Your SlideShare is downloading. ×
Distribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecife
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Distribuiçao espacialdatemperaturadasuperfíciedorecife

13,387
views

Published on

Um estudo bancado pelo Instituto da Cidade do Recife Engenheiro Pelópidas Silveira aponta as onde e quais as características das ilhas de calor da capital pernambucana. A pesquisa, do órgão ligado à …

Um estudo bancado pelo Instituto da Cidade do Recife Engenheiro Pelópidas Silveira aponta as onde e quais as características das ilhas de calor da capital pernambucana. A pesquisa, do órgão ligado à Secretaria de Desenvolvimento e Planejamento Urbano, aponta que as áreas com maior adensamento populacional e de construção civil podem ter temperatura média até 7ºC superior a outros bairros da cidade. O destque negativo vai para grandes vias como a Caxangá, Mascarenhas de Morais e Imbiribeira.

Published in: News & Politics

2 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Thank you !
    http://webinarexpress-plugin.com
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • http://www.huanetwork.com/huawei-switches-price_c19
    Huawei Switch
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total Views
13,387
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
18
Actions
Shares
0
Downloads
23
Comments
2
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Clique para editar o estilo do subtítulo mestreDistribuição espacial daTemperatura da superfície doRecifeO live ira , Tia g o He nrique de .Muda nça e s pa ço te mpora l do us o e cobe rtura do s olo e e s tima tivado ba la nço de e ne rg ia e e va potra ns pira çã o diá ria no município doR e cife -P E . C F C H. Dis s e rta çã o de Me s tra do - P rog ra ma de P ós –G ra dua çã o e m G e og ra fia , 2012. O rie nta dor: P rof.ª Dr.ª J os iclê daDomicia no G a lvíncio. Inc lui bibliog ra fia . 154 f. : il. ; 30 cm. 2012.
  • 2. Metodologia•Utilização de Imagens TM do satélite Landsat 5•Pré-processamento das imagens (Empilhamento, Registro e exclusãode nuvens e sombras)•Aplicação de parte do A lgoritmo SE BAL (BASTIAANSSEN e t a l,1 998a,b)•Te mpe ra tura da s upe rfície (120m)•Ajus te de re s oluçã o e s pa cia l da te mpe ra tura (30m)•Técnica Ts HA R P (Agam e t a l, 2007) - NDVI e Te mpe ra tura
  • 3. Figura 1 . Evolução espaço-temporal da temperatura dasuperfície do município de Recife – PE•Para a temperatura da superfície - Ts(Figura 1 ), nota-se, como emperíodos de maiores temperaturas(correspondentes aos meses desetembro a fevereiro em Recife), queas áreas vegetadas, assim como oscorpos hídricos, desempenham umimportante papel na amenização dastemperaturas em um ambienteurbanizado ou adensado.•As áreas vegetadas refrescam asáreas circunvizinhas através daevapotrans-piração, promovendo aconversão da energia solar em águaevaporada ao invés do calor emantendo a temperatura davegetação e do ar mais baixas, assimcomo também através da promoçãode áreas sombreadas (no caso davegetação de porte Arbóreo),disponibilizando uma superfície maisfresca (GARTLAND, 201 0 – p.64-65).
  • 4. •Estudo realizado por Souza & Azevedo (201 2), a tra vé s da utilizaçãode dados meteorológicos da PCD Recife e aplicação de índicesclimáticos, constatou a ocorrência de [...] “muda nça s loca isre la ciona da s a pre cipita çã o pluviomé trica e à s te mpe ra tura smá xima s e mínima s dura nte o pe ríodo compre e ndido e ntre 1961 e2008” (p. 1 4).•Os mesmos afirmam a existência de um aumento de 1 °C nastemperaturas máximas e mínimas, nos 47 anos analisados emodelos utilizados, o que provoca o aumento de ondas de caloragravando ainda mais a formação de ilhas de calor existente nacidade.
  • 5. •Através da utilização da metodologia TsHARP, proposta por Agame t a l. (2007), é possível melhor visualizar espacialmente adistribuição da temperatura da superfície (°C) assim como verificara influência dos diferentes tipos de materiais utilizados nasedificações e avenidas na temperatura da superfície, como podeser observado através das Figura 2 a 4 para a Avenida Caxangá,parte do bairro de Boa Viagem e Pina e parte dos bairros do Recife,Santo Amaro e Santo Antônio, respectivamente.
  • 6. Figura 2. Distribuição da temperatura da superfície (°C) em parte da Avenida Caxangá (trechoBR-1 01 à Rua Dr. João Lacerda) no município de Recife – PE.
  • 7. Figura 3. Distribuição da temperatura da superfície (°C) em parte do bairro de Boa Viagem ePina no município de Recife – PE
  • 8. Figura 4. Distribuição da temperatura da superfície (°C) nos bairros do Recife, Santo Amaro,Santo Antônio e São José do município de Recife – PE.
  • 9. Figura 5. Arrefecimento da temperatura da superfície no entorno do Hospital Geral de Areias,devido à arborização, bairro de Areias – Recife - PE.
  • 10. Figura 6. Arrefecimento da temperatura da superfície no entorno de grandes edificações devidoà arborização, Prefeitura da cidade do Recife – Recife - PE.
  • 11. Figura 7. Distribuição de ilhas de calor em grandes lojas e galpões entre as Avenidas Sul (linhade metrô) e Mascarenhas de Moraes, município do Recife – PE.
  • 12. Figura 8. Distribuição de ilhas de calor em áreas com grande concentração de edificações emárea do bairro do Pina, município do Recife – PE.
  • 13. •Para demonstrar a sensibilidade dos índices utilizados nesta pesquisa aosdiversos usos e cobertura do solo, foram traçados dois transectos lineares,Figura 9, e criados perfis dos valores de Índice de Área Foliar, Umidade (NDWI)e Temperatura da superfície (°C) para as imagens dos anos de 1 987 e 201 0,Figura 1 0 a 1 3.Figura 9. Representação do Transecto linear para a Região Político-Administrativo 4, município do Recife - PE.Figura 1 0. Representação do Transecto linear 1 para a imagem de 9 de maio de 1 987.Figura 11 . Representação do Transecto linear 1 para a imagem de 6 de setembro de
  • 14. •Já o transecto linear 2 está sobreposto sobre uma área maisurbanizada. Deste modo é possível observar que o bairro daCidade Universitária, por apresentar o campus da UFPE com umagrande distribuição espacial dos centros e amplas áreas verdes,apresenta valores de temperatura mais baixos e IAF e NDWI maiselevadas. A partir do ano de 2006 é possível observar alguns picosmais baixos de NDWI e IAF devido à reforma e construção denovos centros.Figura 1 2. Representação do Transecto linear 2 para a imagem de 9 de maio de 1 987.Figura 1 3. Representação do Transecto linear 2 para a imagem de 6 de setembro de201 0.
  • 15. Temperatura e infraestrutura detransportesAv. Mascarenhas de Moraes, Av. DomingosFerreira
  • 16. Temperatura e infraestrutura detransportesAv.Caxangá
  • 17. Temperatura e TipologiaconstrutivaZEDE Centro BoaViagem
  • 18. Temperatura e TipologiaconstrutivaCarrefour
  • 19. Temperatura e TipologiaconstrutivaRádioPina
  • 20. Temperatura earborizaçãoCentro principal de BoaViagem
  • 21. Temperatura earborizaçãoVisc. Jequitinhonha. SantosDumont
  • 22. Temperatura earborizaçãoEncantaMoça
  • 23. Temperatura earborizaçãoCatólica
  • 24. Temperatura earborizaçãoCatólica
  • 25. Temperatura eZEIS
  • 26. Temperatura eZEISEntraApulso
  • 27. Temperatura eZEISEntraApulso
  • 28. Temperatura e DensidadeconstrutivaVila daAeronáutica