificação ou brincadeira de alguém encarnado.• Nos fenômenos de transporte, por exemplo, existe a finalidade de provar a possibilidade que têm alguns Espíritos de, usando médiuns especiais, transportar, através da matéria, flores, perfumes, jóias, objetos variados, restituindo-os ao local de origem após a constatação do fenômeno. 10 (Recomenda-se a leitura do L.M., cap. V, itens 82 a 94).
    • • BIBLIOGRAFIA• 1.Bibliografia essencial:• ALLAN KARDEC - "O Livro dos Médiuns"- caps.I,II,III,IV,V,IX,XI e XIII;• ALLAN KARDEC - "O Livro dos Espíritos" - Questões 21 a 28, 93 a 95.• 2.Bibliografia suplementar:• LEON DENIS - "No Invisível" - caps. XVI, XVII e XVIII. 11
    • CONCENTRAÇÃOCOEM – 2ª AULA PRÁTICA 12
    • • CONCENTRAÇÃO: Convergência de pensamentos para um determinado fim.• A convergência pressupõe a eliminação de todos os pensamentos que não sejam convenientes aos fins desejados.• A abstração ou esquecimento dos problemas comuns que perturbam a nossa vida íntima deve ser exercitada.• A reunião depende em muito do ambiente formado por todos os componentes do grupo. Através do exercício dos bons pensamentos e da elevação dos sentimentos, o ambiente se satura de elementos espirituais (fluídicos) que favorecem o intercâmbio.• Sem o preparo devido, que deve começar desde a manhã, evitando- se emoções violentas, atritos, desequilíbrios físicos e espirituais, sem o bom hábito de leituras sadias e o exercício dos bons sentimentos, dificilmente a pessoa durante a sessão, tem tranquilidade suficiente para se dedicar tão somente aos fins elevados da sessão 13