Your SlideShare is downloading. ×
Maria Jesus Trovoada (excerto do livro "Vidas a Descobrir")
Maria Jesus Trovoada (excerto do livro "Vidas a Descobrir")
Maria Jesus Trovoada (excerto do livro "Vidas a Descobrir")
Maria Jesus Trovoada (excerto do livro "Vidas a Descobrir")
Maria Jesus Trovoada (excerto do livro "Vidas a Descobrir")
Maria Jesus Trovoada (excerto do livro "Vidas a Descobrir")
Maria Jesus Trovoada (excerto do livro "Vidas a Descobrir")
Maria Jesus Trovoada (excerto do livro "Vidas a Descobrir")
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Maria Jesus Trovoada (excerto do livro "Vidas a Descobrir")

1,162

Published on

Published in: Education, Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,162
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Foto: Lígia Deus p95 Maria de Jesus Trovoada TEXTO ANA SOUSA DIAS DATA DA REPORTAGEM 11/2007 Maria de Jesus na entrada principal da Casa Grande da Roça Sundy, Príncipe, 2005 Antropologia Biológica São Tomé e Príncipe
  • 2. Carlos Penha-Gonçalves, Lígia Deus e Maria de Jesus Trovoada, Príncipe, 2005 Foto: Roni Moya
  • 3. Crianças da roça Sundy na sessão de esclarecimento sobre a malária, Príncipe, 2008 Foto: Ligia Deus
  • 4. Maria de Jesus Trovoada / INSTITUTO GULBENKIAN DE CIÊNCIA, PORTUGAL TEXTO ANA SOUSA DIAS Malária, uma palavra que muitas vezes respostas trazem mais perguntas: a menina atravessou a vida de Maria de Jesus Tro- que subia às árvores e corria de bicicleta voada dos Santos, embora ela não se lembre tornou-se cientista. O acaso levou-a para de ter tido a doença. Durante a infância, a Biologia Celular e a Antropologia, temas em São Tomé, a mãe assegurava que os que se cruzam na investigação da malária quatro filhos tomavam a dose semanal de que hoje desenvolve com os olhos postos na resoquina, mais tarde fornecida pela es- ilha onde nasceu e para onde quer voltar. cola. Prolongou a idade das perguntas cujas É no Instituto Gulbenkian de Ciência que se deliciar com as carambolas maduras. a conversa se desenrola, com explicações «Andava sempre de calçõezinhos, minha minuciosas de Maria de Jesus quando quer mãe tinha sempre o cuidado de os fazer.» esclarecer um pormenor científico. Uma Tinha 8 ou 9 anos quando um acidente a fez visita guiada aos laboratórios dá para per- escolher um rumo para a vida: o cão que ceber como os dias se passam entre o com- adorava morreu atropelado, e ela decidiu putador e a bancada, na equipa coordenada ser veterinária. Ainda hoje não sabe se por Carlos Penha-Gonçalves. Inicialmente, teria sido melhor seguir este sonho que não está muito à vontade a conversar, talvez a vida não deixou concretizar, mas tem a preferisse mostrar o trabalho a alguém que certeza de que não gostaria de ter seguido percebesse um mínimo de biologia celular Medicina como as duas irmãs mais velhas. para avançar com maior rapidez. No en- «Sensibiliza-me imenso o sofrimento, só tanto, nunca foge às perguntas e volta atrás de pensar que podia alguém morrer, a pre- para explicar melhor quando lhe parece cisar da minha ajuda e eu sem poder fazer necessário. Disfarça a preocupação com as nada… Não conseguiria suportar.» horas que vão passando, porque precisa de Maria de Jesus não tem uma memória ir buscar o filho mais novo à reunião dos clara do nascimento da República de São escuteiros, mas vai ganhando confiança Tomé e Príncipe, a 12 de Julho de 1975, na ao longo da conversa. Está habituada a altura estava em Portugal. «Lembro-me perder-se nas horas, entregue ao trabalho dos preparativos, na altura da revolução, de laboratório, numa sequência rigorosa e nos meses que antecederam a independên- paciente de operações. Percebe-se que esta cia. A minha irmã fazia parte da associação mulher, nascida em São Tomé no dia de cívica, que mobilizava as pessoas para Natal de 1961, gosta muito do que faz. sessões de esclarecimento. Falou-se muito E nada faria prever esta vida num espaço nessa altura sobre a história da população fechado porque, nos tempos de menina, santomense, houve uma grande procura ela era uma «maria-rapaz» que jogava das verdadeiras raízes. Todos tinham o badmínton na rua, andava de bicicleta e cuidado de se expressar sempre na língua trepava à caramboleira do quintal para de São Tomé.» O apelido da cientista revela
  • 5. MARIA DE JESUS TROVOADA, ANTROPOLOGIA BIOLÓGICA, p101 Foto: Joana Barros Maria de Jesus Trovoada no Laboratório de Genética de Doenças, Instituto Gulbenkian de Ciência, 2008 que pertence à família de Miguel Trovoada que lhe custou particularmente porque, que assumiu a presidência do primeiro por causa dos desacertos dos currículos, governo de São Tomé independente (1975- chumbou no 5.º ano na Escola Rainha Dona 1979), e que depois foi eleito duas vezes Leonor, em Alvalade. Presidente da República (1991-2001). Ao contrário do que hoje acontece, não A questão das origens da população do existia ainda ensino superior em São Tomé, país fez parte das perguntas a que ela pro- era por isso necessário sair do país. curou responder através da investigação Os três irmãos já tinham vindo para científica, mas esse é um tema que virá mais Portugal — as duas raparigas mais velhas tarde na conversa. Por agora, ela está a falar para estudar Medicina e o irmão Filosofia. de «coisinhas que ficaram» desses tempos Maria de Jesus casou-se entretanto e foi de adolescência: «Em nossa casa não falá- viver com o marido para Luanda, onde vamos a língua de São Tomé, falávamos só nasceu a primeira filha. Estava em plena português.» gravidez quando recomeçou os estudos Recorda um bom mestre de Língua Por- mas, ao contrário do que desejaria, não tuguesa: «Eu tinha uma imaginação muito havia curso de Veterinária em Luanda, ape- fértil e o professor, que era português, in- nas no Huambo. Angola estava em guerra centivava imenso a parte criativa. Adorava civil e a jovem mãe não quis sair da capital as suas aulas, inventava histórias, escrevia — inscreveu-se em Biologia, o curso mais contos.» Mas gostava mais de Ciências e de próximo do que pretendia, e começou Geografia e, sobretudo, estava decidida a a dar aulas de Ciências da Natureza no ser veterinária e portanto escolheu a área Liceu Augusto N’Gangula. «Havia imensas das Ciências. dificuldades, era terrível, as lojas não Viveu até ao fim do ensino secundário estavam abastecidas. Para se conseguir na capital santomense, na casa familiar da qualquer coisa era preciso ficarmos em Rua Padre Martim Pinto da Rocha, com ex- filas enormes, eu ou o meu marido. Foram cepção de uma temporada que passou em tempos muito difíceis... e muito bons, ao Lisboa, com a mãe e uma irmã — um ano mesmo tempo.»

×