• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Romantismo no brasil   primórdios
 

Romantismo no brasil primórdios

on

  • 12,976 views

 

Statistics

Views

Total Views
12,976
Views on SlideShare
12,976
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
101
Comments
3

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

13 of 3 previous next Post a comment

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Romantismo no brasil   primórdios Romantismo no brasil primórdios Presentation Transcript

    • ROMANTISMO NO BRASIL
    • O QUE VOCÊ DEVERÁ SABER:  Como se caracterizou a produção literária da primeira geração romântica.  Qual a relação entre a independência política e o romantismo.  Como os viajantes estrangeiros influenciaram a escolha dos símbolos literários da nossa identidade cultural.  Como se caracterizou a poesia indianista.  De que modo o índio simboliza o encontro entre os ideais românticos e o desejo de independência literária.
    • 1) Descreva a cena representada.2) Que adjetivos você usaria para representar a natureza presente na cena? 3) O quadro se chama Floresta Virgem do Brasil. O adjetivo virgem significa, nesse contexto, que a floresta não foi transformada pelos seres humanos. Na cena, vemos três pessoas andando na mata. Qual parece ser a relação entre os índios e a natureza?4) O adjetivo virgem traduz bem o que o artista pretendeu representar com seu quadro? Por que?
    • 1)Em meio a uma floresta, quase no centro inferior, um índio aponta sua flecha para um pequeno animal. Próximo a esse animal, há uma cobra. No lado direito, um outro índio parece indicar o caminho para uma mulher, enquanto atravessam um tronco sobre um rio caudaloso. 2)A natureza foi retratada para destacar seu aspecto exuberante,majestoso. A grandiosidade das árvores é complementada pela luz que, entrando em raios por meio da vegetação, parece banhar a cena. A água abundante, representada pelo rio que corre caudaloso, aluminosidade, as árvores gigantescas e os animais selvagens compõem um quadro paradisíaco, de natureza intocada pela mão humana. 3)A relação é de perfeita integração. Os índios são retratados comoelementos da natureza. Não aparecem como elementos estranhos, que vão destruí-la ou transformá-la. Eles representam os seres humanos puros, em estado original.4)Sim. A ideia é criar, para o público, a imagem da natureza exuberante das matas brasileiras. Nesse sentido, o adjetivo “virgem” traduz bem arepresentação criada pelo Conde de Clarac, porque os índios são vistos como elementos integrados à natureza.
    • Canção do exílioKennst du das Land, wo die Citronen Bluhen,Im Dunkeln die Golg-Orangen gluhen,Kennst du es wohl? – Dahin, dahin!Mocht ich...ziehln. GoetheMinha terra tem palmeiras,Onde canta o Sabiá;As aves, que aqui gorjeiam,Não gorjeiam como lá.Nosso céu tem mais estrelas,Nossas várzeas têm mais flores,Nossos bosques têm mais vida,Nossa vida mais amores.
    • Em cismar, sozinho, à noite,Mais prazer eu encontro lá;Minha terra tem palmeiras,Onde canta o Sabiá.Minha terra tem primores,Que tais não encontro eu cá;Em cismar –sozinho, à noite–Mais prazer eu encontro lá;Minha terra tem palmeiras,Onde canta o Sabiá.Não permita Deus que eu morra,Sem que eu volte para lá;Sem que desfrute os primoresQue não encontro por cá;Sem quinda aviste as palmeiras,Onde canta o Sabiá. Coimbra – Julho de 1843.
    • 1)Qual é o contexto a partir do qual´o eu-lírico fala sobre a sua pátria?2)Qual é a imagem do Brasil presente no texto? Como ela é construída pelo eu-lírico? 3)Explique a alternância, no poema, entre o uso de pronomes possessivos na primeira pessoa do singular e do plural.4)Que semelhança é possível identificar entre o retrato da natureza brasileira feito no poema de Gonçalves Dias e no quadro do Conde de Clarac?
    • 1) A fala do eu lírico é de alguém que está exilado, ou seja, vivendo fora de sua terra natal. 2)O texto apresenta uma imagem idealizada do Brasil, caracterizado como uma terra paradisíaca, de qualidades incomparáveis e insuperáveis por qualquer outro país.O eu lírico realiza, inicialmente, comparações entre o que pode ser encontrado no Brasil e em Portugal. Assim, o sabiá do brasileiro canta mas e melhor do que as aves portuguesas; os “primores” brasileiros não podem ser encontrados em Portugal. Em seguida, a comparação se generaliza: o eu lírico passa a fazer a afirmação da superioridade absoluta das coisas brasileiras na segunda estrofe (“Nosso céu tem mas estrelas”). Há a possibilidade de duas interpretações: nosso céu é o mais estrelado de todos os céus. Nos dois casos, a comparação é feita para enaltecer o Brasil, caracterizando-o como um país de beleza extraordinária. 3)O poema se inicia como um lamento particular, de um brasileiro que se encontra exilado em Portugal e sente saudades da pátria. Por esse motivo, as primeiras referencias feitas ao país são especificas e particulares (“minha terra”), indicando que ele fala da terra onde nasceu. Na segunda estrofe, o eu lírico passa a apresentar características do país, portanto, algo que não deveria estar associado somente aosseus sentimentos individuais, mas pode ser percebido por todos: as estrelas do céu, as flores e os bosques. 4)Tanto pintura quanto o poema criam uma representação idealizada da natureza brasileira. No quadro, isso se manifesta na representação grandiosa das árvores e do rio. No texto, as comparações estabelecidas entre os elementos nacionais e os dos outros países leva á constatação de que tudo o que é brasileiro é mais viçoso, mais belo, mais perfeito. Na base dessas comparações também está a natureza pátria.
    • Contexto histórico:  1808 – Chegada da família real ao Brasil.  Início da publicação da gazeta do Rio de Janeiro.  1814 - Criação da biblioteca nacional no Rio de Janeiro a partir dos livros da Biblioteca real do palácio da Ajuda de Lisboa.  1816 – Chegada da missão artística francesa ao Brasil.  1817 – Chegada da Missão artística austríaca ao Brasil.
    •  1821 – D. João VI retorna a Portugal. 1822 – Proclamação da Independência do Brasil. 1824 – a primeira constituição brasileira é promulgada. 1831 – D. Pedro primeiro abdica do trono e tem início a Regência trina no Brasil. 1837 – inauguração do Colégio D. Pedro II, no Rio de Janeiro.
    •  1844 - Alexandre Herculano publica Eurico, o presbítero. 1846 - Gonçalves Dias publica primeiros Cantos.
    • Missões artísticas:  Missão artística Francesa: chefiada por Lebreton.  Tinha a função de civilizar o povo brasileiro.  Criou a Academia Imperial de Belas Artes.  Debret, Taunay, Pradier, Montigny.
    • As outras missões:  Missões científicas.  Pesquisar a fauna e a flora.  Pesquisar os indígenas.  Civilizar os brasileiros.  Idéias liberais e nacionalistas.  Ajuda para se construir uma identidade nacional.
    • RUGENDAS  Johann Moritz Rugendas foi um pintor alemão que viajou por todo o Brasil durante o período de 1822 a 1825, pintando os povos e costumes que encontrou. Rugendas era o nome que usava para assinar suas obras. De família de artistas, integrou a missão do barão de Georg Heinrich von Langsdorff e permaneceu no Brasil três anos. Fez publicar suas memórias de viagem e transformou desenhos e aquarelas nas litografias do luxuoso álbum «Viagem pitoresca ao interior do Brasil». Sua temática era predominantemente paisagística e de representação de cenas do cotidiano. Deixou desenhos a grafite e bico-de-pena de tipos americanos, brasileiros ou latino- americanos, estudos de plantas, índios, negros, retratos, vistas urbanas, paisagens.
    • DEBRET Jean-Baptiste Debret ou Debret foi um pintor e desenhista francês. Integrou a Missão Artística Francesa (1816), que fundou, no Rio de Janeiro, uma academia de Artes e Ofícios, mais tarde Academia Imperial de Belas Artes, onde lecionou pintura. De volta à França (1831) publicou Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil (1834-1839), documentando aspectos da natureza, do homem e da sociedade brasileira no início do século XIX. Em suas telas retratou não apenas a paisagem, mas sobretudo a sociedade brasileira, não esquecendo de destacar a forte presença dos escravos. Foi iniciativa sua a realização da primeira exposição de arte no país, em 1829.
    •  Para Von Martius, a gênese do povo brasileiro era a de seu povo nativo. Mas o autor destaca a importância das três raças na formação do típico brasileiro.
    • O manifesto romântico brasileiro  Grupo de Paris – Gonçalves de Magalhães e Araújo de Porto Alegre.  Lançaram a revista Nitheroy – Revista Brasiliense de Ciências, Letras e Artes.  “Tudo pelo Brasil, e para o Brasil”  Gonçalves de Magalhães – História da literatura no Brasil – imitação.  Necessidade de reconhecimento do Brasil como nação pelo seu povo.  Valorização da cultura local.
    • 1ª geração  “Cada povo tem sua literatura própria, como cada homem seu caráter particular, cada árvore seu fruto específico”.  Identidade nacional – amor à pátria.  Bom Selvagem de Rousseau – homem livre e incorruptível.  Europa – cavaleiro medieval  Brasil – Índio.
    • Suspiros Poéticos e Saudades – 1836 – Gonçalves de Magalhães. Crença no progresso da humanidade, no triunfo do belo, do santo e do justo pelo exercício da razão.
    • Projeto literário da poesia de 1ª geração. Propaganda nacionalista. Olhar idealizado para a pátria – olhar dos expatriados. Textos que respondiam aos anseios do povo. Formação do público leitor. Métrica e rimas – semelhantes aos tambores.
    • Gonçalves Dias  Origem mestiça – português e uma cafuza.  Estudou Direito em Coimbra.  Natureza, Pátria, Religião.  Enobrecimento do Índio – Os timbiras, Canto do piaga, Deprecação, I-Juca Pirama.
    • I – Juca Pirama  Primeiras estrofes compostas por seis versos de 11 sílabas métricas (hendecassílabos).  Rimas AABCCB