Edicao 8 Junho 2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,863
On Slideshare
1,834
From Embeds
29
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
1
Comments
0
Likes
0

Embeds 29

http://www.vozribatejana.blogspot.com 17
http://vozribatejana.blogspot.com 12

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 02 “ABERTURA voz ribatejana #14 Novo presidente do Hospital Reynaldo dos Santos em entrevista ao Voz Ribatejana“É um hospital público e as pessoasO Hospital Reynaldo dos Santos mantém o seu carácter público mas, desde o passado dia 1, é gerido pela Escala Vila Francade Xira, empresa do consórcio vencedor da parceria público-privada para a construção e gestão do novo hospital vila-fran-quense. Liderada pelo Grupo Mello, já com muitos anos de experiência na área da saúde, a nova administração promete intro-duzir já várias melhorias no HRS, mesmo durante os 22 meses (até à inauguração do novo edifício) em que vai continuar nasantigas instalações do centro da cidade. Quatro novas especialidades, a aquisição de aparelhos de TAC e de ecografia e a ampli-ação do espaço da urgência, são algumas das novidades já asseguradas. Vasco Luís de Mello é o presidente da Escala VilaFranca e da nova comissão executiva do HRS. Em entrevista ao Voz Ribatejana, a primeira desde que assumiu a direcção dohospital vila-franquense, revela algumas das medidas previstas e garante que os utentes vão ter acesso ao hospital exactamentenas mesmas condições que tinham até aqui, porque o HRS continua a ser um hospital público e a única diferença é que passou,agora, a ter gestão privadaJorge Talixa to e mesmo a nível do bloco, de ir buscar novos médicos. logo desde início (ver caixa). embora menos visível. Temos Como sabe, nós temos aVoz Ribatejana - Assumiu, no poucas salas de bloco para intenção e a obrigação de intro- Vê vantagens nestainício de Junho, funções de podermos ter uma actividade duzir 4 novas valências neste assumpção de responsabili-responsável máximo pelo cirúrgica mais importante. hospital e essas 4 novas valên- dades desde já no ReynaldoHospital Reynaldo dos Santos A primeira limitação tem a ver cias vão-nos obrigar a intro- dos Santos ou seria preferívelde Vila Franca de Xira. Teve com espaço físico e isso, a nós, duzir esses médicos e a ter assumir a gestão do hospitaloportunidade nas semanas preocupa-nos, porque traz pou- espaços físicos para estas 4 só com a abertura das novasanteriores de preparar esta cas possibilidades de poder- especialidades. instalações?transição e de conhecer a mos, nestes 22 meses em que Um problema muito claro que Penso que, apesar de haverunidade que dirige. Numa vamos estar a gerir nestas também vimos, mas que é mais estas limitações, temos váriasprimeira análise quais são, no instalações, fazer grandes alter- complexo, tem a ver com a iniciativas de melhoria queseu entender, os grandes ações no hospital. Esse é um urgência. Tem bastantes difi- podemos introduzir já nesteproblemas do Reynaldo dos primeiro desafio. culdades, não só pelo espaço hospital e isso facilitará,Santos? O segundo desafio tem a ver físico, mas também pelo nível depois, na altura da transição, com médicos. O que vimos nos de afluência que tem. Uma das para que não seja uma tran-Vasco Luís de Mello – últimos anos é que, de facto, o razões deste nível de afluência sição tão drástica. Imagine queTivemos oportunidade, em hospital tem vindo a perder tem a ver com os centros de íamos para um novo edifícioconjunto com o Dr. Mário alguns médicos, ou porque se saúde e com os cuidados com sistemas informáticosBernardino (presidente ces- têm reformado ou porque primários. Acredito que, se todos novos. Seria umasante) de visitar os diferentes foram convidados para outros tivéssemos mais médicos de mudança bastante mais radical,serviços. Eu diria que o princi- hospitais. Nós queremos recu- família, muito provavelmente com pessoas com quem nuncapal problema que o hospital perar e dotar o hospital de teríamos menos afluência na tínhamos trabalhado. Por isso,tem hoje é um problema de capacidade clínica para poder urgência hospitalar. Hoje as vejo uma vantagem muito claraespaço, de limitação física e satisfazer todas as necessi- pessoas ocorrem à urgência de em que, neste período de tran-isso é muito visível, tanto na dades ao abrigo do contrato uma maneira muito rápida, se sição, aprendamos a conhecerurgência, como no internamen- que temos. Há aqui um desafio tivessem um médico de família as equipas, consigamos intro- se calhar servia um bocadinho duzir os novos sistemas infor- de filtro antes de irem directa- máticos e que a transição se mente à urgência. Penso que a faça, mas introduzindo novos urgência é um desafio que circuitos e aproveitando o vantagem. Apesar do novo hos- entendemos que, a nível dos vamos querer encarar de frente espaço que lá está. E vejo outra pital estar todo desenhado, meios de diagnóstico, devemos todo o programa funcional foi- fazer um investimento. Acordos com: ADSE | ARS | ACS PT | ADM | Multicare | Zurich | Quatro novas especialidades nos dado na altura do concurso, acredito que, em conjunto com Nomeadamente vamos ter um TAC, que acabou de ser monta- AXA | Fidelidade Mundial | A nova gestão do Reynaldo dos Santos vai permitir introduzir os actuais profissionais, temos do. Estamos em testes e a for- já nesta fase inicial um conjunto de quatro novas especiali- ainda uma palavra, estes mar as pessoas. O número que Acidentes de Trabalho dades de que o hospital não dispunha. Não é fácil encontrar profissionais vão ter uma nos deram é que o hospital (Acordo com várias companhias de seguros) espaços para as pôr a funcionar, mas estão também previstas palavra no desenho desses cir- pede fora cerca de 5500 TAC’s obras para as acolher e algumas delas começam já a trabal- cuitos e nas áreas que estão a por ano. Estamos a falar de Agora com mais um novo har. Oftalmologia, Otorrinolaringologia, Pneumologia e ser previstas para cada uma 5500 exames importantes que espaço de saúde e bem-estar Neurologia são, assim, as quatro novas valência de que o destas especialidades. Temos eram feitos fora do hospital e Reynaldo dos Santos passa a dispor. Estão previstas no contra- que aproveitar este momento que hoje passam a ser feitos to de gestão e a Escala Vila Franca decidiu implementá-las já. em que se está ainda a arrancar dentro do hospital. A quinta nova especialidade programada, psiquiatria, ficará a construção, se está a imple- para daqui a dois anos, quando abrirem as novas instalações. mentar todos os circuitos e a Um investimento que se justi- “O hospital já teve Otorrino e existe no hospital uma sala de dotá-lo de equipamentos para, fica também porque o hospi- otorrino, que já foi utilizada em tempos e que vamos voltar a em conjunto com os actuais tal tem que comparticipar os utilizar. Se vai ser suficiente, tenho as minhas dúvidas. E, profissionais, ter um hospital exames que manda fazer sobretudo, não vai ser suficiente para introduzir as outras três que responda melhor à reali- fora? novas especialidades. Vamos ter que criar gabinetes de consul- dade assistencial. É verdade e também se justifi- tas adicionais no hospital, para podermos ter estas quatro ca porque nós, depois, novas valências a funcionar em pleno”, admite Vasco Luís de Em termos gerais qual é a podemos pegar no equipamen- Mello, em declarações ao Voz Ribatejana, explicando que o vossa orientação: uma políti- to de TAC e pô-lo a funcionar “exercício” que a nova comissão executiva está, agora, a fazer ca de continuidade procuran- no novo hospital. Não é um é o de tentar aproveitar de forma diferente alguns espaços. do manter o que está a fun- investimento que se perde. Primeiro, a área de armazém deverá ser reduzida e albergar cionar ou julgam que há Decidimos antecipá-lo e também o arquivo que hoje se encontra na área da criança e condições, apesar da falta de achamos que este hospital, pelo da mãe. No espaço assim liberto serão criados pelo menos dois espaço, para introduzir já nível de actividade que tem, gabinetes para consultas. Depois, na actual área de consultas alterações? merece ter um TAC. externas existe um gabinete de maior dimensão que será divi- Acho que há condições e não dido em dois. Nas traseiras da zona de consultas deverão ser vamos ficar 22 meses à espera. Não foi certamente fácil criados, ainda, mais dois gabinetes. Temos já identificados três encontrar espaço para o colo- “Vamos ter dificuldades de espaço, não o escondemos, o hos- tipos de iniciativas. Uma car? pital já tem feito muitos exercícios no passado para encontrar primeira consiste em introduzir Há três salas de Raio X e o que espaços e tem tido essas dificuldades. Mas achamos que o mel- as quatro novas valências. Há fizemos foi condenar uma Edifício Planície - Rua do Curado Lojas 101 e 115 Vila Franca de Xira Tel: 263 270 272 - 912 247 171 hor modelo é ter estas quatro valências e as consultas dentro uma melhoria na resposta que o dessas salas e pôr aí o TAC. É recuperaxira.be@gmail.com recuperaxira@gmail.com do hospital”, sublinha o responsável hospitalar. hospital vai ter. E também a sala 3 neste caso.
  • 2. Parceiros da comunidade bem-vindos A nova administração do HRS quer manter e aprofun- dar o relacionamento com os diferentes parceiros da comunidade e garante que são muito bem vindas estru- Franca está também a criação de um conselho repre- sentativo da comunidade. “É importante mantermos uma ligação forte com a comunidade. Darmos a con- 03 turas como a Liga dos Amigos do Hospital e o trabalho hecer o que estamos a fazer e também ouvirmos o que de apoio que desenvolve. Nos planos da Escala Vila for necessário”, afirma Vasco Luís Mello. 8 de Junho de 2011vão ser atendidas como até aqui”Os técnicos que já lá estavam ou se não está. Vamos fazerestão habilitados a trabalharcom o TAC? essa análise e, em conjunto com os responsáveis do bloco, Mais médicos e mais 70 metros quadrados na urgênciaVamos formar os técnicos que tirarmos conclusões. O banco de urgências é umalá estão e vamos ter que recor- das áreas mais sensíveis derer, provavelmente, a um ou Uma questão que por vezes é qualquer hospital e dodois técnicos para virem ajudar colocada pela oposição par- Reynaldo dos Santos. Aa formá-los. O outro equipa- tidária local e por alguns afluência média diária é supe-mento é um equipamento que utentes tem a ver com as rior a 300 utentes e ali con-já está no hospital, mas que não condições de acesso dos fluem não só habitantes dosestava a funcionar correcta- utentes neste novo formato cinco concelhos servidos pelomente, que é o mamógrafo. de gestão privada. Fá-lo-ão Hospital de Vila Franca, masVamos fazer um upgrade do exactamente nas mesmas também muitos casos origina-mamógrafo, de modo a digi- condições que faziam até dos nas vias rodoviárias prin-talizar a imagem, pô-lo a fun- aqui ou muda alguma coisa? cipais que atravessam acionar e podermos ter acesso à Não muda nada. O Hospital de região. “Para nós existemimagem. Vamos também com- Vila Franca é um hospital duas formas de melhorar asprar um ecógrafo. Penso que público, um hospital que faz urgências. A primeira passa, eestes três equipamentos vão- parte do Sistema Nacional de estamos a pedir propostas e anos dar uma capacidade de Saúde e todos os direitos que estudar isso, pelo aproveita-diagnóstico bastante superior à existiam mantêm-se. A única mento de uma área que estáque o hospital tinha até agora. coisa que se altera é a gestão do por cima das consultas exter- hospital. nas, que é uma varanda eA nível de chefias e direcções onde se poderá instalar unsde serviços, qual foi a vossa Mas não há nenhuma taxa módulos e ganhar cerca de 70atitude, manter a estrutura acrescida para exames ou metros quadrados.ou alterar tudo? algo do género em que as pes- Pretendemos pôr nessesVamos manter a quase totali- soas paguem mais do que módulos as consultas dadade das actuais chefias. A fariam no hospital anterior? urgência. E isto vai libertarnossa aposta é pelos actuais Nada, nada. Temos que espaço dentro da urgênciaprofissionais deste hospital. É cumprir exactamente com o para tentarmos ter menos pessoas nas macas no meio dos corredores”, explica Vasco Luís de Mello, referindo que, nesse contexto,verdade que temos um novo que a Administração Regional serão reorganizados os circuitos dentro da urgência. “Acredito que com isto conseguimos facilitar um pouco todo o circuito dedirector clínico, que é o Dr. de Saúde nos disser em relação atendimento e, sobretudo, a exposição que os doentes têm hoje na urgência, que é um pouco preocupante”, sustenta o presidente daCarlos Rabaçal que, provavel- a isso. Temos um contrato de comissão executiva do HRS, admitindo que, nas actuais condições da urgência, muitas vezes as pessoas, na sua maioria idosas,mente, é também um dos mais gestão e somos pagos pela “estão no meio dos corredores em condições pouco humanas”.antigos deste hospital. O Dr. actividade que produzimos. No Outra questão que a nova administração do Reynaldo dos Santos quer encarar é a das equipas médicas da urgência. “Existem muitosCarlos Rabaçal trabalhou 20 resto somos um hospital igual a médicos que são prestadores de serviços, que são contratados a uma empresa de prestação de serviços clínicos e que têm pouca lig-anos no Hospital de Vila qualquer outro. ação ao hospital, que vêm cá fazer umas horas. E nós gostaríamos de apostar num modelo em que temos uma equipa fixa, não digoFranca, esteve durante dois a totalidade, mas ter uma equipa maior própria do hospital. Penso que isso trazia bastantes benefícios, também termos de qualidade”,anos no Amadora-Sintra e Mas há quem diga que este defende Vasco Luís de Mello, em declarações ao Voz Ribatejana, frisando que, nas actuais condições, alguns destes médicos presta-fomos buscá-lo. Conhece per- tipo de hospitais com gestão dores de serviços praticam uma medicina “mais defensiva” e “se calhar pedem mais exames e protegem-se mais”, porque “têmfeitamente a casa e é um médi- privada para serem rentáveis menos ligação com o hospital, há toda uma articulação com o resto do hospital que é mais difícil”.co reconhecido. Isto para nós têm que desenvolver activi- Segundo os dados que recolheu, Vasco Luís de Mello sabe que, actualmente, cerca de 80% dos internamentos no HRS provêm datambém é dar um sinal muito dades em paralelo, com urgência. Uma percentagem que considera elevada e que faz com que haja pouca actividade que possa ser programada. Mas con-positivo da aposta nos actuais algum atendimento num sis- tratar mais médicos para o quadro, numa altura em que os profissionais de medicina escasseiam, não será fácil. “O problema daprofissionais desta casa. Vamos tema particular pago pelo falta de médicos é um problema geral do País, mas acredito que temos um projecto muito aliciante e que vamos ter formas de atrairmanter quase todos os direc- utentes que lhes permite tirar novos médicos que se queiram envolver na nova unidade. Vamos ter, se calhar, alguns trunfos ou uma atractividade que, se calhar,tores de serviços. Fizemos uma rendimento? a antiga gestão não tinha”, refere.alteração que tem a ver com a Não sei onde é que foi buscarentrada do Dr. Carlos Rabaçal, essa ideia. É verdade que, ao qual era o custo. Isso chama-seque assume a cardiologia e adirecção clínica e temos uma abrigo do contrato, poderíamos ter outro tipo de rendimentos, na altura comparador público. Nós fizemos uma proposta Novo hospital abre em Abril de 2013alteração nas área da patologia mas não estamos a prever nen- cerca de 20% baixo do com- O plano de trabalho estabelecido prevê que o Reynaldo dos Santos comece a trabalhar nas novasclínica e de laboratório. Todos huma actividade privada. Não parador público. Acreditamos instalações (a obra começou a 9 de Maio) em Abril de 2013. São 20 meses para a obra e dois mesesos outros foram reconduzidos. acreditamos que seja um bom que conseguimos por duas vias: para equipamento e transferência, que Vasco Luís de Mello acha que serão suficientes. “Tem que modelo e não estamos a prever. uma via de produtividade, pen- se construir um plano de transferência. Já ocorreu em Braga, um hospital com uma dimensão bas-Uma das questões que é fre- À luz do contrato é possível e samos que conseguimos ter for- tante superior e correu de forma exemplar”.quentemente citada é a da isso obrigar-nos-ia, depois, a mas de ganhar, de ter mais pro- No caso de Vila Franca, a empresa Novo Hospital, formada pelas construtoras Somague e Edifer,alegada falta de utilização do partilhar as receitas com o dução. E, por outro, acredita- assegura a obra e manutenção das instalações por um prazo de 30 anos. A Escala Vila Franca, lid-bloco operatório? Estado. Mas esquecendo isso mos que, a nível de custos, em erada pelo Grupo Mello, assume a gestão durante um prazo de 10 anos, que poderá, depois, serA nossa terceira iniciativa é, tudo do contrato, não estamos a termos de eficiência, con- renovado. “Foi o prazo que foi definido e, depois, a seguir, em função dos resultados que foremcom os médicos do hospital, prever isso e não faz sentido nen- seguimos, com a experiência obtidos, o Estado decidirá”, esclareceu.fazermos um Plano de hum. É um hospital público e as que temos, ser mais eficientes. Certo é que, com as novas instalações, o número de camas do HRS sobe de 210 para 280, as áreasMelhorias. Existe um compro- pessoas vão ser atendidas exac- São essas formas que temos de urgência, consultas externas e neonatologia aumentam de forma significativa e será acrescen-misso nosso, e já foi anunciado tamente como estão a ser atendi- para podermos chegar ao final e tada uma quinta nova valência, a psiquiatria.a todos os profissionais, de, no das hoje, com as mesmas regras termos resultados equilibrados.prazo de 1 ou 2 meses, em con- do Sistema Nacional de Saúde.junto com todos, elaborarmosum plano de melhorias, que vai Quer nas actuais instalações, Vasco de Mello dirigiu hospitais CUF e abriu hospitais em Espanhaidentificar melhorias em todas quer nas futuras? Vasco Luís de Mello nasceu na Suíça em 1964. Aos 46 anos tem Mello investiu em Espanha, no Grupo Hospitalar Quiron, eas áreas e o bloco será uma Quer agora, quer depois. Sim. já uma larga experiência de administração hospitalar. Começou Vasco Luís de Mello esteve durante 5 anos na administraçãodelas, o internamento outra, a Não há alterações. por se licenciar em engenharia mecânica na universidade belga deste grupo espanhol, que detém actualmente 7 hospitais eurgência. Vamos ter oportu- de Louvaina e tirou também ali um mestrado em gestão de abriu, nos últimos anos, novas unidades em Madrid, Barcelona,nidade de pôr essa questão a Então como é que vão con- empresas. Desde 2004 que é administrador executivo da José de Bilbau e Málaga. Regressou em Dezembro e foi-lhe propostotodo o hospital. seguir retirar rentabilidade? Mello Saúde. Foi presidente das comissões executivas dos hos- este desafio de liderar o Hospital de Vila Franca. Uma das fac-É um bocado prematuro dizer, Na altura do concurso é con- pitais CUF Infante Santo e CUF Descobertas entre 2005 e 2006, etas que liga Vasco Luís de Mello ao Ribatejo é o facto do seuem relação ao bloco, se está a struído um comparador públi- já depois de ter liderado a preparação das candidaturas do pai ter sido forcado nos amadores de Santarém e ao que julgaser suficientemente ocupado co: se fosse o Estado a fazer grupo aos hospitais de Cascais e de Loures. Entretanto, o Grupo também no grupo de Vila Franca.
  • 3. 04 voz ribatejana #14Cerimónia de transmissão de responsabilidades realizou-se na vésperaGrupo Mello assumiu gestão do hospital no dia 1O Hospital Reynaldo dos Santos (HRS) está, desde a semana passada, sob gestão do consórcioEscala Vila Franca, liderado pelo Grupo Mello. Na sessão de transmissão de responsabilidadesfoi realçado o bom desempenho dos anteriores responsáveis e do quadro de profissionais doHRS e o secretário de Estado da Saúde afiançou que a construção do novo hospital é umprocesso “absolutamente irreversível”Jorge Talixa ficou resolvido. Por isso, a dos “em condições de trabalho administração pública cessante deficientes e manifestamenteO consórcio Escala Vila debateu-se com enormes difi- insuficientes”. O presidenteFranca de Xira, liderado pelo culdades para segurar quadros, cessante referiu, ainda, queGrupo Mello, assumiu, no dia porque não podia assumir con- este momento é igualmente1 de Junho, a gestão do tratos para o futuro. Mário “motivo de esperança em maisHospital Reynaldo dos Santos Bernardino, presidente do con- e melhores cuidados de(HRS) que, 60 anos depois da selho de administração ces- saúde”.sua criação, passa ao estatuto sante, historiou todo o proces- Mário Bernardino realçou,de hospital público com gestão so que levou à construção do ainda, os bons resultados obti-privada. Se tudo correr de novo hospital e apresentou dos pelo HRS nos últimosacordo com o planeado, dentro vários dados que atestam o anos. Em 2005, o Hospital dede 22 meses, em Abril de bom desempenho obtido nos Vila Franca ocupou o primeiro2013, entrarão em funciona- últimos anos. Começou por ligar na tabela de eficiência damento as novas instalações do realçar o esforço da equipa Direcção-Geral de Saúde e,HRS, num investimento supe- directiva, numa analogia com nos últimos anos, tem con- Funcionários do hospitalrior a 100 milhões de euros, o futebol, onde destacou a seguido reduzir custos. “Nos atentos à mudançadesenvolvido no âmbito de melhor defesa coordenada indicadores de qualidade e deuma parceria público-privada. pelo enfermeiro Luís Maruta, eficiência encontra-se entre os Vila Franca, “compromisso” uma alma muito grande”. ponto que é também um pontoA cerimónia de transmissão de o meio-campo distribuidor de mais eficazes do País”, salien- de contribuir para a melhoria “Sabemos que temos um de partida e, em 2013, estare-responsabilidades realizou-se, jogo liderado pela directora tou, lembrando que o HRS tem efectiva dos cuidados de saúde desafio e um compromisso mos noutro ponto, em que ana tarde de dia 31, na sala de clínica Ana Alcazar e o ataque um rácio de recursos humanos e “agradecimento” pelo profis- perante vós todos, que só será obra nasce e vai passar a estarespera das consultas externas assegurado pelo ponta-de- subdimensionado e elogiando sionalismo demonstrado pela possível concretizar com uma disponível. O mais difícil édo antigo HRS, apesar de tudo lança Lourenço Braga. o trabalho dos funcionários da administração e pela equipa de gestão de rigor e responsabili- sempre aquilo que é precisoa maior área disponível num Depois, Mário Bernardino casa ao longo dos anos. direcção do HRS nesta fase de dade, e sobretudo com o vosso fazer antes da obra começar ahospital que se debate há sublinhou que esta cerimónia Vasco Luís de Mello, novo transição. empenho e entusiasmo. surgir”, vincou.muitos anos com o problema representa também “o início responsável máximo pelo HRS Citando um antigo presidente Atrevo-me a dizer: “Num Depois, a autarca de Vilada falta de espaços para servir da concretização de um sonho (ver entrevista nas páginas 2 e do Hospital vila-franquense, futuro breve, o Hospital será Franca observou que estesos 235 mil habitantes dos 5 de milhares de utentes e de 3) começou por destacar três Vasco Luís de Mello consider- um grande Hospital com uma cinco municípios acreditamconcelhos da sua área de centenas de profissionais” de palavras: “satisfação” pelo iní- ou que o Reynaldo dos Santos alma ainda maior”, rematou. que “tudo correrá bem e que,influência. terem novas instalações hospi- cio de um novo projecto em “é um pequeno hospital com Em representação dos cinco em Abril de 2013, iremos inau-Vila Franca de Xira é o mais talares em Vila Franca e desta- municípios servidos pelo HRS, gurar um novo HRS.atrasado do último pacote de cou o sentimento de “dever Maria da Luz Rosinha admitiu Acreditamos, em nome dasquatro parcerias público-pri- cumprido” dos responsáveis que “foi um percurso longo de populações que servimos, quevadas hospitalares e o concur- que saem que conseguiram 16 anos” até chegar ao início será um hospital com melhoresso lançado em 2005 só agora assegurar a prestação de cuida- da construção do novo hospi- condições para servir essa tal. “Chegámos agora a um mesma população”, concluiu. ASSINE O VOZ RIBATEJANA Mais de 500 anos de história CONDIÇÕES PARA O RESTO DA EUROPA Mário Bernardino apresentou um resumo das principais datas da história hospitalar de Vila Franca. 1º Os seus dados: 1563 – Por alvará régio, a Igreja do Espírito Santo e o hos- Nome: pital contíguo são entregues à Confraria das Misericórdias de Vila Franca de Xira 1951 – Inauguradas as instalações do actual hospital pela Santa Casa da Misericórdia de Vila Franca Morada: 1977 – Reconhecida a insuficiência das instalações e envia- do Programa do Novo Hospital, que foi aprovado pela O acto simbólico de transmissão de responsabilidades Direcção-Geral de Saúde entre Mário Bernardino e Vasco Luís de Mello Código Postal: 1995 – O Ministério da Saúde determina a elaboração do Programa de um Novo Hospital a construir em Vialonga País: Telefone: Secretário de Estado garante 2003 – O Novo Hospital de Vila Franca passa a integrar um 2º a sua escolha: que novo hospital é irreversível grupo de 10 hospitais a construir em regime de parcerias 6 meses 12 edições (20 euros) público-privadas A obra de construção das novas instalações do Hospital 12 meses 25 edições (40 euros) Reynaldo dos Santos começou a 9 de Maio, poucos dias depois 2005 – Lançamento do concurso para a parceria público- do visto do Tribunal de Contas. “Este processo é absolutamente privada do Novo hospital 3º: O seu pagamento: irreversível”, garantiu, na cerimónia de dia 31, o secretário de Estado da Saúde Óscar Gaspar, transmitindo uma “palavra de 2010 – Homologação do Acordo para o Novo Hospital com Total a pagar: o consórcio Escala Vila Franca e celebração do contrato de tranquilidade” aos funcionários, porque, depois da análise que fez do Sistema Nacional de Saúde, a “troika” do FMI, Comissão gestão e transmissão do estabelecimento hospitalar cheque dinheiro vale postal Europeia e BCE, reconheceu a qualidade do SNS. “O que nos é exigido é que continuemos a ganhar eficiência no SNS, dotando 9 de Maio de 2011 – Arranque da obra do Novo Hospital Recorte e envie para: pelo Agrupamento Complementar de Empresas Novo o País de uma rede de referenciação muito clara, que passa pela Jornal Voz Ribatejana concentração de alguns hospitais”, prosseguiu o governante, Hospital de Vila Franca de Xira Centro Comercial da Mina Loja 3, Apartado 10040 assegurando que, em Vila Franca, não se estava a “entregar um 2600-126 Vila Franca de Xira hospital público a privados”, mas a “entregar a gestão deste hos- 1 Junho de 2011 – Início da gestão do HRS pelo consórcio Escala Vila Franca Tel: 263 281 329 vozribatejana@gmail.com pital do Sistema Nacional de Saúde a um grupo privado”.
  • 4. PRÓX IMA E DIÇÃO JANA DO 05 IBATE ER CA! VOZ R NÃO P 8 de Junho de 2011 NHO A 22 DE JU Polémica intrincadaVila Franca ameaça Arruda comtribunal por causa dos acessos ao hospital a dar, sendo prejudicados assim, os utentes de ArrudaA verba que caberá a Arruda no pagamento dos acessos ao por outro lado, quando a serão os mais prejudicados,novo Hospital de Vila Franca está a gerar acesa controvérsia entidade é a mesma”, disse o porque vão ficar mais longeentre os dois municípios vizinhos edil ao Voz Ribatejana, do hospital.Jorge Talixa presidente da Câmara arru- salientando que, ao contrário “Na acessibilidade seremos dense, frisando que “há um do que chegou a ser dito, prejudicados e isso tem queA presidente da Câmara de compromisso assumido por esta posição de Arruda não ser tido em conta. Partiu-seVila Franca de Xira admite todos os municípios” que só põe, de modo nenhum, em de um pressuposto de quelevar o Município de Arruda Arruda não estará a cumprir. causa o avanço do processo teríamos um acesso directodos Vinhos a tribunal se este “A questão poder-se-á do novo hospital. com a variante ou com a lig-mantiver a sua posição de resolver em tribunal. Não há Mas, as questões colocadas ação à A 10, mas não vão sernão pagar a parte que lhe problema”, disse a autarca pelo Município de Arruda feitas nas próximas décadas.deveria caber no custo dos socialista ao Voz Ribatejana, não se ficam por aqui. Arruda é o único concelhoacessos ao novo hospital. A dizendo que é tudo uma Carlos Lourenço alega que, que será prejudicado em ter-autarquia arrudense alega opção do presidente da edil- no início das conversações mos de acessibilidade. Issoque não pagará os perto de idade de Arruda. entre os 5 municípios, se tem que se ter em conta, não200 mil euros em causa “Vila Franca pode levar o falou na construção de uma é dizer eu mando, eu posso,enquanto o Ministério da assunto a tribunal. Quem variante a Vila Franca e eu quero. Isso existiu aquiSaúde não lhe pagar mais de não honra a palavra está mesmo de uma possível lig- há uns anos, mas hoje não100 mil euros respeitantes a sujeito a estas coisas”, sus- diz Carlos Lourenço, Vila hospital. ação à A 10 que deixaria os há”, reage o presidente daum muro do novo Centro de tenta Maria da Luz Rosinha, Franca apresentou uma esti- “Não é nada contra ninguém, munícipes de Arruda mais Câmara de Arruda, con-Saúde de Arruda e acrescen- frisando que não está em mativa inicial do custo dos não desrespeitamos perto do novo hospital. Só siderando que também háta que também têm que ser causa a existência de docu- acessos, mas esse valor ninguém, nem voltamos com que, agora, o autarca do PSD que esclarecer por que é quepesadas a possibilidade de mentos escritos que compro- acabou por aumentar de a palavra atrás, o que quere- acha que nem uma estrada estimativas finais dos aces-duas da suas freguesias pas- metam Arruda mas a palavra forma significativa, fazendo mos é que verdade seja nem a outra vão avançar nas sos ao hospital são bastantesarem para a área do dos 5 presidentes de Câmara com que a parte de Arruda reposta. Não podemos estar próximas décadas e que, diferentes das iniciais.Hospital de Loures. A edili- envolvidos. “Os represen- (equivalente a cerca de 10%)dade de Vila Franca não se tantes dos municípios são passasse a corresponder aconforma, diz que são absolutamente testemunhas mais de 200 mil euros. Arranhó e Santiago devem continuar ligadasquestões distintas e acusa da posição de Arruda, que “Há aqui circunstâncias noautarcas de Arruda de era favorável e trouxe para a meio que alteraram a situ- a Vila Francafaltarem à palavra dada. questão um problema que ação. Tendo em conta queCerto é que a polémica tem com a ARSLVT e que estamos em litígio em tribu- Outra dúvida que se coloca em relação a toda esta polémica diz respeito à situação das fregue-promete arrastar-se. Arruda nada tem a ver com este nal, sempre disse que não sias arrudenses de Arranhó e S. Tiago dos Velhos, geograficamente mais próximas de Loures,aguarda que os tribunais se assunto”, salienta. estou para contribuir para onde vai abrir um novo hospital no início de 2012. Têm surgido alguns defensores da possi-pronunciem sobre a acção Já Carlos Lourenço, presi- uma situação que é da bilidade destas duas freguesias deixarem de estar ligadas ao Hospital de Vila Franca e pas-em que reclama mais de 100 dente da Câmara de Arruda, responsabilidade da admin- sarem para o de Loures. As restantes duas, Arruda e Cardosas, continuariam com o Hospitalmil euros da Administração tem uma leitura completa- istração central quando o Reynaldo dos Santos (HRS). Mas Vasco Luís de Mello, presidente da nova comissão executi-Regional de Saúde de Lisboa mente diferente. O autarca Estado me deve e não com- va do HRS, disse, ao Voz Ribatejana, que o contrato de gestão prevê que todas as quatroe Vale do Tejo (ARSLVT) e do PSD admite que defendeu participa uma responsabili- freguesias de Arruda se mantenham ligadas ao Hospital de Vila Franca.Vila Franca decidiu avançar que todos os 5 municípios dade que é sua. Essa questão Carlos Lourenço acha que se essa possibilidade de mudança se colocar, as populações decom a obra dos acessos servidos pelo hospital deve- tem que ser resolvida”, sus- Arranhó e de S. Tiago deverão ser auscultadas num inquérito para perceber qual é opinião damesmo sem a compartici- riam comparticipar estes tenta Carlos Lourenço, maioria. “Temos a nossa opinião, mas não queremos influenciar. Se fizermos uma auscul-pação de Arruda, mas garan- acessos, apesar de essa ser frisando que, por uma tação à população de Arranhó e de S. Tiago, se calhar a maioria vai preferir Loures, por umatindo que vai exigir a verba uma competência da admin- questão de princípio e questão de proximidade”, admite, frisando que a Câmara tem procurado esclarecer o assuntoque competiria ao vizinho istração central. Mas sublin- porque lhe cabe acautelar e junto da tutela da saúde, mas que nunca conseguiu uma resposta precisa, com uns a acharemMunicípio arrudense. ha que foi ele próprio a defender os interesses dos que a mudança deverá avançar e outros a dizerem que não.Maria da Luz Rosinha, pres- defender que essas compar- arrudenses, enquanto o O autarca de Arruda sublinha, contudo, que esta é outra situação que tem que ser pesada eidente da Câmara de Vila ticipações não podiam ser pagamento do muro do cen- esclarecida porque, se duas freguesias e quase metade da população do concelho passarem aFranca de Xira, lamenta a iguais e deviam ser propor- tro de saúde não estiver ser servidas pelo Hospital de Loures, não pode ser exigida a Arruda a verba actualmente pre-atitude dos autarcas de cionais à população de cada resolvido não vai entregar a vista para os acessos ao novo Reynaldo dos Santos.Arruda e especialmente do um dos concelhos. Só que, verba para os acessos aoAlverca e Arruda recebem dois médicos estrangeirosOs centros de saúde de O Voz Ribatejana sabe que o imensos médicos, por aposen- sublinhou, em declarações aoAlverca e de Arruda dos Agrupamento de Centros de tação antecipada”, observou Voz Ribatejana. De acordoVinhos vão ter, já a partir deste Saúde do concelho de Vila Luís Afonso, vice-presidente com Luís Afonso, osmês de Junho, dois médicos de Franca de Xira decidiu colo- da Administração Regional de primeiros médicos atribuídosfamília de origem colombiana, car os dois médicos Saúde de Lisboa e Vale do à ARSLVT foram colocadossegundo apurou o Voz estrangeiros que lhe foram Tejo, frisando que estes 40 em alguns dos agrupamentosRibatejana junto de respon- atribuídos na unidade de profissionais vão “ajudar a mais carenciados e já estásáveis regionais da área da saúde de Alverca porque é a equilibrar um pouco, mas definido que os 40 agora indi-saúde. Estes quatro profission- mais carenciada da área do ainda estamos longe do ideal”. cados vão desempenharais integram-se num grupo de concelho. Em Arruda dos Segundo referiu, só dentro de funções nos agrupamentos de70 colombianos e porto- Vinhos, segundo apurámos, três anos, com a saída dos centros de saúde do Oesteriquenhos que vão passar a tra- vai começar a trabalhar um novos internatos (médicos Norte (5), Oeste Sul (5),balhar em Portugal, com con- casal de médicos colom- recém-formados) é que Lezíria (5), Zêzere (5), Serratratos de 3 anos. Cerca de 40 bianos. “vamos ficar bem” e o proble- d’ Aire (5), Ribatejo (1) e Vilaserão colocados em unidades “Estamos com uma carência ma ficará mais próximo da Franca de Xira (2), entre out-de saúde da Região de Lisboa muito acentuada, desde Julho resolução. “Até lá vamos ros.e Vale do Tejo. de 2009 até agora perdemos viver com algum equilíbrio”, J. T.
  • 5. 06 “ TODOS COM VOZ voz ribatejana #14 INQUÉRITO HOSPITALEditorialA imagem do “Se o atendimento for melhor, é positivo”serviço público A notícia da passagem do Hospital Reynaldo dos Santos para gestão de uma empresa privada ainda é desconhecida para a maioria dos utentes. Alguns deles, inquiridos pelo Voz Ribatejana, no final da semana passada, junto à entrada doA política portuguesa tem sido marcada, nos serviço de urgência, mostram-se favoráveis à mudança, desde que resulte numa melhoria das condições de atendimento. Há até mesmo quem digaúltimos anos, por um intenso debate entre os que os privados costumam ter uma gestão mais eficiente.defensores do papel do Estado enquanto promo-tor e garante de muitos dos serviços básicos da Jorge Talixanossa sociedade e os que afirmam que o Estadoportuguês já é demasiado pesado e burocráticoe deve entregar ao sector privado algumasdessas tarefas. São discussões que se fazem no Albino Romão, 47 anos Antónia Caldeira, 44domínio da saúde, dos transportes, da energia,do ensino e em muitas outras áreas da nossa Maria da Glória Romão, 45 anos anos, gestora comercial,vida colectiva.Somos dos que ainda pensam que, com toda a residentes em Penafirme da Ventosa (Alenquer) residente no Porto Altosua estrutura e todos os meios supostamente aoseu dispor, o Estado deve existir para servir mel- Não sabíamos de Já sabia da mudança e penso quehor os cidadãos e tem toda a obrigação de os nada da seja positivo, para termos melhoresservir bem, porque é (deveria ser) por eles e para mudança deeles que existe como tal. O Estado português gestão. Desde condições para os utentes. Achovive, todavia, de há alguns anos a esta parte um que atendam que podem surgir melhoresdilema complicado que faz com que cada vez bem, para nós condições, porque o Estado era umnos identifiquemos menos com ele. tanto faz queExplicando melhor: a nossa democracia, com seja privado, que bocado relaxado nestas situações.imensas virtudes e até prova em contrário o seja para privar. Os privados costumam ter umamelhor sistema político possível, tem levado a Desde que aten- gestão mais eficiente. Não receioque cada vez mais as estruturas partidárias dam bem e queinvadam e “explorem” para seu benefício seja para melhor. que advenha algum custo acrescido,muitos dos organismos públicos que deveriam Assim já não acho que todos nós temos que par-existir para servir os portugueses e não para “ali- pertence ao ticipar um bocado. Se tiver algummentar” essas clientelas e arranjar lugares para Estado? Se aos membros dos respectivos aparelhos. gestão for boa e custo maior, espero que não sejaSignifica isto que a prioridade deixou de estar na se para melhor muito. Por todos os aspectos, achoprocura de medidas para melhor servir os estamos de acor- que esta alteração é positiva.cidadãos e muitos andam perfeitamente “dis- do.traídos” com outros objectivos. Será que os quese “aproveitam” do Estado têm depois argu-mentos para o defender.Depois, são por vezes os próprios funcionáriosdo Estado a não zelarem pela defesa da própria O MELHOR E O PIOR DA QUINZENAimagem de quem lhes paga. São frequentes as A entrada do consórcio Escala Vila Franca na gestão do Hospital Nas últimas décadas, Vila Franca de Xira e muitos outros municípiossituações de algum “desprezo” pelos respec- Reynaldo dos Santos trouxe boas novidades. Quatro novas especial- das áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto apostaram, e muito, nativos utentes, a falta de vontade para ultrapassar idades aos serviço dos utentes da região, a ampliação da área das expansão urbana e na construção de milhares e milhares de fogos. Odeterminados problemas ou algum deixa andar urgências para minimizar as situações de doentes em macas espal- interior desertificou-se, a população acumulou-se no litoral mas, agora,quando as coisas não correm bem. São os com- hados pelos corredores e a aquisição de aparelhos de TAC e como ninguém soube (ou quis) colocar um travão a tempo nesta políti-putadores da Justiça que não funcionam, são os Ecografia são boas notícias para os 235 mil habitantes dos concel- ca, multiplicam-se as urbanizações inacabadas, os lotes por construir,sistemas informáticos das Finanças frequente- hos servidos pelos hospital vila-franquense. as casas por vender e as construtoras a braços com falta de financia-mente em baixo, é o absentismo elevado, são os mentos. Quem é que vai pagar a resolução de tudo isto? Que destino édossiers parados nas gavetas, é a falta de exigên- que vão ter estes aglomerados?cia nalguns serviços, é ainda a falta de respeitopelos utentes de determinados serviços.Vou citar o exemplo das sucessivas greves que,nos últimos meses, têm abalado a CP. Não con-sigo apurar de que lado estão as maiores culpas,mas é inconcebível que uma empresa altamentedeficitária viva num clima de guerrilha comoeste, em que as vítimas são unicamente os pas-sageiros. Como é que a CP pode ganhar credibil-idade e conquistar passageiros quando, depois,pára muitas horas por semana. Se admin-istradores e funcionários não estivessem debaixodo Estado que tudo permite agiriam destamaneira? E na TAP, onde se fala em 10 dias degreve durante o mês o Junho, não se pode colo-car a mesma questão? A defesa dos direitos nãodeve passar também pelo respeito dos utentes,que tudo pagam e suportam? Não caberá emprimeira instância aos próprios responsáveis efuncionários das administrações central e local adefesa da boa imagem da casa onde trabalham?Depois não se admirem se for ganhando terrenona opinião pública a ideia de que gestão privadaé mais eficiente e funciona melhor. Jorge TalixaFicha técnica: Voz Ribatejana Quinzenário regional Sede da Redacção e Administração – Centro Comercial da Mina, Loja 3 Apartado 10040, 2600-126 Vila Franca de Xira Telefone geral – 263 281329 Correio Electrónico – vozribatejana@gmail.com director.vozribatejana@gmail.com redaccao.vozribatejana@gmail.com comercial.vozribatejana@gmail.com Proprietário e editor – JorgeHumberto Perdigoto Talixa - Director – Jorge Talixa (carteira prof. 2126) Redacção – Miguel António Rodrigues (carteira prof. 3351), Carla Ferreira (carteira prof. 2127) e Vasco Antão (carteira decolaborador 895) - Colaboradores - Adriano Pires e Paulo Beja - Paginação - António Dias Concessionário de Publicidade – PFM – Radiodifusão Lda. Área Administrativa e Comercial – Júlio Pereira(93 88 50 664) e Afonso Braz (936645773)Registo de Imprensa na ERC: 125978 Depósito Legal nº: 320246/10 Impressão CIC – Centro de Impressão Coraze Tiragem – 5000 exemplares
  • 6. 07 8 de Junho de 2011Corporação de Vila Franca celebra 129 anosBombeiros precisam de material de desencarceramentoA Associação de Bombeiros Voluntários de Vila Franca de Xira festejou, no dia 28, o seu 129º. aniversário, com a inauguração de uma nova viatura e da ampliação do quartel. Apesar destespassos importantes, as dificuldades continuam a ser muitas para a corporação vila-franquense, que carece de materiais de desencarceramento que lhe permitam responder aos acidentes gravesquase diáriosJorge Talixa Bombeiros de Vila Franca e realçou a dedicação do seuOs 129 anos da Associação comando, do corpo activo e daHumanitária de Bombeiros comissão de cultura, desporto eVoluntários de Vila Franca de recreio que, no ano passado,Xira (AHBVVFX) foram assi- conseguiu recolher 17 milnalados com um conjunto euros para ajudar à actividadealargado de actividades que da corporação.decorreram desde o passado Depois, o presidente dadia 1 de Maio e culminaram, AHBVVFX dirigiu-se aosno sábado, com uma manhã políticos presentes na cerimó-infantil. O ponto alto das nia. “Sabemos que vivemos umcomemorações teve lugar no momento muito difícil nodia 28, com a inauguração de nosso País, sabemos queuma viatura, a quem foi dado o muitas dificuldades aí vêm,nome do benemérito Oliveira mas nós já vivemos com tantasSoares, e da ampliação do dificuldades. Vejam se fazemquartel. A sessão solene serviu, alguma coisa para que ostambém, para agraciar bombeiros não sejam mais alvobombeiros e associados com de cortes, porque não aguen-mais tempo de dedicação à tam”, alertou.instituição.Carlos Fernandes, presidenteda AHBVVFX, começou por Desencarceramentoexplicar que o projecto do Carlos Fernandes lembrou,novo quartel (inaugurado em ainda, que a corporação de Vila2003) vinha já dos anos 80 e Franca está numa zona “ful-revelou-se exíguo para as cral” do País em termos denecessidades da corporação. tráfego rodoviário e fer-“Era um projecto já desactual- roviário, atravessada pela ração, realçando os casos do reconhecer o grande trabalho do país, onde as realidades são Civil distribuiu 6 milhões deizado, embora muito bonito, e Auto-estrada do Norte, pelas governador civil António feitos por estas pessoas”, sus- diferentes. Segundo referiu, o euros pelas 56 corporações.a verdade é que cá dentro, na nacionais 1 e 10 e pela Linha Galamba e da presidente da tentou. Governo Civil de Lisboa tem Temos feito o possível, dentroprática, não tínhamos insta- do Norte. “Todos os dias o Câmara Maria da Luz Rosinha. um orçamento anual da ordem das nossas possibilidades,lações suficientes. Problema nosso carro de material de des- “O governador civil tudo tem Apoio autárquico dos 5 milhões de euros, dos porque temos duas prioridadesque mais se acentuou quando encarceramento sai para socor- feito para que os corpos de O presidente da Junta de Vila quais cerca de 375 mil vêm do os bombeiros e as forças deao antigo barracão passou para rer acidentes. Vai ser bombeiros do distrito estejam Franca apelou à união dos vila- Orçamento de Estado. “Nos segurança”, concluiu.uma igreja. O equipamento necessário novo equipamento, equipados com melhor equipa- franquenses no trabalho por últimos 5 anos, o Governonáutico ocupava os balneários porque já começa a ser muito mento de protecção individual. um futuro melhor. Maria dados nossos bombeiros ecomeçámos a pensar que era difícil desencarcerar com o material que temos. É Com o modelo anterior muitas corporações do distrito recebi- Luz Rosinha lembrou a reali- dade dos bombeiros quando Dirigentes preocupadosurgente ampliar o quartel”, necessário que o apoio que é am as verbas e esqueciam-se tomou posse na Câmara, noexplicou o responsável da dado aos bombeiros não passe de comprar o equipamento”, início de 1998, e as obras Rui Ferreira, dirigente dos Bombeiros de Alverca e vice-associação, admitindo que “foi por mais cortes”, vincou. observou. entretanto desenvolvidas com presidente da Federação de Bombeiros do Distrito deuma grande luta” criar Também António Pedro Lopes, Depois, António Pedro Lopes os novos quartéis da Póvoa, de Lisboa, lembrou que a corporação de Vila Franca é a ter-condições para esta ampliação comandante dos Bombeiros de destacou o apoio de Maria da Vila Franca e da Castanheira e ceira mais antiga entre as 56 do distrito. Destacou a formae que a presidente da Câmara Vila Franca, realçou a necessi- Luz Rosinha no desenvolvi- a conclusão do de Alhandra. como os bombeiros melhoraram, nas últimas décadas, oteve um papel decisivo no dade de equipar devidamente mento dos processos de con- Restam duas situações para serviço que prestam, mas avisou que “no distrito de Lisboa,encontrar de apoio no âmbito as viaturas de primeira inter- strução do novo quartel da sua resolver, o novo quartel de as receitas dos serviços prestados no transporte dedo quadro comunitário de venção de que a corporação ampliação. E terminou com Vialonga e a ampliação do de bombeiros é média cobre metade do custo que as associaçõesapoio. dispõe. O responsável opera- uma palavra de reconhecimen- Alverca. A primeira aguarda a têm para os efectuar”. E alertou para novos cortes que seCarlos Fernandes sublinhou cional salientou a forma como to pelo trabalho dos dirigentes abertura de candidaturas a fun- vão anunciando e para os previsíveis aumentos de impostos,que aquele era um dia grande alguns dos presentes têm da AHBVVFX. “Os bombeiros dos comunitários e a segunda a dos combustíveis e da electricidade.neste percurso de 129 anos dos apoiado o trabalho da corpo- de hoje e os do futuro sabem possibilidade de intervir no Já Rui Silva, dirigente da Associação de Arruda e vice-pres- espaço do antigo cemitério. idente da comissão executiva da Liga dos Bombeiros “Acredito que vamos ter um Portugueses, realçou o papel que as autarquias cada vez novo quartel em Vialonga e mais assumem no apoio às suas corporações, porque não que iremos resolver o proble- existe proximidade entre os bombeiros e os serviços da ma dos Bombeiros de administração central. Alverca”, afirmou a edil, con- siderando que há imensas for- mas de apoio do Município ao trabalho dos bombeiros, como o pagamento de 30 efectivos que estão nas 6 corporações e as comparticipações nas obras. “Fazemos tudo isso con- scientes de que é a nossa obri- gação”, rematou. Já António Galamba realçou a competência e a eficácia das corporações (56) existentes no distrito de Lisboa e defendeu que, no futuro, o desempenho de muitas destas associações Eduardo Abreu, José Torres e Elviro Passarinho foram agraciados com não deve ser olhado de forma a medalha de ouro da Liga por 35 anos de dedicação aos bombeiros igual a outras de outras regiões
  • 7. 08 “ SOCIEDADE voz ribatejana #14Vila Franca de XiraPetição exige recuo da Câmara de Vila Francana proibição de alimentar animais errantesUm grupo de defensores dos animais na Internet regista uma adesão muito sig-lançou, na semana passada, uma petição nificativa e alguns dos subscritores criti-que solicita que a Câmara de Vila Franca cam a “crueldade” da postura da autar-de Xira “abandone imediatamente a pos- quia e interrogam-se por que é que astura inaceitável” que levou a que a autar- coimas não são aplicadas a quem aban-quia distribuísse pelos munícipes um fol- dona e maltrata animais.heto onde sublinha que é proibido ali- A petição defende que a Câmara de Vilamentar animais errantes em espaços Franca de Xira deve lançar “desde já” aspúblicos e que tal comportamento é bases de “uma política de controlo popu-punível com coimas. O documento já tem lacional através da esterilização massiva520 subscritores e será entregue aos pres- de animais de companhia e nomeada-identes da Câmara e da Assembleia mente de recolha, esterilização eMunicipal e aos vereadores vila-fran- devolução para controlo de colónias dequenses. gatos errantes, de forma independente ouA polémica estalou no final de Maio, em parceria com associações animalistasquando a edilidade decidiu enviar esta locais”. O documento considera “cruel” acomunicação aos munícipes juntamente postura adoptada pelo Município decom a factura da água, alegando que o deixar os animais à fome e sustenta queregulamento municipal prevê penaliza- será “ineficaz como forma de controloções para quem deixe alimentos para ani- populacional”, podendo levar os animaismais na via pública. Na reunião a aproximarem-se mais das habitaçõescamarária de 18 de Maio, cerca de uma humanas em busca de comida e a ficaremdezena de pessoas contestou a medida, mais vulneráveis a doenças e parasitas.defendendo que, em alternativa, a Classifica, ainda, a atitude da CâmaraCâmara deveria apostar em acções de vila-franquense de “injusta” e “retrógra-cadastramento, vacinação e esterilização da”, porque “o que se verifica em todosdos animais errantes. A presidente da os países desenvolvidos e em muitasautarquia alegou que o Município não cidades portuguesas” é o desenvolvimen-tem meios para tal, mas admitiu estudar to de métodos de controlo populacionalalguma parceria com os defensores dos de animais e de esterilização. Vários municípes protestaram na reunião camaráriaanimais que permita avançar por essa via.Certo é que a petição entretanto colocada Jorge TalixaCastanheira / Alenquer Fogo em vazadouro ameaçaFalsificação de guias de condução casas em Alvercapara vender a brasileiros dá pena de prisão Um incêndio, de origens ainda desconhecidas, ameaçou, na noite do passado dia 1, duas habitações da Rua Projectada àUm indivíduo de 37 anos, residente na primeiras sessões e preferiu não prestar reproduziu em vários exemplares num Fonte do Choupal, em Alverca. As chamas foram detectadaszona de Alverca, foi, no dia 27, condenado declarações quando foi conduzido a tribu- centro de cópias a cores da região. cerca das 21h00 e controladas pelo Bombeiros de Alverca.a seis anos de prisão efectiva pela prática nal pelas autoridades policiais. “Sempre que alguém queria uma guia, Deflagraram numa zona utilizada como vazadouro porde 5 crimes de falsificação de documentos. Segundo o acórdão, em Janeiro de 2004 a Pedro preenchia os dados à mão”, refere o alguns moradores. A rápida intervenção de alguns habi-Em causa estava um esquema de falsifi- GNR detectou, numa operação de trânsito acórdão, frisando que este arguido já foi, tantes que tentaram deitar água sobre as chamas e a prontacação de guias de condução que eram, efectuada na rotunda de Povos, uma guia entretanto, condenado por outros 4 crimes resposta dos bombeiros evitaram danos mais graves, masdepois, vendidas a imigrantes brasileiros e de substituição e uma carta de condução de falsificação, um crime de detenção de uma das casas sofreu ainda alguns estragos.que lhes permitiriam conduzir em brasileira que se vieram a revelar falsas. arma proibida e 3 de emissão de chequesPortugal. Alguns dos compradores nem Documentos do mesmo género foram, pos- sem provisão e que as necessidades de pre-nunca tinham tido habilitação para con- teriormente, encontrados na posse de venção especial levam também a que sejaduzir no Brasil e, com esta guia de substi- alguns dos arguidos nos concelhos de Vila condenado a uma pena de prisão efectiva.tuição, podiam até requerer licenças de Franca e de Alenquer. O colectivo de O colectivo presidido por Raquel Costacondução internacional ao Automóvel juízes deu, agora, como provado que Pedro condenou mais quatro arguidos por crimesClube de Portugal. S. “falsificou documentos com o objectivo de falsificação e uso de documento falso,No processo da Comarca de Alenquer jul- de os vender pelo melhor preço que con- um deles a uma pena de prisão com exe-gado no Depósito do Ministério da Justiça seguisse” e que, para tal, comprou uma cução declarada suspensa e os restantes 3 anos arredores de Vila Franca de Xira guia provisória na Direcção-Geral de multas. As juízas decidiram, ainda,estavam acusados 20 indivíduos, quase Viação (DGV), recortou a parte superior absolver os restantes 13 arguidos, tambémtodos de nacionalidade brasileira, mas três do duplicado onde constavam os carimbos. acusados de uso de documento falso e denão compareceram às primeiras audiências Fez com isso uma fotomontagem e que condução sem habilitação legal.realizadas em Março e os respectivosprocessos foram separados. Agora, PedroS., acusado de ter sido o mentor deste Guias falsas vendidas a 300 eurosesquema de falsificação detectado pela PJ “O Laboratório de Polícia Científica da PJ concluiu que havia uma guia original,em 2004, altura em que residia na com a qual, depois, terá sido feita uma fotomontagem”, explicou o inspector JoãoCastanheira do Ribatejo, foi condenado a 2 Costa em tribunal, frisando que a guia original tinha sido carimbada no Posto doanos de cadeia por cada um dos 5 crimes Cidadão de Vila Franca de Xira e foi usada para várias cópias, apresentando sem-de falsificação. Raquel Costa, juíza que pre o mesmo código de barras e o mesmo carimbo. “A maior parte dos arguidos quepresidiu ao colectivo responsável pelo jul- adquiriu estas guias também se dirigiu ao ACP para adquirir licenças de conduçãogamento, acrescentou que, aplicadas as internacional”, vincou João Costa, adiantando que, se o esquema não fosseregras do cúmulo jurídico, Pedro S. é con- descoberto, os titulares poderiam conduzir no espaço da União Europeia. Um dosdenado a uma pena única de 6 anos de arguidos, imigrante brasileiro, adiantou, em tribunal, que lhe pediram 300 euroscadeia. O arguido não compareceu nas por uma guia com estas características.
  • 8. Fado na Euterpe Alhandrense “Nas margens do rio Fado” é o título do espectáculo que vai ser apresentado, na noite do próximo dia 17, nas instalações da Sociedade Euterpe Alhandrense. Uma proposta da fadista Elsa Casanova, 09 que conta ainda com participações de Flávio Gil e de João Casanova. 8 de Junho de 2011Sentença lida na segunda-feiraTribunal absolve ex-dirigentese União VilafranquenseTodos os acusados no processo relacionado com a entrega de verbas de IVA ligadas à actividade do Vilafranquense foram absolvidos porque o tribunal considerou que não ficou provado que odinheiro depositado nas contas do clube sem justificativos estivesse sujeito a IVAJorge Talixa sujeitas a IVA todas as verbas suficientes que demonstrem reembolso de IVA a receber anos as dívidas que tem ao levaram àqueles depósitos depositadas durante cerca de que os valores em causa por diversas obras que reali- fisco. sem documentos justificativosOs cinco antigos dirigentes da 5 anos nas contas do clube estavam sujeitos a IVA, nem zou. Já em 2003, uma Os advogados dos arguidos e que não estão, assim,União Desportiva que não tinham justificativos. se pode concluir que “a omis- inspecção das Finanças detec- defenderam que, perante esta preenchidos os pressupostosVilafranquense (UDV) e a Frisando que uma associação são da sua entrega integra a tou bastantes verbas sem jus- novo acordo de pagamento, o de ilicitude previsto na Leiprópria colectividade foram, desportiva como esta é difer- prática de um crime de abuso tificativos e, como não foram processo judicial devia ser relativamente à prática dona tarde de segunda-feira, ente de uma sociedade comer- de confiança fiscal”. indicadas razões suficientes extinto. O colectivo não teve crime de abuso de confiançaabsolvidos da prática de cial, o acórdão sublinha que a Entende o colectivo que não para a sua entrada nas contas o mesmo entendimento, mas fiscal.crimes de abuso de confiança UDV não visa o lucro e “é resulta provado do julgamen- do clube, foram dadas orien- resolveu dar como prescritas Eurico Cid, António Machadofiscal de que estavam acusa- perfeitamente normal que to que os arguidos (dois anti- tações para a entrega, já em as situações relacionadas com Lourenço, José Fernandodos. O colectivo, presidido receba subsídios, quotas, gos presidentes, três outros 2004, de declarações de sub- a declaração de IVA de um Casquinha, Ana Câncio,por Manuela Pereira, con- mensalidades ou doações que dirigentes e o próprio clube) stituição que deixaram o dos trimestres de 1999, sobre Manuel Augusto e a Uniãosiderou que não ficou provado não estejam sujeitos a tribu- tenham “conjecturado a clube com uma dívida superi- a qual já passaram mais de 10 Desportiva Vilafranquenseque o clube tenha recebido tação em sede de IVA ou este- hipótese de não pagarem IVA or a 120 mil euros de IVA. O anos. foram, assim, absolvidos,verbas de IVA que não tenham jam sujeitos a taxas inferi- cobrado”. É que, segundo caso chegou agora a julga- Nas restantes situações, numa decisão que aindasido entregues ao Estado e ores”. Por isso, as juízas do referiram em audiência, entre mento e a UDV já estabele- respeitantes a 2001 e 2002, o poderá levar o clube a requer-contestou a forma como uma Círculo Judicial de Vila 1999 e 2003, os dirigentes ceu, entretanto, um acordo tribunal considera que não se er a redução do montante deinspecção das Finanças con- Franca que apreciaram este estavam convencidos que o extra-judicial de conciliação provou que a UDV tenha liq- dívida ao fisco que lhe temsiderou passíveis de estarem caso acham que não há dados clube até teria valores de para pagar nos próximos 10 uidado IVA nas operações que sido atribuído.VialongaSMAS cobram água a dadores de sangue com 6 anos de atrasoOs Serviços Municipalizados contactada para apresentar siderando que, à luz da Lei Vale Antunes diz mesmo quede Águas e Saneamento leituras do contador. Pagava, 12/2008, até não será legal os houve um caso semelhante na(SMAS) de Vila Franca de normalmente, cerca de 4 SMAS estarem a cobrar água freguesia de Vialonga e que,Xira apresentaram ao Grupo euros por mês, com base na seis anos depois. “Não está em diálogo também com ade Dadores de Sangue de estimativa de consumo feita em questão o valor, está o Junta, se conseguiu umaVialonga (GDSV) uma fac- pelos SMAS. E foi com sur- incumprimento da Lei”, afir- solução de pagamento a con-tura de consumo de água de presa que, recentemente, a ma. tento de todos. “A questão que759 euros. A direcção do direcção do GDSV se viu con- Francisco Vale Antunes, pres- se coloca é que os serviçosGDSV ainda reclamou, mas frontada com uma factura de idente dos SMAS vila-fran- deram prioridade aos con-recebeu, em Maio, a confir- acerto de 759 euros. quenses, admite o desagrado sumos normais domésticos,mação de que vai mesmo ter “Contestámos e foi-nos dito do presidente do GDSV, mas aos comerciais e industriais.que pagar aquela quantia e a que iriam analisar o caso. sublinha que “não há aqui No caso do movimento asso-explicação que se deve a val- Agora, em Maio, recebemos nenhuma injustiça”, porque ciativo havia alguns casos emores acumulados ao longo dos uma nova carta a dizer que a “o consumo foi, efectiva- que não se conseguia fazer aúltimos seis anos. Os respon- responsabilidade do pagamen- mente, feito”. O autarca do PS leitura e, no final de 2010, iní-sáveis do Grupo de Dadores to se mantinha e que não se reconhece que “pode ter havi- cio de 2011, foi feito umde Sangue garantem que vão tinham verificado anomalias do, eventualmente, algum esforço para contactar e tentarpagar, mas consideram que a na instalação”, relata o diri- funcionamento menos correc- ajustar os consumos. Essa foiatitude dos SMAS é “injusta” gente associativo, frisando to”, mas sustenta que a infor- a medida que tomámos”,e eventualmente até ilegal. O que as explicações dos SMAS mação que tem dos serviços prosseguiu o presidente dospresidente dos SMAS aludem à “dificuldade” de jurídicos dos SMAS é que a SMAS de Vila Franca,esclarece que o problema se acesso ao contador para Lei que limita o prazo para apelando a que haja também adeve à dificuldade de acesso leituras, mas salientando que cobrança de determinados preocupação no movimentoao contador, que levou à acu- o contador já estava no serviços não se aplicará num associativo de facultar maismulação de valores em dívida, mesmo local quando a caso como este em que o rapidamente o acesso à leiturae afiança que os juristas Câmara cedeu as instalações problema foi, de facto, a difi- dos contadores para evitarmunicipais garantem que é ao GDSV. Estranhando as culdade de acesso ao contador estas situações de acumu- Francisco Bordalo protestou na última reuniãolegal cobrar a água com estes razões que levaram a que os para fazer a contagem regular lação. camarária realizada na Granjaanos de atraso. cobradores do SMAS não ten- dos consumos. Jorge TalixaFrancisco Bordalo, presidente ham feito leituras actualizadasdo GDSV, não se conforma, durante 6 anos, Francisco FORMIGUINHA DO ASSEIO Lda. ANA RODRIGUESlembrando que o edifício onde Bordalo acha uma “injustiça”funciona a sede social do virem, agora, cobrar 759 EMPRESA DE LIMPEZAS 961 863 946grupo até foi cedido pelo euros ao grupo. “Não quere-próprio Município e que, na mos entrar em contencioso e - Manutenção e pinturas -altura, foi solicitada aos preferimos pagar ficando com - Lavandaria - R. Bento Jesus Limpezas gerais eSMAS a instalação de um a razão. Mas é uma injustiça - Engomadoria - domésticas | Escritórios, Caraça - (recolhas e entregas grátis ao domicílo) -ramal de água e pago o valor que nos fazem que não é de condomínios | Limpezas Lt. 48 - 4ºDtoexigido. O contador está, por maneira nenhuma um incenti- Rua José Ferreira Tarré nº 7 Loja 1 Vila F. de Xira ALVERCA industriais e comerciais |isso, no local indicado pela vo para quem anda no movi-autarquia e, ao longo de seis mento associativo”, acrescen- Tel: 219 577 809 - 916 438 041 Gestão de condomíniosanos, a associação nunca foi ta o dirigente do GDSV, con- formiguinhadoasseio@hotmail.com brunovieira-bv@live.com.pt
  • 9. 10 voz ribatejana #14 LegislativasPSD sobe bastante, mas o PSmanteve-se à frente na regiãoA vitória nacional do PSD também se reflectiu na região habitualmente acompanhada pelo VozRibatejana, mas os socialistas mantiveram aqui alguma preponderância ganhando em 5 dos 9 municípiosJorge Talixa o Bloco de Esquerda conseguiu resultado dos bloquistas no dis- 5, 9%. Já o PSD, sem surpre- trito de Lisboa.O PSD obteve dos seus mel- sas, esteve melhor em Arruda, Em Sobral de Monte Agraço, ohores resultados de sempre na onde conseguiu 35, 4%, quase PSD ganhou com 29% dosregião acompanhada pelo Voz 8% a mais que o PS. No votos, seguido pelo PS com 27,Ribatejana, rivalizando com o Município arrudense, o CDS- 8%. A CDU ficou-se pelos 15,PS na disputa pela vitória nos 9 PP veio a seguir com 12% dos 6, seguida pelo CDS-PP comconcelhos em análise. Se em votos, seguido pela CDU com 11, 4 e pelo BE com 5, 2.Vila Franca, Alenquer e 9, 7 e pelo BE com 5%. No total do distrito, o PSD con-Azambuja, os socialistas ainda Já por Vila Franca de Xira, o seguiu 18 deputados, o PSconseguiram ganhar, muito PS liderou com 30, 35%, um elege 14, o CDS-PP 7, a CDUsignificativo é o facto do PSD pouco acima da média 5 e o BE 3.ter ganho em municípios como nacional, seguido pelo PSDBenavente e Sobral de Monte com 24, 7% e pela CDU com PS perde 3500 votos no dis-Agraço, tradicionalmente situ- 16, 8 % (o melhor resultado da trito de Santarémados mais à esquerda. A coligação liderada pelo PCP noevolução eleitoral traduziu-se distrito de Lisboa). O CDS-PP No distrito de Santarém, o PStambém numa subida significa- vem a seguir com 11, 36% e o perdeu cerca de 3500 votos e 1tiva do CDS-PP que em Vila BE alcançou 6, 76% no concel- deputado. Os sociais-democ-Franca conseguiu 11, 36% dos ho de Vila Franca, o segundo ratas elegeram 5 represen- Passos Coelho em visita em Arruda dos Vinhosvotos. melhor resultado nos 18 tantes, o PS 3 e a CDU 1. NaPor concelhos, o PS teve o seu municípios do distrito. região mais próxima destaque com 24, 4 e pela CDU com 16, Já em Salvaterra, o PS ganhou Em Coruche, o PS voltou amelhor resultado em Alenquer, Em Azambuja, o PS também se para o desempenho do PSD no 08. O CDS-PP alcançou aqui com 31%, seguido pelo PSD ganhar com 30, 7%, seguidocom 31, 47% dos votos. No destacou com 31, 32%, segui- Município de Benavente, onde 12, 84% (acima da média com 26, 4 e pela CDU com 11, pelo PSD com 26, 5 e pelamunicípio alenquerense do pelo PSD com 25, 86 e pela conseguiu 30, 6% dos votos nacional) e o BE registou 6, 9. Num concelho onde o Bloco CDU com 20, 9 %. Já emseguiram-se o PSD com 29, CDU com 15, 16. O CDS-PP expressos, seguido pelo PS 08%. tem muito peso autárquico, os Santarém, o PSD destacou-se18% e a CDU com 12, 6. O foi quarto com 9, 8%, seguido resultados nas legislativas não claramente com 38%, seguidoCDS-PP foi quarto com 10, 6 e pelo BE com 7, 31 – o melhor foram famosos para o BE que, pelo PS com 25, 9 e pelo CDS- ainda assim, conseguiu 8, 45% PP com 7, 9. ASSINE O VOZ RIBATEJANA CONDIÇÕES DE ENVIO - PORTUGAL Odete Silva eleita deputada Odete Silva, eleita da Assembleia Municipal de Vila Franca de Xira e presidente da direcção do Corpo Voluntário de 1º Os seus dados: Salvação Pública da Póvoa de Santa Iria, foi eleita deputa- Nome: da nas legislativas de domingo. Colocada na 15ª. posição da lista do PSD pelo círculo eleitoral de Lisboa, onde os soci- ais-democratas elegeram 18 deputados, Odete Silva vai em breve assumir funções na Assembleia da República de certa forma também como única representante do concelho de Morada: Vila Franca de Xira no Parlamento. Odete Silva é casada com o vereador social-democrata Rui Rei e já concorreu à presidência da Junta da Póvoa de Santa Iria. Código Postal: Arruda dos Vinhos Telefone: Passos Coelho promete diálogo para 2º a sua escolha: 6 meses 12 edições (7 euros) compensar o Oeste pela perda do aeroporto Pedro Passos Coelho disse, no final de de ter o sentido de responsabilidade de quero fazer promessas que, depois, não 12 meses 25 edições (12 euros) Maio, em Arruda dos Vinhos, que o PSD honrar compromissos que são de justiça possa cumprir, mas quero afirmar a no governo estará disponível para “com relativamente às populações”, disse minha disponibilidade para, em conjunto 3º: O seu pagamento: os autarcas encontrar alternativas que Passos Coelho, ao lado do autarca local com os autarcas do Oeste, encontrar uma possam compensar” a região Oeste pelas Carlos Lourenço que, na qualidade de forma de poder recuperar e reparar os Total a pagar: medidas restritivas e pela perda do pro- presidente da Associação de Municípios atrasos de investimento que esta região jecto de construção do novo aeroporto na do Oeste, liderou as negociações efectu- sofreu, por culpa do Estado”, disse, ao cheque dinheiro vale postal Ota. Em declarações ao Voz Ribatejana, o adas com o então ministro Mário Lino. Voz Ribatejana. líder do PSD admitiu que o País, hoje, Em Abril, Carlos Lourenço afirmou que, O então candidato a primeiro-ministro Recorte e envie para: não tem dinheiro para cumprir o pacote passados quase 3 anos, nem 5% dos com- reconheceu que, hoje, “o País não dispõe Jornal Voz Ribatejana de compensações (2, 08 mil milhões de promissos foram cumpridos. desse dinheiro” e que “não vale a pena euros) assumido pelo primeiro Governo “Não há nenhuma dúvida que pre- iludir” as coisas, mas afiançou que, no gov- Centro Comercial da Mina Loja 3, Apartado 10040 de José Sócrates, em Setembro de 2008. cisamos de encontrar com os autarcas um erno, vai procurar encontrar alternativas de 2600-126 Vila Franca de Xira “Não fomos nós que assumimos essa processo de compensação destas popu- compensação com os autarcas da região. Tel: 263 281 329 vozribatejana@gmail.com responsabilidade. Mas nunca deixaremos lações que ficaram prejudicadas. Não Jorge Talixa
  • 10. Arraial da Quintinha na Póvoa O Agrupamento de Escuteiros 773 da Póvoa de Santa Iria promove, de 17 a 19 de Junho, o tradicional Arraial da Quintinha. Uma iniciativa em que participam, entre 11 outros, as artesãs da Póvoa, o Grupo de Cantares Alentejanos Unidos do Baixo Alentejo, o grupo “Os Baionenses”, o Rancho Folclórico Bragadense e o grupo coral 8 de Junho de 2011 e o grupo de cavaquinhos da Universidade Sénior do Concelho de Vila Franca.Aeródromo militar de saída da Portela“Figo Maduro” pode mudar-se para AlvercaO Ministério da Defesa decidiu fins civis do aeródromo militaraprofundar os estudos para a de Figo Maduro, que funcionapossibilidade de transferência, em terrenos anexos ao aeropor-da Portela para Alverca, do to da Portela, é uma hipóteseaeródromo militar ali instalado que voltou a estar em cima dahá décadas, conhecido por mesa”.“Figo Maduro”. A área ocupa- É que a ANA e a TAP achamdo por este aeródromo militar impraticável esperar até 2017principal às portas de Lisboa para encontrar uma soluçãopoderá ser importante para a que responda ao crescenteampliação do aeroporto da movimento na Portela. O pres-Portela, uma vez que não se idente da TAP já sugeriu umperspectiva a construção até maior aproveitamento da pista2017 do novo aeroporto nos de Beja e o início da con-terrenos do Campo de tiro de strução do novo aeroporto naAlcochete. zona do campo de tiro. Há, noPor isso, a Empordef, holding entanto, quem defenda que adas indústrias de defesa que venda dos terrenos de Figodetém os 35% que o Estado Maduro para a ampliação daainda mantém no capital da Portela geraria meios sufi-OGMA-Indústria Aeronáutica cientes para implantar um pólode Portugal propôs à tutela da aeronáutico em Alverca,Defesa, em Dezembro passado, rentabilizando mais a pista e asa transferência deste aeródro- infra-estruturas existentes nomo militar da Portela para concelho de Vila Franca deAlverca. Xira. Em equação pode estarAgora, segundo o Diário de também o aproveitamento deNotícias, o Ministério da uma parte do actual espaço doDefesa, liderado por Augusto Depósito-Geral de Material daSantos Silva que, em 2010, Força Aérea para a construçãoreconheceu a importância do de um terminal de apoio aodesenvolvimento de um cluster aeródromo militar que seria,aeronáutico em Alverca, con- assim, criado em Alverca.siderou que a criação deste O Pólo Aeronáutico de Alvercapólo “tem potencialidades que poderá, ainda, ser dotado demerecem ser estudadas” e um Instituto Tecnológico e dedeterminou o aprofundamento um Centro de Investigação edos estudos. Desenvolvimento.Também o Diário Económico Vista aérea da pista de Alvercarefere que “a utilização para J.T. Congresso europeu em Vila Franca Vila Franca de Xira Cientistas de todo o mundo debateram naturopatia Associação de Africanos festeja 14 anosPerto de meia centena de cientistas debateram, activos, porque têm a ciência do conhecimen-no Ateneu Artístico Vilafranquense, durante to”, acrescentou.dois dias, a naturopatia e todos os ramos da A CNNET agraciou os seus colaboradoresciência a ela ligados – acupunctura, quiro- mais antigos e aqueles com 20 anos de fideli-prática, osteopatia, homeopatia e fototerapia. dade, bem como um conjunto de entidadesO congresso, promovido pela Câmara que, de forma diversa, têm apoiado a institu-Nacional dos Naturologistas – Especialistas ição e os seus fins e objectivos. José Fidalgo,das Terapêuticas Não Convencionais presidente da Junta de Freguesia vila-fran-(CNNET), deu particular atenção às questões quense, fez um historial deste ramo das ciên-ligadas às crianças e aos idosos. cias naturais e lançou um repto para a consti- tuição, urgente, de uma comissão científica,António Novaes, presidente da CNNET, sub- para a rápida instalação de uma universidadelinhou que, “em vez de se dizer que se combate ligada ao sector – e aos mares - em Vilaa velhice, deixamos, antes, que seja a velhice Franca de Xira.que se combata a si mesma”. Isto para dizerque “os idosos são sempre jovens, criadores e Adriano Pires Luís Fernandes é o presidente da Associação dos Africanos A Associação dos Africanos do Concelho de das taças aos grupos desportivos, serviu-se o Vila Franca de Xira (AACVFX) festejou o seu almoço com as tradicionais ementas de Cabo décimo-quarto aniversário. Luís Fernandes, verde, Guiné, Angola, Moçambique e S. Tomé presidente da AACVFX disse, ao Voz e Príncipe. Cada pessoa levava um pouco das Ribatejana, que o maior objectivo da associ- cinco especialidades de comida com direito a ação é contribuir para uma maior coesão repetir. Seguiram-se danças e cantares com os entre os povos africanos de expressão por- conjuntos de cavaquinhos dos Idosos e pen- tuguesa e uma maior facilidade em resolver os sionistas do Forte da Casa, Folha Verde de problemas que uma comunidade tem para a Vialonga e as danças e cantares africanas da sua integração. Associação Africana de Vila Franca de Xira, As comemorações deste 14º. aniversário jun- Unidos dos Batuques. taram mais de 1000 pessoas. Após a cerimónia de entrega dos diplomas às entidades oficiais e Adriano Pires
  • 11. 12 “ REGIONAL voz ribatejana #14Alenquer AzambujaFeira da Ascensão muito concorrida Feira mais barata temapesar do corte do domingoMesmo com menos um dia defesta, a Feira da Ascensão de2011 foi um sucesso. O cer- a que se seguiram outras inicia- tivas não só, culturais, como também de carácter lúdico, em declarações à Rádio Ribatejo, explicou que foi bas- tante abrangente, tendo em balanço muito positivotame, que foi encurtado devido como a caminhada “Viva conta os vários estilos musicais A edição 2011 da Feira de Maio de Azambuja esteve muito concorrida. As cinco esperas deàs eleições legislativas deste Melhor” em parceria com o e os vários tipos de dança que toiros originaram 20 feridos, sete dos quais em estado gravedomingo, contou com muita Centro de Saúde local, e na marcaram presença na ediçãoadesão ao longo dos quatro qual participaram centenas de de 2011, que ficou igualmente Miguel António Rodrigues euros para gastar, a Câmara teve de fazerdias, tanto de expositores, pessoas. marcada pelo bom tempo e opções e cedeu um dos pavilhões à empresacomo de forasteiros. A prova O certame custou este ano pela afluência de público. A Feira de Maio de Azambuja terminou no dia que em geral os cede, de modo a reduzir osdisso são os inúmeros exposi- cerca de 80 mil euros, segundo 30 com um balanço claramente positivo. custos. Por isso, um dos pavilhões ficou desti-tores do concelho e de fora que o presidente da Câmara Jorge M. A. R. Daniel Claro, porta-voz da ACISMA nado a comércio de vários produtos, cujosnão quiseram faltar ao certame Riso. Ainda assim, o autarca, (Associação de Comércio e Indústria de empresários pagariam ao proprietário o seuanual da vila de Alenquer. Azambuja) e o presidente da Câmara Joaquim local de venda, ao contrário dos expositores doA Feira da Ascensão contou Ramos alinham pela mesma ideia. Mesmo com pavilhão das actividades económicas e arte-com muita música, com os um orçamento mais reduzido, o certame voltou sanato, que tiveram direito a stand grátis,mais variados géneros musi- a ser um sucesso, tanto ao nível dos visitantes como habitualmente acontece.cais e claro, com as habituais das várias iniciativas, como no que diz Assim, este ano, o mesmo pavilhão foi partil-vacadas e a corrida de toiros respeito ao pavilhão da responsabilidade da hado pelas actividades económicas e pelo arte-que juntou centenas de pessoas ACISMA. sanato, o que, de resto resultou, num casamen-numa praça de toiros desmon- Ainda sem números, no penúltimo dia da festa, to “quase” perfeito, não fosse o facto de à últi-tável, já que, por enquanto, não Joaquim Ramos registava que a edição de 2011 ma da hora, terem ficado de fora alguns expos-está nos planos da autarquia poderia bater recordes. A noite da sardinha itores. Ainda assim, e pese embora o facto douma praça em alvenaria. assada (sexta-feira) foi um sucesso, assim “São Pedro” não ter sido aficionado este ano eO certame, que este ano se como todos os outros dias que se seguiram, ter enviado chuva e vento durante alguns diasrealizou debaixo de uma crise levando o autarca, no discurso de encerramen- da feira, o que levou a que parte das lonas dosfinanceira, decorreu na sua to, a agradecer a todas as entidades envolvidas, pavilhões fossem arrancadas, o certame é, paramaior parte nas ruas do centro desde os funcionários da câmara, às tertúlias o responsável da ACISMA, bastante positivo.da vila de Alenquer. que se organizaram de forma a receber os vis- Daniel Claro refere que o facto de este ano nãoA feira começou com a fanfar- itantes, a todos os parceiros da autarquia, bem se ter realizado a habitual corrida de toiros nãora dos bombeiros de Alenquer como, claro, aos milhares de forasteiros. prejudicou as visitas ao pavilhão gerido pela Sob o signo da crise económica, a Feira de ACISMA. Maio de Azambuja teve este ano em risco a A feira terminou com um balanço de 20 feri- continuidade dos pavilhões de artes e ofícios e dos, entre eles sete feridos em estado grave, actividades económicas. Com menos 250 mil em resultado das cinco esperas de toiros.
  • 12. Leitores defendem aposta na agricultura Todos os leitores do blog do Voz Ribatejana que participaram no inquérito que promovemos nesta quinzena acham que os portugueses devem apostar mais na agricultura. Os 21 votantes consideram 13 também que o Governo deve apoiar mais o envolvimento dos jovens na agricultura 8 de Junho de 2011Certame decorre até domingo em SantarémFeira da Agricultura ultrapassaos 25 mil visitantes em dois diasCerca de 26 mil pessoas vis- visitar os perto de 600 expos- Destaque ainda para o SANT (Associaçãoitaram a 48ª. Feira Nacional itores que estão presentes até Espaço do Ribatejo da Empresarial da Região deda Agricultura no seu ao próximo domingo. responsabilidade dos municí- Santarém).primeiro fim-de-semana de Todavia, a Feira Nacional de pios da região, a cargo da Neste certame ainda há lugarfuncionamento. O certame Agricultura também continua CIMLT (Comunidade para as habituais exposiçõesdecorre até ao próximo a apostar na divulgação dos Intermunicipal da Lezíria do e concursos de pecuária,domingo em Santarém e produtos nacionais. Tejo) e ainda o espaço da exposição de maquinaria e deconta este ano com perto de É prova disso, o salão Fersant - Feira das equipamentos agrícolas, bem600 expositores “Prazer de Provar” (ver Actividades Económicas da como outras áreas de produ-Miguel Rodrigues caixa) que é dedicado ao Região de Santarém, da tos e serviços para a agricul-Sónia Sanfona, governadora vinho, alimentação. responsabilidade do NER- tura e não só.Civil de Santarém, eFrancisco Moita Flores,presidente da Câmara escal-abitana, inauguraram, nopassado sábado, mais umaedição da Feira Nacional da CartaxoAgricultura (FNA). Umainauguração marcada pelapolémica que levou a que Festa do Folclore junta maisAntónio Serrano, ministro daagricultura e cabeça-de-lista de 60 ranchosdo PS pelo círculo eleitoralde Santarém desmarcasse asua presença, já que a inau-guração decorreu no passadodia 4, que era exactamente odia de reflexão para aseleições legislativas.A cerimónia inaugural decor-reu como habitualmente comuma recepção levada a cabopor um rancho folclórico rib-atejano, a que se seguiu avisita ao certame, que esteano também sofreu umaredução do orçamento emcerca de 15 %, devido à criseeconómica que o país atrav- Foram milhares as pessoas que não quiseram faltar a maisessa. uma edição da “Grande Festa do Folclore e da Amizade”,Ainda assim e durante o organizada pelo programa “Povo a Cantar” da Rádio Iris,primeiro fim-de-semana, aFNA já atraiu mais de 26 mil O prazer de Provar em português que este ano se realizou no Cartaxo. Ao todo foram mais de 60 ranchos folclóricos oriundos de vários pontos do país que,pessoas para assistir às mais no dia 22 de Maio, encheram o terreno junto ao parque devariadas actividades e para A Feira Nacional de Agricultura apresenta este ano o salão “Prazer de Provar”. Trata-se de exposições do Cartaxo de muita música, cor e animação. um espaço onde estão presentes os melhores produtos nacionais, com incidência sobre os vin- Uma maratona que começou pelas 10 da manhã e só termi- hos, azeites e queijos, enchidos, méis, compotas, frutas, produtos hortícolas, entre outros. nou quase à hora de jantar. Para o ano, promete Arlindo dos Seminários e Na Nave A, o visitante pode, para além de participar várias iniciativas, desde a degustação de Santos, o realizador do evento, “há mais”. produtos, provas enogastronómicas, de vinhos e de azeites, animação acções de cozinha ao vivo, cursos de análise sensorial e ainda várias conferências e palestras. Durante a realização da Feira Nacional da Agricultura e do integrado Salão O programa de seminários Prazer de Provar, há ainda a destacar o Concurso Nacional da FNA integra amanhã, té de Azeite Virgem Extra e Packaging, Concurso Nacional de tos a dia 9, uma iniciativa sobre Mel e Concurso Nacional de Vinhos. Aber horas! as medidas florestais no às 23 âmbito da política de desenvolvimento rural europeia. No feriado de 10 de Junho vai estar em foco OS MELHORES MÉDICOS E SERVIÇOS A PREÇOS MAIS BAIXOS o futuro da Política - CONSULTAS DE CLÍNICA GERAL E DOMICÍLIOS Agrícola Comum após GRATUITOS 2013, numa sessão em que - CONSULTAS DA ESPECIALIDADE A BAIXO estarão presentes vários CUSTO eurodeputados portugue- - MEDICINA DENTÁRIA A PREÇOS ACESSÍVEIS ses. - ANÁLISES CLÍNICAS - EXAMES COMPLEMENTARES No capitulo da animação - ENFERMAGEM E AULAS DE PREPARAÇÃO destaca-se amanhã, quin- PARA O PARTO ta-feira, o concerto dos - RECEITUÁRIO Deolinda, no dia 10 actua - E MUITO MAIS! Pedro Abrunhosa e no dia 11 será a vez dos Xutos e VENHA CONHECER-NOS EM ALVERCA: Pontapés. Rua Projectada ao Choupal Edifício A Loja A
  • 13. 14 Vialonga tem opereta “Vamos construir uma cidade” é o título da opereta que vai ser apresen- tada, ao princípio da noite de amanhã, dia 9 de Junho, no parque da feira de Vialonga. Uma iniciativa do agrupamento escolar, que abre às 19h00 com uma actuação da Orquestra de Vialonga. voz ribatejana #14Azambuja Assaltaram idoso em Alverca Assaltantes detidos depois deAcidentes com tractores perseguição policial na EN 10 Quatro jovens, com idades compreendidas entre os 18 e osfazem duas vítimasUm jovem agricultor de 34 anos fale- quinta da família perto da Ameixoeira. 21 anos, foram, quinta-feira à tarde, detidos pela PSP de Vila Franca de Xira, depois de uma perseguição policial na Estrada Nacional 10 entre Alverca e Santa Iria d’ Azóia. De acordo com a Divisão Policial de Vila Franca de Xira, os detidos terão usado “violência física” para roubarem um fioceu, sábado à tarde, em Alcoentre viti- Já na segunda-feira ocorreu outro aci- de ouro avaliado em 650 euros e uma carteira (continha 300ma do capotamento do tractor que con- dente com um tractor, numa pro- euros em dinheiro) a um homem de 61 anos, que se encon-duzia. Segundo sabe o Estado Velho, priedade junto ao palácio da Vala Real, trava na estação ferroviária de Alverca.terá sido o único filho da vitima que tendo o condutor ficado ferido, tam- Dado o alarme, elementos da Esquadra de Investigaçãochamou as autoridades, contudo algu- bém na sequência de um capotamento Criminal da PSP vila-franquense conseguiram detectar ema desorientação da criança, levou a do veículo agrícola com que trabalha- deter a viatura onde seguiam os quatro suspeitos emque as autoridades tenham encontrado va. direcção a Lisboa, já nas proximidades do Intermarché deo local exacto do acidente logo à A vitima, um homem de meia idade, Santa Iria d´Azóia. Com eles seguia também um menor deprimeira, Contudo as autoridades terá sido resgatado por amigos que 15 anos, que foi identificado. Os detidos foram presentes aopouco poderia fazer, já que segundo encontravam no local e transportado Tribunal de Vila Franca para primeiro interrogatório.apurámos, o homem terá tido morte numa carrinha ainda antes da chegadaquase imediata. dos bombeiros de Azambuja, acciona- CoruchePara o local foram deslocados meios dos pelo CODU (Centro de Orientaçãodos bombeiros de Alcoentre, do INEMda GNR: estiveram também meios da de Doentes Urgentes). Os voluntários de Azambuja encon- Apanhados com cobre roubadoProtecção Civil Municipal e a delegada traram-se então a meio caminho com o A GNR de Coruche recuperou, na semana passada, cerca dede saúde. O INEM também disponibi- grupo de amigos que traziam o ferido e 200 metros de cabos de cobre roubados de pivôs de rega e delizou apoio psicológico à família, mas transportaram-no depois de ambulân- postes de electricidade da região e deteve dois jovens já comsobretudo à criança que terá encontra- cia para o hospital Reynaldo dos antecedentes criminais neste tipo de crime. Com os dois deti-do o pai sem vida. O acidente ter-se-á Santos em Vila Franca de Xira. dos, residentes nos concelhos do Montijo e de Vendas Novasdado pouco antes das 5 da tarde na M.A.R. e com 21 e 26 anos, respectivamente, os militares da GNR de Coruche encontraram também uma menor de 15 anos, de nacionalidade espanhola, que foi identificada. Colete Encarnado 2011 Na localidade de Volta do Vale, próximo de Coruche, os ele- mentos da GNR detectaram os dois indivíduos na posse daquela quantidade de cabos de cobre, avaliada em cerca de 5000 euros. Apreenderam, ainda, 10 torneiras em cobre e Suplemento Voz Ribatejana alumínio, habitualmente utilizadas nos mecanismos de rega. Segundo o comando distrital da GNR de Santarém, os jovens agora detidos “já tinham sido constituídos arguidos por furtos de cobre noutros crimes praticados no concelho - Tudo sobre o Colete de Montemor-o-Novo”. Encarnado 2011 - Entrevista com Nuno Casquinha novo matador de toiros Vilafranquense Não perca na edição de 22 de Junho comercial.vozribatejana@gmail.com Estamos em todo lado… Como as Pragas !!! Primeira empresa no Controlo de Pragas, com implementação do sistema HACCP Em fase de implementação do Sistema de Gestão de Qualidade de acordo com as normas ISO 9001:2008 e NP 4397:2008. www.pestrochas.pt
  • 14. 15 “ ANO DA QUÍMICA 8 de Junho de 20112011 é o Ano Internacional da QuímicaJoaquim Luís Faria contribuições positivas da química eCelebrar a Química em 2011 é cele- deixar ao juízo de cada um decidirbrar as virtudes da transformação, se elas compensam, ou não, as suasda mudança, da própria vida. A vida prestações mais negativas.tal como a definimos é o resultado Celebrar a Química em 2011 é cele-de uma complexa sequência de brar um passado de descobridores etransformações, quase todas elas de descobertas. É realçar a busca per-base química. A vida que levamos manente por repostas a perguntasdepende da química, desde da água cada vez mais exigentes; é mostrarque bebemos, à roupa que vestimos, que a química tem soluções e estáaos materiais que nos que nos aju- longe de estar esgotada: há umdam, nos protegem e dão qualidade mundo de novos materiais paraa essa mesma vida. Todos os sec- desenvolver, novas moléculas comtores produtivos dependem da capacidades terapêuticas para sinte-química e ela está em todo o lado à tizar, novas energias para explorar.nossa volta. De tão banal, na maior- É transmitir aos jovens a ideia de umia dos casos já nem reparamos nela, futuro criativo e de esperança. Aomas basta um olhar atento em torno mesmo tempo, celebrar a Químicade nós e das nossas actividades, para em 2011 é recordar que faz 100 anospercebermos que ela está presente que o Nobel da Química foiem quase tudo. Se tiráramos a entregue a uma mulher, Maria Curie,química ao nosso quotidiano e que estamos a enaltecer as con-ficamos literalmente nus. Apesar de tribuições fascinantes das mulherestudo, não raras vezes somos sobretu- para química em particular e para ado alertados para o lado mais som- ciência em geral. É acima de tudo abrio dos efeitos da química: a altura de mostrar como a químicapoluição, a contaminação deliberada contribui de forma significativa parae o excesso de desperdício. Mas o bem-estar da humanidade agora, epara sermos justos também é a no futuro.química que nos salva com os seus * Professor da Faculdade demedicamentos, que nos proporciona Engenharia da Universidade doas mais variadas fontes de energia, Portoque nos permite acesso a bens essen- A Solvay Portugal está a desenvolver um conjunto de actividades comemorativas Secretário-geral da Sociedadeciais. Este é o ano para se exaltar as do Ano Internacional da química nas suas instalações da Póvoa de Sta Iria Portuguesa de Química
  • 15. 16 “ ECONOMIA voz ribatejana #14Coruche promove feira internacionalCortiça volta a crescer e diversifica utilizaçõesO ministro da Agricultura garante que o Governo tem defendido o reforço dos apoios da União Europeia ao sector da cortiçaJorge Talixa faltaram desfiles de moda, E inovação porque cada vez Portugal tem o apoio da seminários, visitas às indústrias mais a cortiça se afirma como Espanha nesta reivindicação deDurante seis dias, a Feira transformadoras locais, músi- produto capaz de gerar ino- mais ajudas para a preservaçãoInternacional da Cortiça ca, desporto e gastronomia. vação, trazendo novos usos e do sobreiro e para a dinamiza-(Ficor) dinamizou a vila ribate- Dionísio Mendes salientou que descobrindo novos mercados”, ção do comércio da cortiça.jana de Coruche, que assume o a Ficor é uma aposta ganha e sublinhou o autarca De acordo com o titular daestatuto de “Capital Mundial tem contribuído, desde a sua coruchense, na manhã espe- pasta da Agricultura, a fileirada Cortiça”. As potencialidades criação em 2009, para a recu- cialmente quente de 27 de da cortiça alcançou, em 2010,do montado de sobro e a cres- peração do sector corticeiro. Maio, que levou também a que os 800 milhões de euros decente diversificação das uti- “Este ano temos como lema a a cerimónia inaugural fosse exportação. “Tem tido umlizações da cortiça, que sustentabilidade e a inovação. acelerada. O edil destacou o crescimento continuado nosalcançou este ano um impor- Sustentabilidade porque a bio- bom desempenho dos produ- últimos anos e só o sector dastante acréscimo de 11% nas diversidade associada ao mon- tores florestais e o impacto da rolhas exporta mais de 500exportações, estiveram em tado de sobro é uma garantia de campanha internacional de milhões de euros”, vincoufoco num certame onde não sustentabilidade para o futuro. promoção da cortiça, que “é António Serrano, salientando hoje um produto de excelência que, depois de alguma estag- que puxa pela nossa economia nação e mesmo retrocesso, a e pelas nossas exportações”. utilização da rolha de cortiça António Serrano sustentou, por como vedante “tem vindo a seu lado, que o Governo por- afirmar-se e a recuperar a sua tuguês tem procurado sensibi- imagem no contexto interna- lizar a Comissão Europeia para cional” e que cerca de 75 mil a necessidade de “dar mais hectares (10% do total) de força” ao sector da cortiça na montado de sobro já têm certi- próxima revisão da Política ficação de qualidade. Agrícola Comum (PAC). O Na feira que o Município rib- ministro da Agricultura do atejano de Coruche promoveu Produtores Florestais de Coruche (APFC) fez um bal- governo cessante realçou que o montado de sobro “é uma área pelo terceiro ano consecutivo estiveram representados os anço do primeiro ano de fun- Números da cionamento da Plataforma de distintiva dentro da União Europeia” e assegurou que principais agentes do sector da cortiça e a Associação de Transacção de Cortiça (PTC), cortiça lançada na Ficor de 2010 com o objectivo de criar uma espé- Área de Montado de cie de “bolsa” que permita reg- Sobro em Portugal – 720 ular e equilibrar mais a relação mil hectares Coruche produz 16% entre os produtores e a indús- Exportações em 2010 – tria. O balanço, segundo o 800 milhões de euros da cortiça mundial presidente da APFC, é muito Percentagem do PIB – 0, positivo e, já em 2012, a PTC 8% O concelho de Coruche é o maior produtor mundial de cor- deverá movimentar 1 milhão Percentagem de produto tiça, estimando-se que no seu território sejam extraídos 16% de arrobas de cortiça, o que exportado – 90% de toda a cortiça mundial. Cerca de 46% dos 1114 quilómet- “constitui uma percentagem Países importadores – ros quadrados do Município estão ocupados com montado muito significativa da pro- mais de 100 de sobro, que dá também emprego a algumas centenas de dução nacional”, disse perante Exportação de rolhas em pessoas. Nas indústrias ali instaladas produzem-se 5 mil- eurodeputados da Comissão de 2010 – 500 milhões de hões de rolhas de cortiça por dia. Agricultura e euros Desenvolvimento Rural.
  • 16. Congresso avieiro em Santarém O 2º. Congresso da Cultura Avieira realiza-se, nos próximos dias 17 e 18, 17 nas instalações da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém. 8 de Junho de 2011Castanheira do RibatejoAcessos à plataforma logística geramtroca de acusações entre CDU e PSA CDU acusou, no dia 27, o Certo é que comunistas e ter ficado reservados porque, Castanheira do Ribatejo fica terrenos estavam propostos plataforma “serão requalifi-executivo camarário de Vila socialistas não se entendem na altura, não estavam largamente beneficiada, sendo passar a ter classificação de cadas pela Abertis, conforme oFranca de Xira de gastar mais sobre o apoio à plataforma definidos os traçados. “Só a uma freguesia de maioria multiusos. Assim, a reserva de acordo celebrado nesse senti-de 4, 5 milhões de euros para logística. A CDU diz que a partir do momento em que CDU, é curiosa a posição da terrenos com a classificação de do” e, no âmbito da sua inter-os acessos à Plataforma Câmara vai ter que despender ficaram definidos os traçados é CDU nesta matéria”, disse, ao RAN ou REN não seria possív- venção normal de reabilitação,Logística da Castanheira. Os 2, 497 milhões de euros para que poderíamos negociar com Voz Ribatejana. el”. a edilidade “procederá tambémvereadores comunistas acham construir as ligações da os proprietários. Se reservásse- O gabinete de imprensa da A Câmara vila-franquense afir- à reparação das vias que são daque a autarquia não deveria plataforma à Nacional 1 e para mos e condicionássemos o uso edilidade de Vila Franca acres- ma, ainda, que as vias afec- sua competência na freguesia”.contribuir desta forma para um reabilitar o acesso A. de determinado terreno no centa que o envolvimento do tadas pela construção da Jorge Talixaprojecto privado. A presidente Acrescenta que a edilidade vai, âmbito da revisão do PDM, se Município neste projecto visada Câmara Maria da LuzRosinha tem um entendimento ainda, pagar 2, 06 milhões de euros pela aquisição e expro- se concluísse depois que não era por ali que passavam os “permitir que o concelho e a freguesia da Castanheira ven- ASSINE O VOZ RIBATEJANAcompletamente diferente, priação dos terrenos para os acessos, teríamos que pagar ham a ter um papel preponder-acusa a CDU de esquecer que acessos, “porque não ficaram indemnizações aos propri- ante no País na área logística, CONDIÇÕES PARA O RESTO DA EUROPAas obras em curso vão criar reservados no Plano Director etários”, sustenta, vincando beneficiando também o desen-condições para que a popu- Municipal”. Lamentam, por que esta comparticipação do volvimento económico elação da Castanheira também isso, que a Câmara alegue não Município está totalmente social, desde logo através da 1º Os seus dados:tenha acesso directo à auto- ter condições financeiras para clara no protocolo celebrado há melhoria das acessibilidades”. Nome:estrada e garante que vai pagar reduzir as taxas de IMI e, dois anos entre a Câmara, a Segundo a autarquia, “apouco mais de 1 milhão dde depois, gaste este dinheiro com Brisa, o Inir e a Abertis. “Acho aquisição dos terrenos deu-seeuros pelos terrenos a plataforma logística. que se justifica, até porque o numa altura em que já decorrianecessários e não os 2, 062 Maria da Luz Rosinha sublinha concelho ganha também, com o processo para a entrada emmilhões referidos pela CDU. que os terrenos não poderiam isto, um novo acesso à A 1. A vigor do novo PDM, em que os Morada: Código Postal: País: Telefone: 2º a sua escolha: 6 meses 12 edições (20 euros) 12 meses 25 edições (40 euros) 3º: O seu pagamento: Total a pagar: cheque dinheiro vale postal Recorte e envie para: Jornal Voz Ribatejana Centro Comercial da Mina Loja 3, Apartado 10040 2600-126 Vila Franca de Xira A Câmara afiança que as estradas da região vão ser reabilitadas Tel: 263 281 329 vozribatejana@gmail.com Especiais Voz Ribatejana Cidade de Alrverca Festa da Amizade de Benavente Festas de Alhandra Festas da Castanheira Não perca na edição de 22 de Junho comercial.vozribatejana@gmail.com
  • 17. 18 “ OLHO VIVO voz ribatejana #14Assim se faz o futuro dos Jornalismo combombeiros futuro28 de Maio foi dia de festa para os Bombeiros de A comunicação social já viveu mel-Vila Franca, com a inauguração de uma viatura e da hores dias no concelho de Vila Francaampliação do quartel. Na cerimónia participaram de Xira e as actividades aqui desen-muitas crianças bem integradas na família dos volvidas já foram acompanhadas porbombeiros. “O meu pai é bombeiro e a minha mãe bastantes mais rádios e jornais.é bombeira”, sublinhou uma das meninas que não Mantêm-se os possíveis, mas foihesitou em sentar-se no meio da assistência da animador ver a forma como umasessão solene à conversa com uma amiga quase dezena de jovens alunos de escolasda mesma idade. Um orgulho e uma evidência, locais abraçou com entusiasmo aque talvez funcione de forma decisiva para que possibilidade de se sentar na banca-muitos jovens continuem a procurar os da dos jornalistas da recentebombeiros para, de forma voluntária, darem Assembleia Municipal Jovem. Sinal de que aum pouco de si aos outros. comunicação continua a despertar interesses e vocações e que tem o futuro assegurado. Vândalos deixam Tradição está para idosos à chuva ficar e ao sol Já em Coruche, uma das escolas Em Arruda, o exemplo é bem mais locais encontrou uma forma muito negativo. Já não bastavam os rasgões original de vincar a ligação do con- a que o toldo instalado junto ao celho à cortiça. Um grupo de meni- Centro de Convívio Sénior foi nos passeou pela Feira Internacional sofrendo e ainda houve alguém que, da Cortiça com um traje e um ao que tudo indica, propositada- chapéu integralmente feitos em cor- mente resolveu deitar o fogo àquela tiça que fizeram também a delícia estrutura. As chamas foram domi- dos mais velhos. nadas rapidamente, sem mais prejuí- zos, mas o caso foi entregue à Polícia Judiciária e as autarquias locais foram obrigadas a retirar o toldo par- cialmente queimado, reduzindo e muito os espaços protegidos onde os idosos arrudenses podem con- viver. Mudança difícil A recente mudança do Centro de Saúde de Vila Franca para o seu novo edifício veio demonstrar ainda mais a inadequação das suas antigas insta- lações. Distribuídas por cinco edifícios distintos e, no caso da sede, por 5 pisos, o CSVFX não respondia claramente às necessidades. Até a forma como foi necessário recorrer a meios perfeitamente invulgares para retirar os equipamentos das velhas instalações veio reforçar essa constatação. Só com escadas e elevadores exteriores é que, finalmente, foi possível concretizar a mudança. Obras de Santa Engrácia em Benavente As obras de reabilitação da ponte da Vala Nova, em Benavente, arras- tam-se há meses. È ver- dade que os trabalhos envolvem bastantes meios e maquinaria pesada, mas a demora causa estranheza. Tanto mais que obriga muitas vezes à circu- lação alternada do trânsito e acaba por gerar filas significa- tivas numa via importante e muito “ movimentada de lig- ação entre Benavente apoio: “Voz Ribatejana e Salvaterra de Magos.
  • 18. 20 “CLASSIFICADOS voz ribatejana #14 Tribunal de Trabalho de Vila Franca de Xira Processo: 639/04.5TBVFX-A PENICHE (centro) p/ férias Execução Comum – Pagamento de quantia certa Exequente: Sara Orlanda de Albuquerque Martins Moita Nunes ALUGA-SE T3 todo mobilado Executado: Policlínica Lezíria Clínica Médica, Lda à semana - quinzena - mensal ANÚNCIO meses Julho/Agosto/Setembro FAZ-SE SABER que nos autos acima identificados, encontra-se designado o dia 16 Tel.: 918 915 365 de Junho de 2011 pelas 09:30 horas, no Tribunal de Trabalho de Vila Franca de Xira, para a abertura de propostas, que sejam entregues até esse momento, na secretaria do tribunal, pelos interessados na compra dos seguintes bens: Ana Maria Silva Rucha VERBA ÚNICA - Estabelecimento comercial, sito na Rua Alexandre Herculano, Lote 1 B em Samora Agente de Execução Correia, composto por: 1- Três marquesas de consultório. Cédula 2769 2- Dois aparelhos de medição de tensão arterial, marca Riester Ligben Round 3- Um aparelho de ginecologia com inscrições Arret/ March e Varre et Quatz com pé Anúncio elevatório.Em frente aos correios de Alverca 4- Três cadeiras de executivo com rodas em napa preta. Agente de Execução Ana Maria da Silva Rucha, Cédula n.º 2769, com escritório no Largo José Vaz Monteiro, n.º 1 r/c Esq. 2630-248 Arruda dostel: 21 958 45 37 Web: www.audiovital.pt 5- Um aparelho de cardiologia com inscrição Pró Getti com cabos. Vinhos, Telefone 263 978 086 – Fax: 263 978 642. 6- Três secretárias em MDF com duas gavetas cada. 7- Um balcão tipo V com dois tampos em MDF com 2,45 m de cumprimento. FAZ-SE SABER que no processo de Execução para Pagamento de Quantia Certa com o n.º 1815/08.7TBVFX a correr termos no 3º Juízo 8- Quinze cadeiras com pés em metal e tecido azul. Cível do Tribunal de Família e Menores da Comarca de Vila Franca de 9- Dois bancos com assento rotativo em metal e tampo em napa azul e um banco não Xira, se aceitam propostas para a venda por negociação particular, no rotativo em napa azul. ALUGA-SE 10- Uma cadeira de secretária com pés em inox com rodas e tecido azul. prazo de 15 dias após a presente publicação, do seguinte: 11- Direito ao arrendamento e trespasse do estabelecimento comercial, sendo o IMÓVEL Casa de 4 senhorio o Sr. Mário Costa Reis, residente na Estrada da Samorena, nº 69 em Samora Correia. - Fracção autónoma designada pela letra “V” correspondente ao SEXTO ANDAR FRENTE para habitação, do prédio em regime de propriedade assoalhadas horizontal sito na Avenida D. Vicente Afonso Valente, nº 8 na freguesia de em Os bens encontram-se disponíveis para visita (a combinar) na Rua Alexandre Herculano, Lote 1 B em Samora Correia. Póvoa de Santa Iria e concelho de Vila Franca de Xira, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 1.304 daquela freguesia e descrito na Castanheira do Ribatejo Segunda Conservatória do Registo Predial de Vila Franca de Xira sob o número 00083/ Póvoa de Santa Iria. ______________________ Valor base: 7.200,00€ (sete mil e duzentos euros). Telemóvel: Será aceite a proposta de melhor preço acima do valor de 5.040,00 € (cinco mil e 919 030 177 quarenta euros), correspondente a 70% do valor base. Arruda dos Vinhos, 06 de Junho de 2011 A Agente de Execução, É fiel depositário, que o deve mostrar, a pedido, a executada Policlínica Lezíria (Ana Rucha) Clínica Médica, Lda. Arruda dos Vinhos, 27 de Maio de 2011 A Agente de Execução, (Ana Rucha) ANUNCIE NO VOZ RIBATEJANA comercial.vozribatejana @gmail.comagencia.vilafranquense@hotmail.com ou ligueRua José Dias Silva 47 - Vila Franca de XiraRua República 147-B - Póvoa Santa Iria 938 850 664Travessa Figueira 1-A - Santa Iria Azóia 936 645 773 Vila F Xira Vila F Xira Vila F Xira Alhandra Sede Praça D. Afonso V nº 5B 2615-357 ALVERCA DO RIBATEJO Telef: 21 9580770 - 96 4008659 - 96 5249749 Filial: R. Padre Américo nº85 c/v Esqª 2625-394 FORTE DA CASA António Agripina Emília Maria Manuel Telef: 21 9560189 - 96 5240138 - Fax: 21 9531857 Joaquim Caria Rodrigues Ribeirinho Barreiros Nunes mail: agencia_machadovictor@hotmail.com Soares Celorico Bárcia Faleceu 24 Maio 2011 Site: www.agenciamachadovictor.com AGRADECIMENTO AGRADECIMENTO AGRADECIMENTO AGRADECIMENTO Seus filhos, genro, netos e Seu marido, filho, irmã, Esposa, filhos, genro,Sua esposa, filhos, noras, restante família vêm por cunhado, sobrinhos, nora, netos e restantenetos, bem como restante Nos piores este meio agradecer a sogra e restante família, família na impossibilidadefamília na impossibilidade momentos todas as pessoas que na impossibilidade de o de o fazerem directamentede o fazerem pessoalmentevêm por este meio, acompanharam a sua ente fazerem a todos e pessoal- e pessoalmente, vêm por oferecemos-lhe as querida à sua última mora- mente, vêm por este meio este meio agradecer muito melhores condiçõesagradecer muito reconhe- da, bom como assim a agradecer, muito recon- reconhecidamente a todas (Com créditocidamente, a todas as pes- todos aqueles que lhes hecidamente, a todas as as pessoas que acompan-soas que os apoiaram até 30 meses) manifestaram o seu pesar. pessoas que os apoiaram haram o seu ente queridoneste momento de grandedôr, ou que de qualquer neste momento de grande à sua última morada, Funerais dor e que acompanharam assim como a todos os Trasladaçõesforma manifestaram o seu o seu ente querido à sua que, de algum modo lhespesar. ArtigosObrigado última morada. manifestaram o seu pesar. SERVIÇO PERMANENTE ReligiososTratou: Agência Funerária Tratou: Agência Funerária Tratou: Agência Funerária Tratou: Agência F. Sousa Florista Machado, Lda Vilafranquense MartinsMachado, Lda Rua Henrique Ferreira Ruivo nº 23 Alverva (junto ao antigo mercado) Vila F. Xira Tel.: 263 272 302 Tel e fax: 263 272 083 Telefs.: 219 511 699 - 965 123 875Vila F. Xira Tel.: 263 272 302 Telef.:219 573 454 Fax: 219 585 251 - Telem: 962 148 518 / 19 / 20 / 21 Alhandra Tel.: 219 501 408 Vila Franca de Xira AlhandraAlhandra Tel.: 219 501 408 www.funerariaalverquense.pt
  • 19. 19 AUTOMÓVEIS & HISTÓRIA “ Portuguesas (3)Marcas O Voz Ribatejana concede-me o privilégio de escrever mensalmente sobre a história automóv- el. E quem tem vindo a ler os meus artigos já percebeu que tem sido minha preocupação dar a conhecer o que de melhor se tem feito a nível nacional, mas nesta edição vou centrar a minha atenção no Sado 500, no Enfield 8000 e aproveitar para referir alguns pormenores da concen- tração de 8 de Maio. Hipólito Cabaço 547 cc actual. Na minha modesta 4 velocidades opinião, pois fiz umas largas Sado 480 quilos centenas de quilómetros num No fim dos anos 70, princípio 4 a 4, 9 litros/100 Kms destes automóveis, os objec- dos anos 80, tive o privilégio de 110 Km/h tivos foram mais que cumpri- assistir ao nascimento, desen- dos, graças ao excelente motor volvimento e comercialização O Sado 550 custava, em 1982, Daihatsu e ao chassis tubular do Sado, pois, nessa altura, cerca de 262 contos, ou seja, em aço com carroçaria em exercia a minha profissão no menos de 1500 euros na moeda poliéster e fibra de vidro. Entreposto Comercial. O Sado foi um projecto nacional bem sucedido. O seu objectivo era ser funcional e ter baixos custos de produção e manutenção, ali- ados à fiabilidade, bem como a um consumo reduzido. Ele não deixa de ser um percur- sor de uma geração de citadinos como Smart. Desenhado pelo arquitecto Carlos Galamba, o mesmo autor do famoso jipe UMM, era propulsionado por um motor Daihatsu de: 28 cv 2 cilindrosAinda a concentração Os 12de 8 de Maio automóveisNa minha modesta opinião houve alguns pontos altos nesta con-centração que devem ser referidos. A possibilidade que o nosso maisamigo Ricardo Levesinho apadrinhou de, por momentos, poder-mos mostrar aos milhares de aficionados que enchiam a Palha antigosBlanco algumas destas obras de arte, enquadradas pela banda doAteneu, veio engrandecer o espectáculo. Delaugére etOutro dos momentos foi, sem dúvida, possibilitado pelo tenente- Clayette – 1925coronel Paulo Jorge Gonçalves, que nos permitiu a visita a um Morris – 1930dos ex-libris do concelho de Vila Franca, o Museu do Ar sedeado Wohseley Four Fiftyem Alverca. Depois fomos recebidos pelo sargento-mor Manuel – 1934Pacheco que, além da sua simpatia, se mostrou um profundo con- Citroen Arrastadeirahecedor do espólio do Museu, mostrando-nos aviões, hélices, – 1940modelos em escala, selos, documentos, uniformes e a colecção de Jaguar MKV Dropmotores, uma das melhores da Europa. Pelo vasto património Head – 1950cultural existente, aconselho vivamente a visita a este Museu. MG Midget SérieDurante o almoço no Lezíria Parque Hotel, além de podermos TD – 1952desfrutar da presença das danças de salão e das sevilhanas do Fiat Jardineira –Ateneu, foi distribuído o prémio do automóvel mais antigo, um 1956Delaugére et Clayette de 1925, pertença de Eduardo e o de mel- Peugeot 403 – 1955hor restauro ao Peugeot 403 de 1955, pertença de Nuno Geraldes. Citroen 2 CV – 1957Agradeço também a Vítor Matos, Jorge Alexandre, Jorge Volkswagen 1200 –Theodoro Santos, à Sociedade Central de Cervejas e, por fim, à 1960Junta e à Câmara Municipal de Vila Franca, na pessoa da sua Ford Mustang –presidente e do vereador João de Carvalho e sua equipa. E, por 1965fim, a todos os participantes que nos brindaram com a sua pre- MG B - 1967sença em automóveis, motos e scooter’s, pois sem eles a concen-tração não seria possível.
  • 20. 300 fotografias contam história da Glória A Associação do Rancho Folclórico da Casa do Povo da Glória do Ribatejo apresenta, sexta-feira à tarde, a publicação “Glória – Cem anos a preto e branco”, uma recolha de 300 fotografias que relatam 21 a história das gentes da Glória.8 de Junho de 2011
  • 21. 22 “ DESPORTO voz ribatejana #14Amanhã à noite, no pavilhão José Mário CerejoGala reúne família do VilafranquenseA União Desportiva Vilafranquense organiza, pela primeira vez, uma gala anual para juntar a família do clube e premiar os atletas que mais se destacaram na última épocaJorge Talixa mas o clube tem alguns dos na organização desta gala.Unir ainda mais a “família” do campeões nacionais. Depois, “Alves Redol passou por aqui.clube e as suas diferentes vamos privilegiar as equipas, Faz parte do nosso patrimóniosecções é o principal objectivo distinguindo as que foram cultural. O professor José Costada 1ª. Gala Desportiva da campeãs de série ou subiram de fará a transição entre a primeiraUnião Vilafranquense, iniciati- escalão”, acrescentou Joaquim e segunda parte da gala, comva agendada para a noite de Pedrosa, salientando que uma pequena evocação deamanhã, dia 9, que pretende haverá, ainda, galardões para Alves Redol”, explicou.também dar a conhecer as um dos treinadores e para uma O acesso a esta gala terá ummúltiplas facetas da actividade das pessoas que mais se custo simbólico, que será, tam-de uma colectividade que destaque na vida associativa bém, uma forma de recolhermovimenta quase 500 prati- (ver caixa). mais alguns meios para acantes, em 9 modalidades dis- A gala de quinta-feira à noite actividade do clube. Joaquimtintas. A sessão vai ficar, tam- (véspera de feriado) vai estar Pedrosa acha que as obras quebém, marcada pela entrega de dividida em três partes. Segundo já estão a decorrer na zonagalardões de mérito desportivo Sandra Salvador, directora do ribeirinha, de remodelação doaos atletas e às equipas quer clube, a primeira parte vai Jardim Municipal Constantinomais se destacaram na época realçar a mística da UDV, a Palha e de construção dasque agora termina e por uma segunda será uma parte mais novas instalações da Secçãoevocação de Alves Redol, cultural com uma evocação de Náutica da UDV vão dar out-escritor de que se comemora Alves Redol a cargo do profes- ras condições a toda esta área eeste ano o centenário de nasci- sor José Costa e a terceira a incentivar ainda mais o acesso para facilitar o acesso”, referiu. este evento para além da ajuda cas e a gala acaba por ser omento e que desenvolveu várias parte dedicada ao reconheci- de pessoas ao pavilhão e às João Machado sublinha que da Câmara e da Junta de unir, o aproveitar dessaactividades culturais na UDV. mento do mérito desportivo. actividades do clube. “O pavil- esta gala será feita essencial- Freguesia. “Nos últimos dinâmica para as unir a todas.Esta 1ª. Gala Desportiva da José António Russo realça, hão vai ter melhores acessos e mente com os recursos da dois/três anos tem-se visto É uma festa para unir aindaUDV realiza-se no Pavilhão contudo, que a UDV é, sobretu- também vai ter melhor ilumi- UDV que “são escassos” e uma dinâmica maior das mais as pessoas e levar todaJosé Mário Cerejo, a partir das do, um clube de escolas e de nação. Também vai haver mais Sandra Salvador admite que secções, as modalidades esta dinâmica aos sócios”, sus-20h30 e contará, também, com formação e que, por isso, quer estacionamento e uma rotunda não é fácil angariar apoios para começaram a ser mais dinâmi- tenta Sandra Salvador.algumas demonstrações de também destacar toda amodalidades como patinagem, mística e o espírito demuay thai e Aikido. A ideia já camaradagem que se cria Processo das novas instalações do Cevadeiro está atrasadotem cinco ou seis anos, segun- ao longo dos anos entredo explicou, ao Voz Ribatejana, atletas, treinadores, diri-o presidente da União gentes e simpatizantes.Desportiva Vilafranquense. “Na primeira parte“Tentámos, mas nunca houve vamos apresentar a todoscondições para se concretizar. os atletas que temos. OSó foi possível este ano, tam- objectivo é fazer umabém por termos aqui o José festa de toda a famíliaAntónio Russo. É o concretizar unionista e proporcionarde um objectivo importante da a possibilidade de con-vida do clube, no final de cada hecer os atletas e aquelesépoca termos um dia em que que se destacaram a níveljuntamos a família do clube”, competitivo”, vincouobservou Joaquim Pedrosa, José Russo, salientandofrisando que esta gala pretende que, para diversificar atambém “fazer uma demon- iniciativa, serão tambémstração da vitalidade desportiva intercalados momentosdo clube”. como a actuação do CoroParalelamente, a gala será um Notas Soltas, dança, fadomomento de reconhecimento e demonstrações dedos valores e dos que mais se diversas modalidades.destacam na prática desportiva “Também não podemosdo clube. Para isso, foi definido deixar de assinalar o cen-um regulamento que prevê a tenário de Alves Redol”,atribuição de galardões de prossegue Joãomérito desportivo aos que Machado, responsávelalcançam títulos nacionais. “É pelo site do clube e outrouma fasquia um pouco alta, dos dirigente4s envolvi- Inês Gigante recebe prémio de alto mérito A UDV esperava que as obras de remode- madas em cerca de 700 mil euros), cuja demolição das antigas cabines, de con- lação do complexo desportivo do tramitação deverá demorar ainda dois a strução do novo edifício e de instalação do desportivo Cevadeiro arrancassem já em Junho, para três meses. sintético sem atrapalhar a utilização do Várias vezes campeã nacional de patinagem e com que fosse possível iniciar a nova época de “Há algum atraso relativamente ao início relvado. Se se confirmarem as previsões prestações de grande relevo em provas internacionais, futebol com o relvado ligeiramente deslo- da obra. Estava previsto para Setembro agora transmitidas pela Câmara, o novo Inês Gigante vai receber, amanhã, os galardões de cado para sul e o novo campo relvado sin- termos o sintético, mas isso ultrapassa- edifício e o sintético poderão estar prontos Alto Mérito Desportivo pela sucessão de bons resulta- tético pronto a utilizar. O projecto, desen- nos, não está nas nossas mãos”, reconhece em Novembro, já depois da inauguração dos e de Mérito Desportivo pelo seu desempenho na volvido pela Câmara, conheceu, todavia, Joaquim Pedrosa, que acredita, contudo, do novo pavilhão multiusos do Cevadeiro. época que agora termina. Também três atletas do algum atraso, devido a algumas correcções que a deslocação do relvado cerca de 15 “A questão das bombas de gasolina tam- muay thai, que ganharam títulos nacionais, vão rece- que foi necessário introduzir e só neste iní- metros para sul é fácil e concretiza-se sem bém atrasou um bocado, mas foi preciso ber os prémios de mérito desportivo da UDV. cio de Junho é que deverá ser lançado o dificuldades durante o Verão e que, depois, fazer algumas correcções técnicas no pro- concurso para adjudicação das obras (esti- será possível realizar as obras de jecto”, conclui.
  • 22. Tigres de Almeirim na 1ª. de Hóquei O Hóquei Clube “Tigres” de Almeirim assegurou, no passado fim-de-semana, a subida à 1ª. Divisão Nacional, ao vencer o Nafarros por 16-1, resultado que lhe permitiu ganhar a Zona Sul da II Divisão. 23 O cinco ribatejano alcança, assim, pela primeira vez o escalão máximo do hóquei nacional e vai dis- putar a final da II Divisão, nos próximos dias 11 e 18, frente ao Infante de Sagres. 8 de Junho de 2011 1ª. Divisão Distrital deAlverca perde final Lisboa – Série 1da 1ª. de Lisboa nos descontos J V E D Golos PCom a subida à Divisão de Honra já asse- classificação final da Série 1 da 1ª. Divisão izada, pelo que reproduzimos agora agurada, o Futebol Clube de Alverca entrou de Lisboa não estava devidamente actual- tabela final correcta.muito bem na final da 1ª. Divisão Distritale marcou logo no primeiro minuto frente àAssociação Desportiva de Encarnação eOlivais, por intermédio de Tójó. Mas oshomens de Alverca adormeceram umpouco e o ADEO foi ganhando o domíniodo jogo. Ao intervalo o FCA ainda se man-tinha na frente, mas a equipa lisboetaacabou por alcançar o empate aos 59 min-utos.O jogo manteve-se dividido e o ADEOainda falhou uma grande penalidade aos70 minutos. Mas já nos desconto, com 93 Divisão Honra AF Lisboaminutos decorridos e quando tudo aponta- J V E D Golos Pva para o prolongamento, a equipa daEncarnação e Olivais conseguiu chegar àvitória, num golo do defesa João Filipe, jádepois da bola ter embatido na trave dabaliza do Alverca.Um balde de água fria, mas o objectivoprincipal da época já estava alcançadocoma subida à Divisão de Honra e, poracréscimo, o FCA conseguiu ainda ganhara Taça Centenário da Associação de fute-bol de Lisboa. O Alverca ganhou esta época a Taça Centenário da A.F.L.Na última edição do Voz Ribatejana, a AFL quer acabar campeonato da Honra ainda em Junho Suspenso desde o final de Maio devido à A direcção da AFL acha que, assim, ficam sal- existência de processos disciplinares ainda em vaguardados os direitos de defesa dos clubes apreciação que podem ter influência na envolvidos e diz ter a convicção de que será classificação final, o Campeonato da Divisão de possível realizar as duas jornadas que faltam Honra da Associação de Futebol de Lisboa dev- nos dias 19 e 23 de Junho (feriado nacional). erá ser retomado no próximo dia 19, segundo Recorde-se que o Vilafranquense é quarto na comunicado divulgado na sexta-feira pela AFL. tabela, a 6 pontos dos líderes Pêro Pinheiro e Faltam apenas duas jornadas, mas como os Futebol Benfica, pelo que a subida será já muito casos em análise (dois jogos que não chegaram difícil. O onze da UDV recebe, na próxima jor- “ ao fim) envolvem clubes envolvidos na luta pela subida, a AFL decidiu parar o campeonato até nada, o Alta de Lisboa. Já o Vialonga segue a meio da tabela, com menos 5 pontos que o apoio: “Voz Ribatejana que essas situações fiquem definitivamente esclarecidas. Vilafranquense, e visita o líder Pêro Pinheiro na próxima jornada.
  • 23. 24 “CULTURA voz ribatejana #14 Vila Franca da Xira Agenda CulturalVila Franca de Xira VII Feira do Livro Usado, dias 24 e 25 Junho, Museu do Neo-RealismoExposição de Cerâmica, de Sofia Bessa, até 11de Junho, na Galeria Municipal do Palácio daQuinta da Piedade, Póvoa de Santa Iria; na Biblioteca de Azambuja; Benavente homenageia Manuel da Fonseca Exposição de Pintura “Nas Minhas Mãos” de No final deste ano completam-se 100 anos sobre o nascimento do escritor alentejano ManuelExposição de Pintura “A Arte entre o Real e o Hermínia Mesquita, até 11 de Junho, no PalácioImaginário”, de Gertrudes Maria Aldeia, até 20 do Infantado, em Samora. da Fonseca. Considerado uma das grandes figuras do neo-realismo português, Manuel daJunho, Centro Cultural do Bom Sucesso Fonseca deu também um impulso decisivo para a consolidação do projecto do Museu do Neo- Exposição Comemorativa do nascimento de Realismo em Vila Franca ao ser o primeiro a doar o seu espólio literário à comissão instalado-Exposição de Gravura, de Manuela Cristóvão, até Alves Redol “Alves Redol – Vida e Obra” de 1626 de Junho, na Galeria de Exposições Augusto a 30 de Junho, na Biblioteca de Benavente. ra do museu, em 1991Bértholo, Casa Museu Dr. Sousa Martins –Alhandra Exposição Fotográfica sobre desporto “No Red Jorge Talixa Line” fotografia e miniaturas de Pedro Frade, atéFestival Preparação de Masters, dias 10 e 23 de 2 de Julho, no Centro Cultural de Samora.Junho, das 10h às 18h00, na Piscina de Vila “Manuel da Fonseca, por todas as estradas doFranca; Comemoração do Dia da Cidade de Samora Correia, de 10 a 12 de Junho. Mundo” é o título de uma grande exposição deFeira de Artesanato e Antiguidades de homenagem ao escritor alentejano, que foi inaugu-Alhandra, dia 11 de Junho, na Praça 7 de Março Serões na Biblioteca “Os Poetas do Fado”, dia rada, no passado dia 28, no Museu do Neo- 15 de Junho, às 21h00, na Biblioteca deSemana Académica da Universidade Sénior, até Benavente. Realismo (MNR) de Vila Franca de Xira. Uma ini-17 de Junho, no Palácio da Quinta da Piedade. ciativa que assinala os 100 anos de um dos mais Festa Anual de São João, de 17 a 19 de Junho conhecidos escritores neo-realistas portugueses e16ª Passerelle D’Ouro, dia 17 de Junho, às em Coutada Velha.21h30, na Praça Palha Blanco. que resulta de uma parceria entre os municípios de IX Gala dos Pequenos Grandes Artistas, dia 18 Vila Franca (sede do MNR) e de Santiago doComemorações do Centenário de Alves Redol: de Junho, às 16h00 e 21h30, no Cine-Teatro deMês de Junho: Dia 17, às 21h00, Concerto pela Benavente. Cacém (terra natal do escritor). Na cerimónia inau-Banda do Ateneu e alusão à Conferência de gural estiveram presentes a viúva e um irmão deAlves Redol sobre o tema “Arte” (17-06-1936), Desfile de Marchas Populares, dia 18 de Junho, Manuel da Fonseca, autor falecido há 18 anos.no Ateneu. Dia 18, às 21h30, Estreia da peça de às 18h00 em Benavente, dia 24, às 18h00, em Samora. Org: Universidade Sénior do Concelho. Manuel da Fonseca foi, em 1991, o primeiroTeatro “O Jogo dos mitos cansados” pelo Grupode Teatro do Zero, do Ateneu. Dia 19, “Percursos escritor a doar o seu espólio literário à Comissão Gala da Universidade – Espectáculo dedo Redol”, viagem ao Freixial, Bucelas e Tapada Variedades, dia 22 de Junho, às 21h30, no Cine Instaladora do Museu do Neo-Realismo então cri-ou Convento de Mafra. Teatro de Benavente. Org: Universidade Sénior do ada em Vila Franca. Com essa atitude demonstrouFestival de Encerramento das Actividades – Concelho. a sua confiança no projecto e deu-lhe um impor-Aquáticas e Fitness, dias 18 e 19 de Junho, das 43.ª Festa da Amizade – Sardinha Asada de tante impulso. Desde então foram quase 30 figuras10h às 18h00, na Piscina de Vila Franca Benavente, de 23 a 26 de Junho. do neo-realismo português a seguir-lhe o exemplo muito merecida”, acrescentou o director do MNR,“Histórias de Vida” com Adelinho Cunha, e a doar os seus espólios ao MNR. destacando também a colaboração “inestimável” Cinema:Investigador, Historiador e Jornalista, autor da David Santos, director do MNR e um dos respon- da Câmara de Santiago do Cacém e da família deBiografia “Álvaro Cunhal: Retrato Pessoal e Filmes em Junho; dia 11, às15h30 e 21h30 sáveis pela organização da exposição, realçou isso Manuel da Fonseca na preparação desta exposição.Íntimo” dia 22 de Junho, às 21h30, na , “Rango”, dia 15, às 10h30 “Alvin e os EsquilosBiblioteca de Vila Franca. 2”, às 21h15 “Half Nelson – Encurralados” no mesmo. “A coragem de Manuel da Fonseca ao Cine-Teatro de Benavente; doar o seu espólio literário a um museu que estava Viúva lamenta esquecimentoAlenquer Já Hermínia da Fonseca, viúva do escritor, admite a dar os primeiros passos foi determinante para que Filmes em Junho; dia 18, às15h30 e 21h30Exposição “Rotas de Baco e Neptuno” de “Gnomeu e Julieta”, dia 22, às 15h00 “A outros escritores e outras famílias acreditassem que, na altura, não concordou com a doação doCarlos Almeida (óleos, acrílicos e aguarelas), até Vizinha do Lado”, às 21h15 “Half Nelson – neste projecto, que ganhou fôlego e credibilidade”, espólio, porque considerava que isso só deveria30 de Junho, no Museu do Vinho Encurralados” no Centro Cultural - Samora sublinhou David Santos, destacando também a suceder depois da morte do marido. Mostrando-seExposição de Artes Decorativas. Exposição dos Correia. importância da obra de Manuel da Fonseca no neo- satisfeita com a homenagem que o MNR lhe está atrabalhos realizados pelos alunos da Universidade Salvaterra de Magos realismo português. “Estamos aqui porque Manuel prestar, Hermínia da Fonseca lamenta, contudo, oda Terceira Idade - pólos de Carregado e Ota - nadisciplina de Artes Decorativas, até 30 de Junho, Exposição Fotográfica “Centenário do da Fonseca foi um grande escritor, que continua a esquecimento a que muitas entidades votaram ana Biblioteca de Alenquer; Nascimento de Alves Redol”, até 14 de Junho, ser querido por muita gente. O Museu do Neo- obra do seu marido nos últimos 18 anos. Em na Biblioteca de Salvaterra. Uma exposição, em Realismo muito deve a Manuel da Fonseca. declarações ao Voz Ribatejana salientou que VilaExposição de Artes Decorativas. Exposição dos parceria com o Museu do Neo-Realismo;trabalhos realizados pelos alunos da Universidade Estamos aqui para lhe prestar esta homenagem Franca de Xira tem uma razão muito importanteda Terceira Idade - pólo de Alenquer - até 30 de Feira do Livro 2011: até 11 de Junho, no para organizar esta exposição, porque recebeu oJunho, no Museu João Mário Pavilhão da Comissão de Festas de Foros de espólio do escritor. “Acho que o Manel não tem Salvaterra; sido reconhecido como merecia. Morreu há 18Encontro de Comunidades Imigrantes, dia 19de Junho, das 10h00 às 20h00, no Parque Vaz anos e agora, porque passam 100 anos do nasci-Monteiro mento, é que toda a gente se lembrou outra vez”, Sobral de Monte AgraçoArruda dos Vinhos observou, lamentando o esquecimento a que o Exposição “Expressão no Impressionismo” de autor esteve votado nestes 18 anos, mesmo na suaMostra de Artesanato, trabalhos de Magda da Edmundo Cruz, até 11 de Junho, na GaleriaCruz, até 30 de Junho, no Posto de Turismo. Municipal terra natal, Santiago do Cacém. “Só gostam do que é estrangeiro, por que é que não havemos de val-Exposição de Pintura e Escultura de Andrés Música ao Vivo “Noites na Praça”. Dia 10Mérida e Rogério Abreu, até 15 de Junho, na orizar o que é nosso. E por que é que o Manel, que Junho “Weird Machine”, dia 24 “Cool5”, naGaleria Municipal. Praça Dr. Eugénio Dias. foi uma pessoa tão importante na nossa literatura, está esquecido”, critica.Aniversário da Associação dos Bombeiros Teatro Amador, dia 12 de Junho, às 21h30, noVoluntários de Arruda dos Vinhos, dia 10 de Cine-Teatro do Sobral.Junho.Festejos Anuais em Honra de S. António, dias Feira das Frutas Novas e Festa da Freguesia, dia 19 de Junho, em Santo Quintino (Junto à Percurso exemplar10 e 11 de Junho, em Arruda. Igreja). Manuel da Fonseca iniciou o seu percurso literário no final dos anos 30, com a pub-Festejos em Honra de S. Geraldo, dias 11 e 12 Santarém licação de trabalhos em diversos periódicos ligados à oposição ao regime salazarista.de Junho, em A-do-Baço. Em 1940, aos 29 anos, publicou o seu primeiro livro, “Rosa dos Ventos”, considera- Exposição “Pequenos Ilustradores”, até 13 deFilmes no Auditório: dia 19 de Junho, às 16h00, Junho, na Sala de Leitura Bernardo Santareno. do pela crítica “um exemplo de renovação poética no panorama das letras portugue-“Boog & Elliot 3”; dia 26, às 16h00 “As Viagens sas”. Seguiram-se os livros de contos “Aldeia Nova” e “O Fogo e as Cinzas” e osde Gulliver”. Exposição de Fotografias de Rita Carmo, até ao final de Junho, na Sala de Leitura Bernardo romances “Cerromaior” e “Seara de Vento”, entre outros.Azambuja Santareno. “A longa vida literária de Manuel da Fonseca espelhou o seu carácter e os valores deProva de Pesca da Ass. Desportiva e Cultural uma atitude participativa, inconformada e corajosa em termos cívicos e políticos”, Exposição “Como Falam os Documentos dedos Casais da Lagoa, dia 12 de Junho. outras Eras - Mostra de Descrição Documental” referem os curadores da exposição de homenagem, David Santos e Luísa DuarteOrg: Ass. Desportiva dos Casais da Lagoa. até 30 de Junho, na Biblioteca Braamcamp Freire. Santos. Esta mostra estará patente em Vila Franca até 9 de Outubro e segue, depois,Festejos Anuais em Honra de Santo António, Exposição bibliográfica “Vamos Ler”… José para Santiago do Cacém, onde estará exposta, no Museu Municipal, de 15 dede 10 a 12 Junho, na Associação de Quebradas. Saramago (1922-2010) – 1º Aniversário da Outubro de 2011 a 26 de Maio de 2012. Morte”,d 18 a 30 de Junho, na Sala de Leitura e Já em Setembro, no MNR, serão exibidos os filmes “O Trigo e o Joio” (dia 23), deXXVI Festival Nacional de Folclore, dia 18 Bernardo Santareno.Junho, no Páteo Valverde. Org.: Rancho Manuel Guimarães, onde Manuel da Fonseca participou como actor, e “Cerromaior”Folclórico Ceifeiras e Campinos de Azambuja. Passeios com História “Muralhas da Cidade – à (30), de Luís Filipe Rocha. No dia 24 de Setembro é apresentado no MNR um livro Descoberta de Portas e Postigos”, dia 12 de de Manuel G. Simões sobre Manuel da Fonseca. De 7 a 9 de Outubro realiza-se,5ª Edição de Pesca Desportiva “TroféuVila de Junho, das 10h às 13h00. Org. Centro CulturalAzambuja” do GDA, dia 19 de Junho. entretanto, o congresso internacional “No centenário do nascimento de Manuel da Regional de Santarém.Org: Secção de Pesca do GDA. Fonseca”, com a presença de conferencistas como Eduardo Lourenço, Fernando 2º Congresso Nacional da Cultura Avieira, dias Guimarães, Luís Filipe Rocha e Manuel Gusmão. Nos dias 7 e 8, o congresso teráI Feira do Livro Infantil, dias 16, 17 e 18 Junho, 17 e 18 de Junho, no Instituto Politécnico.na Biblioteca Centro Cultural Grandella. lugar na Faculdade de Letras de Lisboa e, no dia 9, em Santiago do Cacém.
  • 24. 25 8 de Junho de 2011Alunos do Carregado Azambuja Centro escolar abre em Setembro Vai abrir em Setembro o novo Centro Escolar de Azambuja – Boavidaganham prémio nacional Canada. O complexo que tem capacidade para cerca de 400 alunos, prepara-se para receber crianças das freguesias de Aveiras de Baixo e de Azambuja, onde encerram as escolas de Casais de Britos e Casais de Baixo este ano lectivo Todavia, e embora a câmara já tenha conhecimento que as escolasDiogo Silva e Francisco dos “Casais” vão encerrar, ainda não chegou qualquer informaçãoMartins, alunos do 4º. ano da formal sobre o assunto. O novo complexo Boavida Canada está pron-Escola do 1º. Ciclo do to a receber os alunos, já no próximo ano lectivo. O Centro EscolarCarregado, sagraram-se custou perto de 2,5 milhões de euros e foi comparticipado pela Uniãocampeões nacionais de Europeia em cerca de 85 por cento.matemática e ciência, na final Durante uma visita na semana passada com professores ao edifício,do PMate, organizada, no dia Joaquim Ramos presidente da câmara de Azambuja elogiou a obra21 de Maio, na Universidade que foi da responsabilidade da EMIA (Empresa Municipal dede Aveiro. Nesta competição Azambuja) destacando a qualidade de construção e os benefícios quenacional de ciência, que contou vai trazer aos alunos, nomeadamente em termos de qualidadeinicialmente com a partici- pedagógica.pação, via Internet, de cerca de Joaquim Ramos destacou todas as valências deste complexo, “desde135 mil jovens alunos, foram a biblioteca ao centro de recursos, ao espaço exterior, ginásioseleccionados os finalistas para refeitório, todo um conjunto de recursos necessários para a sua edu-a final nacional de Aveiro. cação”.Diogo Silva (9 anos), que já Para o presidente da câmara, com mais este novo Centro Escolar avencera em 2010, fez equipa juntar ao de Manique do Intendente e Alcoentre “todas as criançasdesta vez com Francisco vão ter um horário completo, durante esta fase do ensino básico”Martins (10 anos), ambos sendo que isso não acontece na maioria dos concelhos á volta e comalunos da professora Ana esta inauguração, refere Joaquim Ramos, a juntar á escola da QuintaMafalda Marques. dos Gatos “vamos passar a ter ocupação plena das crianças em idadeResponderam a 20 perguntas escolar”, garantindo a continuidade “da Escola da Quinta dos Gatosde biologia, 20 de matemática em horário completo”.e 20 de português, sem nen- Mas este Centro Escolar não deveria acolher as crianças da fregue-hum erro, em 2 minutos e 20 sia de Aveiras de Baixo. Esteve ponderada a construção de umasegundos. unidade em Casais da Lagoa. Todavia quando a população de Casais da Lagoa soube da possibilidade da câmara construir o Centro Escolar em Aveiras de Baixo e não em Casais, protestou e reivindicou Foto Ana Serra aquilo que considerava uma promessa eleitoral de Joaquim Ramos: A construção do Centro Escolar em Casais da Lagoa e não na sede da freguesia que na opinião dos populares tem perspectivas de cresci- mento inferiores a Casais da Lagoa. Passado quase um ano desses protestos, Joaquim Ramos lamenta aquilo que diz ser “excesso de bairrismo” e destaca “nós não podemos ter tudo em todas as localidades”. O presidente da câmara diz que “esse impasse acabou por atrasar o processo, e entretanto saiu legislação que inviabiliza a construção de um centro escolar na freguesia de Aveiras de Baixo e portanto vem todos para Azambuja”. Joaquim Ramos refere que o novo Centro Escolar “é do mais moder- no que existe” proporcionando aos alunos as melhores condições de aprendizagem. Por outro lado e embora os alunos de Aveiras de Baixo fiquem bem servidos, o autarca lamenta a situação “tenho pena que na freguesia de Aveiras de Baixo não exista uma infra-estrutura deste tipo, que poderia ter havido, se de facto as pessoas se tivessem enten- dido relativamente a essa matéria”. Para o edil, a transição dos alunos de Aveiras de Baixo, ou dos Casais de Azambuja para o novo Centro Escolar é pacífica. Para a memória ficam os momentos tensos dos encarregados de edu- cação de Casais de Além, na freguesia de Vila Nova de São Pedro, que contestaram o encerramento da escola da localidade e a passagem dos alunos para Manique do Intendente. Joaquim Ramos refere que os alunos estão bem instalados em O XXIII Encontro de Bandas do Concelho de Vila Franca realizou-se no dia 29 com as bandas do Ateneu, da Euterpe, de Tavira e da Abrunheira Manique do Intendente, já que o Centro Escolar tem todas as condições pedagógicas para os alunos. O autarca lembra que o Centro Escolar de Manique é o único que cobre a vertente de creche. O edil salienta que o Centro Escolar do AltoAté Domingo Concelho “tem excelentes infra-estruturas e toda a gente está satisfeita”. Miguel António RodriguesFestas de Salvaterra apoiam bombeirosAs tradicionais Festas do Foral, dos 23h00. Amanhã, dia 9, haverá nova cavaleira tauromáquica Ana Batista, oToiros e do Fandango têm este ano a entrada e largada de toiros a partir das forcado António Lapa e o Clube departicularidade de estar definido que os 19h00 e às 22h00 actua a Banda Lusa. Trampolins de Salvaterra. Para as 12h30lucros recolhidos serão entregues aos Depois, no dia 10, feriado nacional, o está prevista a chegada da regata doBombeiros Voluntários de Salvaterra de programa abre às 9h00 com a Tejo. À tarde (16h00) há festa campera,Magos para compra de materiais. Tendo Caminhada do Foral, seguida de vacada seguida de torneio de voleibol, entrada eem conta as dificuldades da corporação, (11h00) e de provas de karting (13h00). largada de toiros e folclore (21h30).a comissão de festas decidiu, por unan- Às 17h00 actuam os atletas do Clube de No domingo, dia 12, haverá largada deimidade, apoiá-la desta forma. Trampolins de Salvaterra e às 19h00 vacas (11h00). A partir das 16h00 real-O programa arrancou já no passado fim- haverá nova largad de toiros. A partir iza-se uma demonstração de pegas pelode-semana, com realce para as largadas das 21h00 há fados, sevilhanas e a actu- Grupo de Forcados de Salvaterra, segui-de toiros e para a animação musical. ação dos Tributo aos Xutos. da de largada de toiros. Marchas popu-Prossegue hoje à noite com uma actu- Já no sábado, o dia começa com desfile lares (21h00) e espectáculo com asação de Bruna e Nino pela 21h00 e a de campinos (10h00), seguido de missa Tayti marcam o encerramento das fes-banda Tributo aos Queen, a partir das campal em que serão homenageados a tas.
  • 25. 26 TAUROMAQUIA Voz Ribatejana #14Vila Franca de Xira Jovem matador vila-franquense tirou alternativa no dia 29Semana da CulturaTauromáquicaarranca a 24 A tarde sonhada de Paulo Beja (texto) de herdeiros de Bernardino Piriz, e o estoque e num brinde emotivo ligada e saborosa que faltava Pedro Batalha (fotos) sem serem grandes, média de 450 honrou as mulheres da sua vida, a nesta tarde sonhada. Uma estoca- quilos, não defraudaram, acusan- mãe e a noiva! da inteira não chegou para matarA tradicional Semana da Cultura Tauromáquica Na Festa Brava existe uma máxi- do no entanto pouca força após as Um toiro de investida suave nos o oponente, utilizando o desca-(SCT) de Vila Franca de Xira decorre, este ano, ma: Toiro de cinco, Toureiro de varas. derechazzos mas a ficar-se curto bello para pôr fim a este bom cas-de 24 a 30 de Junho. Já na sua vigésima-segunda vinte e cinco! Excelente a participação da afi- cedo, obrigando o matador a tanho de Piriz. Uma orelha e portaedição, a iniciativa apresenta um programa No passado domingo, dia 29 de ción portuguesa a cruzarem a cruzar-se, templando com alma, grande para Nuno Miguel Vicentediversificado, com realce para os colóquios Maio, bebi estas palavras aquan- fronteira nessa tarde. Uns em valor e toreria. Base na mão dire- Casquinha, o 37º matador desobre a corrida à portuguesa e a Mulher na Festa do da alternativa sonhada de excursão como nós o fizemos ita, mostrando-se sereno e bus- toiros na história de Portugal.e para as novilhadas da Federação Internacional Nuno Miguel Casquinha. através do Clube Taurino cando o momento final com um Javier Solis foi um óptimode Escolas de Toureio. Toureiro adulto, compenetrado, Vilafranquense, outros em grupos molinete e três derechazzos a padrinho a mostrar estar prepara-O programa, que desenvolveremos na edição de com o passado de já muitos anos organizados de viaturas, compasso que puseram o público do para a temporada 2011. Lide22 de Junho do Voz Ribatejana, arranca no dia 24 de vontade em ser matador de preenchendo-se um terço da na mão. Pinchazzo e meia estoca- de sabor e saber no primeiro, umcom um peddy-paper taurino (21h00), organiza- toiros. Uma carreira vivida sem lotação em tarde de sol e vento da em bom sítio fizeram este toiro toiro que investia com som nado pelo Clube de Campismo “As Sentinelas”. A pressas, passando pelas escolas algo forte a espaços. “rodar sin puntilla” para a muleta, repetindo de cabeça baixainauguração oficial dá-se na tarde de dia 25 nacionais de Vila Franca e Moita Seis e meia da tarde, hora do primeira orelha da tarde! nos derechazzos. Não esteve acer-(15h00) e inclui a inauguração, no salão nobre da e pela escola de Madrid, ganhan- “paseillo” e eis que sai o primeiro O sexto da ordem saiu ao som da tado com o estoque mas conced-Câmara, de uma exposição de pintura de Ana do esse calo tão fundamental para de Piriz com quatro anos e meio, música da banda local e, talvez eram-lhe uma orelha. No quinto,Maria Malta. Seguem-se inaugurações de não estranhar a passagem do número 32 e de nome “Atarfero”. inspirado pelo paso-doble, foi um instrumentou uma faenaexposições de pintura de temática taurina de novilho ao toiro. Miguel Casquinha, de verde e óptimo parceiro de lide. Faena inteligente, inventando a ligaçãoJúlio Pomar (Museu do Neo-Realismo), de Villa Nueva del Fresno, terra viz- oiro trajado recebe-o bem de brindada à presidente da edilidade no um a um por naturais, mandan-fotografia taurina de Pedro Batalha e João Silva inha fronteiriça de Mourão e Luz, capote por verónicas e meia de de Vila Franca, Maria da Luz do com raça e montando-se com(Museu Municipal), de capotes de passeio na foi o local escolhido após convite remate com o toiro a empregar-se. Rosinha, acompanhada pelos determinação na estocada daIgreja do Mártir Santo, de pintura no Clube da empresa Mar Toros, a querer No entanto levou apenas uma autarcas Vale Antunes e António tarde. Duas orelhas merecidasVilafranquense e de pintura e cabeças de toiro na um nome lusitano no cartel, tal vara onde carregou bem mas José Inácio que, em conjunto com pela classe, toreria e entrega. UmCasa Museu Mário Coelho. A tarde culmina com como no passado ano, ao convi- perdeu as mãos após o tércio de a empresa Tauroleve, já acor- nome a ver já dia 23 em Badajoz.a novilhada da Federação Internacional de dar o maestro Vítor Mendes para bandarilhas, estas ricamente dec- daram a presença deste novel Júlio Parejo cuidou o fraco col-Escolas de Toureio na Palha Blanco (17h30) e a reinauguração desta bonita oradas em tarde especial pela matador na corrida de domingo orau e com calma e serenidadehaverá ainda um jantar ribatejano nas arcadas da praça de toiros. Os extremenhos equipa também vila-franquense de Colete Encarnado. chegou ao público com expres-praça. Javier Solis e Júlio Parejo foram do seu amigo de sempre Bruno Lide de bom gosto, ligando os sivos naturais. Estocada inteira eAté 30 de Junho destacam-se, igualmente, o padrinho e testemunha do acto Guerra. derechazzos largos e templados, uma orelha. No quinto voltou adescerramento de uma placa de homenagem à que tornou profissional o quarto Quinze minutos depois, o mão posta e muñeca perfeita nos estar a gosto mas não chegandohistória do toureio em Vila Franca (dia 26 no matador de toiros nascido no momento mágico das mãos de naturais de sentimento a colocar ao público mais conhecedor.Largo Telmo Perdigão), o colóquio “Corrida à berço toureiro que é esta cidade Javier Solis. O 37º matador de os olés unânimes nas bocas de Quatro pinchazzos e estocada fiz-Portuguesa” (dia 27 no auditório da Junta), o de Vila Franca de Xira. Os toiros toiros português recebia a muleta espanhóis e portugueses. A faena eram-no receber apenas ovação.colóquio “A Mulher e a Festa” (dia 28 no salãonobre da Câmara) e a apresentação do documen-tário “O Toiro”, seguida de colóquio (dia 29, nosalão nobre da Câmara). Recorde-se que, devidoa questões ligadas à cedência do espaço daPatriarcal, o Clube Taurino Vilafranquense decid-iu, este ano , não integrar a organização da SCT. Colete Encarnado já tem cartéis definidosO Colete Encarnado fica marcado, este ano, pelarealização de duas corridas de toiros, nos dias 1e 3 de Julho, a primeira das quais uma nocturnaque será transmitida pela RTP. O programa jádelineado pela empresa Tauroleve integra, ainda,a tradicional garraiada da Sardinha Assada, namadrugada de 2 para 3 de Julho.Na noite de sexta-feira do Colete Encarnado, a IGrande Corrida das Tertúlias assinalará o regres-so da Ganadaria do Vale do Sorraia à PalhaBlanco. Seis toiros que serão lidados pelos cav-aleiros António Telles, Rui Fernandes e PedroSalvador. As pegas estarão a cargo dos forcadosamadores de Vila Franca e de Coruche e a empre- Esta semana destacamos Forte da Casa, dia 10 de Junho, às 17h00 – horas – Primeiro Grande Concurso desa promete bilhetes acessíveis para todas as Corrida da Festa Anual em Honra do Recortadores com os melhores artistas de Lisboa, dia 16 de Junho às 22h00 –tertúlias e associações do sector. Sagrado Coração de Jesus e a favor do Espanha e Portugal frente a quatro toiros em Oportunidade aos novosJá no dia 3 realiza-se a tradicional corrida de Instituto de Apoio à Comunidade. pontas da ganadaria Manuel Dias. Cavaleiros – Mateus Prieto e João Mariatoiros mista, a partir das 18h00. Os toiros são de Cavaleiros – Sónia Matias e Marcelo Mendes BrancoOliveira Irmãos o espectáculo assinala também o Matador – António João Ferreira Santarém, dia 12 de Junho às 17h00 Novilheiros – Jimeñez Forte, Manuel Diasdécimo aniversário do site taurino Naturales. Forcados Amadores de Vila Franca de Xira e Cavaleiros – Joaquim Bastinhas, António Gomes, Diego Silvetti e Tiago SantosActuam os cavaleiros João Salgueiro e Salgueiro Azambuja Teles, Vítor Ribeiro, Filipe Gonçalves, Forcados amadores de Coimbrada Costa e os matadores de toiros José Ignacio Ganadaria – Nuno Casquinha Marcos Bastinhas e Francisco Palha Ganadaria – Murteira GraveUceda Leal e o Nuno Casquinha, que se apresen- Forcados amadores de Santarémta na sua terra como matador de toiros. As pegas Santarém, dia 10 de Junho às 17h00 – Ganadaria – António Silva Cartaxo, dia 19 de Junho às 17h00 –estarão a cargo dos amadores de Vila Franca. Alternativa de Tomás Pinto das mãos de seu Alternativa de Filipe Vinhais pelas festas daNa Garraiada da Sardinha Assada actuam os cav- tio Emídio Pinto Reguengos de Monsaraz, dia 12 de Junho às cidadealeiros José Carlos Portugal, Rubén Inácio, Cavaleiros – João Moura, Diego Ventura e 17,30 horas – Homenagem a José Mestre Cavaleiros – Manuel Jorge de Oliveira,David Oliveira e Jacobo Botero e o bezerrista Tomás Pinto Batista na praça com o seu nome. António Telles e Filipe VinhaisTiago Santos, bem como os forcados amadores Forcados Amadores de Santarém e Alcochete Cavaleiros – João Moura, Rui Salvador e Forcados amadores de Lisboa e Azambujade Vila Franca, que enfrentam novilhos de Ganadaria – Cortes de Moura João Salgueiro Ganadarias – Eng.º Jorge de Carvalho e CasaManuel Dias. Forcados amadores de Alcochete e Monsaraz Agrícola AvóJ.T. Arruda dos Vinhos, dia 11 de Junho às 22h00 Ganadaria – Murteira Grave
  • 26. Mestre Baptista homenageado em Reguengos O cavaleiro José Mestre Baptista vai ser homenageado, no próximo Domingo, com a atribuição do seu nome à Praça de Toiros da cidade alentejana de Reguengos de Monsaraz 278 de Junho de 2011Nuno CasquinhaNo final, saída em ombros Petição em defesa da Festa Brava já tem mais de 96 mil assinaturaspara Javier Solis e NunoMiguel Casquinha, não faltan- A petição em defesa da Festa Brava lançada, em Agosto de 2010,do uma pequena multidão a pelo presidente da Câmara de Santarém, já ultrapassou as 96rodear o matador vila-fran- mil assinaturas. Francisco Moita Flores disse, ao PÚBLICO,quens para os autógrafos e que muito em breve, “ainda este mês” e antes do prazo estabele-fotografias de praxe. cido que apontava para Julho de 2011, atingir-se-á o objectivoAguardemos pois a sua apre- das 100 mil assinaturas. O documento, que será entregue aossentação como matador em principais responsáveis políticos do País, surgiu em resposta aPortugal: Dia 3 de Julho em uma petição de movimentos de defesa dos direitos dos animaisVila Franca de Xira, domingo que pretendia que a Assembleia da República deliberasse node Colete Encarnado, estará ao sentido da proibição de corridas de toiros e outros espectáculoslado de um dos triunfadores de taurinos em Portugal.Madrid 2011, Uceda Leal, com No preâmbulo da petição, Moita Flores, natural de um montetoiros de Oliveira Irmãos. No alentejano do concelho de Moura, assume a defesa dos valorestoureio a cavalo estarão pai e da ruralidade e acusa “as culturas urbanas radicais” defilho, João Salgueiro e João desprezarem o campo, “os seus costumes, gostos e atitudesSalgueiro da Costa, este que, psico-afectivas”. Diz o autarca de Santarém que, como referiu ana passada quinta-feira, deu poetisa Sophia de Mello Breyner, muitos destes “defensores dosum festival de toreria no animais” são “pessoas sensíveis que detestam ver matar galin-Campo Pequeno integrado has, mas adoram canja de galinha”.num cartel de Dinastias Moita Flores acha que não é a luta contra o sofrimentos dosToureiras e mereceu por méri- animais que move estes movimentos “pois se o fosse estariamto próprio ser incluído numa aos gritos em todos os locais em que se ‘fabricam’ com hor-das corridas fortes de Julho, monas frangos, vacas e ovelhas para alimentar a cidade” eem Lisboa, nas denominadas “estariam às portas dos grandes matadouros, nas barricadasfabulosas nocturnas de Verão. contra as guerras e na linha da frente da luta pelo renascimen-Em Agosto também Nuno to do campo e das culturas rurais”. No seu entender, serão “ape-Casquinha será um dos mata- nas contra a pretensa violência contra os touros bravos”. Pordores em Lisboa na corrida de Armando Soares. isso, Moita Flores acha que vale a pena demonstrar por esta viahomenagem dos 37 anos da que a população portuguesa se identifica com a tradição tau-morte de José Falcão. Pela objectiva de Pedro romáquica e defender os valores da Terra, os próprios touros, osDe destacar ainda que, no pas- Batalha cavalos, os pastores, os campinos e toda a economia agrícola esado sábado, o Clube taurino Enquanto nós estávamos na animal associada Festa Brava “em nome de um progresso comVilafranquense convidou o barreira de sol da praça de memória e de um desenvolvimento sem perder o sentido damatador para um almoço con- toiros de Villa Nueva del história”.vívio na sua sede onde foi pas- Fresno, mesmo por baixo, no A petição em defesa da Festa Brava já recolheu 17 216 assinat-sado após o mesmo, o dvd da burladero de fotógrafos o uras on-line e as restantes em papel. Alguns dos seus sub-corrida, transmitida dia 29 em nosso companheiro de equipa scritores argumentam que a Festa Brava é uma tradição que fazdireto pela Extremadura TV. Pedro Batalha guardava na sua parte da cultura e da identidade nacionais, outros lamentam queOportunidade para recordar câmara os momentos para seja necessário fazer uma petição para defender um patrimónioestes momentos vividos com mais tarde recordar desta alter- cultural “do qual todos nos devíamos orgulhar” e outros aindaintensidade em Villa Nueva nativa de Nuno Casquinha. apontam a perda de milhares de postos de trabalho se porventu-del Fresno e comentados ao Aqui ficam alguns desses ra acabassem os espectáculos taurinos.vivo pelo protagonista e um instantes tão especiais na Jorge Talixados seus mestres, o matador história da nossa tauromaquia..
  • 27. “ ALVERCA Voz RibatejanaRomaria centenária atrai centenas de pessoas “Senhor da Boa Morte resisteA Romaria do Senhor da Boa Morte continua a atrair algumas centenas de pessoas Foto Francisco SerraJorge Talixa tradição que os pais lhe trans- tas festas, isto é mais a tradiçãoA tradicional romaria do mitiram e que soube incutir das pessoas antigas”, reconheceSenhor da Boa Morte, organi- também aos seus descendentes. a pescadora da Vala dozada pela Santa Casa da Originária de uma família de Carregado, admitindo tambémMisericórdia de Vila Franca de pescadores da Vala do que, hoje em dia, “as pessoasXira no monte sobranceiro a Carregado explica que não falta têm que aproveitar todos osPovos com o mesmo nome, vai porque sempre gostou muito bocadinhos para trabalhar,resistindo à evolução dos tem- desta festa. “É uma tradição porque a vida está difícil. Épos e voltou a juntar várias cen- antiga, gosto por tudo, pela feriado em Vila Franca, mastenas de pessoas na Quinta- tradição, pela procissão, pelo não é noutros lados.Feira da Ascensão. O ambiente ambiente, pela festa toda em si, Antigamente era diferente”,de são convívio mantêm-se, pelo almoço neste ambiente ao sublinha, lembrando quemas alguns lamentam que os ar livre”, disse ao Voz durante muitos anos foi aojovens já adiram pouco à festa. Ribatejana, enquanto organiza- Senhor da Boa Morte a pé,O grupo dos “Almoçaristas do va a mesa para o almoço, à atravessando caminhos e as ser-Senhor da Boa Morte” dá tam- sombra de uma das velhas ras que separam a Vala dobém um impulso forte para que árvores do monte. “Há 50 anos Carregado do Monte do Senhora festa se mantenha (ver caixa). era muito diferente. Ainda da Boa Morte com o seu pai.A missa solene, a procissão e a agora eu estava a observar o Ao seu lado, a filha, Luísabênção dos campos e da cidade facto do Santo vir com os Tavares, e o marido, Antóniode Vila Franca desde o Cruzeiro bombeiros, já não é tradição Tavares, são também fiéisda Independência são os pontos assim. A tradição é vir real- adeptos da Romaria do Senhoraltos da romaria que tem, mente aos ombros, não no carro da Boa Morte e ainda se recor-depois, durante a tarde, uma dos bombeiros”, frisou, con- dam de fazer o mesmo percurso tradições que tinha, “até o Câmara Maria da Luz Rosinha. rancho que não quis dançar nacomponente mais profana com siderando que “há muita juven- a pé a partir da Vala. A vida Colete Encarnado e a feira “A presidente não ajuda, tirou a Feira do Melão. Havia melão efolclore e música coral e, sobre- tude que ainda podia trazer o mudou, agora todos vêm de estão a perder tradição. E a beleza que Vila Franca tinha. podiam ter mantido a feira.tudo, muita confraternização no santo” na procissão. carro, mas os seus filhos já evi- própria cidade”, lamenta. A Acabou com muita coisa, a Sempre houve disponibilidadeespaço natural do monte com Beatriz Padinha admite que, há tam e ultimamente já não mesma opinião tem Luísa Feira do Melão então foi o dos avieiros para acarretaruma vista inigualável sobre o 50 anos, “vinham mais pes- querem ir à festa. “Ainda se Tavares, que critica algumas caos. Não foram os pescadores melão e manter a feira”, con-Tejo e a Lezíria. soas” à romaria. “Isto aqui era vêm pessoas mais jovens, mas atitudes da presidente da que não quiseram, não foi o clui.Beatriz Padinha tem 65 anos e uma festa pegada. Mas o espíri- menos”, salienta Antóniopraticamente desde os seus 10 to mantém-se e este ano está Tavares, considerando que aanos que vai sempre à Romariado Senhor da Boa Morte. Uma bastante concorrida. Os jovens também já não vão muito nes- romaria estava este ano bem organizada e que o espaço do Almoçaristas ajudam a manter viva a festa monte estava bem cuidado. “A capela é que foi pintada só pela metade, para a outra não tinta”, observa, por seu lado, Luísa Tavares, que acha que a festa tem perdido afluência também porque as pessoas têm mais dificuldade em terem o dia livre. “Trabalhasse hoje em muito lado. Tive que tirar um dia de férias para poder estar aqui. Mesmo no concelho de Vila Franca, a maior parte dos armazéns está a trabalhar e o meu filho, que trabalha em Lisboa, não teve feriado”, con- stata. António Tavares acha que Vila Franca perdeu muitas das Há uma dúzia de anos, dois amigos resolveram os campinos envelhecem, mas sublinha que os criar um grupo e promover a confraternização Almoçaristas têm conseguido envolver cada vez e a solidariedade no alto do Senhor da Boa mais pessoas. Este ano resolveram, também, Morte. Problemas de saúde das respectivas prestar homenagem a quatro figuras da região: esposas levaram João Silva e Ernesto Mateus a o Vítor de Povos, o Eduardo “Minhoca”, a Ana prestarem uma homenagem ao Senhor da Boa Varina e o Vitorino da Casa Zacarias. Morte e, a partir daí, nasceram os Paulo Santos é outro dos membros dos “Almoçaristas do Senhor da Boa Morte”. Almoçaristas. Reside na zona desde que Aconselhamento nutricional “Fomos juntando mais amigos e é tudo dado de nasceu, há quase 44 anos, e gostava de ver mais Modelação corporal graça”, explica João Silva, salientando que, juventude no Senhor da Boa Morte. “Acho que este ano, o grupo reuniu refeições para ofere- devia haver mais jovens a participar. Tem que Cosmética natural cer suficientes para quase 200 pessoas. se mostrar mais a festa à juventude. As pessoas Feijoada, pão e vinho estiveram ao dispor de vão envelhecendo e os jovens não aderem”, Produtos naturais todos no espaço dos Almoçaristas, que recol- sustenta, mostrando alguma satisfação por ver OFERTA: es ses um Massagens de relaxamento hem os bens em várias estabelecimentos da a romaria bastante concorrida. “Já não é o que sõ e 1ª Sessão de Quiromassagem cidade e junta da própria Câmara. Ao mesmo era há 50 anos, mas acho mal que isto acabe, de pra d tempo organizam uma série de convites, tudo espero que continue. É pena não trazerem o 10 Av. Capitão João Almeida Meleças Modelação pa com nº 54 A r/c Dto Loja 1 2615-096 Alverca do Ribatejo com o objectivo de promover a confraterniza- Santo às costas na procissão. Os jovens é que Tel.: 914 992 243 | 219 574 247 ção e de “ajudar a preservar a romaria”. deviam trazer o Santo, como era antigamente”, ck Corporal* *Na alverca@natureblue.pt João Silva admite que as pessoas envelhecem, defende Paulo Santos.