Confusão no Galinheiro - Vovó Mima Badan
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Confusão no Galinheiro - Vovó Mima Badan

on

  • 1,446 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,446
Views on SlideShare
1,443
Embed Views
3

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

1 Embed 3

http://www.slideshare.net 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Confusão no Galinheiro - Vovó Mima Badan Confusão no Galinheiro - Vovó Mima Badan Presentation Transcript

  • ESTÓRIAS DA VOVÓ MIMA
  • CONFUSÃO NO GALINHEIRO
  • Naquele galinheiro sempre houve muita harmonia. As galinhas eram amigas, trocavam confidências e procuravam sempre se ajudar. Até que um dia...
  • Chega no galinheiro uma galinha diferente das outras. E, já chega fazendo pose, olhando as outras com pouco caso, achando-se superior a todas. Quem seria ela? Quem seria essa metida tão diferente das outras? Vocês já viram a metida que chegou???
  • É essa aí... Ouviram dizer que é uma tal galinha d’angola, uma raça trazida da África há muito tempo, na época da escravidão no Brasil. É uma galinha escura, com bolas brancas e muito escandalosa.
  • As amigas galinhas conversam... -Comadre, como é que nós vamos agüentar essa outra que chegou? Ela é muito escandalosa! -Pois é, comadre, minhas crianças andam muito assustadas com ela... É só aparecer alguém ou um barulho estranho que ela começa na maior gritaria. E como grita!!! E ainda por cima grita: “Tô fraco, tô fraco, tô fraco!!” Pode uma coisa dessas acontecer por aqui?
  • A vida no galinheiro virou um verdadeiro inferno! Era só briga o dia todo, ninguém agüentava mais... A galinha d’angola gritava: “Tô fraco, tô fraco...” e as outras gritavam: “Cale a boca, cale a boca, pare de ser escandalosa!” Eu sou o manda-chuva daqui e não sei mais o que fazer!?!?!
  • Os dias vão passando, mas a confusão, a brigaiada não... É só pena voando dia e noite, uma verdadeira guerra!!! Vem, marido, vamos embora daqui!!!
  • A galinha d’angola não entendia a razão de tanta implicância! Achava que era porque era diferente, não sabia cantar como as outras... E ficava triste, muito triste, sentindo-se só e abandonada por todos.
  • Uma noite... Silêncio... Todos dormiam... Menos a galinha d’angola que gritava na maior agitação e, todos acabaram acordando e, é claro, saiu mais uma briga daquelas! Será que ninguém mais tinha sossego naquele galinheiro? Mas, nada da galinha calar a boca – só gritava, gritava!!!
  • Mas, perceberam um grande clarão vermelho lá no meio da fazenda e calorão tremendo!!! O que poderia ser??? Mas, sentiam que alguma coisa errada estava acontecendo... E a d’angola continuava a gritar, a gritar... Será que ninguém entendia o que estava acontecendo???
  • Era um grande incêndio!!! Foi a maior correria – as galinhas salvando os filhos, o galo salvando as galinhas... Correram, correram pra longe, bem longe, pois o fogo já estava chegando perto do galinheiro.
  • Quando já estavam a salvo se lembraram daquela que os salvou – a galinha d’angola! Precisavam agradecer! Mas, onde estava ela??? Estava escondida, e também muito assustada... Será que iam brigar com ela de novo? Ela só quis ajudar...
  • Queriam agradecer, só isso!!! Só isso nada!!! Queriam que ela aceitasse desculpas por tudo que tinham feito a ela... Foram perdoados e, a d’angola passou a ser a “rainha do galinheiro” e... Ninguém mais implicou com o seu “tô fraco, tô fraco, tô fraco”...
  • Estória criada e formatada por MIMA (WILMA) BADAN, a VOVÓ MIMA [email_address] MÚSICA: Chorinho na praia – Jacob do Bandolim IMAGENS: da Net (Repasse com os devidos créditos) PARA MINHAS NETAS QUERIDAS, PIETRA e MARTINA, com o carinho da Vovó