Klavaro manual-pt-1.0.8

  • 1,034 views
Uploaded on

 

More in: Self Improvement
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,034
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
9
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Klavaro 1.0.8 - Curso de Digita¸˜o ca Felipe E. F. de Castro 27 de maio de 2008
  • 2. Sum´rio a1 Descri¸˜o Geral ca 4 1.1 Menu principal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 1.1.1 Configura¸˜es b´sicas . . . . . . . . . . . . . co a . . . . . . 4 1.1.2 Menu de exerc´ ıcios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 1.2 Escolha ou edi¸˜o do arranjo de teclado . . . . . . . ca . . . . . . 6 1.2.1 Funcionamento do editor de leiaute . . . . . . . . . . . 7 1.3 Interface dos exerc´ ıcios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 1.3.1 Gr´ficos de progresso . . . . . . . . . . . . . a . . . . . . 8 1.3.2 Escolha da fonte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 1.3.3 Controle de som . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 1.4 Curso B´sico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a . . . . . . 10 1.4.1 Mudan¸a de li¸˜es . . . . . . . . . . . . . . c co . . . . . . 10 1.4.2 Apoio visual para o teclado . . . . . . . . . . . . . . . 10 1.5 Treinamento adaptativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 1.6 Progress˜o da velocidade . . . . . . . . . . . . . . . a . . . . . . 11 1.6.1 Arquivos de texto como dicion´rios . . . . . a . . . . . . 11 1.7 Obten¸˜o de fluidez . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca . . . . . . 12 1.7.1 Arquivos de texto como banco de par´grafosa . . . . . . 13 1.7.2 N´mero de par´grafos . . . . . . . . . . . . u a . . . . . . 132 Crit´rios de avalia¸˜o e ca da digita¸˜o ca 14 2.1 Exatid˜o . . . . . . a . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 2.2 Velocidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 2.3 Fluidez . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153 Arquivos usados e seus formatos 18 3.1 Preferˆncias gerais (.ini) . . . . . . . . e . . . . . . . . . . . . . 18 3.2 Arranjos de teclado (.kbd) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 3.3 Conjuntos de palavras (.words) . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 3.4 Conjuntos de par´grafos (.paragraphs) a . . . . . . . . . . . . . 21 3.5 Estat´ ısticas de progresso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 1
  • 3. ´SUMARIO 2 3.6 Textos das instru¸˜es do curso . . co . . . . . . . . . . . . . . . . 22 3.7 Li¸˜es do curso b´sico . . . . . . co a . . . . . . . . . . . . . . . . 23 3.7.1 Grupo comum . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 3.7.2 Grupo personalizado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 3.8 Dicas para a utiliza¸˜o dos dedos ca . . . . . . . . . . . . . . . . 244 Estrutura interna do programa 26
  • 4. Apresenta¸˜o ca Klavaro1 ´ um programa para ajudar no r´pido aprendizado da t´cnica de e a edigita¸˜o por tato, em teclados de computador. Digita¸˜o por tato significa ca caque somente este sentido f´ ısico ´ usado para se inserir os caracteres que eformam as palavras, sem necessitar utilizar-se da vis˜o, j´ que a posi¸˜o de a a catodas as teclas est˜o memorizadas no c´rebro. a e Dessa forma, ganha-se uma eficiˆncia muito grande para a produ¸˜o de e catextos diversos, sem mais perda de tempo preocupado-se com o instrumentode escrita, o teclado. Digitar fluentemente ´ como andar de bicicleta: os de- edos trabalham atrav´s de reflexos autom´ticos, deixando a mente mais livre e apara se expressar rapidamente, uma experiˆncia realmente fant´stica. e a Sendo assim, se vocˆ quer somente aprender a digitar corretamente, n˜o e aperca tempo: v´ logo usar o programa, lendo com aten¸˜o todas as instru¸˜es a ca cocolocadas l´. Se vocˆ j´ fez isso e est´ encontrando dificuldades, siga ent˜o a e a a apela primeira parte deste texto, sobre defini¸˜es b´sicas. L´ est˜o descritas co a a adetalhadamente todas as caracter´ ısticas do programa. A segunda parte trata de aspectos t´cnicos, especificando as fun¸˜es usa- e codas para se calcular a exatid˜o, velocidade e fluidez da digita¸˜o. a ca No terceiro cap´ıtulo, descrevem-se os formatos dos arquivos de confi-gura¸˜o, mostrando como se pode modific´-los para personalizar ainda mais ca aa estrutura do curso. Sim, n˜o ´ necess´rio adentrar nos meandros do c´digo a e a ofonte do programa para chegar a uma flexibilidade ainda maior. Basta editaralguns arquivos de texto. Mas se vocˆ quiser mudan¸as ainda mais dr´sticas, ent˜o tente entender e c a aa estrutura do c´digo fonte, com a “ajuda” da ultima parte deste documento. o ´ 1 Klavaro ´ uma palavra tomada do esperanto, que significa, simplesmente, teclado. e 3
  • 5. Cap´ ıtulo 1Descri¸˜o Geral ca Aqui est´ descrito o funcionamento geral do aplicativo, do ponto de vista ado usu´rio. a1.1 Menu principal A janela inicial apresenta bot˜es comuns de ajuda, cr´ditos e sa´ o e ıda, ques˜o como clichˆs dos aplicativos de computador modernos. Estes bot˜es s˜o a e o aauto-explicativos, portanto dispensam apresenta¸˜o. ca Logo abaixo, aparecem dois menus: um de configura¸˜o b´sica e outro ca apara os exerc´ ıcios de digita¸˜o propriamente ditos. ca1.1.1 Configura¸˜es b´sicas co a Dois s˜o os parˆmetros b´sicos do curso a serem definidos no menu de a a aconfigura¸˜o. Eles dizem respeito ao arranjo do teclado e ao idioma aplicado. caArranjo de teclado O arranjo do teclado s´ influencia os exerc´ o ıcios do curso b´sico e de adap- atabilidade. Atrav´s dos caracteres mostrados l´ ´ que s˜o formados os conjun- e ae atos de treinamento para as li¸˜es desses dois tipos de exerc´ co ıcio. Os tecladossofrem varia¸˜es de arranjo, pequenas ou n˜o, de acordo com a l´ co a ıngua a quese aplicam. Por isso sente-se a necessidade de adaptar o curso tamb´m ao etipo de teclado usado. Para fazer com que o tutorial se torne mais abrangentee flex´ıvel, disponibiliza-se uma cole¸˜o de arranjos de teclado pr´-definidos. ca e 4
  • 6. CAP´ ¸˜ ITULO 1. DESCRICAO GERAL 5 Mas se a variante do usu´rio n˜o estiver contemplada, ainda assim permi- a ate-se definir uma nova disposi¸˜o de teclas, atrav´s de um teclado “virtual”, ca eque surgir´ quando se pressiona a bot˜o Definir do submenu Configurando a a—> Teclado. O funcionamento dessa janela de configura¸˜o do arranjo do cateclado est´ explicado na se¸˜o 1.2, p. 6. a caIdioma aplicado Na primeira vez em que o tutorial ´ usado, o idioma local ´ detectado e edurante a inicializa¸˜o. Se este n˜o estiver disponibilizado pelo aplicativo, ca aescolhe-se o esperanto, sem delongas. De qualquer forma, sempre ´ poss´ e ıveltrocar-se o idioma depois que o programa j´ tiver sido inicializado. Este aparˆmetro afeta todos os textos da interface gr´fica do tutorial. Isso influ- a aencia mais fortemente os exerc´ıcios de velocidade e fluidez, cujos textos s˜o aformados a partir de palavras pr´prias ao idioma do usu´rio. o a Para se aplicar um dos outros idiomas dispon´ ıveis, primeiramente deve-seindic´-lo na caixa de escolhas Configurando —> Idioma. Feito isso, pressione ao bot˜o de confirma¸˜o Atualizar. Surgir´ uma pequena janela de di´logo, a ca a aalertando para o perigo de se mudar para um idioma desconhecido do usu´rio. aSe vocˆ estiver certo disso, confirme com a resposta adequada. e1.1.2 Menu de exerc´ ıcios S˜o 5 as op¸˜es do menu principal de partida: a co 0. Introdu¸˜o: esta ´ a li¸˜o n´mero 0, de prepara¸˜o, que cont´m ins- ca e ca u ca e tru¸˜es sobre como posicionar corretamente as m˜os para o trabalho co a de digita¸˜o. Consiste somente de um quadro apresentando um texto ca que deve ser lido (e relido, se necess´rio) com muita aten¸˜o. a ca 1. Curso b´sico: como padr˜o s˜o definidas 43 li¸˜es para este curso ini- a a a co cial, onde o aprendiz deve memorizar a disposi¸˜o das principais chaves ca de seu teclado. Aqui se inicia a automatiza¸˜o da digita¸˜o, num ca- ca ca minho longo e ´rduo, mas que vale a pena trilhar. Existe tamb´m um a e espa¸o livre que vai de 44 a 50, onde o usu´rio pode definir li¸˜es perso- c a co nalizadas, com conjuntos de caracteres que incluam vogais acentuadas, s´ ımbolos gr´ficos obtidos atrav´s da tecla <AltGr >, etc. O detalha- a e mento da interface que trata desta parte do curso est´ dado na se¸˜o a ca 1.4, p. 10.
  • 7. CAP´ ¸˜ ITULO 1. DESCRICAO GERAL 6 2. Exerc´ ıcio de adaptabilidade: estes s˜o exerc´ a ıcios com a inser¸˜o ca semi-aleat´ria de caracteres presentes no teclado. Esta ´ a oportuni- o e dade para se fixar, de uma vez por todas, o reflexo de toque na tecla correta, para cada caractere requerido. Por isso d´-se grande ˆnfase a e sobre a exatid˜o. As pseudo-palavras aplicadas neste treinamento n˜o a a apresentam nenhum sentido, o que ajuda a focar a aten¸˜o do aprendiz ca sobre um caractere por vez. A interface desta parte est´ explicada na a se¸˜o 1.5, p. 11. ca 3. Exerc´ ıcio de velocidade: este exerc´ disp˜e de uma lista de pala- ıcio o vras que s˜o inseridas aleatoriamente sob o formato aparente de frases a e par´grafos normais. As palavras est˜o diretamente relacionadas ao a a idioma configurado inicialmente pelo usu´rio. Tem-se ent˜o uma pre- a a para¸˜o para o avan¸o sobre a digita¸˜o no mundo real, com palavras ca c ca comuns do cotidiano. A interface deste treino est´ descrita na se¸˜o a ca 1.6, p. 11. 4. Exerc´ ıcio de fluidez: aqui disp˜e-se de uma lista de par´grafos que o a s˜o sorteados para serem seguidos pelo aprendiz em cada se¸˜o. O a ca n´mero de par´grafos recomendado para cada sess˜o ´ 3, mas pode- u a a e se alterar isso ` vontade entre os valores 1 e 10. Este ´ o trampolim a e para se adentrar na pr´tica com textos coerentes, pois ´ o que mais a e ca ´ se aproxima da forma real como se apresenta a tarefa de digita¸˜o. E o unico exerc´ que permite, ou melhor, exige, que o usu´rio corrija ´ ıcio a seus erros com a tecla de retrocesso (<←>). A interface deste exerc´ ıcio est´ detalhada na se¸˜o 1.7, p. 12. a ca ` A direita dos bot˜es de partida encontram-se controles para se escolher oquaisquer dos exerc´ ıcios como preferido. Assim, ao inciar, o aplicativo abrir´ adiretamente o m´dulo de exerc´ o ıcios escolhido. Para for¸ar o in´ na janela c ıciodo menu principal de partida, basta marcar a op¸˜o 0, relativa ao texto caintrodut´rio. o1.2 Escolha ou edi¸˜o do arranjo de teclado ca Esta janela ´ composta de trˆs partes: e e 1. Interface de escolha de arranjo: permite carregar leiautes1 que sejam originalmente disponibilizados pelo programa; ou salvar, remo- ver e carregar leiautes personalizados, que tenham sido definidos pelo usu´rio. a 1 apropria¸˜o e adapta¸˜o da palavra inglesa layout, que significa arranjo, disposi¸˜o. ca ca ca
  • 8. CAP´ ¸˜ ITULO 1. DESCRICAO GERAL 7 2. Mostrador e confirmador de escolha corrente: para n˜o haver a d´vidas quanto ` escolha que se est´ fazendo, existe um pequeno mos- u a a trador para o ultimo nome de leiaute escolhido pelo usu´rio, que ser´ ´ a a aplicado ao se pressionar o bot˜o Eleger. Para manter a configura¸˜o a ca anterior, voltando ao menu principal, basta clicar em Cancelar ou sim- plesmente fechar a janela “na for¸a bruta”2 . c 3. Editor de teclado: este item apresenta um modelo para a disposi¸˜o ca das teclas no leiaute corrente. Justamente por se tratar de somente um modelo, ele ´ chamado de Teclado Virtual. Ele funciona tamb´m e e como editor desse leiaute, pois as teclas mostradas s˜o tamb´m contro- a e les para seu pr´prio conte´do. Ou seja, se vocˆ clicar em qualquer uma o u e delas, surgir´ uma janelinha intrusa3 , requerendo que se defina o novo a caractere daquela tecla. A seguir s˜o dadas mais informa¸˜es sobre a a co fun¸˜o de edi¸˜o de leiaute. ca ca1.2.1 Funcionamento do editor de leiaute Enquanto n˜o se tenta mudar qualquer tecla, o leiaute apresentado ´ o a emesmo que aquele do mostrador de escolhas. Mas ao se come¸ar a editar co leiaute isso n˜o mais permanece v´lido. Essa situa¸˜o ´ enfatizada pela a a ca emensagem que aparece na parte superior do teclado. As mudan¸as no arranjo s˜o efetivadas salvando-as com um nome definido c ana entrada Editar —> Nova personaliza¸˜o. Se este campo estiver vazio, ao case pressionar o bot˜o Salvar, ser´ escolhido, por padr˜o, o nome “.tmp”. A a a apartir do momento que se salva as altera¸˜es, o arranjo definido passa a ser coa escolha corrente. Uma observa¸˜o importante diz respeito ` defini¸˜o do conte´do alterna- ca a ca utivo das teclas, ao se pressionar a tecla de eleva¸˜o (<Shift> = <⇑>), usada capara se inserir as letras mai´sculas e s´ u ımbolos comuns. Para as letras comunsdo alfabeto (sem acentua¸˜o, cedilha, trema, etc), n˜o ´ necess´rio se definir ca a e aisso, pois o aplicativo o faz automaticamente. Para as posi¸˜es inexistentes no seu teclado em rela¸˜o ao modelo virtual, co cabasta for¸ar seus conte´dos a vazio, inserindo um caractere em branco, com a c ubarra de espa¸os. Neste caso, n˜o se pode esquecer de apagar tanto a posi¸˜o c a canormal como a elevada (usando <⇑>). 2 for¸ar o fechamento atrav´s do bot˜o com um X, geralmente mantido no canto superior c e adireito da janela. 3 popup, do inglˆs, que significa algo que surge de repente, acima de tudo, de modo a eatrair a aten¸˜o. ca
  • 9. CAP´ ¸˜ ITULO 1. DESCRICAO GERAL 81.3 Interface dos exerc´ ıcios Em todos os exerc´ ıcios do curso utiliza-se uma mesma interface gr´fica, acujas caracter´ısticas comuns est˜o explicadas aqui. Sendo 4 os tipos de aexerc´ ıcio, as peculiaridades de cada um ser˜o especificadas nas se¸˜es mais a coadiante, que tratam de: • Curso b´sico; a • Treinamento adaptativo; • Progress˜o da velocidade; a • Obten¸˜o de fluidez. ca Para todos eles, o mecanismo de intera¸˜o ´ o mais simples poss´ ca e ıvel:cada li¸˜o apresenta um conjunto de caracteres que devem ser repetidos pelo caaprendiz, usando os dedos corretos para cada tecla. O caractere ‘¶’ representao retorno de carro, ou seja, uma nova linha, e deve ser inserido usando-se atecla <Enter >. Os caracteres “intactos” aparecem com uma colora¸˜o de fundo levemente ca `azulada. A medida que se avan¸a, os toques corretos s˜o pintados de verde e c aos erros s˜o marcados por uma colora¸˜o rosada. Durante os trˆs primeiros a ca eexerc´ıcios, n˜o se permite usar a tecla de retrocesso, para corrigir os carac- ateres digitados incorretamente. Isso s´ ´ habilitado na ultima etapa, quando oe ´praticando nos exerc´ ıcios de fluidez. Ao final de cada li¸˜o ´ dado o “veredicto” sobre o desempenho, avaliando- ca ese o aproveitamento do aluno e decidindo-se sobre a continua¸˜o para uma capr´xima etapa. o Pode-se interromper os exerc´ ıcios a qualquer momento, atrav´s da tecla eRecome¸ar, que surge no canto inferior direito sempre que uma sess˜o ´ c a einiciada. O exerc´ ıcio corrente ´ abandonado, iniciando-se um novo, sem econtabilizar quaisquer resultados sobre o desempenho do aprendiz. O bot˜o aIntrodu¸˜o, na parte de cima, tem este mesmo efeito, al´m de apresentar na ca etela um breve texto de orienta¸˜o sobre o exerc´ ca ıcio.1.3.1 Gr´ficos de progresso a O bot˜o Progresso ´ o caminho para se abrir uma janela que mostra a ea evolu¸˜o do desempenho do aprendiz ao longo das exerc´ ca ıcios que forampraticados at´ o fim. Em geral, s˜o 2 os crit´rios de avalia¸˜o registrados e a e capelo programa:
  • 10. CAP´ ¸˜ ITULO 1. DESCRICAO GERAL 9 1. Exatid˜o: este valor mede a quantidade relativa de caracteres digitados a corretamente, em rela¸˜o a todos os que foram requeridos pelo tutor. ca 2. Velocidade: mede a rela¸˜o entre a quantidade de caracteres requeridos ca e o tempo usado para digit´-los. a Para o quarto tipo de exerc´ ıcio, h´ tamb´m um crit´rio denominado “flui- a e edez”, que mede a qualidade constante do ritmo de digita¸˜o. Ele s´ ´ mos- ca oetrado para esse ultimo tipo de exerc´ ´ ıcio, onde ´ aplicado como crit´rio final e ede avalia¸˜o. ca As abscissas marcam a ordem dos exerc´ ıcios completados, seq¨enciando- uos um ap´s o outro. As ordenadas indicam os valores dos parˆmetros de o adesempenho propriamente ditos, de acordo com sua forma percentual. Mai-ores detalhes sobre o c´lculo destes parˆmetros s˜o dados no cap´ a a a ıtulo 2, p.14.1.3.2 Escolha da fonte O texto que aparece no quadro das li¸˜es pode ser configurado com as cofontes dispon´ıveis em seu sistema. Para isso, basta clicar no bot˜o com um adesenho das letras ab, que aparece no canto superior direito, ao lado docontrole de Som. Surge ent˜o um di´logo padr˜o para que se possa escolher a a aa fonte desejada, com o tamanho mais adequado para que o usu´rio se sinta aconfort´vel. a Esse bot˜o s´ fica habilitado logo antes de se come¸ar a praticar qualquer a o cexerc´ ıcio, no momento em que aparece na tela o texto que dever´ ser digitado apelo aluno. Isso acontece para for¸ar a possibilidade de se pr´-visualizar o c eresultado da mudan¸a da fonte, atrav´s da janela para escolha dela. c e1.3.3 Controle de som Para cada erro cometido pelo aprendiz, al´m da letra incorreta adquirir eum fundo colorido em rosa, emite-se um som como um “bipe”, pelo alto-falante do computador. Este som pode ser inconveniente em algumas si-tua¸˜es. Portanto, foi implementado um controle para permitir silenci´-lo: ´ co a ea caixa de verifica¸˜o Som, que fica no canto superior ` direita. ca a No entanto, antes de se decidir por eliminar esses bipes, pondere que elestˆm uma parcela de influˆncia consider´vel na evolu¸˜o do aprendizado, pois e e a cafuncionam como puni¸˜o pelos erros, condicionando o c´rebro a n˜o cometˆ- ca e a elos com tanta freq¨ˆncia. Isso porque nossa mente fica perturbada com esses uesons irritantes e, ent˜o, tendemos a prestar mais aten¸˜o para errar menos. a ca
  • 11. CAP´ ¸˜ ITULO 1. DESCRICAO GERAL 10 Bem, isso ´ s´ uma teoria, baseada na experiˆncia do pr´prio autor do e o e oprograma.1.4 Curso B´sico a O curso b´sico ´ a origem de tudo, a parte mais importante do trei- a enamento, o (des)motivador inicial, pois ´ atrav´s dele que se memoriza a e edisposi¸˜o do teclado (ou se desiste de vez). ca1.4.1 Mudan¸a de li¸˜es c co Independentemente da progress˜o normal dos exerc´ a ıcios, ´ poss´ saltar e ıvelpara qualquer n´ ıvel, usando-se o controle com rolagem Li¸˜o, no canto su- caperior esquerdo. Se o usu´rio termina corretamente qualquer li¸˜o escolhida a capor esse modo, direto, o tutor assume que a pr´xima li¸˜o a ser aplicada ´ a o ca ede n´mero imediatamente superior ` que foi completada. u a A ultima li¸˜o oficial para o curso b´sico ´ a de n´mero 43. Mas o usu´rio ´ ca a e u apode definir conjuntos de treinamento especiais para li¸˜es extras, que v˜o co ade 44 a 50. Quando se salta para uma destas li¸˜es aparece o bot˜o Editar, co aque permite a edi¸˜o dos caracteres usados como base para elas. Ao se clicar canele, aparece logo a seu lado uma entrada de texto, onde se pode definir oconjunto de caracteres. Para finalizar a defini¸˜o, basta teclar <Enter > ou caclicar de novo em Editar, de modo a trazˆ-lo de volta ` posi¸˜o inicial. e a ca1.4.2 Apoio visual para o teclado No in´ do curso b´sico, alguns alunos sentem dificuldades em memo- ıcio arizar o alcance dos dedos para cada tecla. Para ajud´-los a decorar essas arela¸˜es, existe uma interface de apoio, que mostra quais dedos s˜o res- co apons´veis por cada tecla. Esta interface ´ obtida ao se pressionar o controle a eTeclado, que aparece na parte superior da janela do tutorial. Ela nada mais´ do que a repeti¸˜o do teclado virtual que est´ configurado no menu iniciale ca ado programa. S´ que o funcionamento agora ´ totalmente instrutivo: ao se clicar com o e 4o mause nas teclas, uma imagem mostrando a figura de duas m˜os destaca aqual dos dedos deve agir para pressionar a tecla indicada. No caso da barrade espa¸o, ambos os polegares s˜o destacados, para mostrar que qualquer um c adeles pode ser usado. 4 adapta¸˜o da palavra inglesa mouse, que ´ o dispositivo perif´rico de direcionamento ca e edo ponteiro gr´fico na tela. a
  • 12. CAP´ ¸˜ ITULO 1. DESCRICAO GERAL 11 A imagem com as dicas de dedos pode ser levada para o ambiente dotutorial, atrav´s da caixa de verifica¸˜o Manter m˜ozinhas. Neste caso, es- e ca asas m˜ozinhas “trapaceiras” permanecem dentro de uma pequena janelinha aflutuante, a qual pode ser posicionada em qualquer lugar ao redor da janelade exerc´ıcios do curso.1.5 Treinamento adaptativo Este ´ o teste final para avaliar o aprendizado da posi¸˜o de todas as e cateclas e o requerido automatismo da rea¸˜o dos dedos para alcan¸´-las com ca caprecis˜o. Ele abarca todos os caracteres definidos no teclado, o mesmo que afoi configurado a partir do menu inicial do aplicativo. A unica maneira de se alterar os caracteres usados neste exerc´ ´ atrav´s ´ ıcio e eda defini¸˜o dos mesmos no arranjo de teclado, a partir no menu principal. caPor exemplo, poderia-se criar um leiaute personalizado (meio maluco mesmo)que for¸asse a inclus˜o de caracteres acentuados. Desta forma, estes seriam c aconsiderados no momento da cria¸˜o dos exerc´ ca ıcios de adaptabilidade.1.6 Progress˜o da velocidade a Estes testes apresentam a oportunidade de se aumentar consideravelmentea velocidade de digita¸˜o, pela repeti¸˜o de padr˜es comuns presentes no ca ca oidioma do praticante. S˜o palavras tiradas de textos diversos, arrumadas de amodo aleat´rio sob a forma de frases e par´grafos, mas sem nenhum sentido. o a1.6.1 Arquivos de texto como dicion´rios a A unica personaliza¸˜o que esta modalidade permite ´ atrav´s da in- ´ ca e edica¸˜o de um arquivo de texto que servir´ como fonte de palavras a serem ca ausadas para formar as sess˜es de exerc´ o ıcio. Estes arquivos devem estar codifi-cados em UTF-85 . Os caracteres que n˜o forem reconhecidos s˜o substitu´ a a ıdospor espa¸os em branco. c Para carregar um arquivo de texto, deve-se clicar no bot˜o Outros, no acanto superior esquerdo. Surge ent˜o um pequena caixa de escolha, com uma alista de arquivos carregados, prontos para serem aplicados. Na primeira vezque se usa este recurso, logicamente nenhum arquivo extra deve estar pre- 5 UTF-8 ´ uma codifica¸˜o que abrange a escrita em v´rias l´ e ca a ınguas, incluindo os maisdiversos tipos de caracteres.
  • 13. CAP´ ¸˜ ITULO 1. DESCRICAO GERAL 12sente, somente o exemplo padr˜o, que vem junto com o pacote do aplicativo, aquando este ´ instalado. Essa caixa apresenta quatro a¸˜es a serem tomadas: e co • Aplicar o selecionado: aplicar um arquivo selecionado dentre os que estejam listados, ou seja, j´ armazenados; a • Colar: criar um arquivo modelo a partir de texto copiado para a ´rea a de transferˆncia; e • Ler do arquivo: buscar um arquivo, preparando-o para ser usado, ar- mazenando-o para futura aplica¸˜o e carregando-o na mem´ria; ca o • Remover selecionado: remover um arquivo, que esteja selecionado, da lista de op¸˜es. co Outra possibilidade para se criar um exerc´ personalizado aqui consiste ıcioem se arrastar e soltar texto para dentro da linha de eco dos caracteresdigitados, situada na parte de baixo da janela do tutorial.1.7 Obten¸˜o de fluidez ca Aqui ´ dada uma ˆnfase maior ao ritmo de digita¸˜o, que deve ser o mais e e cauniforme poss´ ıvel. Muitos dos erros de digita¸˜o vˆm da afoba¸˜o em se ca e cadigitar repentinamente pequenos trechos com seq¨ˆncias de caracteres mais uecomuns. Isso n˜o s´ aumenta a chance de se errar, mas tamb´m causa estresse a o eaos dedos, por requerer que estes se movimentem muito rapidamente, o quecontribui para sua fadiga precoce. Portanto, a calma e fluidez s˜o qualidades amuito importantes ao se digitar longos textos. Esta ultima parte do curso ´ um treino para isso, exigindo tamb´m efic´cia ´ e e am´xima na precis˜o, sendo que qualquer erro deve ser corrigido atrav´s da a a etecla de retrocesso, o que implica em enorme perda de tempo, com a con-seq¨ente diminui¸˜o da velocidade no cˆmputo geral de cada li¸˜o. O pro- u ca o cagrama entende a combina¸˜o de teclas <Ctrl > + <Retrocesso>. Isso faz cacom que o retrocesso salte para o primeiro caractere errado, ao inv´s de um ecaractere por vez. Sendo assim, este ´ o exerc´ mais pr´ximo da digita¸˜o real de textos no e ıcio o cadia-a-dia de qualquer operador de computador. Trabalha-se com par´grafosaformados por frases com algum sentido, tratando de temas diversos. Estespar´grafos s˜o tomados de um arquivo de texto, que pode ser definido pelo a ausu´rio, assim como feito para o caso do exerc´ de velocidade, na se¸˜o a ıcio caanterior, 1.6.1.
  • 14. CAP´ ¸˜ ITULO 1. DESCRICAO GERAL 131.7.1 Arquivos de texto como banco de par´grafos a Os par´grafos deste exerc´ s˜o sorteados dentre aqueles presentes em a ıcio aum arquivo texto, o qual deve estar codificado em UTF-8. Os par´grafos adevem ser separados entre si apenas por retornos de carro. N˜o importa se ahouver linhas em branco entre eles, pois elas ser˜o desconsideradas. a Todas as instru¸˜es dadas na se¸˜o 1.6.1 s˜o aplic´veis analogamente aqui, co ca a aj´ que a interface para o gerenciamento dos arquivos de treino personalizados a´ a mesma para os dois casos.e Um detalhe interessante de ser comentado ´ o fato de que os arquivos ede texto inclu´ ıdos como banco de par´grafos para os exerc´ a ıcios de fluidezs˜o aproveitados tamb´m para formar dicion´rios, os quais ficam dispon´ a e a ıveispara serem aplicados nos exerc´ ıcios de velocidade.1.7.2 N´ mero de par´grafos u a Um parˆmetro importante a ser definido ´ a quantidade de par´grafos que a e acomp˜em os exerc´ o ıcios. Este valor pode variar de 1 a 10, sendo configuradoatrav´s do controle Par´grafos:. e a A quantidade de trˆs par´grafos ´ considerada m´dia. Mas para os inici- e a e eantes, pode ser mais interessante manter somente um par´grafo por sess˜o, a apara n˜o se cansar muito, j´ que a velocidade de digita¸˜o ainda ´ muito a a ca epequena. E aqueles mais exagerados poderiam mesmo treinar com dez, oque seria uma verdadeira maratona para as m˜os!a
  • 15. Cap´ ıtulo 2Crit´rios de avalia¸˜o da e cadigita¸˜o ca S˜o trˆs os crit´rios de avalia¸˜o usados e todos tˆm uma rela¸˜o direta a e e ca e cacom a qualifica¸˜o da habilidade de digita¸˜o: quanto maiores seus valores, ca camelhor ´ o desempenho inferido. e2.1 Exatid˜o a A exatid˜o ´ dada em fun¸˜o do n´mero de caracteres inseridos e daqueles a e ca ucorretamente digitados. Ela ´ dada como a rela¸˜o percentual entre o n´mero e ca ude acertos e o total de caracteres. Para organizar e compactar este texto,vamos usar a nota¸˜o matem´tica usual: ca a Nt ´ o n´mero total de caracteres inseridos durante uma li¸˜o ou exerc´ e u ca ıcio. Ne ´ o n´mero de caracteres digitados erroneamente. e u Ep ´ a exatid˜o alcan¸ada, dada por um percentual de acertos. e a c A f´rmula para este c´lculo ´ muito simples: o a e Nt − Ne Ep = · 100 (2.1) Nt Ou seja, uma exatid˜o de 0% significa que todas as teclas foram digita- adas erroneamente. E 100% significa que todas as teclas foram corretamentedigitadas. 14
  • 16. CAP´ ´ ¸˜ ¸˜ ITULO 2. CRITERIOS DE AVALIACAO DA DIGITACAO 152.2 Velocidade A velocidade ´ fun¸˜o do n´mero de caracteres corretamente digitados e ca uem um dado espa¸o de tempo. c t ´ o tempo que o usu´rio levou para completar o exerc´ e a ıcio. Nc ´ o n´mero de caracteres digitados corretamente, dado por (Nt − Ne ). e u Vcps ´ a velocidade de digita¸˜o, dada em caracteres por segundo (CPS). e ca Vppm ´ a velocidade de digita¸˜o, dada em palavras por minuto (PPM). e ca Assim,: Nc    Vcps = t (2.2)  Vppm = 10 · Vcps  O fator 10 da segunda equa¸˜o vem do fato de usarmos um valor m´dio ca ecomo aproxima¸˜o para o comprimento das palavras, em geral. A cada 6 cacaracteres, conta-se em m´dia uma palavra: 5 letras e 1 espa¸o. Como cada e cminuto equivale a 60 segundos, a passagem de CPS para PPM fica f´cil de aser demonstrada: carac. palavra 60 seg palavra PPM = CPS = 10 CPS seg 6 carac. min min O ideal seria usar somente a taxa em CPS, que ´ mais direta, mas por emotivos de tradi¸˜o resolveu-se manter a contagem em PPM, que ´ bastante ca ecomum.2.3 Fluidez O caso da fluidez ´ mais uma quest˜o de gosto pessoal do que alguma e atentativa de padroniza¸˜o. Este crit´rio visa avaliar a capacidade de concen- ca etra¸˜o do digitador e seu dom´ ca ınio sobre o teclado. Assume-se a hip´tese de oque quanto mais acostumado com o teclado, menos hesita¸˜es ir˜o ocorrer co aentre cada toque; e tamb´m, que a aplica¸˜o met´dica da digita¸˜o t´ctil leva e ca o ca aautomaticamente a um ritmo cada vez mais constante (e mais saud´vel).aA vari´vel utilizada para se chegar a uma medi¸˜o de fluidez ´ o tempo a ca edecorrido entre cada dois toques consecutivos, para caracteres digitados cor-retamente. Suponha que a seguinte frase tenha que ser digitada:
  • 17. CAP´ ´ ¸˜ ¸˜ ITULO 2. CRITERIOS DE AVALIACAO DA DIGITACAO 16Eu dormi.E que o usu´rio tenha errado na letra d da palavra dormi, trocando-a por as. Ele s´ percebeu isso depois de ter digitado a letra o, acumulando dois oerros antes de retroceder para corrigir. Uma poss´ representa¸˜o para a ıvel caseq¨ˆncia de teclas pressionadas por ele ´: ue e E u s o <bs> <bs> d o r m i . * * * ! ! ! ! * * * * * * t1 t2 t3 t4 t5 t6 t7 t8 t9 <bs> s˜o os retornos corretivos; os toques v´lidos foram simbolizados por a aasteriscos e os toques inv´lidos, por exclama¸˜es. Ent˜o, simbolicamente, os a co atempos entre toques s˜o aqueles que se passam entre dois asteriscos consecu- ativos e as exclama¸˜es representam o atraso introduzido quando se cometem coerros. Assim, registram-se os instantes ti em que cada toque correto ocorre. Para esse exemplo, a seq¨ˆncia de intervalos de tempo ´ montada ent˜o ue e adeste modo: T = {T1 = (t2 − t1 ), T2 = (t3 − t2 ), T3 = (t4 − t3 ), . . . , T8 = (t9 − t8 )} De forma gen´rica, temos: Ti = (ti+1 − ti ), com i variando de 1 a (n − 1), eonde n ´ o n´mero de caracteres corretamente digitados. Para simplificar e ua defini¸˜o da f´rmula para o c´lculo da fluidez, algumas rela¸˜es inter- ca o a comedi´rias s˜o colocadas: a a 1 Xi = Ti (n−1) i=1 Xi X = (n − 1) (n−1) 2 i=1 Xi − X DP(X) = (n − 2) E o c´lculo da fluidez, finalmente ´: a e DP(X) Fp = 1 − · 100 (2.3) X Reconhece-se na defini¸˜o de DP(X) a f´rmula do desvio padr˜o sobre o ca o aespa¸o amostral X. No caso ideal, com ritmo constante, este desvio padr˜o c a
  • 18. CAP´ ´ ¸˜ ¸˜ ITULO 2. CRITERIOS DE AVALIACAO DA DIGITACAO 17anula-se e o valor para a fluidez resulta em 100, que ´ o valor m´ximo a e aser atingido. Por isso relacionamos este crit´rio a um percentual, da mesma eforma como foi feito para a exatid˜o. a
  • 19. Cap´ ıtulo 3Arquivos usados e seusformatos Ao longo do restante deste texto, assumimos o uso do sistema operacionalGNU/Linux. Com outros sistemas, deve-se fazer as adapta¸˜es necess´rias co apara os caminhos padronizados dos subdiret´rios. o Muitos dos arquivos criados pelo programa s˜o gravados no seguinte sub- adiret´rio, na pasta do usu´rio: o a 1($HOME)/.klavaro Outros arquivos, por serem est´ticos, encontram-se no subdiret´rio de a odados do programa, o qual situa-se em:/usr/share/klavaro Outra possibilidade ´ a cria¸˜o de um arquivo de preferˆncias no di- e ca eret´rio padr˜o “/etc”. Isso permite uma configura¸˜o inicial comum a todos o a caos usu´rios de um mesmo computador/servidor. Sobre isso, leia mais a se- aguir, na se¸˜o 3.1. ca3.1 Preferˆncias gerais (.ini) e Ao se finalizar o aplicativo, todas as escolhas feitas s˜o guardadas em aum arquivo chamado “preferences.ini”, dentro da pasta do usu´rio. Assim, a 1 ($HOME) representa o diret´rio raiz do usu´rio o a 18
  • 20. CAP´ ITULO 3. ARQUIVOS USADOS E SEUS FORMATOS 19da pr´xima vez que o programa inicializar, estas preferˆncias poder˜o ser o e arecarregadas a partir de l´. a Na primeira vez em que o usu´rio lan¸a o aplicativo, procura-se no sub- a cdiret´rio “/etc” um arquivo chamado “klavaro preferences.ini”. Se ele estiver opresente, ´ usado como fonte inicial para a defini¸˜o das preferˆncias gerais e ca epara o usu´rio. Sen˜o, aplica-se a configura¸˜o padr˜o, embutida no pr´prio a a ca a oaplicativo. A partir de ent˜o, segue-se com o mesmo procedimento descrito ainicialmente, para as pr´ximas vezes que o programa funcionar. o Ou seja, o arquivo no subdiret´rio do usu´rio sempre tem precedˆncia o a esobre aquele de configura¸˜o gen´rica, na pasta “/etc” do sistema. ca e As informa¸˜es salvas nesse arquivo s˜o: co a • Idioma da interface e dos exerc´ ıcios. • Habilita¸˜o da auto-inicializa¸˜o em algum dos m´dulos de exerc´ ca ca o ıcios. • Qual dos m´dulos deve ser auto-inicializado, caso esteja habilitada esta o a¸˜o. ca • Nome do arranjo de teclado. • Li¸˜o a ser praticada no curso b´sico. ca a • Habilita¸˜o da sonoriza¸˜o de bipes. ca ca • Fonte a ser usada para o texto do quadro de exerc´ ıcios. • Dicion´rio de palavras a ser usado nos exerc´ a ıcios de velocidade. • Arquivo de par´grafos a ser usado nos exerc´ a ıcios de fluidez. • N´mero de par´grafos a serem digitados em cada sess˜o de exerc´ u a a ıcios de fluidez.3.2 Arranjos de teclado (.kbd) Para manter a independˆncia do curso b´sico em rela¸˜o ao arranjo dos e a cateclados, s˜o necess´rias informa¸˜es sobre as posi¸˜es de cada tecla no ar- a a co coranjo instalado no computador. Dada essa necessidade, a independˆncia fica esendo parcial; mas ainda assim, ganha-se muita flexibilidade, pois mesmoque o programa n˜o contenha dados sobre um certo tipo de teclado, sempre a´ poss´ definir e indicar o arranjo desconhecido. Por isso o programa dis-e ıvelponibiliza um editor especial para trabalhar sobre um teclado virtual, o qual
  • 21. CAP´ ITULO 3. ARQUIVOS USADOS E SEUS FORMATOS 20reflete as posi¸˜es dos caracteres dentro de um espa¸o padronizado de teclas, co cpermitindo a defini¸˜o dos mais diversos tipos de arranjo. ca Os arquivos usados para guardar estas informa¸˜es de arranjo s˜o de- co anominados com a extens˜o “.kbd”. S˜o arquivos em modo texto, com dois a aconjuntos de quatro linhas. Cada linha representa uma fila de 14 teclas.E cada caractere define a rela¸˜o posicional entre ele e a tecla respons´vel ca apor sua inser¸˜o. Para posi¸˜es de teclas inexistentes, usa-se um espa¸o em ca co cbranco. As quatro primeiras linhas s˜o para os caracteres min´sculos e sem a upressionar a tecla de eleva¸˜o <Shift>. J´ as quatro ultimas linhas definem ca a ´os caracteres inseridos atrav´s da combina¸˜o com a tecla de eleva¸˜o. As e ca cateclas de controle, como <Tab>, <Shift>, <Ctrl >, etc, n˜o s˜o representa- a adas. Como exemplo, aqui est´ a listagem do arquivo “qwerty br.kbd”: a‘1234567890-=qwertyuiop[]asdfghjkl;’ zxcvbnm,./~!@#$%^&*()_+QWERTYUIOP{}ASDFGHJKL:"| ZXCVBNM<>? Apesar desta descri¸˜o mais detalhada, a maneira mais segura de se criar caestes arquivos ´ usando o editor do programa, a partir do bot˜o Definir do e amenu principal. L´, o local onde s˜o salvos os arquivos dos arranjos personalizados ´ o a a ediret´rio do usu´rio, “($HOME)/.klavaro/*.kbd”. o a E os arquivos originais est˜o situados em “/usr/share/klavaro/*.kbd”.2 a Para saber como os arquivos “.kbd” s˜o aplicados na cria¸˜o das li¸˜es a ca codo curso b´sico, leia a se¸˜o 3.7, p. 23, mais adiante. a ca3.3 Conjuntos de palavras (.words) Nos exerc´ıcios de velocidade, as palavras inseridas vˆm de um arquivo ecom a extens˜o “.words”, que nada mais ´ do que um arquivo texto com uma a elista de palavras, podendo-se repetirem ou n˜o, com uma palavra por linha. a 2 Aqui, o asterisco representa o nome que aparece na interface, sem a extens˜o “.kbd” a
  • 22. CAP´ ITULO 3. ARQUIVOS USADOS E SEUS FORMATOS 21 Para cada idioma selecionado no menu principal existe um arquivo dedicion´rio padr˜o, localizado na pasta de dados do programa. Mas pode- a ase criar novos arquivos de dicion´rio a partir de arquivos de texto comum. aBasta escolher o texto a partir do comando Outros, na janela dos exerc´ıciosde velocidade. Os arquivos criados s˜o guardados no subdiret´rio do usu´rio. a o aEstes arquivos tamb´m s˜o gerados automaticamente ao se criar arquivos do e atipo “.paragraphs”, nos exerc´ ıcios de fluidez.3.4 Conjuntos de par´grafos (.paragraphs) a Analogamente ao item anterior, nos exerc´ ıcios de fluidez os par´grafos ainseridos vˆm de um arquivo com a extens˜o “.paragraphs”, um arquivo texto e acom uma lista de frases e par´grafos. a Para cada idioma selecionado no menu principal existe um arquivo depar´grafos padr˜o, localizado na pasta de dados do programa. Podem-se a atamb´m usar novos arquivos de par´grafos a partir de arquivos de texto e acomuns. Basta escolher o texto a partir do comando Outros, na janela dosexerc´ıcios de fluidez. Os arquivos criados s˜o guardados no subdiret´rio do a ousu´rio e automaticamente as palavras contidas nele s˜o usadas para gerar a aum arquivo do tipo dicion´rio, “.words”. a3.5 Estat´ ısticas de progresso Ao final de cada exerc´ ıcio, as principais medidas de desempenho al-can¸adas pelo praticante s˜o armazenados em arquivos tipo texto, para po- c aderem ser mostradas como gr´ficos de progresso (ou retrocesso :-). a Estes arquivos nunca s˜o sobrescritos pelo programa, todos os dados s˜o a aacumulados em seu final. Aqui tamb´m, o subdiret´rio usado ´ o do usu´rio. e o e aSe vocˆ n˜o se contenta com os gr´ficos que o programa disponibiliza, pode e a ausar uma planilha eletrˆnica, por exemplo, para visualiz´-los melhor. O o aformato num´rico ´ sempre o C (inglˆs), para evitar surpresas ao se grav´-los e e e acom diferentes configura¸˜es de idioma. co A forma geral para o nome destes arquivos ´ “stat *.txt”, onde o asterisco epode ser: • basic: curso b´sico; a • adapt: exerc´ ıcios de adaptabilidade; • velo: exerc´ ıcios de velocidade;
  • 23. CAP´ ITULO 3. ARQUIVOS USADOS E SEUS FORMATOS 22 • fluid: exerc´ ıcios de fluidez. Para os exerc´ ıcios de fluidez, existe ainda outro arquivo, que ´ sobrescrito ea cada exerc´ completado. Trata-se de um arquivo texto que registra os ıciotempos entre toques corretos, os quais foram usados para se calcular a ultima ´pontua¸˜o de fluidez. Este arquivo ´ gravado na pasta do usu´rio, sob o nome ca e a“deviation fluid.txt”.3.6 Textos das instru¸oes do curso c˜ Todas as instru¸˜es do curso s˜o lidas a partir de arquivos texto, arma- co azenados no subdiret´rio de dados do programa. o Sua nomea¸˜o ´ feita a partir deste modelo: LL_CC_Nome.txt, onde LL ´ ca e eo c´digo da l´ o ıngua, CC ´ o c´digo do pa´ e Nome remete ` fun¸˜o do texto e o ıs a cadentro do programa. A lista a seguir explica as fun¸˜es de cada arquivo codesses e onde s˜o usados. a • LL_CC_help.txt - pequeno texto que aconselha o usu´rio a usar as a dicas dos controles da interface. • LL_CC_about.txt - informa¸˜es sobre o programa tais como: vers˜o, co a autor, etc. • LL_CC_intro.txt - instru¸˜es gerais de introdu¸˜o a um curso de di- co ca gita¸˜o. ca • LL_CC_basic_intro.txt - instru¸˜es introdut´rias ao curso b´sico. co o a • LL_CC_adapt_intro.txt - a mesma coisa para os exerc´ ıcios de adap- tabilidade. • LL_CC_velo_intro.txt - o mesmo para os exerc´ ıcios de velocidade. • LL_CC_fluid_intro.txt - idem para os exerc´ ıcios de fluidez. Os unicos arquivos cujos nomes n˜o seguem fielmente este modelo s˜o os ´ a aoriginais do inglˆs, j´ que o c´digo inicial usado para eles ´ “C”. Se vocˆ quiser e a o e ealterar qualquer um destes textos, basta criar uma c´pia no subdiret´rio do o ousu´rio e edit´-lo l´. Pois o programa primeiro busca dentro dessa pasta a a aantes de tentar abrir o padr˜o, no subdiret´rio de dados. a o
  • 24. CAP´ ITULO 3. ARQUIVOS USADOS E SEUS FORMATOS 233.7 Li¸oes do curso b´sico c˜ a3.7.1 Grupo comum A maneira pela qual os caracteres de cada li¸˜o do curso b´sico s˜o esco- ca a alhidos est´ especificada pelo arquivo chamado “basic lessons.txt”, armazenado ano subdiret´rio de dados. Cada li¸˜o ´ formada por um conjunto de 11 linhas, o ca eque devem estar ordenadas assim: • Cabe¸alho (n˜o importa o conte´do, ´ s´ descritivo). c a u e o • Quatro linhas de especifica¸˜o para os caracteres normais. ca • Uma linha em branco como separador. • Quatro linhas de especifica¸˜o para os caracteres combinados com a ca tecla de eleva¸˜o <Shift>. ca • Outra linha em branco como separador para a pr´xima li¸˜o. o ca As linhas de especifica¸˜o s˜o compostas de 0’s e 1’s. E como era de ca ase esperar, os 1’s indicam que o caractere correspondente `quela posi¸˜o de a catecla deve ser inclu´ na li¸˜o. Logicamente, os 0’s indicam o contr´rio. O ıdo ca an´mero de li¸˜es est´ fixado em 43, ou seja, o arquivo deve conter 43 destes u co ablocos de 11 linhas. Segue como exemplo a listagem da primeira e da ultima ´li¸˜o do arquivo original. caLesson 010000000000000000000000000000000100100000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000Lesson 43000000000000001110000000000000000000010000
  • 25. CAP´ ITULO 3. ARQUIVOS USADOS E SEUS FORMATOS 241100000011110000000000000000111000000000000000000001000011000000111100 Cuidado ao se modificar este arquivo, pois vocˆ pode prejudicar a flexibi- elidade do curso b´sico. N˜o havendo interesse em manter esta caracter´ a a ıstica,ent˜o basta respeitar estritamente a formata¸˜o do arquivo. Lembre-se: 43 a cali¸˜es! co3.7.2 Grupo personalizado Se o usu´rio sentir necessidade de criar novo tipo de li¸˜o para o curso a cab´sico, ´ prefer´ usar o recurso das li¸˜es personalizadas, girando o bot˜o a e ıvel co ade sele¸˜o delas para valores entre 44 e 50. ca Os arquivos que mantˆm registradas essas defini¸˜es personalizadas s˜o e co agravados na pasta do usu´rio, nomeando-se assim: “basic lesson XX.txt”, aonde XX representa o n´mero da li¸˜o. O formato deles ´ uma simples ca- u ca edeia de caracteres (em UTF-8), que ser˜o usados para se criar os padr˜es de a oexerc´ ıcios, dentro do tutorial.3.8 Dicas para a utiliza¸˜o dos dedos ca As dicas das m˜ozinhas flutuantes s˜o obtidas tamb´m a partir de um a a earquivo texto, similar aos arquivos do tipo “.kbd”. S´ que neste caso, basta oespecificar um conjunto de quatro linhas, pois os dedos de cada tecla s˜o os amesmos, independente da necessidade de se combinar com a tecla de eleva¸˜o caou n˜o. O nome do arquivo que guarda este mapeamento entre dedos e teclas a´ “fingers position.txt”. Ele encontra-se no subdiret´rio de dados.e o Cada algarismo, de 1 a 9, representa um dos dedos das m˜os, sendo que aambos os polegares s˜o representados por um s´ valor. A lista abaixo descreve a oesta codifica¸˜o. ca 1. Mindinho da m˜o esquerda. a 2. Anular da m˜o esquerda. a 3. M´dio da m˜o esquerda. e a
  • 26. CAP´ ITULO 3. ARQUIVOS USADOS E SEUS FORMATOS 25 4. Indicador da m˜o esquerda. a 5. Polegares, tanto faz de qual m˜o. a 6. Indicador da m˜o direita. a 7. M´dio da m˜o direita. e a 8. Anular da m˜o direita. a 9. Mindinho da m˜o direita. a A formata¸˜o do arquivo define uma rela¸˜o direta entre a posi¸˜o das ca ca cateclas nos arquivos “.kbd” e as posi¸˜es em que os algarismos (dedos) s˜o co acolocados. A t´ıtulo de exemplo, aqui est´ a listagem do arquivo original: a11234466789999123446678999901234466789990011234466789900
  • 27. Cap´ ıtulo 4Estrutura interna do programa Ao se ler os arquivos em C e seus arquivos de cabe¸alho, deve-se conside- crar que quatro deles foram gerados automaticamente, atrav´s do programa eGlade, em sua vers˜o 2.12.1. O arquivo do Glade para definir esta interface a´ o “klavaro.glade”, que se encontra na raiz dos diret´rios do c´digo fonte. Ee o oos arquivos derivados dele s˜o: a • “main.c” - sem coment´rios, n´? a e • “support.c” / “support.h” - suporte ` manipula¸˜o de arquivos pixmap a ca (aqueles terminados em “.xpm”), tradu¸˜o para outros idiomas, etc. ca • “interface.c” / “interface.h” - fun¸˜es que criam todos os itens da inter- co face. • “callbacks.c” / “callbacks.h” - conjunto de chamadas feitas a partir de controles ou eventos gerados pela intera¸˜o do usu´rio. ca aDestes, o arquivo que sofre maiores modifica¸˜es ´ o “callbacks.c”, j´ que to- co e adas as fun¸˜es l´ devem ser editadas e definidas ap´s sua gera¸˜o autom´tica co a o ca ainicial. A figura seguinte serve como ponto de partida para entender como est´ aorganizado o c´digo do programa. Sugere-se primeiro uma boa familiariza¸˜o o cacom a interface, usando bastante o aplicativo e explorando todas as suascaracter´ ısticas. Uma ultima observa¸˜o a se fazer ´ que os coment´rios dentro dos arquivos ´ ca e ade c´digo est˜o escritos em inglˆs, j´ que esta l´ o a e a ıngua ´ a mais comum dentro edo meio de programa¸˜o computacional (mas devemos mudar isso: para os capr´ximos projetos que cuidarmos n˜o mais aplicaremos o inglˆs...). o a e 26
  • 28. CAP´ ITULO 4. ESTRUTURA INTERNA DO PROGRAMA 27 Figura 4.1: Fluxograma