Niède Guidon (excerto do livro "Vidas a Descobrir")

1,362 views
1,265 views

Published on

Published in: Education, Travel, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,362
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
12
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Niède Guidon (excerto do livro "Vidas a Descobrir")

  1. 1. Foto: Juliano Gouveia p15 Niède Guidon TEXTO CARLA MENDES DATA DA REPORTAGEM 08/2007 Trilobites na mão de Niède Guidon, 2007 Arqueologia Brasil
  2. 2. Parque Nacional Serra da Capivara, 2007 Foto: Joana Barros
  3. 3. Joana Barros
  4. 4. Toca do Sítio do Meio, terceira missão franco-brasileira 1978 Foto: arquivo Fumdham
  5. 5. Niède Guidon / PARQUE NACIONAL SERRA DA CAPIVARA, BRASIL / FUNDAÇÃO MUSEU DO HOMEM AMERICANO, BRASIL TEXTO CARLA MENDES, AGÊNCIA LUSA Às seis horas da manhã, Niède Guidon já vencer subidas e descidas íngremes para está a guiar o seu 4x4 pelas estradas de terra orientar o trabalho de técnicos e alunos. do sertão brasileiro rumo às escavações que Faz isso todos os dias. coordena. Aos 75 anos, a arqueóloga pau- Niède Guidon é um exemplo de tenaz lista, que pôs por terra teorias tradicionais dedicação à ciência e ao desenvolvimento. sobre a presença do homem nas Américas, É uma pessoa que faz a diferença. Deter- está em plena actividade. É o trabalho que minada e objectiva, empenha-se a fundo lhe dá mais prazer na vida. Pesquisadora em tudo o que faz. Com o seu trabalho, incansável, nem mesmo os dois joelhos mudou a vida de muitas pessoas numa das com parafusos, devido a fracturas sofridas regiões mais pobres do Brasil, no interior há dez anos, a impedem de ir ao campo e do Nordeste. A guardiã do tesouro arqueológico tatus, macacos, onças, periquitos, cobras, «A arqueologia muitas vezes destrói tudo em aranhas, roedores e anfíbios. A vida ador- que o homem moderno acredita. É muito mecida parece acordar. divertido quando a ciência destrói uma Foi nesta região que Niède Guidon crença. É um passo à frente. E, como cien- encontrou as provas da mais antiga pre- tista, se alguém me provar que uma teoria sença humana nas Américas. A sua equipa minha está errada agradeço, porque estou escavou, na década de 1970, cerca de 1200 procurando a realidade, não um sonho. metros cúbicos na Toca do Boqueirão da Mas tem de o provar», diz-nos. Pedra Furada — um dos mais de mil e Durante os seus largos anos de pes- trezentos sítios arqueológicos que hoje quisas, Niède Guidon destruiu várias encontramos ali — um lugar imponente, crenças sobre o homem americano. Foi marcado pela presença de dois grandes um trabalho árduo no estado do Piauí, no blocos de rocha que se desmoronaram da coração do chamado Polígono das Secas, imensa escarpa. A impressão de estarmos a uma região sujeita a estiagens prolonga- entrar numa grande boca inspirou o nome das, que duram até nove meses por ano. deste abrigo pré-histórico, onde os nossos A falta de chuvas torna a paisagem um antepassados deixaram centenas de pintu- manto esbranquiçado1, um emaranhado ras rupestres. Estas não podem ser datadas de ramos retorcidos, salpicado por plantas em laboratórios, porque não contêm espinhosas e recortado por desfiladeiros material orgânico. Contudo, a datação por gigantescos. Apesar do aspecto seco, todas Carbono-14 de alguns dos objectos encon- as plantas estão vivas. Quando chega a trados nas escavações do abrigo remonta a chuva, as árvores cobrem-se de folhas e a 57 000 anos BP2. vegetação torna-se exuberante. A fauna «Ficou assim comprovado que os ho- acompanha a transformação, revelando mens já estavam no continente americano a sua diversidade. São papa-formigas, bem antes do que se postulava. E mais: 1. A vegetação predominante é a caatinga, que significa mato 2. Sigla do inglês Before Present, «Antes do Presente», escala branco na língua indígena tupi-guarani. usada pela Arqueologia e outras disciplinas científicas para datar eventos do passado em relação à data presente.
  6. 6. NIÈDE GUIDON, ARQUEOLOGIA, p21 Foto: Juliano Gouveia Niède Guidon, 2007 esses homens não poderiam ter vindo da do Homo sapiens para as Américas vindo América do Norte, porque, naquela altura, de África ou da Europa. A hipótese defende esta região estava coberta de gelo até à zona que o sistema de correntes marítimas e da Florida. Definitivamente, Pedra Furada, ventos terá favorecido possíveis travessias no Parque Nacional Serra da Capivara é hoje do oceano Atlântico em embarcações rudi- o sítio com as mais antigas evidências de mentares, oceano esse que na altura seria ocupação humana na América», explica- bem menos profundo, ficando pontuado de -nos a arqueóloga. ilhas que facilitariam essa passagem. Uma Na avaliação de Guidon, a teoria pre- possibilidade é a de o Homo sapiens ter valente até então sobre a chegada do chegado à América proveniente da Penín- Homo sapiens ao continente americano sula Ibérica ou das ilhas ao sul, próximas carecia de dados. A hipótese era que há da costa de Marrocos, levado pela corrente 12 000 anos, data correspondente ao das Canárias até à corrente do Golfo. Outra período final da última grande glaciação via possível, segundo Niède Guidon, que terrestre, grupos de caçadores teriam poderia explicar a antiguidade da presença chegado à América pelo estreito de Behring. humana no Nordeste do Brasil, é o per- Saindo da Ásia, o homem teria atraves- curso que segue pela costa oeste de África, sado a pé essa nova «ponte» de gelo que utilizando a corrente de Benguela e depois ligava a Sibéria ao Alasca, acompanhando a corrente equatorial do Golfo da Guiné, manadas de mamutes. Dos planaltos norte- até à costa nordestina do Brasil. -americanos, os grupos teriam então inicia- Estas conjecturas não excluem a hipótese do a sua migração rumo ao Sul, espalhando- da existência de outros caminhos da Ásia -se pelas Américas. para as Américas, como o colar das ilhas O trabalho da cientista mostrou, no Aleútas, um arquipélago a sudoeste do entanto, que a pré-história terá sido ou- Alasca, as ilhas da Malásia, da Indonésia tra. Embora a passagem pelo estreito de e da Oceânia. As vias de acesso abriam- Behring continue válida, os novos dados -se e fechavam-se segundo as oscilações indicam que houve uma primeira migração climáticas e podem ter sido utilizadas em

×